1. Spirit Fanfics >
  2. Always On My Life >
  3. Nossa História

História Always On My Life - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olha eu aqui de novo!!! Mais uma Fanfic para vocês... Espero muito que gostem, escrevi com muito carinho. Boa leitura ♥️

Capítulo 1 - Nossa História


Fanfic / Fanfiction Always On My Life - Capítulo 1 - Nossa História

É difícil achar alguém que não me conheça, que não lembre da minha imagem quando é mencionado meu nome, Michael Jackson. Eu nasci em Gary, Indiana, em uma casa minúscula de dois quartos... Eu e meus irmãos dormíamos em um dos quartos, numa beliche tripla, Tito e Jermaine na parte superior, eu e Marlon na do meio e Jackie na de baixo. Meus pais dormiam no outro quarto e as minhas irmãs, Janet, Rebbie e LaToya num sofá cama da sala (quando Randy nasceu, dormia em um outro sofá).

Nossa situação não era muito satisfatória, mas pelo menos tínhamos uma casa e não nos faltava comida.

Quando meu pai, Joseph, estava trabalhando, eu saía de casa com a permissão da minha mãe, Katherine, para ver minha única amiga, Bathany, que eu chamo carinhosamente de Beth.

Bethany é, mais ou menos, dois meses mais nova que eu. Ela tinha olhos médios e castanhos claros, que contrastavam com sua pele escura, pouco mais clara que a minha. Seu cabelo era cacheado, volumoso e grande, bem escuros.

Beth era uma garota de classe média, sua mãe que trabalhava, o que era incomum na época... Bethany era filha de mãe branca, alemã que veio para Gary por algum motivo, de cabelos claros e olhos castanho mel assim como os dela, e pai negro, aqui de Gary, com cabelo afro curto...

Kate e Joe sempre foram amigos de Verena e Johnson, pais de Beth, fazendo com que nós dois fossemos amigos desde que nascemos.

Como quase todo dia, eu me ajeitei para ir na casa de Beth

-Vai ver sua namoradinha? - Jermaine me provocou

-Ela não é minha namorada - respondi

-Então por que sempre sai tão cheiroso para vê-la? - Jackie deu continuidade

-Porque não sou vocês, me importo com minha higiene e cheiro - respondi áspero

-Parem com isso garotos, deixem seu irmão em paz e Michael, respeite seus irmãos - mamãe nos repreendeu, saí pela porta e avistei Beth que me esperava sentada na varanda de sua casa. Corri até lá

-Você demorou, pensei que não vinha mais - disse ela ainda sentada

-Estava terminando de ajudar minha mãe... Não vou poder ficar aqui tanto tempo, Joseph não demora a chegar - falei ofegante por ter corrido da minha casa até a dela, apesar da distância ser curta. Me sentei ao seu lado

-Vai ensaiar com seus irmãos hoje? - ela perguntou

-E quando eu não ensaio? Joe não demora a nos obrigar a ensaiar o dia todo - falei, ficamos alguns segundos em silêncio -Então, o que preparou para nós?

-Eu tinha pensado em uma partida de futebol entre eu e você, mas como vai para casa mais cedo não vai dar tempo - ela disse

-Por que não chamamos os outros? - perguntei

-Eles não gostam da gente, nos acham metidos por acharmos eles infantis demais mesmo tendo nossa idade... E os garotos não gostam de jogar com uma garota que é melhor que eles - ela respondeu

-É verdade... - concordei. Beth estava vestindo um conjunto de pijama, uma calça e uma camisa de manga comprida, com botões, rosa claro e algumas estampas. Seus cabelos estavam soltos, cobrindo suas costas e parte do seu rosto. Eu usava uma calça jeans e uma camisa de manga longa marrom. Podíamos ouvir a voz do pai de Beth cantar, uma voz forte e muito bonita, como a de Verena e Beth. Quando olhava um pouco para trás, podia ver a sombra da cabeça de Johnson pela fina cortina branca da janela

-Beth, acha que parecemos namorados? - perguntei baixo

-Não! - respondeu incrédula -Eu nunca namoraria você

-Imagine eu com você! Credo - falei fazendo cara de nojo

-Bev, o café já está na mesa - a voz delicada e carregada de sotaque de Verena veio da porta, já aberta

