1. Spirit Fanfics >
  2. Allen Ketchum: The Dark Guardian >
  3. Uma Nova Captura.

História Allen Ketchum: The Dark Guardian - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Olá! Dessa vez eu não demorei tanto tempo assim para atualizar, não é? Bem, aqui vai uma boa notícia: irei atualizar essa história semanalmente até o capítulo 15. Ok, talvez não seja tão boa assim...

Ahem! Primeiramente já vou avisando, há muita revelação neste capítulo, hehehe!

E o título por si só já é bem sugestivo, então... Boa Leitura!

Capítulo 13 - Uma Nova Captura.


Fanfic / Fanfiction Allen Ketchum: The Dark Guardian - Capítulo 13 - Uma Nova Captura.

Em uma sala escura, sentado em uma poltrona, estava um homem alto, médio, de meia idade. Ele tem cabelos muito curtos, lisos e escuros e pequenos olhos da mesma. Ele veste uma camisa preta de mangas compridas com um grande decote em V que mostra uma camiseta branca, calça preta levemente folgada e sapatos pretos. Ao seu lado, há um Pokémon felino grande e quadrúpede. Seu pêlo é castanho claro, com exceção das orelhas com aros pretos. Possui focinho curto, nariz pequeno e preto, olhos vermelhos com pupilas cortadas, orelhas arredondadas, dentes pontudos na mandíbula superior e três bigodes de cada lado do rosto. No centro de sua testa há uma jóia vermelha. Sua cauda longa tem uma curvatura distinta no final. Possui pernas longas e patas de três dedos com garras retráteis.

O homem olhava atentamente para uma enorme televisor grudado na parede. Ele reproduzia um vídeo gravado por uma das câmeras de segurança que tinha mandado instalar nas cavernas do Mt. Lua. O jovem de cabelos negros chamou a sua atenção, a sua face se contorceu levemente ao vê-lo esmagando cada um de seus subordinados com relativa facilidade.

Mas ele ainda era inexperiente demais, o homem observou. Quando Koga, um dos seus melhores subordinados, conseguiu fazer um enorme corte no ombro daquele jovem. Foi meramente um descuido momentâneo, ele se feriu assim por que tentou lutar enquanto protegia aquela garota, o homem pensou.

— O que achou… Senhor Giovanni? — uma mulher um pouco atrás dele perguntou. Ela tem cabelos curtos, loiros e um pouco encaracolado, acompanhado por um boné vermelho-escuro com uma frente branca em sua cabeça. Seu uniforme é um minivestido de mangas curtas preto com o logotipo vermelho "R" na frente, além de luvas brancas que alcançam as mangas e têm uma faixa vermelha perto dessa área, e botas altas brancas na coxa com a mesma faixa perto dos topos e a frente da parte branca de sua roupa de minivestido tem um ponto triangular no topo.

— Ver essa gravação faz o tempo voar… — Giovanni respondeu. A sua voz era indiferente, mas ela escondia a surpresa que estava contida dentro de si. — Não acredito que já são 7 da manhã.

Domino riu. Era a primeira vez que ela tinha visto o seu chefe forçar uma expressão "indiferente" para esconder a sua surpresa. Ele sempre foi frio e impassível, mas não parecia ser o caso agora.

— Verdade… — ela ficou seria de repente. — Mas não importa como eu veja isso, esse garoto é uma ameaça que merece ser eliminada o quanto antes.

— Isso não será necessário, Domino. — Giovanni negou para a surpresa da loira.

— C-Como assim, Senhor Giovanni?! Eu não estou entendendo! — Domino exclamou. Entretanto, a sua resposta foi uma risada um tanto quanto sombria por parte do homem.

— Eu só estou curioso, Domino. — Giovanni disse enquanto acariciava o seu Pokémon, Persian. O felino ronronava com a carícia em sua cabeça.

A loira então, suspirou derrotada. De fato, o seu chefe sempre teve ideias bem… inusitadas por assim dizer, mas ignorar um possível inimigo apenas por "curiosidade"? Pelo amor de Arceus…

Já bastava aquele grupo de adolescentes irritantes que ficaram bem… conhecidos nos últimos três meses, principalmente por causa dos fracassos repetitivos daquele trio de patetas.

Enquanto Giovani acariciava o seu Persian, ele olhava atentamente para o jovem preparando uma esfera de luz esverdeada antes de jogá-la na barriga do Koga, o que arremessou-o até o seu Rhydon preso na parede, causando uma intensa explosão quando se chocaram.

Era no mínimo... Curioso. Koga teve sorte que havia reforços a caminho do local. Ele estava em estado grave - literalmente entre a vida e a morte - quando o encontraram mas com os médicos na Equipe Rocket, Koga já se encontra curado o suficiente para atuar mais uma vez.

Mas o que lhe preocupava era o fato dele ter conseguido vencer o Koga.

