História Amando um Uchiha e um Senju. - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hashirama Senju, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kizashi Haruno, Madara Uchiha, Mebuki Haruno, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Tobirama Senju
Tags Madasaku, Tobisaku
Visualizações 79
Palavras 3.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Com o Uchiha.


 

Sakura acordou deitada em algo duro, abriu os olhos lentamente e viu uma cabeleira preta, subiu mais o rosto e viu que estava deitada no peito de Madara, a rosada engoliu a seco. Fitava o rosto dele e seu rosto queimou quando ele abriu os olhos ônix e sorriu terno para ela que retribuiu o sorriso sem jeito e se afastou. Ela olhou o semblante do rosto dele e podia jurar que o moreno havia ficado triste quando ela desfez o toque.

 

- Bom dia. – Ele disse.

 

- Bom dia, nossa eu não sabia que tinha dormido aqui. – Ela fala sem jeito.

 

- É que você não me deu outra escolha. – Ela o olha confusa. – Bom, você se grudou em mim e para não acorda-la deitei e acabei dormindo. – Sakura corou forte.

 

Ela olhou para o relógio e viu que estava muito, mas muito atrasada para a aula.

 

- Ai meu Deus, preciso ir embora. Tenho aula e já estou atrasada demais. – Ela se levanta bruscamente da cama.

 

- Eu te levo, calma. – Ele pediu. E ela apenas assentiu.

 

Fizeram o caminho todo em silencio, Sakura não conseguia olha-lo. Tentava inventar desculpas para dar aos pais e Tobirama sobre seu rosto roxo e o lábio cortado. Não queria contar o que houve e muito menos contar que passou a noite na cama com o Uchiha. Ao chegar em frente da casa da rosada ela tirou o cinto e o olhou.

 

 - Obrigada, você me salvou e não tenho como te agradecer. – Ela sorrindo

 

- Bom, está virando um habito te salvar Haruno. – Madara em um tom de deboche.

 

- Porque você sempre tem que ser arrogante? – Ela perguntou ríspida.

 

- Porque você precisa ser sempre séria, irritante. – Sakura revirou os olhos.

 

Antes dela o responder, ele a puxou pela nuca e a beijou. A língua dele pedia passagem dentro da boca dela e a rosada consentiu sem hesitar, Madara explorava cada espaço da boca dela, seu beijo era pura luxuria e isso fez o ventre de Sakura contrair. Ela desfez o beijo rapidamente e o olhou confusa.

 

- Isso está errado! – Abriu a porta e saiu praticamente correndo.

 

Entrou na casa e fechou a porta atrás de si se encostando na mesma, sua respiração estava descompensada e sua cabeça estava a mil. Levou os dedos até a boca que formigava pelo beijo do moreno. Não queria sentir nada com isso mas sentiu, começou a tremer quando pensou em Tobirama, se ele descobrisse ela estava perdida!

 

Sakura decidiu faltar a aula aquele dia, precisava de um tempo para si, voltou para a cama e dormiu quase a manhã toda. Só acordou quando Tobirama ligou para ela e já era quase meio dia.

 

- Alo? – Sakura

 

- Oi pequena, te mandei mensagem e você não respondeu. Está tudo bem? – Tobirama

 

- Sim eu estou bem, só não vi sua mensagem. – Sakura

 

- Quer que eu te busque no colégio? – Tobirama

 

- Não, eu estou em casa. Eu acabei caindo e machuquei o rosto. – Sakura

 

- Como assim? Você está bem? Se machucou muito? Eu vou até ai! – Tobirama

 

- Não precisa. De verdade estou bem, foi um tombo besta. – Sakura

 

- Como assim um tombo besta? Eu vou ir sim. Aproveito e já conheço seus pais. Ok? – Tobirama

 

- Está bem, eu te espero aqui então. – Sakura

 

- Ótimo, vou passar no mercado pegar um vinho e vou direto para ai. Até daqui a pouco. – Tobirama

 

- Até. - Sakura

 

Sakura

 

Sinceramente não sei se quero vê-lo depois do que aconteceu mais cedo. O beijo do Uchiha me tirou o folego. Mas não posso deixar isso me abalar, eu tenho alguém que me quer de verdade ao meu lado. Preciso avisar meus pais que finalmente vão conhecer meu namorado, tenho certeza que minha mãe vai pular de alegria.

