História Always here - Sempre aqui - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolecencia, Comedia, Comedia Romantica, Festa, Ficção Cientifica, Love, Mistério, Romance, Timidez
Visualizações 9
Palavras 1.306
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eu sei, eu sei demorou muito tempo para eu postar outro capitulo.
Se eu contasse o tanto de problemas que eu tive e até mesmo o tanto de coisas boas, inesperadas, porém muito boas que aconteceram do nada.
Já poderia escrever outro livro kkkkk.
Espero que gostem, eu me aprimorei um pouco na escrita enquanto estive fora.

Capítulo 3 - Quem é você afinal?


Fanfic / Fanfiction Always here - Sempre aqui - Capítulo 3 - Quem é você afinal?

- Nossa Jeremy

Uma voz conhecida ecoa na minha cabeça me acordando.

- Você ta inteiro ai? nem vou perguntar sobre o resto.

- Eu.. o que? sei lá...onde é que eu estou?

 

Escuto risadas vindo de longe, do mesmo lugar que a voz de Stevens me chamara anteriormente. Começo tentar a me levantar ainda zonzo, pelo que parece eu estou no sofá da sala da "garota nova".  Eu sei que o nome soa estranho falando desse jeito, mas eu ainda nem tive a chance de perguntar o seu nome, enquanto me reviro da posição bizarra em que dormi acabo derrubando diversas latinhas que parecem ter me feito companhia essa noite, olho com espanto quando vejo o estado que se encontrava a sala hoje, eu poderia jurar que uma guerra havia sido travada ali mesmo enquanto eu dormia.

- Cara.. porque eu estou sem camisa?

- Era isso que eu esperava que você me dissesse. Parece que alguém se deu bem ontem, ou nem tanto afinal cadê ela? - Diz ele finalmente aparecendo no corredor entre a sala e a cozinha vestido com uma roupa totalmente diferente da noite anterior, uma jaqueta estilo exercito verde musgo e com alguns botons na parte da frente perto do peito, na jaqueta também tinham algumas palavras bordadas em rosa: "Sexy P". O que afinal não combinava nada com o seu estilo.

-Parece que eu não fui o único que se divertiu ontem - Digo o olhando de cima abaixo enquanto ria da roupa e pelo jeito ainda não tinha notado o quão ridículo estava na jaqueta que não passava da linha do umbigo vestida nele.

Ele da um sorrisinho enquanto se vira acenando pra alguém que estava na cozinha, mas eu não conseguia enxergar com os olhos que ainda estavam entre abertos. Alguns flash backs estranhos começam a se passar na minha cabeça, não lembro de muita coisa de ontem a noite, porém um deles eu consigo me lembrar quase de imediato, a garota que eu dancei e também beijei agora não tinha um rosto, além de um grande mistério para mim e Stevens, parecia ter sumido também.

Não fizemos muita coisa após isso, quase todas as vezes somos os primeiros a sair da festa de manhã e pelo que Stevens me contava, os que mais se divertiam também, acredito que era mais porque ele não queria ajudar a limpar a bagunça.          

- Então está me dizendo que não lembra de nada?

- Exatamente.

Paramos no meio da rua que nos levava ao caminho de casa, o sol ainda nem havia nascido ainda e estava tudo totalmente deserto, os semáforos pareciam não estar funcionando naquela rua, apenas piscavam na cor amarela e as luzes refletiam da calçada cinza, Stevens coloca as mãos atrás da cabeça enquanto caminha em um semicírculo.

- Puta merda, eu não acredito! essa era pra ser a sua melhor noite e você me esquece do que aconteceu?!

- Como assim, o que aconteceu cara? - Pergunto agora indignado, parece que algo de importante havia acontecido e tinha a impressão que ele sabia de algo, algo que não queria me contar.

- Não é como eu não lembrasse de tudo, lembro de ela me puxar pra dançar e de todas luzes piscando enquanto bebíamos e... eu a beijando,

Ele vem quase que na mesma hora pra cima de mim e passa um dos braços por cima do meu ombro mudando sua postura, de forma muito rápida como sempre e sussurra em meu ouvido.

- E como foi? você classificaria isso como uns amassos ou um selinho de amigo? talvez ela achou que você fosse gay.

