História All I Want - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruhina, Sasosaku, Sasusaku
Visualizações 5
Palavras 3.838
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu to com dificuldades para andar com Kill your Heroes, nada nela está me agradando, em especial o formato e essa outra fanfic eu tenho guardada e resolvi tirar da gaveta. Não vou abandonar KyH, mas talvez eu demore para ir atualizando, até achar um formato x.
Essa vai ser uma songfic com capítulos maiores.
Boa leitura <3

Capítulo 1 - Trancada


Uma garota normal. Com problemas familiares e relacionamentos normais, vícios normais e uma vida medíocre como qualquer outra. Seus longos cabelos rosas, outrora loiros, se encontravam em um emaranhado de nós, presos em um coque esquisito o qual deixava amostra uma pequena tatuagem na nuca.  A pouco tempo decidiu entrar na faculdade, cansada de incertezas largou todos os seus planos para ingressar no curso de medicina na conceituada Universidade de Konoha, sem maiores dificuldades, sempre possuiu uma inteligência acima da média a qual deixava Yamanaka Ino, uma loira formidável, extremamente irritada. Ino entrará um ano antes, cursava química, pois não fora aceita no tão almejado curso, o qual a Haruno fazia pouco caso. 

Ambas dividiam um pequeno apartamento em uma região central de Konoha, junto a Hyuuga Hinata, uma moça, assim que erroneamente já julgará extremamente tímida, era uma morena de olhos claros bem peculiares, Hinata era extremamente analítica e até manipuladora quando a interessava, Hinata abandonara o curso de direito, seguindo a maré contrária de sua família, para cursar psicologia, era viciada em comportamento humano e talvez mais próxima de Sakura do que ela gostaria, Hinata já morava com Ino, quando Sakura se juntou a elas, não entendia muito bem aquela amizade, mas relevava, como fazia com tudo na vida. 

Perdida em devaneios em seu quarto, em total desordem, Sakura jogava fumaça para o alto enquanto fumava um davidoff mentolado, o qual ela detestava, mas insistia em fumar constantemente. Observava um pôster de um Axl Rose jovem e semi nu no teto, ignorando mais uma mensagem de sua irmã. Nem notou a presença de Ino, que estava mais uma vez tempestade em copo d'água.  

 

- Caramba, testuda! Você nunca ouve. Por acaso está chapada? E seu quarto fede, custa abrir essa janela as vezes? - Revirava os olhos enquanto abria a janela. 

 

 - O semestre acabou, estou só me permitindo relaxar e finalmente descansar, você deveria tentar as vezes. - Ino a imitou com a voz fina, mostrando a língua, era incrível com a loira era infantil, e de longe aquela era sua parte favorita na Yamanaka. 

 

- Ok senhora "estou só relaxando", que tal relaxar em um barzinho com uma garrafa de absinto e alguns gatinhos? Nós já estamos prontas, e você também estaria se me ouvisse quase derrubar a sua porta.  

 

  – Não estou interessada em gatinhos. – Frisou, acendendo mais um cigarro. 

 

 – E bebida por minha conta?   – Lançou seu melhor olhar de "coitada", Sakura riu. 

 

– Ok, bebida por sua conta a noite toda, e nenhum comentário sobre minha roupa, vamos logo.  – Foram em saída do quarto, Ino soltava murmurinhos de vitória e Sakura apenas viajava mais em uma vez para seu universo particular. 

 

 –  Finalmente a rata saiu da toca – Hinata encarou a menina de cima a baixo – e está um trapo.  – Conclui. 

  

 – Nem todo mundo nasce com a beleza natural de um Hyuuga, anda Branca de Neve, bebida grátis me espera. - Piscou para Ino. 

