História All For Love - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Dir En Grey, KAMIJO, Kaya, Miyavi, Nightmare, The GazettE
Personagens Aoi, Kai, Personagens Originais, Reita, Ruki, Uruha
Tags Aoiha, Jrock, Kaimyv, Kamya, Reituki, The Gazette, Xjapan, Yaoi
Visualizações 20
Palavras 2.274
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meu amores! (。♥‿♥。)
Att em cima da hora sim porque o bloqueio chegou e com força total hahaha.

Capinha linda do Die porque sim e porque esse homem é uma delícia! ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Música escolhi é Jealous do Dir en Grey. Escolhi a versão live de 2013 por ser no piano.
Link nas notas finais como de costume.

Boa Leitura <3

Capítulo 13 - Jealous - Ciumento


Fanfic / Fanfiction All For Love - Capítulo 13 - Jealous - Ciumento

[Mizuki]

Eu não conseguia imaginar que justo o Toshiya era irmão do Die. Eles eram tão diferentes e agiam de forma diferentes. Por essa não esperava e acredito que ninguém lá no colégio a não ser o diretor sabiam disso.

Die levantou em um salto com o rosto sério.

- Vamos, Mizuki. Eu te acompanho – disse ele tirando a mochila da minha mão e colocando em seu ombro.

 

Toshiya continuava nos observando com aquele sorriso enigmático que ele tem. Essa família parecia estranha demais para o meu gosto, isso sim.

Já estávamos lá fora e Die não tinha falando uma só palavra. Ele parecia bastante tenso.

 

- Me perdoa, Die. Eu não queria...

 

Ele estatuou na calçada olhando para o chão. Era visível que algo o incomodava. O que está passando pela cabeça dele que está deixando ele assim?

 

- A culpa não é sua, Mizuki. É que eles...às vezes é tão difícil.

 

- Não sei como é a sua convivência com a sua mãe mas com o Toshiya, vocês parecem bem juntos.

 

- A gente as vezes se dá bem sim – respondeu depois de um suspiro – porem sou praticamente obrigado pelos meus pais a seguir tudo o que ele faz e ele...não tem limites.

 

- Como assim?

- Deixa pra lá, Mikuzi. Só te peço para não comentar sobre isso com ninguém. Sei que são seus amigos e que não tenho direito de pedir nada. Por favor...

 

- Tudo bem, não direi nada. Eu prometo!

 

- Obrigada! Eu estou feliz por ter passado um tempo com você – respondeu sorrindo, mas seu olhar ainda era triste.

 

Assenti e continuamos a caminhar lado a lado. Pra fugir daquela conversa, resolvi falar do que já estava habituada: música e ele me pareceu radiante dizendo as bandas que mais gostava, os guitarristas que admirava e estranhamente ele não citou a banda X Japan, mesmo eu tenha notado o pôster na sua parede.

As vezes ele queria me poupar de falar da banda da qual meu pai faz parte o que de certa forma eu agradecia porque não quero que novamente alguém se aproxime de mim por esse motivo. Era de certa forma libertador viver momentos assim, onde eu era somente a Mizuki, uma estudante normal como todas as outras.

Chegamos na porta da minha casa e fique hesitante em entrar. Pra falar a verdade não queria que esse dia acabasse, apenas isso.

 

- Obrigada por me acompanhar até em casa. Ficou tarde tão rápido e nem percebemos – disse a ele e então me entregou a mochila.

 

- É verdade. Contigo o tempo passa bem mais rápido – respondeu me fazendo corar.

 

-  Eu vou entrar agora, Die.

 

- Tá bom... – respondeu se aproximando e depositando um beijo na minha bochecha. Senti minha cara inteira queimar instantaneamente de vergonha – boa noite Mizu-chan.

Sorrindo, ele se foi e eu fechei o portão encostando as costas no mesmo. Foi involuntário que meus dedos corressem para o local do beijo. Eu podia sentir ainda a sensação dos lábios na minha pele. E ele me chamou de...Mizu-chan.

