História Alliance - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Alexandra Daddario, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Alexandra Daddario, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Amor, Assalto, Criminal, Fanfic, Justin Bieber
Visualizações 243
Palavras 3.898
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiê gente linda do meu coração.

Notas finais importantessss.

Capítulo 22 - Capítulo 21


Anteriormente.

Acordei era 1:00 PM.

Me levantei​ e fui para o banheiro fiz minha higienização tomei um banho.

Passei o dia jogada na cama praticamente, não estava com ânimo para sair e lembrei que precisava voltar para a mansão hoje, eu só estava adiando o inevitável.

Quando era 8 PM resolvi ir embora, peguei um táxi e quando me vi já estava entrando na mansão do Canadá.

Não tinha ninguém no hall de entrada e eu não conhecia tão bem essa mansão, para minha sorte essa também tem elevador então aperto o botão para chamar o elevador, enquanto espero escuto uma voz que eu conheço bem me chamado.

-Ashley?

×~×~×~×~×

-Oi Chris - falo me virando em direção a voz.

-Você é doida? - ele começa a se aproximar com certa fúria. - eu nem dormi a noite inteira te ligando tentando rastrear seu número até a Caitlin estava desesperada ambos não dormimos a noite e só para piorar o Justin chegou de mal humor e cismou que não queria que ninguém cuidasse dele, ele mandou a enfermeira ir se foder e desde que chegou ele está lá no escritório dele se drogando.

-Em relação a não ter dado notícias eu realmente sinto muito Chris, mas em relação ao Justin eu não irei fazer nada, eu quero que ele se foda.

-Ashley por favor, não seja egoísta, ele está desde ontem sem deixar ninguém fazer nada por ele, nem comer ele comeu.

-Christian, se soubesse o que aconteceu não me chamaria de egoísta, o Justin está fazendo drama, depois ele para. - falo indiferente.

-É tem razão, uma hora ele vai parar, quando ele pegar uma infecção por não trocar os curativos e tiver que amputar uma perna, ou ficar desnutrido, ter uma overdose quer que eu continue listando?

Drama.

-Justin atraiu isso para ele mesmo, ele poderia deixar alguém cuidar dele.

-Okay, Ashley, eu estou implorando para você fazer isso.

-Eu não quero que você implore Christian, só quero ficar sozinha e o que te faz pensar que justin quer me ver? - o elevador se abre e eu entro

Christian se ajoelhou na minha frente ficando entre a porta do elevador o impedindo de ser fechado.

- Eu sei que ele vai deixar você cuidar dele. Eu estou implorando, eu não consigo o ver assim Ashley, ele é meu amigo, meu irmão, não posso o ver morrendo aos poucos.

-Christian levantando daí para com isso - falo sério.

-Só quando você falar que vai cuidar dele.

-Okay eu cuido, mas levanta do chão e para com isso.

Ele se levantou e me abraçou.

-Obrigada Ash.

-Só estou fazendo isso por você. E que essa cena não se repita Christian. Cadê ele?

-No escritório se drogando. Há tem uma coisa que precisar saber...

-O que?

-Quer saber, esquece, você logo vai descobrir.

-Depois precisamos nos reunir e falar sobre o que faremos com o Simmons, o que ele fez nos laboratórios não irá passar assim.

Saiu do elevador e vou até onde me lembro ser o escritório do Justin nessa mansão.

Não bato na porta já vou abrindo.

-Mas que porra é essa? Não sabe bater não?

"Pelo Chris, estou fazendo isso pelo Chris" eram os pensamentos que estava tentando manter na cabeça para não desistir e o mandar para o inferno.

Chego perto do Justin e ele está de cadeira de rodas (acho que era isso que Chris queria me contar), tento não parecer abalada, imaginei que isso aconteceria. Puxo de seus dedos um cigarro de maconha.

-Já chega de disso, hora de parar de infantilidade e ser mais responsável.

-Olha quem fala, aonde esteve ontem a noite?

Ele fala tranquilamente, até indiferente.

-Minha vida pessoal não é da sua conta.

-Nem a minha, então se eu quero me droga não é da sua conta - respiro fundo.

-É um seguinte Justin, eu não passei 5 horas sentada em uma cadeira de sala de espera imaginando coisas terríveis quase entrando em pânico, me sentindo culpada, para agora ver você se matar aos poucos, então para de infantilidade e me deixa cuidar da porra do seu ferimento. - falo realmente brava.

