História Always Snape - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Argo Filch, Dobby, Draco Malfoy, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Harry Potter, Hermione Granger, Lílian Evans, Lílian L. Potter, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Merlin, Minerva Mcgonagall, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Personagens Originais, Remo Lupin, Rúbeo Hagrid, Salazar Slytherin, Severo Snape, Sibila Trelawney, Sirius Black, Tiago Potter, Tiago S. Potter
Tags Always, Draco Malfoy, Harry Potter, Imagine, Lucius Malfoy, Severo Snape, Severus Snape
Visualizações 96
Palavras 3.126
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Rip Narcisa

Boa leitura 💚🐍💚

Capítulo 20 - Velório


Fanfic / Fanfiction Always Snape - Capítulo 20 - Velório

     ~ Velório da Narcisa ~

            { POV [s/n] }

Todos os amigos próximos aos Malfoy estão no velório. Familiares da Narcisa estão aqui também, mesmo que sejam poucas as pessoas. Eu estou ao lado do caixão com Draco me meus braços chorando aos prantos.

- E-e-e-e-eu que-que-quero minha mãaaeee - Draco diz com muita angústia. Seu sofrimento é muito evidente e meu coração fica bem apertado de ve-lo assim. Eu dou uma rápida olhada para Lucius e ele me parece um pouco irritado com o choro do filho. Quando Lucius para mim faz uma cara de grande tristeza... Bom, não é para menos que ele esteja tão triste.

- Meus pêsames, Lucius - A voz irritande de Mestrande alcançam meus ouvidos.

- Obrigada, Isabella - Lucius diz com a voz um pouco falha.

- Espero que não sofra por muito tempo, Lucius - Snape... Aparentemente ele não se desgruda da Mestrande. - Draco... - Sinto Snape se aproximar. Ele põe a mão sobre meu ombro - Venha aqui - Ele puxa levemente o braço do garoto. Draco está bem mole e vai com facilidade para os braços do padrinho. Eu me afasto dos dois e vou para o lado do Lucius.

- E-e-ela morreu - Draco chora no peito de Severus

- Eu sei, eu sei. - Severus passa a mão pelo cabelo do afilhado com tristeza. Ele vai levantando o olhar até parar em mim, prontamente eu desvio o olhar. Não to afim de fala com o Severus.

- E-eu... - Lucius fala baixo e depois deixa algumas lágrimas caírem - Com licença - Lucius saí de perto do velório e vai para uma tenda perto do local.

- Deem-me licença, por favor. - Eu aceno e saio atrás do Lucius. Quando chego na tenda ele está de costas. - Lucy ? - Eu digo um pouco hesitante. Lucius se vira para mim bruscamente com os olhos cheios de lágrimas.

- Eu não acredito que ela morreu - Ele vem rápido para meus braços, praticamente se jogando. - Por que isso teve que acontecer ? - Ele diz entre alguns soluços

- Eu não sei... As vezes acontecem coisas que não queremos - Eu digo tentando acalma-lo - Todos nós vamos morrer, Lucius. - Ele me abraça mais forte - Vai ficar tudo bem. Pense só nós momentos felizes com ela... Tente não focar nessa coisa horrível que aconteceu, será pior... Pode entrar em uma depressão - Lucius continua me apertando forte - Eu... To sem ar - Digo ofegante

- Ah... Me desculpe - Ele descola um pouco seu corpo do meu. Nossos rosto ficam bem perto um do outro. Lucius olha nos meus olhos e depois para minha boca. Ele se aproxima novamente de mim. Eu por impulso o empurro.

- Hã... Me desculpe. Eu fiquei sem ar. - Digo engolindo seco - Eu vou já venho - Saio da tenda um pouco confusa. Ele não iria me beijar não é? A mulher dele acabou de morrer... Sabe... Ele ama ela. Deixe de coisa [s/n], você está imaginando demais. Eu balanço minha cabeça para tirar esse pensamentos e sinto uma mão agarrar meu braço e me puxar - Mas o que é isso ? - Eu digo confusa com o que está acontecendo. Sinto meu corpo ser rodado rapidamente e depois vejo o Snape.