 

Não demorou muito estavam em um bar popular entre os estudantes da cidade, o imponente The Kingdom Heads, para Sakura aquele nome era um tanto presunçoso, mas não era um lugar ruim. O cheiro forte de nicotina, e não somente disso, impregnava em qualquer um que entrasse no lugar, o lugar estava abarrotado em sua maioria de pessoas que ela reconheceu da universidade. Sakura mal conseguia se mover e ao se dar conta estava completamente sozinha. Bebida grátis, ela disse. Vadia. Dirigiu até o bar, e quando já estava na sua quarta dose de vodca, pura e sem gelo, como gostava, e sem nenhum vestígio de suas amigas, apesar de jurar ter visto Hinata se agarrando com seu primo, se deparou com um loiro extremamente escandaloso, lembrando superficialmente Ino, olhos azuis e sorridente, era um garoto extremamente bonito se perguntava há quanto tempo estava ali.  

Oh, céus. Preciso aprender a prestar atenção ao meu redor. 

Entornou mais uma dose, dando finalmente atenção ao garoto, não sabe exatamente como, quando se deu por si, The Kingdom Heads já não estava mais ali. 

       Acordou sentindo um peso sobre si, um garoto com o dobro de seu tamanho estava em cima dela fazendo com que se sentisse sufocada, com muita dificuldade e uma cabeça latejando rastejou para fora da li, e deuses, como aquele menino pesava. Ao levantar notou que ainda sentia tudo rodar e torceu mentalmente para que não vomitasse ali mesmo, aos poucos foi encontrando suas peças de roupas espalhadas pelo quarto, um quarto muito pequeno e certamente mais bagunçado que o seu, se um dia existiu um chão por ali, ela não fazia ideia de como acha-lo. Encontrou sua calcinha joga sobre embalagens de comida japonesa e não se atreveu a pega-la, declarou mentalmente a sua morte.  

Olhou seu rosto em um pequeno espelho que estava pendurado em uma das portas do armário e estava um caco, olheiras gigantes, seu cabelo, se é que podia chamar de cabelo agora solto, estava mais para um ninho. Vestiu seu moletom e desistiu de preocupar-se com como se parecia no momento. 

O plano era simples, sair de fininho antes do mesmo acordar e correr para tomar um café acompanhado do fiel cigarro mentolado, seu corpo pedia por isso,  ainda mais pós a pior ressaca que teve nos últimos meses, havia perdido a conta do quanto bebeu e de quantas coisas misturou, lembrava de reclamar que suas amigas haviam a abandonado pós promessa de bebida livre e o loiro se dispôs a pagar o quanto ela aguentasse beber, só não imaginava que a garota bebia mais que qualquer carro antigo.  Ao tentar abrir a porta não contava com um pequeno empecilho: a mesma estava trancada e a chave não estava ali. Praguejou mentalmente. 

 Quem diabos tranca o quarto e tira a maldita chave da porta? Será que esse babaca pretende me deixar em cárcere privado?   

–  Idiota –  murmurou, observando a baba do loiro escorrer pelo travesseiro e sentindo seu estomago revirar mais uma vez, resolveu acender um cigarro ali mesmo, que se foda, e seguiu reclamando mentalmente entre uma tragada e outra sentada largada na porta, já que a pequena cama de solteiro estava totalmente ocupada. - Por Deus, como era o nome desse retardado? - Bradou, passou a manhã tentando lembrar, ela odiava acordar cedo após uma bebedeira, faziam horas que estava ali. 

 O cigarro havia acabado quando perto das três, e depois de achar que o menino havia ido a óbito, finalmente ele, ao menos se mexeu, foi nesse momento que ela achou que seria uma boa ideia jogar vários objetos no menino, tudo virava uma arma em potencial ao seu alcance.  

– MAS QUE DIABOS DE GAROTO. - Gritou o socando ao ver seus esforços indo para o ralo, não que tivesse muita força ou boa pontaria, mas aquilo a deixou frustrada.  

Por que só alguns são privilegiados com o dom do sono? Esse babaca só não é mais parecido com a Ino porque não ronca como a porca. 

Uma hora depois de Sakura desistir e resolver fuçar em sua cômoda, onde achou fotografias do mesmo com um garoto moreno fofo e emburrado e uma ruiva de olhos pequenos risonha, um colar interessante com um pendente verde água, e uma foto de um mini sabe-se-lá o nome da bela adormecida junto a sua versão adulta rindo o garoto finalmente acordou. 