Ele não respondeu nada apenas assentiu, então sai empurrando a cadeira de rodas até o elevador, a cadeira era motorizada, Justin estava fazendo isso só para me irritar, sabia que ele estava frustado afinal estamos falando de um mafioso preso em uma cadeira de rodas, mas ele não precisa descontar nas pessoas ao seu redor.

Apertei o botão para chamar o elevador e logo ele chegou, entrei nele com Justin.

-Se foi só em uma perna porquê não pediu muletas?

-Acha que eu não pedi? Eles disseram que eu não posso me esforçar muito porquê se não os pontos da cirurgia abrem e que é quase impossível eu conseguir andar nesse estado.

-Qual é o andar do seu quarto?

Mansão diferente, quartos em andares diferentes.

-Terceiro.

Apertei o botão e logo estavamos no terceiro andar, a realidade é que Justin aonde quer que vá quer um andar só para ele.

Entrei no quarto que tinha portas duplas (o que ajudou a entrar com a cadeira de rodas) e o quarto era enorme, todos os quartos do Justin eram.

Decido começar com um banho.

-Eu vou preparar a banheira.

Entrei no banheiro e coloquei a banheira para encher.

Assim que sai vi Justin fumando maconha de novo.

Lá vamos nós de novo.

-Eu saiu por um minuto e você já está fumando maconha de novo Justin? Eu estou tentando, de verdade eu estou, mas você não me ajuda, é tão difícil coperar comigo?

-Diz isso quando você estiver em uma cadeira de rodas. Plano

-Isso é temporário, logo você vai está andando e correndo que nem antes.

-Pensa que eu sou burro?, a quem está tentando enganar?, eu sei que ficarei com sequelas, o médico disse depois que você foi embora.

-Não é certeza Justin.

-As chances não são pequenas e você sabe disso.

-Justin esse tiro na virilha poderia ter te matado por conta da artéria femural, que caso você não saiba é a artéria que sai o sangue do seu coração, então esteja grato por simplismente estar vivo.

-Vivo e preso em uma cadeira. - responde irônico.

-Não vai adiantar ficar bravo e descontar em mim como se a culpa fosse minha.

-E não é? - aquilo foi como um tiro, até pior.

-É tem razão, e eu assumo minha responsabilidade - sabe aqueles momentos na vida que você ouvi algo que tem um fundo de verdade e é tão forte que você nem sabe como se defender?, estava em um desses momentos.

-Ashley, me desculpa, eu não quis dizer isso eu só…

-Por favor, não fala nada, só deixa eu fazer o que tenho que fazer e ir embora.

Ele não disse nada, ele tirou a blusa e eu presumi que teria que tirar a calça dele porquê afinal ele não iria conseguir por último removi seu curativo da virilha.

O coloquei na banheira e vi que Justin está simplesmente odiando depender de alguém, ele se virou bem sozinho para tomar banho.

Ele saiu do banho e eu o coloquei na cama, entreguei uma roupa para ele, ele colocou só a blusa já que eu teria que cuidar do machucado que está em sua virilha, estava tranquilo pelo menos para mim, afinal eu já tinha visto tudo aquilo antes.

Peguei o kit de primeiros socorros e fui até a cama, ele deixou visível a virilha cobrindo parte de seu membro com a toalha.

Peguei a gaze e o soro, joguei o líquido no local passando o algodão delicadamente, ele estava claramente nervoso, mas não do jeito explosivo, eu não sabia dizer se ele estava sentindo dor ou tesão por ter alguém mexendo tão próximo do seu membro com um líquido.

-Porra - ouvir ele murmurar.

-O que?

-Nada - responde com a voz quase trêmula, a jugar o modo que ele está, segunda opção está correta.

Termino o curativo sem dizer nada.

-Eu vou descer para pegar sua janta e seus remédios.

-Ashley, me desculpa, eu não quis dizer aquilo, a culpa não foi sua.

-Dizer isso da boca para a fora não ajuda agora.

-Não é da boca pra fora, se você não tivesse o atingindo com a faca, ele teria me pego e talvez me matado.

-Agora eu sei que para ter oferecido aquela troca provavelmente você já tinha um plano muito bem bolado, afinal por que faria aquela troca não é mesmo?

Saiu do quarto e desço para pegar seu jantar, os remédios e um jarro de água afinal ele tomaria remédio a madrugada inteira.

Entendo que está sendo difícil para ele mas me culpar de tudo não vai fazer ele levantar da cadeira de rodas e sair pulando e tudo é temporário, conhecendo Justin assim que cicatrizar ele vai voltar a correr feito doído.