 

Autora

 

Sakura tomou um banho e vestiu um vestido branco com caimento leve, ligou para os pais avisando que Tobirama iria almoçar com eles, como previsto Mebuki pulou de alegria e Kizashi apenas emitiu um “hm” nada amigável. A rosada não disse o nome do namorado para os pais, mas sabia que eles o conheciam, só sentia medo de que eles não gostassem que ele fosse mais velho que ela. Mebuki mandou entregar comida pronta em casa, já que não tinham tempo para cozinhar. Por sorte a comida chegou antes de Tobirama, Sakura colocou tudo em refratários bonitos e arrumou a mesa rapidamente. Os pais chegaram e perguntaram sobre o rosto da filha que logo contou a mesma mentira que havia contado para Tobirama. Então Mebuki subiu trocar de roupa já o pai ficou de terno como sempre. Ouviram a campainha tocar e a rosada foi correndo atender. Quando o viu seu coração disparou, ele usava calça social, uma camisa branca que estava com alguns botões abertos o paletó deixava com o ar mais despojado incrivelmente sexy. Sakura sorriu e deu passagem para que ele entrasse.

 

- Pequena... seu rosto. – Estava com um semblante assustado.

 

- Está tudo bem, não foi nada demais. – Ela disse sorrindo.

 

Eles adentraram a cozinha e Mebuki se levantou e foi correndo para abraça-lo.

 

-  Meu deus, minha filha está namorando um Senju. E o mais bonito ainda. – o abraçou apertado e o prateado ficou sem jeito.

 

- Mãe... calma. – Sakura pediu envergonhada. – Pai esse é o...

 

- Tobirama Senju. – Kizashi interrompeu, se levantou e apertou firmemente a mão do prateado. – Que bom vê-lo novamente, fico feliz em saber que é você que esta namorando Sakura. – Falou firme.

 

O almoço seguiu tranquilo, Sakura estava feliz por seus pais terem aprovado o namorado. A mãe as vezes era um pouco inconveniente mas nada que não conseguisse contornar. Eles falaram sobre muitas coisas até sobre a ida de Sakura para os USA, esse assunto a deixava triste e feliz ao mesmo tempo.

- Eu preciso ir. – Disse o prateado. – Foi um prazer conhece-los finalmente.

 

- Já? Está cedo querido, fique mais. – Insistiu Mebuki.

 

- Preciso voltar ao trabalho, se deixar meu irmão sozinho ele coloca o escritório abaixo. – Riu e fez os demais rirem também.

 

- Isso ai, um homem que sabe quais são suas prioridades. – Kizashi disse orgulhoso. – Também precisamos voltar ao trabalho.

 

Tobirama se despediu de Sakura com um beijo apaixonado e se encaminhou para o escritório. Sakura se virou para os pais que a olhavam orgulhosos.

 

- Filha, eu adorei ele. – Mebuki

 

- Que bom mãe, fico feliz. – Sakura sorrindo.

 

- Vamos Mebuki, tenho muito o que fazer. – Kizashi disse firme para a mulher. – Sakura, tem remédios para o inchaço de seu rosto, por favor tome. Esta parecendo um baiacu. – Brincou com a filha e se encaminhou para a saída gargalhando.

 

Sakura correu para o espelho para se olhar, e estava mesmo mais inchada, bufou ao lembrar que Tobirama havia visto ela daquele jeito. Tomou um remédio e foi deitar novamente.

