História All Of Me - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Personagens Originais, Piper Chapman
Tags Vauseman
Visualizações 171
Palavras 6.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie.. querem me bater né.
Mas... tenho justificativas.
Notas finais. Depois eu corrijo.
Boa Leitura. ❤

Capítulo 31 - Providências.


Fanfic / Fanfiction All Of Me - Capítulo 31 - Providências.

E por mais que a gente tente... nada sai do modo planejado, eu já cansei de brigar com o coração.. cansei de pedir para que ele me deixasse em paz e apenas fizesse seu trabalho de bombear o sangue, mas.. parece que ele nunca escuta o que eu tento dizer. Eu também já tentei amar com a cabeça, com a razão, mas.. eles também são difíceis demais, gostam de se machucar.. preferem ouvir aquela coisinha vermelha batendo desenfreado por um amor.

E.. mais uma vez, eu estou caída de amor por ela.. ah, como eu queria deixar isso de lado, ela já me magoou.. mas.. o tal do amor me fez perdoá-la. É tão difícil quando temos uma conexão com alguém. Eu sinto que a Alex nunca vai deixar de ser importante para mim.. eu a amo tanto.

- Eu acho que você deveria estar aqui jogando. - Alex gritou. - Já chega de sombra e água fresca.

Piper sorriu.

- Já estou indo. - Deixou a água de lado e foi ao encontro de sua morena, alta e sexy.

- E então.. precisamos de quantos pontos?

- Apenas dois e.. finalmente vamos ganhar essa partida. - Alex estava realmente empolgada, fazia tempos que não se sentia tão livre e leve.

- Ei.. vocês acham mesmo que vão levar essa? - Perguntou Nicky. - Nós já ganhamos três partidas, vocês não tem chance.

- Ah.. qual é.. nós podemos ganhar pelo menos essa. - disse Cindy.

- Vamos lá meninas.. chega de papo furado. - Suzanne havia chegado para completar o time.

- Beleza, Alex.. eu rebato essa. - Disse Piper. - A morena sorriu e concordou.

Piper ficou em sua posição.. aguardando a bola.

- Lá vai hein. - Gritou Lorna.

As outras ficaram observando o desenrolar daquelas duas, Piper estava muito concentrada.. Lorna não era diferente. Ambas lavaram a sério aquele jogo. E.. finalmente.. Piper rebateu, deixando todas boquiabertas com a desenvoltura da loira.

- Isso é injusto. - Lorna choramingava.

- Nós ganhamos, eu disse que iríamos ganhar essa.

- Essa meu amor.. porque vocês perderam as últimas três partidas. - Declarou Nicky.

- Não importa, nós ganhamos essa e ponto. - Piper estava convicta de sua Vitória.

- Tia.. parabéns, nós mandamos muito bem. - Apesar das crianças terem ficado de fora daquela partida, elas estavam tão envolvidas quanto a turma que julgou.

Piper pegou a garotinha no colo e a beijou.

- Obrigada meu amor, agora o que você acha de entrarmos e tomar um bom banho e depois irmos almoçar? 

- Tia Alex.. eu também quero colo. - Brian parou na frente da morena com os braços abertos. As meninas fizeram uma cara fofa.. achando lindo aquele momento. Alex.. não resistiu e o pegou, se apaixonou por ele desde que Piper havia mandado aquela foto, e.. quando o viu pessoalmente.. foi impossível não se encantar por aquele ser humano lindo.

- Que garoto forte e pesado. - Disse entre risos.

- É que a Tia Pipes disse que se eu comer tudinho.. eu vou ficar bem fortinho.

Ele disse com a voz mais deliciosa do mundo, e arrancou risos de todas.

- Ah.. esse garoto é um amor. - Disse Lorna.

- E então.. nós vamos comer ou Não? - Perguntou Cindy interrompendo o momento lindo de amor. - Eu estou morrendo de fome galera.

- Vamos.. as crianças precisam de um banho. 

Suzanne chamou as outras crianças e foram em direção a casa. O rancho não estava tão cheio.. sábado era um dia mais tranquilo e domingo era a folga delas.

Cindy, Lorna.. Piper e até Nicky e Alex ajudaram a dar banho em todos eles, Lou.. aproveitando a farra.. se juntou as crianças, ela dizia que não queria tomar banho sem ninguém, Piper não teve outra escolha a não ser permitir a guria de tomar banho com todo mundo.


- Finalmente.. eu pensei que isso nunca mais fosse acabar, estou sem coluna.

- Ah.. não reclame de barriga cheia. - Red a repreendeu.

- Para falar a verdade, minha barriga está bem vazia.

Red diria algo.. mas.. Claudette não permitiu.

- Hora de tomo mundo almoçar, depois vocês se resolvem.

As crianças seguiram para o refeitório, nada muito grande.. Tinha duas meses grandes e mais duas de formato redondo e pequeno.. todos se acomodaram e Red começou a servi-los.

