História Amando um Uchiha e um Senju. - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hashirama Senju, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kizashi Haruno, Madara Uchiha, Mebuki Haruno, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Tobirama Senju
Tags Madasaku, Tobisaku
Visualizações 48
Palavras 3.256
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - A descoberta.


Sakura

 

Não sei o que estou fazendo. Tenho dois homens que me amam, eu sei que não é certo, mas seria tão errado querer ficar com os dois? Estou sendo completamente egoísta querendo ter os dois comigo eu sei que é impossível e que eles jamais concordariam. Não! Preciso escolher. Mas eu os amo igualmente e isso é o pior de tudo. Será que alguém pode amar duas pessoas ao mesmo tempo?

 

Quando acordei nos braços de Madara me senti completa da mesma forma que me sinto quando estou com Tobirama. Indecisão! Deus me ajude o que eu faço?

 

Autora

 

 

Com o passar das semanas a indecisão da rosada aumentava, mantinha um relacionamento com ambos. Ela contou para Madara que ainda estava com Tobiriama. O Uchiha não tinha ficado feliz com isso e mesmo que antes não a pressionasse, sentia que agora ele estava ficando impaciente. Já o Senju a tratava como uma rainha, depois da briga que tiveram ele tomava todo cuidado para não magoa-la e isso a deixava Sakura pior ainda!

Decidiu tirar um dia para pensar em tudo o que estava acontecendo com ela e saiu com Ino, desde que as aulas terminaram não tinha mais visto a amiga loirinha e hiperativa, estava com saudades. Ela decidiu contar tudo para Ino quem sabe a loira a ajudasse de alguma forma. Assim as duas se encontraram numa cafeteria que ficava próxima a escola, Sakura contou tudo para Ino que estava boquiaberta com a situação.

 

- Meu Deus Sakura, o que vai fazer agora? – Ino tinha um semblante preocupado.

 

- Eu não sei, esperava que você me ajudasse. – Sakura tomou um gole do café e sentiu ele quase voltar. Estava muito ruim. Chamou a garçonete. – Pode me trazer outro? Esse está com um gosto muito estranho.

 

-Eu? Sério? Você só pode estar louca não resolvo nem os problemas da minha vida quem dirá da sua. – Respondeu a loira

 

- Obrigada Ino, era tudo o que eu precisa ouvir. – Ino deu os ombros. A moça trouxe o café e novamente Sakura tomou e voltou a sentir aquela sensação que iria vomitar. – Meu deus, que gosto horrível. – Largando a xicara

- Pra mim está normal. – Ino tomando um gole do café. – Seu paladar que está esquisito.

 

- Vamos procurar outra cafeteria. – Sakura se levantou bruscamente e se sentiu tonta. Segurou-se na mesa buscando apoio.

 

- Sakura? O que foi?  - Ino segurou seu braço.

 

- Eu senti uma tontura muito forte. Ino, acho que vou vomitar... – Sakura correu para o banheiro.

 

Ela ficou de joelhos no vaso e vomitou tudo o que havia comido, sentia sua barriga doer e saiam lágrimas dos olhos. Ino bateu na porta e Sakura abriu enquanto limpava a boca com um papel.

 

- Devo ter comido algo estragado aqui. – Sakura fazendo cara de nojo, ainda estava enjoada.

 

- Sakura... será que – Ino fez uma pausa e engoliu a seco – Você não está grávida? – Sugeriu. A amiga regalou os olhos e tudo na sua mente fez sentido.

Notou que estava atrasada, não tomava contraceptivos, transava com os dois sem proteção e nem ao menos tomava pílula do dia seguinte.

 

- Ino... – Sakura levou a mão para a barriga lisa. – Não pode ser. – Começou a tremer.

 

- Calma, você precisa ter certeza. Olha vamos numa farmácia e compramos um teste de gravidez, está bem?  - Sakura apenas assentiu e as duas saíram dali.

 

Se antes a rosada estava indecisa agora tudo estava pior e se ela estivesse mesmo grávida? O que seria da sua vida daqui pra frente? O que seus pais diriam? A faculdade certamente ficaria para os planos futuros. Sentiu desapontada consigo mesma não queria estar grávida, ao menos achava que não queria. Sakura então começou a pensar em como seria seu filho, seus primeiros passos, as primeiras palavras, como seria ser chamada de “mamãe” . Passou novamente a mão na barriga e sorriu ladino. Talvez isso não seja ruim. Pensou.