-Já vou mãe - Bethany respondeu virando para trás

-Olá Michael - Verena disse

-Olá Senhora Verena, como está? - respondi me virando também

-Estou bem, querido, e você e sua família? - perguntou

-Estamos todos bem, minha mãe disse que podem passar lá quando quiserem - respondi

-Como se eu não soubesse - ela disse com um sorriso, sorri de volta -Venha Bev

Beth se levantou, eu levantei também

-Tchau Bev - falei

-Só minha mãe pode me chamar de Bev - ela disse me fazendo rir. Ela entrou em casa e eu voltei andando para a minha... Nossas casas ficavam quase uma na frente da outra, era só atravessar a rua e andar um pouco mais para o meio da Jackson Street que chegava na casa de Beth

Quando cheguei em casa, Joe ainda não havia chegado, eu sempre tomava cuidado para entrar antes dele... Quando chegou, fizemos o mesmo de sempre, ensaiamos por duas ou três horas, entre broncas e cintadas quando erravamos algo. Continuou assim, até o dia em que Joe nos proibiu de sair... Gary havia virado um lugar perigoso e nossos pais tinham medo das influências que poderíamos ter fora de casa. Beth, ao perceber que eu não estava indo a sua casa a alguns dias, bateu na nossa porta, pela tarde, Joe não estava e minha mãe atendeu a porta

-Oh, Olá Bethany - minha mãe disse ao abrir a porta

-Olá tia Katherine, posso falar com Michael, por favor? - ela pediu educadamente

-Claro, vou chamá-lo - Kate disse, se virou e foi em direção ao quarto, me chamou e foi para a cozinha... Saí da casa e fechei a porta atrás de mim

-Por que não vai mais lá em casa? - ela perguntou

-Joe não me deixa sair, diz que a rua tem muitas más influências - respondi

-Sempre teve, não é novidade - ela disse

-Desculpa, estamos ensaiando muito e indo em concursos - falei

-Contando que ganhe... - ela disse

-Sempre ganhamos - respondi -Não demora para que nos veja passar na TV

-Lembre de mim quando ficar famoso - ela disse

-Como eu poderia esquecer? - falei fazendo-a rir. -Mas sinceramente, as vezes gostaria que minha mãe não tivesse me visto cantar

-Ficou doido? O Jackson 5 não seria nada sem você como vocalista

-Claro que seria, Jackie e Jermaine tem uma ótima voz - falei

-Todos sabemos disso, e sabemos também que a sua voz é melhor, sua dança é melhor... - ela disse

-Eu já entendi, já entendi - falei tentando encerrar o assunto.

Conversamos mais um pouco, mas tive que entrar novamente... Da janela, vi parte do percurso de Beth indo de volta para casa, não dava para ver até lá.

-Olha só, mamãe, a cara de apaixonado que Michael fica quando fala com Bethany - LaToya falou alto, queria que todos na casa ouvissem

-Não fico com cara de apaixonado, e você nem sabe o que é uma cara de apaixonado - falei

-Eu sabia que vocês estavam namorando - Jackie disse

-Nós não estamos namorando, parem com isso - Rebati

-Admita logo que está gostando da garota, Mike, assim ficará livre - Jermaine aconselhou

-Como eu vou admitir algo que não está acontecendo? - perguntei

-Deixem seu irmão em paz, ele e Bethany são amigos desde que nasceram, e Michael não tem nem idade para namorar ou estar apaixonado - mamãe disse. Fui para o quarto e deitei na minha parte da beliche, de bruços, afundei meu rosto no travesseiro

-Micheal... - mamãe entrou no quarto e se sentou na cama onde eu estava -Eles são seus irmãos mais velhos, vão estar sempre te provocando

-Mas eu não gosto disso... Tem algum problema em ser amigo de Beth? Nós nem sequer parecemos namorados - retruquei

-Eles sabem disso, só fazem isso para que você fique assim. Sabem que você e Bethany são só amigos - Kate disse fazendo carinho nas minhas costas. Não respondi... Mamãe se levantou e se retirou do quarto. Virei o rosto ficando com a bochecha no travesseiro e podendo ver a porta aberta. Pude ouvir Kate falando com meus irmãos

-Parem de provocar seu irmão desse jeito, ele não gosta - ela disse

-Relaxa mãe, é só uma brincadeira - Jackie disse

-E você, Jackie, é o mais velho, era para ser o que menos faz esse tipo de coisa - Kate disse

-Não sou só eu que faço essas coisas, até Marlon faz - Jackie rebateu

-Já chega, não quero mais ninguém fazendo isso, e deixem esse assunto longe de seu pai, é melhor para vocês - Kate disse deixando todos calados e silenciosos. Jackie se retirou, indo paro o quarto

-Você é muito molenga - disse ao me ver deitado na cama -Desse jeito não vai se dar bem nesse mundo -não respondi. Ele subiu para sua beliche e começou a ler um livro.

