História Always Snape - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Argo Filch, Dobby, Draco Malfoy, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Harry Potter, Hermione Granger, Lílian Evans, Lílian L. Potter, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Merlin, Minerva Mcgonagall, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Personagens Originais, Remo Lupin, Rúbeo Hagrid, Salazar Slytherin, Severo Snape, Sibila Trelawney, Sirius Black, Tiago Potter, Tiago S. Potter
Tags Always, Draco Malfoy, Harry Potter, Imagine, Lucius Malfoy, Severo Snape, Severus Snape
Visualizações 54
Palavras 2.641
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ai gnt começou as tretas, começou as explicações. Se ficar alguma coisa confusa IM SORRY

Boa leitura 💚🐍💚

Capítulo 21 - Loiro beijoqueiro


Fanfic / Fanfiction Always Snape - Capítulo 21 - Loiro beijoqueiro

  ~ Algumas horas depois ~

           { POV [s/n] }

Minha cabeça dói muito. Eu não consigo abrir meus olhos, mas escuto um barulho grande, de alguma coisa batendo em uma madeira.

- Eu não vou parar com isso, Lupin. Estou quase conseguindo! E outra, quando eu terminar a [s/n] não vai correr risco nenhum - É a voz do Snape. Parece que foi ele que chocou algo contra a mesa.

- Snape, ela está correndo risco de vida agora. Ela não se alimenta há dias. - Lupin me parece bravo

- Também acho que ela corre risco com um lobisomem perto dela, Lupin! - A voz de Snape se eleva

- Garotos, parem de brigar, por favor. - A voz suave de Dumbledore surge.

- Estou apenas tentando mostrar o que está acontecendo, mas ele não importa - Lupin fala irritado. Eu escuto algo chocar contra a parede e Lupin gemer de dor

- Escuta aqui, Remus, não há nada nesse mundo que eu ame e me importe mais do que a [s/n]. Presta atenção no que você fala, por que se não eu posso fazer espetinho de cachorro - Escuto Severus rosnar.

- Solte ele, Severus - Dumbledore diz calmo. Escuto Lupin voltar ao chão. Eu finalmente consigo abrir um pouco meus olhos. Eu solto pequenos grunidos me espreguiçando.

- Olá... - Eu digo ainda meio grogue. Vejo de relance Severus se virando para a porta. - Sev! - Ele para de andar, ainda de costas para mim - Não vai embora, por favor... - Ele se vira para mim e me olha engolindo seco. Severus caminha lentamente até mim e se curva, ele me dá um beijo logo na testa e depois cola nossas testas. Ele se indireita e passa a mão na minha bochecha, depois dá as costas e vai embora. - Argh ... - Eu passo a língua nos meus lábios.

- Ele pelo menos escuta as pessoas quando quer... - Lupin diz passando a mão no pescoço fazendo uma feição de dor.

- Mas quando quer também, pode ser um imenso idiota ... - Eu bufo.

- Como está, querida ? - Dumbledore diz se aproximando de mim.

- Bem... Me sinto mais... Forte - Eu digo e vejo que ao meu lado tem um pequeno frasco.

- Mandei preparar uma ... Sopa... Cheia de nutrientes para você. Severus veio trazer e ver como você Estava - Dumbledore sorri para mim. - Mas ele teve que ir porquê - Eu interrompo o professor

- Porque ele não pode por o plano em risco, não é? - Vejo Dumbledore e Lupin engolir seco

- Plano? Que plano senhorita? - Dumbledore diz Tentando disfarçar

- Dumbledore... Eu não sou burra nem surda. Ouvi vocês falando disso agora a pouco e não foi a primeira vez. - Digo firme

- Muito bem... - Dumbledore olha para Lupin - Remus, será que poderia nos dar licença? - Lupin acena com a cabeça e saí da sala. Dumbledore torna seu olhar para mim - Gostou do quarto? - Ele sorri

- Achei maravilhoso - Digo olhando fixamente para o mais velho em minha frente - Agora fala do plano ! - Digo ansiosa

- Esse é o meu quarto - Ele fala olhando em volta. Eu reviro os olhos e também olho para o quarto, realmente é um quarto bonito, simples mas bonito.

