História Always Yours;; 2a temporada - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


🚨aviso: este capítulo pode causar parada cardíaca, insuficiência respiratória e alagamento vaginal na Kate.🤭

Capítulo 21 - Era uma vez, um tigre e uma gatinha...


Fanfic / Fanfiction Always Yours;; 2a temporada - Capítulo 21 - Era uma vez, um tigre e uma gatinha...

Katherine passou um tempo paralisada na cama processando a ligação de Taehyung. Em sua mente aquelas palavras não faziam sentido mas seu coração pulsava tão forte a ponto de doer tanto que ela sentia que ia morrer se se movesse. 



Só conseguiu pegar o telefone e ligar para Olga mas sua amiga octogenária não atendeu, o que a preocupa. Pesquisou a diferença de fuso horário entre Alemanha e Coreia porque o turbilhão em sua mente não a deixava calcular de cabeça e nesse instante a bateria do celular acabou. 




Automaticamente se levantou e foi colocar o aparelho na tomada. Precisava se trocar para ir para o hospital e precisou sentar ao se imaginar frente a frente com Jungkook. Olhou na sua mala e tinha poucas opções. Blusinhas e saias compridas, do mesmo modelo só mudavam as estampas, todas peças que Hwasa tinha comprado, por sorte conhecedora do gosto de Katherine para roupas. 




Havia um vestido preto decotado, coisa que ela não compraria normalmente, então agradeceu mentalmente à amiga ter pensado em algo assim. O problema era caber. Era um modelo tipo envelope, veste-se como um casaco e cruza-se na frente do corpo amarrando com faixas que viram um cinto. 




Gostou de parecer mais magra, porém, acentuando a cintura, parecia mais peituda, o que não seria ruim. Ela queria parecer bonita para Jungkook. Olhando-se no espelho segurava o cabelo para cima pensando em prender num rabo de cavalo que é um penteado bem prático, mas Jungkook gosta de seu cabelo solto.




Riu de si mesma por estar pensando em aparecer toda sexy sendo que o coitado provavelmente nem a veria. Caso estivesse acordado, estaria deitado na horizontal sem qualquer elevação devido ao trauma na coluna. Ou seja, ela teria que se curvar para ficar na frente dele. Então melhor prender o cabelo e não se preocupar com a roupa.




Estava se sentindo meio boba com o vestido que ainda estava curto demais. "A cruz de ser muito alta" pensou. Empinando o bumbum, testava se revelaria algo caso se abaixasse. Achou melhor tirar. Colocar uma das saias compridas e uma blusinha básica. Anotou em sua lista mental: comprar roupas.




Bateu o cansaço, um sono. Penteou o cabelo, prendeu e passou o batom. Sorriu. Tirou o batom. Estava com fome e sono mas a animação tomava conta dela assim como o medo. Tentou imaginar as cenas possíveis. Ia chegar lá e dar de cara com a pilota? Trocou-se. Melhor ir de vestido, passou o batom e soltou o cabelo. 




Cinco minutos depois já mudava de ideia, não fazia o menor sentido tentar competir em beleza com Jordan, a mulher "tem um corpo perfeito, e é glamourosa sem esforço". Novo item na lista de afazeres mental: emagrecer. Nunca antes tinha se preocupado com o formato de seu corpo até ter uma rival, ainda mais uma "sarada". Kate se sentia uma fraude com aquele o vestido, resolveu tirar mas bateram na porta.




Taehyung se registrou no hotel mas nem foi para seu quarto, seguiu direto para a porta de Katherine. Ela atendeu e um vendaval em forma de homem adentrou ao quarto. Taehyung a pegou no colo e rodaram no corredor.




— Shiii!! Seu doido, os bebês estão dormindo. — achando divertido aquele rompante, o abraçou forte. 




Taehyung é lindo e do tipo que faz loucuras, instável, meio irracional, um cara sem pudores e quando quer algo não sabe ouvir um não. Depois de umas voltas, ele a colocou no chão já a prensando na parede invadindo sua boca com sua língua.  




Katherine ficou um tempo paralisada, perplexa. Foram alguns minutos sentindo a língua ir fundo buscando a dela, as mãos dele concentradas em tocar todos os pontos possíveis de seu corpo, já subindo o vestido. Foi quando ouviu a respiração ruidosa dele que percebeu que ela não respirava. 




