História All i need - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Visualizações 36
Palavras 773
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Tô com muitíssimo sono, amanhã tem aula...
Preparem os lencinhos...T-T :'(
E vamos nessa maluco...
Boa leitura...

Capítulo 15 - Capitulo 14


...:-Marinette, seu pai está com leucemia! -ela disse e eu paralisei, estava em choque, olhei para o meu pai com lágrimas nos olhos, e fui abraçar ele, eu abracei e perguntei:-quanto tempo?-perguntei e papai respondeu:-10 minutos, 10 horas, 10 anos, incerto!-chorei, estava cansada de chorar, meus olhos queriam se fechar, estava com eles quase fechados, vendo que já era noite e ia acabar dormindo nos ombros do papai, resolvi ir pro meu quarto... Abracei mamãe e papai e subi as escadas, vesti o pijama e deitei, Tikki deitou na minha frente virada pra mim e me olhou:-Vai dar tudo certo! - balancei a cabeça e me cubri.

Naquela noite sonhei com o escuro, a cor que havia se tornado minha felicidade, queria, torcia para acordar no outro dia e tudo ter sido um sonho, que nada tivesse acontecido, queria que papai melhorasse, mas não foi isso que aconteceu, naquela semana, não tivemos problemas com akumas, mas o tempo que não fui para a escola, vi meu pai ficar, cada vez mais frágil e fraco, mamãe chorava muito, eu chorava muito, nós choravamos muito, naquela semana, papai teve que ir para o hospital mais de 5 vezes e a padaria ficava aberta poucas horas por dia, na escola, ninguém sabia nada, Allya me ligava e eu recusava; vovó veio da china para ajudar mamãe...

Meus sonhos estavam escuros e eu chorava bastante; na outra semana, papai foi levado às presses para o hospital, e de lá não saiu, ele fez 2 cirurgias de emergência e na segunda começou a ter complicações, primeiro foi nos órgãos internos, fui visitar papai, mas não era o papai de sempre, ele estava fraco e estava no hospital, os médicos disseram que a leucemia estava no corpo do papai à mais de um ano, mas tudo começou a desabar, 2 dias depois da minha visita, papai teve falência do cérebro e morreu, ele morreu e a última palavra que dissera fora "Sabine" ele amava de mais minha mãe, e sei que onde ele estiver ainda está amando-a, mamãe teve um ataque e não saia do quarto, estava muito triste, o corpo foi cremado e mamãe guardou os restos em um jarro chinês, vovó estava cuidando da padaria, e eu? Bom, eu estava muito ocupada trancada no quarto chorando e lendo uma das cartas que papai escreveu quando soube da doença, na carta que mamãe me entregou um dia depois de sua morte dizia:'Querida filhinha, quando estiver lendo isso, provavelmente não estarei aí para limpar suas lágrimas, vc deve estar muito triste e minha partida é o motivo das suas lágrimas. Saiba que nunca estará sozinha, não importa onde, eu nunca vou deixar de estar onde você está,  te dando forças e te apoiando; não direi para não chorar porque seria em vão, pode desabar, mas me prometa que sempre vai seguir em frente... À cada data importante na sua vida sua mãe dará uma carta que escrevi, dando sugestões e falando coisas que não pude falar pessoalmente... Te amo muito...-Papai Tom.", Tikki tentava me consolar, mas era em vão, eu estava sozinha, não jantava nem almoçava tinha 2 dias, vovó todo dia deixava uma garrafa de água e um sanduíche na porta, mas eu apenas bebia a água, o sanduíche colocava na porta de novo para vovó guardar pra ela.

Meu quarto estava escuro e frio, estava com meu pijama curto. Tomei um banho, a água fria batia no meu corpo e atravessava minha alma, estava com a garganta doendo, meus olhos ardiam e eu fiquei na ducha uns 4 minutos e sai, vesti meu pijama cumprido, vesti a meia e minha blusa de moletom e voltei para meu quarto, passei pelo quarto da mamãe e ela estava deitada na cama olhando para a vela de 7 dias do papai, entrei no quarto, fechei a porta, deitei na cama e me cubri, voltei a chorar, ver mamãe naquele estado me deixa a muito triste, nunca mais ia ver o papai, meu herói dos dias dos pais, Tikki deitou me olhando e ficou com os olhos tristes, ela estava com dó, então Allya mandou uma mensagem para o meu celular:"Mari, vc tá bem mesmo?" "Sinto muito pelo seu pai!" "A escola não é a mesma sem vc!" "Vc tá ai?", eu li e desliguei o telefone...

Era tarde da noite e ouvi uma batida na janela, era Chat Noir, apenas me virei de novo e ele continuou ali, fiquei uns 5 minutos olhando Tikki que estava dormindo e me levantei, abri a janela e sai, sentei ao lado do Chat Noir e ficamos em silêncio, ele estava bem preocupado, ele começou a puxar assunto...


Notas Finais


Boa noite, continuo amanhã. ..
Alguém chorou?
Foi necessário. ..
Não me matem. ..
Amo vocês. ..
Obrigada pelos favoritos, comentários e tudo mais. ..
♥♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...