História Always By Your Side - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amizade, Bangtan, Beyond The Scene, Drama, First Love, I Need U, Jeon Jungkook, J-hope, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Kook, Min Yoongi, Mvs, Park Jimin, Romance, Run, Spring Day, Suga
Visualizações 310
Palavras 3.151
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiiiii, pessoas lindas do meu coração?? Como estão?
Voltei com mais um cap! Quase uma hora da manhã e eu atualizando a fic. Se eu sou ansiosa? Nem um pouco! kkkkk
Muuuuuuuuuito obrigada pelos comentários no cap anterior! ahhhh fiquei tão feliz e ainda mais animada. Um enorme beijo pra todos vcs!! E.... 300 FAVORITOS? É SÉRIO ISSO? AHHHHHHH VOU SOLTAR FOGOS! UASUHAAUHASHAU
MUITO OBRIGADA POR ISSO TBM! AMU VOCS! to chorosa
E então, vamos la! Boa leitura!

Capítulo 42 - Pesadelos e Bebidas


Fanfic / Fanfiction Always By Your Side - Capítulo 42 - Pesadelos e Bebidas

O relógio marcava 03h08min da manhã quando eu me joguei de costas no sofá cama. Eu sentia-me exausta e meus pés doíam do tanto que pulei e dancei a noite inteira. Os meninos estavam espalhados no chão, alguns ainda acordados conversando, outros já em um sono intenso; como era o caso de Yoongi. Ele já dormia profundamente no colchonete com Hoseok também adormecido ao seu lado.

E Yoongi não estava caindo de bêbado, como temi. Havia adormecido apenas por cansaço. Percebi que durante a noite interia Yoongi se controlava para não exagerar nas bebidas. Em certo momento, ele olhou na minha direção por alguns segundos e antes de dar mais um gole na cerveja foi até o banheiro, deixando a garrafa sobre uma mesa. Quando voltou, ele não a pegou novamente. Ao invés disso, apanhou uma garrafa de água e a secou. Ele repetiu o ato várias vezes e no fim bebeu apenas umas quatro garrafas, o que para Yoongi era pouquíssimo.

- Agora sim, de banho tomado posso dormir tranquilo. Ou não.

Jimin se deitou ao meu lado. O cheiro de sabonete que exalava da sua pele fazia com que eu desejasse loucamente ficar o nariz encostado no seu pescoço. Imaginei que seria uma maneira muito agradável de adormecer. Seu cheiro natural era tão gostoso.  

- Ou não? – perguntei.

- Não sei se consigo dormir tranquilo com você assim tão perto de mim. – ele disse baixinho sem tirar os olhos dos meus.

Sorri e baixei os olhos. Senti um calor subir pelo meu corpo. Jimin sempre sabia como me deixar sem graça.

- Eu tenho uma coisa para dar a você. – querendo espantar minha timidez, mudei de assunto e puxei o saquinho dourado que eu havia esscondido debaixo do travesseiro. – aqui.

Jimin olhou com curiosidade para o saquinho.

- O que é isso? – ele o pegou da minha mão e observou.

- Seu presente. Você não achou que eu esqueceria, não é?

Ele sorriu.

- Er... Tiff, antes de tudo eu posso pedir uma coisa?

Assenti, diminuindo um pouco o meu sorriso. Ele estava com vergonha por quê?

- Pode.

- Er... será que você... er... será que você poderia evitar... olhar para a minha boca enquanto conversmos? Isso me deixa nervoso.

Arregalei os olhos e certamente fiquei corada.

- Er... Jimin... me desculpa! Eu... nossa, eu tenho essa mania. – falei rapidamente. Eu costumava olhar para os lábios das pessoas com quem eu conversava. Era algo meu. No entanto, quando se tratava de Jimin, era quase impossível não olhar o tempo inteiro para aqueles lábios carnudos e que constantemente berravam para serem beijados. Eles me desconcentravam demais.

- Eu sei. Os meninos comentaram sobre isso outro dia. Eles também ficam nervosos quando você olha para a boca deles. Principalmente o Kook. Ele não sabe o que fazer. – ele riu.

- Ai que vergonha! – pus as mãos sobre as bochechas. – eu prometo que vou tentar não... droga, eu olhei! – fechei os olhos e balancei a cabeça. Ele riu. – er... vou tentar não olhar tanto para qualquer boca de hoje em diante.

