1. Spirit Fanfics >
  2. Always you >
  3. Cap XIX - Archie

História Always you - Capítulo 20


Escrita por:


Capítulo 20 - Cap XIX - Archie


Fanfic / Fanfiction Always you - Capítulo 20 - Cap XIX - Archie

18 de Abril {...}


Já era Abril e as coisas do casamento já estavam quase prontas e estávamos esperando Verônica acordar já que o medico disse ela acordaria entre os meses de Março e Maio, a gente já tinha pedido transferência do hospital e trouxemos Verônica e Archie pra Storybrook.

- Amor, como você acha que a Verônica vai reagir quando souber que ela perdeu o aniversário de 17? – Robin pergunta enquanto faz massagem no meu cabelo.

- Não sei estou pensando em como ela vai reagir quando descobrir que vai ganhar um irmãozinho ou irmãzinha! – falo sorrindo, tirando minha cabeça sobre do peito de Robin e o telefone começa a tocar.

- Vai atender? – balanço a cabeça.

- Não, deve ser a Zelena enchendo o saco pelo casamento. – Robin faz uma cara de incerteza e telefone começa a tocar novamente, mas não o meu e sim o de Robin, ele pega o celular que estava na mesinha do lado da cama e atende.

- Alô?


””””””””””””””””””””””””””””””””””””


Chegamos ao hospital correndo e vamos direto pro quarto de Verônica, entramos e ela estava sentada vendo TV.

- Filha! – corro até ela, a abraço e Robin também e ela começa a chorar muito.

- Mãe... Desculpa, desculpa! – desfaço o abraço e coloco minhas mãos em seus ombros.

- Pelo o quê?

- Por tudo, por não ter colocado o cinto. – ela chora mais e a coloco entre os meus braços.

- Não precisa se desculpar por nada.

- Mãe, eu pensei que iria morrer!

- Nunca mais fale isso! – falo repreendendo ela. – eu nunca deixaria isso acontecer, você me entendeu?

- Sim, e pai... Eu queria pedir desculpas por não ficar tão próxima de você, isso é muito novo para mim! – Robin chega mais perto dela e pega em sua mão.

- Tudo bem, não precisa pedir desculpas.

- Eu preciso falar uma coisa para os dois... – me ajeito e Verônica limpa as lágrimas em seu rosto. – como vocês sabem, eu estava em coma... E conseguia ouvir tudo! E eu sei que você está grávida. – arregalo os olhos.

- Como você soube? – Robin me pergunta.

- Minha mãe me contou! – Robin me olha.

- Eu não sabia que ela podia me ouvir!

P.o.v Verônica

- Eu não sabia que ela podia me ouvir! – minha mãe diz e solto uma risadinha baixa, mas logo paro por sentir uma dor na região da barriga.

- Tá tudo bem filha? – meu pai me pergunta.

- Tá. – falo sentindo uma pontada um pouco mais forte e me ajeitando, fazendo uma cara de dor.

- Tem certeza? – ele fala meio desconfiado e minha mãe me olha preocupada.

- Sim! – outra pontada vem, mas ela continua, parecia que estava entrando mil facas na minha barriga toda hora e grito de dor.

Minha mãe se aproxima e começo a me contorcer e acabo gritando mais uma vez, também acabo sentindo uma forte dor de cabeça, coloco minhas mãos sobre a minha cabeça e me contorço mais ainda.

- Robin, chama a Meredith e o Derek rápido! – ela fala alto e meu pai sai correndo, ela estava muito preocupada, dava para ver em seus olhos. – calma que eles já estão vindo, você vai ficar bem.

Depois de algum tempo, Derek e Meredith entram correndo e me seguram, outros três enfermeiros entram e me seguram também, fazendo eu ficar parada e me dão uma injeção, que me faz apagar e não sentir mais nada.


””””””””””””””””””””””””””””””””””””


Acordo e percebo que a dor havia passado, olho para o lado e vejo minha mãe sentada no colo do meu pai, ambos dormindo, me sento na cama e ponho meus pés para fora da cama, me levanto e me apoio com força na cama, faz tempo que não andava, me solto da cama e consigo dar três passos, entre esses passos em dou um sorriso mas quando estou prestes a dar o quarto passo me desequilibrando e acabo caindo no chão fazendo minha mãe acorda.

- Droga! – falo alto e minha vem até mim rápido. – essa doeu. – sorrio e minha mãe revira os olhos enquanto meu pai me pega no colo e me coloca na cama.

- No que tava pensando no quê? – minha mãe fala furiosa.

- Eu só queria andar um pouco. – falo abaixando o olhar.

- Você quase quebrou um osso da sua coluna e tá querendo andar. – ela começa a falar mais alto.

- Eu só queria andar, ver como o Archie está! – aumento o meu tom e ela olha para baixo, com um olhar triste.

- Ele... Ele ainda não acordou e não temos previsão de quando ele irá acordar! – meus olhos se enchem de lágrimas, minha mãe se senta ao meu lado e pega em minha mão. – você quer ir vê-lo?

- Sim. – ela pediu para o meu pai procurar uma cadeira de rodas, que sai e aparece logo depois com a cadeira, ele me pega no colo e me põe na cadeira.

A gente caminha até que eles param na frente da porta de um quarto, olho para cama onde estava um garoto deitado, ele tinha cabelos ruivos e estava com varias maquinas o rondando, sinto uma lagrima cair no meu rosto, meu pai me empurra para perto da cama dele, pego em sua mão e coloco minha cabeça sobre a mesma, sinto meu coração bater mais rápido, meus olhos se enchem de água e começo a desabar, minha mãe me abraça por trás e cochicha no meu ouvido.