Atualmente, ele é o Líder de Ginásio localizado na cidade de Fuschia. Um dos membros da Trindade, um trio dos melhores Rockets da organização.

Bem, se Koga tivesse com todos os seus Pokémons e não com um Rhydon recém-evoluído que ele roubou de um treinador aleatório, com certeza ele venceria aquele garoto facilmente.

Um sorriso dançou nos lábios de Giovanni ao terminar de analisar o vídeo. Algumas memórias nostálgicas passaram pela sua cabeça enquanto via os olhos daquele jovem.

Sim… aqueles olhos. Ele se lembrava claramente da última vez que os viu. Quando foi para cidade de Pallet quando ainda era apenas um Oficial de Elite à 1 ano e 3 meses atrás, Giovani estava em uma missão de exterminar uma traidora que tentou roubar um dos Pokémons que estavam sendo criados no laboratório da Equipe Rocket. Ela era a sua parceira na época, mas acabou meio que… querendo mais do que podia segurar.

Resultado: ela pegou um Pokémon defeituoso mas extremamente poderoso, um que ninguém podia controlar e acabou libertando-o na natureza, matando mais de 100 Rockets no processo. Não havia outra alternativa, ela pegou a única Pokébola de um Pokémon que ela mesma havia capturado quando criança, largou o seu uniforme em qualquer canto aleatório, e fugiu o mais rápido possível para Pallet.

Ela pretendia usar a cidade para se esconder e quem sabe, tentar conseguir o controle da organização novamente.

O nome dela era Miyamoto, um dos Oficiais de Elite da Equipe Rocket, ao lado de Giovani e da própria Domino.

E também mãe de Jessie, um dos Agentes da Equipe Rocket ao lado de James e Meowth, um Pokémon que adquiriu a incrível capacidade de falar a língua humana.

Giovanni suspirou com a lembrança de matar a mãe dessa garota. Até hoje ele mente dizendo que ela morreu em uma missão que tinha como objetivo achar e capturar o Pokémon Lendário, Mew.

Mas a lembrança do garoto que tentou bancar o "herói" acabou vindo em sua mente. O olhar determinado em salvar uma pessoa que ele nem conhecia, muito menos sabia que ela fez. Simplesmente o colocou como "vilão" na primeira oportunidade. No entanto, Giovani tinha que admitir, foi muito divertido vê-lo tentar lutar contra ele mesmo tendo uma clara desvantagem em questão de força.

Claro, essa confiança ocasionou em um erro que ficou "gravado" para sempre em uma parte de seu corpo.

Giovani passou a mão em sua cabeça, onde havia uma cicatriz escondida pelos seus cabelos negros, cortesia do pirralho que lhe golpeou fortemente na cabeça.

Aquilo realmente tinha doído bastante.

.

.

.

Isso dói... — Kirlia gemeu dolorida com lágrimas cômicas saindo de seus grandes olhos enquanto acariciava a sua cabeça onde havia um grande inchaço que, estranhamente, saía fumaça, como se ela fosse golpeada apenas recentemente. Ela estava de joelhos no chão e Pheromosa, já fora da Beast Ball (ou foi assim como Allen apelidou a Pokébola dela), segurou a vontade de rir com essa cena.

— Isso foi por me dar tanto trabalho e por chamar atenção demais. — Allen disse severamente enquanto massageava o seu punho direito.

Ele não estava irritado ou algo do tipo, mas era necessário uma punição por deixar as coisas mais problemáticas para o moreno, mesmo que seja bem leve ao seu ver.

Sim… — Kirlia murmurou. Ela estava mentalmente xingando Pheromosa de todos os nomes possíveis e outros que ela até mesmo acabou de inventar. A pequena já não suportava ver aquele projeto de barata ambulante rindo da sua desgraça. Era irritante demais!

— De todo jeito… — Allen começou chamando a atenção das duas. — Acho melhor ficarmos aqui por enquanto, pelo menos até as coisas se acalmarem lá fora. — ele disse se lembrando do caos que se espalhou pela cidade. O moreno teoriza que não foi apenas Cerulean que sentiu aquele terremoto, por isso, apenas por via das dúvidas, é melhor se esconder até que tudo esteja resolvido.

Traduzindo: vamos ficar treinando até a exaustão... Como sempre. — Kirlia disse desanimada.

Que peninha, não? — Pheromosa disse com um sorrisinho irônico pra cima da pequena.

— Você também irá participar, Pheromosa. — Allen disse fazendo a outra ficar pálida enquanto a Kirlia segurou uma risada, apenas para gemer com a dor de cabeça que sentiu após fazer isso.

Depois disso, Allen, primeiramente, focou em fazer a Kirlia se acostumar com o seu novo corpo, algo que não foi nada fácil no começo, mas depois de um sparring com o moreno, Pheromosa, e com a Violet em seu "mundo interior", Kirlia agora conseguiu um controle moderado sobre os seus poderes novamente (mesmo sofrendo bastante nas mãos do sadismo da sua "querida amiga", Pheromosa).

