História All of me - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Grey's Anatomy, Supernatural
Personagens Alexandra "Lexie" Grey, Amelia Shepherd, April Kepner, Arizona Robbins, Bela Talbot, Bobby Singer, Calliope "Callie" Torres, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Crowley, Dean Winchester, Ellen Harvelle, Jackson Avery, Jo Harvelle, Jody Mills, John Winchester, Lilith, Lúcifer, Mary Winchester, Meg Masters, Meredith Grey, Miranda Bailey, Owen Hunt, Personagens Originais, Richard Webber, Ruby, Sam Winchester
Tags Dean Winchester, Destiel, Grey's Anatomy, Jared Padalecki, Jensen Ackles, Sam Winchester, Seattle Grace, Sobrenatural, Supernatural
Visualizações 115
Palavras 3.053
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E aê, galera!!! Feliz dia dos pais <3
Nesse capítulo eu tentei uma narração fora do ponto de vista dos personagens, então estou testando pra ver se fica legal aqui, pq leio em outras fics e acho bem legal e fica melhor pra narrar alguns acontecimentos.
Espero que gostem ^^

Capítulo 18 - Quer casar comigo?


Fanfic / Fanfiction All of me - Capítulo 18 - Quer casar comigo?

Sam 

 

Meu corpo inteiro estava pesado, eu estava exausto, e não queria deixar Amy ir embora. Bobby e Jody vieram me ver e ficaram super felizes com minha recuperação e eu fiquei feliz por ver que finalmente eles tinham se resolvido. Dormi até o dia seguinte, sem nem sonhar com nada, os medicamentos me deixavam exausto e Amy dormiu ali comigo, mesmo não podendo, mas acho que depois de todo o stress, a chefe dela deu uma colher de chá. 

Acordei com ela acariciando meus dedos e beijei sua testa, ela me olhou e sorriu, até que fomos interrompidos. 

-Sam? -ouvi uma voz familiar, mas não consegui ver de onde vinha.  

Amy, que estava deitada ao meu lado, se sentou e olhou pra porta, quando Charlie entrou no quarto, assustada e pálida, me olhando e respirando fundo. -Ah, graças a Deus, garoto! 

Ela veio até mim e me abraçou, mexeu em meu cabelo e eu sorri com isso. 

-Queria ter vindo antes, mas eu estava muito longe daqui e ocupada, então só consegui chegar agora. -ela me olhava e mexia no meu rosto, até que me deu um tapa e fechou a cara. -Será que dá pra você parar de quase me matar do coração? Achei que estivesse morto, Samuel, eu quase tive um troço! 

-Ei, eu não tenho culpa. -tentei me defender, mas ela me abraçou novamente. 

-Eu te amo, garoto, não posso perder você, ta me ouvindo? -ela me olhava nos olhos, pra que prestasse atenção nela, enquanto isso Amy só sabia rir. -Cadê o Dean? Ele precisa ouvir esse esporro também, porque é outro que gosta de morrer e voltar e me deixar preocupada, que família é essa que eu me meti, meu Deus? 

-Pois é, eu to tendo que me acostumar aos poucos. -Amy falou e se levantou da cama, Charlie a olhou bem e viu seus olhos machucados. 

-Ta vendo o que você faz? -Charlie deu um tapa na minha cabeça. 

-Dá pra parar de me agredir? -mexi onde ela tinha batido, não doeu nada, mas eu precisava fingir um pouco. 

Amy saiu do quarto pra buscar água e Charlie ficou comigo ali. 

-Preciso de um favor. -falei e olhei nos olhos dela. -Mas Amy não pode saber... 

-Missão secreta? Gostei! -ela sorriu e ouviu atentamente tudo o que eu tinha pra lhe falar, ela ficou animada e anotou tudo, me abraçou mais uma vez e saiu pra resolver o que eu tinha lhe pedido. 

Dean entrou no quarto e começou a conversar comigo sobre a possibilidade de tirarmos férias e curtirmos um pouco depois desse grande susto que passamos. Amy merecia uma folga, e nós também, então, até considerei a ideia. 