- Dumbledore... - Eu olho para baixo e depois pra Dumbledore - Eu não quero ser chata, mas eu preciso saber desse plano.

- Calma, eu tenho que lhe explicar muitas coisas. - Dumbledore diz olha para mim novamente - Então, temos a noite inteira para isso.

- Bom, eu não tenho compromisso nenhum - Nós rimos

- Bem... Sabia que Snape ler pensamentos? - Ele diz e meu olhos se arregalam. SNAPE O QUE ?

- ELE O QUE ? - minha voz sai muito alto - Desculpa... Ele o que ? - Eu digo incrédula

- Ele ler os pensamentos das pessoas. Vamos dizer que ele não costuma fazer isso toda hora, além do mais ele precisa de contato visual para ler esses pensamentos. - Dumbledore diz calmamente

- Então, todas as vezes que ele olhou nos meus olhos ele leu minha mente? - Eu digo confusa

- Não... As vezes ele só queria olhar para os olhos da "docinho" dele - Dumbledore diz "docinho" de uma forma engraçada e eu coro.

- Okay... E o que isso tem a ver com plano? - Digo ainda mais ansiosa

- Bom, Severus leu a mente da Mestrande quando ela começou a se insinuar para ele. Seveurus viu que ela queria aprender algumas habilidades das trevas com ele, então, ele ficou de olho nela. - Dumbledore dá uma pausa - Na noite anterior ao seu acidente, Mestrande tentou dar Amortentia para Severus, mas ele não caiu na armadilha... Pois ele sentiu seu cheiro - Meu coração se enche de alegria e eu deixo escapar um sorriso enorme - Então, quem bebeu foi Filch, que estava com a lingua queimando por causa de uma brincadeira dos gêmeos Weasly. - É eu me lembro desse dia, foi engraçado. - Então, Mestrande utilizou desse encantamento e mandou Filch azarar sua vassoura. Filch contou tudo isso para nós e a Mestrande negou tudo, mas, Severus sabia que havia sido ela... e ele acreditava que ela queria tira você do caminho dela.

- Acreditava? - Eu franzo o cenho

- Severus, no dia do baile escutou uma "conversa"- O mais velho faz aspas com os dedos - entre Mestrande e Lucius Malfoy. Em resumo... Severus acha que uma pessoa desconfia da lealdade dele e quer testa-lo - Dumbledore respira fundo

- Quem ? - Eu indago

-Ninguém que você precise saber ...- Ele diz e dá um sorriso

- Tá, então ele quer me deixar longe para que eu não me machuque, e que essa pessoa não desconfiei dele ? - Eu indago o mais velho

- Sim... Severus está numa vida de agente duplo. Ele precisa passar a imagem de quem caiu nos encantos de Mestrande...ele precisa fazer com que acreditem que você não seja mais o ponto fraco dele. - Dumbledore volta a olhar para mim

- Ta... Duas perguntas - Dumbledore acena com a cabeça - A Mestrande também não pode ler a mente do Severus? E... O Severus tem que me tratar daquele jeito ? - Pergunto angustiada

- Severus é o bruxo com a melhor capacidade em oclumência - Pelo o que eu me lembro, oclumência é a capacidade de um bruxo esconder seus pensamentos. Caso um bruxo legilimente tente ler sua mente só verá pensamentos vazios... - E bem... Severus disse que Mestrande não ia acreditar nele se ele continuasse sendo amigável com você.

- Olha, ele conseguiu isso. Faz muito tempo que eu não sei como é o meu Sev... Mas ele também não esconde muito... Não foram poucas as vezes que ele veio até mim e deixou a Mestrande de lado. - Digo lembrando da cena no jantar e do velório.

- Ele não consegue controlar... - Dumbledore dá um sorriso. - bom... Não diga a ele que eu lhe contei, sim?

- Pode deixar - Eu retribuo o sorriso.

- Bom, agora descanse. Durma bem... - Dumbledore vai em direção a porta.

- Não vai dormir ? - Eu digo olhando atentamente para o mais velho

- Não... Não se preocupe, já não tinha planos para dormir hoje - Dumbledore dá uma piscada e depois sai do quarto. Eu me ajejto na cama e me cubro com o lençol. Devo dizer que a cama é extremamente confortável. Não demora muito até eu adormecer.