Jimin abriu um lindo sorriso que fez meu coração pular.

- Bom, voltando ao presente. – ele desatou o lacinho que eu havia feito para amarrar a boca do saco dourado e em seguida retirou o colar de dentro. – que lindo, Tiff. Eu... adorei! – ele exclamou.

- Agora você pode sempre se lembrar de mim.

- Mesmo que não houvesse colar nenhum seria muito difícil esquecer você. Quase impossível, creio eu.

Sorri para ele e olhei para o colar. Em seguida, ergui o olhar para ele novamente. Jimin olhava fixo nos meus olhos.

- Será que vocês dois podem, por favor, parar de cochichar?

Yoongi levantou e reclamou com a voz pesada.

- Desculpa. Pensei que você já estivesse dormindo. – Jimin virou o corpo para poder olhar para trás, onde o amigo estava sentado o encarando irritado.

- Eu estava, mas a sua voz chata me acordou. – Yoongi bateu com o travesseiro na cabeça de Jimin que começou a rir.

- Perdão. Já vamos dormir.

- É bom mesmo se não quiserem morrer. – após a ameaça, jogou o corpo sobre o colchonete e voltou a se acomodar para dormir.

Jimin virou para mim e revirou os olhos.

- Já estou ficando com sono. – ele esfregou os olhinhos e bocejou. – vamos dormir?

- Sim, vamos. – respondi. Jimin era tão encantadoramente fofo que dava vontade de abraçá-lo e nunca mais soltar. Como conseguia ser sexy e fofinho ao mesmo tempo?

Ele ajeitou o corpo ficando de barriga para cima e um dos brçaos em baixo da cabeça. Puxou o cobertor e o ajeitou sobre nós, certificando-se de que eu estava confortável e quentinha. Eu permaneci de bruços, olhando seu perfil. Após alguns segundos acabei pegando no sono.

Eu não sabia dizer exatamente quanto tempo se passou, todavia em determinado período da noite, acordei com Jimin bastante agitado do meu lado. Sonolenta, olhei para o menino que fazia barulhos estranhos enquanto se remexia na cama. Seu braço acidentalmente acertou o meu com força. Rapidamente me sentei e o observei com mais cautela. Jimin estava com a testa molhada de suor. Seu peito subia e descia de modo frenético e suas expressões de pânico eram constantes.

Ele estava tendo um pesadelo. E terrível por sinal. Ele se debatia e murmurava coisas incompreensíveis.

- Jimin... – balancei seu ombro com cuidado. – acorda. Jimin!

Ele apertava os olhos e fazia uma expressão de dor. Lágrimas rolavam pelo seu rosto e isso me deixou apavorada. O que de tão horrendo ele devia estar sonhando para deixá-lo neste estado?

- Não... não foi... minha culpa... – ele sibilou.

Como um estalo, as suas palavras me fizeram lembrar do problema que ele tinha com pesadelos. Pesadelos relacionados à morte da irmã de Yoongi. Eu não fazia ideia de que eles o deixavam tão mal desse jeito.

- Jimin... por favor, acorda. Jimin! – balancei com mais voracidade o seu ombro até que em um pulo ele abriu os olhos e ergueu o corpo. Olhou em volta, perdido, assustado, até que encontrou meu rosto. Ele respirava pela boca e seu corpo tremia.

- Eu vou pegar um copo d’água. – antes que eu pudesse me mover, Jimin agarrou meu pulso com força. Sua mão estava tão gelada.

- Fica. Por favor. E-eu... n-não quero água. Eu... f-fica aqui... Tiff, p-por favor! – ele implorou. Jimin respirava com muito sacrifício, e parecia estar ficando ainda mais desesperado por conta disso.

- Está bem. Eu vou ficar. – segurei sua mão e apertei.

Olhei em volta. Ninguém tinha acordado. Todos dormiam feito pedra. Mais uma vez, era apenas eu, Jimin e uma terrível dificuldade de respirar. Lembrei-me do dia na praia. Isso já tinha acontecido antes.

- Jimin, olha para mim. Lembra da praia? Lembra que eu pedi para você respirar comigo? – ele sacudiu a cabeça freneticamente. – ótimo. Faça isso. Inspira e expira, como naquele dia. Vai dar certo. – eu acariciava a sua bochecha ao mesmo tempo em que tentava limpar as lágrimas.

