História Alliance - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Alexandra Daddario, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Alexandra Daddario, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Amor, Assalto, Criminal, Fanfic, Justin Bieber
Visualizações 87
Palavras 4.189
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiê, estou postando um capítulo bônus para vocês, antes do tempo de atualização então comentem e favoritem okay?

Boa leitura.

Capítulo 28 - Capítulo 25


Anteriormente.

Comprimentei a todos e estava tudo bem até que eu o vi, ele estava com a mão sobre a cintura da Ashley, estavam se beijando, ignora isso e vou para a cozinhar pegar algo forte para beber.

Tomo um pouco de Whisky e logo volto.

E agora para variar ele estava deitado em uma espreguiçadeira e ela estava em seu colo virada de frente para ele o beijando.

Olho para o casal e agora ele sussurra algo no ouvido dela e sai e ela senta na espreguiçadeira, ela está olhando para cá.

Olívia aparece no meu campo de visão bem na hora, a puxo pelo braço e a beijo, um beijo demorado na qual faço questão que Ashley veja.

Quando olho Ashley não está mais na espreguiçadeira.

Olívia vai para a ponta da piscina.

Ashley retorna e a vejo indo em direção piscina onde Olívia está agora, isso não vai prestar.

Ashley tira o hobby e eu fico vidrado, como eu pude esquecer o quanto o corpo dela é perfeito, Dylan percebe meu olhar em cima dela porquê logo passa o braço ao redor da cintura e a beija, logo Ashley entra na piscina.

A festa continua assim, sem nada muito interessante.

×~×~×~×

25 de dezembro.

Era Natal, a casa estava decorada - graças a Caitlin - o era a hora da ceia e nada da Caitlin e da Ashley.

Estávamos todos na sala esperando elas descerem.

-Que demora, para quê tudo isso? - Era Olívia que estava fabulosa em um vestido preto e branco.

-Eu tenho que concordar com a Olívia, agora elas exageram na demora. - falei e vi Dylan que estava sentado no sofá revirando os olhos.

-Falando de nós? - era voz da Ashley, porra eu tive um troço quando a vi entrando com a Caitlin

Ela estava com um vestido preto que valoriza todas as suas curvas o vestido dela era estremamente sexy, ela estava linda, como nunca tinha visto, acompanhando por um salto preto.

-Eu sou um cara muito sortudo mesmo. - era a voz do Dylan que me trouxe a realidade.

Ele passou puxou Ashley para um beijo.

Fomos todos para a sala de jantar, tinha um mesa cheia de comida que mandei preparar, como em todos os natais.

Fizemos uma breve oração como fazíamos todos os anos.

-Agora vamos comer. - disse.

-Mas antes, eu preciso fazer algo. - Era Dylan, o que o panaca inventou dessa vez?

-Okay. - falo entediado.

-Ashley, sei que faz somente um mês que saímos, mas desde o Canadá eu não consigo esquecer da garota que fiquei na boate que para compensar estava armada por questões de segurança como você mesmo me disse, nós nos divertimos tanto esse mês nos conhecemos tanto, que pensei, porque não tornar isso mais sério? - não, não, não - Namora comigo?

"Não, não, não"

-A-a sim - ela disse ainda confusa, ele a beija, isso foi o suficiente para meu chão sumir, eu simplesmente não tinha palavras para o tamanho do ódio que eu estava nesse momento.

Por que eu estou sentindo isso? Foda-se.

Logo em seguida, todos comeram, conversaram brindaram.

Quando todos já estão na sala de estar prontos para trocarem presente eu saio sem que notem e me tranco no escritório.

Um sentimento confuso circula por mim, eu não sei explicar, não sou bom em definir sentimentos, eu não faço ideia do que estou sentindo, um sentimento de perda talvez, mas como posso ter a perdido se nunca a tive?

Resolvo fazer algo que acaba com qualquer sentimento que se faz presente em minha cabeça, eu pego um pacote de cocaína e um copo de Whisky com gelo.

Alguns minutos depois ouço a porta do meu escritório ser aberta.

-Justin?, que porra é essa? Porque está se drogando? - Ashley, era óbvio.

-Por que você aceitou?, Porque fez isso? - estava bêbado, as palavras enrolaram todas e tudo que estava em minha mente começou a sair pela minha boca, não era para falar algo que nem mesmo eu entendia direito, mas a bebida faz isso com nós.

-Como assim Justin?

-Você resolveu ficar com aquele imbecil. - beber não era o melhor a se fazer, afinal quando as pessoas estão bêbadas ela falam mais do que devem.