O incrível também, é que o seu Teleport havia "evoluído". Se encontrando agora no Nível Avançado.

Como Violet disse anteriormente, nesse nível, o usuário é capaz de teletransportar por grandes distâncias, de um lado de um campo para outro, ou no máximo, alguns quilômetros. Atualmente, ela pode teleportar massa igual a várias pessoas ou eletrodomésticos pesados.

Allen também resolveu testar uma coisa, ele sabia que os Pokémons sempre evitavam chegar perto dele, e quando perguntou para as suas duas Pokémons se elas sentiam alguma estranha nele, as mesmas responderam que "sim". Havia uma aura escura emanando dele, uma aura tão amedrontadora e repulsiva que o coração de alguém poderia quebrar se o encarasse por muito tempo.

Allen ficou surpreso com essa revelação, ele até tentou olhar para si mesmo várias vezes, mas não encontrou nada anormal. No entanto, o moreno perguntou porque as duas não tinham medo dele. Elas responderam que, de tanto passarem tempo com ele, acabaram adquirindo uma certa... Resistência à essa aura.

Pheromosa, nunca teve esse tipo de problema pra falar a verdade. Ela mesma tem algo bem parecido. Os seus feromônios podem agir como um "repelente" para Pokémons, foi bem útil para o Allen se lembrar disso. É menos gastos na hora de fazer compras, quem precisa de Repelentes agora?

Já Kirlia… por alguma razão, ela nunca sentiu medo algum "daquilo", era até reconfortante. Era uma "negativamente" que ela já estava acostumada, e viver sem isso acabou sendo estranho, estranho demais pra falar a verdade. Por isso, Kirlia pode dizer que Allen é o humano com quem mais gostou de passar o tempo. Bem, até agora pelo menos, a jornada está sendo bastante interessante.

Allen, quando viu que Kirlia já havia atingido um nível satisfatório de controle, ele permitiu que a mesma descansasse por algumas horas, o que ela aceitou imediatamente.

O moreno também não ficou para trás, ele passou esses três dias treinando duro. Ele decidiu imitar a sua pequena Pokémon e entrou em seu Mundo Interior. Não foi nada fácil aprender como fazer isso, já que ele nunca fez isso antes. Nunca sequer sonhou em fazer isso, pra falar a verdade.

Mas só depois de 30 minutos que o moreno conseguiu entrar em seu plano astral pela primeira vez. Dead Master afirmou que isso é algo impressionante para alguém que é fraco contra poderes mentais como um Guardião de Aura.

Depois de muito pedir, a morena concordou em ajudá-lo a ficar mais forte. Claro, o que veio logo em seguida foi um treino infernal… literalmente.

Allen descobriu da pior maneira ela podia manipular completamente o seu a realidade em seu Mundo Interior. O lugar muitas vezes mudava para uma paisagem congelante, ou para um inferno de chamas verdes cheio de caveiras flutuantes, e estranhamente, Dead Master parecia gostar muito mais desse lugar do que os outros mostrados anteriormente.

Obviamente, eles não lutaram. Allen tentou, mas foi só preciso um aceno de mão da morena para fazê-lo cair no chão com todos os ossos do corpo quebrados. Era brutal, mas o moreno não sentia dor nenhuma. Uma bela vantagem, diga-se de passagem.

Bem, isso até o treinamento iniciar…

Como dito antes, Dead Master podia manipular a realidade dentro do seu Mundo Interior, e para mostrar isso, ela fez vários "parceiros de treino" aparecerem do nada. Eram esqueletos que tinham chamas verdes por todo o "corpo".

E eram milhares deles…

O primeiro objetivo foi lutar contra todos eles com os olhos vendados. Era um absurdo, na visão do Allen, mas ele sabia que era para melhorar as suas habilidades sensoriais, e ele era péssimo em sentir presenças.

E claro, pra não perder a diversão, Dead Master aumentou a sua sensibilidade a dor. Como Allen se curava no momento em que era ferido, seria muito injusto se ele não sofresse um pingo de dor. Bem, isso e o fato de que era muito divertido ouvi-lo gritar sempre que errava os seus golpes e sofria um ataque dos esqueletos.

Ok, talvez ela seja um pouco sádica.

Mas isso era necessário. Na Manipulação da Aura, fatores como: distância, massa, precisão e etc. dependem do conhecimento, habilidade e força do usuário e dos limites naturais de seu poder.

Outro limite muito interessante, era que cada usuário só pode ter um tipo de Aura por vez, mas Allen era uma anormalia completa.

Um humano que possuí não só a rara Green Aura, como também aquela Aura.

A Green Aura pode não ser do tipo combatente, mas ter um suporte que pode curar ferimentos graves em segundos daria uma vantagem enorme para cima dos inimigos.

