História All Yours - Park Jimin - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Imagine(park Jimin + 18), Romance, Vkook
Visualizações 76
Palavras 4.329
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieee Voltei,me desculpem a demora.
Mas ando um pouco ocupada ultimamente.

Pesso desculpas pelos erros ok.

Sem mais.

Boa Leitura.

Capítulo 30 - Capitulo 30


Fanfic / Fanfiction All Yours - Park Jimin - Capítulo 30 - Capitulo 30

    O som da porta do meu quarto abrindo fez com que eu acordasse do meu sonho esquecido, mas foi o aroma do café que realmente me acordou. Eu me remexi, mas mantive meus olhos fechados, enquanto o sentimento de antecipação me preenchia. Jimin se sentou ao lado da minha cama e um pouco depois ele começou a passar seu polegar em minha bochecha.

- “Como você dormiu?”- Perguntou.

- “Eu senti sua falta. Esse café que eu estou sentindo o cheiro, é pra mim?”- 

- “Se você estiver bem.”- Meus olhos se abriram.

- “Mas você gosta de mim mal.”- Falei. Seu sorriso me deixava louca, ele já estava vestido em seu terno perfeito e parecia muito melhor pela manhã do que na noite anterior.

- “Eu gosto de você mal junto comigo, me fale sobre esse show na sexta feira.”-

- “É uma banda chamada Six-Ninths, é tudo que eu sei, você quer ir?”-

- “Isso não é uma opção, onde você for, eu vou.”- Minhas sobrancelhas se levantaram.

- “É mesmo? E se eu não tivesse perguntando?”-  Ele segurou minha mão e gentilmente passou os dedos em meu anel de compromisso.

- “Você não iria.”- Falou.  

- “Como é?”- Eu arrumei meu cabelo para traz. Notei o olhar em seu rosto lindo demais, e me sentei.

- “Me dê esse café, eu quero estar com cafeína no organismo quando eu for chutar seu traseiro.”-  Jimin sorriu e esfregou a caneca com café.

- “Não me olhe desse jeito.”- Eu briguei.

- “Eu não estou feliz de você me dizer que eu não posso ir em algum lugar.”- Falei.

- “Nós estávamos falando especificamente de um show de rock, eu não disse que você não iria, apenas que você não iria sem mim, sinto muito se você não gosta disso, mas assim que vai ser.”-

- “Quem disse que é rock? Talvez seja música clássica. Ou celta. Ou pop”-

- “Six-Ninths tem um contrato com a gravadora Jung.”-

- “Oh.”-

  A gravadora Jung é dirigida pelo padrasto de Jimin, Sr. Jung Chung -Hee, mas Jimin tinha uma parte do controle. Eu gostaria de saber como um garoto cresce e consegue a empresa da família do seu padrasto. Qualquer que fosse o motivo eu sabia que isso tinha influência no fato de o meio irmão de Jimin, Jung chung Hee Jr. o odiar tanto.

- “Eu vi vídeos do show dessa banda.”- Ele disse secamente.

- “Eu não ia deixar você se arriscar indo a algo assim sozinha.”- Falou.  Eu tomei um grande gole de café.

- “Eu entendo isso, mas você não pode mandar em mim.”-

- “Eu não posso? Shh.”- Ele colocou seu dedo nos meus lábios.

- “Não discuta. Eu não sou um tirano. Eu me preocupo com você, e você deveria ser sensível para perceber isso.”- Falou. Eu empurrei sua mão para longe.

- “sensível.”- Eu falei em tom irônico.

- “enquanto você decide o que é melhor pra mim?”- Perguntei.  

- “É claro.”-

- “Isso é besteira.”- Ele se levantou.

- “Não vamos brigar por causa de uma situação que nem existe. Você me convidou para ir no show na sexta, e eu disse que vou. Não tem o que argumentar sobre isso.”- Coloquei meu café sobre meu criado mudo, eu coloquei os lençóis para o lado e me levantei.