 

Ela e Ino entraram numa farmácia e compraram o teste. Foram para casa da rosada pois não havia ninguém. O coração de Sakura batia forte e Ino tentava acalmar a amiga. Entraram correndo na casa, subiram as escadas mais em direção ao quarto. A loira abriu a caixa com cuidado e pegou a bula e começou a ler lentamente.

 

 -O que diz ai? – Sakura impaciente.

 

- Pelo o que eu entendi é pra você fazer xixi nesse palitinho e esperar cinco minutos se aparecer dois risquinhos é positivo e se aparecer um é negativo. – Explicou.

 

- Ta... é agora. – Sakura pegou o palitinho e se encaminhou para o banheiro. Seus dentes se chocavam um no outro por conta da tremedeira, seu corpo tremia tanto que ela estava achando difícil se manter em pé. Sentou se no vaso e por mais que tivesse vontade não conseguia fazer xixi de nervosa que estava. Quando finalmente conseguiu levou o palitinho e deixou que a ponta se molhasse. Tirou rapidamente e o colocou no balcão da pia, limpou-se e levantou seu shorts.

 

Quando saiu do banheiro Ino estava do lado de fora roendo a unha ansiosa. Sakura andava de um lado para o outro esperando dar os cinco minutos passarem que mais pareciam cinco horas. Quando finalmente deu o tempo ela voltou a tremer, não conseguia sair do lugar com medo do que a esperava. Ino viu o estado da amiga e se encaminhou até o banheiro, pegou o teste de cima do balcão sem olhar.

 

- Quer ver primeiro? – Perguntou a loira.

 

- N-ão... olha você eu não consigo. – Disse gaguejando.

 

 Ino tinha o teste em sua mão fechada, tentava não apertar aquele negocio frágil ela tremia muito e sentia-se tonta. Começou abrir a mão lentamente o coração da loira espancava o peito de uma maneira surreal, um medo invadiu seu corpo pequeno. Olhou para o teste e olhou para a amiga que estava em pé alguns passos de distância.

 

- D-eu positivo. – Nunca em sua vida sentiu dificuldade de falar algo.

 

 Sakura arregalou os olhos e deixou o corpo cair sentando em sua cama, estava atônica, não conseguia  expressar nenhuma reação, o que ela faria agora?

 

- Sakura? – Ino se aproximou sentando ao lado da amiga.

 

- Ino, eu vou ter um bebê. – Levou a mão da amiga em sua barriga e sorriu minimamente. – Vou ter um bebezinho.

 

- Vai... – Confirmou a loira.

 

- O que eu faço agora? – Perguntou olhando nas orbes azuis de Ino.

 

- Eu não sei, mas eu vou estar aqui sempre por você. Por vocês dois. – Ino acariciou a barriga da rosada.

 

 

Sakura não sabia o que fazer e como contar para seus pais e nem como contar para o pai do seu filho. Sim ela sabia quem era... Com o passar dos dias tentou evitar tanto o Senju quanto o Uchiha, precisava pensar na melhor maneira de contar o que estava acontecendo e ter certeza que o pai de seu filho ficaria feliz com essa notícia. Saruka sabia que queria ter o bebê e nada tiraria da cabeça dela que mesmo que o pai não o quisesse ela daria amor pelos dois! Sua vida mudaria totalmente por conta da gravidez mas nunca se sentiu tão completa como agora, ela era jovem e teria muito tempo pra cursar uma faculdade, mas agora ela iria concentrar toda sua atenção no pequeno serzinho que crescia dentro de si.

Naquela noite Madara a tinha chamado para ir jantar, Sakura relutou um pouco com o convite mas acabou aceitando. Decidiu que ia por a vida nos eixos e começaria com o moreno.