Empurrou Taehyung mas não produzia força suficiente para realmente desgrudá-lo de si. Então, seguiram-se alguns minutos de uma espécie de luta. Ela falava sempre que as bocas se desgrudavam, mas, ele não dava brecha suficiente para frases. O rosto virando de um lado para o outro buscando o encaixe perfeito,  indo cada vez mais fundo.




Ela dizia coisas como o nome dele e pedia para parar mas ele a beijava e apertava inteira. Era o tipo de situação em que os corpo pegam fogo, e não se pensa em mais nada a não ser tirar as roupas e "trepar". Com certeza, essa era intenção de Taehyung, mas, Katherine não conseguia se envolver.




 — Tae! — dentro da boca dele.



Ele se afastou uns centímetros e sorriu malicioso já fechando os olhos para voltar ao beijo. Katherine até subiu as mãos do peito dele para o rosto e assim conseguia afastar-se o suficiente para falar entre as investidas dos lábios dele contra os seus.




— Tae!.... — beijo. — O que tá… — lambida. —  fazendo? — mordida. — AI! Para! — ele a soltou e se jogou na parede contrária abrindo as calças. Ele mascava um chiclete imaginário e seus olhos pareciam perversos. Nesse momento, ele era o Kim Taehyung, seu ídolo, o homem mais lindo mundo, o mais sexy e irresistível porém seus filhos estavam ali do lado. — O que tá fazendo? — Katherine sentiu um calor subir por seu corpo ao ver o volume que ele ia libertar, se jogou nele mas o intuito era impedir "aquilo" de sair da calça. — Para! Oli e Jojo. — apontando com a cabeça para o fim do corredor.




Taehyung a pegou pelos braços e a prensou na parede de novo. Olhava em seus olhos quando disse com a voz grave de derreter as calotas polares:



— Kate, eu te amo.



— Kkkk ok, seu maluco… Eu também te amo. — ainda tonta e sem fôlego — Você quase me mata.



— Eu vou te matar, sua gostosa. 



— Bobo… — um tapinha, tinha certeza que era uma brincadeira dele. —  Tae? — ele avançou sobre ela e recomeçou o beijo, era tão afoito que não parecia sedento e sim faminto, ela sentia os lábios serem lambidos, mordidos, puxados, retorcidos, e já doía, ela deu uns soquinhos nos ombros dele mas Taehyung atacava seu pescoço agora, chupando. — Ai, para!




Tentava repreendê-lo sem falar alto, não queria acordar as crianças mas ele não a ouvia, ela falava em seu ouvido mas isso parecia excitá-lo mais, a ereção que esfregava nela já deixava óbvio que ele não estava brincando.





— Tae, para! Ai, seu louco.




— Eu tô louco pra te comer, como abre isso? — abaixando o tecido que cruzava o busto, tentava libertar os seios.




— Que tá fazendo?




— Quero chupar essas tetas perfeitas.




— Tae! — rindo de nervoso. — Ah! — ele desceu e afundou o nariz no decote puxando o tecido mas estava bem justo. — Para, vai rasgar. — ele mudou de tática e subia a peça inteira, parou para apertar as nádegas.




— Que bunda, que bunda, meu Deus, que tesão, vou enterrar minha pica aqui… Oooh — a virou de costas, ela tentou não gritar de susto. Ele respirava na orelha dela, mordiscando o lóbulo e descia a calcinha. Então encaixou o pênis entre as nádegas.




— Chega! É sério. — forçou as mãos na parede e o empurrou com o bumbum.




— Eu te amo, faz amor comigo! 




— Tá maluco? Guarda isso! As crianças… — 




Taehyung com uma sobrancelha arqueada mascava seu chiclete imaginário guardando o pênis na cueca e subindo a calça arriada. Ela arrumava o vestido no lugar respirando aliviada quando ele a pegou no colo. Katherine não protestou por medo de caírem e para não fazer barulho. Entraram no banheiro.



— Tô com saudade. Faz amor comigo!



— Não dá.




— Por que? Eles tão dormindo a porta tá trancada, vem cá, vem. 



