História All time is Low!(Boku No Hero interativa.) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Dabi, Denki Kaminari, Fumikage Tokoyami, Hanta Sero, Hizashi Yamada (Present Mic), Izuku Midoriya (Deku), Katsuki Bakugou, Kyoka Jiro, Mashirao Ojiro, Mina Ashido, Minoru Mineta, Mirio Togata (Lemillion), Momo Yaoyorozu, Nemuri Kayama, Ochako Uraraka (Uravity), Personagens Originais, Shouta Aizawa (Eraserhead), Shouto Todoroki, Stain, Toga Himiko, Tomura Shigaraki, Toru Hagakure, Toshinori Yagi (All Might), Tsuyu Asui, Yuga Aoyama
Visualizações 34
Palavras 2.595
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Meu nome é Eras3my_Life, e aqui estou eu, trazendo mais um capítulo para vocês. Espero que vocês gostem!
LEMBRETE: A data de expiração para as fichas é amanhã(13/09), as 9:00 horas da noite! Fichas entregues após esse horário não serão aceitas.
Fiquem com o capítulo, aproveitem a vida.
Eras3 partindo.

Capítulo 5 - Se certas coisas ficassem entre família.


Se certas coisas ficassem entre família.

Enquanto os dois últimos competidores eram levados para o hospital, a fim de tratarem de suas feridas, a classe 1-A parecia estar extremamente curiosa. A final de contas, a batalha havia sido muito boa, e eles puderam avaliar diversos critérios; é claro que alguns não concordaram um com o outro, devido a vitória de Rodtyr sobre Dylan, justificando que “Dylan apenas perdeu por estar em desvantagem.”. Outros defendiam que “Rodtyr provou ser muito mais forte que seu adversário, podendo usar de sua individualidade melhor que ele, e que Newhouse estava consciente dos riscos que o cercavam em relação a quebrar a própria perna.”. Apenas de pensar nesse assunto, Uraraka podia sentir um leve enjoo vindo. A imagem brutal dele, o sorriso determinado e, de certa forma, um pouco psicótico ainda estavam em sua mente.-Sabe, Midoriya-kun.-Ela disse, segurando sua mão discretamente.-Eu acho que o Dylan se parece muito com você.

-C-comigo?-Ele perguntou, corado. Sempre que Uraraka tomava os primeiros passos desse relacionamento quase como se fosse proibido, era sempre capaz de ele acabar corado a toa.-P-por que você acha isso, Uraraka-san?

-Ah, a determinação dele. O jeito que ele luta, sem nunca desistir, sabe? De estar pronto de sacrificar tudo para alcançar aquilo que ele mais deseja. 

 Midoriya deu uma risada nervosa, e se viu tentado a beijá-la nesse mesmo instante. Entretanto, por mais que a amasse do fundo de seu coração, sabia que ali não era a hora de revelar a seus colegas que os dois estavam em um relacionamento sério. Eles ficaram, disfarçadamente, de mãos dadas, os rostos virados para o lado oposto um do outro. Subitamente, a voz de Aiwaza tirou ele de seu transe. -COMECEM!

 Luna partiu rapidamente, e tentou golpear a adversária na cabeça, com um chute de calcanhar. Entretanto, Yui conseguiu desviar a tempo, e, surpreendentemente, mordeu a adversária na perna. Com um olhar surpreso, e sentindo um leve formigamento na região das coxas, ela a acertou com a outra perna no rosto, o que causou que ela a soltasse. Dando um mortal para trás enquanto ainda estava no ar, Luna deu uma olhado no ferimento; percebeu que ela havia sido envenenada. “Mais uma razão para terminar essa luta rapidamente.” Ela pensou consigo mesma, enquanto estancava o ferimento com a manga de seu uniforme. Yui se levantou, com um sorriso orgulhoso no rosto, e lambeu ambas as presas. -Boa sorte para continuar lutando depois dessa, esquentadinha.-Ela disse, enquanto tentava acertar um soco no estômago da adversária. Com um esplendor sucesso, Luna parecia que ia desmaiar; entretanto, ela teve de usar de toda a sua vontade para continuar a lutar. Reagindo rapidamente, ela agarrou a adversária pelos dentes, e deu uma joelhada no rosto. Lacrimejando, a envenenada percebeu uma abertura, e usou de sua individualidade para tentar atordoar a adversária. Rapidamente, ela conseguiu desviar, mas sentiu seu braço e coxa queimando lentamente. Ela recuou, e sentiu um pouco de sangue escorrer de sua boca. “Caramba, ela não é ruim. Mas eu sou melhor.” Ela pensou consigo mesma. Correu para a adversária, tentando a morder novamente; entretanto, como já sabia da habilidade da adversária, Luna simplesmente desviou e desferiu um chute em suas costelas, seguido de um soco no rosto. Embora tenha levado o soco no rosto, ela segurou a perna da adversária, e deu uma cotovelada em seu joelho, seguido deu uma grande mordida em sua coxa. Ela a girou, o que resultou em sua queda. Aproveitando da desvantagem da adversária, ela tentou chutá-la no peito, mas foi bloqueada novamente pela individualidade de Luna. Ela ateou fogo em suas bandagens, que foram imediatamente incendiadas; ela rapidamente tirou as bandagens, mas sentiu que sofrera de mais uma queimadura. Ela amarrou parte das bandagens, ou o que havia sobrado delas, em ambas as suas mãos, e pulou para de trás da adversária, a tentando enforcar. Felizmente, Luna foi rápida o suficiente para se abaixar e golpear ela novamente no estômago. Enquanto ainda estava sofrendo do golpe, Luna a golpeou novamente no estômago, desta vez, entretanto, com o cotovelo. Yui recuou, mas não saiu da defensiva. -Desista, garota-cobra.-Luna disse, subitamente.-A qualquer momento, você vai acabar saindo com algum osso quebrado.

