História All Of Me - JIKOOK - Capítulo 1


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Boyxboy, Drama, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Park Jimin, Yaoi
Visualizações 598
Palavras 1.327
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Em virtude dos 1k de favoritos em nossa obra "Our Little Accident", viemos presenteá-los com essa Short Fic... Espero que gostem!

Boa Leitura! ^^

Capítulo 1 - - Prologue -


Fanfic / Fanfiction All Of Me - JIKOOK - Capítulo 1 - - Prologue -

“Você não precisa que o mundo te ame, mas merece que as pessoas te respeitem, respeitem seus limites e suas decisões.” 13 Reasons Why

    Afinal, a perfeição existe, ou é apenas mais uma meta incabível criada pela sociedade que precisa de um motivo pelo qual julgar sem se sentir culpada. 

Era seu maior sonho está sobre o palco, encantar pessoas, fazê-las fãs por admirarem seu talento, não pela beleza. Mas onde antes o sorriso era espontâneo, agora passou a ser uniforme de trabalho. 

O artista alegre e cheio de vida deu lugar á um garoto frio, solitário, sorrindo por obrigação, onde muitas das vezes o olhar coberto por lágrimas, visto como emoção, na verdade era um pedido de socorro. 

Sua alma precisava ser socorrida, basicamente a única parte que aquelas palavras duras ainda não atingiram. A mina de ouro da produtora, a conta bancária do CEO, o robô que encanta mais de setenta países. 

Park Jimin, ou Jiminnie como os fãs o chamam, artista completo. Canta, dança, compõe, atua, modela e ainda costuma apresentar alguns programas. O que os grandes produtores enxergam como máquina de lucros, é mais um ser humano que teve seu sonho transformado em pesadelo. 

Foram três anos de preparação, mais dois anos de trabalho, para enfim seu primeiro álbum conseguir destaque em cenário mundial. Isso pareceu enfurecer algumas pessoas, algumas que antes se diziam fãs, mas é como dizem, no mundo de hoje sucesso atraí inveja. 

Tudo começou com um grupo de fãs, lhe cobrando a medidas dos padrões. As bochechas que antes era sinal de fofura passaram a ser criticadas por lembrarem peso excessivo. Dez quilos se foram com dietas malucas, e junto ao peso, boa parte de sua saúde. 

Em seguida, as manchinhas em sua pele, ou pequenas sardas que o deixavam ainda mais fofo. Foram clareadas com tratamentos estéticos evasivos.  

O dente tortinho, algo causado em um acidente na infância, concertado com uma pequena cirurgia em seu único dia de folga. Seu corte de cabelo, alterado para algo mais sensual, que chamasse a atenção de um público específico. 

Sua sexualidade chegou a ser colocada a prova, fazendo até mesmo um manager armar o encontro com uma modelo, para desmentir a noticia da primeira página de um jornal, onde dizia que o queridinho do momento, era na verdade um pervertido por sentir-se supostamente atraído por um amigo de profissão. 

E se ele realmente preferir garotos, o que a sociedade tem haver com isso? Tecnicamente será menos amado por alguns, motivo de orgulho para outros, incentivo para quem tem medo. Mas o pior de tudo é ser abandonado por seus fãs, pessoas que juram amá-lo incondicionalmente. 

Com seu novo álbum no topo das principais plataformas digitais do mundo, isso em mais de setenta países, ele viu sua carreira dar um salto incrível, o reconhecimento de todo seu esforço, mas o sorriso se foi, quando mais críticas vieram. 

Não adiantava mais de dez horas de praticas de dança, quatro horas diárias de aula de canto, apenas três horas de sono, alguns minutos para refeições quase inexistentes, e o que resta preso em estúdios de gravações. 

Dançar pela madrugada, onde muitos não o encontrariam na sala de prática, parecia ser o seu refúgio. A dança lhe acalmava, mas nos últimos meses, as dores e lesões têm se tornado tão freqüentes, que os passos coreografados terminam com seu corpo no chão, e as lágrimas como companhia. 

Uma hora todos cansam, suas composições e frases secretas passaram a se tornar uma forma de pedir socorro, mesmo que ninguém as lesse. 

Contato diário com mais de diversos profissionais, managers, produtores, staffs, coreógrafos e dançarinos, e nenhum deles era capaz de enxergar o pedido de socorro no fundo de seus olhos. 

Uma simples reclamação de dor não era ouvida como deveria, como resposta lhe davam um comprimido para dores musculares. Perdeu a conta, da quantidade de vezes que seu fôlego sumia em meio a uma prática, algo o suficiente para deixá-lo tonto. 