- “Eu sou capaz de viver a minha vida Jimin, e eu tenho que viver, ou isso não vai funcionar.”-

- “E eu tenho que ser eu mesmo, eu não sou o único que precisa fazer concessões.”- Falou.

   Isso me atingiu. Ele não estava errado, eu esperava que ele me desse espaço, mas ele tinha que ser compreendido como ele era. Eu tinha que entender o fato que ele tinha necessidades também.

- “E se eu quiser sair para uma noite de garotas em uma boate?”- Perguntei.Ele segurou meu queixo em suas mãos e beijou minha testa.

- “Você pode pegar a limusine e ir em alguma boate que seja minha.”-

- “E você terá seus seguranças me espionando?”-

- “Mantendo você sob vigilância.”-  Ele corrigiu, seus lábios beijavam minha sobrancelha.

- “Isso é tão terrível assim pra você anjo? É tão difícil aceitar que eu odeio tirar meus olhos de você?”-

- “Não retorne isso para mim.”- Ele inclinou a cabeça para trás e me olhou com olhos frios e determinados.

- “Você precisa entender que mesmo você pegando a limusine e estando em uma boate minha, eu vou ficar louco até a hora que você chegar em casa. Se você não pode ficar nervosa por causa da minha necessidade de protege-la, isso faz parte de um relacionamento, dar e receber.”-  Eu rosnei.

- “Como você consegue fazer algo irracional parecer completamente racional?”- Questionei.

- “É um dom.”- Com minhas mãos tensas eu agarrei seu quadril.  

- “Eu preciso de mais café para lidar com esse dom, ace”- 

 

 

                           (...)

 

 

    Tinha se tornado rotina, na quarta feira, eu, Taehyung e seu companheiro Jungkook sairmos para almoçar. Quando Taehyung e eu chegamos no pequeno restaurante italiano encontramos Jungkook e Shawna esperando por nós, eu fiquei realmente feliz. Tae e eu tínhamos uma relação muito profissional, mas de alguma forma, nós conseguimos torna-la pessoal também e isso significava muito para mim.

- “Eu estou com inveja do seu bronzeado.”- Shawna disse, vestida casualmente, com calça jeans e uma regata que ganhava um toque lindo com um lenço.

- “O sol só me deixa vermelha e me dá mais sardas.”-

- “Mas você tem um cabelo lindo, que combina com suas sardas.”- Eu pontuei, admirando o tom escuro dos seus cabelos.”-  Jungkook passou a mão pelo cabelo, que era exatamente da mesma cor do da irmã.

- “Tem que fazer algum sacrifício para ser tão sexy.”-

- “Como você saberia?”-

  Shawna empurrou o irmão com os ombros, seu esforço não o moveu nem um centímetro, ela era magra e delicada, enquanto ele era robusto e bem estruturado. Eu sabia, por meio de conversas com Taehyung que seu parceiro fazia grande parte do serviço na sua própria empresa de engenharia, o que explicava seus músculos e o tamanho de suas mãos. 

 Nós entramos no restaurante e sentamos em uma ótima mesa, graça a reserva que eu fiz quando Tae me convidou para o almoço. O local era pequeno, mas muito charmoso. A luz do sol entrava pelas janelas que ocupavam todo o pé direito do local, o cheiro da comida era tentador o que me deixou com água na boca.

- “Eu estou tão empolgada para sexta.”- Os olhos de Shawna brilharam pela antecipação.

- “Yeah, ela vai levar você.”- Jungkook me disse secamente.

- “e não o seu irmão mais velho.”- 

- “Não comece uma cena.”- Ela falou de volta.

- “Você odeia multidões.”- Falou ela.

- “Eu só preciso do meu espaço pessoal, só isso.”- Shawna rolou os olhos.

- “Você não pode ser um boxeador em todo lugar.”- A conversa sobre multidão me fez pensar em Jimin e sua necessidade de proteger.

- “Você se importa se eu levar o rapaz que eu estou saindo?”- Eu perguntei.

