1. Spirit Fanfics >
  2. Alpha Máfia >
  3. Capítulo 19

História Alpha Máfia - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Bom gente eu demorei um pouco mas estou aqui. Primeiro quero agradecer a Sara que betou esse capítulo, e a gente entrou em um acordo que ela vai betar todos, do primeiro ao fim.
Então durante a semana ela vai me mandar os capítulos arrumados e corrigidos e eu vou modificando os que estão postados para os posteriores já seguir o mesmo caminho.
Segundo hoje eu só vou postar um capítulo por alguns motivos pessoais enfim.
Espero que gostem e se divertem

Capítulo 19 - Capítulo 19


Quando Yibo saiu naquela manhã, ele pensou se era certo deixar Xiao, mesmo sabendo que ele estaria protegido e logo começaria sua rotina normal de aulas e isso o manteria ocupado. Então ele dirigiu até onde iria encontrar duas pessoas Namjoon e Wang Jackson, seu primo. Namjoon trabalhava com a família, ele costumava cuidar da parte dos exilados da família, geralmente Ômegas e Betas que sabiam demais, que necessitam de um Alfa Lúpus para os manter na linha e por esse motivo, Yibo queria encontrá-lo para levar sua mãe ao exilio.

O exilio da família Wang é localizada em uma ilha onde ninguém sabe onde fica, a não ser os envolvidos. Apesar de ser um exilio, todos que ficam ali continuam tendo uma vida confortável que suas vidas de milionários lhe ofereciam, mas não ouse pensar fugir ou chamar alguém para visitá-los, pois viver ali é como se estivessem presos cumprindo uma sentença de perpétua dependendo do que eles sabiam, por fim não podiam ter contato com ninguém fora da ilha.

Yibo logo chegou na mansão onde antigamente morava, um lugar que ele nunca sentiu que fosse um lar. A decisão era que sua mãe fosse pra o exilio e que a mesma nunca mais olhasse em sua cara, pelo menos era isso que Yibo esperava. Ele chegou assustando os funcionários e procurando pela Matriarca até encontrá-la em uma das salas tomando café, ela não sabia o que estava acontecendo e então se manteve calma olhando para o filho e os dois homens junto a ele.

- Bem vindos. – Falou para os dois atrás e depois se dirigiu a Yibo – Um bom filho sempre a casa retorna, não é querido? – Sorriu se levantando achando que o filho estava ali para fazer o que ela tinha falado.

- Espero que já tenha feito as malas. – Yibo se esquivou da mãe e então voltou para os funcionários. – Vocês têm duas horas para arrumar as coisas da senhora Ma, ela está de mudança, apenas as coisas delas. – Yibo ordenou aos empregados que prontamente foram atender seu pedido.

- Como assim Yibo? – Perguntou a mulher assustada.

- Você foi julgada pela família, você tem escolha de valha ou exilio? – Perguntou Yibo – E torço para que seja a primeira opção. – Sussurrou e então a mulher caiu assustada no seu sofá.

- Como você ousa fazer algo assim comigo, Yibo – Desesperou a mulher.

- Como você ousa falar comigo desse jeito? – Perguntou sentando em uma das poltronas. – Você não é mais da família, foi julgada e sua separação está pronta a muito tempo, além disso você não tem mais o direito de usar o sobrenome Wang, apenas o seu de solteiro. – Yibo explicou. Então, Leo que havia ido também, porém entrou depois por causa dos papeis, sentou em uma das cadeiras dali.

- Como vou me divorciar do seu pai se o mesmo não tem mais capacidade para assinar? – Perguntou provocando Yibo.

- Meu pai nunca deu ponto sem nó, ele simplesmente deixou tudo no meu nome. Até o que era da sua família que foi passado pra você, agora é meu. Ele deixou assinado o divórcio antes mesmo de casar. – O Wang explicou simplista e Leo mostrou a documentação.

Na documentação estava escrito que tudo da família Ma é passado para o filho se caso houvesse separação, nada é deixado para a senhora Ma Feng. A partir dessa separação, ela volta com o sobrenome de solteira e tem direito em levar seus pertences pessoais simples como roupas, joias e etc, já coisas como carros, casas e até mesmo empregados são restritamente fora do acordo imposto e são tudo passado para o domino do filho ou filhos. A documentação foi assinada pelo próprio Patriarca Wang, já que na época ele apenas namorava com Feng. Por fim, Yibo pegou os papeis, releu e depois pegou a pistola, no entanto ninguém esperava é que o ex médico da família apareceria apenas de samba canção e chamando a mãe de Yibo de querida, a mulher olhou para o amante sem saber o que dizer e Yibo apenas negou com a cabeça e suspirou vendo o homem se aproximar com cautela até a mulher que tentou explicar o que estava acontecendo, fazendo o homem engolir em seco quando viu Yibo brincando e limpando a pistola prata.