Entrando no elevador tenho a infelicidade de encontrar Brooke que pega o mesmo elevador que eu.

-Isso tudo é culpa? - ela pergunta olhando para as coisas que seguro.

-O que Brooke? - falo revirando os olhos sem paciência.

-Está cuidado dele por se sentir culpada? Afinal sua jogada imprudente teve um alto preço, sabia que se atacasse o cara ele atiraria no Justin e mesmo assim você o atacou.

-Primeiro, não fale como se Justin nunca mais fosse andar, segundo, pelo que me lembro não fui eu quem deixou o cara escapar, se não tem capacidade o suficiente para colocar alguém sentado em uma cadeira ainda por cima estando armada não deveria estar na máfia.

Dito isso o elevador abriu e eu saí.

Entro no quarto, puxo uma cadeira coloco ao lado da cama, eu poderia me sentar na cama é uma cama enorme, mas eu quero o máximo de distância.

-Esse são os remédios e aqui está a janta, eu vou esperar você comer para me certificar que vai tomar todos os remédios.

-Okay - ele comeu tudo, pelo menos isso.

Olho a receita e algumas instruções do médico e para minha infelicidade lá está escrito que o Justin precisa de uma acompanhante durante a noite também, de acordo com o médico ele provavelmente não dormirá nos próximos dias por conta da cirurgia e que como vai tomar remédio durante a madrugada é essencial ter uma, "fodeu" foi tudo que pensei.

-Eu quero ler a receita. - acho que ele percebeu minha cara de desaprovação lendo a receita.

-Só diz que terá que tomar remédios, coisa que você já sabe.

-Mas eu quero ler. - entrego para ele muito relutante, eu sabia que sobraria para mim.

Ele pega a receita e começa a ler.

-Não precisa ficar se não quiser. - respiro fundo.

Eu realmente queria falar "Nem cogitou na minha cabeça ficar, você é insuportável, seria capaz de não te suportar e dar um tiro na minha cabeça durante a noite", mas a única coisa que saiu da minha boca foi:

-Eu fico, hora de ser adulta e deixar certas coisas de lado.

Eu não queria ficar mas sabia que Justin não tomaria os remédios e nem abriria a porta para mim dar para ele.

"Ótimo, de espiã que pertence ao maior império do mundo para babá de um idiota"

-Obrigada.

-Não me agradeça, eu realmente não estou fazendo isso por você, é pelo Chris. - falo entregando um remédio e um copo com água.

-Entendo. - ele engole o remédio junto com a água e me entrega o copo.

Saiu sem dizer mais nada e vou para meu quarto nessa mansão que era no andar de baixo.

O problema não era necessariamente ter que cuidar dele e sim o fato dele jogar na minha cara que a culpa foi minha, mas eu não me sinto culpada, me senti ontem, mas eu sei que fiz o necessário, ele deveria no mínimo me agradece ou agora ele poderia estar no saco.

Vou ao closet e pego um pijama formado de calça e blusa e uma pantufa, eu gosto não me julguem, são confortáveis.

Entro no banheiro e tomo um longo banho, saiu e começo a desembaraçar meus cabelos, e os coloco tudo para trás, ele está bem longo, mas não quero cortar.

Ligo meu celular e vejo que tenho umas chamadas perdidas do Chris, da Caitlin e do Gonzalez todas de ontem mas não me importo e nem retorno as do senhor Gonzalez.

Pego meu notebook para fazer a mesma coisa que eu tenho que fazer semanalmente, os relatórios até que escuto alguém batendo na porta.

-ENTRA - grito.

-Não vai descer?, todos já comeram - Caitlin

-Vou depois - respondo forçando um sorriso ela se aproxima e se joga na cama ao meu lado.

-Então?, como estão as coisas?

-Ruins, mas nada que eu já não tenha passado.

-Justin está comendo seu juízo?

-Que juízo?, acho que eu tinha ele a uns meses atrás até Justin o comer por completo.

-Sabe que não precisa fazer isso sozinha não sabe? pode me chamar se precisar.

Minha relação com a Caitlin melhorou muito de uns tempos para cá.

-Ai é que está, Justin está insuportável, ele não aceita ajuda de ninguém, eu sou uma excessão porquê tive que brigar com ele para ele aceitar minha ajuda.

-Tem certeza que só brigou com ele ou não o ameaçou com uma arma por acaso? - ela perguntou irônica.

-Queria mas seria injusto considerando o estado atual dele.