Mesmo assim, é cedo demais para ele aprender qualquer habilidade avançada desse tipo. Por isso, ela só ensinou-o como curar ferimentos leves ao ponto de cicatrizá-los rapidamente. Uma cura perfeita é impossível em seu estado atual.

Por isso, no momento, Dead Master está se focando em reforçar o básico para ele.

A primeira habilidade básica, a capacidade de gerar Aura em seu corpo.

Com ela, o usuário pode liberar-se e cercar-se de Aura para fins defensivos e/ou ofensivos. Dependendo do nível, a pessoa se torna quase intocável e acaba concedendo-lhe várias habilidades/ataques que dependem também do tipo de Aura. Logicamente, ela também pode oferecer ao usuário recursos físicos aprimorados, como velocidade, força e durabilidade.

Isso é algo que o moreno tem usado desde que essa jornada começou. As suas habilidades físicas são aprimoradas para um nível em que até um adulto teria dificuldades em segurar um de seus golpes. Infelizmente, o seu corpo não é muito adequado para essa habilidade, o que faz com que ele não a use da maneira correta em certas ocasiões.

Esse é mais um dos motivos dela estar usando esse treinamento espartano. Não há diferença de tempo em relação ao Mundo Exterior, então, o seu corpo se desenvolverá mais rapidamente. Entretanto, mesmo com esse tipo de treinamento, Allen deve demorar pelo menos umas três semanas para ter um corpo levemente decente que será capaz de suportar toda a Aura em seu corpo.

Depois disso, Dead Master irá ensiná-lo a manipular a própria Aura. Um usuário que sabe fazer isso é capaz de ver, mudar e manipular sua própria aura em seu corpo. Isso é feito alterando certas qualidades da aura e transformando ou mudando certos atributos da aura para algo diferente. Por exemplo, ele poderia mudar de humor mudando a cor de sua aura. A saúde dele também pode ser alterada, pois dar-se uma aura brilhante daria saúde perfeita. Se ele possuí outros poderes, ele pode mudá-lo também, manipulando sua aura.

Foi isso que ela fez quando Allen lutou contra aquela Ultra Beast. Usando a sua foice, a morena pode modificar certos atributos em sua aura, alterando temporariamente o seu tipo. Entretanto, mudar o tipo de uma Aura causa um tremendo estresse em seu corpo.

Mudar algo que foi decidido em seu nascimento com certeza causará efeitos devastadores. Se ele não fosse um usuário da Green Aura, ela nem pensaria em fazer uma coisa dessas.

Bem, pelo menos ele não morreria… certo?

Agora ela chegou nos dois tópico em que o Allen é horrível. A capacidade de "ocultar" a sua Aura e a capacidade de "ler" a Aura.

Suprimindo ou impedindo a sua aura ou a aura de outras pessoas de serem detectadas e/ou reconhecidas, o usuário será capaz de ocultar a sua presença, emoções, alinhamento, saúde, níveis de poder, personalidade e etc. dos outros.

E podendo perceber ou ler auras, ele poderá ver as emoções, o status de saúde, o nível de poder e até o alinhamento moral de uma pessoa.

Isso são coisas básicas, mas ele deve aprender isso o quanto antes..

E assim, três semanas se passaram num piscar de olhos.

.

.

.

Allen, neste momento, estava caminhando tranquilamente entre em um lugar que ficava entre as Rotas 24 e 25. Já fora da caverna, os cabelos preto curto e olhos castanhos pareciam brilhar na luz do sol de manhã. Ele poderia ser descrito como um homem bonito e de aparência frágil, tão bonito que parece ser um personagem tirado de um livro de fantasia.

As suas roupas atuais consistem em um casaco preto com forro de pele marrom que desce até os quadris, além de um decote em V liso e preto de mangas compridas, calças e sapatos marrons escuros.

No caminho, ele viu alguns Pokémons do tipo Grama espalhados pela rota. Agora que o moreno aprendeu a suprimir aquela Aura negra, os Pokémons estão aparecendo com bastante frequência. Isso facilitava e muito o seu trabalho de coletar os seus dados.

— É... acho que é hora de capturar um novo Pokémon… — Allen disse pensativo para si mesmo. Mesmo não demonstrando, estava muito empolgado em aumentar o seu time. Mas então, algo chamou a sua atenção.

Um Pokémon estava puxando uma corda que está amarrada em um pequeno tronco, era basicamente um galho do tamanho da sua mão.

Ele é um roedor, pequeno e quadrúpede. Tem pêlo roxo com um rosto de cor creme, patas e barriga. Tem olhos estreitos e vermelhos, orelhas arredondadas com interior creme e um bigode em cada bochecha. Sua cauda longa é bem enrolada no final. Sua característica mais notável são os dentes grandes. Mas olhando de perto, dava-se para ver uma espécie de peruca marrom na cabeça do roedor.