O que isso significa? Eu não sei mas acho que vou ter bons sonhos essa noite.

 

- Beba. Hoje está mais calor que nos demais dias. Vamos lá...está com medo de pegar sapinho é? – perguntou me fazendo rir contida. Como ele podia fazer piada com algo tão bobo?

 

Devagar levei o bico da garrafa até a boca e bebi alguns goles. De fato eu estava com sede e grande parte disso seria o nervosismo que eu sentia estando com ele. Porque ele me olhava assim?

 

 Com cuidado, devolvi a garrafa de água e ele mais que depressa bebeu novamente secando a mesma em dois goles. Sem dúvidas ele não tinha problemas em dividir essa garrafa comigo. Será que...isso conta como um beijo indireto?

...

Já estava guardando tudo na mochila quando derrubei o caderno no chão e fiz menção de pegar ao mesmo tempo que ele, assim que vi os fios dourados próximos dos meus não pude deixar de olhar pra frente e ele me olhava nos olhos de uma forma tão intensa que era difícil desviar o olhar. Visto de perto assim, ele era mesmo muito bonito.

 

Meu coração batia tão rápido, podia sentir as mãos suadas pelo nervosismo. Com os dedos ele afastou meus cabelos do meu rosto e ele se aproximou ainda mais, fechei meus olhos sentindo que iria me beijar.

 

Nem preciso dizer que não consegui dormir à noite. O Die não conseguia sair da minha cabeça, mesmo que me esforçasse para isso. Queria entender um pouco da vida dele, a família, do que ele gosta.

Confesso que estou um pouco preocupado porque a mãe dele agira daquela forma com ele? Porque ele ficou tão retraído quando o Toshiya apareceu? Será que um dia eu saberia sobre isso? E porque ele disse que o irmão não tinha limites?

Achei estranho o Reita não falar nada sobre eu ter chegado tarde. Como se de fato eu me importasse com o que achava mas o vendo agora no café da manhã, ele parecia estranho e bastante quieto.

 

- Reita, você decidiu ir sem a faixa hoje?

 

Ele nem pareceu me ouvir. Ele penteou os cabelos hoje? Avaliando ele agora, as olheiras arroxeadas indicavam que mais alguém não havia dormido a noite. O que será que aconteceu pra ele ter ficado assim?

 

- Reita?

 

- O que?

 

- A faixa, você vai sem?

 

- Não – respondeu e seus dedos foram para o seu rosto e então voltou para o quarto para coloca-la.

O que teria acontecido se eu não tivesse falado nada? O que todos achariam em ver ele sem aquela faixa? Ele não precisava se esconder, ele era tão bonito.

 

- Vamos?

 

- Sim Reita, vamos.

 

Nos encontramos com todos na entrada do colégio e eu queria saber o que estava acontecendo com o grupo já que todos pareciam bem diferentes.

Conversamos um pouco e depois cada um seguiu para a sua sala. O Shinya chamou o Reita e então segui para o meu lugar e o que vi me fez sorrir muito. Havia um girassol ali na minha mesa. Peguei ela e olhei para os lados pensando em quem poderia ter deixado lá.

Die estava olhando para a janela e o sorriso que ele esboçava fez meu coração falhou uma batida, isso me dizia claramente que ele deixou lá para mim. E tinha um cartãozinho que dizia “Eu sou como o girassol em busca dos raios de sol”.

Eu sorri quando a lembrança se fez presente na minha mente.

 

Ele se aproximou de mim e então sorriu colocando uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. Perto demais...alguém me ajuda, não consigo respirar.

 

- Você não incomoda, pelo contrário. Você vai ser a luz que falta naquele lugar.