– Hei! O que pensa que está fazendo? E que cheiro é esse no meu quarto? – Falou calmo, ainda sonolento revirou na cama bocejando. 

– Por acaso sabe que horas são? E por que diabos essa merda está trancando? - Falou jogando um apontador na sua cabeça, fazendo o loiro gargalhar. 

– Umas duas? - Respondeu observando a cara nada de feliz da baixinha de cabelos rosas. 

– Seis horas seu animal! Eu deveria ter mijado em você. –  Exclamou indignada fazendo gestos com as mãos – e por que diabos a porta está trancada? 

– Sakura, a porta não está trancada –  falou sério. 

– Está sim. 

–  Não está –  levantou nu indo em direção a porta e pronto, lá estava a porta totalmente escancarada dando de cara para a sala onde um moreno, de costas, se concentrava em um jogo de basquete na TV. 

– Como? Ah, quer saber? Esquece, só me diz seu nome – suspirou e encarou o menino que também a encarava sem reação. 

– Como você transa com alguém e não sabe o seu nome? –  Levantou a voz, voltando a ser o escandaloso da noite passada que vagamente voltava a sua mente. Pelo menos a transa compensou. 

 

– Como você transa com alguém tão bêbado que não sabe nem o seu próprio nome? Retardado –  devolveu no mesmo tom de voz e em logo estava em uma discussão calorosa, quando o moreno, que até então passou despercebido aos olhos, volta a atenção para os mesmos. 

– Será que dá para calar a boca? - Sakura virou se para o mesmo e fixou seu olhar no par de olhos negros que aparentava não estar nada feliz com a presença dos dois, porém não pode deixar de notar que ele era um homem extremamente bonito, ousava dizer sem pensar duas vezes, que Naruto perdia feio para o moreno – E, Naruto, você poderia vestir ao menos um calça para levar suas vadias até a porta, ninguém merece ver esse projeto de pinto – foi grosseiro como somente ele sabia se. 

–  Cala a boca, Sasuke. - Revirou os olhos, Sakura encarava Sasuke como se o estivesse queimando com a mente, mas o garoto somente a ignorou e se voltou novamente a TV, Sakura ia retrucar quando Naruto chamou sua atenção. - Olha o banheiro é ali – apontou para uma porta logo a frente – pode usar e se quiser tomar um banho eu lhe empresto algo – colocou a mão atrás da nuca esboçando um sorriso, Sakura odiava admitir, mas o sorriso dele era com certeza o mais bonito que já vira – fique para jantar como pedido de desculpas. 

Pensou em recusar, mas estava faminta e sem um centavo, por que não? Iria ficar e preferencialmente fazer de sua estadia um grande incomodo ao senhor resmungão. 

– Tudo bem, mas você me deve uma carteira de davidoff mentolado e um café forte. 

O garoto abriu um sorriso imenso enquanto ela se dirigia para o banheiro com uma camiseta em mãos que sem dúvidas, caberia no mínimo três dela e uma cueca que iria servir mesmo era de calção. Mesmo com o dia de merda, sentiu-se bem, e ao menos Naruto não fora mais uma foda cheia de formalidades e até agradeceu pelo inconveniente da porta, afinal de contas, adorava coisas de graça, tinha certeza que puxou isso da sua mãe, entrou no chuveiro e ao olhar para fora notou a chuva, Konoha era mesmo imprevisível.  Ao sair do banho lembrou de dar sinal de vida para as amigas, que por sinal nem deveriam ter notado a sua falta, já que a únicas mensagens que haviam era de sua irmã e da operadora. 

Abriu a porta e o cheiro de café inundou sua mente, e em cima do balcão da pequena cozinha americana, observou uma carteira de cigarros. Naruto riu ao observar a garota, e principalmente ao notar que sua camiseta quase chegava aos seus joelhos. Ele gostava de roupas maiores que ele e gostou ainda mais nela. 

– Não achei a sua marca no posto aqui perto, mas é mentolado – serviu o café e alcançou- pode fumar se quiser, apenas não se importe com a companhia de Sasuke na varanda, ele também fuma, mas odeia cheiro de cigarro dentro de casa – torceu o nariz – ele está mal-humorado, na verdade sempre está. Irei preparar o jantar, espero que não se importe de comer comida congelada, heh –  Sakura riu, o garoto era um fofo, seria uma pena dar o fora nele pós jantar.  

