História Aluga-se um noivo (adaptado) (chaverroni) - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Christian Chávez, Maite Perroni
Personagens Christian Chavez, Maite Perroni
Visualizações 9
Palavras 915
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - Cap 14



Fiquei mais calma quando não entrou em nenhuma estradinha de terra, mas seguiu com meu carro até o Leblon e parou em frente a um prédio, o vigia se aproximou, ele desceu o vidro e nem precisou falar nada!


 


O homem deu boa noite senhor e nós entramos na garagem.


 


–Que lugar é esse? –Christian  continuou sério, de braços cruzados, nem me olhou direito.


 


Descemos do elevador no terceiro andar. Ele tirou as chaves do bolso e abriu a porta. Me entregou as chaves do meu carro e as coloquei no bolso.


 


–Entra. –entrei, era bonito, decoração moderna, toda em preto e branco, sofá de couro preto e cadeiras Barcelona brancas.


 


–Que lugar é esse? Você mora aqui?


 


–Não. Aqui é um apartamento de apoio, sabe o que é isso?


 


–Um lugar onde você leva suas comidinhas. –me dirigi a porta e Christian  me segurou pelo pulso.


 


–Espera.


 


–Preciso ir embora, já estou bem, obrigada.


 


–Você sente o que por mim? –Nossa! Que direto!


 


–Não te interessa!


 


–Você me ama?


 


–Você tá louco? Como amaria um garoto de programas?


 


Ele me tomou os lábios com urgência num beijo fora de qualquer controle, com vontade, com tudo.


E me arrastou numa onda de inúmeras emoções das mais loucas e imprevisíveis! E senti suas mãos percorrendo meu corpo, me apertando, me querendo, me explorando, e não consegui me desvencilhar de seus braços que me puxavam de encontro ao seu corpo, segurava minha nu a enquanto explorava minha boca, mordia meu pescoço ao ponto de me ferir, eu gritei, ele segurou meus cabelos nas mãos puxando firme meu rosto pr trás, arrancando meu último suspiro de sanidade.


 


Apertando minha bunda, diminuindo a distância já ínfima entre nós, e eu senti minha cabeça girar e girar enquanto era conduzida por um turbilhão sem fim de desejo, de vontade de amar, praticamente implorando para ser dominada e contida, para ser amada e desejada, querendo que ele fizesse exatamente o que fazia.


 


Segurando meu corpo firme nos braços, mordendo meu maxilar, arrancando os botões da minha roupa sem o menor cuidado, puxando meu sutiã pra baixo, tomando meus seios em sua boca, sugando desesperadamente meus mamilos como quem suga o néctar da vida. Era bom e doloroso.


 


E minhas mãos lhe puxavam os cabelos, e gemia e arfava e implorava por tê-lo em mim, por não saber mais como me segurar, por não conseguir mais frear aquele impulso, e sentir o seu calor, seus beijos cálidos em minha pele, sua saliva, sua língua, seus lábios, seu rosto no meu corpo.


 


Estavamos ofegantes por culpa daquele beijo insano e ele me olhou nos olhos, parecia descontrolado, estava confuso e desesperado e não sei mais como interpretar tanta angustia em seu olhar, mas era assim, e Christian  segurou meu rosto, parecia louco e triste.


 


Suas mãos em meu rosto, seus olhos nos meus. Me largou de uma vez, rápido, assustado e eu não sabia o que fazer, o que estava acontecendo, então ele se afastou como se diante dele estivesse o Diabo, como se me temesse, fiquei aturdida, sem saber o que fazer ou o que pensar.


 


–Desculpa, eu não posso. –se virou de costas e eu fugi.


Apertei seguidas vezes o botão do elevador e por não aparecer de imediato, desci correndo pelas escadas, mas antes de sair prédio afora, senti, meus lábios inchados, não sabia o que fazer ou o que estava sentindo ou coisa alguma.


 


Estava no terceiro degrau. Sem ação, coração à mil.


 


–Meu Deus, que merda é essa? –senti a respiração voltar pouco a pouco ao normal.


 


Olhei meu estado deplorável. Da minha blusa não sobrou um só botão, fiquei sem saber o que pensar, que estava acontecendo.


 


Ele me ama? Ele me odeia? O quê?


 


Não, espera aí! Isso não pode ficar assim, como que ele me diz, “eu não posso” e eu saio correndo?


 


Mais indignada que corajosa subi novamente aquelas escadas e esmurrei aquela mesma porta branca até que ele a abriu.


Estava descabelada, ofegante, cheia de raiva, de dúvidas e de amor.


 


Ele me olhou com o cenho cerrado parecia ter a mesma raiva que eu. Empurrei-o e entrei, a blusa aberta, sutiã de renda preta aparecendo e....


 


–Eu quero que você me foda!


 


Ele se aproximou ainda com raiva no olhar. Então prossegui.


 


–Eu paguei por isso! Cumpra sua parte, michê!


 


Christian  parecia ferido e ao mesmo tempo com ódio e arrancou minha roupa em seguida, mordendo meu ombro, beijando, me puxando pelo pulso até o quarto e me jogou na cama com colcha de camurça preta.


 


Bati de qualquer jeito contra o colchão e ele arrancou a própria roupa se jogando em seguida em cima de mim, nu, segurando minhas mãos nas dele, apertando desconfortavelmente meus dedos, meu pulso, tomando minha boca como se fosse morrer se não fizesse, como se quisesse me atar por ter de fazê-lo.


 


Abriu minhas pernas nas dele e se forçou contra minha calcinha. E então fechou os olhos da maneira mais dolorosa que já havia visto. E isso me machucou.


 


–Christian... Para. –sussurrei e ele parou, me olhando tão terno, de cenho cerrado, e respiração ofegante –Espera. Desculpa.


 


Ele desabou ao meu lado, o braço escondia seu rosto.


 


–Isso não tá dando certo. –ele me deixou confusa com essas palavras.


 


–O que não está dando certo? Você quer romper o acordo?


 


E ele disse as palavras que jamais pensaria ouvir de um profissional do sexo.


 


–Quero. Porque....


 


–Por que...


 


Porque eu estou apaixonado por você, Maite.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...