- Todo dia vocês fazem a mesma coisa? - Nicky perguntou curiosa. Elas aproveitaram para poder almoçar na compahia das crianças.

- Sim.. e um pouco mais, durante a tarde elas têm aula com a Daya, coisa básica, mas.. de grande ajuda.

- E vocês recebem apoio de algum empresário.. ou algo do tipo? - Indagou Alex.

As meninas riram.. quem dera se elas tivessem essa ajuda.

- Por um tempo nós recebemos sim algum tipo de apoio.. alguns empresários da Cidade, a vizinhança, mas.. faz um bom tempo que não temos mais doações. - Red resolveu responder.

- Imagino o quanto deve ser difícil manter tudo isso. - Nicky estava surpresa, ela e Alex trocaram olhares, mas não por muito tempo.

- E.. graças a Piper.. isso aqui ainda está de pé. Ela e a Lorna investem sem pena neste lugar, as vezes nós fazemos alguns eventos pequenos para poder ajudar, mas, quase não arrecadamos muita coisa, Por isso eu resolvi trabalhar fora, não ganho muito ainda com os eventos.. mas.. Já é alguma coisa.

Ficaram em silêncio por algum tempo, Alex estava sentindo-se desconfortável, queria sair dali, mas, não tinha uma desculpa convincente para isso. Tomou um gole de sua água e resolveu relaxar. 

- Nunca vou me arrepender de tudo o que eu já investi nesse lugar, isso era dos meus avós.. Dona Celeste amava esse rancho.. Então eu farei o impossível para manter esse lugar vivo. 

Piper disse aquilo com tanta emoção que nenhuma palavra passou despercebido pelas meninas. De imediato.. Elas se levantaram para abraçar a loira, que sorria com a alma. E.. observando a cena.. Alex e Nicky pareciam se encolher na cadeira.



- Está tudo bem? Percebi que você estava um pouco tensa na hora do almoço. 

Piper e Alex caminhavam pelo rancho, as crianças haviam ido embora, só Brian que ficou.. pois a avó estava doente.

- Está sim.. eu só estava sentindo um pouco de dor de cabeça, faz tempo que eu não fico no sol da forma que ficamos. - Disse tentando transparecer algum sorriso.

- Por que não me disse? Eu poderia providenciar um remédio para você. - A loira havia parado de andar e se colocou na frente de Alex.. acariciando levemente seu rosto corado.

Vause sorriu com o gesto.

- Não se preocupe meu amor, está tudo bem, estar aqui contigo me faz bem. - Dessa vez ela sorriu com gosto.

Piper deu-lhe um breve selinho.

- Eu estou amando que esteja aqui comigo. 

- E eu estou muito feliz por estar aqui, nesse lugar incrível, com você, com a Lou, e confesso.. estou apaixonada pelo Brian.

Piper riu.

- Ele é um garoto maravilhoso. - Piper pegou na mão de Alex e voltaram a caminhar, a tarde estava linda.. bastante fresca, nada daquele calor de mais cedo. - Eu aprendi a amá-lo sabe, a história dele mexeu tanto comigo. 

- Ele é especial, faz poucas horas que o conheço, mas, estou preocupada com ele, você havia dito que a avó dele está doente, e quem cuida dele?

- Nós, ele não tem mais ninguém, somente uns tios.. mas, pelo jeito ninguém que se importe com ele.

- Como não se importar com uma criança daquela? - Alex parecia indignada.

- Eu não sei, mas, espero que tudo fique bem logo, por mais que aqui ele tenha de tudo.. ou quase tudo, é bom ter um lar, eu não gostaria de ficar em um abrigo.

Vause parou durante a caminhada e abraçou Piper de repente, deixando a loira confusa.

- Ele tem tudo o que precisa aqui, o mais importante é o amor. 

- Gosto quando diz essas coisas, E é tão bom quando você me abraça, me sinto em casa. - Piper confessou ao se aconchegar ainda mais nos braços de Alex.

- Então faça do meu abraço.. a sua morada.

Piper riu.

- Isso foi tão clichê.

- É o que eu me torno quando estou com você.

O sorriso da loira se alargou ainda mais.

- Ok senhora romântica.. vamos andar, ainda quero te mostrar umas coisas.


XXX


- Eu achei que fosse enlouquecer de tanta saudade. - Nicky dizia enquanto beijava a namorada.

- Eu também senti muito a sua falta amor.

- Será que vamos ser um daqueles casais nojentos e melosos? - Nicky perguntou interrompendo os beijos.

- Eu não sei, mas, podemos continuar de onde paramos? - Lorna mordeu o lábio inferior e sorriu de modo sacana.

- É por isso que eu sou completamente apaixonada por você.

Nichols pegou a namorada no colo e a levou até a cama, Lorna ria de suas loucuras. É.. até que elas formavam um belo casal, talvez nojento e meloso.. Mas, se amavam.