Rattata: O Pokémon Rato. Esse Pokémon pode viver onde quer que encontre comida, que procura na maior parte do dia. Graças às suas presas afiadas, é capaz de mastigar quase tudo. Quando está ameaçado, o Rattata pode oferecer uma mordida poderosa. Seus dentes grandes também são úteis ao usar seus movimentos de assinatura, Hyper Fang e Super Fang. Rattata constantemente mantém seus ouvidos para cima e se afasta imediatamente do menor som. Sua robustez permite viver em muitos ambientes, embora viva principalmente em planícies e savanas. Por se reproduzir tão rapidamente, um par de Rattata pode colonizar rapidamente uma área.

— Um Rattata… eh? Eu não tinha visto um até agora, mas com certeza sei que eles não tem cabelo castanho. — Allen concluiu ao ver a imagem do Pokémon ilustrada em sua Pokédex. Depois disso, guardou o aparelho no bolso do casaco. — Acho melhor capturá-lo para que o Professor analise esse fenômeno bizarro.

— Whoaa! Quem iria pensar que poderia ser tão difícil acender um fogo? — o Rattata falou desistindo de puxar a corda. Coçando a cabeça, ele deu um suspirou pesado.

Allen imediatamente cerrou os olhos desconfiado. Por quê? Simples! Aquele Pokémon acabou de falar a língua humana!

— Droga, se eu fosse um humano, poderia pegar esse galho velho como se fosse… um galho velho! — o Rattata reclamou irritado.

— Será que eu fiquei maluco de tanto ficar naquela caverna? — Allen se perguntou balançando a cabeça, mas com isso, ele acabou chamando a atenção do pequeno roedor para si.

— Ah, que bom! — os seus olhos se iluminaram. — Um ser humano! Já estava achando que ninguém iria aparecer por aqui!

— É… ele fala mesmo. — Allen disse com uma expressão indiferente no rosto.

— Seja bem vindo! — o Rattata pulou de alegria e começou a se aproximar do moreno. — Venha, jovem amigo, me dê uma mãozinha aqui.

O roedor estendeu a mão, mas Allen apenas ficou olhando, pensando se deveria ou não ir com… "ele"?

— O que foi, garoto? Será que eu lhe assustei? — o Rattata passou a mão na cabeça com um sorriso amarelo enfeitando o seu rosto.

— Que tipo de mutação estranha você sofreu? — Allen indagou.

— Ei! Isso é rude! — o pequeno roedor se indignou. — Isso pode parecer um Rattata mutante… mas todos me conhecem com um Expert Pokémon!

— Mas você é literalmente um Pokémon… — o moreno comentou.

— O meu nome é Bill e pra sua informação, eu-

Ele teve que se auto-interromper ao perceber que já não se encontrava no chão. Na verdade, o pequeno Pokémon pode sentir o seu corpo sendo segurado por garras bastante afiadas aparentemente. Ambos piscaram confusos com esse desenvolvimento, o roedor principalmente, estava muito mais perdido. No entanto, após alguns milésimos, o Rattata percebeu que havia se tornado a presa de um Pokémon Voador.

— Ok… acho que já esperava por essa. — Allen comentou com um pequeno sorriso. Ele já havia sentido a aura daquele Pokémon vir em direção ao pequeno roedor, só queria mesmo ver a reação dele.

— EI! NÃO FIQUE AÍ PARADO SÓ OLHANDO QUE NEM UM IDIOTA, GAROTO! ME AJUDAAAA! — o Rattata gritou irritado com aquela expressão divertida do moreno.

O Pokémon que o raptou era grande e a cor marrom residia na maior parte do seu corpo, com pescoço abutre e asas largas e poderosas. Possui um bico longo, pontiagudo, rosa e um coxcomb vermelho decorativo no topo da cabeça. Seus olhos estreitos têm pupilas muito pequenas e não parecem ter íris coloridas. Possui penas desgrenhadas na base do pescoço e cobrindo a parte superior das asas. Essas penas são de cor creme, assim como as pontas das penas de voo. Suas garras afiadas são rosa, com três dedos apontando para a frente e um apontando para trás.

Fearow: O Pokémon Bico. É a forma evoluída do Spearow. Fearow tem estado em torno de muitas vezes inalterado por muitos anos, como um Pokémon semelhante a ele tem sido visto em murais antigos. Suas grandes asas e resistência permitem que ele voe por um dia inteiro sem aterrissar. Seu pescoço longo e bico permitem que ele arrance presas tanto da terra quanto da água, e é até conhecido por roubar de humanos incautos. Ele vai atirar para cima, e depois mergulhar para pegar presas. Também pegará pequenos insetos que se escondem no subsolo e circulam o oceano por peixes. Fearow são encontrados naturalmente em habitats abertos com climas mais quentes, principalmente desertos e campos desolados.

— A natureza pode ser bem cruel às vezes... — Allen comentou com um sorriso depois de scanear os dados daquele Pokémon em sua Pokédex.

— ME AJUDAAAA! — o pequeno roedor gritou desesperado.

— Será que ele não pode ficar de bico fechado? — Allen indagou enquanto partia em perseguição ao Fearow.