A dra Kepner veio me examinar pra ver se estava tudo nos conformes e disse que vou ter alta hoje mesmo, minha recuperação está boa e eu teria uma ótima médica pra cuidar de mim em casa, então eu estava feliz, finalmente ia poder sair daquela cama de hospital e voltar pra casa com minha família. Dean estava sentado na poltrona ao meu lado e ficou feliz com a notícia. 

-Estou pensando em fazer algo pra Amy, mas vou precisar de ajuda. -falei e ambos mostraram interesse e ouviram os meus planos sem me interromper. 

 

Amy 

 

Eu estava resolvendo as últimas papeladas da alta de Sam, estou muito feliz. Sam vai pra casa comigo hoje!  

Quando terminei de preencher a papelada, Dean apareceu e me puxou pra um abraço e eu retribuí com vontade. 

-Amelia! -ouvi uma voz conhecida e estremeci ao reconhece-la. -Minha neném! 

-Mãe...-fui até ela pra abraça-la. -Quanto tempo! 

-Mãe? -Dean perguntou enquanto nos olhava. 

-Ah, sim. -sorri sem jeito. -Dean, essa é minha mãe, Hellena. -Dean se aproximou e cumprimentou minha mãe. -Mãe, esse é Dean Winchester, meu cunhado. 

-Nossa, minha filha, se o seu namorado for tão bonito quanto o irmão, você está feita!  

-É, até que ele é bonitinho. -Dean riu. -E é um bom garoto, quando não ta matando a gente do coração. 

-Mas mãe, o que está fazendo aqui? Por que não avisou que vinha? -perguntei, pegando suas bolsas e pondo em cima do balcão. -Eu teria ido te buscar no aeroporto. 

-Seu pai me ligou dias atrás, ele estava preocupado com você, eu teria chegado antes, mas no Rio estava tendo uma tempestade, então, não tinha voos, e quando consegui um, entrei logo no avião, 19 horas de viagem, minha bunda está dormente! -ela riu e mexeu em meu cabelo. -Fiquei preocupada que fosse acontecer algo e você caísse em depressão de novo, ele me disse que você não estava comendo e nem dormindo, filha já viu como estão os seus olhos? 

-Está tudo bem agora, mãe, Sam acordou e está fora de perigo, inclusive recebe alta hoje. -sorri pra ela, que acariciava meu rosto e ficava me olhando. 

-Dona Hellena!? -era Callie sorrindo e vindo em direção à minha mãe. -Nossa, que saudades, quanto tempo! 

-Calliope, você está maravilhosa, olha que mulherão você se tornou! -minha mãe sorria e olhava Callie da cabeça aos pés. -Como estão os outros? Cristina? Meredith? Aquela loira simpática, Izzie e o marido dela? 

-Mãe, muita coisa aconteceu desde que veio aqui da última vez. -falei – Meredith teve filhos e ficou viúva, Cristina foi trabalhar em outro hospital, Izzie e Alex se divorciaram, ela foi embora e ele está namorando uma interna maravilhosa. 

-Nossa...-ela respirou fundo e me olhou sem graça. -Tudo acontece aqui, não é? -ela pigarreou e olhou de volta pra Dean, sorrindo. -Então, quando vou conhecer meu novo genro? 

-Vou te levar lá agora, meu pai deve estar lá com ele. -falei e peguei em sua mão, levando ela até o quarto de Sam. -Amor? Tenho que te apresentar uma pessoa. 

Entrei com minha mãe e meu pai sorriu ao vê-la, e vice versa. Sam olhou sem saber o que fazer, eu ri de sua pequena confusão mental e os apresentei. 

-Minha filha... -ela olhou cada centímetro do corpo de Sam e me olhou depois. -Como você aguenta? 

-De verdade, eu não sei se quero saber. -meu pai estava fazendo careta e eu ri disso. 

Passamos longos minutos conversando e minha mãe contando histórias vergonhosas de mim pra Sam, que só me davam vontade de enfiar a cabeça num buraco. 

Jody entrou no quarto e minha mãe foi cumprimentá-la, sorridente como sempre. 

-Você deve ser a mãe dos meninos, certo? -ela perguntou já abraçando. 

-Oh não, seria uma honra, mas eu não teria conseguido fazer dois filhos tão maravilhosos assim. -Jody sorriu. -Eu até cuido deles, mas não sou a mãe. 