-Não fale assim dele Justin, você nem sabe o que está falando.

-Ashley por quê? Porque nunca percebeu que eu realmente gostei de você? Nem eu sei direito o que é, mas as únicas coisas em relação a você que tenho são coisas boas.

-Para Justin. - ela murmura confusa e ao mesmo tempo tentando manter a postura.

-Por que você aceitou? Ele é um idiota.

-Para Justin, você está bêbado. - ela diz o óbvio.

Ashley simplesmente me puxa para fora do escritório, me guiando até o elevador com uma cara nada boa.

O pessoal olha estranho mas não se intrometem.

-Você desce logo? - era Dylan perguntando para ela.

-Sinto muito, eu realmente preciso ajudar o bêbado/ imbecil aqui.

-Está querendo me dizer que você vai ficar como babá dele na noite de natal invez de ficar comigo?

-É isso Dylan, eu vou ficar com o Justin, eu prometo te compensar por tudo outro dia.

-Okay. - ele responde seco e dá um selinho nela que faz questão que eu veja.

-É isso aí, você ouviu ela, ela prefere a mim, então sai logo da mínha casa. - respondo com as palavras emboladas - eu não gosto de você.- eu estava em uma situação deplorável.

-Justin! - ela me repreende com uma cara nada boa.

-Eu também não gosto de você, só te aturo porquê você é amigo da minha namorada. — dá ênfase em "minha namorada".

-Dylan! - agora ela repreende a ele - já chega vocês dois.

Ela me puxa para o elevador, as portas se fecham.

-Você é um idiota mesmo em Justin. - ela está sorrindo, ela não está brava.

Subimos e ela fez questão de me por na banheira para tomar um banho gelado, muito gelado afinal nevava lá fora, ela estava se vingando.

Quando saiu do banheiro já estou melhor.

Ela separou uma roupa para mim, eu me sinto culpada por ter estragado o natal dela, mas o arrependimento passa quando lembro que Dylan foi embora e que Ashley escolheu cuidar de mim invez de ir embora com ele.

Me visto, deito na cama ela logo entra no quarto e se joga ao meu lado de salto e tudo.

-Eu. odeio. você - ela fala tudo pausadamente.

-Sei… estraguei seu Natal? - me viro para ela que está sorrindo.

-Eu tenho que admitir que ver você bêbado foi engraçado, mas agora você vai dormir enquanto eu vou aproveitar o resto do natal ficando bêbada e drogada então acho que quem perdeu foi você.

Ela se levantou e logo em seguida sai.

11:30 AM

Acordei com a cabeça estourando.

No meu criado mudo tinha um copo com suco e um comprimido, "Ashley" foi tudo que pensei.

Só hoje me toquei que Ashley tinha entrado no meu quarto, ninguém entrar nele, nenhuma mulher.

Tomo o remédio e uns minutos depois Ashley aparece, ela está com um hobby daqueles que usam por cima de uma camisola, e dava para ver que ela estava de camisola, puta que pariu.

Ela se aproxima e se joga na mínha cama que é enorme.

-Já está se sentindo melhor? - ela pergunta

-Sim, obrigada.

-Por que vive me dando trabalho em?

-Eu sei que você ama dar uma de babá.

-Não faça isso nunca mais, você fala algumas coisas sem sentido.

-Falo?

-Fala, não se lembra não é?

-Claro que lembro, eu lembro de ter falado algumas coisas para você mas até agora não acho elas sem sentido, eu não menti quando disse tudo aquilo.

-Justin, pare, nossas vidas então boas agora, eu namoro, você namora.

-Eu sei que sou correspondido, você não admite ou mente para si mesmo como eu fazia.

-Não minto não.

-Olha nos meus olhos e me responde, você ama ou pelo menos gosta do Dylan?

-Há... Eu sinto atração.

-Eu perguntei se você ama ou gostar dele.

-Justin para de me confundi e vai atrás da sua namorada que está puta comido e com você.

-Mas porquê com você?

-De acordo com ela, ela é sua namorada e ela quem tem que cuidar de você.

-Pede para ela vim aqui, mas Ashley pensa no que eu te disse.

-Justin, não tem nada para pensar, eu estou feliz e não trocaria isso por alguém que está com alguém diferente na cama todo dia, é a verdade, você sabe que é.

Dito isso ela saiu e eu fique com meus pensamentos.

Minutos depois Olívia aparece.

-Me chamou?