- O que estava fazendo naquela tenda ? - Snape diz entre os dentes

- Estava ajudando meu amigo. Não sei se percebeu mas a mulher dele morreu! - Eu digo com raiva

- Percebi... E aparentemente ele tava se recuperando disso. Ou ele nem ficou abalado para se recuperar. - Ele diz debochado

- Você escuta o que fala? Por que, querido, você está falando besteiras - Eu digo irritada

- Ah é ? - Ele se aproxima de mim e me puxa. Nosso corpos estão colados e nosso rosto muito perto um do outro. - A-acha... - Ele engole seco - Acha que... - Ele se aproxima nossas bocas. Meu corpo inteiro se arrepia com esse toque suave de nossas bocas.

- Sai... De... Perto... De ... Mim. - Eu digo fechando meus olhos - Eu... não quero... Te ver - Eu coloco minhas mãos nos seus ombros. Snape continua roçando seu lábio no meu. - Snape... - Ele finalmente sela nosso beijo, um beijo que eu deseja sentir há muito tempo. Mesmo que ele seja um idiota, eu ainda amo esse cara.

- Sevinhoooo~ - A Mestrande novamente estragando nosso momentos - Onde você está ? - Snape se afasta rapidamente de mim e se recomponhe.

- Você é uma idiota, [s/n]. Cega... Não consegue ver uma coisa tão simples quanto o que aconteceu na tenda. Na verdade, você não percebe muitas coisas... Como por exemplo, o fato de que eu só me divirto com você - Ele diz aquilo e eu não acredito. ELE ACABOU DE ME BEIJAR SUPER CARINHOSAMENTE E AGORA ESTÁ SENDO UM IDIOTA. EU ESPERO QUE ELE EXPLODA.

- OLHA AQUI SEVERUS - Eu vou pra cima dele, mas alguém me segura pela barriga. - ME SOLTA ! - Eu tento tirar a mão da pessoa da minha barriga.

- Aqui ainda é o velório da minha esposa, e eu não quero brigas aqui. - A voz do Lucius sai com um pouco de dificuldade, já que ele está fazendo força para me segurar.

- Eu não quero briga nenhuma, só tava conversando pacificamente com a... [s/n] - Snape fala meu nome com desprezo. Eu tento mais uma vez voar no pescoço dele, mas o Lucius me segura forte.

- Deveria parar de fazer qualquer coisa, Severus. Dá última vez que tentou salvar uma garotinha que sempre estava nos seus pensamentos... ela acabou morta... Lembra ? - Lucius diz com deboche, e dessa vez quem quer partir pra cima de alguém é o Snape.

- Escuta aqui Lucius. - Ele se aproxima e Mestrande segura o braço dele

- Gente, acalme os nervos. Todos estão tensos com a situação... Vamos voltar para o velório sim? O Draco está lá sozinho. - Ela passa a mão pelo braço de Snape - Vamos, meu amor. - Mestrande puxa Snape que olha fixamente para mim. Eles saem em direção a aglomeração. Lucius ainda continua me segurando.

- Pode me soltar - Eu suspiro e assim Lucius o faz.

- Posso fazer uma pergunta ? - Lucius diz ainda com o olhar fixo no caminho que Snape e Mestrande seguiram.

- Hum... - Digo e olho para o loiro em minha frente

- Snape... Alguma vez foi carinhoso demais com você ? - Ele abaixa seu olhar para mim

- Na-na-não... - Eu engulo seco - Sempre foi um grosso idiota.... Sempre vai ser - Eu suspiro.

- Entendo... - Lucius suspira - Vem vamos. Já vão enterra-la. - Ele pega em minha mão e nós seguimos para perto de todos. Draco corre para meus braços e Lucius solta minha mão.