XXX

- Preciso saber quando você vai entrar em ação. - O amigo e também sócio de Stella.. já estava impaciente.

- Eu disse para você ter calma, eu tenho planos.. e não posso agir assim.

- Eu entendo minha querida, mas o tempo está passando, enquanto você está ai sem fazer nada, o Carl esbanja todo o dinheiro que ganhou com essa venda.

- Eu não me importo, ou você se esqueceu de que foi a idiota da Alex quem pagou?

- Eu não esqueci, só estou preocupado, a irmã dele vai acabar descobrindo, sem contar que a Vause pode querer começar as escavações.

- Está tudo sob controle, fique calmo, na hora certa nós iremos agir, eu só preciso que a Piper volte para Manhattan.

Stella estava confiante em seus planos, faltava pouco para ela enfim por seu plano de vingança em ação, era tudo uma questão de tempo.. e aí sim, ela poderia dar as caras, mas antes.. queria humilhar Alex, para que ela jamais esquecesse quem era Stella Carlin.

XXX


- Piper.. nós vamos voltar amanhã? - Perguntou Lorna.

- Sim sim.. eu só preciso acertar umas coisas com o Joe.

As quatro estavam sentadas na varanda após o jantar, parte da casa já havia ido dormir, elas aproveitavam a noite fresca.

- Achei que você fosse passar o restante das férias aqui. - Indagou Alex surpresa.

- Eu até iria.. mas, eu preciso resolver umas coisas, não posso deixar para depois.

- E como vamos fazer? - A pergunta partiu de Nicky.

- Bom, acho que você pode levar o meu carro e ir com a Lorna e eu vou com a Piper. - Alex sugeriu.

- Para mim.. está perfeito. - Lorna disse e levantou os ombros. - Ah, eu já ia me esquecendo, Red pediu para avisar que a avó de Brian voltou para o hospital, e dessa vez.. sem previsão de alta.

- Como assim? O que aconteceu dessa vez? - Piper perguntou preocupada.

- Não sei bem, a Red não me deu muitos detalhes, mas parece que a situação é bem grave dessa vez. - Lorna brincava de balançar os pés enquanto falava, aquela situação era muito delicada.

- Eu não sei o que vou fazer, parece que o mundo vai desabar na minha cabeça. - A loira passou as mãos pelos cabelos, sua respiração estava pesada. Alex a abraçou pelos ombros, tocando sua cabeça na dela.

- Amor.. relaxa, vai ficar tudo bem. - De alguma forma, Vause tentava acalmá-la. A situação era tão delicada, que a pequena palavra dita por Alex.. passou despercebido pelas outras.

Sem conseguir se manter no lugar, Piper levantou-se e foi até a pequena escada na varanda, precisava de ar.

- Seria muito ruim manter ele aqui Piper? - Nicky arriscou a pergunta.

- Não é que seja ruim, mas, ele tem uma família sabe, mesmo que seja só a avó dele, mas ele tem alguém, e eles são tão próximos, é complicado manter ele aqui, não digo pelos custos, mas, ele precisa de cuidados o tempo inteiro, é só um bebê, eu não posso jogar essa responsabilidade em cima da Red.

- E o que você acha de levarmos ele? Podemos ir ao hospital.. saber o estado de saúde da avó dele, quem sabe pegar uma autorização e podemos ficar com ele até ela voltar para casa.

Mesmo que parecesse impossível, Nicky realmente falava sério, ele nem teve muito contato com o garoto, mas.. no pouco tempo que passaram juntos.. correndo do sol, ela teve uma ligação especial com ele, era difícil imaginar uma criança como aquela em um abrigo.

- Você está falando sério? - Alex conhecia bem a amiga, e naquele momento.. ela não parceria ser ela.

- Por quê não Alex? Tudo bem que nós também temos os nossos compromissos, somos ocupadas, as meninas mais ainda, mas, acho que nós podemos dar um jeito, perto do nosso trabalho tem uma excelente creche.. e.. quem largar o serviço primeiro.. fica com ele até que outra pessoa possa pegá-lo. - Nichols falava tudo de forma natural, ela não via problema nenhum em ajudar.

Lorna estava admirada pela namorada, sentia tanta segurança vindo dela, e.. jamais imaginou que ela fosse o tipo de gente que gostaria de cuidar de uma criança.

- E então Piper? - Finalmente Alex perguntou.. apesar de não saberei se aquilo realmente daria certo, resolveu arriscar.

Chapman soltou todo o ar que estava preso em pulmão, ela estava tentando assimilar tudo aquilo.

- Eu não sei, temos que pensar bem, como a Nicky disse.. vocês são ocupadas, eu e a Lorna também, precisamos ponderar muito bem isso, não sei até quando minha cunhada vai ficar na cidade.

- Nós daremos um jeito amiga. - Lorna levantou e foi até ela. - Podemos equilibrar bem as coisas. Nós conseguimos, lembra?