- Lembra o que eu disse, Dr.? – Perguntou Yibo olhando para o homem seriamente enquanto mantém a pistola na mão.

- Senhor Wang, eu e a senhora Wang... – Começou o homem mais foi interrompido por Yibo.

- Senhora Ma! – Corrigiu sem olhar para mãe ou o médico, que novamente engoliu em seco pois sabia que quando alguém volta para seu sobrenome de solteiro, algo muito sério havia acontecido – Agora... – Ele olhou para o casal, se levantou e depois olhou para o primo – Cabeças vão rolar... – Disse simplista e então atirou sem nenhum remorso contra a cabeça do médico que morreu na hora por tamanha potência que a arma possuía, observou que a bala atravessou o crânio do homem e se alojou no sofá branco, assim como também sujou o rosto apavorado de sua mãe, algo que fez Yibo sorrir.

- Está assustada porque mãe? - Perguntou Yibo friamente. Era como um jogo e ali todos eram jogadores, claro que do lado de Yibo havia mais vantagens. Leo que estava completamente indiferente com a situação, estendeu um pequeno lenço para mulher se limpar.

O olhar arregalado e cheios de lagrimas de Feng encarou o filho e, pela segunda vez na vida sentiu medo, mas não de Yibo e sim da imagem que ele passou ali um homem imponente que não teme nada e ninguém, onde sua presença era sentida e todos temiam entrar em sua frente, ela não reconheceu o filho, na verdade ela teve algum filho? Então naquele momento ela sabia que nada poderia fazer, sendo assim assinou os papeis com a mão tremula.

- Que pena! – Comentou Yibo, como se tivesse triste de sua mãe ter assinado os papeis, na verdade Yibo sentia raiva daquela mulher, raiva por todos os anos que ele passou por ser rejeitado, ele queria um banho de sangue, ele estava apenas se vingando de seu pai que fez de tudo por essa mulher e foi traída por ele na cara dura, Yibo tinha raiva e era por isso que ele não queria nenhum relacionamento, nenhum casamento. Um casamento fracassado era o exemplo claro ali, porque seu pai deitava com a mulher que colocou ele na situação que ele está ao ponto de não se lembra nem da própria vida.

O Wang subiu as escadas e olhou todos os funcionários fazendo o que ele havia pedido, alguns deles haviam achado documentos que sua mãe mantinha guardado dentro do seu closet. Yibo daria para Leo analisar completamente todos que haviam sido encontrados.

Ele suspirou com nojo, o corpo do médico já não estava mais na sala já que seus homens tinham o tirado de lá e limpar o local. Seu primo Jackson já havia indo para se encontrar com Mark para ver algo para o bebe, então quando saísse da mansão foi acompanhado com Namjoon.

Com a raiva ainda correndo por suas veias, ele mandou alguns dos seus homens que estavam ali e os mandou pegar a cama e a levar para fora imediatamente com tudo que está em cima dela. Seu sentimento era de revolta, raiva e traição. Era como se ele fosse o próprio traído.

Logo ele desceu as escadas e avistou a cama no quintal, foi até a cozinha pegar álcool e fósforos logo seguindo a passos pesados para o quintal, fazendo alguns empregados correram dele quando o mesmo passou por perto, ele exalava uma aura completamente pesada pela raiva. E então o Wang parou ao lado da cama e começou a despejar todo o líquido inflamável por cada canto com toda a sua fúria e bastou riscar um fosforo para as chamas se espalharem de forma agressiva.

A cama que seu pai dormiu por tanto tempo ao lado da cobra, aquela mulher que dizia ser a mais fiel, apesar de ele nunca ter tido nenhum sentimento bom em relação ao homem mais velho, sabia que aquilo que ele estava fazendo era o que seu pai faria. Ver o casamento fracassado do seu pai seguido de uma apunhalada certeira em suas costas, para Yibo é a pior traição que um cônjuge poderia cometer.

Naquele momento Yibo só via aquele móvel pegando fogo e o que ele sentia ali, além de ódio daquela mulher, era que ele queria o corpo da mulher queimando ali, ele queria fazê-la sofrer, exilio não era a melhor solução, ele queria a mata, mas não podia matar ainda por ainda terem pessoas da família presente, então precisou se conter.

