História Almas Perdidas - Capítulo 1


Escrita por: e MyTaekookForeve

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Briga, Conflito, Drama, Família, Romance, Transsexualidade
Visualizações 7
Palavras 1.350
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Três coisas antes de começarmos☺:

1°✏Esta historia está sendo escrita de forma conjunta e igualitária por @Aynnek e @MyTaekookForeve, tendo como objetivo principal narrar a vida cotidiana dos quatro personagens pelos seus altos e baixos no conjunto de duas "historias", que se passam de maneira paralela porém interligada.

1°✏Haverá Capítulos em que as duas "histórias" estarão juntas e capítulos solos onde uma "história" terá um Cap específico.

3°✏Ambas possuíram algumas cenas fortes de violência, tentativa de suicídio e abuso físico e/ou pisicologico, então se estes são gatilhos para você é recomendado que não prosiga com a leitura.

Para os outros: Boa leitura😍💕💖😘

Capítulo 1 - Sentenciadas!


Fanfic / Fanfiction Almas Perdidas - Capítulo 1 - Sentenciadas!

...Bianca...

O espelho refletiu a garota que todos queriam ver. A que tinha maquiagem no rosto, as unhas pintadas de um rosa fraco e que não só estava com um buque de flores brancas nas mãos como também usava um veu tão branco e cumprido quanto o vestido armado que lhe sufocava o corpo. 
Bianca tentou respirar calmamente, queria manter o sangue circulando no corpo por mais que tal façanha fosse muito dificil, enquanto esperava por alguém adentrar o comodo em que estava, avisando que a limosine havia chegado e que ela finalmente poderia ser levado ao que estava tentando evitar de acontecer a mais de dois meses. Ser levada ao altar e encontrar lá, um noivo que ela nunca viu, só ouviu falar. 

-Bianca. - Infelismente esse momento chegou cedo demais, não deu nem mesmo tempo de ela planejar a sua escapatoria de tudo aquilo. A sua mãe repentinamente abriu a porta, colocando somente a cabeça para dentro e então a chamando, isso a assustou, pois seus pensamentos não estavam exatamente focados no que estava acontecendo a sua volta, estava na fulga do que iria acontecer a sua volta em menos de duas horas. 
Dali até a igreja foi mais de meia hora e a viagem até ali não se comparou a tortura de descer do carro, se sentindo completamente ridicularizada, enquanto caminhava até a porta da ireja acomponhada de seu pai que parecia tão emocionado quanto o resto das pessoas quando ela terminou de dizer seus votos de casamento ao garoto esguio e estranhos em muitos sentidos a sua frente. 
-Sim, eu aceito.


...Ice Blue...

Aquele dia foi o que considerei o meu pior dia de hospital. Sempre tive uma relação  de amor e ódio com hospitais, mas este em especial era uma tortura! As enfermeiras eram mal humoradas, os médicos mal olhavam para você e o ambiente era ridiculamente mórbido, e como que para ajudar, minha irmã estava encantada com o lugar, o que tornaria minha vida, muito, muito difícil.

-É tão espaçoso e chique, vê como todos estão bem vestidos! Esse sim é um hospital de renome! Devíamos vir sempre aqui! - Ela deu um largo sorriso safado - Além disso seu fisioterapeuta é um gato! Ice? Ei...Está me ouvindo Ice?

Respirei fundo e  imaginei me lançando sobre ela como um animal selvagem perseguindo uma presa...

-Primeiro, sim estou ouvindo. Segundo isso é um hospital não uma festa, quem liga como se vestem! E terceiro o meu novo fisioterapeuta é seu noivo, então não, não reparei o quanto ele é um "gato" - eu disse enquanto levantava os dedos para formarem aspas.

-Porque está tão chateada Ice? Alguém por acaso, maltratou você, alguém colocou uma arma na sua cabeça e a obrigou a vir?

- Não, mas seria bom não precisar conversar enquanto seu noivo mutila a minha perna…

-Ele não está mutilando você Ice, diga a ela Isaac… - Ele abriu a boca para falar, mas sarah o interrompeu - Ele não está mutilando você! Ele é um doce.

 Olhei para o céu pedindo forças, enquanto Isaac ria e girava meu tornozelo em um ângulo suspeito.

-Vamos moças, já acabamos por hoje, não briguem.

- Então Ice o que acha! Quer transferir seu plano de saúde para cá. Você é adulta agora e pode fazer o que bem entender, mas esse lugar é muito bom, e o plano é mais completo e aqui o médicos são bem capacitados…

- Se eu disser sim você para de falar?