— Para, eu vou ir ver o Jungkook.




— Tá, mas, antes namora comigo um pouquinho.




— Como pode pensar nisso numa hora dessas, com ele lá …?




— Ele tá bem, tá ótimo, ele ama a gente, vai dar tudo certo. Vamos ficar juntos os três como um trisal como eu imaginei, é perfeito, meu amor. — e a beijou apaixonadamente.



— Para, me conta o que ele disse.



— Me beija primeiro.




— Mais??? — sentia a boca queimada, o contorno ardia, levou os dedos aos lábios e constatou que estavam levemente inchados.




— Só eu te beijei, parece até que tu não gosta de me beijar.



— Claro que eu gosto. — fugindo.



— Tu não me ama mais. O que eu tô falando? Tu nunca me amou. — soltou e se afastou muito chateado.



— Quê? Claro que amo. 




— Então, prova.





Foi até ele, fez um carinho em seu rosto e o beijou calmamente, sorriu porque ele parecia molinho e ela se sentiu orgulhosa. Ia se afastando, só que ele a puxou pela cintura e o beijo era alucinado de novo. 




Ela forçava os braços para a soltarem e ia se dobrando para trás, então ele foi a empurrando e quando bateram na pia, puxou as coxas dela para cima forçando-a a sentar no mármore e se encaixou entre suas pernas.



— TAE!



— Ooohhh…. Eu preciso de ti, agora. — enfiando a mão no vão entre as pernas. — Cadê minha buceta?




— Não! Sai! Ai! Eu não vou transar, ai, para! — descendo e assim escorregando pelo corpo dele enganchando na ereção.




Ele andou de costas, se sentou na privada fechada trazendo-a, já ciente da fita amarrada na cintura, tentava desatar.




— Tae, olha pra mim, conversa comigo, chega dessa brincadeira.




— Que brincadeira? Eu sou teu homem e tu é minha mulher. Já sei, quer brincar de babygirl, quer? Vou ser seu daddy.




— Quê?




— Ajoelha, babygirl, ajoelha e chupa seu daddy.



— Você tá bêbado?




— Não! — um segundo de inocência.




— E o Jungkook?



— Ué, só ele pode ser seu daddy?



— Que mané, daddy? Jungkook nunca foi, nunca fez… Ai, meu Deus, o "babygirl" dele não tem nada a ver com… Afff! Que ameba.




— Então, por que ele te chama de babygirl?




— Por que é outro ameba, ele queria um apelidinho fofo acontece que eu sou um mamute mas é míope a criança e me acha uma coisinha delicada, sei lá, ainda acho que ele tava me zoando na época.




— Foi assim que ele te chamou.




— Jura? Como ele disse?




— Que me ama, que te ama e que vamos ficar juntos. Me dá atenção, Kate, me faz carinho faz, Kitty-kat… Só de pensar em tu engolindo minha pica, que tesão...




— Você tá exausto isso sim, toma um banho e vai dormir. O Jeon me chamou, você disse… ou foi… Eu sabia, ele nem… — segurando o vestido na frente dos seios porque Taehyung conseguiu abrir e agora beijava sua barriga, descendo a calcinha.




— Ah, deixaaa! Para de fugir, senta aqui no meu pau, senta. — acariciando o dito-cujo.




— Tae, me diz o que ele disse, ele falou de mim?




— Eu conto tudo depois que tu rebolar bem gostoso na minha pica, olha o tamanho Kate, ele tá chorando. — espalhava a lubrificação fazendo a glande brilhar. — Senta, vem logo, ou quer ficar de quatro pra mim, hein?  Meu pau tá explodindo, olha pra ele, Kate, é todinho seu. — segurava na base o que fazia parecer um bastão.




— Não! Eu não vou transar contigo antes de saber o que o Jeon acha disso, a gente precisa combinar com ele.




— Como assim?  Tu diz que me ama, que sempre quis transar comigo e agora só pensa nele.



— E você, por que não tá pensando nele?



— Eu tô assim por pensar nele, na gente, nos três, puta merda, como eu quero transar com os dois ao mesmo tempo, eu vi uns vídeos, ai, Kate, vai ser tão delícia… E agora eu sei o que fazer com vaginas, deixa eu te mostrar.