 

O restante da semana correu tranquilamente e logo chegou o final de semana Tobirama e ela iriam sair no sábado, ele queria aliviar a tensão do trabalho e ela comemorar a sua passagem de ano. Estava oficialmente livre do ensino médio. Combinaram em ir na mesma boate que se conheceram. Sakura se tratou de colocar um vestido vermelho com um devote em V. Ele descia justo até a metade de suas coxas, as alças eram bem finas e pra combinar um scarpin preto. Maquiou-se minimamente, não gostava de nada muito pesado e esperou seu amado chegar para busca-la. Ouviu a campainha e foi correndo abrir. Os olhos do prateado brilharam ao vê-la, sua boca formou um “o” perfeito.

 

- Nossa! Eu sou sortudo pra caralho. – Ele deu um beijo em sua bochecha.

 

- Olha quem fala, está maravilhoso. – E ele realmente estava, a calça jeans preta que usava estava bem colada, vestia uma camisa cinza com alguns botões abertos.

 

- Vamos? – ele deu o braço para que ela segurasse e ela o fez.

 

Sakura procurava alguma musica animada até encontrar uma que a agradou e começou a dançar no banco do carro. Ele a olhava dançar e sorria, adorava vê-la feliz quando ela estava assim consequentemente ele também ficava. Ela cantava e dançava um pouco engraçado para faze-lo gargalhar.

 

- Ah pequena, por isso eu te amo. – Sakura arregalou os olhos e parou na hora quando ouviu o que ele disse.

 

- O que? – Ela perguntou com um sorriso ladino. – Você disse que me ama? – O viu morder o lábio inferior.

 

- Acho que você já devia saber. – Ele respondeu. – Porque está tão surpresa?

 

- Porque você disse e eu não precisei pedir para que fizesse isso. – Ela sorriu aberto. Respirou fundo e colocou sua mão na coxa grossa dele. – Eu também amo você. – Disse corando e olhando seu rosto. Ele sorriu e parou o carro para beija-la. A beijou completamente apaixonado.

 

- Você é maravilhosa. – Falou segurando sua nuca enquanto suas testas estavam coladas. – Nunca vou deixa-la.

 

- Não quero que me deixe. – Sorriu para ele. – Precisamos ir. – Ele apenas assentiu e voltou a dirigir.

 

Chegaram na frente da boate e não precisaram ficar na fila, afinal todos ali o conheciam e ele tinha entrada livre em qualquer lugar. Já dentro Sakura foi diretamente para o bar pediu o stone rose, estava morrendo de vontade de beber novamente aquele drink maravilhoso. Logo avistaram Hashirama e foram até ele.

 

- Nossa cunhada, você está demais! – Ele comentou e sorriu.

 

- Obrigada cunhado, você também está um gato. – Respondeu.

 

Passaram um tempo ali conversando e Sakura já estava se sentindo entediada.

 

- Amor, dança comigo? – Pediu ela.

 

- Ah pequena, eu odeio dançar. Mas você pode ir, ficarei aqui. Está bem? – Ela olhou com uma carinha brava mas logo assentiu.

 

Sakura foi para o meio da pista onde pudesse ficar de olho no namorado e ele nela. Ela começou a dançar lentamente, como estava sozinha tentava não chamar muita atenção, mas ao longo da musica seu corpo se embalava sozinho. Começou a dançar mais sexy, levava seus braços a cima da cabeça dançando sensual, fitou o namorado de longe que a olhava com um sorriso malicioso e fazendo um sinal de negação com a cabeça. Ela então resolveu provoca-lo mais ainda. Os mãos pequenas encontraram os fios rosados e ali os bagunçou, desceu passando as mãos pelo corpo, apertou minimamente os seios e desceu mais ainda subindo o vestido. Ela sorriu sapeca para ele que retribuiu sorrindo. Mas logo o seu sorriso foi se desfazendo quando viu que Madara estava a encarando, juntamente com seu irmão e os primos, ela engoliu a seco com aqueles olhos ônix sobre ela a fitando sem piscar. Foi quando viu ele sorrir ladino e ela ficou sem reação. Olhou para Tobirama rapidamente e ele tinha um semblante confuso, o prateado se virou em direção a porta e viu o Uchiha que agora também o olhava. Suspirou fundo e foi em direção a ela e a agarrou sua pequena cintura.