Nós conseguimos. Aquela frase era um tipo de mantra para elas, elas usavam aquelas palavras quando a situação estava difícil.. ou quando não sabiam o que fazer, respiravam fundo e repetiam a frase umas três vezes até que tudo clareasse e elas pudessem pensar com mais calma.

Piper sorriu tímida.

- Tudo bem, nós vamos dar um jeito, mas não vou tomar essa decisão agora, eu preciso descansar.. ai amanhã nós decidimos com mais calma.

Lorna e Nicky sorriram com vontade.

- Alex.. vamos subir? 

- Claro.. vamos sim.

Vause levantou e abraçou Piper pela cintura antes de entrarem na casa.

- Vocês não vão subir agora? - Perguntou Alex.

- Estamos indo atrás de vocês. - Respondeu Nicky.

Subiram juntas em silêncio, toda a casa já estava dormindo. Se despediram e seguiram para seus quartos.

- Que dia cheio. - comentou Alex assim que sentou na beirada da cama para retirar os sapatos.

- Nem me fale, eu estou exausta, toda essa situação acaba comigo.

- Parece que mesmo longe do trabalho você não sossega.

Piper riu.

- Verdade, mas, não tenho do que reclamar. - Piper falava enquanto trocava de roupa. - Eu aproveitei bastante.. descansei.

Alex parecia uma morta viva.. estava ouvindo o que a loira dizia, mas, seus olhos estavam perdidos naquele corpo perfeito.

- É.. bom, que bom que você conseguiu descansar. - disse sem muita certeza.

Piper parou seus movimentos e riu com vontade da forma desconcertada que Alex estava.

- Você vai ficar me olhando com essa cara de boba ai? - Perguntou ainda rindo.

- Não.. é que.. desculpa, eu vou tomar um banho. Alex deu um salto da cama em direção ao banheiro, estava se sentindo uma idiota, não é como se ela nunca tivesse visto Piper trocar de roupa na sua frente, mas já fazia um bom tempo que elas não tinham uma relação mais íntima. Já dentro do banheiro.. abriu a torneira e molhou a mão passando na nuca, precisava sanar aquele calor que percorria seu corpo.

Descansou os óculos em cima da pia e foi tirando a roupa com calma, sem pressa. Abriu o chuveiro e deixou a água pesada cair sobre o corpo, não se importou de molhar o cabelo. Por estar de costas para o box.. não viu quando Piper entrou no banheiro, já sem roupa alguma. Devagar.. a loira entrou no box e se aproximou de Alex, percebeu quando a morena se assustou, mas.. não deixou que ela virasse o corpo. Deslizou as mãos pelas costas dela, afastou o cabelo para o lado e depositou beijos por toda a região do ombro.

- Piper. - Alex sussurrou o nome dela de forma quase inaudível. - Estava perdendo os sentidos com o toque aveludado daquela mulher, Piper tinha o dom de desarmá-la, e deixá-la entregue de forma que nenhuma outra mulher havia feito.

- Eu gosto tanto das suas costas, gosto de sentir meu corpo no seu. - Piper falava no ouvido dela enquanto deslizava a mão direita por toda a extensão daquele corpo macio. A mão esquerda foi de encontro ao seio rijo de Alex, a morena arfou de prazer. - Eu senti tanto a sua falta Alex.. tanto.

E sem mais poder conter o prazer que sentia, Alex virou e agarrou Piper pela cintura, a beijou de forma urgente.. seu corpo queimava por aquela mulher, precisava senti-la de todas as formas. 

- Você não tem idéia do quanto eu senti a sua falta. - Alex disse entre o beijo. - Por favor Piper, nunca mais fique longe de mim. - Disse e voltou a beija-lá com mais vontade. Piper reclamou quando sentiu a parede fria em suas costas, Alex sorriu e a pegou no colo, cruzando a apenas dela em volta de sua cintura, o braço esquerdo ajudava a manter Piper firme contra a parede. O beijo se tornou mais lascivo e sensual. Piper agarrou no cabelo de Alex e o puxou para trás, distribuindo beijos pelo pescoço da morena até chegar no ombro.. onde deixou uma mordida. Aquilo jogou o controle de Alex pelo ralo.. assim como toda a água do chuveiro. Sem mais conter a excitação.. deslizou a mão até o sexo de Piper, estava quente e pronto para recebê-la.

- Por favor Alex. - Piper arfava de prazer, precisava sentir Alex dentro dela.

- O quê você quer?. - A morena conseguiu perguntar. A verdade é que nem ela estava conseguindo se conter, e antes mesmo da resposta de Piper, ela deslizou um dedo para dentro da loira. Em resposta ao toque inesperado.. Piper gemeu e arranhou Alex, fazendo com que ela também gemesse.

