1. Spirit Fanfics >
  2. Amenity - Jin (BTS) >
  3. .capítulo único

História Amenity - Jin (BTS) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Hai meu povo^^ Como estão vocês?

Tô de volta quem amou? Dessa vez trago um fluffiezinho de lei que fiz com meu coraçãozinho cheio de amor com o Jin, porque amo ele demais e ele tem a vibe de pai que tanto adoro explorar num plot. Acreditam que já escrevi com quase todos os meninos do BTS? Só falta o Yoongi (e por pouco tempo, pois a história tá prontinha e só falta postar skjsksjk)
Bom, não vou me estender muito aqui hoje. Espero que curtam essa história fofinha e que me mata de amor aff ♡♡
Capa por @stanproduce

Sejam muito bem-vindos e boa leitura! Espero vocês nas notas finais ♡
Isa xx

Capítulo 1 - .capítulo único


Fanfic / Fanfiction Amenity - Jin (BTS) - Capítulo 1 - .capítulo único

Estar grávida era muito complicado.

Kim Yoora sabia disso mais do que ninguém. No auge de seus sete meses de gestação, a jovem mãe de primeira viagem estava experimentando de tudo: dores nas pernas e na coluna, uma suadeira insuportável, desejos bizarros como comer sorvete com sardinha frita... Ah, e aquilo nem era tudo. O pior mesmo eram as terríveis oscilações de humor. Num momento, ela estava conversando toda sorrisos com uma amiga, mas no outro já estava aos prantos sem motivo algum. Yoora não sabia porque seu corpo estava sendo tão vulnerável à gravidez, mas sabia que o pequeno Minki estava lhe dando um belo trabalho.

Não que ela se importasse tanto, é claro. Tudo valia a pena quando o garotinho chutava sua barriga ou quando ela escutava as batidas de seu pequeno coração no ultrassom, alimentando seu lado mãe bobona e coruja.

De qualquer forma, Yoora sempre fora uma mulher muito sensível, então tinha plena consciência de que aquela experiência intensa seria traumática para si caso não tivesse ajuda. E essa ajuda — que, na verdade, era uma verdadeira salvação — se tratava de seu amado marido, que se mostrava tão apaixonado por aquela gravidez quanto ela estava. Yoora sorria só de se lembrar o tanto que ele chorou ao saber que seu sonho de ser pai finalmente estava se realizando, e também ria sozinha quando pensava em todas as loucuras que ele fazia para saciar seus desejos de grávida.

É. Yoora admitia que tinha muita sorte.

Kim Seokjin era um homem incrível: educado, romântico, polido, delicado, um excelente cozinheiro, lindo e, mais do que tudo, o melhor amigo que ela podia querer. Yoora já não via mais uma vida sem as piadas sem graça do marido ou sua mania adorável de beijar-lhe os ombros quando estava distraída. Além de tudo, ela tinha certeza de que ele seria um ótimo pai. Embora tivesse certa timidez em conversar com o feto ou discutir alguns assuntos acerca do tema, era muito difícil ver a mão de Jin longe da barriga da esposa. O sorriso bobo do Kim, de uma forma ou outra, sempre estava nos lábios quando se tratava de Minki.

Naquela noite, contudo, Yoora não pôde ver o rosto bonito do marido antes de se entregar completamente à exaustão enquanto o esperava na cama. Seu dia de compras com a sogra e as dores constantes tinham dado a ela um roteiro muito difícil de aguentar, tanto que foi só chegar em casa para querer adormecer. Ela sabia que Seokjin gostava de vê-la acordada quando chegava do restaurante para perguntar como tinha sido seu dia, mas ele teria que guardar os questionamentos para mais tarde, pois antes mesmo de ele sonhar em sair do trabalho, Yoora já estaria no décimo quinto sono.

Contudo, mesmo estando cansada demais, a gravidez dava a Yoora outros dois probleminhas: o sono extremamente leve e a falta de posições confortáveis para se deitar. Por isso, assim que escutou o barulho da porta do próprio quarto se abrindo, os sentidos da Kim recobraram. A mulher praguejou mentalmente por ter dormido tão pouco, e, devido ao cansaço, resolveu que continuaria naquela posição, com os olhos fechados.

Escutou os sapatos de bico fino de Seokjin ressonarem pelo granito do chão, pedra que deixava a casa deles ainda mais fria do que já era, até chegarem perto o suficiente para Yoora presumir que ele havia parado à sua frente. Dedos macios tocaram-lhe a face levemente, num carinho singelo.