- Vamos para casa descansar! – assinto e dou um beijo na mão de Archie.

- Amanhã eu venho te ver, eu prometo! – falo baixinho dando ênfase em “eu prometo”.


”””””””””””””””””””””””””””””””””””


Chegamos em casa e abro a porta, vejo tia Zelena com Cheryl, Emma e Killian com Betty e Henry, Jô com Robin e April com Max; termino de abraçar todos e me sento no sofá, do meu lado estava minha mãe e do outro Betty que não parava de sorrir por eu estar acordada.

- Mãe, eu quero ir pro meu quarto, por favor! – ela balança a cabeça positivamente e chama meu pai e sussurra algo em seu ouvido. – eu quero ir andando e pede para a Betty e a Cheryl subirem também.

- Tudo bem, mas eu vou te ajudando.

- Beleza

Subo com a ajuda de minha mãe, Betty e Cheryl, entramos no meu quarto e me sento na minha cama e Betty e Cheryl se sentam ao meu lado enquanto minha mãe sai do meu quarto.

- Você tá melhor? – Betty pergunta enquanto me deito de barriga para cima e as duas de barriga para baixo com os pés levantados.

- Sim, e vocês, como estão?

- Eu tô bem, fiquei só com uma torção no pulso e uma lesão no tórax. – Betty fala.

- Estou bem, também fiquei com uma lesão no tórax, outra no abdômen e tive que ir a um psicólogo. – Cheryl fala revirando os olhos.

- Também tenho que ir ao psicólogo, vou ir uma vez por semana começando amanhã. – falo e bufo.

- E os outros? Eles estão bem? – pergunto.

- Sim, eles sofreram algumas lesões também, mas estão bem. – Cheryl responde.

– Cheryl, você vai amanhã ao hospital?

- Sim, por quê?

- Será que eu posso ir com você?

- Claro, mas temos que ver com a sua mãe!

- Ela vai deixar.


Duas horas depois {...}


- Você não vai ir para o hospital! – ela fala aumentando o tom. – depois de tudo que você passou, não vou deixar você não vai sair tão cedo de casa!

- Para de fala do que eu passei você não sabe nem da metade e nunca vai entender nada! – grito.

- Então me conta o que você passou que eu não saiba! – ela se senta no sofá arqueando a sobrancelha.

- Passei dezesseis anos sem saber quem era meu pai, pensando que fui abandonada por ele e que na verdade você omitiu para ele sobre a minha existência, ficava escondida vendo da brecha da porta do seu quarto vendo você chorar quase toda noite, levei um tiro na perna, fui sequestrada, comendo e bebendo muito pouco, pouco mesmo, por um mês e dentro desse tempo quase fui estuprada... – ela arregala os olhos. -... Sofri um acidente, quase morri, quase perco meu namorado e melhor amigo, eu tô morrendo aos poucos e depois de tanta merda que aconteceu imagina quantas vezes eu já pensei em me matar e não fiz isso por você! – falo dando ênfase em “você”, começo a chorar e ela me abraça chorando junto.

- Desculpa! – balanço a cabeça positivamente. – agora me diga quem tentou fazer isso com você!

- Foi o comparsa do caçador, mas graças a Deus o caçador entrou a tempo e levou ele para fora. – eu conseguia ver no fundo dos olhos da minha mãe o ódio que ela estava sentindo.

- Robin! – ela o chama que vem rápido. – eu preciso que você me leva para a prisão agora!

- Por quê? O que aconteceu?

- O comparsa do caçador tentou abusar nossa filha! – a expressão dele muda rapidamente, ela estava com muito ódio.

- Mãe, por favor, não! – sinto lágrimas descerem pelo o meu rosto. – e se ele acabar saindo da prisão!? Ele pode tentar fazer algo pior com a gente!

- Ele não vai sair! Eu garanto! – ela pega chave do carro e vai caminhando até a porta, mas antes de ela sair eu consigo andar e puxa-la.

- Mãe, por favor, por mim e pelo bebê que está na sua barriga, por favor, não! – ela muda de expressão e me apoio nela, vamos subindo as escadas chegando ao seu quarto me deito no meio da cama e meu pai e minha mãe se deitam um em cada lado.

- Saiba que ele ainda vai pagar por ter encostado em você! – ela fala com raiva.

- Eu quero isso mais do qualquer um! – ponho minha mão em seu rosto e sorrio, consequentemente a faz sorrir também. – e eu acho que já estou grandinha pra ficar dormindo na cama de vocês!

- Eu sei, mas eu quero ficar mais perto de você! – a abraço e continuamos assim.

- Amanhã você pode ir ao hospital, mas trate de voltar cedo. – balanço a cabeça positivamente. – e não pense que ele vai ficar livre dessa, me ouviu! – dou um meio sorriso. – de um beijo em Archie por mim. – ela passa a mão em meu cabelo.

- Tudo bem, te amo e boa noite mãe! Boa noite pai!

Fico pensativa, não conseguia dormir, pensava no que poderia acontecer e no que vai acontecer, tento tirar esses pensamentos da minha cabeça, mas acabo me deixando levar. Depois de alguns minutos pensando resolvo tentar dormir, fecho meus olhos e me lembro de Archie, deixo uma lágrima cair sobre o meu rosto, me viro para ficar cara a cara com a minha mãe que dormia tranquilamente, fecho meus olhos e durmo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...