- Mais rápido. - Piper pediu enquanto tentava desesperadamente beijar a morena. - Eu preciso de mais. - Alex então começou a investir estocadas mais fortes. Piper estava a levando a loucura. - Eu preciso sentir você. - Conseguiu dizer. - Eu quero que você goze na minha boca Piper. E sem mais esperar, Alex a colocou no chão com calma e se ajoelhou na frente dela, sem perder o contato visual, Vause separou as pernas dela e começou a estimular o clitóris já inchado de prazer. Sorriu ao ver Piper fechando os olhos, aquela era a cena mais erótica de toda sua vida. E.. sem mais delongas, lambeu toda a extensão do sexo da loira, Alex gemeu de prazer. Como pôde ficar tanto tempo longe daquela mulher. Piper prendeu a cabeça de Alex ali.. sentia necessidade daquele toque arrebatador, por segundos foi capaz de pensar.. que nunca foi tocada daquela forma, Vause sabia bem como lhe dar prazer, conhecia cada parte de seu corpo, sabia quando deveria ser calma e selvagem ao mesmo tempo.

O banheiro já estava tomado por toda a fumaça que saia do chuveiro, no box de vidro, era possível ver as marcas da mão de Piper, ela se contorcia contra a parede, rebolava de forma incontrolável na boca de Alex, não sabia por mais quanto tempo ela iria aguentar.

- Alex. - falhou miseravelmente ao pronunciar o nome da morena. - Eu vou.. - Os gemidos saiam mais fortes do que suas palavras. - Alex. - tentou mais uma vez. - Goze Piper.. eu quero sentir você gozando na minha boca. - Vause voltou a chupá-la de forma lenta, sabendo perfeitamente aonde passar a língua. Sem mais conseguir controlar, Piper gozou, Alex a segurou firme, a loira estava com as pernas bambas, o coração batia frenético, a respiração pesada. E mesmo assim.. Alex não a deixava.. continuou estimulando o sexo dela de forma bastante lenta, e a penetrou com um dedo, Piper foi a loucura. Alex estocou mais forte até Piper atingir um orgasmo minutos depois. Satisfeita.. Vause levantou sem soltar a loira, o corpo todo dela estava mole. Piper tentava recuperar a consciência e abriu os olhos, dando de cara com Alex sorrindo feito boba para ela. Sorriu também e a beijou de leve.

- Acho que preciso de um banho. - Confessou.

- Nós precisamos. - Elas sorriram.

O banho não foi só um banho, Piper não deixou a morena em paz até que ela também tivesse um orgasmo, alegando que não era justo ela sentir o prazer sozinha. Claro que Alex rebateu afirmando que só bastava Piper estar completamente entegue em seus braços.. e o prazer vinha à tona.

Após o banho.. elas finalmente foram dormir, estavam exaustas.. em todos os sentidos. O dia pela frente seria longo.


Alex acordou sozinha na cama, não gostou Nada, obviamente. Foi até o banheiro atrás de Piper.. e nem sinal da loira. Bufou contrariada. Resolveu tomar um banho antes de descer. Acreditou que Piper pudesse estar lá embaixo com o pessoal. Assim que saiu do banho, ouviu batidas na porta, se vestiu rapidamente e foi ver de quem se tratava.

- Oi Alex.. bom dia.

- Bom Dia Lorna, tudo bem? - Perguntou confusa.

- Chame a Piper para mim por favor.

Alex fraziu o cenho.

- Mas ela não está aqui, eu acordei e ela já não estava na cama.

Lorna coçou a cabeça, também não estava entendendo nada.

- Ok.. vamos descer, alguém deve saber do paradeiro daquela doida.

Alex fechou a porta do quarto e seguiu Lorna até o andar de baixo.

- Red.. por um acaso você já viu a Piper hoje?

- Sim querida, ela saiu bem cedinho, o dia ainda estava amanhacendo. - Red dizia tranquilamente enquanto terminava de por a mesa do café.

Alex e Lorna trocaram olhares confusos.

- Aconteceu alguma coisa com a minha menina? - Indagou Red ao perceber a cara estranha das moças à sua frente.

- Não, quer dizer, eu acordei e ela não estava mais na cama, Lorna chegou lá procurando por ela, só fiquei preocupada. - Disse Alex.

- Faz algumas horas que ela saiu, não deve demorar a voltar. - Red sabia muito bem onde a loira estava, mas a pedido da mesma, não diria nada a ninguém. - Acho bom vocês se sentarem para tomar o café, as meninas já vão descer e em questão de minutos essa mesa estará vazia.

Alex deu a ela um sorriso tímido, e sentou-se. Mas.. sua cabeça estava viajando a procura de uma certa pessoa de olhos azuis, não gostou nada de acordar sozinha outra vez, ainda mais por ela ter saído sem avisá-la.

- Bom dia. - Disse Lou ao entrar na cozinha. 

- Bom dia. - Brian a imitou.

- Oi crianças. - Disse Lorna. - Dormiram bem?

Os dois fizeram que sim. Alex chamou por Brian, para que ele sentasse em seu colo para fazer o desjejum. Lorna fez o mesmo com Lou.