- Eu não quero que ela vá - Draco diz chorando muito alto

- Draco... - Eu já não sei mais o que falar. Apenas abraço o garoto. Todos se põe de pé e o coveiro vai descendo o caixão. Draco está com a cara enfiada no meus braços... Ele não quer ver nada. Meu coração fica partido com essa cena e algumas lágrimas também saem de mim. Começam a jogar a terra sobre o caixão... e assim, pouco tempo depois, o caixão está soterrado. Que descanse em paz, Narcisa.

        ~ 3 mês depois ~

              { POV [s/n] }

Sabe... depois da morte da Narcisa, aconteceram algumas mudanças... O Draco ficou mais revoltado e rebelde do que era. Ele fica bem afastado de mim durante o dia, mas quando chega de noite ele vem no meu quatro e fica chorando nos meus braços. O Draco anda dando muitos mais problemas do que o normal, ele anda pregando peças nos professores, fazendo bullying com os alunos, maltratando alguns funcionários. Pode parecer coisas que o Draco faria normalmente, mas... Ele está fazendo num nível bem pior. Ontem ele deixou o coitado do neville só de cueca no Grande Salão... Neville nem nas aulas foi hoje.

Já minha relação com o Snape, essa...bom, essa foi totalmente cortada. Eu só vejo ele nas aulas, não nós falamos desde o velório. Ele anda ainda mais colado com a Mestrande, alguns dizem que eles vão casar. Eu digo que sinto é nojo deles...

Bom, mas o que vem me deixando incomodada foi uma situação com o Lucius uma semana depois do velório.

       ~ Lembrança ~

Eu estou tentando fazer o Draco dormir, mas está difícil. Desde a morte da Narcisa, o Draco passou a ter muitos pesadelos... Em muitos desses pesadelos ele diz que eu morro, confesso que não fico muito confortável escutando essas coisas, mas tudo bem - Draco ? - Eu falo bem baixo e não obtenho resposta. Acho que finalmente ele dormiu... Eu levanto da cama com o maior cuidado para não acordar o garoto. Abro a porta lentamente e saio do quarto, desço as escadas e vejo o Lucius olhando para mim

- Venha - Ele diz com um sorriso e eu o acompanho. Nós vamos para o quintal e lá nos sentamos na mesa. - Estou preocupado com o Draco... Isso deixou ele completamente abalado - Lucius diz e suspira. - O que eu faço, [s/n] ? - Lucius me olha triste

-Tente ficar calmo... Draco vai precisar de alguém forte para ajuda-lo. - Eu digo forçando um sorriso

- Mas eu também preciso de uma pessoa. Também preciso de alguém que seja forte por mim, que me ajude a dormir. - Ele se aproxima de mim - alguém que cante uma música que me faça relaxar... - Lucius me olha e sorri. Eu entendi o que ele quis dizer e pigarreio... Irei cantar

~ You've got a hold on me

Don't even know your power

I stand a hundred feet

But I fall when I'm around ya

Show me an open door

And you go and slam it on me

I can't take anymore

I'm saying

Baby, please have mercy on me

Take it easy on my heart

Even though you don't mean to hurt me

You keep tearing me apart

Would you please have mercy, mercy on my heart?

Would you please have mercy, mercy on my heart?

I'd drive through the night

Just to be near you, baby

Heart open, testify

Tell me that I'm not crazy

I'm not asking for a lot

Just that you're honest with me

And my pride is all I got

I'm saying

Baby, please have mercy on me

Take it easy on my heart

Even though you don't mean to hurt me

You keep tearing me apart

Would you please have mercy on me?

I'm a puppet on your strings

And even though you got good intentions

I need you to set me free

Would you please have mercy, mercy on my heart?~

Lucius apoia a cabeça em meu ombro.

- Obrigado por tudo, [s/n] - Lucius diz com uma voz doce. Ele se afasta de mim e segura meu rosto... Em questão de segundos ele se aproxima e me beija. Seu beijo é cheio de vontade, mas... Eu estou em choque e não me movimento. Lucius pede passagem com sua língua mas eu não concedo... Eu o empurro e o olho assustada.