Mesmo em meio ao desespero ele fez o que pedi. Tentava regularizar a respiração e após um tempo, Jimin conseguiu.

- Isso. Muito bem. – levei seus cabelos para trás e passei a mão na sua testa.

Em um impulso, Jimin se jogou contra mim, me abraçando; e enterrando seu rosto na curva do meu pescoço. Ele soluçava baixinho com seu corpo ainda trêmulo.

- Shhh. Está tudo bem. Já passou, Jimin. Já passou. – sussurrei, acariciando os seus cabelos. Ele estava tão vulnerável, parecia uma pequena criança desamparada e muito assustada. Era como se um simples toque fosse o destruir por completo. Foi terrível vê-lo naquele estado. Presenciar seu sofrimento foi difícil e extremamente doloroso. Deixei com que uma lágrima escapasse enquanto eu o acalentava, balançando o corpo com o garoto colado a mim.

- Vai ficar tudo bem. Eu prometo. – dei um beijo longo na sua testa.

 

***

 

Na manhã seguinte, os meninos foram embora todos juntos. Antes de Jimin sair, eu o abracei apertado e perguntei se ele estava bem. Perecebi que ele estava envergonhado quando, rapidamente, disse para eu não me preocupar. Agradeceu-me por eu ter cuidado dele e então foi embora.

Yoongi havia ficado, mas novamente já se preparava para sair como fazia todos os dias.

- Você vai sair? – perguntei mesmo já sabendo qual seria a resposta.

- Sim. Vou demorar então... não me espere para jantar.

Ele se sentou no sofá e começou a calçar os tênis.

- Agora você... sempre sai para beber. – comentei. – achei que preferisse beber em casa.

- Quem disse que eu saio para beber? – ele me fitou.

- Você sempre volta cheirando a álcool. Eu sei porque... eu acordo com o barulho da porta. – menti. Na verdade eu apenas dormia quando Yoongi chegava. Mesmo apressensiva com o estado que ele chegaria, eu ficava acordada. Eu parecia mais com uma mãe preocupada esperando o filho rebelde voltar da rua.

Suga ficou quieto.

- Por que não bebe aqui? Eu sei que você prefere ficar aqui.

- Voce está mesmo me perguntando isso?

- Eu...

- Eu vejo como você me olha. Você está com medo de mim. Se retrai quando eu chego perto... – disse com pesar.

Pisquei. Não disse nada. Não neguei, não contestei, nada. Porque era verdade.

- Eu só faço isso quando você começa a beber. Me desculpa. É automático, sabe? Eu...

- Tiff... – ele disse meu nome de maneira doce e se levantou do sofá. Veio na minha direção e parou na minha frente. – não faz isso. Não me pede desculpas. Você não fez nada de errado.

Suspirei.

- Eu só não quero que a nossa amizade... se abale. Você passa o dia fora, faz questão de ficar longe de mim, e eu... Yoongi, eu não quero mais atrapalhar você.

Ele franziu o cenho.

- Do que está falando?

- Você sai o tempo inteiro porque eu estou aqui. Eu acho melhor eu arranjar outro lugar para ficar.

- Não. Você não vai sair daqui. Por favor, não vai embora. Eu gosto da sua companhia. – parecendo um tanto desesperado, ele tocou na minha bochecha e ergueu meu rosto para que eu pudesse olhar para ele. Fitou meus olhos e esfregou o polegar lentamente sobre a minha pele. - Eu nunca machucaria você. Eu seria incapaz de fazer isso, Tiff. Acredita em mim. – ele pediu.

Olhando nos seus olhos pude perceber que ele estava sendo sincero. O peso que eu tinha sobre os meus ombros se dissolveu em um piscar de olhos. No fundo eu sabia que Yoongi seria incapaz de fazer algo ruim, mesmo que sua personalidade mudasse um pouco. Kook confiava nele. E eu deveria fazer o mesmo. Afinal, ele era meu amigo.

- Eu acredito, Yoongi. – sua expressão se aliviou. – eu não quero ser chata ou coisa assim, mas, eu acho que você deveria tentar não beber tanto, como fez ontem. Não porque eu acho que você... enfim. Isso faz mal.

Yoongi esboçou um minúsculo sorriso e se afastou.