 

 

Madara

 

Sakura estava estranha, não nos vimos a alguns dias e toda vez que a convidava para sair comigo dava desculpas. Hoje a chamei para jantar e mesmo ela relutante eu consegui convence-la. Não queria ser pessimista mas acho que ela vai escolher o Senju... sinceramente se isso acontecer vai acabar comigo, me apaixonei perdidamente por aquela garota de 16 anos. Como pude ser tão burro? Como achei que iria me aproximar dela e não me apaixonaria por aquele sorriso, aquele corpo. Deus! Tudo nela é perfeito pra mim. Tentarei dar o meu melhor hoje, a levarei em um lugar especial, serei romântico, algo que nunca fui com ela desde que começamos isso que eu nem sei direito o que é. Estou completamente ansioso, meu coração parece que vai falhar a qualquer momento. Mas eu preciso ter esperanças de que ela seja minha definitivamente.

 

 

Autora

 

Ela tentava entrar numa calça jeans tamanho 36 e viu que não conseguia, ela havia engordado por conta da grávides. Sakura se olhou no espelho por uns momentos, a lingerie vermelha destacava sua pele alva mas não era só isso, seus seios estavam um pouco maiores, podia ver claramente as veias arroxeadas bem aparentes. Virou-se de lado para ver se conseguia ver alguma diferença na barriga e realmente estava um pouco inchada. Mas quem a visse não diria que estava grávida. Novamente alisou a barriga e sorriu.

 

- Espero que seja tão lindo ou linda como seu pai. – Falou para si mesma enquanto acariciava a barriga. – Sabe, os olhos dele são...- Antes de terminar o celular tocou.

 

- Alo? – Sakura

 

-Estou aqui na esquina te esperando. – Madara

 

- Ok, eu só vou colocar uma roupa e já desço. – Sakura

 

Sakura desligou o celular e decidiu colocar um vestido soltinho, sua jaqueta de couro e os famosos coturninhos, não queria que nada marcasse sua barriguinha que mal aparecia. Pegou sua bolsa e agradeceu seus pais não estarem em casa como sempre. Isso foi algo que prometeu a si mesma, jamais deixaria seu bebê sozinho, nunca o abandonaria e nem ficaria ocupada o tempo todo. Fechou a porta atrás de si e se encaminhou para o carro do moreno.

 

 

Tobirama

 

Não sei porque ela está tão distante, não a vejo tem alguns dias e isso está me matando. Jamais pensei que ficaria tão dependente daquela garota, ela me tira completamente do chão! Tinha mandado mensagem para ela e me respondeu dizendo que iria ficar em casa porque não estava se sentindo bem e me pediu para não ir vê-la. Mas decidi fazer uma surpresa para ela, comprei um vinho doce como sei que gosta, chocolates amargos e não pegaria flores, ela odeia ganhar coisas que não pode se aproveitar ou guardar pra sempre. Estava virando a esquina da casa dela e a vi saindo, fiquei um pouco confuso onde ela iria? Me aproximei lentamente com meu carro e a vi entrar num jaguar preto. Não pode ser, não. Me nego aceitar isso, ela não pode estar saindo com aquele desgraçado e comigo ao mesmo tempo. Resolvo segui-los preciso saber o que está acontecendo.

 

 

Autora

 

Madara olhava para a rosada com semblante confuso a mesma estava quieta demais e volte e meia suspirava. No que ela estaria pensando? O moreno achava que era em maneiras de terminar com ele. Sakura na verdade estava se sentindo enjoada e o destino deles parecia nunca chegar, a gravidez a deixava cansada e o tempo todo com ânsia de tudo. Não tomava mais café, não comia mais os doces amargos que tanto gostava. Ela sentia que iria vomitar a qualquer momento se o carro não parasse. Filho, fica calminho já estamos chegando. Não deixa a mamãe mal. Por favor meu anjinho. Pensou fechando os olhos com força e ao abrir lentamente sua ânsia havia passado, sorriu ladino e seus olhos encheram d’agua, levou sua mão involuntariamente para a barriga.

 

- Está se sentindo mal? – Perguntou o moreno se referindo a mão dela que estava na barriga.

 

- Hum? Não! Está tudo bem. – Ela respondeu sorrindo minimamente enquanto recolhia a mão.

 

- Certo. – Suspirou Madara. – Estamos quase chegando. –  Ela apenas assentiu.