-Seria mesmo, ele está dormindo agora?

-Não sei, depois vou aparecer lá no quarto dele.

-Para que?

-Parece que ele precisa de uma acompanhante durante a noite.

-Hm, vai dormir no quarto do Bieber né - disse me lançando um olhar malicioso.

-Para Caitlin - falo tancando um travesseiro nela - sabe que não é dessa forma.

-Claro que não, depois do tiro na virilha que ele tomou não aguentaria nem o primeiro round.

-Tem certeza? Ele é o Bieber.

-Hm, admite que gostaria de um primeiro round né.

-Caitlin as vezes você me assusta profundamente, eu não disse nada disso, do Bieber eu quero distância.

-Por que?

-Ainda pergunta?, você também acha que a culpa foi minha?

-Claro que não, não seja ridícula, a culpa foi da Brooke, aposto que ela fez de propósito.

-Para Caitlin, ninguém prejudica a equipe ou coloca em risco a vida de quem "ama" por causa de uma implicância pessoal.

-Tem certeza?, bom como você disse ela não colocaria a vida de quem ama em perigo, acontece que ela não te ama, a princípio sua vida foi colocada em risco até Justin resolver fazer a troca, e que me permita dizer, ele foi incrível fazendo isso por você.

-Para Caitlin, isso não vai funcionar comigo, eu não vou começar a gostar dele só porquê ele trocou a vida dele pela minha e aposto que ele tinha algo em mente afinal nunca Justin Bieber iria preferir morrer no lugar de alguem - isso suou totalmente diferente quando eu falava em voz alta.

-Queria um motivo para gostar dele?, tem um melhor?

-Ha, já chega dessa conversa cansei, e você está errada e eu estou certa e pronto. - falo apontando para ela, me levantando e calço as pantufas e saio do quarto, indo até o quarto do Justin.

Abro a porta e o mesmo está mexendo no notebook.

-Ainda não dormiu?

-Não consigo, o médico disse que é comum nos primeiros dias, a dor é intensa e se você dormir de mal jeito prejudica.

-Eu vou descer para comer algo, precisa de algo? - falo mudando totalmente de assunto.

-Na verdade eu vou ir na cozinha também.

-Fazer lá?

-Lanchar - ele mentiu, estava nítido.

-Você acabou de comer Justin.

-Vocês mulheres podem assaltar a geladeira durante a madrugada, mas quando nós homens fazemos isso estamos comendo mais do que deveria?

-Ainda bem que você sabe. - Justin revira os olhos e eu vou até a cama, ele senta na cadeira e eu a empurro até o elevador.

-Sabe que não precisa empurrar ela.

Quando chegamos na cozinha, pego o telefone e peço duas pizza, não estava afim de lasanha, que era o que a cozinheira tinha feito.

As pizzas chega rápido e eu as levo direto para a cozinha.

-Vai comer as duas? Depois eu que estou comendo muito.

-Justin você parece entediado, não disse que veio para assaltar a cozinha?

-De alguém que assaltava bancos para uma pessoa que mal consegue assaltar a geladeira.

Engoli seco, Justin ficou pouco tempo na cadeira mas foi tempo o suficiente para ele se sentir mal.

-Justin eu sei que vou me arrepender profundamente disso mas você quer assistir um filme comendo pizza?

-Já que você insisti tanto eu aceito. - diz dando um sorriso vencedor, reviro os olhos.

Puxo sua cadeira, e pegamos o elevador até a sala de cinema, ele senta em uma das cadeiras e eu ao seu lado.

-Qual filme? - Perguntei

-Terror.

-Já vi todos existentes - digo com tom de tédio.

-Homem Aranha?

-Sério Justin?

-O que? Eu gosto, ele é foda.

-Sou mais Capitão América.

-está me jugando mas também gosta.

-Okay, vou colocar Vingadores Guerra Infinita e pronto.

(ALERTA SPOILER)

-Mas o final é uma bosta - ele diz.

-Eu sei, mas eu que escolho aqui.

-Okay. - Justin diz levantando as mãos sinal de rendição.

Estavamos assistindo o filme e Justin quase "chorou" quando o homem aranha apareceu, imitou até uma mulher gritando freneticamente, ele me fez rir muito essa noite e isso eu não posso negar.

-Thanos é um bosta mesmo, matou a própria filha - falo.

-Cadê o Homem Aranha?

-Sou mais o Capitão América, olha que homem.

-Sou mais eu.

-Ha não… você não disse isso, eu sou mil vezes ele.