- Tia Alex, agora você vai me trocar por ele? - A pergunta partiu da garotinha. - Você me conheceu primeiro.

- Claro que eu não vou te trocar meu amor, eu tenho espaço para vocês dois. - E sem pensar duas vezes, Lou deixou Lorna e sentou na outra perna de Alex.

- É sério isso pequena? Você me conhece primeiro sabia? - Lorna demonstrava uma falsa indignação.

- Não Tia, mas é que nem sempre eu vejo a Alex, você deixa eu ficar aqui?

Lorna riu com muito amor, aquela garotinha era irresistível.

- Já que a Lou não quer, tem quem queira. - Nicky disse assim que adentrou na cozinha, sentou-se do lado da namorada e deu-lhe um beijo na testa. - Bom dia.

- Bom dia amor. 

- Vem cá, por que você tem mania de me deixar na cama sozinha. - Indagou Nicky.

- É de Família? - Perguntou Alex.

- A Piper também faz isso com você? 

- Sempre, e eu odeio isso. - Alex disse entre dentes.

- Desculpa amor, é que eu estava procurando a Piper, mas ninguém sabe onde ela se meteu. - Lorna resolveu cortar o assunto das duas.

- Além de acordar sozinha, ainda perdeu a mulher Alex. - Nicky alfinetou.

Alex responderia de forma malcriada, mas se lembrou que tinha duas crianças no colo, por isso deixou a piada sem graça passar.

- Bom dia galera. - Cindy desejou a todas. - Hoje é domingo, dia maravilhoso para uma piscina maravilhosa. As crianças gritaram em concordância.

- Fico indignada com a felicidade dessa casa. - Comentou Nicky. - Se eu acordar animada assim em pleno domingo, podem ter certeza.. alguma força maior invadiu meu corpo.

As outras sorriram.

- Eu ando sempre de bem com a vida leãozinho, por isso eu vivo de boa.

Alex não aguentou o apelido e caiu na gargalhada, foi inevitável.

Nicky cerrou os olhos, xingaria, mas também se lembrou das crianças.

- Está rindo de quê Mortícia? - Retrucou zangada.

Foi a vez de Cindy rir da cara de Alex.

- Ok.. acho que podemos continuar com o café. - Disse Vause.

Naquele clima descontraído.. elas tomaram o café da manhã, aos poucos as meninas foram chegando. Suzzane era a única que não estava na casa, ela era enfermeira e estava de plantão. Horas se passaram e nada de Piper aparecer, Alex estava começando a surtar, ligava para o celular dela e só dava caixa postal, pensou em pegar o carro e ir atrás dela, mas.. se lembrou de que não fazia idéia de onde ela poderia estar. Contra sua vontade, foi obrigada a esperar.


- Eu tenho certeza que você cuidará muito bem do meu garoto. - Dizia Celine, a avó de Brian.

Piper havia levantado cedo, apesar de estar cansada, ela mau conseguiu pregar o olho, não querendo acordar Alex, ela decidiu sair do quarto. Ao chegar na cozinha.. encontrou Suzzane tomando café, a mulher explicou que estava de plantão naquele dia, então Piper se lembrou da avó do garoto, e depois de conversar com a amiga, resolveu acompanha-lá até o hospital.

- Eu confesso que tenho medo. - Piper estava emocionada, apesar do estado debilitado de Celine, a senhora conseguiu conversar bastante com ela.

- Não fique minha querida, eu tenho certeza que você vai dar conta, ele só precisa de amor, e isso você tem de sobra. - Celine tossiu um pouco antes de continuar. - Ele é tudo o que eu tenho, é o presente vivo que meu filho me deixou.

- É muita responsabilidade, eu não tenho filhos.. não sei nem por onde começar. - Piper insistia em sua preocupação.

- Você criou um espaço para as crianças carentes, você visita o local sempre que pode, eu já a vi muitas vezes no meio daquelas crianças, você tem o dom meu amor.

Piper respirou fundo.

- Pegue um papel que está nessa mesinha aqui do lado da cama por favor. - Piper o fez. - Eu fiz esse documento há duas semanas atrás, quando eu dei entrada a primeira vez no hospital.

Piper a olhou de olhos arregalados.

- Eu já sabia que eu não duraria muito tempo, minha saúde está muito comprometida, meu coração está fraco.

- Eu sou cirurgiã, posso ver os seus exames, nós podemos saber o que seu coração tem. - Piper tentava à todo custo encontrar uma solução.

- Não há mais tempo minha querida, eu passei por uma situação financeira grave, fiquei um ano sem pagar o plano de saúde então eu fiquei sem o tratamento.. e sem os remédios necessários.

Piper sentou na poltrona mais próxima, soltou todo o peso do corpo, agora sua ficha estava caindo. A avó de Brian estava morrendo.