— EU OUVI ISSO, HEIN! E FOI UMA PIADA DE MUITO MAL GOSTO!! — o Rattata gritou indignado.

Certo… primeiro, eu preciso parar aquele Fearow. — Allen pensou ignorando completamente os gritos indignados do roedor. — O Psychic da Kirlia deve ser o suficiente, mas ela com certeza não vai colaborar… — ele pensou ao se lembrar que o seu estoque de ração para Pokémon havia acabado, e no momento, a pequena se encontra fazendo uma espécie de "greve" para não batalhar até que esteja de barriga cheia.

A minha aura está fora de questão, o que me deixa com uma única opção… — Allen suspirou. Não esperava ter que usá-la em um momento como esse, mas parece que o destino tinha outros planos.

Pegando a mini-Beast Ball do seu cinto, o moreno logo apertou o botão para fazê-la crescer em sua mão. Jogando, a mesma logo se abriu, revelando uma silhueta conhecida para o moreno e totalmente desconhecida para o roedor.

O quê? Onde? Como? Por quê? — Pheromosa indagou completamente perdida enquanto olhava repetidamente para o lugar à sua volta. Ela apenas via árvores, formações rochosas, uma grama que se entendia até onde a sua visão podia alcançar e um Pokémon voador carregando o que parece ser… um Rattata de peruca?

Ok, isso é muito estranho.

— Ei, Pheromosa! — a sua atenção foi chamada para o seu treinador passando por si, ele estava correndo e parecia com pressa. Então, sem outra alternativa, a Pokémon Lissome correu rapidamente em direção ao moreno.

Pode me explicar por que estamos correndo? E mais importante, por que EU estou aqui? — Pheromosa indagou com uma leve carranca irritada ao ficar lado a lado com o seu treinador.

— Eu quero que você derrube aquele Fearow usando o Bounce. — Allen pediu seriamente. Dando de ombros, Pheromosa aumentou a velocidade ficando quase invisível a olho nú, e pulou de árvore em árvore até chegar à uma altura acima do próprio Pokémon aviário. O mesmo se virou rapidamente para confrontá-la, mas era tarde demais. A UB-02 Beauty já estava com a perna próxima da sua cabeça. Um forte chute foi desferido por Pheromosa, o que ocasionou em em perda de controle em seu vôo.

O impacto do golpe em sua cabeça foi o suficiente para fazê-lo soltar o Rattata e desorientá-lo momentâneamente. E em seguida, logo veio o efeito secundário daquele movimento.

A paralisia.

— Ótimo! — Allen comemorou ao ver isso. De acordo com os livros que ele leu em Pallet, se você quiser parar um Pokémon Voador, a primeira coisa a se fazer é dar um jeito de paralisar as asas dele.

— AAAHHHH!!! — o Rattata gritou desesperado ao se ver caindo em direção ao chão. Mas para a sua sorte (ou talvez não), ele bateu a cabeça em um galho, o que mudou a trajetória de sua queda para um simples arbusto.

CHEGA!!! — Fearow rugiu irritado enquanto abria as suas asas para interromper a sua queda, mas devido ao incômodo que sentia em seu corpo, não conseguiu ficar mais do que 2 metros acima do chão. Os seus olhos escanearam rapidamente o lugar à sua volta na tentativa de encontrar o responsável por aquele golpe.

Quando os seus olhos encontraram um treinador moreno e um Pokémon similar à uma barata, um brilho de rancor emitiu de suas pupilas. Não por causa do Pokémon, mas sim, por que aquele treinador se parece com um certo moreno de duas cicatrizes nas bochechas acompanhado de um Pikachu em seu ombro.

Isso lhe rendeu más lembranças.

O que há com ele…? — Pheromosa indagou confusa. Allen, por outro lado, estava completamente ciente do estranho ódio que estava sendo redirecionado para ele.

Olhando para o lado, Allen viu que não podia usar a sua Aura aqui. Ele sabe que aquele roedor está observando essa as escondidas. Não sabe como, mas aquele Rattata tem a Aura de um humano e não à de um Pokémon. Pode ser uma teoria meio doida, mas o moreno acredita que, de alguma forma, aquele "Bill" se transformou em um Rattata.

Mas isso é algo que ele resolverá mais tarde.

— Ei! Não fique distraído, garoto! — o Rattata avisou, despertando o moreno de seus desvaneios. Ele precisa parar de pensar tanto assim durante uma luta.

Você… — Fearow rugiu silênciosamente, e em uma incrível demonstração de força de vontade, levantou as asas mesmo com a paralisia tentando o impedir de usar um movimento. Logo, as asas de Fearow brilharam em um tom azul-claro.

— Ei, ei, ei! Só pode ser brincadeira, não é?! — o Rattata entrou em pânico ao perceber o que Fearow iria fazer.

— Essa posição… é o Hurricane?! — Allen exclamou surpreso.

