1. Spirit Fanfics >
  2. All these years >
  3. Fool

História All these years - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Fool


Fanfic / Fanfiction All these years - Capítulo 2 - Fool

"Eu sou um tolo por você e as coisas que você faz, Eu sei, eu sei, que se tivesse uma chance eu faria tudo de novo, Porque eu não consigo me segurar, Porque eu não consigo me parar, Eu apenas amo ser um tolo por você" — Zayn 



 Miha Mendes


Karlie tocava desesperadamente a campainha enquanto eu suava frio, estava tentando desamarrar os laços que haviam na minha cabeça e voltar a raciocinar corretamente. Respirava fundo e tentava não transparecer o quão desesperada eu estava.


— Os ouvidos do Manuel devem estar seriamente afetados, meu Deus! Faz uma hora que eu estou tocando essa porcaria. — Não fazia 1 minuto que estávamos ali, Karlie realmente era a falta de paciência em pessoa. — Eu vou fazer xixi na roupa, Miha.  — Ela arregalou os olhos, enquanto contorcia as pernas. Eu ri daquela cena, ela estava desesperada para ir ao banheiro. — Não ri que não tem graça, Spam.


— Por que esses apelidos ridículos? Não é possível que eu seja tão chata assim, qual o próximo? — Karlie me olhava como se fosse me matar a qualquer momento.


— Acho que agora ela vai te chamar de "Torcedores de times rivais." Esse é um bom apelido, não acha? — Aquela voz suave preencheu aos meus ouvidos como eco. Eu senti os músculos das minhas pernas se contraírem, juro que poderia ouvir e sentir os meus batimentos cardíacos acelerados de forma insana, caia uma nevasca no meu estômago era como se o Alasca tivesse mudado-se para dentro do meu corpo.


 Tal sensação não me era estranha, foi como no nosso primeiro encontro formal, ou também conhecido como o melhor dia da minha vida, eu nunca esquecerei nossos beijos ao meio das flores no Jardim Inglês de Munique, assim como também nunca esquecerei o nosso último dia juntos, e principalmente nosso último beijo numa noite de uma trovoada atormentadora, os céus já estavam prevendo o que aconteceria dentro de mim depois daquela noite.


Num piscar de olhos, passaram-se centenas de cenas na minha cabeça, como um Flashback de coisas boas e ruins. Um sentimento ruim corria sobre as minhas veias agora, tudo que eu mais queria era chorar e gritar. Droga, como eu sou idiota. Porque eu estou aqui agora? Eu poderia fugir de tudo, porque eu sou fraca e é isso que os fracos fazem, fogem, quando sentem que toda pressão sobre si um dia pode cair e arruinar tudo, eu já estava arruinada, por todos os segundos desses quatro anos fodidos, eu estava arruinada. E tudo que eu estou fazendo é arruinar ainda mais os meus sentimentos, despedaçar ainda mais os cacos do meu coração. Eu não deveria estar aqui.


Karlie ao menos cumprimentou o irmão, simplesmente saiu correndo e tropeçando nos próprios pés adentro no apartamento, Manuel a olhou durante todo o seu trajeto. Era possível ouvir as portas se batendo, acho que ela esqueceu de perguntar onde ficava o banheiro.


— A Karlie me faz passar uma vergonha atrás da outra. — Falei num tom baixo, olhando para aquele chão reluzente, sem expressão alguma.


— Ela sempre foi assim, não mudou nada. Assim como você, continua a mesma. — Ele caminhou para mais perto de mim, ele tinha que fazer isso para aumentar ainda mais o meu desespero silencioso. — Olhe para mim Miha, você sabe que eu gosto de atenção. — Levantei o rosto, tendo uma visão maravilhosa dos seus olhos azuis, nos seus lábios havia um sorriso tímido. — Não quer entrar? — Balancei a cabeça imediatamente. Sem dizer uma só palavra nós levamos todas aquelas malas para dentro, durante cada movimento eu não tirava os olhos dele.


Manuel continuava o mesmo, uma mudança ou outra, nada aparentemente relevante. Havia ganhado um pouco de massa corporal, seu corpo agora tinha uma forma mais atraente, seus cabelos estavam maiores, ele estava bonito como nunca. O passar do tempo lhe caiu bem.


Meu físico estava desgastado, me dei o luxo de me sentar em uma das poltronas da sala central. Assim que me sentei ouvi um barulho constrangedor que aqueles malditos bonecos de borracha fazem, me assustei, não esperava por isso. Em seguida as únicas coisas que soavam pelo local eram latidos, logo Dora veio correndo, pulando imediatamente sobre meu colo. Ela estava tão grande, tão linda.


— Como a minha filha está grande, já está quase uma mulher. O papai cuidou bem de você, não foi? — Eu falava com uma voz meiga, espero que Karlie não tenha ouvido. E mais uma vez eu me sinto uma idiota por usar o termo "papai". Manuel e eu havíamos encontrado Dora na rua, era quase uma recém nascida, nós a levamos para casa e cuidamos dela como verdadeiros 'pais'.


— Depois que você foi embora, ela chorou demais, quase não comia, e isso se arrastou por dias. Eu sinceramente não sabia o que fazer, até que um dia eu estava vendo um vídeo seu e a Dora viu também, ela começou a pular e latir, por um momento achei que ela sorriu. Toda vez que eu mostrava esse vídeo para ela, era a mesma reação. Até que ela entendeu que você não voltaria mais.


— Mas eu voltei, as coisas não estão como antes, mas eu estou aqui.


— Miha, é tão bom ter você aqui por perto, por mais que as coisas não estejam como antes, mas é bom saber que eu posso contar com você novamente. Você sempre foi uma grande amiga, eu sei que eu posso me apoiar em você.


Por mais que a intenção dele não fosse me machucar, isso era impossível. Tudo se rebolia por dentro, aquilo já começará a me matar um pouco mais. Eu sorri largamente, mesmo com lâminas arranhando a minha garganta.


— Você pode contar comigo, Manu. Eu sempre vou te apoiar, independente de qualquer coisa.


Porque eu ainda te amo, porque eu ainda sou uma tola apaixonada.


(…)


— Por que você mente pra mim? — Karlie pulou em cima de mim, enquanto eu tentava pregar os olhos, o que era impossível. — Eu sou tão sincera com você, Spam, e você mente pra mim.


— Eu não sei do que você está falando. — Coloquei o travesseiro sobre meu rosto, escondendo o mesmo.


— Você disse que não amava o Manu. Eu sabia qual seria a sua resposta, e sabia também que você mentiria. Miha, você abria o Facebook, Instagram, Twitter, Wikipédia e o diabo a quatro, sem falar das pesquisas no Google, todas com o nome dele. Não quero ser injusta com você, não quero dizer o quão trouxa você é, o que se torna quase impossível.


— Ele é o homem da minha vida, o único. Eu não posso evitar amar ele. Por mais que isso doa, é a verdade, eu amo o Manuel. Eu sei que eu sou idiota, mas, a forma como ele fala me traz a esperança que ainda há algum tipo de afeto dele por mim, e qualquer coisa é muito para quem ama.


— Eu estou com vontade de bater em você, jogar álcool e depois riscar um fósforo. — Ela me abraçou, eu me senti Melhor dentro do seu abraço. — Não cultive nada que não seja recíproco, Spam. 



Notas Finais


Obrigada pela leitura! 🌼

Minha nova história com o capi e kroos: https://www.spiritfanfiction.com/historia/middle-21738516



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...