— Ok, que legal, mas, agora não. Olha, é como você disse, vamos transar os três, então, para com isso, tem que esperar o Jeon.




— Esperar??? Só me diz uma coisa, se fosse ele aqui. Se eu estivesse lá internado e ele estivesse bem aqui com o pau duro na mão implorando pra tu sentar, tu ia ficar falando essas merdas pra ele? 




— É diferente...




— Diferente???




— Ai, senhoooor! Taehyung, claro que eu não faria. Até porque ELE não ia querer, ia estar preocupado contigo.




— Tu tá dizendo que eu não ligo pra ele???




— Eu tô dizendo que não tem cabimento isso, não tenho cabeça e nem tem clima pra fazer sexo com as crianças aqui no quarto.




— A porta tá trancada!!!




— Mas, eu não consigo com eles aí do lado. — pensar que com o Namjoon ela se esqueceu deles completamente. "O que isso queria dizer?"




— Sabe o que eu acho? Tu só diz que me ama e que vai ficar comigo porque não tem escolha, quando o Gukkie sair do hospital, os dois vão me largar.




— Para! Isso é ridículo. Por favor, me diz o que ele disse.



— Eu sou ridículo???



— Tae, para que tá feio. Você tá distorcendo as coisas. Eu te amo, o Jungkook te ama, e a gente vai ficar juntos se o Jungkook quiser. Depende dele, por favor, entende. Eu preciso saber o que ele pensa, o que ele quer porque eu não posso magoar mais ele.



— E me magoar tu pode…



— Tae…



— Tu prometeu que ia ficar comigo mesmo que ele não me quisesse.



— Sim, mas…



— Só pega no meu pau, pega, por favor, tá latejando.



— Então, ele disse… — "será que ele não quer o Tae?" teve pena. — Ok, mas, me diz como faz.



— Ajoelha! — a voz parecia um trovão, ela nem olhou com medo da cara dele.




— Meu deus, tá bom… — prendendo o cabelo e se ajoelhando. Colocou a mão em volta do cilindro, cobrindo parte da circunferência, não era tão grosso como de Namjoon que tinha umas veias mais proeminentes mas era um pouco mais comprido. Katherine tremia. — Assim?



— Aaaah assim, assim, Oooooh, mais forte. Espera, tem lubrificante aí?




— Que cê acha? — óbvio que não.



— Pega o óleo de bebê.




Ela pegou e olhando para ele que parecia aprovar suas ações, voltou a se ajoelhar e aplicou o óleo na mão, então ele se recostou, relaxando como um rei no trono. O pau apontava para o teto e Katherine se sentia muito desconfortável por fazer aquilo.




Enquanto sua mão subia e descia, deslizando pelo membro intumescido, tentou concentrar que era Kim Taehyung do BTS e resgatar a army em seu íntimo que sempre quis fazer isso, mas, ela só via seu amigo Taetae. E estava sendo ainda mais difícil porque só pensava que era uma traidora, masturbando o marido de Jungkook sendo que queria masturbar Namjoon.




Foi perdida nos pensamentos que ela tentava fechar a mão no pênis enquanto impunha velocidade no movimento de vai e vem e Taehyung gemia com a cabeça para trás pedindo mais e mais rápido. O braço machucado de Katherine começou a doer mas a mão esquerda não produzia tanta força. Ela só pensava em quantos minutos eram necessários para ele gozar.



— Chupa, Kate, chupa, por favor.



— Não tá bom assim?



— Põe a boquinha, põe! Engole o meu pau!



— Eu não consigo. 



— Só a cabecinha, por favor, Ooooh, uns beijinhos, vai, uma lambidinha...



— Ok.  — se aproximou e olhou bem a fenda de onde saia o pré-gozo da glande vermelha e inchada, ela lambeu timidamente e ele gemeu alto. — Shiiii!




— Chupa, pelo amor de deus! — e puxou a cabeça dela, agarrando o rabo de cavalo. 



Com a agonia do pênis tocando a úvula, ela se apoiou nas coxas dele e se levantou. Tonta e enjoada, quase cai e ele rapidamente a segurou. Mas, ela se desvencilhou dele indo para a pia onde lavou as mãos e o rosto.