— Devia estar cansada — a voz do homem soa longe, mas Yoora podia sentir seu paladar adoçar com o timbre suave do esposo. Um beijo cálido é depositado na testa dela antes dos passos se afastarem mais uma vez, dessa vez rumando para o banheiro da suíte deles até se extinguirem completamente.

Quando escutou o chuveiro ser ligado, Yoora sorriu mesmo dopada pelo sono. Sentia Minki remexer-se de forma inquieta em seu ventre, e ela sabia que havia sido pela aproximação do pai. O pequeno Kim sempre dava uma amostra de suas peripécias quando Seokjin estava por perto, como se dissesse que estava feliz pela chegada dele.

— Você já é um malandrinho, filho — ajeitando a cabeça no travesseiro, Yoora tocou a barriga protuberante com a mão esquerda, sentindo a pele levemente irregular por conta da vida que carregava ali dentro.

O som do chuveiro cessou após alguns minutos e Yoora fechou os olhos mais uma vez, pedindo a uma força maior que voltasse a adormecer para descansar um pouco mais. Mal conseguia se mover na cama sem que as costas reclamassem, por isso grunhiu, desistindo de sua tarefa por um momento. Do banheiro, escutou Seokjin mexer em algumas coisas antes de voltar para o quarto, afundando-se ao lado da esposa no colchão e ficando uns bons segundos em silêncio.

Conhecendo o marido como o conhecia, Yoora tinha certeza de que ele estava observando-a. Ela estava prestes a abrir os olhos e sorrir para ele, mas a mão de Seokjin sobre o ventre protuberante dela a conteve.

— Oi, Minki. Tudo bem? Aqui é o papai — a respiração de Jin indicou para Yoora que ele também estava com o rosto próximo ao seu abdômen. — Como passou o dia? Aprontou muito pra sua mãe, é? Provavelmente sim, porque ela nunca dorme tão cedo à toa — Jin deu uma risadinha breve — Bom, não se preocupe com isso agora. Quando você chegar, vamos bagunçar muito essa casa juntos.

O momento inesperado deixou Yoora extremamente surpresa. Ela podia contar nos dedos quantas vezes Seokjin tinha conversado com o filho da forma que estava fazendo naquele momento, e todas elas tinham sido um pouco forçadas demais. Apesar de ser um cara descontraído, o Kim era um homem tímido e reservado, então Yoora imaginou que ele estivesse fazendo isso só porque pensava que a esposa estava desacordada e não viria a cena.

O pensamento a instigou a continuar o teatro de que estava dormindo.

— Tive um dia pesado hoje no restaurante também, mas estava doido pra poder ir embora e conversar com você e sua mãe. É uma pena que ela tenha dormido tão cedo — Jin acaricia a pele de Yoora devagar, acalentando-a — Você tem sorte de ter uma mãe como a sua, garotão, assim como eu tenho sorte de tê-la comigo. Ela é bonita, engraçada, já foi escoteira e joga bola melhor do que eu e todos os meus amigos juntos. Você vai amá-la demais, Minki. Ela tá fazendo um trabalho incrível e já é a melhor mãe do mundo.

Droga, Yoora resmungou mentalmente quando seu lado emotivo ameaçou estragar seu disfarce perfeito. Estava prestes a debulhar em lágrimas.

— Estava pensando mais cedo sobre como vai ser quando você chegar — com um tom quase sonhador, Seokjin começa a desenhar pequenos círculos na barriga da esposa. — Tenho certeza que Jimin vai querer morar aqui e Jungkook vai trazer aqueles jogos tecnológicos que nunca entendo pra você, mas vou jogar tudo fora quando ele não estiver vendo. Aquele moleque é um sem noção, mas tem um coração puro. Espero que o seu seja também, Minki.

Seokjin solta um suspiro. Yoora se move um pouquinho, mas o marido parece não perceber.

— Daqui a alguns meses você vai estar aqui fora comigo e sua mãe, e fico meio embasbacado quando imagino como vai ser bom te segurar pela primeira vez. Tenho um pouco de medo disso, sabe? Nunca fui muito próximo de crianças em geral, mas mal vejo a hora de aprender a ser seu pai e seu melhor amigo — a forma que Jin murmurava as palavras, todo emocionado e sério, fazia o coração de Yoora bater com muita força no peito. — Vai ser divertido e assustador te ver crescer, Minki. Às vezes, me pego pensando no que você vai gostar de fazer. Será que jogar basquete? Pescar? Dançar ballet? — Jin dá uma risadinha breve, tocando o ventre da esposa com ainda mais delicadeza. — Seja lá o que for, vou te apoiar do início ao fim. Se puder, até entrarei com você no que fizer, pois não vou perder a chance de participar das suas atividades e de deixar sua mãe com vergonha.