 

 

Eles fizeram um trajeto conhecido, Sakura sabia que já esteve naquele lugar. Ele então parou o carro e ligou o farol alto iluminando a frente, eles estavam no precipício onde eles se amaram pela primeira vez. Os olhos dela brilharam, a noite estava linda e a lua iluminava tudo. Sakura saiu do carro e se encaminhou até as barras que ajudavam a não cair. Se segurou nelas com força e suspirou fundo enquanto o vento batia em seus cabelos curtos. Madara apareceu do seu lado com uma cesta enorme nas mãos.

 

- Um piquenique de noite? – Ela perguntou.

 

- Sim... não gostou? – Ele tinha um semblante decepcionado.

 

- Não. – Ele a olhou a rapidamente fitou o chão tristonho. – Eu amei. – Assim o abraçou com força.

 

Madara a abraçou com tanta força que ficou com medo de quebra-la ao meio. Segurou seu rosto entre as mãos grandes e a olhou como um completo apaixonado.

 

- Eu te amo, Sakura. – Seus olhos estavam um pouco marejados o que fez a rosada se perguntar o que havia acontecido com ele.

 

- Eu também amo você. – Ele a beijou calmo e com ternura.

 

 A atenção dos dois foi tirada por palmas que ecoavam em todo lugar. Sakura se virou rapidamente procurando de onde vinha o som.

 

- Mas que lindo. – Disse a voz que a rosada conhecia muito bem.

 

As pernas dela amoleceram automaticamente se Madara não tivesse a segurando junto do seu corpo, certamente teria caído. A pessoa caminhou ficando na visão deles e ela pode confirmar quem era. Tobirama tinha um olhar demoníaco nos olhos que agora pareciam mais vermelhos que nunca. Sakura tremeu e sentiu Madara a apertar mais ainda.

 

- Você é mesmo uma vadia. – As palavras saíram em tom de desprezo.

 

- E-eu... -  Ela não conseguia terminar. – Por favor n-aão..

 

- O que? Não é o que estou pensando? – Ele riu demoníaco.

 

- Sai fora Senju. – Madara se pronunciou.

 

- Ah Uchiha... pode ficar com essa ai pra você. – Olhando para o moreno. Mas logo voltou a encarar a rosada.

 

- Tobirama por favor me escuta. – Ele pediu com os olhos marejados.

 

- Vai se foder sua vagabunda. Não quero ouvir nada mais dessa sua boca imunda. – Sakura sentiu que Madara iria avançar nele e o segurou. – Não quero mais olhar pra sua cara! – Se virou e foi embora.

 

Tobirama tremia, caminhava devagar por conta de sua visão que estava turva, ao ver aquela cena, ouvi-la dizer que o amava acabou com o Senju. O sua respiração estava pesada o peito doía, sentia ódio, ódio dela. Queria socar alguma coisa, queria voltar lá e mata-los. Sentia o peso daquela traição e mais ódio brotava em seu corpo.

 

Sakura sentia seu coração acelerado, um medo enorme de perde-lo se instalou por todo seu corpo, não notou quando se desfez do abraço do Uchiha.

 

- O que? – Perguntou ele confuso quando ela se afastou. – O que está fazendo?

 

- E-eu preciso ir... – Ela molhou os lábios. – Preciso ir atrás dele.

 

- Está falando sério Sakura? – Ele tinha um semblante sério e incrédulo.

 

- M-me desculpe. – Assim saiu correndo pelo caminho que Tobirama havia tomado.

 

Madara estava incrédulo, sentia uma raiva imensa crescer dentro de si, na cabeça dele suas confirmações estavam completamente certas. Ela iria mesmo terminar com ele pra ficar com o Senju. Ele chutou a cesta com toda a força que possuía e entrou no carro pra sair o mais depressa daquele lugar antes que fizesse alguma besteira. Seu coração estava completamente destruído, ele segurou o volante com força e o socou logo em seguida descontando mais ainda sua raiva.

 

Sakura correu em direção ao Senju deixando o moreno para trás, não sabia exatamente o que estava fazendo. Só queria poder falar com ele, explicar tudo. Mais ainda queria se jogar nos braços dele e pedir desculpas. Quando finalmente o alcançou segurou seus braços.

 

- Tobirama, por... – Não conseguiu terminar.

 

Sakura sentiu uma dor forte no rosto, nunca havia levado um tapa e se sentiu completamente humilhada com aquilo, sabia que ela estava errada. Mas nada justificava uma agressão.

