1. Spirit Fanfics >
  2. Amar seu pecado o bastante ( camren) >
  3. Olá novamente Lewisgurg

História Amar seu pecado o bastante ( camren) - Capítulo 1


Escrita por: pollojauregui

Notas do Autor


Olá pollinhos estou começando uma nova história por aqui espero que gostem e antes de tudo quero expressar o meu mais profundo respeito a todas as religiões, não estou aqui para dizer o que é certo ou errado e nem quero ofender ninguém, vou tratar com máximo respeito tudo e sempre deixando claro que é apenas uma fic que eu tive vontade de escrever.

Dito isso espero que gostem, se divirtam, chorem e que se distraiam que é pra isso que eu escrevo, cometem bastante também, vamos lá para o primeiro capitulo, desculpa qualquer erro e boa leitura a todos...

Capítulo 1 - Olá novamente Lewisgurg


Fanfic / Fanfiction Amar seu pecado o bastante ( camren) - Capítulo 1 - Olá novamente Lewisgurg

POV LAUREN 

" Naquele dia fazia um céu azul tão límpido, meu Deus, que eu me sentia perdoada para sempre, nem sei de quê..."

Voltar para Lewisgur era algo que eu nunca pensei que fosse fazer na minha vida, ainda mais para morar, eu conhecia a cidade, vinha visitar a minha tia com a minha mãe as vezes, nasci aqui mas morar aqui era algo que eu nunca imaginei que iria acontecer na minha vida, era algo que eu nunca tinha imaginado mas a vida não é como a gente quer, na verdade a vida é uma grande filha da puta que esta pronta para te foder na primeira oportunidade.

Esse pensamento fez com que um pequeno sorriso aparecesse no meu rosto ao me ver nessa cidade, se eles me vissem xingando a vida iriam me expulsar desse lugar que era completamente recluso e pacato, não acontecia nada e todo mundo se conhecia.

Lewisgur era uma pequena cidade que ficava em um vale no interior da Virginia onde todo mundo se conhecia, a cidade tinha apenas 5 mil habitantes e quase todos compartilhavam da mesma religião, eu não tinha nada contra eles mas a minha mãe tinha saído daqui por não se encaixar nos padrões e eu estava de volta.

Meus pais tinham morrido a 2 meses atrás por causa de um acidente de carro, eu queria continuar em Nova York mas a lei ainda não me permitia morar sozinha mesmo meus pais tendo deixado uma casa para mim e uma poupança, então eu tinha que estar com um guardião legal e essa pessoa era minha tia Ana e seu marido Fred.

- Espero que fique bem aqui - disse minha tia Ana me observando colocar minhas malas no pequeno quarto do segundo andar da casa.

Tinha apenas uma cama pequena, um pequeno guarda-roupa de madeira marrom no canto da parede, uma escrivaninha e a janela por onde eu conseguia ver a noite, tinha também uma porta no canto que dava para um pequeno banheiro, era pequeno mas era aconchegante.

- Era da sua mãe e ficou vazio por todos esses anos, espero que se sentia em casa - ela disse e beijou minha cabeça.

- Obrigada - falei pra ela dando um pequeno sorriso triste.

Ana era uma boa mulher, tinha voz doce, era carinhosa e tinha seus princípios bem definidos o Fred seu marido também era um homem bom, minha tia tinha cabelos longos pretos, olhos verdes como os meus e como o da minha mãe, ela não era muito alta e não dava para ver muito as curvas do seu bonito corpo por causa do vestido que ela estava usando.

- Lauren - uma vozinha disse entrando no quarto correndo como um pequeno furação me estendendo uma cartinha.

- Luca - falei pegando a pequena criança no meu colo e sorri para o carinha na minha frente.

- Fiz pra você, sei que gosta de desenhar - ele disse sorrindo.

Luca tinha apenas 5 anos e era meu primo, ele tinha cabelos castanhos escuros, seu rostinho era redondo o que dava vontade de apertar, ele tinha olhos verdes e era um pequeno homem que eu amava, eu sempre quis ter irmãos mas minha mãe não conseguiu mais engravidar depois de mim por causa de uma complicação na gravidez.

- Muito obrigada carinha - falei beijando sua bochecha, ele sorriu.

Me sentei na cama com ele no meu colo, abri a cartinha que ele tinha me entregado vendo um pequeno desenho onde tinha tia Ana, o Fred, ele e eu de mãos dadas na frente do que seria a minha casa agora, engoli em seco sentindo meu coração apertar com a pureza da alma dele.

- É lindo - falei ele sorriu para mim.

- O jantar sai em 40 minutos - disse tia Ana - Vamos Luca deixe a Lauren tomar um banho, dentro do seu guarda roupa tem uma surpresa - ela disse para mim.

