História All That Matters - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Abo, Fluffy, Hibridos, Jikook, Jimin, Jimin Híbrido, Jimin Ômega, Jungkook, Jungkook Alfa, Kookmin, Mpreg, Romance, Yaoi
Visualizações 1.108
Palavras 3.159
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii, meus amores ♥

Eu sei, eu demorei muito, mas para compensar em fiz 3k de palavras e espero que tenha ficado bom kkkk
Não revisei, porque acabei de finalizar o capítulo e vim correndo postá-lo.

Espero que vocês gostem ♥

Capítulo 13 - Pedido


Terceiro mês...

Ah, Jungkook estava atordoado, no mínimo. Seu olhar demonstrava o quão cansado ele estava, o quão acabado melhor dizendo. Era recém o terceiro mês da gravidez de Jimin, e Jungkook estava tão para baixo, tão desesperado, que dava pena. Mas, a culpa não era de Jimin, ou do Jeon. Nem o universo poderia ser culpado naquela altura do campeonato.

– Ei, meu amor, se acalma. – Pediu o Jeon, mais uma vez, enquanto Jimin chorava sem parar em seus braços naquela madrugada fria.

Preocupado era pouco perto da forma que Jungkook estava, afinal havia sido acordado com os gritos de Jimin, este que até um tempo atrás dormia tranquilamente com a cabeça escorada em seu peito e as cobertas quentinhas os cobrindo. Para o moreno já era uma rotina deliciosa ter as orelhinhas de seu gatinho roçando em seu pescoço todas as noites.

Mas agora essas orelhinhas estavam para baixo e tremiam um pouco, assim como Jimin por inteiro. Seu rabinho estava preso ao braço do moreno, enquanto Jungkook abraçava o corpinho menor que o seu com toda força que conseguia – sem machucá-lo claro.

– K-Kookie... f-foi horrível. – Chorou ainda mais, seu corpo se fundiria com o de Jungkook se fosse possível.

E o moreno se preocupou ainda mais, porque não tinha nem ideia do que poderia ter acontecido para deixar seu gatinho daquele jeito, todo trêmulo, chorando, e claramente sofrendo.

Jungkook sentou na cama, deixando a cabeça de Jimin escorada em seu ombro, e então pegou impulso e levantou da cama, calçando seus chinelos e andando na direção da porta. Saiu do quarto com o menor em seus braços e desceu as escadas, indo até a cozinha.

Talvez um chá pudesse fazê-lo se acalmar, certo?

Pegou o que precisava e colocou a água a ferver, acariciando as orelhinhas de Jimin enquanto esperava, sussurrando no ouvido do menor palavras carinhosas, tentando acalmá-lo ao menos um pouco. A mudança de humor de Jimin já nem deixava mais Jungkook tão aflito, ele até aprendeu a lidar com aquilo, o que verdadeiramente lhe preocupava era cada crise de choro – muitas vezes sem motivo – que Jimin tinha.

Ah, que aquilo deixava Jungkook com o coração na mão!

– Posso te soltar por um minutinho? – Jungkook perguntou baixo, fazendo menção de largar Jimin sobre o balcão, e a resposta de Jimin foi um aperto maior ainda em seus ombros e suas garrinhas quase se afundando na pele do Jeon. – Tudo bem, já percebi que não.

Jungkook pegou uma caneca e despejou na mesma o chá para Jimin. Quem precisava de academia para se exercitar quando tinha um ômega híbrido de gato em casa para carregar a todo instante? Pff, academia era para os fracos!

O moreno apenas segurou Jimin melhor, pegou a caneca com o chá, e se encaminhou para a sala, onde sentou-se no sofá com seu namorado sentado sobre suas pernas.

– Aqui, amor, tome. – Entregou o recipiente com chá para o híbrido.

Seria engraçado se não fosse preocupante, porque Jimin soltou apenas metade do seu corpo de Jungkook, ainda ficando agarrado a ele de alguma forma. Jungkook permanecia o acariciando, o dando todo o carinho que ele merecia, que ele precisava, e que o Jeon tinha para o dar.