- “Ou isso seria muito estraga prazeres?”-

- “Nem um pouco. Ele não tem um amigo que gostaria de ir?”-  

-“Shawna.”- Taehyung estava claramente chocado e desaprovava a pergunta.

-“E o Hoseok?”- Meu chefe questionou.

- “O que tem ele? Você não me deixou terminar.”- Ela olhou pra mim e explicou.

- “Hoseok é meu namorado, ele está na Sicília fazendo um curso de culinária durante o verão. Ele é chef.”-  

- “Legal.”- Eu disse.

- “Eu acho legal homens que cozinham.”- Falei.

- “Oh, sim.”- Ela sorriu, e então olhou para Taehyung.

- “Ele tem seu lugar guardado, e ele sabe disso, se seu amigo tiver um amigo, que esteja de acordo em ocupar o espaço vazio, sem nenhuma possibilidade de envolvimento no futuro.”-Eu imediatamente pensei em Jin e sorri.

 

                                         (...)

 

 Mais tarde, depois de Jimin e eu passarmos um tempo com o nosso personal trainer e voltarmos para o seu apartamento, eu mudei de idéia. Depois de tentar sem sucesso, ler um livro sentada no sofá, eu levantei e fui em direção ao escritório de Jimin.   Eu o encontrei carrancudo, olhando para o que estava fazendo, seus dedos flutuavam sobre o teclado. O brilho do monitor e do quadro iluminado que guardava fotos nossas eram as únicas fontes de iluminação na sala, o que deixou o ambiente entregue as sombras. Ele estava sentado na penumbra, sem camisa e lindo, sozinho e poderoso, auto suficiente. Sempre que ele estava trabalhando, parecia solitário e inacessível. Eu me sentia abandonada só de olhar para ele.

   A combinação entre distância física causada pelo meu período menstrual e a decisão de Jimin de dormir separadamente mexeu com as minhas mais profundas inseguranças, me fez querer me esforçar mais para manter sua atenção focada em mim.

 O fato de ele passar o tempo todo trabalhando ao invés de passar seu tempo comigo não devia me irritar, eu sabia como ele estava ocupado, mas mesmo assim eu me sentia abandonada e carente, ele me disse que eu estava regredindo para padrões familiares ruins. O fato era que Jimin e eu, éramos as melhores e as piores coisas que já aconteceram com cada um de nós.

   Ele olhou para cima e fixou seu olhar em minha direção. Vi seu foco mudar do trabalho para mim.  

- “Eu estou deixando você de lado anjo?”- Ele perguntou, inclinando-se para trás na cadeira. Eu corei, desejando que ele não fosse capaz de me ler tão bem.

- “Me desculpe interromper.”-

- “Você sempre deve me procurar quando precisar de alguma coisa.”- Falou empurrando seu teclado, ele bateu no espaço vazio em sua mesa, bem a sua frente, e puxou sua cadeira um pouco para trás.

- “Venha, sente-se aqui.”-

  Uma emoção correu através de mim. Uma emoção correu através de mim. Eu corri, sem fazer nenhum esforço para esconder minha ansiedade. Eu pulei sentada em sua mesa, e sorri largamente quando ele puxou sua cadeira para preencher o espaço entre as minhas pernas.

 Apoiando seus braços em minhas coxas, ele me abraçou passando os braços em volta do meu quadril e disse;

- “Eu deveria ter explicado a você, eu estou tentando adiantar todo meu trabalho para que nós possamos tirar o final de semana de folga.”- Falou.  

- “Jura?”- Eu empurrei meus dedos entre seu cabelo.

- “Eu quero você só para mim um pouco. Eu realmente preciso foder por um longo tempo, talvez durante todo o final de semana.”- Ele fechou os olhos quando eu o toquei.

- “Eu realmente sinto falta de estar dentro de você.”-

- “Você está sempre dentro de mim.”- Eu sussurrei. Sua boca se curvou devagar e ele sorriu quando abriu os olhos.