 

- Nunca. Mais. Fale. Meu. Nome. Vagabunda! – Falou entre os dentes pausadamente. E seguiu seu caminho.

 

Ela ficou lá ainda com o rosto virado para o lado, seus olhos estavam agora cheios de lágrimas, quando finalmente piscou algumas lágrimas caíram sobre sua face que agora estava vermelha e ardendo. Não conseguiu se mover, seu corpo não saia daquela posição. Viu o carro do Uchiha passar ao seu lado em alta velocidade, seu coração acelerou. Ele a estava deixando sozinha naquele morro? Ela não sabia nem onde estava. O coração da rosada espancava o peito de uma forma violenta. Deixou seu corpo cair na terra vermelha daquele lugar, ficou de joelhos e colocou a mão na barriga. Se permitiu então chorar desesperadamente, não estava acreditando que eles haviam deixado ela ali. Sozinha. Ela se deitou de lado enquanto chorava e entre soluços praguejou-se por tê-los conhecido.

 

Em algumas horas ela se levantou enxugou as lágrimas que insistiam em sair sem parar, lembrou-se que estava com seu celular e agradeceu. Discou rapidamente para Ino, sabia que a amiga iria ajuda-la de algum jeito.

 

- Alo? – Ino

 

- Ino... – Sakura começou a soluçar.

 

- Sakura? O que houve? – Ino

 

- Por favor, me ajuda. – Sakura

 

- O que aconteceu? – Ino

 

- Só me ajuda, por favor. Preciso que venha me buscar. – Sakura

 

- Está bem, onde você está? – Ino

 

- Eu não sei. – Sakura

 

Ino arregalou os olhos, fazia de tudo para que amiga ficasse calma, Sakura tentou explicar onde exatamente estava. A loira não fez nenhuma pergunta de como ela teria parado ali, só ligou para Neji que era seu grande amigo e o único com carro. E foram atrás da rosada.  Finalmente Ino e Neji conseguiram encontrar o lugar e viram Sakura toda suja de terra, seus olhos estava vermelhos e seu rosto vermelho por conta do tapa do Senju.

 

- Sakura... – Ino se aproximou e abraçou. Sakura abraçou de volta e se permitiu chorar novamente. – O que houve?

 

- Por favor Ino, me tira daqui. – Pediu entre o choro.

 

Ino assentiu e a levou para o carro onde Neji estava completamente assustado com a situação da rosada. Ele não fez nenhuma pergunta porque a loira disse que se ele fizesse ela arrancaria suas bolas. Ele estava ali apenas para dirigir e não perguntar.  O caminho todo foi feito em silencio, Sakura tinha seus olhos grudados na janela por onde as paisagens passavam rapidamente entre as orbes verdes. Sua mão como sempre na barriga. Não demorou muito para que chegassem a casa da loira a pedido de Sakura, não queria que os pais a vissem naquele estado. Ino entrou com ela pela porta dos fundos e a levou rapidamente para seu quarto. Deu uma toalha e algumas roupas para a amiga que foi para o banheiro ao entrar no chuveiro deixou a agua quente tocar seu corpo enquanto chorava, ela estava errada, mas nada justificava o forma que eles a deixaram. Nada! Saiu do banho e vestiu as roupas que Ino lhe dera, encontrou a amiga sentada na cama com o semblante preocupado.

 

- Você está bem? – Perguntou a loira.

 

- Estou. – Respondeu ela sentando na cama.

 

- Vai me contar o que aconteceu? – Insistiu ela. Sakura suspirou alto.

 

- Aconteceu que agora meu filho não tem mais pai. – Sakura desabafou e Ino arregalou os olhos.

 

Sakura estava decidida, não deixaria ninguém descobrir sobre sua gravidez, esconderia sua bebê do pai que dizia ama-la e a deixou para os lobos perdida naquele lugar! Iria embora dali em a um mês, contaria para seus pais, faria faculdade até onde aguentasse. E quando seu anjinho nascesse ela cuidaria dele e voltaria para faculdade, não ficaria em Konoha, não queria vê-los novamente.

 

 

Só que a rosada não sabia, que o pior ainda estava por vir...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...