– K-Kookie... – Choramingou o híbrido após um tempo, entregando para Jungkook a caneca já vazia, a qual o moreno colocou na mesinha em frente ao sofá. – M-Me perdoa.

– Por que está pedindo perdão? – Jungkook aproveitou a breve calma do menor para secar seu rosto e encher o mesmo de beijos.

– Porque eu deixei você preocupado à toa.

– Se fosse à toa você não teria chorado desse jeito. – Rebateu o Jeon, carinhosamente acariciando as orelhinhas do híbrido. – Teve pesadelos? É isso?

Jimin assentiu de forma vagarosa e sentida, quase voltando a chorar.

– N-no pesadelo, eu perdia nosso bebê, e você me machucava e dizia que eu era um inútil que nem segurar um bebê conseguia, dizendo que eu não prestava para nada e que eu deveria morrer. E então você me abandonou, sozinho, com dor, porque você não se preocupava comigo. – Voltou a chorar sem ao menos perceber, se grudando ainda mais em Jungkook. – E eu sei que você não faria isso, mas dói muito.

Jungkook voltou a abraçá-lo com força, sentia muita tristeza vinda de seu namorado, e não queria vê-lo passar por aquilo. Não sozinho! Jungkook estava ali porque o amava, porque o queria ao seu lado para sempre. Ele era o seu ômega, seu pequeno, seu gatinho, seu tudo.

– Eu jamais machucaria você. – Afirmou o que ambos já tinham total certeza, e segurou o rosto do menor com suas duas mãos. – Eu amo você, meu gatinho, amo tanto que não cabe no meu peito. Eu vou estar ao seu lado não importa o que aconteça, eu vou cuidar de você, e nada de mau vai acontecer novamente à você, entendeu?

– E se eu perder o bebê?

– Não vou deixar de te amar. Nós sabemos que os primeiros meses de uma gravidez são complicados e arriscados. E eu vou apenas tomar conta de você e tudo ficará bem! – O ofereceu um sorriso, não tão grande, afinal estava bem cansado, mas que já era o suficiente para alegrar o coração de Jimin. – Já disse, estou com você.

– Eu te amo muito, Kookie.

– Eu também te amo muito, bebê.

 

Quarto mês...

Jimin estava preocupado. Não consigo ou com sua saúde, mas com Jungkook. O alfa estava estranho ao seu ponto de vista, ele parecia distante, parecia distraído e estava a todo instante no telefone. Ah, o lado inseguro de Jimin estava praticamente berrando dentro de si, achando que o moreno talvez estivesse tendo algo com outra pessoa.

Claro, ele sentiria por conta da marca até mesmo se Jungkook beijasse outro alguém, mas seu coração não ficava mais calmo apenas por não ter sentido nada.

Quando Jungkook chegou naquela tarde, Jimin se grudou nele e sentiu um forte perfume no moreno. Não era cheiro de outro ômega e sim de alfa, o que deixou Jimin ainda mais cheio de pensamentos.

– Yoongi te mandou um presente. Quer dizer, é para o nosso bebê. – Jungkook sorriu largamente e deu um selinho em Jimin, lhe entregando o pacote em seguida.

Um selinho... Jungkook sempre o beijava até lhe deixar ofegante quando chegava em casa, mas nos últimos dias ele apenas o dava selinhos, e era um ao chegar e um antes de dormir. Jimin miou sem perceber e largou o pacote sobre o sofá com raiva, logo andando com passos pesados na direção das escadas antes de bater com força a porta do quarto.

Jungkook estava distante, e aquilo estraçalhava seu coração de formas inimagináveis. Já estava sensível, mas quando coisas como essa aconteciam ele ficava ainda pior, e ainda mais inseguro – se fosse possível.

– Ei, amor, o que houve? – Ouviu a voz de Jungkook, mas não se preocupou em levantar ou demonstrar interesse em sua chegada. Queria distância, porque estava com raiva. – Você só mia desse jeito quando se irrita. Eu fiz alguma coisa?

Jimin não se mexeu na cama, preocupando o moreno. Jungkook se aproximou mais, vendo o menor todo encolhido e agarrado em um travesseiro. Sua barriguinha já um pouco visível apenas o deixava ainda mais fofo aos olhos do Jeon, e o moreno não evitou de sorrir ao que mais uma vez percebera isso.