— Tae, eu não quero fazer assim. Eu não sei fazer assim, eu não consigo desse jeito, tenho vergonha, e tá estranho isso, não tá carinhoso, tá parecendo que eu sou uma, sei lá, tá me magoando.




— Desculpa! Me desculpa, mas, poxa eu tô carente e tu nem encosta em mim parece um sacrifício.




— Era mentira, não era? O Jeon não me chamou. Você… Esquece. — saiu do banheiro.




— Ei! Chamou sim. — mas, ela já tinha fechado a porta. Ele tomou um banho, aproveitando para se aliviar no chuveiro. 




Katherine arrancou o vestido e o jogou o lixo, vestiu seu pijama e se cobriu, afundando o rosto para não acordar as crianças com seu choro pensando que Taehyung foi rejeitado também porque Jungkook tinha escolhido Jordan.




Taehyung saiu de roupão e ela estava fingindo dormir. Se deitou ao lado dela e falava mansinho:




— Kitty-kat me perdoa? Eu tava com saudade, e já tava com um tesão louco desde aquela hora lá no hospital, aí, eu chego cansadão e queria relaxar, e tu tava com esses peitos pulando do vestido… A verdade é que se tu me desejasse, a gente podia ter gozado juntos gostosinho, hein? Pensa! Se tu tivesse se entregado, eu tava feliz, tu tava feliz…




— Vai embora.




— Kate? Sério? Tá me odiando?




— Você me enganou, por que fez isso? — se sentando.




— Eu não… Do que tá falando?





—  Conta exatamente o que ele disse.




— Ok eu conto, mas deita aqui comigo. — ela deitou mas de costas para ele novamente, então, ele contava fazendo um carinho nela. — Eu entrei lá ele tava de olhos fechados, então eu achei que ele tava dormindo mas o doutor me mandou falar com ele, então eu disse "Oi, amor!" colocando a franja dele pra trás. Aí, ele sorriu de olhos fechados e disse "Quem disse que você é o amor da minha vida?". Eu ri chorando porque foi muito emocionante ouvir a voz dele.



Katherine chorava, Taehyung a abraçou forte e continuou.




—  Aí, eu disse "desculpa, a Kate é muito teimosa mas eu vou lá buscá-la".



— Disse? Mas, você prometeu que não ia falar de mim.



— Aí, ele disse… — precisou respirar fundo. — "Taehyunie, eu te amo!".




— Ah, que fofo, eu sabia que ele tava brincando contigo. Que bom, Tae, deu tudo certo pra vocês, então... — a interrompeu.



— "eu sei, eu também te amo. Vou buscar a Kate"  eu disse… — ela o interrompeu.



— Mas é muito ameba, ele se declara e você fala de mim.



— Aííí, ele me chamou "Taetae" e eu voltei e seus olhos estavam abertos. Eu não sei como consegui ficar de pé... Aí ele desatou a falar que conheceu a Jojo…




— Ele disse o nome dela?



— Sim, "Jojo" a boquinha dele falando Jojo é muito fofo, então ele perguntou do Oli.



— Mas, ele não viu o Oli.




— Lógico que já viu, dormindo lá em Seul, sem contar as fotos no instagram porque eu mostrava.




— Ah… E o que ele perguntou?



— Onde ele tava e eu disse que com os hyungs por causa da cirurgia e aí ele ficou emocionado, as lágrimas caíam pelos cantinhos dos olhos enquanto falava que queria sair dali e ver Oli e Jojo, e abraçar, beijar, pegar no colo e brincar.




— Sério? Sério mesmo? Isso é um sonho, só pode. — chorava emocionada.



— Eu juro pela vida deles, ele disse exatamente isso. Deu uma dó que ele pedia "me tira daqui Taehyungie" e o treco lá do coração começou a apitar, então o médico me pediu pra sair, aí, eu tentei acalmar ele, eu queria beijar, abraçar, pegar meu menino no colo, tirar ele daqueles fios todos, mas… — chorando.