- Não fique assim querida, eu já me conformei, uma hora todos nós vamos partir, e essa é a minha hora, eu estou muito cansada. - Celine entrou em uma crise de tosse preocupando ainda mais Piper.

- Fique calma, a senhora precisa descansar. - Piper pegou a máscara de oxigênio e posicionou no rosto dela. - Vai ficar tudo bem. 

Celine levou uns minutos até voltar a respirar normalmente. Ainda sem tirar a máscara, ela fez um sinal para que Piper lesse o papel. 

A cada linha que Piper passava os olhos, ela ficava estática.. não podia acreditar no que estava vendo, não queria que aquilo fosse verdade.

- Meu advogado preparou esse documento, ele é legítimo e autêntico, a pessoa que assinar esse papel, terá todos os direitos sobre ele.

Piper estava mais assustada porque no documento dizia que Brian herdaria 1 milhão de dólares.

- A senhora disse que não tinha dinheiro para custear o plano de saúde e como assim ele vai herdar tudo isso?

- Essa é a minha apólice de seguro, quando eu morrer.. o Brian é o assegurado. Por isso eu não quero deixar ele nas mãos de qualquer pessoa, eu confio em você.

- A senhora não vai morrer, você vai sair daqui.. eu vou te levar para o hospital onde eu trabalho e.. vamos fazer todo o possível.

Celine sorriu fraco.

- Não há mais tempo querida, eu não aguento uma viagem até Nova York, eu prefiro morrer aqui.

Piper não conseguia acreditar no que estava acontecendo.

- Assine esse papéis, você me deixará tranquila, eu não tenho mais ninguém, os tios do Brian não se importam com ele e se souberem dessa apólice.. vão querer o garoto só pelo dinheiro, e depois eu tenho certeza que vão abandoná-lo em qualquer abrigo.

Aquela possibilidade deixou Piper com o coração apertado. Não deixaria Brian naquela situação. 

- Ele vai ser meu Por toda a vida? 

A pergunta fez Celine rir com vontade.

- Até seu último suspiro de vida. - Respondeu fraca.

- Ok, eu vou assinar, mas saiba que a senhora não vai morrer.. você precisa ver o Brian.. ele está tão lindo. - Piper sorria enquanto falava e assinava os papéis. - Ontem nos divertimos muito jogando basebol. E parecia ser coisa do destino, assim que Piper assinou todos os papéis..  Os aparelhos ligados a Celine.. começaram a apitar, e Piper sabia que aquilo não significava boa coisa.

- Celine.. use a máscara e respire.

- Na gaveta. - Ela se esforçava para falar. - Tem um cartão. - E mais uma crise de tosse.

- Não, não fale mais nada, os médicos estão chegando,  você precisa descansar.

A mais velha segurou firme na mão de Piper.. chamando sua atenção e afastou a máscara o suficiente para poder falar.

- Tem um cartão na gaveta, ligue para o meu advogado, ele saberá o que fazer. - Dito isso.. Celine teve uma parada cardíaca, Com toda sua experiência.. Piper tentou fazer uma massagem, foi o tempo dos médicos entrarem, mas não adiantou, pegaram o carrinho de parada.

- Afaste-se senhorita. - Pediu o médico.

Piper ficou parada imóvel no pé da cama, aquela cena era comum em sua cabeça, mas não quando alguém representava alguma ligação para ela. E.. Celine.. seria para sempre alguém em sua vida, pois antes de morrer.. a fez prometer que cuidaria de Bryan.

- Eu sinto muito. - Disse o médico responsável pelo caso. - Ela já estava com o coração muito fraco, fiquei surpreso por ela resistir tanto tempo. As palavras do doutor ecoavam em sua cabeça, estava difícil.

- Tudo bem.. eu só, é.. eu. - Piper não conseguia formular uma frase.

- Eu sou o doutor Schwartz, mas pode me chamar de Mike. - Ele estendeu a mão para Piper, ela fez o mesmo. - Vamos até lá fora, não há mais nada que possa ser feito, você precisa assinar a papelada para poder dar entrada na certidão de óbito.

Naquele momento, Piper sentiu-se horrorizada. Alguém tinha acabado de morrer, será que aquele cara não percebia isso? Mas, também teve tempo para se perguntar se ela também era assim com os familiares de seus pacientes. Em modo automático.. ela seguiu o médico. Mas.. quando estava na porta, lembrou-se dos papéis e do cartão, voltou para pegá-los.

- Está tudo bem? - O médico perguntou.

- Sim, eu só precisava ver ela mais uma vez. 

Seguiram até a sala dele, toda a parte burocrática Piper teve que tomar conta. Nesse tempo.. Suzzane Havia ligado para Red.

- Ok.. obrigada querida. - Red encerrou a ligação. Ela estava em choque. As meninas estavam reunidas na sala após o almoço. 

- Red.. o quê aconteceu? - Perguntou Daya.

- Celine.. ela faleceu. - Disse mais para si do que para elas, ela também precisava acreditar no que estava acontecendo.