            { POV Snape }

Eu estou tão preocupado com a sn... Odeio ver ela sofrendo por minha causa. Mas isso é necessário... bem que eu queria sentir ela em meus braços. Me dirijo até uma prateleira e pego um frasco de amortentia. O cheiro ainda é de flores brancas, orquídeas e um toque de camomila. [s/n]...

- Oieee Sevinho - A voz da Mestrande faz eu sentir vontade de vomitar. Guardo rapidamente o frasco dentro da prateleira. Eu odeio essa mulher, se pudesse, já teria mandando ela para o inferno.

- Oie, amor - Digo com uma voz doce. É horrível ter que fingir gostar dela.

- Sevinho, eu vou ter que dar uma saída. Vou no beco diagonal encontrar uma amigo pra consertar minha vassoura. - Ela fala e abre um sorriso - Mas não precisa ficar com ciúmes, está bem ? Eu só tenho olhos para você - Mestrande se apoia em mim e me beija. A ânsia vem...

- Não fico preocupado, eu sei que seu amor é todinho meu - Aperto seu braço e beijo seu pescoço.

- Sabe... - Ela solta um gemido, essa mulher me dá um nojo gigantesco. - Acho que eu posso demorar mais um pouquinho - Ela diz abrindo os botões do meu sobretudo. Já sei onde isso vai parar e eu adoraria saber um feitiço antivomito.

           ~ Dia seguinte ~

               { POV [s/n] }

Essa aula deveria ser de vôo, mas a professora Mestrande teve um problema com a vassoura dela. Nosso horário foi mudado e agora nós estamos na aula de transfiguração com a Minerva.

- Antes de começarmos a lição de hoje, alguém pode me dizer o que é uma animago ? - Minerva fala se virando para a sala.

- Um animago é um bruxo que pode virar um animal no momento que ele bem entender. Importante destacar que ele não escolhe a criatura que irá se transformar, pois isso é um reflexo da personalidade de cada um.  - Diz a Hermione orgulhosa do seu conhecimento.

- Certo, senhorita Granger. - Minerva sorri vitoriosa - Mas alguém sabe o processo que um bruxo necessita realizar para se tornar um animago?

-Eu sei - Novamente Hermione se manifesta - Um mês inteiro o bruxo deve manter em sua boca uma folha de mandrágora. Ele deve dormir, comer e falar durante todo esse tempo sem tirar a erva.Depois desse período, a folha deve ser retirada da boca e colocada em um frasco de cristal, que deve receber a luz da lua cheia junto com um fio de cabelo e uma gota de orvalho colhida com uma colher de prata de um lugar que não foi tocado pelo sol durante sete dias. E por fim, deve-se tirar a secreção de uma mariposa mágica para finalizar esse segundo passo.Esse frasco deve ficar escondido onde não entre luz do sol e nem ser olhado por ninguém, até a próxima tempestade de raio.Todos os dias ao nascer do sol e ao pôr do sol o bruxo vai pegar a varinha, apontar para seu coração e dizer: AMATO ANIMO ANIMATO ANIMAGUS. - Hermione dá uma pausa para respirar - Após algum tempo, um segundo batimento cardíaco no corpo passa a existir, que é o do animal a ser transformado.Quando essa tempestade de raio então enfim começar, o bruxo precisa parar tudo que está fazendo e pegar o frasco, que deverá estar na cor vermelho sangue e tomar a poção dizendo o encantamento que comentei no passo quatro. Depois de todo esse sofrimento e espera, o bruxo finalmente se torna um animago.

- Realmente fez o dever de casa não é , Granger - Minerva se orgulha de sua aluna

- É claro... Ela não tem namorado. O que resta pra ela é estudar. - Crabble faz esse comentário e alguns alunos riem.

- Senhir Crabble, 10 pontos serão descontados de Sonserina por esse comentário maldoso. - Alguns sonserinos começam a jogar papel em Crabble. - E 15 pontos serão dados a Grifinória, pelo granfe conhecimento da senhorita Granger. - Minerva sorri e volta para a frente da sala. - Agora abram seus livros e vamos iniciar a aula.