-A Jody é minha namorada, Hellena. -meu pai pegou em sua mão e deu pra ver na hora o sorris murchar dos lábios de minha mãe, acho que ela ficou um pouco chateada, mas logo recuperou seu sorriso e foi simpática, como sempre. 

-Muito prazer, Jody, eu sou a mãe da Amy. -ela pegou em meu braço. -Bobby, seu bom gosto me surpreende, ela é linda. 

-Obrigada. -Jody agradeceu e pela cara, percebeu o desconforto de estar no mesmo quarto que a ex do seu namorado, que por acaso tem uma filha com ele. 

Minha cabeça estava prestes a explodir, então deixei eles ali, fazendo companhia pra Sam, que logo puxou um assunto pra acabar com o climão e fui buscar roupas limpas pra quando desse a hora dele ir embora. 

 

Charlie 

 

Nunca estive tão animada, fui até um amigo caçador que sabia trabalhar com criação de jóias e tudo mais. Pedi pra que fizesse algo bem estilo caçadores, e expliquei que era pra um Winchester. 

-Um Winchester? Se casando? Pode deixar que eu vou fazer o meu melhor, Char! -Peter sorriu, pegou comigo as medidas dos dedos dos dois e foi pra dentro da sala pra trabalhar. Sei que Sam pediu pra eu ir à uma joalheria e fazer o fácil, mas eu gosto de surpreender, ainda mais quando se trata do meu casal favorito. Após quase uma hora estava tudo pronto, eu tinha ali uma aliança de noivado feita de prata derretida e resfriada em água benta, com uma pedra de diamante com um mini desenho de proteção contra demônios talhado na lateral da pedra. E logo depois ele trouxe as alianças de casamento, do mesmo material de prata resfriada em água benta, mas com uns traços de ouro e com a junção dos nomes dos dois gravados na parte interior "Sam��Amy" junto com a proteção contra demônios. 

-Olha...-analisei mais um pouco as obras de arte que ele fez- Até eu fiquei com vontade de casar com uma dessas! 

-Se for, já sabe quem procurar pra fazer as alianças. -Peter sorriu e pôs as alianças em caixinhas vermelhas. -Deseje felicidades ao Sam e a moça de sorte. 

No caminho de volta ao hospital, passei numa floricultura, como Sam pediu e comprei algumas flores, rosas brancas e vermelhas. Eu não conhecia esse lado de Sam, mas sempre desconfiei que ele fosse romântico, aquele jeito fechadão dele, escondia um homem muito amoroso e ainda bem que ele conseguiu encontrar a mulher certa pra ficar junto. Enquanto eu voltava pro hospital, pequenos fragmentos da noite que tive com ele e Amy passavam pela minha cabeça, foi uma noite de experiências novas e o bom é que não houve constrangimento, tudo bem que fiquei um pouco envergonhada de olhar pra cara de Sam no dia seguinte, mas dadas as circunstâncias, eu estava realmente um pouco envergonhada. 

 

Narrador 

 

Quando Amy estava despreocupada, finalmente em paz e feliz, ia pegar um sorvete pra tomar com Sam no quarto dele, e então ouviu o bip e na tela estava emergência 205, que por acaso era o quarto que Sam estava. Seu corpo amoleceu, mas ela correu junto com Dean,  e quando viu toda a movimentação de médicos pro quarto, não pode deixar de pensar no pior, pra ela, Sam havia entrado em colapso e ela o perderia, quando menos percebeu, seu nariz já estava semi entupido e seus olhos embaçados de lágrimas que caiam sem nenhum controle. Quando ela entrou no quarto, tinham balões de coração e flores espalhadas, seus amigos estavam ali e Dean foi pro lado de Bobby, todos estavam ali. Meredith, April, Callie, Alex, Miranda, Owen, Amelia e Richard misturados com Hellena, Dean, Bobby, Castiel, Jody e Charlie, eles sorriam e o cérebro de Amy demorou para perceber o que estava acontecendo ali, seu corpo tremia e Sam a olhava com um belo sorriso estampado, mas em seu estômago, as borboletas davam vontade de vomitar, ele estava tão nervoso quanto ela, tinha medo de não conseguir e fazer com que ela passasse vergonha ali na frente de todo mundo. 