- Eu vou tentar. Prometo.

Sorri pouco.

- Voce vai ficar, não é?

Assenti.

- Vou sim.

Ele abriu um sorriso bonito e olhou para baixo durante aguns segundos.

- Er... toma. – meti a mão no bolso do meu short jeans e retirei um colar.

Ele olhou para a minha mão, curioso.

- Para mim? – ele pegou o colar da minha mão e o elevou na altura dos olhos. – acho que você se enganou. O aniversário foi do Jimin e não meu.

- Não precisamos esperar o aniversário de uma pessoa ou datas especiais para presenteá-la. Eu vi esse colar e lembrei de você. Sei da sua apreciação pela música então, pensei que ia gostar.

Yoongi voltou a analisar o pingente de nota musical, com um sorriso nos lábios.

- Sei que não chega nem aos pés das jóias caras que você tem ou que pode comprar, mas, é de coração.

Ele demorou a falar. Ainda analisava a pequena clave de sol.

- É muito bonito. E o fato de não chegar aos pés de jóias caras me faz gostar ainda mais. Obrigado.

Sorri e observei ele pondo o colar no pescoço.

- Ficou bonito em você. – disse.

- O que não fica bonito em mim?!

Achei graça, revirando os olhos. As coisas estavam menos tensas entre nós. Tudo ia voltar ao normal e isso me deixava muito contente e aliviada.

- Ei, que tal você ir comigo?

Diminui meu sorriso.

- Yoongi...

- Prometo que não vou exagerar. Podemos ir a uma lanchonete ou coisa assim. Que tal?

Pensei um pouco.

- Tudo bem. Estou morrendo de fome mesmo. Mas, você paga. Eu preciso economizar o dinheiro que peguei com a mãe da Sayuri.

- Sem problemas.

Yoongi se agachou para dar um laço no cadarço do tênis esquerdo enquanto eu calçava uma sapatilha e pegava um casaco preto. Meti a mão no bolso do casaco e encontrei um pirulito que Namjoon tinha me dado no dia anterior. Peguei o doce e o desembrulhei, logo levando até a boca.

Enquanto isso, Yoongi colocava um boné preto e pegava o isqueiro o qual ele era inseparável.

- Por que você vive com esse isqueiro na mão? – perguntei curiosa.

- Será que é porque eu fumo?! – ríspido como sempre, ele me respondeu como se eu fosse a pessoa mais burra do universo.

- Eu nunca vi você fumando. – rebati.

- Eu não costumo fumar perto das pessoas. Não quero acelerar a morte delas. Elas não têm culpa se eu quero ferrar com o meu pulmão. – ele explicou e eu concordei. Yoongi acendeu e apagou o isqueiro umas três vezes antes de guarda-lo. Observei ele pegar uma carteira de cigarros e antes de guardá-la no bolso do moletom azul, ele me encarou. – você quer?

Yoongi suspendeu a carteira, oferecendo-me.

Neguei.

- Não. Eu prefiro isso. – ergui o pirulito roxo que estava na minha mão e o levei até a boca.

Ele guardou a carteira e achou graça.

- Um pirulito?

- Sim. Posso pôr na boca, é doce, gostoso, me acalma... posso fazer dele o meu vício. – expliquei, dando de ombros.

Passando a mão pelo queixo, Yoongi me fitou esboçando um sorriso safado. Fiquei um pouco constrangida, pois era a primeira vez que ele me mostrava um sorriso daqueles. Sorriso que mexeu bastante com a minha sanidade, não podia negar.

- Sabe, eu tenho algo aqui que é doce, gostoso, que pode acalmar você, e o principal: pode pôr na boca também. Garanto que é bem melhor do que esse pirulito aí.

Observando sua expressão extremamente maliciosa, entendi o que ele queria dizer e senti um calor avançar sobre mim. Adotei uma expressão de choque e nojo. Outra vez ele me mostrava outra face sua.

- Yoongi, eu realmente espero que você não esteja falando do que eu acho que você está falando. – disse, após tirar o doce da boca.

Ele não respondeu. Simplesmente sorriu ainda mais e encolheu os ombros.

- Seu nojento! – peguei uma pequena almofada de cima do sofá cama e a atirei na direção dele, que, rindo divertido, a agarrou com sucesso.