Foi até a varanda onde encontrou Sasuke com uma feição totalmente diferente da anterior, deu um gole no seu café e acendeu o cigarro pensando na sua gastrite e no que sua mãe diria. O garoto a encarava há algum tempo, até que ela resolveu quebrar o silencio.  

– Perdeu alguma coisa aqui? – Não quis baixar a guarda, afinal de contas o que tinha de bonito, tinha de grosso. 

– Você está escorada na parede recém pintada, só estou observando quanto tempo levaria para você perceber, mas você é mais idiota do que o Naruto. – Só então notou que além da camiseta, seu cabelo, preso em um coque, estava todo manchado de verde. 

– Você me viu, poderia ter dito! – Segurou a vontade de queima-lo com cigarro. 

– Eu não tenho obrigação nenhum, inclusive, o verde realçou o escorpião na sua nuca. Bela tatuagem, fez na prisão? – Passou por ela não dando o tempo da menina responder. Aquele garoto era inacreditável, pode o imaginar caindo daquela sacada sem maiores remorsos. 

– Tá na mesa! – Naruto gritou, deu o ultimo trago e bebeu o resto de café. Desejou que Ino morresse, afinal de contas a culpa de tudo era dela. Entrou e notou que a cozinha estava bagunçada demais para alguém que iria servir comida de micro-ondas, mas ignorou, afinal de contas era Naruto.  – O que aconteceu com você? - Segurou o riso.  

 – Desculpe pela camiseta.    

 – Tudo bem, ela é velha mesmo – riu e logo se pôs sério – hmmm, Sakura sobre ontem, err... Bem eu gostaria que soubesse que foi um lance totalmente casual, e se quiser uma foda casual estou aqui, não espere muito mais que isso – a encarou com a mão na nuca e um sorriso amarelo, ele estava mesmo dando um fora nela? Gargalhou, deixando um menino confuso, estava aliviada não era boa em dar foras e em términos, mesmo que o término fosse uma relação de uma noite.  

 – Tudo bem, gosto mais de você agora. Mas não espere por uma segunda vez, não gosto muito de repetir. - Piscou e o loiro riu, e que riso bonito, ela olhou para cima e coçou o nariz – Será que, tipo assim, você poderia me emprestar dinheiro para o ônibus?  

 – Ônibus?  Deixa que eu te levo. - Agradeceu mentalmente, pois a ideia de andar manchada de tinta e de camisetão por aí, não era tão apreciada por ela.  

E assim o fez, Naruto a levara para casa já perto das 23hrs, e ao chegar deram de cara com Hinata usando a mesma roupa da noite anterior ela corou ao ver Sakura, mas fechou a cara logo em seguida ao ver Naruto. 

 – Olá Hinata  – o loiro a encarou e a morena não respondeu  – bom, vou indo, até mais - Sakura acenou e deu de cara com Hinata a encarando. 

 – O que aconteceu com você? - Hinata apontava para seus cabelos e cara segurando um riso. 

 – Longa história –  respondeu e então subiram. 

Ino não estava em casa, e a menina anotou mentalmente todos os palavrões que usaria para xingar a loira. Mas por hora, estava cansada demais e com saudades de sua cama e apenas queria dormir, afinal de contas o domingo foi mais longo do que gostaria. 

  A semana passaria arrastando, com as férias Ino visitaria seus pais em Nova Jersey e ouviu suplicas de Sakura para não revelar sua localização a ninguém conhecido, principalmente a sua família. Sentia-se como uma fugitiva, mas seria melhor assim, queria evitar todos que deixou para trás, especialmente sua irmã, vinha ignorando a moça a meses com grande êxito até então.  Quando finalmente recebeu a carta de aceitação de Konoha apenas pegou sua mala e sumiu e não estava disposta a explicar os motivos que a levaram isso para ninguém. Hinata em compensação ficaria e sua irmã passaria as férias ali como brinde, inclusive descobrirá que quem beijava Neji com muito fogo era a Hyuuga mais nova, havia se afogado com seu fiel gatorade antirressaca assim que a loira contou. 