– O que houve, meu gatinho? – Apenas a forma de chamar o menor já derretia o mesmo, mas ele queria fingir que não e que nem mesmo estava ouvindo o maior. – Sei que está me ouvindo, amor. Me diga, sim? O que eu fiz para você estar desse jeito? Você nem mesmo abriu o presente do Yoon.

– Me deixa sozinho. – O menor grunhiu baixinho, se encolhendo ainda mais.

Ele estava com frio e queria os braços de Jungkook em sua volta para lhe aquecer, mas não iria admitir. Não que precisasse, ao que o Jeon percebeu e o envolveu com seus braços compridos e o trouxe para perto de si. Era óbvio que o moreno não o deixaria sozinho, não sem pelo menos saber o que estava acontecendo. Precisava saber o que tinha de errado com o seu namorado.

Jungkook apenas tentou aquecer Jimin sem mais nada dizer, acariciava de vez em quando os fios acinzentados e também sua orelhinha. O completo silêncio não era confortável como sempre, porque havia um clima tenso e pesado em volta deles, mas Jungkook se esforçaria ao máximo para entender e mudar aquilo o mais rápido possível.

– Eu quero ficar sozinho. – Jimin sussurrou, seu corpo quente, mas por dentro ainda sentia muito frio por conta da situação.

A verdade é que ele realmente não queria ficar sozinho, queria ficar para sempre agarrado em Jungkook, mas ele ainda estava confuso e inseguro e não queria discutir, não queria criar mais uma briga sem motivo apenas por sua autoestima ser baixa a ponto de enlouquecê-lo.

– Por favor. – Complementou quando percebeu que Jungkook negaria.

Jungkook assentiu mesmo com seu coração cheio de dor e tristeza, levantou-se da cama e saiu do quarto depois de depositar um beijo na testa do híbrido. Amava tanto aquele ser que era até difícil se afastar, mesmo que fosse a pedido dele.

Mas é claro que ele não queria ter saído, Jungkook apenas resolveu que respeitaria a vontade do seu pequeno, e que mais tarde tentaria conversar com ele novamente. Só esperava que ficasse tudo bem.

~#~

– Você não gosta mais de mim? – Jungkook chegou a se assustar quando ouviu a voz de Jimin.

Desde o dia anterior os dois estavam sem trocar uma sequer palavra, Jimin apenas o ignorava e se trancava no quarto, aumentando a preocupação do Jeon sobre o que poderia estar acontecendo com o menor.

Nesse momento Jungkook estava preparando o jantar, ainda não tinha trocado de roupa já que havia chegado há pouco do trabalho, havia feito hora extra. Precisava juntar dinheiro, fazer hora extra era quase uma obrigação para si, ao menos pensava ser e por isso se esforçava ao máximo.

Mexeu as panelas mais uma vez e as cobriu, deixando que a comida cozinhasse sozinha até ficar pronta. Girou em seus calcanhares e se escorou no balcão, observando a feição chorosa do híbrido de fios cor cinza em sua frente.

– O quê? – Jungkook tinha escutado, mesmo que a voz de Jimin tivesse saído baixa. Ele apenas se sentiu confuso, perguntando-se o motivo de Jimin estar o perguntando tal coisa. – Eu amo você. E eu estou preocupado, porque você não está bem e não quer me dizer o motivo.

Jimin não respondeu, apenas cruzou os braços e fez um bico que em outros momentos seria adorável, mas que naquele instante foi o bastante para Jungkook perceber que ele estava apenas tentando conter a vontade de chorar. E foi por isso que o Jeon resolveu se aproximar, ficando bem em frente ao corpo menor que o seu e o abraçando pela cintura.

– Vamos, bebê. Me conte! – Pediu ainda calmo. Tinha tanta, mas tanta paciência, que jamais se perdoaria caso a perdesse. – Estou mesmo preocupado.

– Você gosta de outra pessoa? – O olhar do menor encontrou o de Jungkook, que arqueou a sobrancelha. – Você... está saindo com outra pessoa? Você está distante de mim, sempre no telefone, vive chegando com o cheiro do Yoongi em casa, chega mais tarde que o normal e nem mesmo me beija, apenas selinhos.