Mais tarde, após termos lanchado e, bem, bebido um pouco, Yoongi e eu voltamos mais do que animados para o vagão de trem, abraçados e cantarolando músicas que ambos conheciam. Em certo momento, ele me deu o prazer de escutar um de seus raps bem elaborados. Fiquei encantada com seu talento.

- Vejam só. Você me pede para não exagerar na bebida e olha só para você agora! – uma de suas mãos agarrava com firmeza a minha cintura, impedindo que a qualquer momento eu fosse de encontro ao chão.

- Ei! Eu não estou bêbada! – cutuquei seu ombro enquanto segurava a parte de trás da sua camisa xadrez.

Eu não estava mesmo. Estava apenas tonta. A minha felicidade era mais por ter visto o enorme esforço que Yoongi fez para não extrapolar, e conseguiu. Bebeu apenas quatro garrafas de Soju, como no aniversário do Jimin, e nada mais.

- Ah, não? Então o que é isso? – ele soltou o meu corpo por um momento. Desequilibrei-me sobre os trilhos e quase caí, mas ele não deixou.

Yoongi gargalhou.

- Isso foi apenas o meu pé que... deslizou errado. – disse, não conseguindo evitar os risos.

- Deslizou errado... sei!

- Você é que está bêbado! – eu sabia que ele não estava, mas, não deixei de implicar. – vai, anda pelos trilhos.

Soltei-me dele o empurrando para frente. Cambaleei um pouco e minha cabeça girou, mas me mantive firme.

Yoongi parecia um pouco tonto, assim como eu. Subiu nos trilhos e começou a andar, um pé ante pé, com os braços abertos para se equilibrar.

- Viu? Ando até de costas. – ele se gabou.

Olhei para seus pés e notei que o cadarço de um dos tênis estava solto. Eu abri a boca para avisá-lo, no entanto, antes que eu o fizesse Yoongi pisou no cadarço e inevitavelmente acabou caindo.

- Ai, minhas costas! – ele se lamentou retorcendo o rosto.

Soltei uma gargalhada.

- Ei! Para de rir da minha desgraça e vem aqui me ajudar! – ele estendeu a mão para que eu a pegasse.

Diminui os risos e andei até ele.

- Desculpa, mas, foi engraçado ver você caindo. – debochei.

- Bela amiga você é.

Encolhi os ombros e sorri. Segurei sua mão e já ia fazendo um esforço para conseguir levantá-lo, mas em um movimento rápido Yoongi me puxou para baixo, fazendo com que eu caísse em cima dele. Rapidamente a noite do hospital invadiu minha cabeça.

Fiquei séria e fitei seus olhos negros.

Lembrei-me de como ele havia ficado com o rosto próximo demais do meu, assim como agora. Lembrei-me de como meu coração havia ficado acelerado, do mesmo jeito que agora. Lembrei-me de como eu pensei que Yoongi havia ficado com os olhos grudados na minha boca, como estava fazendo agora.

Ele ergueu os olhos e me encarou. Uma coisa estranha aconteceu. Seus olhos pareciam ter uma força sobrenatural sobre mim, como se me prendessem. Eu queria não olhar, eu queria desviar, mas era tão difícil. Eles brilhavam de um jeito diferente. De um jeito que eu nunca tinha visto antes.

- Está confortável? – ele perguntou com um meio sorriso.

Sua voz baixa e rouca me causou certos arrepios. Pisquei algumas vezes, finalmente conseguindo olhar para longe daqueles olhos.

- Idiota. – resmunguei acertando um tapa no seu peito. Ouvi quando ele riu baixinho.

Rolei para o lado e permaneci deitada no chão. Minha respiração não estava em ótimas condições. Meu coração ainda permanecia estranhamente acelerado e o que foi aquele arrepio? Bom, certamente o pequeno susto de ter caído e o frio me deixaram naquelas condições. Não havia outra explicação para tais fenômenos esquisitos.

 

Spoiler Próximo Capítulo

- Só espero que esteja preparada.

- Preparada...? – o fitei com cautela.

- Eu pretendo conquistar voce, Tiff. (...) Vou convencer essa voz maldosa na sua cabeça de que podemos ficar juntos.

 


Notas Finais


E então?? O que acharam deses momentos ai?? rsrs E esse spoiler? hummmmm kkkkk
Muuuitos beijos e até o proximo! Pretendo não demorar!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...