 

Ele acha que eu sou o sol? Não sei porque eu tremi com esse pensamento e então me sentei. Nem vi quando o Reita sentou ao meu lado e eu podia vê-lo questionando sobre a flor mas não conseguia entender o que ele dizia...nem conseguia prestar atenção.

 

[Aoi]

 

O Reita parecia aquelas crianças birrentas e as vezes eu perdia o pouco da paciência que adquiri com o tempo para aguentá-lo. Eu tinha consciência de que as vezes algumas coisas fugiam do controle mas daí agir daquela forma? Ele estava irritado por causa do Ruki? Só ele para me dizer o que estava acontecendo.

Naquela noite não consegui falar com o Ruki por conta do assunto do Kai e porque ele passara mais tempo trancado no quarto do que de fato falando com alguém aqui de casa.

Certamente por vergonha do mal entendido, mesmo que já explicado e até entendendo o lado dele, afinal foi muito exposto com essa situação mas não tira a irresponsabilidade de sair no meio da noite e em invadir a casa dos outros.

No Colégio os dois iam de mal a pior e eu já não sabia o que fazer. O Reita não abaixava a guarda e o Ruki, bom, ele é do tipo nervosinho então nem era bom se meter com ele.

 A discussão dos dois no refeitório só me deixou ainda mais intrigado e pensando que algo mais havia se passado para se tratarem assim. A certeza que tinha é que cedo ou tarde um dos dois teria que me contar o que estava acontecendo.

Ruki saiu correndo do refeitório e nenhum dos dois voltou. Conversando com Kamijo a caminho da sala, e ele também acredita que alguma coisa tenha acontecido para os dois se estranharem assim e eu tinha um palpite: ciúmes.

A minha ideia era contar a verdade pra ele, de que o Ruki e o Kai não tem nada além de amizade mas ele ainda não deu nenhuma chance. Como vou fazer pra resolver esse mal entendido?

 

- E você deveria parar de se preocupar com seu irmão e focar mais em você.

 

- O que quer dizer com isso, Kamijo?

 

- O novato, Aoi. Ele está interessado em você, não está?

 

- Não é bem assim. Eu vi ele e o Kouyou quase se beijando na quadra um tempo atrás.

 

- O que? Porque não me contou?

 

- E eu tenho cara de fofoqueiro? - Respondi dando de ombros. Afinal de contas aquilo não me interessava e muito menos tinha vontade de tocar no assunto.

Assim que voltei para o meu lugar, o Toshiya sentou na mesa da frente, virando para trás, para falar comigo.

 

- Olá – disse ele com aquele sorriso que desarma qualquer um. Como ele é bonito.

 

- O-olá. P-posso te ajudar com algo?

“Eu deveria usar uma máscara, então eu poderia

 Esconder meu rosto afogado em tensão

Quando estou com ele.”

 

- Err...Aoi, vou ali falar com o Hiro sobre uma tarefa – disse Kamijo se levantando e me deixando a sós na mesa com o novato.

 

- Fiquei sabendo que você toca guitarra, é verdade?

 

- Sim, como sabe? – perguntei e ele com o sorrido de canto que desconcertava e me deixava um pouco nervoso. O que as pessoas sabiam e falavam sobre mim por aí?

 

- Estamos montando uma banda pra tocar no festival e gostaria de saber se gostaria de participar.

 

- Festival? Aqui no colégio? Ninguém do nosso grupo que faz música disse algo sobre isso – respondi. Mas parando pra pensar esse ano parece que todo mundo resolveu se desentender então por essa razão devem ter esquecido. Deve ser por isso.

 

- Sim. Vai ser aqui no final do mês que vem. Você aceita meu convite?

 

- As outras pessoas que vão participar, são os seus amigos?

 

- Sim, eles também tocam.

 

Hmmm então temos um problema porque se eu tocar na banda dele é capaz que o meu grupo inteiro me expulsa para sempre não só do grupo como também das suas vidas e me chamariam de traidor.

- E você toca o que?