 – Ela chegou há dois dias e não havia contando, estava na casa de Neji, Hinata mencionou que a irmã era louca pelo primo desde os quatorze anos e eles tem um relacionamento secreto desde que a mesma entrou no ensino médio... Ah, se ela soubesse por quantos lugares aquele pau já passou – riu, então lembrou que a cretina já havia dado para o Hyuuga naquele sofá e rolou os olhos –  pobres colegiais iludidas com universitários. A propósito Hinata me contou que você chegou suja de tinta verde, cueca e camiseta, desembucha logo o fim da sua noitada com Sasuke. 

 – Aquela maldita fofoqueira... Espera, Sasuke?  – A encarou confusa. 

 –  Querida, quando voltamos ao bar você não estava lá, depois de muito procurar te achamos sentada na calçada vomitando com Sasuke segurando seu cabelo, eu sinceramente não sei como aquilo aconteceu, ele estava tão bêbado, foi uma cena engraçada, então Naruto apareceu e vocês foram embora.  –  Ino tagarelava demais, mas ela realmente não lembrava de nada disso.  –  Ele fode gostoso? 

 –  INO – jogou uma almofada na cabeça da amiga, que riu – Eu não lembro de Sasuke em nenhum momento, eu estava com Naruto, e não, não vou falar como ele fode – também porque não lembro direito, completou mentalmente. 

 –  O Naruto? Ah, que azar, Sasuke é tão mais gostoso... ESPERA, Naruto?!!! Não deixe Hinata saber disso. 

  –  Acho que tarde demais, ela me viu chegando com ele, mas qual é o grande problema nisso? 

      –  Eles namoravam e não terminaram de uma forma amigável, ele era colega de curso quando ela estava em direito, parece que ele era um mulherengo de primeira, por isso não confio em homens. Todos tão iguais, mas não se preocupe com isso, Naruto tem fama de levar as garotas de Sasuke para casa, porque o que esse cara tem de gostoso, tem de babaca. Mas juro que não me importaria que ele fosse um canalha comigo se a foda valesse a pena – outra almofada voa na direção da loira – caramba Sakura, péssima mania – a menina acendeu um cigarro.  – Outra péssima mania –  a loira apontou para o cigarro e abriu a janela.  

       –  Ok, fodi com o ex da minha amiga e colega de apartamento, posso lidar com isso... E Sasuke é um idiota, não seja igualmente idiota de dar para um cara como ele, ou seja, e tomara que ele foda extremamente mal.  

             – Vai se foder, testuda. Adoraria continuar a conversa, mas tenho um voo para pegar... - Levantou indo se despedir da amiga – você seria mais cheirosa se não vivesse com isso acesso. 

 – Me deixa em paz, eu vou parar – a Yamanka riu, faziam anos que ela ouvia isso –  e Ino... Lembre-se da nossa conversa, nada de falar para Konan onde estou e muito menos para ele, bem isso se ele não me odiar o suficiente para te perguntar algo... 

 – Relaxa, não pretendo encontrar nenhum dos dois, agora tenho mesmo que ir. 

 – Tchau porquinha, mande um abraço para sua mãe e traga bolinhos!  

Assim que a loira saiu a rosada jogou se com tudo no sofá e analisou brevemente sua vida. Não lembrava de Sasuke em nenhum momento antes do encontro desagradável da tarde de domingo e bom, tinha transado com o ex da sua amiga. Praguejou sua falta de sorte em escolher homens. Por sorte, pós uma confusão envolvendo Hanabi, a irmãzinha pentelha de Hinata, e Neji, o primo gostoso, Hinata decidiu passar uns dias na sua cidade natal, arrastando a irmã de volta com ela, e lá estavam seus quinze dias de solidão. 