- “Você está me deixando duro.”-  

- “Qual a novidade?”- Perguntei.

- “Tudo.”-  Eu fiz uma careta.

- “Eu tenho que terminar isso.”-  Ele disse.

- “Mas agora, você veio aqui para?”- Perguntou. Eu hesitei, ainda presa ao seu comentário enigmático.

- “S/N.”- Sua voz firme me fez recuperar o foco.

- “O que você precisa?”

- “Um encontro para Shawna. Uh . Uh. . . . . não um encontro de verdade. Shawna tem um namorado, mas ele está fora do país. Só vai ser melhor se formos ao show em quatro.”- Falei.  

- “Você não quer convidar Jin?”-

- “Eu pensei nele primeiro, mas Shawna é minha amiga. Pensei que você poderia trazer alguém, só para manter o show mais dinâmico.”-

- “Tudo bem. Eu vou ver quem está livre.”-  Eu percebi que não esperava que ele realmente fosse atender meu pedido.

   Alguns dos meus pensamentos devem ter transparecido em meu rosto, porque ele me perguntou;

- “Tem mais alguma coisa?”-

- “Eu. . . .”-  Como eu digo o que eu estou pensando sem que ele sinta vontade de chutar o meu traseiro? Eu balancei a cabeça.

- “Não, não é nada.”-  

- “S/N.”- Sua voz era severa.

- “Diga”-

- “É estupido.”-

- “Eu não estou pedindo.”- Falou. Uma corrente elétrica atravessou meu corpo, sempre acontecia isso quando ele me dava uma ordem desse jeito. 

- “Eu só pensei em você em encontros com os amigos do trabalho, deixando algumas mulheres loucas.”-  Dizer essa última parte foi muito difícil. Por mais que eu tentasse não ter ciúmes das mulheres em seu passado, eu não conseguia.  

-“Você acha que eu não tenho amigos de verdade?”-

- “Você nunca me apresentou nenhum deles.”- Eu disse emburrada, segurando e brincando com minha blusa.

- “Ah. . . .” Sua diversão pareceu profunda, seus olhos brilhavam enquanto ele sorria.

- “Você é meu pequeno segredo sexy. Vai saber o que eu estava pensando quando eu deixei que tirassem aquela nossa foto, do beijo, em público.”-

- “Bem.”- Meu olhar se moveu para a montagem na parede, onde várias fotos nossas estavam arrumadas, fotos que já estiveram por dias nos sites de fofoca.

- “Quando você coloca desse jeito...”- Jimin rio, e o som de sua risada fez com que um jato de prazer circulasse em meu corpo.

- “Eu vou apresentar você para alguns de meus amigos quando nós sairmos de novo.”-  

- “Oh.”- Eu presumi então que todos que eu conheci nos eventos em que nós estivemos eram apenas parceiros de negócios.  

- “Mas manter você somente para mim não é uma má idéia.”- Eu lancei para ele um olhar e usei o mesmo argumento que eu usei quando ele não queria me deixar ir para Busan porque queria que eu ficasse com ele em Phoenix.

- “Porque você não pode ficar sem nada para fazer, pelado, esperando para transar?”-  

- “Onde está a diversão nisso?”-  Eu bati em seus ombros e ele me puxou para o seu colo rindo.

   Eu não podia acreditar como ele ficava de bom humor quando eu estava em seu colo. Quando olhei em seu monitor, tudo que eu vi foi uma planilha, que me fez atravessar o olhar na tela, para um e-mail que estava sendo escrito, mas havia alguma coisa de diferente nele, e eu gostei disso. 

- “Seria um prazer.”- Ele murmurou, com os lábios em meu pescoço.

- “enganar meu tesão enquanto você está no seu período está me deixando louco.”-  Meu sexo clamou, só de imaginar a cena em minha mente

- “Você está me deixando excitada.”-

- “Ótimo. Eu gosto de você desse jeito.”-

- “Assim”- Eu murmurei.

