História All That Matters - Capítulo 1


Escrita por: e ParkEunwan

Postado
Categorias BtoB
Personagens Hyunsik, Ilhoon, Minhyuk, Sungjae
Tags Gysfic, Gysurso, Ilhoon, Iljae, Menção Minjae, Minjae, Sungjae
Visualizações 74
Palavras 2.384
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fluffy, Shonen-Ai, Slash
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Meu debut nesse projeto lindo e cheiroso :’’)
Espero que gostem, pois foi escrita com muito carinho.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Sábado, 11:45 am.

Uma limusine branca passava pelas ruas movimentadas de Seoul. Era um dia comum para as pessoas que ali passavam, mas um dos mais importantes para os rapazes no interior do veículo. Ilhoon e Sungjae estavam atrasados para a cerimônia matrimonial no Wedding Hall da família Yook.

Desde a noite anterior, Sungjae não conseguia controlar sua ansiedade, finalmente o dia de seu casamento havia chegado e, mesmo imensamente feliz, sentia que poderia desmaiar a qualquer momento. Ilhoon tentou acalmá-lo diversas vezes durante o trajeto, mas fora inútil.

Horas antes, havia trancando-se no toalete da casa de Hyunsik, um amigo da família, dizendo que ficaria lá até o casamento ser cancelado. Sempre fora exagerado e estava ainda mais dramático que o comum naquele dia; chorou por cerca de trinta minutos e ainda vomitou. Só não ligou para o noivo para terminar, pois havia esquecido o celular em casa.

— Como você consegue ficar calmo, hyung? Eu vou morrer.

A cena de Yook desesperado tentando abrir a janela da limusine e desistindo em seguida era um tanto cômica, provavelmente havia esquecido-se novamente de que os botões não ficavam na porta. Ilhoon o olhava encantado, não havia motivo para estar de outra forma. Sabia que apesar de ansioso, Sungjae estava feliz, e isso o alegrava imensamente. Jung ficaria preocupado apenas se ele demonstrasse ter alguma dúvida real em relação ao casamento, e qualquer um poderia ver o quanto amava aquele homem.

— Ainda dá tempo de fugir para as montanhas — como se fosse um segredo, Ilhoon sussurrou ao ouvido do mais novo, arrancando uma risada contida do mesmo.

Certa vez, por medo de fazer uma prova difícil, Sungjae o mandou uma mensagem de texto, alegando ter fugido para as montanhas do Himalaia. Ilhoon precisou ir à casa do garoto para saber o que realmente havia acontecido e, ao chegar lá, o encontrou escondido embaixo da cama. Após muito insistir, Jung conseguiu persuadi-lo a fazer a prova e sua nota fora uma das mais altas da turma. Não levou muito tempo para esse acontecimento transformar-se em uma piada interna.

— Eu te amo, Jae, só tenho motivos para ficar feliz.

Ilhoon não tinha o costume de ser carinhoso com palavras, demonstrava seus sentimentos por meio de atitudes; momentos como este eram raros na relação dos antigos colegas de faculdade. Yook sabia que seu hyung não era adepto às grandes demonstrações de afeto, aquela simples frase já era o suficiente para perceber o quanto ele estava emotivo. Sungjae não sabia como agir diante daquilo.

— Vai dar tudo certo, Jae.

Mesmo tendo relaxado um pouco, Sungjae ainda aparentava estar à beira de um colapso nervoso. Na tentativa de passar alguma segurança, Ilhoon entrelaçou seus dedos nos do mais jovem e o olhou com um sorriso brando, o suor em suas mãos não tendo a menor importância. A facilidade com a qual Sungjae demonstrava o que sentia era uma das coisas preferidas de Ilhoon. Queria poder fazer o mesmo, mas não tinha coragem.

Seguiram em silêncio pelo resto do caminho. Perdido em pensamentos, Sungjae observava os prédios através da janela fechada, enquanto Ilhoon olhava suas mãos juntas com um sorriso bobo. Sempre fora do tipo mais racional, mas às vezes gostava de agir de acordo com suas emoções.