-O que você faz quando está com tanta raiva que simplesmente quer socar os outros?

O que Ashley me disse me deixou assim.

-Eu relaxo.

-Como?

Ela se aproxima e beija meu pescoço.

-Posso te ajudar a relaxar.

-Então me faça esquecer ela, me faça esquecer o nome dela, o toque, o rosto, tudo.

Olívia se aproxima e me beija, a que ponto eu cheguei, a transar com uma mulher no meu quarto.

Ela se afasta e logo a vejo tirando sua camisola.

Vejo um corpo bonito, não tanto quanto a da Ashley, há mas que porra já estou pensando nela de novo? O corpo da Olívia é perfeito, ela é atriz cuida disso todos os dias.

Olívia se aproxima e me beija, logo me ajudar a tirar minha blusa e distribui beijos por todo meu corpo, até chegar no umbigo.

-Quer esquecer dela? Então assim será. - ela diz.

POV's Ashley Benetti.

Estou confusa com tudo, tudo mesmo, eu realmente me sinto bem com Justin, de uma maneira que eu nunca me senti, mas é como se com o Dylan tudo fosse mais concreto.

Contei a Caitlin tudo que aconteceu.

-Conta para ele agora ou eu conto que você gosta dele e ainda aumento a história adicionando uma gravidez.

-Não sei Caitlin, eu comecei a namorar ontem e ele namora.

-Esse namoro é falso Ashley, acorda.

-Como assim falso?

-Não vou te contar dos detalhes mas é falso, você vê de longe que não é amor.

-Em pensar que eu me privei de sentir algo pelo Justin por causa desse namoro, eu só aceitei aquele namoro porquê a infeliz da Olívia disse que Justin estava feliz que eu o fiz sofre, só aceitei o namoro para encobrir a realidade, uma realidade na qual eu não queria estar passando.

-Então vai agora contar para ele.

-E depois?

-Para de pensar tanto no futuro, foca no presente e no que você sente atualmente, se ele te faz bem então agarra ele e dá um soco na cara na Olívia.

-Você é uma chata mesmo Caitlin.

Me levanto da cama da Caitlin e pego o elevador, correndo, nem eu entendo o porque disso.

Chego correndo na porta do quarto do Justin e escuto gemidos, não são do quarto do Justin, é impossível que sejam, eu acabei de sair daqui. Abro o porta e encaro a cena que provavelmente me deixou no chão.

Olívia montada no Justin, eles param o que estão fazendo quando me vêem, não espero dizerem alguma coisa, eles namoram, Caitlin estava errada, saiu e sem dizer nada, eu criei esperança e fui totalmente jogada no chão pela vida que adora me pregar peças, aquela cena revirou totalmente meu estômago, eu me odeio por mais uma vez pensar que algo bom poderia acontecer comigo.

Pego o elevador e vou para meu andar.

Assim que saiu encontro Caitlin na porta me esperando.

-E ai como foi?

-Você mentiu para mim, eles namoram. - é tudo que digo, entro no quarto e bato a porta e a tranco logo em seguida, Caitlin bate insistentemente, mas eu não atendo.

Estou triste e frustada, Justin me fazia muito bem e ter descoberto que ele gostava de mim me deixou feliz, estava muito perfeito para ser verdade, nasci para ser infeliz é a única explicação.

POV's Justin Bieber

Estava transando com a Olívia até que Ashley abre a porta, nem eu entendi o motivo, paramos na hora, ela nos encara e sai correndo, não entendi nada, levantei e coloquei minha roupa.

-Para Justin, provavelmente é alguma besteira. - Olívia tentando me convencer a ficar.

-Ela não sairia dessa forma se não fosse algo importante.

-Não queria esquecer ela? Nunca vai conseguir dessa forma. - ela seguro meu braço.

-Solta meu braço ou a farei soltar só que da minha maneira.

Ela soltou com medo.

Assim que saiu Caitlin está saindo do elevador pisando firme, sinal que está brava.

-O que você fez? - ela pergunta.

-O que eu fiz? Eu não entendi nada, porque Ashley veio aqui e foi embora?

-Há, entendi o porquê ela foi embora. - sigo meu olhar em direção a o local que Caitlin olha e vejo Olívia enrolada em um lençol.

-Caitlin me explica que eu não entendi nada.

-Ashley veio aqui dizer que gosta de você, mas provavelmente viu o que não gostou.

Fiquei sem chão, Ashley veio dizer que gosta de mim e eu estava transando com outra? Eu sou um ferrado mesmo.