Ela gostaria mesmo de dizer que foram quinze dias muito agitados de férias, mas tudo o que ela fez foi rever The O.C, esperar ansiosamente pela morte de Marissa e beber todo café que poderia aguentar para acompanhar seu cigarro, não parecia uma estudante exemplar de medicina, próximo ao dia do início do novo semestre Ino voltou, mas nada comentou sobre sua viagem e Sakura fez pouca questão de perguntar, receberam uma mensagem que Hinata se atrasaria um pouco para início das aulas, precisava resolver uma questão familiar urgente. 

Logo o primeiro dia estava ali, e Sakura se arrependia da escolha de curso toda vez que voltava para casa lotada de artigos e seminários para fazer, voltar de ônibus com aquele tanto de livro era horrível e nunca desejou tanto o conforto de um carro. Ino a convidara para ir no Kingdom no próximo fim de semana, parece que haveria uma festa de retorno, mas depois do último acontecido resolveu que não seria uma boa ideia, ela não se controlava perante o álcool e queria mesmo começar logo seu artigo. 

A surpresa veio na semana seguinte, quando no intervalo reconheceu uma cabeleira loira parecida com a de Ino e entrou em desespero, não era difícil reconhecer o primo da loira, ele era, digamos, peculiar. Avistou Naruto e Sasuke na mesa a sua frente e logo se meteu entre os dois abaixando a cabeça. 

 – Hei, Sakura! Quanto tempo – o menino gritava mais para seu gosto, e o outro loiro se encontrava próximo de mais, o outro moreno apenas a ignorou, assim como ela ignorou os demais que estavam na mesa – sentiu falta, amorzinho? Infelizmente, eu já te expliquei que... Aí! Por que diabos?  – Levara um cascudo, fazendo os que estavam ali rirem. 

 – Só cala boca, neném.  – Porém era tarde demais, o menino a viu e caminhava em sua direção, xingou Naruto mentalmente.  – Você me deve uma – Naruto a olhou sem entender nada, e antes que percebesse o loiro já estava ali, segurando a pelo braço com um tanto de brutalidade fazendo a levantar. 

 – Sakura, quanto tempo docinho.  – Rio cínico.  

 – Olá Deidara, pois é –riu amarelo – mas infelizmente agora não é uma boa hora, sabe como é, estou atrasada – apontou para um relógio imaginário e tentou se mover, mas Deidara ainda a segurava forte, e deus, ela poderia jurar que aquilo deixaria uma marca, todos da mesa encaravam a situação, alguns divertidos, outros curiosos. 

 – Essa não é uma opção, quem diria que eu te encontraria justo aqui... Aquela vadia da Ino poderia ter nos contado – foi então que ele notou os olhares e a começou a puxar, fazendo com que Sakura tropeçasse e quase caísse – vamos conversar em outro lugar – a menina travou no lugar. 

 – Você está me machucando – quase gritou. Foi neste momento que Naruto resolveu que era hora de intervir. 

 – Quem você pensa que é para tratar assim a namorada dos outros?  – Deidara a soltou e ela olhou incrédula para o loiro, não acreditando que aquilo estava mesmo acontecendo. Deidara a encarou. 

 – Namorado novo? Você é mesmo uma puta igualzinha à sua mãe, tudo bem, fique com o seu namoradinho.  –Deidara saiu com passos firmes. 

 – Ele está aqui?  – A menina gritou antes que ele saísse do seu alcance. 

 – Ainda não, mas quando ele chegar, espero que não seja nada bonito. 

Enquanto o garoto sumia entre os alunos, Sakura ficou estática encarando o nada, aquilo não poderia estar acontecendo, seu pior pesadelo estava ali e era como se estivesse anestesiada. Naruto a tirou do transe. 

        – Quem era?  – Ela o encarou e sua feição mudou para uma careta nada feliz. 

        – Você me deve duas.   

Saiu com passos duros sem olhar para trás. Naruto olhou para Sasuke que deu de ombros enquanto a menina se afastava. Seguiu para aula, mas não conseguiu se concentrar, foi embora mais cedo naquele dia e trancou-se no quarto fazendo o que sabia fazer de melhor: fugir.


Notas Finais


Aqui tem o link de KyH se alguém tiver interesse hehe: https://spiritfanfics.com/historia/kill-your-heroes-10405507

Obrigada a quem leu até aqui <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...