-O que tá acontecendo? -Amy olhava diretamente pra Sam, que estava sentado na cama, sorrindo e esticando a mão que ela se sentasse em sua frente. 

Amy, com suas mãos trêmulas, se apoiou e se sentou em sua cama e ele limpou suas lágrimas, esperou para que ela se acalmasse, sussurrou um pedido de desculpas e puxou uma caixinha vermelha debaixo do travesseiro. 

-Amelia Singer... 

-oh meu Deus... - o coração acelerado de Amy não a deixava tomar fôlego, e quando Sam abriu a caixinha e ela viu a aliança, por um momento quase desmaiou, mas se manteve firme ali, chorando horrores. 

-Quer casar comigo?  

Todos ali sorriram e ficaram ansiosos pela resposta, que depois de alguns segundos, veio em alto e bom som. 

-Mas é claro! - Amy teve sua mão puxada levemente pelo Winchester mais novo e então sua aliança de noivado foi posta em seu dedo anelar. 

-Eu te amo, Amy... -Sam se debruçou e a beijou, ternamente, sorrindo e levantando as mãos para comemorar. 

Obviamente todos ali fizeram farra, bateram palmas, gritaram e parabenizaram os dois pelo grande passo que haviam acabado de dar. 

 

Sam 

 

As horas se passaram rápido e finalmente eu estava saindo do hospital, me sentia como se tivesse acabado de nascer novamente. Amy me acompanhou até seu novo apartamento e acomodou todos ali. 

-Galera, tenho 2 quartos de hóspedes, então, meu pai e a Jody ficam no que tem cama de casal e minha mãe e Charlie ficam no outro que tem camas de solteiro, pode ser? -ela deu as chaves para eles, que concordaram com a e divisão. -Dean eu sei que não adianta oferecer quarto, até porque ele adora um sofá, então eu comprei um sofá maior e mais confortável pensando nele. 

-Essa é a minha garota! -ele sorriu e se jogou no sofá, que esticava o acento, virando quase uma cama. 

-Filha, e ele? -Dona Hellena apontou pra Castiel, e antes que Amy ou qualquer um pudesse responder alguma coisa, Dean bateu do lado de onde ele estava sentado e sorriu. 

-Pode deixar que a gente dorme juntinho. -Dean piscou pra Castiel, que ficou todo vermelho, mas eu não pude deixar de rir. 

Enquanto Amy explicava para sua mãe tudo o que acontecia com a nossa galera e os acomodava melhor, eu fui para seu quarto e me despi, eu estava cheirando a hospital e precisava de um bom banho, pra confirmar que eu estava vivo. 

Enrolei uma toalha em minha cintura e procurei roupas minhas, que eu sabia que Amy tinha trazido. 

-Sammy? -Dean deu 3 batidinhas na porta e entrou, veio até mim e me abraçou, retribuí com vontade e ficamos ali por alguns minutos, senti a respiração dele ficar pesada e presumi que ele estivesse chorando, sorri com isso e o abracei mais forte. 

-Dean, eu não vou te abandonar. -falei, enquanto dava uns tapinhas em suas costas. -Você é meu irmão mais velho, eu vou continuar com você. 

-Eu sei disso, você não dura 1 dia sem mim. -ele levantou a cabeça, seu rosto vermelho e seu sorriso branco. -Só estou feliz por você, irmão, finalmente as coisas estão dando certo, teremos uma Winchester agora, vamos dar continuidade ao negócio da família. -Dean me olhou nos olhos. -Estou orgulhoso de você, Sammy... 

Depois que ele saiu, fui tomar meu banho, ao sentir a água cair sobre meu corpo, fechei os olhos e comecei a imaginar como vai ser daqui pra frente, sorri imaginando a organização do casamento e abri os olhos quando senti uma presença, era Amy, completamente nua, na minha frente e antes de eu conseguir falar qualquer coisa, ela me beijou e tomamos um belo banho juntos. 

-Você tem uma bundinha linda, sabia? -ela sorriu e apertou minha bunda, depois ficou na ponta dos pés para me beijar novamente. 

-Não tem nem graça eu dizer o que tem de lindo no seu corpo, você é toda perfeita. -sorri e molhei seu cabelo. 