Saiu correndo e entro no elevador, apareço na porta do quarto da Ashley, bato umas mil vezes mas nada.

-Ashley? Preciso falar com você, por favor, se eu não te convencer com essa conversa eu prometo te deixa em paz.

Escuto a porta sendo destrancada me sinto aliviado.

Olho seus olhos vermelhos, sinal que chorou, Ashley não chora por porra nenhuma.

Entro sem nem pedir e fecho a porta antes que Ashley diga não.

-Olha, eu sei que eu sou um bosta, sou um imbecil, um idiota, mas me perdoa, eu juro que não sabia que você iria falar comigo, aquilo que você viu lá em cima foi uma modo de tentar te esquecer, tudo que eu tenho feito ultimamente foi tentando te esquecer.

-Sai do meu quarto. - é tudo que ela responde.

-Ashley, por favor.

-Você disse que me deixaria em paz, então sai do meu quarto.

Saiu e bato a porta.

Vou para meu escritório, pego a garrafa de whisky desconto minha raiva tacando as coisas no chão.

Por que quando finalmente aparecer alguém que eu gosto eu faço isso?

POV's Ashley Benetti.

No dia seguinte descido que não ficarei na cama durante semanas como as outras mulheres fazem quando estão deprimidas, é só um homem, não é o fim do mundo nem é o único homem do mundo.

Me levanto corro como todos os dias apareço para o café e Justin não está lá.

Passo meu dia me ocupado com trabalho, a tosca da Olívia ainda não foi embora, é horrível olhar para ela e lembrar da noite passada.

Recebo uma ligação do Gonzalez.

Ligação on

-Ashley?

-Sim?

-Preciso que volte. - meu chão sumiu, Gonzalez disse que me puniria pelo incidente do Justin mas eu pensei que ele já tinha esquecido disso.

-Como assim?

-Justin desistiu da aliança, não sei o que houve mas a partir de hoje comece a arrumar suas coisas, você irá voltar, quero você aqui em uma semana.

-Não, eu não aguentei ele durante cinco meses para ele desistir na metade do caminho. - desligo

Ligação off

Desço para o escritório e bato na porta tão forte que quase quebro.

Justin abri e eu entro batendo a porta.

-Você é um imbecil, como pode ser tão egoísta desistindo da aliança? Você não tem ideia do quanto eu me preparei para estar aqui Justin, eu passei quase três anos da minha vida nisso e cinco meses te aguentando para tudo ir por ralo a baixo por causa de um capricho?

-Não é capricho porra, eu simplesmente não consigo te olhar mais.

-Isso não é a solução Justin você está me prejudicando.

-E eu realmente sinto muito.

Não falo nada, simplesmente saiu, me rendo, nada que eu faça ou diga mudará isso.

Vou para meu quarto e pego minhas malas, agora posso os considerando oficialmente inimigos.

Faço minhas malas com lágrima nos olhos, lembro tudo que passei aqui e isso me quebra por dentro, por que eu simplesmente me entreguei a isso? por que eu pensei que poderia amar e ser amada? por que pensei que poderia ter essa vida? Eu sabia que isso iria acabar.

Bati meu recorde, chorar duas vezes na mesma semana era algo inexistente na minha vida.

Faço minhas malas de qualquer maneira, eu simplesmente não tive ânimo.

Fico deitada o dia todo, pensando como eu fui idiota em pensa que eu simplesmente poderia ser feliz, como eu pude ser tão cega a ponto de prejudicar meu trabalho por causa de sentimentos?

Quando escurece eu tomo um banho e vou dormir.

No dia seguinte eu não corro, Caitlin me disse que ele e a equipe estão indo fazer umas inspeção de rotina nas boates mas eu não estava me sentindo bem para ir, e afinal de contas nem espiã deles eu sou. De acordo com ela Justin não vai, não tive coragem de dizer para ela que vou embora.

Desço para tomar café da manhã e Justin está tomando o dele, não falo nada, só pego o que vou comer sem dizer nada

-Até quando vai me iguinorar?

-Até daqui a uma semana, é o prazo para mim ir embora para a Rússia.

-Tão rápido?

-É melhor desse jeito, vamos esquecer tudo o que aconteceu e seguir como se nunca nada tivesse ocorrido, eu nunca conheci Justin Bieber e você nunca conheceu Ashley Benetti. - me doía, cada palavra que eu falava, mas se não as pronunciar em voz alta não me acostumarei com a ideia.