Me viro jogando seu braço pra longe enquanto dou um soco no mesmo rindo ao imaginar a situação

- Você é um otário mesmo.

- Relaxa isso não quer dizer algo ruim, ela poderia treinar beijo com você ao invés do travesseiro - Ele faz uma pausa enquanto mexe o braço sentindo o soco segundos depois.

- E é exatamente por isso que somos amigos - Ele retruca com um sorriso no rosto e quase não percebemos o quanto já tínhamos andado,  já estávamos perto da "PAA" (Era como chamávamos a praça que separava nossos caminhos de volta pra casa ou também conhecida como a "praça aparentemente abandonada").

- Se lembrar de mais alguma coisa é só me chamar, principalmente se for... bom você sabe.

 

Ele segue seu caminho dando um sorriso malicioso e atravessando pro outro lado da rua, depois de um tempo sumindo na imensidão cinza e na neblina. Quando chego em casa, quase não noto a ausência da minha mãe, já havia acostumado a não vê-la chegar e as vezes nem sair, exceto quando ela precisava deixar um recado importante ou me pedir um favor que era detalhado demais pra ser deixado em escrito no bloco de notas da nossa geladeira.

Enquanto subo para o quarto ouço um barulho na cozinha e desço quase que instintivamente apesar de pensar muito antes de faze-lo. Uma coisa que aprendi com os filmes é que quando se ouve algum barulho suspeito, você nunca, em hipótese alguma deve ir checar, se quer ficar vivo ou caso queira bancar o corajoso e claro ser o primeiro a morrer pode ir sem medo, sério vai lá.

Uma luz bate em meu rosto e acabo a cobrindo com uma das mãos tentando evitar uma futura dor de cabeça por  conta da ressaca da noite passada, não era nada demais, apenas a cortina que estava batendo na janela por conta do vento e acabou derrubando alguns copos na pia, acho que se fosse alguma espécie de espírito maligno ele teria que fazer mais que derrubar um copo pra me impressionar.

Mais tarde daquele mesmo dia estava deitado na cama do meu quarto depois de ter tomado banho, me perguntando o porque não conseguia me lembrar de nada, pra mim era algo muito além da bebida, aquilo me deixava impaciente demais, ao ponto de não conseguir pensar em mais nada e me fazer voltar a pensar sobre isso como se fosse um ciclo vicioso.

- Eu estou apaixonado por ela? - Falo pra mim mesmo depois de um enorme silêncio tomar meus pensamentos. Fico imaginando o quanto isso seria ridículo e o quanto Stevens estaria rindo de mim agora se eu o contasse em voz alta.

- Claro que não - Nego pra mim mesmo com a cabeça - Estou apenas curioso.

Escuto o barulho de algo batendo na janela do meu quarto, o que me chama a atenção, não poderia ser um galho já que não havia nenhuma árvore perto da casa e por conta de ser no andar de cima não era possível alcança-lo normalmente. Não era um barulho alto ou ameaçador o que não me assusta, acabo me sentando na cama depois de levantar involuntariamente e olho fixamente em direção ao barulho, por um momento várias opções possíveis e impossíveis passam na minha cabeça.

Me levanto e vou andando lentamente quase que na ponta dos pés em direção a beirada da janela que agora estava em silêncio total, decido olhar diretamente pra fora de uma vez só quando de repente.

- TOOOK! - Uma pedrinha acerta a janela novamente fazendo um barulho bem mais alto dessa vez, tomo um susto diante da situação mas por um momento quase não ligo, meus olhos estão fixos no lado de fora no quintal de casa. Uma figura conhecida com uma blusa de capuz amarela que era bem maior que o seu corpo magro e pequeno estava parada ali, segurando um monte de pedrinhas idênticas as que vinham em direção a minha janela e com um sorriso por baixo do capuz derruba o restante das pedrinhas no chão enquanto olha em direção a janela.

Sorrio de volta sem ao menos perceber.

- Quem é você afinal... Garota Misteriosa.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e que ainda estejam aqui :')
Não deixem de comentar se gostaram e o que esperam da história daqui pra frente. Quem sabe eu não goste da sua ideia.



Declaro que as imagens usadas por mim nessa história são meramente ilustrativas e não são de minha autoria, dando então total crédito aos seus devidos autores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...