1. Spirit Fanfics >
  2. All of the stars >
  3. Oscilações de humor

História All of the stars - Capítulo 61


Escrita por:


Capítulo 61 - Oscilações de humor


Fanfic / Fanfiction All of the stars - Capítulo 61 - Oscilações de humor

Tea on

No começo demorou um pouco mais de tempo pra ficha cair e  pra saber que agora eu havia mesmo perdido o meu Theo pra sempre. Só que pra entender o fato de que eu nunca mais poderia ter filhos,e pra recompensar esta perda,creio que isso será algo que levará mais dias ou quem sabe alguns meses pra poder acontecer dentro de mim. Porque com esse baque algumas coisas intencionalmente mudaram dentro de mim e eu acabei deixando muitos sentimentos bons morressem,mas permiti que  alguns ficassem sensíveis até demais.

A minha cirurgia infeccionou, e por conta disso tive que passar mais tempo internada naquele hospital,do que eu gostaria de ter ficado.

Por conta das coisas que apenas eu sabia,agora eu queria manter distância da Jessie e também de tudo aquilo que viesse daquela víbora. Portanto toda vez que ela tentava se aproximar de mim e agia como se não tivesse culpa no cartório  do ocorrido e sempre se fazendo  passar por vítima diante de Chanyeol ou de qualquer  outra pessoa que não fosse ele,eu tinha um súbito ataque de fúria e a  fazia se retirar do mesmo ambiente em que eu estivesse. Porque eu simplesmente não conseguia mais esconder o quanto a odiava e o quanto tinha desdenho por sua pessoa,e sempre agia feito uma louca quando ela de quebra agia como se nada soubesse sobre o meu acidente. Só que até nisso aquela cobra conseguia tirar vantagem de mim e continuava jogando sujo pra ter Chanyeol de volta ao seu lado á  todo custo. Pois ninguém dava ouvidos para as coisas que eu dizia ou sequer  parecia querer se importar ,de fato, com as graves acusações que eu fazia sobre ela,e quando ela tentava ser gentil e amável comigo. Tanto que houve um momento em que o médico já começava a recomendar pra que Chanyeol levasse mais sério as minhas atitudes quando eu recebesse alta e o orientou pra me levasse ao psiquiatra. Porque eles afirmavam que aquela perda recente e fatal  e com  o fato de que  agora eu não pudesse ter mais filhos,isso havia me deixado traumatizada, e  com isso eu ficaria marcada pelo resto da minha vida,e deveria procurar ajuda médica pra me livrar de todas essas coisas urgentemente. Pois aqueles meus súbitos ataques de fúria toda vez que via uma mulher grávida,na cabeça deles isso haviam  me deixando perturbada, e mais cedo ou mais tarde, isso nunca me faria bem ,se eu não soubesse lidar com a ideia de que eu nunca poderia gerar um ser dentro de mim. Claro que o meu ódio pela Jessie não tinha nada a ver com o fato de que ela estava grávida e que seria a única dali que daria um filho pra Chanyeol,mas um pouco de mim as vezes sentia muita inveja dela nessas horas,isso eu tenho que admitir. Só que ninguém conseguia parar pra pensar e pra saber,que por trás de uma possível inveja da minha parte,talvez poderia ter algo bem pior escondido e oculto no modo como eu comecei a tratá-la após o meu acidente. E até aí tudo bem pra mim,eu poderia lidar com a cegueira de todos. Porque uma vez aquela víbora havia feito o mesmo comigo e me deixado cega diante das atrocidades que ela fazia por trás das minhas costas ,e enquanto eu passava as mãos em sua cabeça e lhe dava carta branca pra poder bagunçar a minha vida. Mas eu fiquei subitamente triste e desolada,quando soube que Chanyeol era uma dessas muitas pessoas,e que pensavam que o meu lance com a Jessie agora havia virado coisa pessoal, e que com a minha perda, eu começava a vê-la como uma rival ,e  mais como uma amiga. 