 

Tobirama

 

Quando vi aquele idiota do Uchiha a olhando fiquei louco, agarrei sua cintura e trouxe aquele corpo junto ao meu. Ela é minha e ele não tem direito de olha-la daquela forma! Não me importo que os outros homens a olhem, mas com ele é diferente. Sei muito bem que Madara adoraria tira-la de mim só por birra, como já fez uma vez. A beijo possessivo, quero mostrar para eles que ela é minha. Sinto suas mãos irem para minha nuca, puxando suavemente meu cabelo, adoro quando ela faz isso. Quando desfaço o beijo olho vitorioso para o Uchiha que está visivelmente irritado.

 

Madara

 

Entramos na boate e eu olho tudo ao redor. Está muito cheio e eu queria realmente ficar em casa, porem foi ali que conheci a rosada e acho que é uma maneira de me manter perto dela. Minha atenção é tirada quando Shisui me cutuca.

 

- O que foi? – Pergunto confuso.

 

- Cara, olha quem está dançando ali. – Ele aponta para o meio da pista e eu a vejo.

 

Caralho como ela ficou gostosa naquele vestido, a forma como dança toda provocante me deixou louco de ciúme com os olhares em cima dela. Quando olho na direção de seu olhar ela está encarando  o Senju, isso me deixou possesso por dentro porque claramente ela estava dançando para ele. Quando Sakura finalmente me viu parou imediatamente de dançar não me contive e sorri para ela, mas não me retribuiu e isso me deixou chateado. O Senju notou que eu estava secando ela e foi correndo marcar o território.

 

Autora

 

A festa seguiu noite a dentro, Sakura dançava com Tobirama que não a deixou mais sozinha nem um minuto sequer. Fazia questão de acompanha-la até o banheiro e espera-la quando saísse. Ele estava visivelmente irritado com algo e começou a beber, Sakura ficou preocupada com o namorado porque nunca o viu beber daquela maneira. Ele a beijava toda hora e diz que ela era dele. As vezes seu olhar se encontrava com o Uchiha e o mesmo não esboçava nenhuma expressão que não fosse indiferença para ela e isso a deixou incomodada. Tobirama ainda bebia demais e Sakura perdeu a paciência.

 

-Amor, vamos embora? – Pediu ela tentando ser agradável.

 

- Porque? está ótimo aqui. – Ele respondeu com a voz arrastada.

 

- Estou cansada e você está bêbado. Por favor vamos, eu chamo um taxi. E amanhã você pega seu carro.

 

- Não, eu vou ficar se quiser ir vá. – Ele disse um pouco irritado.

 

- O que? Está me mandando embora? – Ela perguntou também irritada.

 

- Você disse que quer ir embora. – Ele grosso.

 

- Sim, mas quero ir embora com meu namorado! – Diz

 

- Ah Sakura, você vai embora a poucos meses, acho que esse namoro já era. – Ele desabafa e ela o olha incrédula.

 

A rosada o deixa naquele estado e vai para a saída, pega seu celular para ligar para um taxi, ou chamar um uber. Estava muito brava com aquelas palavras, ele mesmo disse que não iria deixa-la, disse que a amava e agora joga aquelas palavras na sua cara, ele estava bêbado, mas isso não é desculpa. As lágrimas caíram involuntariamente, sabia que não devia ter ido de cabeça nesse relacionamento. Sentiu alguém colocar a mão em seu ombro e se virou para xingar achando que era Tobirama.

 

- Eu não quero falar... – Ela encontrou os olhos ônix a olhando.

 

- O que houve? Vi você sair apressada e largando o Senju sozinho. – Madara viu as lágrimas dela caírem e secou algumas.

 

- Ele é um idiota. – Ela se afastou da mão dele.

 

- Só agora você viu? – Perguntou debochando e rindo.

 

- Por favor, agora não. – Pediu e ele ficou sério.