Entretanto, ela apenas riu, com um certo tom de sarcasmo. Subitamente, Luna lembrou que havia sido mordida, e que o veneno estava se espalhando rapidamente; ela precisava do antídoto, ou iria perder a batalha muito rápido.-Sua pequena desgraçada…

Com raiva, as chamas pareceram aumentar; ela partiu para cima da adversária sem dó, e a chutou na região da cabeça; em seguida, quase chegou a queimá-la na região do olho. Assustada com a reação quase que assassina da adversária, ela compreendeu que também deveria partir com tudo para cima dela. Yui se abaixou, desviando de um gancho de Luna, e a golpeou novamente no joelho, o que fez com que o membro se deslocasse. Ela gritou de dor, e agarrou Yui pelo colarinho, batendo seu rosto no chão. Ela caiu alguns metros de distância, meio sem sentidos. Luna se sentou, e estendeu sua perna; essa simples ação parece irradiar uma dor gigante. Ela contou até três, e a colocou de volta no lugar. Ela se levantou, mas levou um soco no rosto no momento em que fez isso. “Não posso continuar apanhando tanto assim!” Luna pensou, enquanto desviava de um dos socos, e dava uma cambalhota para esquivar de um chute. “Mal consigo golpear mais essa menina. Se eu for dar um soco, tem que ser um que acabe com essa luta!”.

Determinada, ela golpeou Yui no nariz com a sola de seu tênis, e, com grande dificuldade para respirar, a agarrou pelo colarinho e a atirou no chão. Ela grunhiu, e, rapidamente, segurou em seu braço. Fez um triângulo com a perna, e apoiou ambos os pés no ombro dela. -Desista, ou eu quebro seu braço, esquentadinha!-Ela exclamou, enquanto sorria orgulhosamente.

-Bem,-Luna respondeu, séria.-Deixe-me fazer isso por você, pode ser?

Com um movimento rápido, Luna deslocou o próprio braço. Juntamente do susto e da flexibilidade que ela havia conseguido adquirir, conseguiu uma rápida escapada. Desferiu um rápido chute, e subiu em cima da adversária, desferido rápido socos, precisos o suficiente para ferir a predadora incrivelmente. - Eu que vou entrar na U.A!-Luna gritava, sem parar de ferir a inimiga. Entretanto, por mais que estivesse ferida, Yui conseguiu desferir mais uma mordida nela, desta vez, no braço, que iria acelerar o processo do veneno. Luna, mais agressiva que antes, retirou os dentes de seu braço, e virou a inimiga de barriga para baixo. Levantou sua cabeça, e a bateu no chão, mas, antes de poder fazer isso mais uma vez, foi interrompida por um potente chute nas costas. Ela caiu para frente, e Yui se levantou, com algumas feridas curadas, e outras se regenerando, mas seu dedo indicador estava quebrado. Luna entrou novamente em posição de luta, mas suas pernas começaram a ceder. “Não vou mais poder lutar corpo-a-corpo. Vou ter que a derrotar usando da minha individualidade, mas dúvido que eu consiga. Além do mais, acho que ela já me envenenou umas 5 vezes, e só estou de pé por pura sorte.”.