- Acho que a gente deveria dar um tempo lá de casa,sabe - ele me sugeria nas vésperas da minha alta  e fazia planos pra me ver longe daquela casa e antes mesmo de me consultar sobre tal decisão ou sequer procurar saber o que eu achava disso tudo - Eu tenho uma casa de praia ao leste de Seoul...e já faz um bom tempo que não dou uma ida por lá...eu falei bom tempo - ele se corrigiu  - faz um século que eu não vou por lá...e nem sei como anda aquele lugar - ele parecia estar bem entusiasmado com essa ideia, e essa era a primeira vez que eu o via sorrindo e fazendo planos,após o que havia acontecido  - Mas isso não tem importância alguma agora. Porque eu posso pedir pra Ba arrumar alguém pra deixar aquele lugar limpo e organizado até amanhã. E daí a gente pode sair daqui e ir direto pra lá - ele estava elétrico e não parava de falar,mas em nenhum instante sequer ele olhou dentro dos meus olhos ou quis me encarar olho no olho ,enquanto fazia planos para a minha saída do hospital  e me inseria neles sem nem ao menos  pedir a minha prévia  permissão pra fazer isso,e achava que eu iria topar tudo isso numa boa - Me diga apenas o que quer vestir e o que gostaria de comer,que pedirei pra Ba fazer as suas malas com as roupas que você mais costuma usar e sem me esquecer de que devemos comprar biquínis pra você no caminho pra lá. Porque penso que você não deve ter nenhum no seu closet ou ter trazido nenhum lá de Amsterdã. Ou trouxe? - ele me olhou de relance enquanto andava pelo quarto cheio de coisas na cabeça,e isso já me dava nos nervos - Vejamos isso depois. Vou ligar para a Ba e logo a deixarei encarregada de suas novas funções de agora em diante - ele pegou o celular do bolso de sua calça e em seguida chegou até a fazer aquela ligação,mas logo cortei o barato dele e fiz todos os seus  planos desceram ralo abaixo,quando falei algo do tipo.

- Eu não quero ir pra casa de praia  coisa nenhuma - me rebelei - eu quero voltar pra nossa casa.

- Mas Tea... - ele guardou seu celular de volta no bolso de sua calça e veio na minha direção,crente de que conseguiria me fazer mudar de opinião  - acho que voltarmos pra nossa casa agora...não seria uma boa ideia...e ainda mais depois de tudo o que houve por lá - ele se assentou na ponta da cama,segurou as minhas mãos e desta vez olhou pra mim e completou seu discurso  - Pense que será por pouco tempo,ham? E lhe prometo que voltaremos pra nossa casa antes do dia do nosso casamento. O que me diz?

- Por que acha que eu não devo voltar pra casa depois do que houve? - o encarei de volta com cara de brava e o interceptei - Por que ficarei menos traumatizada do que já estou com tudo isso,se ficasse longe daquele lugar por hora? Ou por que assim seria mais conveniente pra todo mundo,ou no caso,apenas por parte daquela bandida da Jessie,hein? - o ataquei.

- Ninguém por aqui havia tocado no nome dela até então,Tea - Chanyeol me repreendeu - E por que do nada a colocou no meio da nossa conversa,ham?

- Do nada,Chanyeol? - logo fiquei  furiosa com ele e comecei a falar berrando - Do nada foi o modo como essa mulher entrou nas nossas vidas. Do nada foi a maneira como aquela cobra fez a minha cabeça e eu a deixei morar dentro da nossa casa. Do nada foi o jeito que eu perdi o meu Theo por conta dela. Do nada foi a razão como deixou de acreditar em mim, pra acreditar nela, e parou de dar ouvidos para as coisas que comecei a lhe dizer assim que acordei daquele acidente . E do nada vai ser o jeito que eu vou te deixar e  vou embora da sua vida,se ainda deixar que aquela mulher more na nossa casa. Porque se continuar a mimando na minha frente quando eu sair daqui e querer me deixar de lado pra escolher ficar com ela,porque eu não vou mais poder te dar filho nenhum depois do nosso Theo.Saíba que nesse dia,eu saberei que você nunca me amou de verdade. 