Depois de ver a casa sem nenhum resquício da mulher que o colocou no mundo, era de tarde ele ainda tinha alguém para julgar, então logo partiu para o galpão para resolver mais essa pendência. Agora sim um julgamento de verdade, alguém que deveria ter sua ira e seu ódio, se bem que a mulher que ele mandou embora, também deveria receber e muito mais.

Lá estava o homem que tentou enganar um dos seus, um Beta que se achava inteligente, planejou um plano que ele entraria na sua equipe, enganaria as pessoas mais próximo dele e então o derrubaria.

Uma coisa que Yibo sabia desde seus 14 anos é que quanto mais alto ele estava, mais gente queria o derrubar, viriam pessoas de longe e pessoas de perto para tirar ele dá onde ele estaria. Mas um dos poucos ensinamentos de seu pai foi para não se importar com quantos tentariam isso, você se mantendo firme onde está com certeza ninguém o derrubaria, não mostrando seus pontos fracos, sendo uma muralha, ninguém teria coragem de o enfrentar. E quem tivesse culhão não seria perdoado.

Yibo olhou bem para o homem que tinha em seu rosto uma expressão de assustado, ele ainda não havia recebido o tratamento que o Wang dá aos que vão para aquele lugar, porque ele estava muito ocupado, com seu futuro Ômega e, por um momento ele queria saber como Zhan estava, mas ele lembrou de sua mãe também, então ele decidiu que iria apenas focar ali naquela situação primeiro.

- Qual era o seu verdadeiro plano? – Perguntou Yibo com sua voz calma sentando na cadeira de frente ao homem.

- Eu... Senhor Wang, eu não queria tirar seu cargo. – Respondeu choroso.

- Então o que? Ser meu melhor amigo e me apunhalar pelas costas? – Interrogou com ironia. – Anda, fale logo, qual é seu plano? – Perguntou de novo agora olhando para o Beta na sua frente.

- Senhor Wang... Nunca tive a intenção de enganar ninguém, eu passei todas as informações necessárias... – Contou.

- Você sabe porque eu não acredito em você? – O Beta negou – Porque você está aqui, não em outro lugar. Bem aqui, nesse lugar que poucas pessoas já saíram com vidas, e eu vou perguntar só mais uma vez, qual era o plano? – Retornou a pergunta já nervoso.

- Nós somos uma pequena gangue, o líder atual tem muita inveja do seu império e por muito tempo tentou entrar na máfia, mas por ele ser pequeno e não ter um sobrenome, nenhuma família o deixou entrar, ou fazer negócios. Você mesmo o negou diversas vezes fazer serviços com ele... – Contava com medo.

Yibo escutou tudo que o homem contava, o homem realmente era um “inocente” e como ele contribuiu, Yibo decidiu que ele trabalharia para si. Primeiro passaria todas as informações sobre o seu atual líder e depois ele começaria de baixo, e que seja pela última vez que ele tenta algo contra ao Wang.

O homem disse que nunca quis esse emprego e só entrou para esse tipo de coisa porque tinha dinheiro fácil, ele tinha uma família com muitos problemas, ele contou sua vida para Yibo, não que mudaria alguma coisa, ou teria empatia. Mas o Wang apenas disse que a oferta seria para aquele dia, e se ele não quisesse, ele que deveria ir embora do país, ou da cidade. Apenas para recomeçar a vida dele, porque Yibo não dava duas chances, então o homem aceitou o que lhe foi oferecido.

Mais tarde naquele mesmo dia, Yibo se encontrava em seu escritório, já planejando várias coisas, uma delas é a visita ao gangster que decidiu colocar uma pessoa para o enganar e tentar o derrubar, outro para saber o que a mulher que o colocou no mundo tinha tanto interesse com a família Qin, e também descobrir quantas pessoas sabia de seu ômega, mas novamente o pronome “seu” o irritou, porque deveria ser dele o Xiao Zhan. Seu pai sempre chamava aquela mulher de “sua” e olha onde ele está. Ele não queria isso pra sua vida.

Mas, querendo ou não, ele se importava com a segurança do Ômega, porque ele nunca pediu aquilo, Yibo era culpado por aquilo, por colocar um alvo nas costas de Xiao Zhan e agora estava tarde para desfazer qualquer coisa, nem poderia mandar Zhan para o exilio porque o ômega nunca tentou nada contra família.

Por que era tão difícil para ele? Por que ele se apagou tão rápido a aquele homem? Yibo precisava esfriar a cabeça, mas novamente o sorriso de Xiao veio em seus pensamentos e foi inevitável não sorrir


Notas Finais


Provavelmente durante a semana vocês vão receber notificações, mas no caso e somente do capítulo editado.
E mais uma vez, Sara obrigada por esta me ajudando nesse assunto ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...