Luca seguiu sua mãe saindo do quarto, fui até o guarda roupa abrindo e a surpresa era um uniforme da escola, uma saia para baixo do joelho preta, camisa branca e blazer preto, tinha uma bota e meias também, além de alguns livros da escola, suspirei eu ainda tinha que enfrentar isso.

Durante o meu banho eu acabei chorando, eu estava morrendo de saudades dos meus pais, tinha saudade da minha antiga vida e agora eu estava aqui, não que eles fossem ruins mas não era a minha casa, não era essa a minha vida mas no final era agora.

Depois do banho vesti uma camisa longa preta e um moletom também preto, deixei meu cabelo no alto da cabeça amarrados e coloquei meias, desci para o jantar e encontrei o Fred na sala assistindo tv, ele tinha cabelos castanhos, olhos da mesma cor, sua barbar era bem feita no seu rosto, ele me olhou dando um pequeno sorriso.

- Que bom que desceu querida, o jantar já esta pronto - ele disse, dei um pequeno sorrio para ele.

Fred sempre foi muito gentil comigo sempre que estive aqui, fui para a cozinha me sentando na mesa que já estava posta, todos se sentaram.

- Vamos agradecer - disse Fred me fazendo parar na hora o movimento de pegar a colher para pegar as batatas que estavam com um cheiro ótimo.

Todos fecharam os olhos até o Luca e deram as mãos, peguei na mão da minha tia que estava ao meu lado e da pequena criança que tinha atravessado o braço na mesa para encontra a minha mão, eu não conseguia fechar meus olhos.

- Senhor nessa noite agradecemos pela sua misericórdia no dia de hoje, agradecemos pelo alimento que se encontra nessa mesa e pela presença da Lauren em nossas vidas nessa noite, amém - orou Fred

Luca e Ana falaram amém mas eu não consegui, comi pensando no que tinha acontecido, minha mãe sempre me falava sobre a misericórdia de Deus mesmo a gente nunca tendo ido para igreja a minha mãe sempre me falava o quanto eu devia ser grata por tudo, eu era grata, eu chegava até orar as vezes mas agora era diferente, eu tinha acabado de perder os meus pais, eu não sabia mais no que acreditar, não sei se eu era muito amiga de Deus agora.

Depois do jantar eu só queria ir dormir, queria parar de pensar eu não queria sentir mais nada, ao deitar na cama eu chorei, chorei novamente por eles e por tudo que ainda estava para vir na minha vida.

Me ver naquele uniforme me deixava meio sem jeito, eu não usava uniforme na minha outra escola, parecia que tinha algo errado, quando eu desci as escadas de manhã a mesa já estava posta como ontem e mais uma vez oramos antes de comer, minha tia não trabalhava apenas Fred na única fabrica de sapatos que tinha na cidade onde praticamente todos trabalhavam.

- Eu posso te deixar na escola - disse Fred, acabei assentindo.

- Obrigada - falei pra ele.

Quando saímos de casa tinha dois carros parados na frente da casa de madeira branca, um era o que Fred me buscou na estação de trem e outro era um Chevrolet Opala preto de 1968.

- Eu sei que não é o carro moderno que você tinha em Nova York mas eu consegui esse carro com um amigo que fez por um bom preço, além disso acho que combina com seu estilo - ele disse eu olhei pra ele surpresa.

- Ele é lindo - falei passando a mão na pintura preta perfeita olhei pra o Fred que me olhava sorrindo - Eu não sei nem como agradecer - falei pra ele que me jogou a chave que eu peguei no ar.

- Tire boas notas é o suficiente - ele disse.

Acabei abraçando o Fred que me abraçou de volta.

- Você é uma boa menina Lauren e merece alguns momentos de felicidade - ele disse.

Me afastei com os olhos marejados.

- Obrigada mesmo - falei.

- Não por isso - ele disse sorrindo novamente.

Chegar na escola foi fácil eu conhecia a cidade que era pequena, o dia estava lindo, o céu completamente azul, não tinha muitos alunos na escola até porque era uma cidade pequena então não tinha como me perder por lá, na primeira aula fui apresentada a turma o que foi uma completa vergonha para mim, eu odeio chamar atenção.

Na troca de salas para aula de Biologia no laboratório eu conheci uma menina legal que se chamava Dinah, ela era divertida e me fez rir em uma conversa de 2 minutos, coisa que era difícil de fazer de uns tempos para cá, ela era nova na cidade também e estava tentando se achar ainda.

Quando entrei na sala o professor já tinha começado a aula o que era uma grande merda na verdade porque chamei a atenção dos 10 alunos presentes, fui para o fundo da sala e algo estava me chamando atenção.