Alex e Nicky trocavam olhares confusos, elas não sabiam quem era Celine.

- Ai meu Deus. - Lorna exclamou colocando as mãos na boca.

- Alguém precisa ir até o hospital.. a Piper não tem condições de voltar para casa.

Alex se alarmou ao ouvir o nome da loira.

- A Piper está no hospital? O que ela tem? - Perguntou preocupada.

- A avó do Brian.. ela que morreu, a Piper passou o dia todo ao lado dela.

Agora a ficha de todo mundo caiu.

- Lorna.. vá buscar ela, eu cuido das crianças. E.. Daya me ajude por favor. 

- Claro Red, você não prefere ir se deitar? Você não me parece bem.

- Eu vou ficar querida, só cuide das crianças, eu vou estar na cozinha.

Red saiu deixando todo mundo sem ter o que fazer.. tudo girava em torno do garoto naquele momento.

- Bom, eu só vou lá em cima buscar minha bolsa e as chaves do carro de Piper e vou buscá-la. - Lorna saiu.

- Cara.. que situação de merda. - Cindy comentou. - O que vai ser daquele garoto agora?

Daya suspirou.

- Eu não sei, coitada da Piper, ela deve estar arrasada.

- Porra.. nem me fale.

Observando o diálogo das duas, Alex decidiu que não ficaria ali esperando por notícias.

- Lorna, eu também vou. - disse assim que ela apareceu na sala de novo.

- Então eu também vou. - Acrescentou Nicky.

- Então vamos.

As três saíram o mais rápido possível, era um bom caminho até o hospital.

Alex estava perdida em seus pensamentos, tudo o que ela queria era Piper em seus braços, queria a proteger do mundo se fosse possível. Não a deixaria sozinha nesse momento tão delicado. Depois de um tempo na estrada, ela resolveu perguntar, o silêncio estava acabando com ela.

- Ainda falta muito?

- Uns dez minutos e chegaremos lá.

Passado o tempo previsto por Lorna, ela estacionava o carro numa vaga em frente ao grande hospital. Assim que deixaram o veículo.. as três correram em direção a recepção. Por sorte.. elas trombaram com Suzzane.

- Ah.. como é bom te encontrar. - Disse Lorna ofegante. - Cadê ela?

Suzzane não precisou perguntar de quem se tratava a julgar pela forma que elas estavam.

- Final do corredor à direita, mas Lorna, vai com calma.. a Piper não está legal. 

Concordando com o que a amiga disse, ela saiu em direção ao corredor indicado, ele era extenso demais, parecia nunca ter fim. E.. finalmente.. elas a encontraram, Piper estava sentada no chão de cabeça baixa segurando uns papeis. A cena.. era de partir o coração.

- Piper. - Lorna disse chamando a atenção da amiga e correu até ela. Piper levantou e foi ao seu encontro.

Quando se abraçaram.. Piper não conseguiu mais segurar as lágrimas, estava tentando não desabar, mas.. isso parecia impossível naquele momento.

- Shiu. - Lorna tentava acalmá-la. - Agora eu estou aqui e vai ficar tudo bem.

De longe.. Alex e Nicky observavam a cena, sem dúvidas Vause queria pegar aquela mulher e guarda-lá em seus braços.

Piper controlou um pouco o choro e se afastou da amiga, só então reparou que Alex também estava ali. No meio disso tudo.. conseguiu sorrir um pouco.

- Como você está? - Alex se aproximou. - Eu quase surtei de tanta preocupação. Piper foi até ela e pousou a mão no rosto da morena.

- Obrigada por estar aqui.

- Piper, me diz.. o que aconteceu, por que você não me chamou?

- Lorna.. eu só quero ir para casa, eu estou exausta. 

- O que são esses papéis? - Lorna estava preocupada com a amiga, mas queria mais detalhes.

- Eu tenho em mãos a guarda definitiva do Brian. - Disse sem ânimo, não pelo fato de ter ganho a guarda do garoto, mas sim pelo modo que ganhou.

As três ficaram perplexas com a revelação.

- Então o Brian é nosso? 

Piper respirou fundo e fez que sim com a cabeça.

Bom, havia pela frente um longo caminho à se percorrer, muitas coisas estavam em jogo naquele momento, principalmente a vida e o futuro de uma criança.






Notas Finais


Gente.. primeiro desculpa por terminar o capítulo assim. Mas enfim, desculpa de novo por sumir, sei que devem estar de saco cheio, e que provavelmente perderam a graça de continuar lendo. Mas.. é que esse semestre está uma loucura na faculdade E eu ainda tive a brilhante idéia de iniciar outra Fic, mas aviso que ALL OF ME está acabando e então vou dar uma atenção especial na outra. Eu tô tão vida loca que nem terminei de assistir Orange. Super preciso terminar.
E mais uma vez.. me desculpem! Só peço mais um pouquinho de paciência. E obrigada por todos os favoritos e comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...