- “minha fantasia é você olhando para o relógio esperando eu chegar.”-

- “Parece possível para mim.”- Eu belisquei sua mandíbula com os dentes. Ele rosnou.

- “Você quer brincar pesado anjo?”- Perguntou.

 “Eu quero saber qual sua fantasia.” Falei.  Jimin me arrumou em seu colo e passou os braços ao redor de mim, em um abraço carinhoso.

- “Você.”-

- “É melhor mesmo.”- Falei. Ele sorriu.

- “como uma Sub.”- Falou.

- “Hein?”-

- “Sexo Submisso, S/N. Sua bunda linda em um banco, com os pés nos estribos, com as pernas abertas, sua buceta molhada e perfeita em espera.” - Ele esfregou círculos sedutores na minhas costas.

- “Totalmente à minha mercê e incapaz de fazer qualquer coisa, mas conseguindo todo o prazer que eu posso te dar. Você adoraria.”-

  Eu imaginei ele em pé entra minhas pernas, sem roupa, brilhando devido ao suor espalhado em seu corpo, seus bíceps e peitorais flexionados enquanto ele me balançava para frente e para trás, deslizando-me para dentro e para fora o seu pênis bonito. 

- “Você me quer impotente.”-

- “Eu quero você aprisionada. Eu quero você presa a mim por dentro.”-  

- “Jimin...”-

- “Eu não faria nada que você não pudesse aguentar,”- Ele prometeu, seus olhos brilhavam quentes na pouca luz.

- “Mas eu levaria você ao extremo.”- Falou.  Eu estremeci, excitada e apavorada de abrir mão do controle que eu tenho sobre mim.

- “Por quê?”- Perguntei.

- “Porque você quer ser minha e eu quero possuir você. Nós vamos chegar lá.”-  Suas mãos passaram por debaixo da minha blusa e ele pegou meus seios, seus dedos rolavam e apertavam meu mamilo, acordando meu corpo.

- “Você já fez isso antes?”- Eu perguntei sem ar.

- “Dominação?”- Ele ficou de cara fechada.

- “Não me faça perguntas como essa.”- Disse ele.  Oh Deus.

- “Eu só...”-

   Sua boca selou a minha, ele beliscou meu lábio inferior, e sua língua logo estava em minha boca, me prendendo, ele me queria como ar, ele puxou meu cabelo. A dominação do ato era inegável. O desejo surgiu em mim, eu precisava dele, eu não podia me controlar ou lutar contra isso Eu choraminguei, meu peito doendo com o pensamento dele gastando muito tempo e esforço para obter prazer de alguém.

  A mão de Jimin estava entre as minhas pernas e segurou meu sexo. Eu o empurrei, surpresa com sua agressividade. Ele fez um som baixo de confiança e massageou-me, esfregando minha carne tenra com a habilidade perfeita. Ele parou o beijo, movendo o braço para as minhas costas e levou o meu peito à sua boca. Ele mordeu meu mamilo através do tecido, em seguida, colocou seus lábios em torno do pico de dor, sugando tão fortemente senti o principio de um orgasmo. Meu cérebro estava tendo um curto circuito com o desejo bombeado através de mim. Seus dedos deslizaram sob a borda da minha calcinha para tocar meu clitóris, a sensação da minha pela contra a sua pele era tudo que eu precisava. 

- “Jimin...”-

  Ele levantou a cabeça e me observou, com olhos sombrios, gozando para ele. Eu chorei, e tremores correram por todo meu corpo, a liberação da tensão, depois de dias de privação, quase foi demais para mim. Mas ele ainda não tinha parado, ele acariciou meu clitóris até eu gozar mais uma vez, violentos tremores rasgavam meu corpo, eu fechei minhas pernas para que ele parasse com suas investidas.   Quando ele puxou a mão, eu cedi, destruída e respirando pesadamente. Eu me enrolei com ele, meu rosto colado em sua garganta, meus braços envolvendo seu pescoço. Meu coração parecia que tinha inchado no peito. Tudo o que eu sentia por ele, todo o tormento sumiu e o amor tomou conta de mim. Eu arranhava ele, tentando me aproximar.