-Ashley, eu gosto de você, você gosta de mim, não é amor mas já é um avanço para nós que sempre dissemos que nunca mais iriamos nos entregar a alguém - como ele sabia disso? - então para de complicar as coisas, esquece o que viu, e eu simplesmente não compreendo porquê ficou brava, eu namoro a Olívia, é normal sexo, você namora o Dylan, e fazem sexo, o que tinha de errado nisso?

-Se eu disse que gosto de você e logo em seguida descubrisse que meu namoro com o Dylan é falso e cinco minutos depois fosse me procurar para dizer o que sente e me visse montada nele, o que faria?

O maxilar do Justin travou, eu realmente não entendi em que sentido a Caitlin quis dizer quando disse que o namoro deles era falso, aquele namoro era tudo menos falso.

Justin abriu a boca para falar quando Olívia aparece no nosso campo de visão, ela entra e se senta ao lado dele com um sorriso enorme.

-Bom dia meu amor. - ela diz dando um selinho nele.

- oi. - ele responde seco.

-Bom dia Ash.

-É Ashley para você, só meu melhor amigo - Chris - minha melhor amiga - Caitlin ( mas ela não sabe e nem precisa saber) - e meu namorado - Dylan - me chamam assim - Justin fechou as mãos em punhos nessa última parte.

-E como você a chama amor? - ela perguntou para Justin.

-Russa - ele responde.

-Por que russa? Ela é da Rússia?

-não. - ele responde

-A então seus pais são de lá?

-Não. - respondi grosseiramente.

-Falando neles, o que seus pais fazem?

-Nada que seja da sua conta.

-Meus pais são advogados de sucesso e eles querem te conhece Justin, acho que poderíamos até tirar uns dias de férias para nós. - ela disse isso beijando Justin que corresponde, "filho da puta" isso é por que gosta de mim, imagina se me amasse.

-Eu realmente espero que sejam muito felizes, que se casem e tenham muitos filhos.

Não consigo ficar naquele ambiente, me levanto e saiu, eu simplesmente não consigo os ver se beijando, é nojento para mim.

Mas não irei chorar por isso, eu descidi que não mais, tenho uns assuntos pendentes antes de ir embora.

Entro no quarto e pego meu celular mas antes alguém bate na porta mas sem esperar mínha resposta a pessoa abre.

-Posso entrar? - Justin entra no quarto.

-Diz isso depois que entra?

-Vou entender como um sim.

Ele entra e se joga ao meu lado na cama.

-Justin, sai daqui, eu não consigo ficar perto de você.

-Só aceita isso que eu vou te dar e depois eu te deixo em paz, não conseguimos trocar os presentes no natal e eu tinha comprado isso.

Ele me entrega uma pequena caixa daquelas que usamos para colocar pulseira, bracelete… e dar de presente.

Abri e vi uma pulseira dourada, de ouro, que tinha quatro pingentes, uma arma, uma rolo de filme, uma letra R e uma faca. E ambas tinha um pequeno diamante, provavelmente foi caro.

-Por que me deu isso?

-O pingente de arma representa a máfia, a sua parte fria de ser, e o pingente de rolo de filme representa os melhores filmes que já assisti na vida, R de russa e a faca me lembra do dia que torturou aquele cara e deu uma facada na perna dele, eu levei um tiro na virilha mas a melhor pessoa cuidou de mim então não me arrependo. - dou um sorriso bobo.

-Eu te odeio, porque não pode simplesmente cooperar com meu ódio? - Perguntei o abraçado, vou até meu closet e pego meu presente de natal para ele - toma. - falo o entregando.

Ele abre

-Cuecas do homem aranha? Porra que legal. - ele tira as cuecas e nota que tem um papel no fundo - o que é isso?

-É a documentação do seu novo helicóptero.

Tinha comprado quatro cuecas box do homem aranha e as coloquei enroladas uma ao lado da outra em uma caixa de presente, coloquei a documentação do helicóptero no meio das cuecas.

-Não brinca? Você me deu um helicóptero?

-Acho que sim

Ele me abraçou e ficamos assim até alguém limpar a garganta na porta do meu quarto, que por algum motivo nunca está fechada nesse tipo de momento.

-Atrapalho algo? - Olívia Pergunta.

-A Justin, pelo amor de Deus, essa vagabunda não vai embora nunca? - já que ia embora, eu iria deixar a minha marca nessa mansão, nem que mínha marca fosse o sangue da Olívia estampado na parede.

-O que disse? Me chamou de que? - ela disse se aproximando de mim.