Lembrava-se de quando se conheceram, na biblioteca da faculdade. Yook era apenas um calouro inseguro que precisava de maiores notas e Jung, como bom colega e rato de biblioteca, ofereceu-se para ajudá-lo. Suas notas melhoraram aos poucos, mas sua inquietação continuou a mesma.

Alguns minutos se passaram e finalmente a limusine chegou ao local do casamento. Ninguém notara, mas o olhar outrora orgulhoso de Ilhoon havia tornado-se cabisbaixo. O rapaz pensara que tudo ficaria bem quando o momento chegasse, mas sentia como se uma parte de si estivesse sendo levada junto de Sungjae. Nunca soube quando havia se apaixonado por aquele taurino exagerado, mas estava disposto a passar por cima de qualquer sentimento amoroso em favor da felicidade dele.

 

— O que você vai fazer?

A pergunta feita por Hyunsik repetia-se em seus pensamentos; não havia o que ser feito, não adiantaria declarar-se à essa altura do campeonato. Ilhoon passara os últimos dias pensando se estava sendo egoísta por ainda sentir ciúmes. Vê-lo feliz daquela forma o conformava, mas não era o suficiente para fazê-lo sentir-se totalmente confortável com a situação; ainda doía ver o homem que amava casando-se com outro.

Deixara os preparativos finais no salão onde a cerimônia seria feita, pois Sungjae estava trancado há vinte minutos no banheiro de Im, dizendo que não sairia de lá até seu casamento com Minhyuk ser cancelado. Jung sabia que era apenas drama de seu melhor amigo, os inúmeros momentos em que o maknae não parava de falar do noivo com os olhos brilhando não deixavam dúvidas.

— Eu não vou permitir que ele desista desse casamento.

 

Sungjae estava com as emoções à flor da pele. Dentro daquele salão estavam seus amigos, parentes e conhecidos; nervoso seria pouco para descrever seu estado. Desde o momento em que conhecera Minhyuk, soube que queria passar o resto da vida ao seu lado. Tinha medo de tudo acabar com a rotina do casamento. Certo que seria apenas uma cerimônia sem valor legal, mas isso não anulava o quanto aquele dia era importante para ele.

— Hey, eu não aceito que ele lhe faça menos do que feliz pra caralho, entendeu?

Ilhoon o olhava sério. Sungjae sentia que havia algo errado com ele, mas o conhecia bem o suficiente para saber que não receberia uma resposta para qualquer pergunta que fizesse, então apenas sorriu como uma forma de confirmar que havia entendido o recado.

Respirou fundo e saiu do automóvel, precisava enfrentar o medo de multidões. Lembrar-se que aquele lugar pertencia à sua família não estava o ajudando, e Minhyuk o esperava lá dentro. Olhou para Ilhoon, esperando alguma palavra de incentivo, o olhar distante do loiro estando um tanto perturbador.

— Você vai entrar logo nessa porra ou eu vou ter que te carregar?

Qualquer um que visse Ilhoon tentando parecer ameaçador naquela situação, saberia que a atitude dele era um disfarce e Sungjae não era diferente, porém o mais próximo amigo de Jung não poderia sequer imaginar o motivo para tal. Nem sempre notara algo de diferente na maneira de agir do amigo.

Em poucos segundos, a Sra. Yook surgiu afobada na lateral do wedding hall, fazendo várias perguntas e apressando o filho. Considerando o atraso dos dois e o quão exagerada aquela mulher era, isso em nada os surpreendia.

— Se eu não for feliz com ele, leve-me para as montanhas.

Sungjae disse com um sorriso descontraído no rosto antes de ser arrastado pela senhora de meia idade até longe de Jung. A entrada principal do salão era ampla e incrivelmente bonita. Duas portas grandes e opacas que não permitiam que o interior fosse visto e decoração simples, porém o mais luxuosa possível.

Perto de sua genitora, ele sentia-se protegido, poderia até esquecer-se das dezenas de convidados e entrar quase tranquilamente, mas achava demasiadamente estranho fazê-lo como se fosse a noiva. Além disso, a mulher recusara-se a entrar com o filho, queria que ele o fizesse com seu noivo.