- E-e-e-eu acho me-me-melhor nos irmos dormir. Cada um em seu qua-qua-quarto. - Eu fico com a boca aberta de espanto. Minha única reação é olhar para ele sem acreditar no que está acontecendo.

- [s/n]... não vá... - Ele se aproxima de mim mas eu dou alguns passos para trás.

- Boa noite, senhor Malfoy - Eu entro quase que correndo dentro da casa e subo para o quarto de Draco. Deito na cama e passo a noite toda acordada tentando entender o que havia acontecido.

~ Presente ~

Naquela manhã quando acordei não vi o Lucius... Na verdade, desde aquela noite eu não o vi mais. Ele não me mandou mais nenhuma carta, até mesmo Draco não teve nenhuma noticia do pai... Lucius simplesmente sumiu. Eu não posso pensar nisso agora... Tenho que ir jantar.

             ~ Corredor ~

            { POV [s/n] }

Eu estou andando para o Grande Salão bem destraida. Não me sinto muito bem desde o baile... e sabe, ainda tem os meus pesadelos com o Anjo e o Demônio, sinto que vou ficar louca... Isso se eu já não estou.

- E o que vamos fazer, Dumbledore ? - Eu escuto a voz abafada do professor Lupin. Tento me aproximar para escutar a conversa. Não que eu seja enxerida, mas... Eu aceito qualquer desculpa para não ir jantar.

- Fique calmo, Remus. Falarei com Severus - Dumbledore diz com um tom calmo

- Mas, Dumbledore... Ele não quer me ajudar. - Lupin suspira - Eu sei tudo de ruim que fiz para ele, sim? Mas eu preciso disso... E o Snape não quer me ajudar por vingança - Lupin se aproxima de Dumbledore e põe suas mãos sobre os ombros do mais velho - Me ajude... Semana que vem é Lua cheia, preciso da poção de acônito logo. - Lupin abaixa a cabeça

- Severus irá fazer a poção... Ele só é muito orgulhos, sim? - Dumbledore passa a mão pela cabeça do Lupin - além de andar muito estressado e triste...

- Ele deveria parar de criar planos que o deixe sempre sozinho e infeliz - Lupin levanta a cabeça e tira as mãos dos ombros do Dumbledore

- Severus está fazendo isso para descobrir algo importante, Lupin. - Dumbledore suspura - Mas devo admitir que não gosto de ve-lo sofrendo novamente por alguém que ama. Dessa vez é um pouco mais difícil para ele, já que a mulher que ele está viva e ele não pode ficar com ela. Foi difícil para o Severus abri o coração de novo para alguém, Lílian sempre foi o amor da vida dele. - Dumbledore dá uma pausa - Acho que ele precisava de alguém que o fizesse sorrir de novo...

- Assim como Lily fazia... - Lupin engole seco - Me sinto mal por ter ajudado a separar eles dois...

- Você não fez nada.... diretamente. Severus também não tomou boa decisões. Tudo isso ocasionou na morte de Lílian; na tristeza, angústia e rancor profundo do Severus; em Harry... Coisas ruins acontecem e sempre tem um propósito - Dumbledore dá uma pausa - Então, por isso que ... - Dumbledore começa a falar sussurando e eu não consigo entender o que ele está falando. Eu me inclino um pouco mais para conseguir ouvir, mas acabo me desequilibrando e caio dentro da sala que os dois estavam.

- Senhorita [s/n] !- Lupin vem rápido e me ajuda a levantar

- Ai meu braço - Digo sentindo uma dor no braço.

- Escutando alguma coisa senhorita ? - Dumbledore diz e dá um sorriso travesso.

- N-não senhor... Estava indo para o Grande salão e acabei me desequilibriando, só isso - Eu dou um sorriso de nervoso.

- Claro... Fico feliz que estava indo para o Grande Salão. Já faz muito tempo que não a vejo lá... Voltou a não comer ? - Dumbledore me lança um olhar triste

- Eu... Só... Não sinto fome de noite. - Dou outro sorriso nervoso

- E de manhã, e de tarde... Senhorita [s/n], não fui o único a notar isso. Me disseram que a senhorita nunca mais pisou no Grande Salão. - Dumbledore se aproxima de mim.