Jungkook soltou um suspiro. É, dava motivos o bastante para que Jimin desconfiasse de si, mesmo que jamais fosse capaz de traí-lo ou sequer olhar para outro que não fosse ele. E não tinha culpa se suas horas extras de trabalho eram no mesmo setor de Yoongi e o outro alfa estava para entrar no cio. O cheiro de Yoongi ficava em qualquer um que se aproximava nos últimos dias, e o alfa inclusive já tinha avisado Jungkook que iria ficar pelos próximos dias em casa justamente por conta disso.

– Embora pareça, não estou traindo você. – Sussurrou, deslizando seu nariz pela bochecha do menor, deixando um beijo ali em seguida. – Sei que tenho estado mais distante que o normal, mas é apenas cansaço, bebê.

– E por que chega tarde? Eu não estou te controlando, eu só... – Jungkook entendia, Jimin apenas se sentia nervoso, aflito e preocupado.

– Porque estou fazendo hora extra no trabalho... estou juntando dinheiro. – Ele não queria falar, era para ser uma surpresa.

Por isso estava sempre no telefone: porque estava armando uma surpresa para Jimin.

– Eu sabia que só iria te causar problemas, aí eu engravidei e por culpa minha você está trabalhando mais. – Jungkook apenas sorriu, abraçando melhor Jimin.

– Se você engravidou a culpa é minha. – Deu uma risada, querendo tirar o clima ruim dali. – E não é por causa do nosso bebê que estou juntando dinheiro.

Na verdade, o dinheiro que tinha guardado na sua poupança seria direcionado ao quartinho do bebê deles, este que começaria a ser arrumado na próxima semana já. Jungkook tinha desenhado o quarto inteiro, junto de Jimin – esse que havia opinado em tudo junto ao alfa. Seria o quartinho dos sonhos daquele casal, o filho de ambos provavelmente gostaria quando chegasse ao momento de começar a falar. E caso não gostasse, aqueles pais babões apenas arrumariam como o filho preferisse.

Jimin o olhou incrédulo, parecia ainda estar suspeitando de algo e mais aflito.

Jungkook jogou tudo para o alto, porque caso não o fizesse Jimin ainda ficaria se sentindo para baixo daquela forma e isso era a última coisa que o moreno queria. Por isso ele andou até o fogão, viu como estava a comida e desligou por ver que já estava pronta, então pegou de seu bolso a caixinha que carregava consigo para lá e para cá e voltou até Jimin, ajoelhando-se em sua frente.

– Eu estava te preparando uma surpresa, e devido ao meu nervosismo eu passei a te evitar. Poderia continuar com isso, afinal eu levaria você para um lugar na semana que vem e faria essa surpresa, mas vou esquecer disso e falar de uma vez, porque não aguento ver você triste desse jeitinho. – Jungkook falou tudo de uma vez, segurando as mãos de Jimin com as suas. – Eu te amo muito, meu gatinho, esse tempo todo ao seu lado tem me mostrado muita coisa e me ensinando muito mais do que eu poderia imaginar ou esperar. Eu aprendi a amar de uma forma que eu ainda não conhecia o amor, e eu aprendi a priorizar alguém além de mim, aprendi a proteger, a cuidar, a ser de alguém.

“Nesses últimos dias eu estive falando com Taehyung e Jin pelo celular porque eles estavam me ajudando, e o cheiro de Yoongi é porque ele está quase no cio e minhas horas extras no trabalho são ao lado dele. Eu jamais cogitaria a ideia de te trocar, porque eu sou seu alfa e quero sempre ser, assim como quero que você seja para sempre o meu gatinho. O dinheiro que eu estou juntando não é para o nosso bebê e sim para você e eu... para a nossa lua de mel. O quarto do nosso bebê vai começar a ser feito na próxima semana já, e ele ficará exatamente como eu desenhei, como eu e você escolhemos e projetamos.”