Nem mesmo um desmaio nos bastidores foi motivo o bastante para uma folga mais prolongada. Ida ao médico, apenas quando torceu o tornozelo, mas não pode nem cumprir a determinação dada pelo médico. Apresentava-se daquela forma, mesmo que não fizesse as partes mais pesadas da coreografia. 

Muitos perguntariam o porquê de ainda não ter desistido. Simples, existem pessoas que apenas mantêm um motivo para viver por conta de sua voz, de suas composições, não ousaria tirar isso delas. 

Passou a tentar ignorar as críticas, mas toda vez que abre uma rede social, em meio a milhares de elogios, existem críticas duras. Queria dar razão apenas as palavras boas, absorver a energia vinda delas, mas aquelas frases de ódio gratuito acertavam justo no seu ponto mais fraco, sua insegurança. 

– Jimin? Seus fãs estão te esperando, há algum problema? – O manager veio lhe lembrar de seu próximo compromisso, o fansign para promover o novo álbum. 

– Yah! Estou indo, Hyung. Está tudo bem. – Ele sorriu, se virando em seguida para esconder a expressão de dor.  

Sim, a dor agora é na região das costas, tudo por culpa das horas de prática na madrugada passada, nem mesmo dormiu, apenas tomou um banho rápido, e se vestiu para o compromisso. 

E ali se foram quatro horas, sentado em uma cadeira desconfortável. Sua obrigação era sorrir, assinar os álbuns, elogiar os fãs, e ouvir tudo o que tinham a dizer. Como já previa, mais criticas, desta vez em relação ao novo single. 

Alguns críticos musicais começaram a dizer que em meio à letra, havia uma mensagem que incitava algo ruim nos jovens, e muitos pais boicotaram a compra do álbum no país. Isso me fez sair direto do salão onde ocorreu o evento, para o escritório do CEO. 

– Acreditei que não fossemos ter problemas com essa composição, mas agora precisamos arrumar uma forma de abafar o caso. – O velho dizia atrás de sua enorme mesa de vidro. – Alguma sugestão? 

– Eu simplesmente não faço idéia, se existe algo de errado com meu novo álbum, deve ser por culpa desses malucos que fazer repercussão negativa sobre teorias da conspiração. – Park suspirou, ignorando a dor agora na cabeça, tudo pelas horas perdidas de sono. – Hyung! Eu preciso de um tempo.  

– Pensarei sobre isso após a turnê. Acabamos de lançar um álbum, tivemos problemas com ele, investi muito dinheiro nisso, tenho que ter algum retorno. – O homem disse ainda sério. – Apenas invista mais em seus treinos, e tente achar uma maneira para encobrir tudo isso. Caso contrário, teremos um show extra essa semana. 

– Sim, senhor! – O garoto se levantou, fazendo a reverência em sinal de respeito. – Posso ir agora? Tenho que repassar os passos da nova coreografia. 

– Apenas vá. Me deixe resolver tudo sozinho como sempre faço. – Jimin saiu dali o mais rápido que pôde, em busca de um refúgio para descontar as frustrações. 

O banheiro do quarto andar estava vazio, possibilitando que as lágrimas rolassem sem testemunhas para ver seu lado fraco. Quase uma hora escondido ali, deixando as frustrações borrarem sua maquiagem. 

E assim se inicia mais um ciclo onde dores serão ignoradas, sono se tornará momento precioso, sorriso algo mais que útil, mesmo que não signifique estar feliz consigo mesmo. 

Park se cobrava, porque alguns fãs o cobravam. Queria atingir a perfeição em um padrão inexistente, doando aos poucos sua vida para algo doentio. 

O que era para ser prazeroso acabou virando tortura. E a pergunta mais freqüente em sua mente era: Até quando vou suportar tudo isso?

Uma hora o limite é atingido. A alma que grita por socorro, mas ninguém ouve. Preferem a imagem programada de frente a uma câmera, ao ser humano real atrás do típico artista. 

Todos sofremos, mas basta apenas abrir os olhos para enxergar o que há de errado. Muitas das vezes, a sociedade que julga, é incapaz de seguir o próprio padrão. Hipocrisia em pró de manipular a vida de alguém. 

Até quando as lágrimas de Jimin, não terão significado, serão apenas emoções como muitos dizem?


Notas Finais


Espero que tenham gostado... ^^

Muito obrigada pelos +1k de favoritos em "Our Little Accident". Estamos felizes com mais essa conquista...

Obrigada pelo apoio com a obra, vocês são os melhores leitores do mundo...

Beijos e até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...