 

- Baixo. Eu toco baixo.

 

- Ah, sim. Bom, vou pensar no assunto e te dou uma resposta depois, ok?

 

- Ok. Como você quiser, morenoso...

“Eu não posso rir como eu costumava,

Eu não sou a mesma pessoa que amou ele.”

 

- O-o que você d-disse?

 

- Morenoso – respondeu sorrindo e se levantou, piscou para mim – é só um apelido carinhoso.

 

E então voltou para seu lugar abrindo o caderno como se nada tivesse acontecido.

 

 “- Vem aqui Uru-chan. Eu tenho uma surpresa – chamei.

- Aoi-chan, cadê você? – gritou ele andando pela casa a me procurar.

- Estou aqui no jardim.

E então ele apareceu na porta com os fios dourados que eu tanto gosto, os olhos amendoados sempre tão brilhantes e aquele sorriso com dentes infantis que era totalmente incompatíveis com a sua altura mas que sempre me encantou de tal forma que é difícil explicar assim como era difícil respirar quando estou com ele.

 

- O que foi Aoi-chan?

Foi então que seus olhos viram a flor em minhas mãos e seu sorriso só cresceu quando pareceu entender do que se tratava.

- Isso é?

- Sim, uma Aoi. Ela não é bonita?

- Ela é linda, Aoi! Deixa eu pegar?

- Ela é sua na verdade.

Delicadamente pegou a flor e colocou a poucos centímetros do rosto, admirando até com um pouco de devoção e então sentiu sem perfume suspirando em seguida.

- Beleza é uma palavra pequena pra você! – disse ele me fazendo corar. Ele estava falando comigo ou com a flor?

- Ah...você está falando da flor né?

- Claro! – respondeu me deixando extremamente sem graça. É claro que ele estava falando da flor, olha só pra mim.

- Ela é minha Aoi-hana e você é meu morenoso.

- Mo-morenoso?

Então se aproximou colocando a flor atrás da minha orelha juntamente com os fios negros do meu cabelo. Então beijou minha bochecha antes de me abraçar fazendo meu corpo todo estremecer com esse simples ato. Tudo vindo dele era novidade porem eu recebia de bom grado porque tudo nele me fascina de tal maneira que é complicado entender.

- Vocês são meus presentes. Só meus.

Foi nada difícil enlaçar sua cintura acomodando meu corpo no seu. Ele era sempre tão quentinho e cheiroso.

 

- Agora eu tenho um morenoso Aoi-hana-chan só pra mim!

Será que ele podia ouvir as batidas do meu coração?

Você, Uru-chan. Você será a flor mais perfeita de qualquer jardim pra mim e o maior presente que podia ter ganho.”

Minha cabeça girava com aqueles dizeres...é só um apelido carinhoso, é só um apelido carinhoso.

“Um coração ferido

Vai desaparecer

O amor está destruindo você

Em plena floração das flores.”


Notas Finais


Quanta informação nesse capitulo heim?
O que esse Die lindão dando kisu na Mizuki e ainda chamando ela de Mizu-chan?
Fiquei bem soft com essa parte!
Ela nem conseguiu dormir (também não conseguiria. Certeza). ( ͡° ͜ʖ ͡°)

O Reita não dormiu a noite e quase vai para o colégio sem faixa.
Poderia ter ido sem? Poderia mas.... É o Reita então. Nada a fazer.

Alguém ganhou uma flor! aaaaaaa
Girassol é a minha flor preferida de tão linda que é!

Olha esse Toshiya partindo para o fight!
E ainda chamou nosso Aoizinho de morenoso igual ao Kou.
Será que é só um apelido carinhoso? Acho que tem muito mais significados do que se pode imaginar.

Link: https://youtu.be/XfWLHJlA1Xc?list=PLEHnbVaGtLCZDc0mAY6V0cD4o984pAyd5

Obrigada por ler e comentar!

Kissus <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...