SUMAM DA MINHA FRENTE!!! — o Pokémon Bico gritou possesso. Com um brilho irritado em seu olhar estreito, ele bateu as asas fortemente, soltando uma poderosa rajada de vento no processo. O furacão foi o suficiente para fazer várias árvores balançarem furiosamente e outras acabaram sendo arrancadas enquanto o poderoso ataque Voador devastava tudo em seu caminho.

— Pheromosa, use Agility para evasiva! — Allen bradou colocando um braço na frente do rosto. Ele usava a sua Aura silênciosamente em seus pés para se manter em pé. Moldando a estrutura do seu poder, o moreno fez com que a sua ura assumisse uma característica grudenta abaixo dos seus pés. Era algo simples, de fato, mais isso o permitiria subir em árvores ou em paredes sem precisar usar as mãos.

Com o seu corpo brilhando em um tom esbranquiçado, Pheromosa usou algumas das árvores que estavam voando para se manobrar entre o poderoso furacão. Ela sabia que se esse movimento a atingisse totalmente, não sairia ilesa.

Enquanto isso, escondido em um buraco feito no chão, o Rattata seguia se encolhendo para evitar de ser levado pelo furacão. Ele não conseguia acreditar que um Fearow acabou de usar o Hurricane.

Na verdade, o seu nome é Bill, um Pesquisador Pokémon responsável pela criação do Transportador usado em todos os Centros Pokémons de cada cidade do mundo inteiro. Acontece que, durante uma de suas experiências em atualizar a sua invenção, ele acabou trocando de corpo com um Rattata selvagem. E agora está aqui, correndo risco de ser devorado por um Fearow completamente quebrado!

Pra quem ainda não entendeu, o Hurricane é um movimento que é comumente usado pela família dos Pidgeys e pelos Gyarados também, e entre outros Pokémons espalhados pelas regiões. Mas nenhum deles incluí a espécie dos Fearows!

E Allen também sabe disso. E é exatamente por esse motivo que ele não consegue parar de sorrir. O moreno já havia se decidido: iria fazer desse Fearow o 3° membro do seu time.

— Pheromosa, agora use o Double Kick! — com a sua decisão tomada, Allen ordenou ao ver que o movimento do adversário havia se dissipado.

A Pokémon Lissome, com a sua velocidade melhorada pelo Agility, se aproximou do Fearow em um piscar de olhos. Energizando as suas pernas, ela desferiu dois golpes rápidos em sua barriga, o jogando para atrás e, dessa vez, ele caiu no chão.

— Será que devo…? — Allen se perguntou enquanto a sua mão se aproximava de uma Pokébola reserva presa em seu cinto, mas suspirou depois de ver que, pelo que a sua Aura demonstrava, aquele pássaro não iria desistir tão fácil.

E confirmando isso, Fearow se levantou vagarosamente e com muita dificuldade, ele ficou em pé. Aqueles golpes fizeram o Pássaro Bico entender a diferença de nível entre ele e aquela barata ambulante. Mesmo sendo obviamente do tipo Inseto, ela lhe superava em força e principalmente, em velocidade.

Eu sabia que fêmeas podiam ser assustadoras, mas aquela ali é um monstro — Fearow pensou abrindo um leve sorriso. Não iria se deixar desesperar por algo assim, foi graças à isso que conseguiu evoluir nestes três. Todos os dias, durante a maior parte deles, o pássaro se dedicou a batalhar sem parar, apenas para poder superar aquele ratinho convencido que varreu o chão com o seu bando à três meses atrás. Não importava o quão assustador, difícil, desesperador ou impossível podia ser, ele sempre conseguia achar um jeito de passar por cima dos seus adversários. E tudo isso, graças a sua habilidade especial.

Keen Eye.

É uma habilidade que aumenta exponencialmente a sua precisão. No entanto, era incrível que, mesmo com isso, ele não conseguiu acertá-la com o Hurricane.

Mas isso não importa.

Sim... Esse será o meu último… — ele pensou enquanto se encolhia e levantava as asas: a esquerda se dobrou na frente do seu rosto, e a direita ficou ereta.

— Oh… eu conheço essa posição. — Allen disse olhando de canto para Pheromosa. O moreno não sabia o motivo, mas lutar contra ela parece ter deixado ele mais motivado.

Um último ataque? — Pheromosa abriu um pequeno sorriso em seu rosto, que rapidamente se desmanchou tão rápido quanto apareceu, voltando à aquela sua face inexpressiva abtual. Bill não sabia o por que, mas sentia que já viu esse Pokémon em algum lugar. — Bem… acho que devo responder à altura, não é? — ela começou a dar alguns pulos para se aquecer. Já havia conversado com o Allen antecipadamente sobre querer terminar essa luta sozinha. Ele, logicamente, permitiu.

O céu, antes ensolarado, agora era nublado devido à influência do Hurricane. Pequenas gotas de chuva começaram a cair à medida que a tensão e ansiedade no local, aumentavam gradativamente.