Sungjae estava tão distraído com sua mãe falando sem parar, que sequer notara que Ilhoon não estava mais onde o deixara. Pouco tempo depois, avistou Minhyuk vindo apressado em sua direção; ele parecia quase tão ansioso quanto Sungjae, porém mais controlado.

— Huta!

Não esperava que Minhyuk chegasse tão rápido. Por conta dos preparativos, não o via desde a noite passada; já estava com saudades do mais velho. Emotiva, sua mãe os deu algumas dicas finais e despediu-se, voltando rapidamente pelo mesmo lugar que viera antes.

A emoção que sentia era indescritível, poderia passar horas tentando descrevê-la, mas nunca lhe pareceria o suficiente. Yook era muito agradecido por sua entrada ter sido modificada, seu nervosismo resultara em diversos problemas no ensaio. Sentia-se mais confiante em entrar com o futuro esposo no local.

— Pronto?

Por insegurança, Sungjae queria dizer que não, apenas para ter mais tempo de acalmar-se, mas sabia que isso não aconteceria. Seu sorriso emocionado, silenciosamente, serviu de resposta para a pergunta de Lee.

As grandes portas se abriram, o momento havia chegado.

 

— Vocês são muito próximos, eu tenho notado o jeito que você o olha. Não tenho a intenção de atrapalhar o relacionamento de vocês, de forma alguma — a princípio, Ilhoon não entendeu o que Minhyuk quis dizer, porque para ele, aquilo não fazia o menor sentido. Tanto ele quanto Sungjae, nunca mostraram interesse um pelo outro, esta possibilidade sequer existia.

— Somos apenas amigos — Ilhoon não importava-se com o que estava afirmando. Se não eram mais do que isso, por que dizer o contrário?

— Então, eu posso chamá-lo 'pra sair?

Não sabia o motivo, mas a ideia de Minhyuk aproximar-se desta forma de Sungjae, o incomodava, entretanto Jung pensava que não fosse acontecer algo realmente sério entre os dois, portanto não via algo com o que se preocupar. Queria entender o porquê de não gostar do rumo em que a amizade daqueles dois estava tomando, mas preferia ignorar. O desconforto que sentia deveria ser apenas ciúmes de amigo, certo?

— Sim, claro.

 

Ilhoon queria não estar abalado com a situação, detestava a si mesmo por continuar sofrendo, mesmo querendo a felicidade de Yook. Pensava de onde tiraria forças para sorrir diante de tantas pessoas. Estava realmente feliz pelo amigo. A forma que o mesmo falava do noivo era comovente, mas seu coração doía de qualquer forma. Não queria se arrepender por ter deixado Minhyuk aproximar-se de Sungjae.

Se naquela ocasião, Ilhoon soubesse o que estava por vir, teria tido outra atitude? Por um tempo, quis voltar no tempo e impedir Yook de encontrar Minhyuk, mas percebeu que seria inútil e egoísta de sua parte; estaria apenas retardando algo inevitável. Muito tempo antes daquilo, Sungjae já gostava de Lee.

— Hey, eu não aceito que ele lhe faça menos do que feliz pra caralho, entendeu?

Por trás da forma séria que Ilhoon falava, havia muita incerteza; não sentia-se bom o bastante para trazer aquela paixão ao olhar do mais novo, mas estava cético quanto a deixar este papel para o futuro esposo do mesmo. Ilhoon só queria que seu melhor amigo recebesse tanto amor quanto dava e merecia, nem um pouco a menos. Jung sabia que Minhyuk amava Sungjae, mas tinha medo de não ser o suficiente.

Seu coração acalmava-se sempre que Sungjae sorria, mas dessa vez, pôde notar um quê de preocupação ou desconfiança. Apesar de ter entendido o que o mais velho quis dizer, Yook parecia ter percebido algo de incomum em seu comportamento, e isso era justamente o que Ilhoon tentava evitar que acontecesse.