 

-O que está fazendo? – Ela mexia no celular visivelmente nervosa.

 

- Tentando ligar para um taxi.

 

- Eu te levo para casa. – Ele ofereceu.

 

- Não, obrigada. – Ela foi curta e grossa.

 

- Calma garota, não vou fazer nada que não queira. Para de ficar tão na defensiva. – Insistiu. E ela suspirou e olhou para ele.

 

- Está bem. – Finalmente cedeu.

 

Madara foi buscar o carro enquanto ela esperava torcendo para Tobirama não sair e vê-la com o Uchiha. Mas naquela altura estava tão irritada com ele que no fundo queria que visse. Parou o carro e ela entrou, colocou o cinto e deitou sua cabeça no banco suspirando. Algumas lágrimas ainda caiam e ela tentava secar todas para que o moreno não visse.

 

- E ai, vai me contar o que houve? – Pediu ele.

 

- Porque quer saber? – Soou ríspida.

 

- Nossa, que grossa. –  Soou mais debochado. E ela suspirou.

 

- Ele disse que nosso namoro estava condenado. – Disse

 

- Porque ele diria isso?

 

- Porque eu vou embora daqui alguns meses e não tem como manter um relacionamento a distancia, ainda mais que vou para outro pais. – Madara sentiu uma pontada atravessar o peito com a informação.

 

- Para onde vai?

 

- Vou para os Estados Unidos fazer faculdade.

 

- Legal... – Foi o que conseguiu dizer, mas na verdade estava triste com isso. – Então antes de te levar para casa, quero te levar em um lugar, posso? – Pediu.

 

- Pode, contanto que não abuse de mim. – Ela soou brincalhona pela primeira vez. Madara sorriu ladino com a brincadeira dela.

 

Eles seguiram um pouco fora da cidade, na verdade estavam indo para perto da casa dele, adentraram uma rua toda de chão batido. Sakura sentiu um pouco medo, mas relaxou quando viu que estavam no topo de um precipício onde dava para ver toda a cidade. Seus olhos brilharam com o show de luzes que havia lá embaixo. Saiu do carro e foi para a beirada segurando nas barras de ferro, o vento bagunçava seus cabelos róseos e ela inspirava o ar. Se sentia livre e bem consigo mesma. Madara estava ao seu lado e a olhava completamente admirado, Sakura era linda, mesmo com aquele corpo pequeno e magro havia curvas, o rosto de menina só fazia que ele a desejasse mais. Não se segurou e a puxou pela cintura a beijando. Sakura correspondeu livremente o beijo, o gosto que bebida alcoolica se misturava e a deixava inebriada. Ele a pegou no colo e ela entrelaçou as pernas em volta da cintura dele, o moreno caminhou com ela até o carro e a sentou no capô, a beijou sedento. Apertava o corpo dela contra o dele com força, beijou seu rosto, desceu para o pescoço e clavícula até chegar no peito, Sakura arfava com a cabeça para trás.

 

- Eu te quero Sakura. – Ele sussurrou em seu ouvido a fazendo tremer.

 

- Também te quero, Madara... – Ouvi-la com aquela voz de desejo foi o estopim.

 

Abaixou as alças do vestido e expos os seios medianos dela, sugou o direito bem devagar enquanto massageava o esquerdo. Suas mãos era grandes e pegavam o seio por inteiro. Sakura gemia baixinho, enrolando os dedos nos cabelos negros dele. Madara subiu o vestido dela deixando a calcinha preta a mostra, se pôs mais entre suas pernas e apertou a bunda da rosada com força a fazendo gemer. Não parou de mamar seus seios nem por um minuto, queria desfrutar de cada parte dela calmamente. Segurou a calcinha com força e com um puxão estourou o tecido em sua mão a fazendo gritar um pouco assustada. Sakura tirou sua camisa jogando para longe, olhou o corpo definido dele na sua frente, passou a ponta das dedos pelos gomos da barriga do moreno e o olhou. Seus olhos brilhavam, estava escuro e apenas a luz do farol do carro iluminava, juntamente com a lua cheia. Madara abriu sua calça lentamente e abaixou junto com a box preta. A rosada engoliu a seco ao ver o membro dele, era enorme, ela não havia transado com mais ninguém somente com Tobirama. Ele por sua vez sorriu ladino com a reação dela ao ver seu pênis então passou os dedos na intimidade dela devagar.