Yoora precisou concentrar toda sua força interior para não rir da fala de seu marido. Ele realmente não perderia o posto de grande piadista por nada nesse mundo, e o pensamento de como isso aquecia seu coração deixava a Kim extremamente feliz.

— Vou ler histórias para você também! — Jin fala como se tivesse se lembrado daquilo naquele instante. — Quando era mais novo, queria muito que meus pais lessem para mim, mas eles não tinham tempo por conta do trabalho. Vou fazer com você tudo que sempre quis fazer quando era criança, pois acho que a probabilidade de errar é menor, certo? — ele ri baixinho — Bom, de qualquer forma, te criar vai ser um aprendizado diário, filho. Sou muito perfeccionista e chato pra essas coisas, mas vou fazer um esforço imenso pra poder aprender com nossos erros. Farei isso por nós três, tudo bem?

Yoora não conseguiu impedir uma lágrima de fugir de seu olho direito, mas teve sorte que aquele lado do rosto estava do lado oposto do marido, caso contrário ele perceberia como sua conversa com Minki havia a afetado. Ele estava fazendo aquilo com tanta calma, zelo, carinho... Fora os toques cálidos que Seokjin distribuía por seu ventre à medida que falava. A situação era nova para Yoora, mas a naturalidade que o Kim demonstrava fazia a mulher pensar se aquilo não era algo que o marido fazia frequentemente, porém quando ela estava dormindo para não ser pego.

De qualquer forma, as palavras ficariam gravadas em seu coração para sempre.

— Bom, Minki, o que quero dizer com isso tudo é que mal vejo a hora de te ter aqui comigo e sua mãe. Prometo que te daremos todo o amor do mundo e alguns puxões de orelha quando necessário — e como se estivesse se deitando sobre a barriga da esposa, Jin sussurra quase de modo insonoro: — E também estou torcendo pra que você saiba escolher presentes para sua mãe melhor do que eu. Essa vai ser nossa tarefa mais complicada pela frente, campeão.

Yoora se esforça ao máximo para não rir enquanto o marido se afasta, mas, vendo que não teria mais jeito — afinal, Jin realmente não sabia dar presentes que não fossem comestíveis —, a Kim fingiu estar despertando ao sorrir de mansinho enquanto abria os olhos. Seokjin, que naquela altura do campeonato já estava se deitando em seu travesseiro macio, deu um sorriso pequeno e apaixonado ao estar cara a cara com o rosto provavelmente inchado da esposa.

— Oi, Jin — ela murmura ao se aproximar um pouco, selando os lábios do marido enquanto o sentia segurar em sua cintura.

— Boa noite, querida — o apelido faz Yoora ri baixinho, pois sempre soava doce quando saia dos lábios do Kim. Ela acariciou os fios castanhos do marido e também seu rosto. Como o amava. — Estava cansada?

— Tive um dia e tanto, estava tirando um cochilo antes do jantar — confessou, recendo um beijo na pontinha do nariz do marido.

— Já quer comer? Tem algum pedido especial? Faço o que você e nosso menino quiserem — Seokjin sorri bobamente quando fala, o que faz Yoora sorrir e negar com a cabeça, se agarrando ao marido da melhor forma que sua circunferência permitia.

— O que você quiser fazer está ótimo, Jin — beija a clavícula dele, que apenas sorri de volta e toca o ventre de Yoora no mesmo momento que Minki chuta. Como sempre fazia, Seokjin arregalou os olhos e acariciou o local com a ponta dos dedos, tentando sentir mais sinais da movimentação do filho.

Certa de que ele não imaginava que ela havia escutado toda sua conversa com o bebê, Yoora permaneceu em silêncio e com um sorrisinho no rosto, aproveitando aquele momento simples e fantástico em família. Mesmo com tantas dores e complicações, ela podia dizer com toda a convicção do mundo que Seokjin e Minki, mais do que nunca, eram seu maior e mais completo bem-estar. 

 

 


Notas Finais


eu so mt boiola eu sei

Minhas histórias: https://www.spiritfanfiction.com/jornais/welcome-16876043

Boatos que esse foi o fluffy mais fluffy que já escrevi, será? skjskjsksjk
Muito obrigada por lerem Amenity e por todos os favoritos e comentários em More Than Words que me fizeram ficar radiante ♡♡ Estarei de volta mês que vem com mais novidades, então esperem por mim, viu? Espero que estejam todos bem e saudáveis ♡
Comentários serão respondidos com muito carinho! Obrigada pelo apoio de sempre, viu?

Um beijo, views em God's Menu e até logo ♡
Isa xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...