Então, quando Pheromosa deu o seu último pulo, era como se o tempo tivesse desacelerado.

Fearow avançou em uma velocidade que contradizia o estado de seu corpo enquanto girava rapidamente e o seu bico adquiria um brilho esbranquiçado.

— Cuidado! É o Drill Peck! — Bill avisou ao ver o movimento usado pelo Pássaro Bico.

Assim que sentiu o chão em seus pés, Pheromosa avançou novamente, mas dessas vez, com o braço direito estendido para trás. Um brilho laranja iluminou o seu braço e fechando a mão fortemente, a Pokémon Lissome usou o seu movimento, Brick Break, para interceptar o Drill Peck de Fearow.

Normalmente, usar um movimento tipo Lutador para disputar com um do tipo Voador seria considerado loucura, mas todos ali sabiam que essa regra não iria se aplicar nesta disputa. A diferença de níveis era tão grande quanto a distância entre o Sol e a Terra.

E Fearow tinha plena consciência desse fato.

No entanto, antes que os seus golpes se colidissem, o Pokémon Bico cercou o seu corpo com um brilho eólico e usou o seu triunfo.

O Aerial Ace.

Pheromosa arregalou os olhos em surpresa ao vê-lo desaparecer e reaparecer praticamente com o bico perto de seu peito. Usando toda a sua experiência acumulada em batalhas anteriores, ela colocou a mão livre e a fez se tornar delineada em uma aura vermelha brilhante. Em seguida, formou-se uma barreira vermelha brilhante de energia à sua frente que a protegeu do ataque.

Esse era o triunfo da própria Pheromosa, Quick Guard.

Um movimento que pode bloquear ataques extremamente rápidos ou praticamente infalíveis como Aerial Ace e Quick Attack.

A colisão dos golpes foi o suficiente para causar uma cortina de fumaça, o que deixou Bill ainda mais aflito, já que não conseguiu ver quase nada do que aconteceu agora a pouco. Allen por outro lado, viu tudo perfeitamente, e teve que dar um leve assovio em surpresa com o aquele pássaro fez.

Quando a cortina de fumaça se desfez, apenas revelou o que Allen já esperava. Pheromosa de pé, enquanto Fearow estava no chão, inconsciente.

— Eh… o que acabou de acontecer? — Bill perguntou saindo do seu esconderijo ao ver que não tinha mais perigo de se tornar a próxima refeição daquele pássaro.

— Bem, muitas coisas. — Allen respondeu sem ligar muito. Se aproximando tranquilamente dos dois, ele pegou a Pokébola do seu cinto, apertou o botão para aumentar o seu tamanho e a jogou no Fearow inconsciente.

A bola girou uma…

Duas…

Três vezes até completar a captura.

Isso! — Allen murmurou contente. Depois de guardar a Pokébola, ele se virou em direção à Pheromosa que estava olhando intensamente para a sua mão.

A mão que foi usada para o Quick Guard, estava com um corte manchado do seu próprio sangue. Mesmo depois de usar esse movimento, não havia tempo o suficiente para defender aquele ataque corretamente. Mesmo assim, só o fato daquele Fearow ter conseguido ferir Pheromosa foi o suficiente para conseguir o seu respeito. Ele ainda tem pesadelos com o que aconteceu na Floresta de Viridian quando se conheceram pela primeira vez, apesar da última parte estar em branco.

Hehehehe… Hahahahahaha! Que interessante! Que interessante! — Pheromosa gargalhou, o que assustou e muito o moreno. Ela nunca havia dado uma risada dessas antes, e por sinal, ela precisa melhorar um pouco nesse quesito.

— Bem a tempo, garoto. Bem a tempo… — Bill suspirou aliviado. Mesmo sendo um Pokémon atualmente, ele não consegue entender a linguagem deles como o Allen. Por isso, o moreno esteve se contendo em apenas falar o necessário, ou seja, comandos básicos. E foi bom ele não ter falado nada que pudesse comprometê-lo, afinal, não sabia se aquele Rattata sabia falar ou não a língua dos Pokémons.

Ter cuidado nunca é demais.



Notas Finais


Provavelmente vocês irão dizer que não esperavam por esse Pokémon, não?

Não preciso dizer que o Allen será como uma "contraparte" do Ash, não é? Logicamente, os Pokémons dele tem que ser assim também, hehehehe!

Muitos já devem ter percebido o por quê de eu escolher o Fearow como terceiro Pokémon. O que foi? Vocês não acharam realmente que aquele Rattata iria entrar para o time, não é?

Bem, a luta da Pheromosa não teve muita enrolação. Tentei ser o mais direto e realista possível. Por quê convenhamos, ninguém, absolutamente NINGUÉM, deve ter botado fé de que o Fearow iria conseguir vencer a Pheromosa.

Com tudo isso dito, eu me despeço aqui. Até a próxima semana!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...