— Fica calmo, Tae, vai ficar tudo bem, cada dia ele vai conseguir ficar mais tempo acordado, vai falar mais e tudo vai voltar a ser como antes. Que alívio que ele quer ver as crianças. — secando as lágrimas agora de felicidade. Tudo bem, ele não a querer, podia ficar com Namjoon agora, todos ficariam felizes, seus filhos que não tinham nenhum pai, teriam três. — Então, é isso vamos focar na recuperação dele. Agora, dorme, descansa que você tem que voltar pra lá quando ele acordar de novo.





— "eu quero a Kate, chama minha babygirl pra mim!" foi o que ele disse.




— Tae, não faz isso comigo.




— Aí, eu disse "descansa, quando tu acordar é o verdadeiro amor da sua vida que vai estar do teu lado, eu juro" mas aí ele dormiu e o médico me disse que dormiria por umas 6 horas, talvez mais e que as visitas teriam que ser bem calmas porque o coração dele tá fraco. Então, naquele momento tu ia entrar e ele não ia te ver então eu pensei, vou dizer que pra senhora Jeon que ele chamou por ela, ela ia ficar feliz de pensar assim e de ver o filho, entende? Eu quis aproveitar o momento então eu menti naquela hora. Depois entrou o pai dele. O Junghyun só o viu por um vidro, o Gukkie tá numa sala que parece um aquário. Então viemos embora pra ele descansar, e todos foram felizes pra casa, aliviados. Eu fui idiota de te ligar falando daquele jeito como se fosse nesse minuto que tu ia poder falar com ele mas é que eu tava meio estressado com umas coisas que a senhora Jeon me disse e depois o Jimin, sei lá, eu exagerei… Bom, a verdade é que tu é o amor da vida dele, era tu que ele queria ver primeiro e… Agora tu volta lá pelas 10 da manhã e … Eu vou ficar com os bebês, vou te ajudar até se resolverem depois vou pra Daegu pegar Yeontan e sei lá...




— Quê? O quê?



— Kate, eu queria, eu precisava que tu me quisesse pra quem sabe o Gukkie me querer mas...



— Nossa! Você tem problemas seríssimos, é mil vezes mais doido que eu… Ele te ama, ele disse.



— Ama, ama que nem tu me ama, ama mas não me suporta.



— Tae, não fala assim, por favor, tenta entender a minha situação.




— E quem entende a minha?




— Você tá sendo tão injusto comigo.




— Injusto? Injusto é eu mudar minha cabeça aceitar tudo isso e os dois me descartarem assim.



— Sério, chega!!! Você tá alucinando, ninguém te descartou. Eu te amo, eu… eu quero você, quero transar, essas coisas… Ai, meu Cristo, Taehyung, eu quero tentar, mas, a verdade é que eu não sei fazer nada, eu tô aprendendo, eu… Cara, me escuta, eu transei com Jeon duas vezes, DUAS vezes, você tá entendendo? Sendo que uma vez foi no dia que eu morri, eu tive uma crise de ansiedade tão forte que eu não me lembro de nada. Acordei grávida sem nem saber como se faz, e aí 4 anos depois que eu fui transar de novo.




— E ele faz melhor do eu.



— Ele não é assim essa avalanche que você é. Ai, Tae, você é muito bruto comigo.




— Bruto? 




— Sim, você é. E parece até que tá forçando um personagem porque não tem nada a ver com você. O meu Taetae é um ursinho fofo, mas, aí, vira esse, sei lá, uma fera faminta.




— Culpa tua de ser gostosa.




— Ah, tá! Super. — irônica. — Mas, ninguém é assim comigo.




— Ninguém quem? O hyung?



— Ele é… Bom, o Nam…



— O que? Namjoon-hyung? Tu deu pra ele? Quando? 



— Ah, você tava falando do Jin?




— Tu transou com os dois?



— Você não sabia?



— Eu sou muito ameba mesmo. Então já era, não tem a menor chance de tu me querer.



— Para, nada a ver. Vamos esquecer isso.




— Que chance eu tenho de formarmos um casal se tu não me quer? E o Gukkie … ok, pode ser que ele queira dar pra mim ainda.




— Ai, credo, você fala de um jeito…




— Sobre sexo?




— É. Como se fosse almoçar, sei lá.