-Sei, eu também gosto muito da parcera dele, ela é maravilhosa.

-Você nem sabe o nome dela Justin.

-Claro que eu sei é… a dani-se, ele é maravilhosa - reviro os olhos, espera, porque eu fiz isso?

-Ela é só mais uma loira oxigênio no mundo, não é tudo isso - falo, mas é mentira, ela é maravilhosa, eu casaria com ela - só para constar ela é a viúva negra.

-Sou mil vezes ela. - ele usa minhas palavras contra mim mesma, isso é jogo baixo, "mas porque me importo com isso?", reviro os olhos com meus pensamentos.

-Como está a perna?

-Virilha - me corrige.

-É a mesma coisa.

-Se fosse na perna eu ainda poderia transar com dificuldade mas conseguiria, mas na virilha não, então não é a mesma coisa - reviro os olhos com a observação desnecessária do Justin - ela está bem, sinto dor mas nada que eu não possa lidar.

-Entendo.

Me lembro que tinha que pegar o remédio do Justin no quarto, já estava no horário, então me levanto e causo minhas pantufas.

-Aonde vai?

-Pegar o remédio

-Odeio me sentir inútil - revirei os olhos.

-Você não é inútil, só está em uma fase difícil - dito isso saiu da sala e vou até o quarto do Justin, uma curiosidade interessante, nunca entrei no quarto do Justin da mansão dos Estados Unidos.

Pego o remédio e um copo de água e retorno a sala de cinema.

Sento na poltrona ao lado da do Justin.

-Se cuspir ou esconder o medicamento eu dou um tiro na outra virilha - falo dando um sorriso falso, ultimamente eu estou me sentindo babá de uma criança.

-O que te faz pensar que eu cuspiria ou esconderia o remédio?

-Fiquei sabendo que você não gosta de remédio. -Justin revira os olhos.

Justin pega o comprimido da minha mão e o copo de água, toma e abre a boca para garantir que engoliu o remédio, lendo os pensamentos dele sei que ele esta pensado "que ridículo isso, ela só pode ter problemas".

-Pronto doutora - fala irônico, estamos bem próximos, ele olha para minha boca.

-Muito bem - entro na brincadeira, desviando nossos olhares mas ainda estamos próximos.

-Acho que mereço um prêmio, afinal tomei o remédio.

-Não Justin, eu não vou dizer que você é melhor que o Capitão América só para te agradar, o Capitão América continua sendo o melh...

Antes que pudesse terminar Justin passa a mão pela minha nuca e me puxa para um beijo, se surpreendendo no começo e não retribuo mas depois me entrego por total envolvendo meus braços ao redor de seu pescoço.

Foi um beijo longo, não vou dizer que não gostei porquê estaria mentindo, nos separamos por falta de oxigênio.

-Nãooooo - Justin grita quando percebe que seu "crush" virou pó cortando todo possível clima.

-Você sabia que isso iria acontecer, está na hora de supera e seguir em frente Justin. - digo fingindo tom de preocupação.

-Eu nunca vou superar isso, não importa quando vezes eu assista. - me aproximei e o puxo para um beijo longo e intenso, que mais uma vez, só nos separamos por falta de oxigênio - okay, superei - ele diz.

-Espera, porque eu estou te beijando?, você é um idiota.

-Eu sou irresistível, eu te entendo russa eu me casaria comigo se fosse mulher.

-Idiota. - falo dando um soco em seu braço.

-Mas falando sério, você só corresponde porquê sentimos atração física um pelo outro, não vejo problemas em ficarmos de vez em quando e nem acho que prejudicará nosso trabalho, e em relação a sentir algo pelo outro, isso eu também não acho provável já que ambos somos incapazes de amar alguém. - nisso eu concordava.

-Concordo. - essa frase foi o suficiente para Justin me puxar mais uma vez e me beijar.

Nós literalmente nos beijamos o resto do filme (que já estava no final)

Em alguns momentos tive que me lembrar que Justin estava machucado e que não poderíamos fazer nada além de nos beijamos.

Quando o filme acabou saímos da sala de cinema, Justin saiu revoltado, afinal Thanos conseguiu todas as jóias.

-Nunca vou entender porquê a Marvel fez isso - estavamos entrando no elevador.

-Relaxa, depois tem outro filme.

Chagamos no andar do quarto do Justin e ele senta na cama e eu deito do outro lado.

-Não vai deitar?

-Eu até deitaria, mas não vou conseguir dormir.