Forçando-se a não pensar em acontecimentos passados, Jung assistiu-o levantar-se e sair do automóvel, fazendo o mesmo em seguida; esperava ser capaz de esquecer seus sentimentos durante a cerimônia, caso contrário, todo o conceito de "Sua felicidade é tudo o que importa para mim" — que Ilhoon levara vários meses para conseguir entender — deixaria de ter sentido. Foi enquanto Jung tentava espantar os pensamentos que tanto evitara durante os preparativos, distraído, que Sungjae virou em sua direção, inseguro como sempre.

— Você vai entrar logo nessa porra ou eu vou ter que te carregar?

A grosseria do loiro também era uma máscara, típica de quando não queria que descobrissem alguma fraqueza sua, mas a indecisão de Sungjae já estava começando a tirá-lo do sério. Certo que Yook queria ouvir um discurso encorajador de seu amigo, mas estamos falando de Jung Ilhoon, palavras doces nunca foram bem o seu forte.

Poucos segundos depois, a Sra. Yook surgiu afobada na lateral do wedding hall, fazendo várias perguntas e apressando o filho; o exagero era mesmo uma característica marcante daquela família.

— Se eu não for feliz com ele, leve-me para as montanhas.

Sorrindo divertido, Sungjae disse antes de ser arrastado pela senhora de meia idade até a entrada principal do salão. Aquela adorável mulher era uma das poucas pessoas que sabiam de seus sentimentos por Sungjae, não por Ilhoon tê-la contado, mas por instinto materno. E tinha muita consideração pela atitude do rapaz de sacrificar-se em favor seu filho.

Antes da entrada dos noivos, Ilhoon precisava chegar rápido até seu lugar. Sabendo da possibilidade de Sungjae desmaiar na entrada — como acontecera em um dos ensaios —, decidiram que os dois, Minhyuk e Sungjae, entrariam juntos, o mesmo por não existir uma noiva.

O lugar assemelhava-se à uma igreja em seu interior, escolha da Sra. Yook; havia uma porta lateral que Ilhoon poderia usar para entrar sem chamar atenção, lá Minhyuk esperava ansioso pelo retorno da sogra que tinha ido apenas checar se o filho havia mesmo chegado.

— Ele veio?

Ao ver Ilhoon de longe, Minhyuk se aproximou nervoso. Tinha medo de seu noivo desistir de última hora; era óbvio que Yook não o faria, mas na emoção do momento, isso não tinha importância. O suspiro aliviado que Minhyuk deu quando ouviu a confirmação o fez sentir-se melhor. Jung nunca desejou o mal àquele homem.

Antes de sair apressado em direção à entrada principal, o moreno lhe entregou um pequeno papel dobrado e sorriu. Ilhoon, sem entender o porquê daquela atitude, desdobrou o papel, comovendo-se com as palavras escritas no mesmo.

"Sua felicidade também é importante para ele e para mim."

Guardou o bilhete sorrindo, não havia como ficar triste depois daquilo. Minhyuk sempre soube de seus sentimentos e sempre o tratou com muito respeito, inclusive nunca contou a Sungjae. Não tinha como não gostar daquele homem.

Discretamente, após esperar a mãe do Sungjae voltar, Ilhoon entrou no local, passou por trás dos outros padrinhos e posicionou-se em seu lugar, do lado de Hyunsik. Estava na hora.

As grandes portas da entrada principal se abriram e uma melodia conhecida começou a ser tocada pelos músicos contratados. Mesmo nervoso, Sungjae estava radiante. Vendo-o alegre daquele jeito, Ilhoon teve certeza de que nem por um segundo seria capaz de separá-lo de Minhyuk. Nunca teria coragem de tirar aquele sorriso do rosto daquele homem.

Certa vez, perguntaram-lhe o que era o amor, na época, Ilhoon não soube como responder. Se naquele momento, lhe fizessem a mesma pergunta, diria que amor significa por a felicidade do outro à frente da sua.

Sungjae amava Minhyuk e era feliz com ele. Para Ilhoon, isso era tudo o que importava.


Notas Finais


<3

Capa: @bimis
Betagem: @Lackech


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...