-O que vai fazer? Chorar para o seu namorado? - dito isso só sinto meu rosto arder com um tapa que ela me deu.

Mas como não sou de deixar barato…

-Não fofa, eu vou resolver com as próprias mãos, não sou igual você. - ela disse.

-Claro que não é, você não me conhece porquê quem me conhece sabe que nunca deve levantar a mão para mim. - dito isso fechei minhas mãos em punho e dei um soco no nariz dela, e eu não sei se foi coisa da minha cabeça mas escutei barulho de osso quebrando - e quem me conhece sabe que não brigo igual mulher, não vou no tapa, vou no soco. - Justin sabia disso.

Olívia caiu no chão com o último soco, nariz sangrando e chorado muito e obviamente Justin foi a consolar, a pegou no colo e saiu do quarto.

Pego meu celular e ligo para fazer algo que já deveria ter feito, mas Justin apareceu e eu não consegui.

Ligação on

-Oi meu amor.

-Dylan, eu vou ser bem direta, não posso ser sua namorada, eu me precipitei aceitando e eu tenho assunto para trata na Rússia, é para lá que eu vou essa semana ainda, e eu não irei voltar, eu realmente sinto muito mas você merece alguém que realmente possa te dar algo que eu não tenho, o amor no caso, não posso te dar isso porquê não tenho isso, fique bem e se cuide.

Ligação off

Desliguei o celular para não estender mais essa conversa, a verdade é que Dylan me fez muito bem mas eu nunca o amaria, nem atrasão direito eu sentia, só gostava dele porquê ele me fazia rir e me fazia sentir especial, esses últimos meses Justin se importou comigo e eu com ele, já fazia anos que eu simplesmente não ficava com alguém que me fizesse sentir segura e protegida, e Justin me fazia sentir isso, ele não era meloso e romântico como os outros e eu agradecia por isso, a única ideia legal que ele teve foi esse bracelete com pingentes e um ainda é uma arma, esses últimos meses foram os melhores da minha vida e realmente não tem como não chorar com essas lembranças.

Justin aparece na minha porta.

-Porra Ashley, o que foi aquil… porque você está chorando?

-Porque só agora me dei conta que estou perdendo uma família, eu odeio todos vocês por estarem me fazendo sofrer. - Justin se aproximou e me abraçou, chorei no ombro dele.

-Hey, tudo bem, você ainda pode mudar de lado.

-Não posso, eu devo muito ao Gonzalez, você mais do que ninguém sabe que ele é um pai para mim. - Justin segura meu rosto com as mãos passa os polegares para secar minhas lágrimas, só então percebo que Justin está me olhando nos olhos, ficamos nos encarando até que ele me puxa para um beijo, um beijo demorado, longo e desesperado, um beijo de saudade e ao mesmo tempo de despedida, nos separamos por falta de ar, e logo nos beijamos novamente, eu digo com convicção que nunca senti um beijo assim antes.

- Olívia vai aparecer, é melhor paramos - sussurrei.

-Foda-se a Olívia. - dito isso me beijou novamente, ele separa nossos lábios e vai até a porta, e a fecha e tranca.

Ele retorna e passa a mão pelo minha nuca me puxando para mais um beijo que vai se intensificando cada vez mais, as coisas ficam cada vez mais quentes, Justin segura minha cintura e logo suas mãos desce para minha bunda, ele me dá um impulso e me pega, entrelaço minhas pernas em sua cintura já dando para sentir sua ereção, Justin anda pelo quarto até a cama e me coloca delicadamente.

-Quer mesmo fazer isso? - ele pergunta rompendo nosso beijo.

-Por que não faria?

-Transar pela terceira vez com seu atual inimigo não me parece adequado.

-Adequado é uma palavra que não existe no meu vocabulário. - dito isso o puxo para mais um beijo, apesar de tudo eu precisava disso, era como uma despedida na qual ambos queríamos.

Bom, sexo resolve quase tudo… não confundam, eu disse QUASE.



Notas Finais


Sobre a cena que a Ashley teve que presenciar? Justin Bieber seu idiota, eu não estou mais aguentando suas mancadas, eu vou matar você.

Eu simplesmente amei o presente que o Justin deu para a Ashley.

Meu Deus, meu casal está vivo, não por muito tempo né…

Ashley quebrando o nariz da Olívia, finalmente em.

E essa reconciliação então? Morri.

Espero que tenham gostado, se sim. Comentem e favoritem.

Bye bye angels👼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...