- Quem lhe disse isso ? - Eu digo sentindo um frio na barriga

- Ele... - Dumbledore então levanta o seu olhar e olha atrás de mim. Eu me viro devagar e vejo Severus atrás de mim, em pé na porta. Severus olha para mim com a sobrancelha arqueada.

- Trouxe o que queria - Severus diz com uma voz fria, então, tira um prato bem pequeno de seu bolso. O Pálido pega sua varinha e lança um feitiço no pequeno prato, que fica do tamanho normal. Vejo que há uma comida bem gostosa no prato.

- Muito obrigado, Severus - Dumbledore pega o prato e põe a mão no meu ombro. Por que não senta na minha mesa? - Ele sorri para mim

- Sua mesa ? Não estamos na sua sala, professor Dumbledore. - Eu digo rindo

- Ah não? - Ele olha em volta - Ah claro... Só um instante - Dumbledore estende a mão e eu e Lupin a seguramos. Snape olha para mim, dá as costas e vai embora. Meu sorriso se desfaz e uma dor atinge meu peito. Dumbledore nos aparata para sua sala. - Tome, sente em minha mesa e coma. - Ele me entrega o prato e eu caminho cabisbaixa para sua mesa. Eu me sento na cadeira e ponho o prato sobre a mesa. Lupin e Dumbledore estão olhando para mim... eu apenas mexo a comida com o garfo mas não sinto vontade de comer. Uma tristeza me atingiu... E assim completo 1 mês sem comer... Pode parecer impossível mas... Eu não vou ao Grande Salão para evitar ver o Snape e a Mestrande, e também não sinto fome.

- Fale com ele, Dumbledore. Peça para ele ao menos conversar com ela - Lupin fala baixo, mas consigo escutar

- Eu já falei, mas ele diz que é melhor assim. - Dumbledore diz triste

- A garota não come mais... Ela pode morrer de fraqueza. - Lupin parece preocupado - Nas minhas aulas, ela era uma das mais ativas. Agora, ela mal abre a boca. - Lupin passa a mão pelos cabelos - Peça para ele ao menos dizer oi para ela, isso não vai estregar nada, vai? - Lupin dá uma pausa quando ver que eu estou olhando atentamente para eles - hã... Não está com fome, querida? - Ele me dá um sorriso

- Não... desculpe - Eu empurro o prato de perto de mim.

- Você tem que comer, [s/n] - Dumbledore fala preocupado - Assim vai acabar morrendo.

- Não é como se alguém fosse ligar, sabia? - Eu digo emburrada

- Claro que alguém ligaria. Eu ligaria se isso acontecesse com você - Lupin fala e sorri

- Assim como : Harry, Hermione, Rony. Sabia que eles também vieram me falar sobre sua falta de apetite ? - Dumbledore se aproxima ainda mais - Draco, Lucius, Eu - Ele chega do meu lado - Severus não suportaria perde-la - Eu me levanto bruscamente da cadeira

- ELE NÃO LIGA PARA MIM - eu deixo lágrimas escaparem - ELE NÃO LIGA MAIS PARA MIM, NÃO LIGA SE ESTOU BEM OU MAL. - Eu começo a sentir falta de ar - ELE NÃO ME AMA MAIS, ENTENDEU ? - Mal consigo ver o professor Dumbledore, há muitas lágrimas em meus olhos.- Eu... Eu .... Eu - O professor Dumbledore nada diz, apenas se aproxima de mim e me abraça. - Eu o amo, professor... O que eu fiz para ele fazer isso comigo ? - Eu digo entre soluços.

- Não fez nada querida. Um dia você vai entender, eu prometo. - Ele faz carinho em minha cabeça e eu choro em seus braços. Isso toma muita energia minha... e eu acabo desmaiando.


Notas Finais


Creditos da música : Mercy - Shawn Mendes


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...