- Talvez…

- Oka…

-Você não vai se arrepender, pode deixar Maninha eu vou cuidar de tudo, você nem vai ter que esquentar a cabeça… -  nem ao menos fui capaz de terminar a frase, e ela  já estava fora da sala batendo com o salto contra o piso em um tec tec infernal. Isaac ajudou-me a  colocar os sapatos e  estendeu a mão para que eu tivesse um apoio ao descer da maca.

-Um conselho Isaac… Fuja enquanto pode! - ele deu outra risada tranquila.

-Então está falando comigo outra vez?

-Não! - olhei para ele com cara feia, mas por dentro senti vontade de me bater, havia esquecido completamente que estava zangada com ele.

-Está bem, mas já que não esta falando comigo, não vou lhe dizer que a uma praça do outro lado da rua onde pode fugir da sua irmã! - disse ele apontando para uma porta de vidro saindo de maneira categórica da sala logo em seguida.

Olhei para a saída do lado oposto ao que eles foram, suspirei e comecei um progresso lento porém constante até lá. O relacionamento que eu e Isaac tínhamos era como os dois lados de uma moeda: A cara era quando minha irmã estava por perto e nós nos empenhamos em parecer felizes e amigáveis um com o outro, e a corôa que era uma parte um pouco mais deturpada, onde eu finjo não saber da adorável porém incorrigível amante dele Jasmine  e ele finge não saber sobre minha recente inscrição na faculdade financiada com o dinheiro que surrupiei da carteira de sarah ao longo dos anos. Nós também fingimos ser estes os únicos segredos sórdidos que sabemos um do outro. E a nossa pequena busca por mais segredos nos levou a um jogo doentio que atualmente eu denominei como "magoe a sarah", que consiste basicamente de encontrar motivos para a sarah se voltar contra o seu oponente. O que nos traz de volta ao presente onde fui obrigada a fazer um novo tratamento em um lugar que detesto e sobre os olhos atentos de Isaac, só para não lhe dar o gostinho de ver minha irmã irritada comigo. E mesmo que houvesse perdido a batalha ele estava ganhando a guerra, e com uma vantagem assombrosa…

Suspirei outra vez e tentei não pensar nisso conforme caminhava em direção a saída de emergência do hospital. Depois do estacionamento realmente havia uma praça, e como esperado ele havia me apontado para o caminho mais distante, para chegar lá teria de passar pelo estacionamento, e por uma rua de mão dupla, o que nas minhas condições não era exatamente uma travessia rápida.

A praça não era uma praça em si, era um grande espaço verde em meio a duas vias de acesso. No centro dela havia um pequeno laguinho artificial que jogava água em pequenos esguichos no ar ao lado uma banca de jornal, e se você contorna-se  para o outro lado encontraria  uma floricultura sobre rodas e uma banquinha de doces naturais. Além deles havia árvores esparsas ao longo do terreno com bancos  pintados de verde oliva, e pude encontrar de vista pelo menos duas mesas de xadrez, para um lugar pequeno era bastante cheio de pessoas, algumas fazendo piqueniques debaixo de árvores, comendo ou conversando, como se podia encontrar muitos jalecos brancos imaginei que fosse onde os médicos faziam suas pausas.

Sentei-me em um banco abaixo de uma árvore, e respirei  o ar relativamente fresco, inclinei a cabeça para trás e fechei os olhos. Como será que minha vida se tornou o hospital e minha irmã, quando foi que parei de tomar minhas próprias decisões, que desisti de perseguir os meus ideais? Contive a vontade de chorar, mas era difícil uma vez que a resposta para estas perguntas é que talvez nunca houvesse sido diferente e que só comecei a notar isso quando sarah conheceu Isaac, e o nosso pequeno mundinho se desequilibrou.

Foi então que uma tênue melodia começou com um dedilhado de violão e uma voz calma e firme deu o tom a minhas emoções.

When she was just a girl

She expected the world

But it flew away from her reach

So she ran away in her sleep

And dreamed of para-para-paradise¹

(Quando ela era apenas uma garota

Ela tinha expectativas com o mundo

Mas isso voou além de seu alcance

Então ela fugiu em seu sono

E sonhou com o para-para-paraíso)

A sensação era tão intensa que tive medo de abrir os olhos e ser apenas minha imaginação. Era como um bálsamo aos meus problemas, um escape do mundo em forma de som, e nem nos meus mais inimagináveis sonhos eu pensei que uma simples música me levaria a lugares tão distantes.


Notas Finais


¹Paradise - Coldplay

Bom é isso por hoje. Comentários são bem vindos💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...