— Kitty-kat, entenda, sexo é sexo, é bom demais, eu adoro, eu faria todo dia com qualquer pessoa, faria mesmo, de boa. Acontece que quando tu ama alguém o sexo com essa pessoa é maravilhoso porque tem uma conexão, tu quer dar prazer não só receber. E eu sempre só quis essa conexão com o Gukkie e agora eu quero contigo, mas, se tu não me quer…




— Meu Deus do céu, o que eu faço pra você parar de falar isso? Tá certo, eu meio que te rejeitei agora mas eu expliquei, se você me ama devia entender como eu me sinto, ou vai sair por trepando por que não pode ficar sem sexo?




— Eu preciso de sexo.



— Ok, Taehyung faz então, que saco. Eu não entendo como alguém tão possessivo pode ser assim. É tão incoerente. Quer exclusividade mas não dá, é doido mesmo.



— Eu tava pensando que ter os dois pra mim ia resolver minha carência.




— O Jeon vai demorar uns 3 meses ou mais pra poder transar e eu sou isso, sou complicada, tenho esse tamanho de cavala mas pra sexo eu sou uma… sei lá, uma lesma.




— Uma gatinha…




— E você é um tigre, pensa num tigre-de-bengala querendo cruzar com uma gata-siamês?




— Pensei. Meu Deus, eu sou um pervertido… 




— Que o bom Jesus perdoe a sua alma! Eu quero dizer que você precisa ter paciência comigo. Então, ou você se adapta ou não tem chance porque eu não vou mudar. E eu mudaria, mas, acontece que é você que tá errado.




— Eu tô errado?




— Tae, um casamento é um acordo, uma aliança eterna. A partir do momento que a gente se unir, vamos ser os três um do outro, você só pode transar comigo e com o Jeon, é isso, se se sentir carente, chupa o dedo, se masturba até se esfolar mas não pode fazer com ninguém mais.




— Eu sei disso… — daí se lembrou das merdas todas que fez. — Tá, entendi.




— E comigo tem que ser calmo e respeitar o meu tempo.



— Calminho?



— É. 



— Tipo como?



— Tipo olhando no meu olho, e me pedindo se pode antes, para tudo.



— O Jeon faz assim?



— Un hummm ele pergunta, por exemplo, se pode pegar no meu peito. Sério, ele é todo cuidadoso, não faz nenhum movimento sem me pedir. — e nesse momento teve uns flashbacks das "quase" primeiras-vezes que tiveram mas ela passava mal sempre.



— Posso pegar? — manhoso, ela entendeu que ele estava imitando Jungkook.



— É, assim que ele faz. — saudade. —  Eiiii!



— Eu perguntei!!!



— Safado! Tae, eu quero esperar, quero conversar com ele antes.



— Ok. 




— Então solta.




— Ooh é tão gostoso… Deixa vai, eu só vou segurar pra dormir. Ai, kitty-kat tu é tão gostosa de apertar, tem um cheirinho tão bom, sua pele é tão fresquinha.




— Ai, meu deus, por favor, não se empolga.



— Depois que eu dormi assim te abraçando, te cheirando, nunca mais dormi direito, tu parece o Gukkie com tetas, é perfeito. — dengoso.



— kkkkkk Você não presta.



— Ain, tem dó de mim, sou só um pobre tigrão bengaludo carente...




— Tadinho dele, então, pode me apertar, mas, dormeeeee. Boa noite, Tae. Eu te amo.




— Te amo, kitty-kat.




Não conseguia dormir, o coração saltando de ansiedade. Assim que Taehyung caiu em sono profundo, Katherine se arrumou e foi para o hospital. Amanhecia quando ela se apresentou no balcão pedindo para visitar Jungkook. Não podia perder mais nenhum minuto sem pelo menos vê-lo, nem que fosse pelo tal vidro.












 










Notas Finais


🚨🚨🚨 internem a kekamamute!!!


aaaaahhh que decepção nem teve hot, essa autora afff!


mas, eu avisei que era NA KATE, no caso, na xará dela a @beterrabisse que me pediu pra colocar avisos nas notas kkkk


amo todas as minhas leitoras mas amo mais as comentadeiras, então, me mimem!!!


beijinho


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...