- “Shh.”- Ele me segurou mais apertado, até que ficou difícil respirar.

- “Você questiona tudo, e isso me deixa louco.”-

- “Eu odeio isso.”- Eu sussurrei.

- “Eu não deveria fazer tanto isso. Não é saudável.”- Falei.

- “É ai que você está errada.”-  Seu coração batia forte sob minha orelha.

- “E eu assumo a responsabilidade por isso, eu tomei a liderança em alguns aspectos e a deixei a frente em outros, isso  à deixou confusa e preocupada. Sinto muito por isso anjo, vai ser mais fácil daqui pra frente.”- Falou.

   Eu me inclinei para trás para que eu pudesse ver o seu rosto. Minha respiração falhou quando nossos olhos se encontraram e ele me olhou com firmeza. Eu compreendi a diferença, havia serenidade e calma sobre ele. Percebi que esses sentimentos se instalaram em mim também. Minha respiração desacelerou e normalizou, minha ansiedade diminuiu.

- “Assim é melhor.”- Ele beijou minha testa.

- “Eu ia esperar até o final de semana para falar sobre isso, mas agora me parece bom. Nós vamos fazer um acordo. Uma vez que você me conhece, não pode voltar atrás, entendeu?”- Falou.   Eu engoli em seco.

- “Eu estou tentando.”-

- “Você sabe como eu sou. Você já viu o pior de mim. Noite passada, você disse que me queria de qualquer jeito.”- Ele esperou minha confirmação.

- “Aqui é onde eu fodo tudo. Eu não confio em você para tomar essa decisão por você mesma, e eu não deveria, por isso eu tenho estado tão preocupado. Seu passado me assusta S/N.”-Nathan indiretamente estava levando Jimin para longe de mim e isso era doloroso, eu abracei forte os meus joelhos.

- “Não dê a ele esse poder.”- Falei.

- “Eu não dou. E você tem que perceber que existe mais de uma resposta para tudo. Quem disse que você precisa de mim? Quem disse que você não é saudável? Não foi você. Você não é feliz, porque está se prendendo ao passado.”- Disse ele.

- “Homens não...”-

- “Foda-se isso. Nenhum de nós é normal. E tudo bem. Desligue essa voz em sua cabeça que a está prendendo. Confie em mim para saber o que você precisa, mesmo quando você achar que não. E eu vou confiar em você para estar comigo apesar dos meus defeitos. Você entendeu?”-  Eu mordi meu lábio inferior para tentar ocultar o tremor e assenti. 

- “Você não me parece convincente,”- Ele disse docemente.

- “Eu tenho medo de me perder em você Jimin. Eu estou assustada, vou perde uma parte de mim que eu tive muito trabalho para tê-la de volta.”-

- “Eu nunca deixaria isso acontecer.”- Ele prometeu

- “O que eu quero para nós é que possamos nos sentir seguros. O que nós temos não deveria nos sugar tanto assim. Deveria ser como uma rocha sólida, segura.”- Falou.Meus olhos ardiam com as lágrimas só de imaginar isso.

- “Eu quero isso.”- Eu sussurrei.

- “Muito”-

- “Eu vou dar isso a você  meu anjo.”- Jimin inclinou sua cabeça e me beijou.

- “Eu vou dar isso para nós. E você vai ficar comigo.”-  

 

                                        (...)

 

- “As coisas parecem estar melhores essa semana”- Dr. Petersen disse quando Jimin e eu chegamos para o nosso compromisso de quinta a noite, nossa terapia.

   Nós nos sentamos lado a lado dessa vez, de mãos dadas. Jimin fazia carinho em meu pescoço e eu olhei para ele sorrindo, feliz pelo contado.

  Dr. Petersen abriu o arquivo do nosso caso em seu tablet e se sentou, confortavelmente em seu lugar.