Ela sorria e olhava sua nova aliança, me abraçava e dizia que me amava toda hora, como eu tenho sorte de poder ter essa mulher na minha vida, eu estava realizado. 

 

Bobby 

 

Me acomodei no quarto com Jody, que estava feliz pelas crianças, mas visivelmente incomodada e eu sabia que era por conta de Hellena. 

-Ela claramente ainda gosta de você. -ela se sentou na cama e passou as mãos em seus curtos cabelos pretos. 

-Nós nunca tivemos nada, Jody, fiquei com ela algumas vezes durante 1 semana, voltei pra casa e ela escondeu que estava grávida e que teve uma filha minha. -falei e me sentei ao seu lado – Minha única ligação com ela, é a Amy. 

Jody pareceu relutar um pouco, mas logo cedeu, tirou os sapatos e se deitou um pouco, me deitei ao seu lado e a beijei.  

 

Castiel 

 

Todos haviam ido descansar, Dean estava na cozinha preparando hambúrgueres para comer, eu estava na sala, assistindo a tv, agora com minha graça totalmente recuperada, eu não tinha mais os sentimentos humanos que eu tanto gostava e estava pensando seriamente em tirar minha graça e deixar sob os cuidados de Dean, pra eu poder ser humano por mais tempo. Gostava de sentir os carinhos de Dean, gostava da sensação de tê-lo comigo, gostava até do frio na barriga de quando ele falava comigo e sentir saudades. Fiz um pequeno corte em meu pescoço e despejei minha graça em um potinho e entreguei à Dean. 

-Enquanto eu estiver com você, quero ser humano.. -falei e comprimi os lábios, sentindo o cheiro daquele lanche e sentindo a barriga roncar. 

-É uma bela prova de amor, confiar à mim o te torna anjo. -Dean tinha um sorriso que deixava meu corpo quente. 

Lanchamos juntos e logo depois voltamos pro sofá, estava no início da noite, e eu comecei a sentir sono, então me arrumei com Dean, e fui invadido pelo seu perfume é com isso, a vontade de sexo de manifestou, mas não podíamos, não aqui, qualquer um poderia aparecer e nos pegar aí no flagra, então me contentei em só masturbar aquele homem loiro que estava ao meu lado, tudo isso escondido debaixo da coberta que nos escondia naquele sofá, Dean sorria e me dava selinhos. 

-Você anda bem ousado... -ele sussurrou e mordeu minha orelha. 

-Como eu posso me controlar, já se viu no espelho? -sorri e o beijei. 

Ficamos nos tocando e beijando no sofá, o clima estava bom, e eu tinha a leve impressão de que continuaria assim. Resolvi abaixar um pouco minha calça e tentei puxar Dean pro meu colo. 

-Não podemos, a casa está cheia e nós estamos na sala. -Dean riu de nervoso e eu peguei em sua bunda, o trazendo pra mim. 

-Ninguém vai aparecer, confia em mim. -logo que acabei de falar, senti meu membro ser engolido da forma mais maravilhosa o possível, aquela bunda quente e apertada e o rosto vermelho de Dean vindo me beijar pra não gemer. -Ohh, isso, desse jeito... 

Dean rebolava e quicava em meu colo, olhei no fundo de seus olhos verdes e sorri, pus as mãos em sua cintura e o ajudei com os movimentos, até que senti que ele ia gozar e me debrucei em seu corpo, pra que ele enchesse minha boca, enquanto eu o enchia em outro lugar. 

-Cas...-Dean suspirou e riu com o que acabamos de fazer. -Olha o que você faz comigo. 

-Eu sei que você gosta de tudo que eu faço com você. -puxei seu lábio e dei um tapa em cada nádega, ele saiu de cima de mim e foi ao banheiro, enquanto eu descansava um pouco no sofá e ouvia algumas risadas vindo do quarto de Amy. 


Notas Finais


O que acharam do susto que deram na Amy? Tadinha kkk
quero ver se ela tem um ataque cardíaco, nem uma coisa, nem outra hahaha
Esse Destiel, sempre aproveitando os momentos juntos, coisa mais linda!
Vejo vocês na sexta feira, com o próximo capítulo, novinho :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...