-Desista!-Yui disse, fechando o punho com o dedo quebrado, para mostrar determinação. Ela, depois, apontou para ela, com um sorriso orgulhoso.-Nesse exato momento, todo o veneno que eu injetei vai finalmente surtir efeito. Se você ainda estava de pé, era simplesmente porque eu estava esperando pelo momento exato de deixar o veneno fazer o que ele deveria. Eu posso te dar um antídoto, mas se você apenas desistir.

Subitamente, pela surpresa dela, um potente soco no estômago foi desferido, fazendo ela cuspir um pouco de saliva. Com um olhar sério, Luna tirou a mão do local, e deu uma girada, dando um chute no rosto dela. Depois, ainda com uma velocidade impressionante, ela deu uma joelhada no dedo quebrado, fazendo com que Yui desse um grito de dor. O dedo estava muito roxo, e inchado. Luna, sem diminuir o ritmo dos golpes,bateu a cabeça dela no vidro. Estava arfando, cansada. Teve de usar muito de sua energia para poder simplesmente começar a correr, e sabia que ainda tinha que fazer muito mais. Ela tentou a socar no nariz com sua individualidade, mas Yui desviou, e a chutou no joelho. Entretanto, Luna conseguiu desviar, e a segurou pelo colarinho, batendo sua cabeça novamente no vidro. Ela fechou os olhos, e agarrou o braço dela, e o quebrou com um chute. Luna deu um alto grito de dor, e deu vários passos para trás, e caiu de joelhos no chão, cansada. “Caramba, os efeitos são rápidos… mal consigo usar minha individualidade direito. Mas não vou cair sem, no mínimo, dar um soco final!”. Luna se levantou, com certo esforço, e seu corpo inteiro começou a queimar. Ela correu em direção da adversária, sem nenhum medo. Sem ter tempo o suficiente para reagir, uma onda de fumaça preencheou a parte onde ambas estavam.

-O que aconteceu?-Kirishima perguntou, pressionado sobre o vidro.

-E...-e-eu venci…-Uma voz fraco foi ouvida. Quando a fumaça toda começou a baixar, estava Yui, parada em pé, o punho estendido para frente, a mão claramente queimada, e ela parecia segurar algo. A fumaça baixou mais um pouco, e os alunos perceberam que ela havia agarrado o pescoço da adversária, e que havia dado uma mordida final no pescoço. Yui tinha, aparentemente, quebrado o nariz, e, no mínimo, tinha quebrado três dedos em cada mão. Os olhares dos alunos da 1-A, por mais que tenham visto a brutalidade da última luta, tinham todos ficado extremamente assustados e pasmos. A simples determinação dos competidores não era algo comum, e parecia até mesmo sobrenatural.-Sr.Aiwaza,-Kirishima disse, calmamente, o que não era de seu tipo. Entretanto, ele não parecia encontrar palavras para descrever como ele se sentia feliz, e até mesmo inspirado para ser um mentor.-Eu.. eu quero me tornar mentor da Yui. E antes que você pergunte o porque, eu tenho uma justificativa. A determinação, espírito de luta, e os movimentos dela são muito parecidos com a de uma verdadeira heroína! 

-Parece justo.-Ele retrucou, ainda neutro. Por mais que ele não demonstrasse, ele estava se sentindo muito orgulhoso de seus estudantes, por estarem realmente aceitando terem se tornado mentores. Eles simplesmente estavam começando a ficar inspirados para se tornarem alguém que vai ensinar para os outros tudo o que eles já tinham aprendido. Quando ia perguntar sobre alguém querer treinar Luna, Uraraka rapidamente levantou a mão, e começou a justificar o porquê.

-Porque-Ela começou.-Eu adorei o jeito agressivo dela. Os golpes eram calculados para acertarem nos lugares onde doía, e ela não pareceu desperdiçar uma oportunidade para atacar.-A turma inteira pareceu pensar a mesma coisa; eles ainda não tinham se acostumado com essa personalidade escondida dela. Ela percebeu rapidamente o que tinha falado, e corou, com um sorriso meio tímido no rosto.-E porque eu adorei a individualidade dela!

-Bem, as duas já têm mentores então.-O professor disse, satisfeito. Ele deu seu estranho sorriso, e dispensou a turma.Todos foram juntos, trocando ideias sobre os alunos novos. Aiwaza pode perceber que os novos já haviam se posicionado, e que, daqui a algumas horas, as batalhas iriam voltar a acontecer, e mais brutais que antes.

Inter Transmissão.