- “Tem alguma coisa em particular que vocês gostariam de falar?”- Perguntou.

- “Terça feira foi difícil.”- Eu disse baixinho.

- “Imagino que sim. Vamos falar sobre a noite de segunda. Você pode me dizer o que aconteceu S/N?”-  Eu falei para ele como foi acordar de meu próprio pesadelo e perceber que eu estava presa a Jimin, eu fiquei junto a ele durante toda a noite e no dia seguinte também.  

- “Agora vocês estão dormindo separados?”-  Dr. Petersen perguntou.

 - “Sim”-

- “Seus pesadelos”- Ele olhou para mim.

- “com que frequência você tem?”-

- “Raramente. Antes de Jimin, faziam quase dois anos desde o ultimo.”-  Eu o vi baixar a cabeça e digitar rapidamente. Alguma coisa me deixou ansiosa.

- “Eu o amo,”- Eu soltei. Jimin enrijeceu ao meu lado.

 Dr. Petersen levantou a cabeça e me observou. Ele olhou para Jimin e depois olhou de novo para mim.

- “Eu não duvido disso. O que a fez dizer isso S/N?”- Dei de ombros sem jeito, sentia o olhar de Jimin em meu rosto.

- “Ela quer sua aprovação.”-  Jimin disse severamente. Suas palavras me arranharam como uma lixa.

- “Isso é verdade?”- Dr. Petersen me perguntou.

- “Não.”-

- “O inferno que não.”- Jimin disse com a voz grossa.

- “Não é.”- Eu argumentei, eu precisava que ele dissesse em voz alta para que eu pudesse entender.

- “Eu só. . . . . Isso é só a verdade. É como eu me sinto.”- Falei.  Eu olhei para o Dr. Petersen.

- “Nós temos que fazer isso funcionar. Nós vamos fazer isso funcionar,”- Eu estava estressada.

- “Eu só preciso saber que você se sente como eu. Eu preciso saber se você entende que falhar não é uma opção.”- Falei.

- “S/N.”- Ele sorriu docemente.

- “Você e Jimin tem muito para trabalhar, mas isso certamente não é insuperável.”- Minha respiração saiu como uma onde de alívio.

- “Eu o amo,”- Eu disse mais uma vez, com um aceno decidido. Jimin ficou em pé, e puxou minha mão.

- “Se você nos der licença por um minuto Doutor.”- 

   Confusa e um pouco preocupada, eu o segui para a recepção vazia. A recepcionista do Dr. Petersen já tinha ido para casa, nós éramos seus últimos pacientes do dia. Eu sabia por causa do tratamento da minha mãe, que essas consultas eram bem mais caras, e estava grata que Jimin estava disposto a pagar não uma, mas duas vezes na semana.   A porta fechou atrás de nós e eu olhei para ele.

- “Jimin, eu juro que não é...”-

- “Shiu.”- Ele segurou meu rosto com as suas mãos e me beijou, sua boca se movia docemente porém com urgência sobre a minha.

   Assustada, levou o tempo de duas batidas de meu coração para que deslizasse minhas mãos para dentro de sua jaqueta e abraça-se seu corpo. Quando sua língua chegou ao fundo da minha boca, um gemido escapou do meu peito.

 Ele deu um pulo para trás e eu olhei para ele, via o mesmo lindo homem de negócios de quando eu o vi pela primeira vez, mas agora, eu olhava em seus olhos... Meu corpo queimava.

 O poder e a intensidade do nosso desejo era abrasador. Seus dedos passearam carinhosamente em minha orelha e deslizaram para minhas bochechas, descendo para meu pescoço. Ele levantou meu queixo e pressionou seus lábios suavemente contra os meus. Ele não disse nada, e nem precisava. Eu o tinha. Ele segurou minha mão e me levou de volta para dentro.     

 


Notas Finais


E aii O que acharam??

Ja vou avisando preparem os coraçõeszinhos pois vai ter
turbullencia nos prox.caitulos.
Aguardem.

Bjinho meus xuxus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...