Jimin sentiu seu coração acelerar sem igual. Jungkook era único, e ele era simplesmente perfeito. Jimin o amava com muita força, o amava com todo o seu ser. Não se imaginava jamais sem aquele alfa, apenas... não tinha nem palavras que fossem o suficiente para definir todos os sentimentos que nutria por aquele homem. Se sentia incapaz de colocar tudo o que sentia em meras palavras.

Atitudes valiam muito mais, sempre valiam.

E ver Jungkook ajoelhado em sua frente, declarando tudo aquilo, foi demais para seu coraçãozinho aguentar, e começou a chorar por conta de sua sensibilidade e também por todo o amor que sentia. Se sentiu mal por ter estragado a surpresa do moreno, por ter desconfiado dele, por ter feito uma cena desnecessária, mas não estragaria esse momento atual por causa disso. Pediria desculpas depois, de alguma outra forma, e mostraria que se arrependia de ser tão precipitado.

Se arrependia mesmo, por mais que fosse algo incontrolável, por mais que não fosse de propósito. E se arrependia ainda mais por saber que quase criou uma verdadeira briga sem motivo algum, por saber que praticamente acusou Jungkook de traição sem ter um motivo verdadeiramente bom para declarar tal coisa.

Se sentiu péssimo por desconfiar daquele que o amava, que lhe acalmava, lhe dava carinho, que lhe cuidava. Nossa, chegou a se odiar por ter feito aquilo.

Mas foi só ver Jungkook abrindo aquela caixinha, que esqueceu de todo o resto. Porque ali tinha duas alianças de ouro, uma menor com algumas pedrinhas – que não reconheceu quais eram – por cima, e uma maior que tinha um filete de ouro branco.

O Jeon segurou sua mão mais uma vez, lhe encarando com aquele sorriso capaz de transformar pernas em gelatina, e em seguida voltou a falar de forma calma:

– Pode parecer precipitado e talvez para muitas pessoas realmente seja, mas para mim já é o momento certo. Afinal, eu te marquei sem nem conhecer você, e eu te amei sem nem perceber que estava o fazendo. Você me encantou de formas indescritíveis, você virou meu mundinho sem graça de ponta cabeça e o tornou colorido, me deu motivos para sorrir, para ser feliz, para querer viver. Me deu motivos para sonhar de novo. Você é tudo que importa para mim, meu amor. Tudo mesmo. Eu te amo tanto, que não sei descrever, eu só fico aqui repetindo todo o meu amor porque não sei... não consigo definir o que sinto de outra forma. – Jungkook riu fracamente, um pouco nervoso também.

No fundo ele sabia a resposta de Jimin e sabia que não havia motivo algum para temer, para sofrer em antecedência com medo de levar um grande fora. Mas isso não o deixava menos aterrorizado e preocupado, não o deixava menos aflito ou nervoso. Na verdade, faltava pouco para ele realmente começar a tremer.

– E foi por isso que simplesmente entrei naquela joalheria e pedi pelas alianças mais bonitas, e então escolhi a que mais combinava com sua mão. – Declarou mesmo que com um pouco de timidez o cercando. – Tudo parece combinar com você, mas essa aqui parecia ter sido feita para estar na sua mão, da mesma forma que minha marca se encaixa perfeitamente no seu pescoço, da mesma forma que eu fui feito para estar ao seu lado.

– Aish, Jungkookie, por que você é tão maravilhoso? – Jimin soltou sem conseguir se conter, e valeu a pena após receber mais um daqueles lindos sorrisos.

– Porque você existe na minha vida.

– Ah, eu te amo tanto, alfinha. – No início chamar Jungkook de alfinha era por provocação, mas agora já era um apelido carinhoso que o Jeon simplesmente amava.

– Então, meu ômega, faça esse alfinha feliz. – Jungkook pediu, ajeitando sua postura e segurando com mais firmeza a mão alheia. – Você aceita se casar comigo?


Notas Finais


Jimin tá inseguro demais, mas com um alfa desses do lado tudo se resolve kkkkkk
Terminei na parte mais tensa, euheueh
Seria louco se o Jimin negasse... MUAHAHAHA

Perfil no wattpad: https://www.wattpad.com/user/Fabi_Park
Grupo no whatsapp: https://chat.whatsapp.com/BscsqwKTsWb7h3s6hw4wCU
Beijinhos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...