-Mas eu acho que é melhor você deitar, sentado deve doer mais.

-Não é uma dor que eu não possa suportar - ele mentiu, eu sei como é a dor, ela é insuportável.

-Os remédios deveriam fazer efeito. - falei

-Deveriam mas vai dormir.

-Deita? - falo olhando para seus rosto que agora está com um sorriso que eu particularmente nunca tinha visto.

Justin se rende e deita ao meu lado, passamos uns trinta minutos olhando para o teto sem saber o que falar.

-Não vai dormir? - ele pergunta

-Prefiro me certificar que você não vai aprontar.

-Como assim?

-Sei lá, nunca se sabe quando, vai que resolve andar por aí.

-Você descobriu - ele diz com tom de divertimento e irônico.

-E para onde iria?

-Eu uma boate de stripper, e voltaria para cá carregado por várias, totalmente bêbado.

-Autêntico, tenho que admitir. - minto

-Se juntaria a nós?

-Claro que não.

-Por que não?, seria divertido - eu sabia que ele provavelmente não faria isso, além de estar machucado ele não faria isso necessariamente aqui aonde eu estou indo dormir, ou faria?

-Dividir homem é sério?, tem gente que até gosta de uma suruba ou algo do gênero mas eu não sou desse tipo.

-E você já se relacionou?, tipo sério mesmo? - ele pergunta.

-Já mas não quero falar disso.

-Por que nunca quer fala de nada sobre você?, porra russa, você já passou de inimiga aqui para todo mundo dessa casa, ninguém usaria nada contra você.

-Então me conta o que aconteceu entre você e a Brooke?

-Não, os casos são totalmente diferentes, você sabe coisas sobre mim, eu não sei nada sobre você.

-Só, não insisti nisso Justin, não entende que eu não gosto do meu passado? - me virei para o lado oposto para não olhar para o Justin.

-Ei? - ele passa as mãos pelo minha cintura me puxando para um abraço, provavelmente ele estava deitado na perna que não estava baleada - desculpa Ashley- Justin pedido desculpa?, que porra é essa? - só acho estranho você ser tão fechada - Justin está tão próximo que consigo sentir sua respiração em meu pescoço, ele começa a distribuir beijos pelo meu pescoço, "ótimo, agora estamos parecendo aqueles casais que brigam e alguém vai atrás para se reconciliar"

-Não quero que me pergunte do meu passado Justin, eu simplesmente não gosto.

-Okay - disse me dando um selinho demorado, que logo se torna um beijo longo, a realidade é que mesmo eu sendo fria em campo, eu sei valorizar esse tipo de momento, quando eu fico com alguém eu sei ser carinhosa, do meu jeito mas sei.


Notas Finais


Por favor não me matem pelos spoiler de Vingadores Guerra Infinita porquê provavelmente ainda tem gente que não assistiu.

Estou aqui para fazer uma divulgação de uma nova fanfic de minha autoria, se chama Contract Death.

Sinopse.

Kaitly vive a vida a sua maneira, acostumada a conseguir tudo o que quer. Isso muda ao descobrir que sua fortuna veio com a contribuição do IB, a maior organização criminosa do mundo.

Seu pai assinou um contrato na qual colocou sua empresa no topo, porém ele não cumpriu todas as exigências do contrato fazendo com que Kaitly fosse obrigada a entrar nas provas do IB.

"As provas foram criados com o intuito de punir e demostra o poder da nossa organização para pessoas que nos devem ou que nos afrontam os afetando onde dói mais, seus familiares ou amigos. Você terá todas as semanas treinamentos e provas, a cada prova cumprida você ganhará pontos e subirá de nível ficando mais perto de sair daqui. Nós não obrigamos você a nada a não ser permanecer aqui, mas caso não queira cumprir algo você cai dez níveis. As provas exige que você mate, torture, sequestre, lute, entre outras coisas"

O que pode ser pior que isso? Ser treinada e monitorada por Justin Bieber, um ser sem compaixão nenhuma que acaba tendo Kaitly como sua "aluna" durante as provas.


Se vocês gostaram de Alliance, vocês irão amar essa fanfic, eu me superei em todos os quesitos, enredo, idéia geral, personagens e até escrita. Justin está bem mais frio e a fanfic foi muito bem pensada então eu recomendo que leiam, está incrível.

Spirit:https://www.spiritfanfiction.com/historia/contract-death-13679974

Wattpad: https://my.w.tt/FDuWDQHqFO

Favoritem e comentem se gostaram.

Bye bye angels👼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...