- Para com isso! - ele brigou comigo - Quem te falou ou sequer mencionou qualquer coisa deste tipo por aqui,hein? - ele me fitou com seu olhar crítico  - Eu sei que você nunca poderá me dar outro filho depois do Theo,mas eu saberei lidar com isso. E não vai ser por isso que eu vou te trocar pra ficar com ela,e só porque ela ainda carrega um filho meu em seu ventre. Quantas vezes eu terei que te dizer isso,hein?

- Então por que não me ouve pelo menos uma vez na vida   - discute com ele - e  vê se desta vez consegue me deixar te contar o que houve no dia do meu acidente até o fim,pelo amor de Deus?  - fiquei aflita  - Porque assim você iria saber que a culpada de tudo isso sempre foi ela e nunca as circunstâncias do destino,Chanyeol. 

- De novo com essa história,Tea? - ele se levantou da cama,me deu as costas e seguiu até a janela daquele quarto de hospital e agindo como se eu estivesse falando demais  - Pensei que já havia superado essa parte? Mas vejo que isso nunca vai acabar. E acho  que devo fazer o que o Dr me aconselhou,desde o seu primeiro surto de loucura,e quando viu a Jessie após saber que nunca mais poderia engravidar outra vez. 

- Pra você é mais fácil assimilar á verdade dos fatos achando que eu enlouqueci do nada e que estou mordida de ciúmes pelo barrigão de 5 meses dela,não é? - o julguei  - Do que por um segundo querer desconfiar das intenções dela e acreditar em mim,não é? - peguei pesado com ele - Porque se eu estivesse certa,você teria que tirá-la de lá da nossa casa,e isso poderia levá-la a perder o bebê que ela espera  - supôs  - ...e como sabe que ficando comigo você nunca terá alguém pra te chamar de pai ,se for o culpado pelo aborto dela...então seria mais viável mantê-la debaixo do nosso teto e lhe dando o filho que você sempre quis ter,mas sabendo que ele é dela e não meu...do que não ter filho nenhum comigo,não é mesmo? - toquei na ferida aberta dele - Que prefere manter uma viseira diante dos seus olhos pra poder  encobrir os erros dela dentro daquela  casa de agora em diante. Porque sabe que é isso ou nada. Pois se ela perdesse esse bebê,você nunca poderia ter outro no lugar desse e pra preencher o vazio que ele deixaria em sua vida...já que vai se casar com uma mulher oca...não é? - agora eu,definitivamente,passei dos limites - E quem sabe mais tarde...ela passe a morar definitivamente na nossa casa,e quando eu me acostumar com essa ideia...até deixe que vocês tenham um outro filho...pra aumentar a prole.O que acha disso?