 

- Está tão molhada pra mim. – Massageando o clítoris inchado dela.

 

Ele se agachou e abriu as pernas dela e a chupou ferozmente o que a fez soltar um grito. Passou toda a língua nos lábios e lambeu cada pedacinho dela. Sakura sentia a boca quente de Madara e só conseguia gemer e apertar mais a cabeça do moreno contra sua intimidade. Ela sentia que estava prestes a gozar.

 

- Continua... – Implorou ela.

Ele não parou e continuou a chupa-la com vontade, estava louco para provar o gosto que ela tinha. Quando viu os espasmos percorrendo o pequeno corpo dela sabia que iria gozar logo.

 

- M-madara... – Ela gozou o chamando e isso o deixou louco.

 

Se pôs de pé e antes que ela pudesse se recuperar pelo orgasmos ele se enterrou dentro dela de uma vez. Ela gemeu em um sussurro.

 

- Ah, você é muito apertada... – Ele estocava rápido, a boceta dela estava muito molhada.

 

Sakura sentia um misto de emoções, sabia que era errado mas estava bom demais. Madara a deitou no capô e ergueu uma das pernas dela enquanto a fodia com força, seu membro estocava fundo e sentia ser apertado por ela, ele foi ao loucura vendo ela num vai e vem. Os seios balançavam firmemente enquanto a rosada tentava se agarrar em algo, os gemidos dela era como musica para seus ouvidos. Se deitou sobre ela e a beijou cheio de luxuria, suas línguas travavam uma batalha intensa. Ele a pegou pela cintura e se retirou de dentro, virou a colocando de quatro no capô. Segurou sua cintura fina e entrou devagar trazendo seu corpo ao encontro do pênis o que a fez gemer preguiçoso. Então começou a fazer movimentos mais rápidos dentro dela, sentia que iria gozar logo. Ela era apartada demais e isso o deixava louco.

 

- Ah Sakura, não sabe o quanto eu queria isso... – Ele ofegante.

 

- Por favor, continua. Isso é bom demais. – Ela implorou novamente. Ele usava quase toda sua força para meter dentro dela, bombava sem parar.

 

- Goza comigo... – Pediu ele enquanto sentia seu pênis ser esmagado pelas paredes da boceta dela.

 

- Ahh... eu estou... – Não conseguiu terminar e gozou novamente no membro dele.

 

- Sakura... – Ele rosnou seu nome enquanto a preenchia com jatos quentes.

 

Se retirou de dentro dela com cuidado enquanto ela se virava completamente envergonhada. Vestiu novamente sua box e a calça tentou procurar a camisa mas não viu onde ela havia jogado então deixou assim mesmo. Sakura colocou as alças do vestido e desceu o mesmo se recompondo. Ele a olhava com o semblante completamente apaixonado e ela muito envergonhada.

 

- Quer ir embora? – Perguntou sem saber o que dizer.

 

- Não. – Ela respondeu rapidamente. – Quero ficar aqui mais um pouco.

 

- Está bem. Vem aqui. – Estendeu a mão para ela que aceitou.

 

Madara se escorou no capô do carro a agarrando por trás, sentia o cheiro dela e beijou seu ombro demoradamente. Sakura não podia explicar o que sentia por ele, mas não pensou duas vezes antes de se entregar. Não fez por vingança nem nada do tipo, fez porque queria o desejava muito e estar finalmente com ele foi maravilhoso. Amava o Senju, mas será que também amava o Uchiha? Pensou enquanto sentia os braços grandes dele a envolver.

 

 


Notas Finais


Sakurinha você está perdida minha filha!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...