~ Depois da aula da Minerva ~

{ POV [s/n] }

- Podem ir, a aula acabou - Minerva diz e sorri - [s/n] - Ela pigarreia e depois indica com a cabeça para que eu fique. Assim que todos saem, eu me aproximo da professor.

- Sim... - Eu forço um sorriso.

- Não quero tomar muito seu tempo. - Ela segura minhas mãos - Então apenas me escute - Eu aceno com a cabeça - Não se culpe por uma coisa que você não tem culpa. Não se machuque por algo que vai se acertar - Ela solta minha mão e vai para sua mesa. Minerva pega uma cesta e se vira novamente para mim - Tome, eu sei que ama doces... Não é muito nutritivo, mas... Coma - Ela sorri e eu retribuo.

- Muito obrigada ! - Eu pego a cesta e abraço a Minerva - Espero que fique tudo bem mesmo.

- Vai ficar... - Ela se afasta - Mesmo com os doces, ainda quero ve-la no jantar, sim?

- Claro - Nós rimos - Eu vou indo me arrumar

- Okay okay, vá lá - Ela me abraça novamente. Eu me dirijo a sala comunal. Estou ansiosa para comer todos esses doces... Já disse que amo doce né?. De repente sinto alguém me puxar e depois vejo meu rosto imerso em uma paredão negro.

- [s/n]... - Severus!!

- O-o-oi Sev. Quer dizer, professor Snape. - Eu engulo seco.

- Não vou tomar muito seu tempo, só queria perguntar uma coisa. - Ele fala calmo. Eu aceno - Viu alguém suspeito aqui perto do depósito? sabe... - Ele entra dentro do depósito e eu o acompanho - Está faltando sanguinárias e alguns frascos com chisopa que eu havia deixado de estoque.

- A única pessoa que eu vi aqui foi a Mestrande. E ela estava pegando algumas coisas. - Ele arregala os olhos - Eu disse isso pra você quando eu fiquei de detenção, mas não me deu atenção - Ele engole seco

- Me desculpe... - Ele parece desconfortável

- Bom, se era só isso... Licença - Eu me viro para ir embora quando sinto sua mão me puxar novamente

- Você vai comer hoje, entendeu? - Ele fala firme - Não quero mais saber de você ficar passando fome.

- Okay... - Eu digo e sorrio

- Eu sei que o que você ta fazendo é uma palhaçada, mas não ria - Ele arquea a sobrancelha

- Estou rindo com sua preocupação comigo - Eu rebato

- Só não quero que desmaie de novo - Ele me solta - Vá se arrumar. Quero ve-la no jantar.

- É a segunda pessoa a me dizer isso hoje - Eu riu - Licença - Eu saio do depósito e vou para o meu quarto, me arrumar e guarda minha cesta preciosa com doces.

~ Grande Salão ~

{ POV [s/n] }

Eu sento no lugar mais próximo da mesa dos professores. Meu olhar vai direto para a cadeira do Severus, que está vazia... A Minerva me olha e sorrir, eu retribuo sem forças. Eu também não vejo o Draco dentro do Grande Salão.

- Deixe ele em paz, Sevinho - a

- Por que uma cobra ? - Eu olho para o Severus, que observa a Mestrande segurando um cobra.

- É meu bichinho de estimação. Deixa ele em paz - Mestrande diz com uma voz irritante.

- Okay... - Severus encara a cobra e depois senta no lugar dele olhando para mim. Ele dá um sorriso discreto para mim. Dumbledore vai a frente da mesa dos professores e dá a palavra para que todos se sirvam. Eu olho para o Severus e vejo ele, Minerva e o Professor Dumbledore me olhando... Devem estar esperando eu comer. Então, eu pego o garfo e enfio a comida na boca. Os três sorriem para mim e seguem para fazer o mesmo. Eu olho para a mesa da Sonserina e não vejo o Draco... Onde será que esse garoto está?

     ~ Depois do jantar ~

             { POV [s/n] }

Todos estavam voltando para seus quartos e eu vou para o pátio, ver se encontro o Draco. A luz da lua deixa esse lugar lindo... Meu olhar se fixa no céu, e ele está bem estrelado. Eu olho rápidamente para o pátio e meu sorriso se desmancha, eu vejo o Draco beijando uma garota.


Notas Finais


Serasi era o Draco ?🤔🤔🤔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...