- Volto quando você estiver mais calma - ela falou assim que seguiu até a porta com os olhos fomegando de raiva e pensava em sair dali e me deixar ali falando sozinha - Porque não dá pra falar nada com você neste estado. E eu já cansei de brigar com você nesses últimos dias por conta disso. Me dê um tempo,Tea! Isso tudo também mexeu comigo. E eu sei que não está sendo nada fácil pra você ,saber no auge dos seus 20 anos de vida,que nunca mais  poderá ser mãe ou sequer gerar um filho dentro de si. Mas pelo menos uma vez na vida,você  já se perguntou como eu fiquei quando soube disso,ham? - ele me criticou  - Se te interessa saber disso - ele me contou isso enquanto estava parado perto da porta e sem saber se ficava ali ou se saía dali -  saíba que  eu fiquei sem chão  - ele me deixou á par do que acontecia dentro dele - e sem rumo...quando soube que havia perdido o nosso Theo...e fiquei ainda mais abalado, quando soube que a mulher que amo, nunca mais poderia me dar outro  filho com a cara dela - ele ficou emotivo - Mas que culpa eu tenho meu Deus do céu? - ele se questionava  - Pelo fato de que já existe outra mulher grávida de mim e diante de uma situação como essa...eu escolha mantê-la por perto por algum motivo ou apenas por conta deste filho e mais nada. Pois a mulher que amo e que sempre irei amar...sempre será você...mesmo que não possa mais ter filhos comigo. Tudo o que eu gostaria de fazer  neste exato momento, era de poder apagar esta dor que está dentro de você agora e quem sabe com isso conseguir  te fazer esquecer do que houve por hora. Porque mesmo que nenhum de nós dois nunca  consiga se esquecer disso totalmente. Não acha que a gente deveria pelo menos fazer de conta que nada aconteceu pra seguir em frente,Tea? - ele me sugeriu - Porque se você continuar paranoica desse jeito e fazendo suposições infindáveis  contra a Jessie o tempo todo. Acredito que vivermos os três dentro daquela casa de agora em diante...será algo complicado pra suportar ou lidar....isso se você  quiser mesmo voltar pra casa amanhã. Porque agora quem quer que ela fique por lá sou eu e não você. E não importa o que você me diga,e nem se isso for verdade ou não. Mas nada e muito menos ninguém  - ele me fez parar na metade do caminho e sua declaração me impediu de chegar até ele naquela hora, e me fez repensar nas coisas que iria lhe dizer logo em seguida  - vão me fazer mudar de ideia agora,e muito menos você - isso me deixou sem reação -  Você estava certa - ele concordou comigo  - Eu realmente tenho medo de que ela possa perder aquele bebê por minha causa - isso me fez recuar pra trás  - Eu já  havia me acostumado com o fato  de que seria pai. E por conta disso havia criado um monte de coisas fantasiosas dentro da minha mente e pra fazer com o nosso filho assim que ele nascesse. Mas o fato de você  ter o perdido  mexeu muito comigo e me deixou imensamente sensibilizado ao extremo. Que quando eu vi e percebi que Jessie estava grávida de mim...pela primeira vez na vida...isso me pareceu ser algo bom por aqui...e me fez vê-la com outros olhos. Pois á meu ver ela seria a salvadora dessas fantasias e  quem agora poderia  torná-las possíveis pra mim. Que eu resolvi ser o pai que aquela criança nunca teria...se o Theo ainda estivesse vivo. Então tudo o que eu puder fazer e que estiver ao meu alcance  pra poder segurar aquele bebê dentro do ventre dela até os nove meses de gestação  e pra vê-la bem e saudável,eu o farei,e sem medir esforços algum de agora em diante. E se eu achar por algum momento,que você pode ser uma ameaça pra vida desta criança,e por algum motivo que nós dois já sabemos qual é   - isso me derrubou  - Quem deixaria ela bem longe de você...serei eu. Esteja certa disso,Tea. 

- Ela já conseguiu fazer uma lavagem cerebral  na sua cabeça   pra você  ficar contra mim. E ela fez isso  enquanto eu estive fora de combate,eu suponho   - deduzi  -  E  pelo jeito também já conseguiu  te envenenar o suficiente  pra ir contra tudo o que eu te disser de agora em diante sobre ela,não é? - fui irônica - Agora só falta você me mandar de volta pra Holanda,pra poder fazer todos os gostos dela...que logo logo ela o terá todinho de novo em seus braços e sem ter que dividí-lo comigo o tempo todo. Aquela bandida não presta mesmo! - fiquei nervosa  -   Que vontade de matá-la! - disparei - Que ódio dela! - me abaixei até o chão aos prantos e me senti impotente diante das maldades dela - Que merda! Por que ela tinha que estar grávida?  - fiquei me questionando -  Isso a deixa com vantagens por aqui. Por que ninguém acredita em mim? Por quê? - do nada comecei a bater em mim mesma.

- Para com isso! - me suplicou  Chanyeol,assim que se abaixou na minha frente e tentou me acalmar  - Olha mim! - ele me pedia estando mais tenso do que eu naquele momento - Eu ainda estou aqui - ele ergueu meu rosto o levando de encontro ao seu e me fez encará-lo cara a cara naquela hora  - e estou do seu lado. Ok?