Minha vida e a de Beth continuaram normais... Eu e meus irmãos assinamos com uma gravadora pela primeira vez, a Steeltown Records... Dois compactos simples foram lançados, mas foram um fracasso nos fazendo romper o contrato. Esse contrato só nos rendeu a curiosidadede de alguém da Motown. No final de julho de 1968 fomos fazer um teste para a Motown e três dias depois assinamos o contrato. É óbvio que quando voltamos para casa fui direto para casa de Beth avisar o que havia acontecido. Mal desci do carro e fui correndo para a casa de Bethany, bati na sua porta algumas vezes enquanto tentava controlar minha respiração ofegante. Johnson atendeu a porta

-Micheal, o que faz aqui? - ele perguntou ao me ver na porta

-Boa noite senhor Johnson, eu posso falar com Beth? É urgente - falei ainda ofegante

-Esta tudo bem? Precisa de um copo d'água? - ele perguntou

-Esta tudo mais que bem, mas eu aceitaria um copo de água por favor - falei, Johnson entrou deixando a porta entreaberta

-Bethany, Michael está na porta e quer falar com você - a voz alta e grave dele chamou Beth enquanto ele ia para a cozinha. Bethany abriu a porta

-Micheal, o que hou... - interrompi sua fala com um abraço

-Bethany, está acontecendo! - falei

-O que está acontecendo? - ela perguntou confusa

-Nosso sonho! Vou ficar famoso, vou passar na TV! - falei

-Quê? Me explica direito - ela pediu enquanto Johnson trazia o copo d'água. Peguei o copo, o agredeci, bebi a água rápido e devolvi o copo para Johnson o agredecendo novamente, ele voltou para a cozinha

-Nós assinamos um contrato com a Motown! - respondi

-Não brinca! Sério?! - ela falou agora empolgada me dando mais um abraço -Espera, a mesma Motown de The Supremes, Stevie Wonder e Marvin Gaye?

-Sim! E vamos conhecer Diana Ross e todos os outros! - respondi

-Que incrível, Michael! - ela disse - Só não esqueça de mim quando estiver famoso

-Como eu poderia esquecer?! - respondi

A alegria durou mais um pouco, mas tive que voltar para casa...

O contrato só foi oficialmente legalizado em março de 1969 e em agosto do mesmo ano veio a primeira angústia... Berry Gordy queria meu pai, eu e meus irmãos em Los Angeles... Meu pai não iria levar minha mãe ou minhas irmãs e Randy para lá até ter certeza que tudo estivesse certo.

Ter que me despedir da minha mãe, minhas irmãs e de Beth sem saber quando as veria de novo foi doloroso, agora eu não teria como contar as coisas boas que estavam acontecendo com apenas 5 minutos no telefone... Mas teve que ser assim, fiquei mais tranquilo em saber que estaria realizando sonho não só meu, mas de Beth, Kate e minhas irmãs.

Os anos foram passando e eu contava tudo que podia para Beth nas curtas ligações... Falava sobre como Diana era incrível, do trauma que era ver Joseph traindo Kate e Jackie e Jermaine tratando as garotas como lixo depois de uma noite de prazer, sobre como estava lidando com minha aparência e tudo que estava acontecendo, e ela sempre me dando todo apoio possível.

Beth me contava que tinha todos os discos dos Jackson 5 e os meus solos, me contava suas músicas favoritas, como estava seus estudos, depois sobre a profissão que ela iria seguir, como ia a faculdade que ela começou em 1976.

No final de 1982, Beth já estava formada em direito e já exercia a profissão de Advogada, a última vez que nos vimos foi em sua formatura no final de 1981. Ela tinha ido morar em Los Angeles, apesar de não ser longe não tínhamos tempo para nos ver.


Notas Finais


Lembrando que os capítulos serão postados dia de sexta, sábado e domingo, então amanhã tem cap novo. Espero que gostem♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...