O jovem, frio e calculista, tinha ambos os cotovelos apoiados no balcão de madeira. Olhava diretamente para a TV, observando, atentamente, as tentativas de entrevistas com os heróis profissionais. Era uma gravação antiga, e muitos deles estavam em sua era de ouro; portavam de belas faces, grandes e desenvolvidos músculos. A grande maioria deles portava de um sorriso, e pareciam responder as perguntas com total interesse. Seu cabelo tinha uma cor-verde água, e a pele era totalmente pálida. Usava de uma camisa de mangas compridas preta, e calças jeans azuis escuras. Estranhamente, ele tinha diversas mãos espalhadas por seus braços, pernas, ombros e até mesmo em seu rosto. Ele tinha olhos vermelhos, mas que mal pareciam aparecer.(Tomura Shigakari, individualidade de decair: Ele pode fazer qualquer coisa virar pó se ele a tocar com todos os seus dedos da mão.). A seu lado, estava um jovem adulto, de cabelos pretos e olhos cinzas. Partes de seu rosto eram presas por tipos de piercings, que revelavam partes roxas. Estava vestido de uma jaqueta preta estilosa, e uma calça jeans cinza. Ele tinha um olhar cansado e entediado no rosto, e estava bebendo um pequeno shot de vodka.(Dabi, individualidade de Cremação: Ele pode gerar chamas azuis de suas mãos, muito semelhante às individualidades de Todoroki, Shoto e Endeavor.); sentada na extremidade direita da sala, estava Toga, que tinha esbanjava de seu clássico e bizarro sorriso. Ainda estava corada de súbito, sem ter uma verdadeira justificativa. Na mesma mesa que ela estava um jovem de cabelos brancos, com olhos cinzas e pele um tanto pálida. Estava usando um moletom azul, com uma calça preta. Tinha um olhar um pouco hesitante, e parecia entretido em sua leitura.(Nagisa Shimura, individualidade de Boa sorte: Ele pode manipular a sorte, podendo a usar a seu próprio bem ou para o bem dos outros.). -Muito bem.-Tomura disse, quebrando o silêncio absoluto e desligando a tv.-Eu tenho um plano.

-Um plano para que, exatamente?-Dabi perguntou, seguido de um bocejo curto.

-Um plano para acabarmos com a U.A.

-Isso de novo?-Toga ralhou-lhe, com a cabeça deitada na mesa. O sorriso desapareceu, e se tornou uma expressão de tédio. Ela voltou o olhar para Nagisa, que a olhou rapidamente e corou, voltando a ler alegremente.

-Não, sua psicopata ambulante. Não é tão simples assim. O All Might foi derrubado; o símbolo da paz agora não passa de uma mera lembrança nostálgica, que as pessoas veem como a última faísca que separava o mundo deles de pessoas como nós. Se atacarmos a U.A agora, as pessoas vão perder quase que literalmente tudo: Heróis, crianças e salvadores do povo.-Ele respondeu, se levantando, coçando o pescoço. Por mais que parecesse com um adolescente emburrado, desde seu último encontro com a U.A, sua linha de raciocínio tinha se tornado algo, de certa forma, mais madura.

-E qual é o plano?-Nagisa perguntou, timidamente.

-Bem, nós vamos mandar espiões. Pessoas disfarçadas de estudantes, concorrendo para terem um mentor e…

-Seu plano é uma m*rda.-Kuina disse subitamente, enquanto tomava mais um gole de seu café. Tomura a encarou com ódio, e chegou para perto dela.

-Quem deixou você entrar, verdinha?-Ele perguntou. Subitamente, ele pode ouvir o som de alguma coisa afiada sendo afundada na madeira. Ele olhou para sua mão, e percebeu uma faca de cortar ossos posta no meio da abertura de seus dedos. Ele olhou para a garota, que tinha um estranho sorriso psicótico no rosto.

-Eu me pergunto…-Ela disse, passando o indicador pelo cabo da faca.-Quantos dedos seus eu ia ter que cortar para que sua individualidade parasse de funcionar.

-Parem com a brincadeira, criancinhas.-Uma voz masculina disse, vinda da porta principal. Era um jovem de cabelos pretos, olhos verdes e pele branca. Ele estava vestido de uma regata azul, e usava uma calça azul-escura.(Jake Outborn, individualidade de Mira perfeita: Ele nunca erra seus alvos; entretanto, ele pode escolher um por vez apenas.)-Se vocês vão realmente invadir a U.A, vocês precisam, realmente, de um plano melhor.

-E você tem alguma ideia, Jake?-Toga perguntou, incrédula.

-Claro que tenho. Eu sempre tenho um plano.- Ele respondeu, a voz totalmente assustadora.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...