- Mais até quando? - o questionei. 

- Até quando você quiser - ele me disse isso  enquanto trazia o meu corpo pra junto do seu corpo e me envolvia em seus braços, me fazendo me sentir mais segura em volta deles - e até quando você me permitir que eu  faça  isso por você  - ele foi aproximando seu rosto pra perto do meu e enquanto me olhava fixamente sem piscar  - Porque o dia em que você me pedir pra te deixar ir embora e me disser que  não quer mais ficar comigo...eu te deixarei livre pra fazer o que quiser fazer...incluve pra me deixar pra trás. Mas hoje eu ainda não estou  preparado pra fazer isso e nem pra aceitar que também  vou  te perder  - ele deixou isso bem claro - Eu já perdi coisas demais nesta vida,Tea. E tudo o que eu menos gostaria de perder agora...é você. 

- Me desculpa! - tentei me redimir com ele - Eu acho que falei demais agora - toquei seu rosto com a ponta de meus dedos e nessa hora  percebi que ele estava chorando  - e penso que te magoei em todas elas - chorei junto com ele - Mas eu ainda te amo! E não me vejo abrindo mão de você ou sequer da gente - tentei engolir aquele choro entre um soluço e outro  - e sem nem ao menos ter lutado por você ou pra manter o nosso amor vivo e de pé. Então hoje eu fico. E escolho que devemos  voltar pra casa todos juntos e ver no que isso vai dar daqui pra frente. Mas se em algum momento eu entender ou perceber,que prefere ela e não a mim,juro que saio da sua vida...do mesmo jeito que entrei...e depois disso você nunca mais saberá nada sobre mim. Ok?

- Eu também te amo,Tea! - ele se declarou pra mim - E farei de tudo  pra que fique por aqui comigo - ele foi bem categórico  - Mas a partir do momento que eu achar que estando longe  de mim,você ficará melhor e será mais feliz,esse dia,eu abrirei mão de você e deixarei a nossa história de amor  morrer.  Ok?

- Me beije! Por favor! - implorei por isso, e como eu nunca havia feito até então - Me beije como esse fosse o nosso último beijo ou como se essa fosse a última vez que fosse me beijar! - fui insistente - Me beije logo!  E me beije antes que eu resolva mudar de ideia e decida deixar você!

Ele me olhou de um jeito diferente desta vez. E mesmo que eu desejasse que ele me beijasse com tanta urgência assim,ele não teve pressa alguma pra realizar o meu pedido, e foi se aproximando de mim e do meu rosto,de forma lenta e gradual. 

Primeiro :  ele levou uma de suas mãos ao meu rosto, e carinhosamente afastou uma mecha de cabelo que caía sobre a minha face ,e  a acomodando delicadamente atrás da minha orelha,me fez olhá-lo com cara de sedenta por um beijo seu,e isso aumentou ainda mais o meu desejo pra aquele beijo acontecesse logo.

Segundo : ele ergueu meu queixo na altura dos seus lábios com essa mesma mão  e fez isso sem parar de me olhar,e isso me deixou presa em seu olhar por uma fração de segundos.

Terceiro :  ele deslizou seu dedo polegar desta mesma mão por toda a extensão dos meus lábios,enquanto me puxava pra perto do seu corpo  com a outra mão, e me deixava presa em volta de seus domínios.

- Me beija logo! - ordenei pra ele,quando ele seguiu para o quarto passo, e parou seus lábios á  um centímetro de distância dos meus e ficou me olhando intensamente quando fez isso,e por um bom tempo não os moveu na direção que deveria movê-los  - O que está esperando pra fazer isso,ham? - o interroguei,mas logo em seguida ele me pegou desprevenida e me atacou.

- Estava esperando você se calar - ele me disse isso  quando largou meus lábios por um segundo,mas os manteve colados ao meu - Você fala demais ,as vezes,sabia disso?

- É porque você é lento demais algumas horas  - me expliquei. 

Tea off




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...