Na bancada do lado tinha uma garota de cabelos longos castanhos, não dava bem para ver seu rosto, ela tinha pele clara e um corpo muito bonito, tentei me concentra na aula até que por um descuido deixei o potinho com o experimento que estávamos fazendo na aula cair no chão.

- Merda - falei me abaixando eu só não sabia que a garota ao meu lado iria se abaixar também.

Quando eu levantei a cabeça para falar alguma coisa eu perdi o ar ao me deparar com os mais lindos olhos castanhos que eu já tinha visto na minha vida, ela era linda, eu senti meu coração acelerar e eu acabei dando um pequeno sorriso, ela fez o mesmo o que fez borboletas estranhas se moverem no meu estomago.

- Obrigada - falei pra ela que assentiu.

- Não há de que - disse com a voz mais linda do mundo, tudo nela era lindo.

- Esta tudo bem? - perguntou o professor chamando nossa atenção e me tirando do transe.

- Sim - falei me levantando com o pote vazio e a garota linda ao meu lado indo para o seu lugar.

- Vamos continuar - disse o professor.

Então eu não conseguia mais me concentra na aula, eu só pensava nela na garota ao meu lado, quando finalmente a aula acabou eu guardei minhas coisas bem devagar, eu precisava saber mais sobre essa garota.

- Então você é nova aqui - ela disse chamando minha atenção, olhei pra ela.

- Sim cheguei ontem, me chamo Lauren Jauregui - falei, ela deu um pequeno sorriso.

- Sobrinha da Irmã Ana Jauregui? - perguntou, estreitei os olhos e logo em seguida entendi, ela era da igreja da minha tia.

- Sim - falei pra ela, ela assentiu.

- Me chamo Camila Cabello - ela disse e um nome nunca soou tão bem para mim como esse agora.

- É um prazer te conhecer - falei, ela sorriu de lado.

- Vem vamos chegar atrasadas para a próxima aula - ela disse de forma completamente inesperada segurou na minha mão me puxando para sair da sala.

Foi um gesto completamente inocente mas que me causou sensações que eu nunca tinha sentido na vida, eu passei o resto do dia pensando nessa garota, na hora do almoço eu acabei me sentando com a Dinah que estava sozinha e eu vi a Camila sentada com mais duas meninas uma mais alta morena e uma mais baixinha que tinha cabelos loiros.

- Terra chamando Lauren - disse Dinah a loira alta, de cabelos curtos na minha frente, olhei pra ela confusa.

- O que? - perguntei.

- No que esta pensando? - perguntou e seguiu meu olhar e depois me olhou sorrindo - Esquece a filha do pastor - ela disse rindo.

- Como assim? - perguntei ela me olhava se divertindo.

- Eu conheço uma sapatão assim que eu vejo e eu vi seu olhar pra ela, digo que você não tem a menor chance com ela então pare - ela completou, estreitei os olhos.

- Não sei nada disso do que esta falando - falei pra ela.

- Porra parece que eu descobri primeiro do que você, não esquenta vou esta aqui quando for me falar que eu estou certa, eu sempre estou - falou, estreitei os olhos.

- Pois dessa vez esta completamente errada - falei pra ela que sorriu.

- Veremos - completou sorrindo.

Durante o almoço meu olhar acabou se encontrando com o da Camila novamente e as borboletas estavam lá novamente, isso era muito confuso. No final das aulas eu me sentia como se um caminhão de emoções estivesse passando por cima de mim, era tudo muito estranho e intenso.

No estacionamento eu fiquei surpresa ao ver a Camila se aproximando de mim para abrir a porta do seu carro que estava ao lado do meu, ela sorria para mim novamente.

- Vou te ver hoje de noite? - perguntou, olhei pra ela confusa.

- Como assim? - perguntei.

- Hoje tem culto, você vai? - perguntou, fiz uma pequena careta o que fez ela sorrir - Entendi mesmo assim espero te encontrar lá - ela disse e para minha surpresa beijou o meu rosto.

Eu não consegui falar nada enquanto eu via ela indo embora, onde sua boca tinha tocado ficou dormente e eu acabei abrindo um grande sorriso, eu estava realmente fodida mas eu não via aquilo como algo ruim, eu não conseguia ver assim, muito pelo contrario eu me sentia feliz como não me sentia desde que os meu pais morreram.

Parecia que algo dentro de mim tivesse sido ligado novamente, olhei para o céu que estava azul e ele parecia tão lindo, parecia que algo novo estava começando, eu estava me sentindo bem, era algo novo que eu queria aproveitar.

Naquele dia fazia um céu azul tão límpido, meu Deus, que eu me sentia perdoada para sempre, nem sei de quê...


Notas Finais


Cometem! Eu volto em breve se vocês quiserem que eu continue!

xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...