1. Spirit Fanfics >
  2. Amiga feia e gorda - ItaHina >
  3. Não acredito que você disse isso pra mim...

História Amiga feia e gorda - ItaHina - Capítulo 1



Notas do Autor


Oiee, segunda semana do eventinho do Itachi, que aliás faz aniv hoje 🥳🥳🥳🥳, dos projetos @Projeto_Itachi e @Incentive_project e o tema era filmes...

E, apesar de Duff em si ser bem comediazinha, eu fiz uma one meio fofa (eu acho, ne??ksjsj) já que ItaHina é bem "aaaa ♡".

Eu fiz a capinha, poreeem queria agradecer a revisão da fic feita por @yamato_otsukisukisuki e o trabalho da avaliação do plot feita pelo pessoal do projeto Itachi 🥰💖🥺

Capítulo 1 - Não acredito que você disse isso pra mim...


Itachi lançou seu corpo cansado na cama, caindo de cara e não se importando com seu estado, mesmo que sua mãe provavelmente o repreendesse por deitar nos lençóis limpos sem tomar banho e nem sequer tirar os sapatos.


Essa vida de atleta escolar estava o deixando esgotado. Porém, uma coisa era clara, podia ser bom em várias matérias, mas quando se tratava de entrar em uma faculdade com seu nível precário em linguagens e todos os semelhantes — indo de gramática até literatura —, ele precisava manter seu nível bom nos esportes.


Ainda sim, mesmo exausto, ao perceber o tremor de seu celular e visualizar a mensagem de Hinata, sentiu-se completamente revigorado para respondê-la.


"Vamos ver um filme agora, Senhorzinho Uchiha?"


Endireitou-se ainda que desleixado, um sorriso despontou de seu rosto logo que viu a mensagem. "É involuntário", pensava numa justificativa automática para si mesmo. Apoiou o corpo sobre os cotovelos e a respondeu


"Estou cansado, hum...

Me dê 4 minutos 

E faz um leite quente,

Senhorita Hinata"


Digitou a mensagem trecho por trecho e enviou em partes separadas — somente porque a Hyuuga havia comentado que ele tinha o péssimo costume de fazer isso e a deixar nervosa, sempre pensando que se tratava de algo urgente, quando ele apenas poderia ter escrito tudo numa mensagem só. Levantou-se de uma vez e foi para o banheiro.


《•❦•》


Hinata sempre se surpreendia com a minuciosidade que Itachi cumpria com sua palavra. Estava tirando a prova, ele havia mandado a mensagem às 16:17, então ela foi animada até a cozinha esquentar leite para os dois. Não que costumava fazer tudo que ele pedia, mas sabia que ele sempre se exauria nos treinos — olhou o relógio, 16:20, ele só tem um minuto agora —, portanto não se incomodava em cumprir alguns de seus pedidos, já que ele cumpria os dela.


Mutualismo infalível, era como ela definia.


Retirou a jarra e dividiu o leite para os dois copos. Com certeza já havia passado um minuto, mesmo assim estava desconfiada. Itachi também costumava ser imprevisível e a impressioná-la constantemente com suas atitudes. Bom, pelo menos era seu amigo, talvez o melhor, ter ele como inimigo deve ser terrível; mas, pensando bem, ninguém em sã consciência odiaria ele, a não ser que fosse inveja...


— Opa! — Hinata olhou imediatamente para seu relógio digital de pulso, não se deu ao trabalho de olhar na cara do rapaz que invadira seu sofá. 


16:21, nada mais. 


— Você é ridículo — falou, boquiaberta. — Inacreditavelmente ridículo. 


Itachi deu um sorrisinho esperto e imenso o bastante para fechar-lhe os olhos.


— Mas, diz aí, que filme é esse? — Levantou um pouco o corpo para olhar Hinata melhor e também lhe dar espaço no sofá.


Ela sentou e entregou o copo para ele, então aconchegou-se mais e respondeu:


— Estava no clube de leitura quando disseram que eu deveria ver esse filme. — Pegou o controle da televisão conforme falava e colocou o filme para começar. — Quer comer alguma coisa também? 


Itachi negou com a cabeça e tomou seu leite em poucos segundos, enquanto o filme passava. Até agora parecia um clichê meio besteirol adolescente, mas criou poucas opiniões. Deitou-se no colo da garota e encarou seu queixo delicado e seu rosto. Gostava de deitar em cima dela porque usava roupas macias como lençóis de algodão. 


Sua primeira opinião foi que não gostava mesmo dessas vilãs estereótipos dos filmes. Em segundo, ficou surpreso com a neurose da garota, mas a perdoou, porque é um adolescente e adolescentes são neuróticos.


— Puts, que idiota — acabou falando, sentindo raiva do rapaz por quem a principal tinha um crush. 


Era esperado, mas, mesmo assim, baita idiota. Na verdade, para Itachi, só tem garotos idiotas nesse filme até agora. Detestava a parte que tudo dava errado, mesmo que significasse que ficaria tudo bem muito em breve.


E, num instante, havia acabado, e se percebeu satisfeito e até manipulado, pois torceu por tudo que o clichê mandava ele torcer. Levantou-se e a encarou. O rosto dela estava estranho, parecia feliz e ao mesmo tempo preocupada. 


— Que foi? — Ela mordeu os lábios, parecendo receosa. — Diz — insistiu sem saber se deveria achar engraçado ou não. 


— Itachi, esse filme é lindo e tudo — O garoto achou "lindo" uma palavra forte demais para designar —, mas… Eu não sou tão bonita quanto minhas amigas e, olha como eu me visto e o meu corpo, eu-eu… — Suspirou profundamente. — Você acha que eu sou uma D.U.F.F? — Olhou para ele, preocupada, aflita e com amargura.


Itachi precisou de um tempo para processar a pergunta. Esboçou um milésimo de um sorriso e chegou a piscar. Hinata era inocente e boba às vezes, mas nunca pensou que ela não tivesse essa noção. Piorava tudo ter perguntado isso logo para ele, que a achava, desde a primeira vez que a viu, muito bonita.


— Eu não acredito que você disse isso pra mim... — Foi o que conseguiu dizer, um tanto estupefato.


Parecia uma piada, todavia mesmo se fosse gorda, não seria feia; e, se ela achava que ser fofinha a deixava feia, estava de novo enganada. Amigável ela era mesmo, até para alguma paquera de Sakura ou Ino chegarem nela, mas isso é normal, não é? Adolescentes frouxos e idiotas demais para terem coragem de falar diretamente com a garota que querem é bem comum.


Hinata balançou a cabeça seguidas vezes e o começou a enrolar uma mecha de cabelo.


— Tá bom, tá bom, desculpa. Agora sai daqui, eu preciso… — começou a empurrar o corpo robusto do amigo para fora do sofá — fazer umas atividades atrasadas.


Franziu o cenho e bufou para as bobeiras da vizinha.


— Hinata, você nem é gorda! — argumentou alto por detrás da porta que a Hyuuga fechou na sua cara, cortando-o no meio da frase.


Suspirou.


— Por que motivo mais ilógico as garotas são tão neuróticas? — perguntou para o ar, ainda incrédulo e indignado, enquanto entrava dentro de casa.


Achar Hinata feia e descartável era como achar o céu verde e palpável: completamente sem sentido. Mikoto, sua mãe sentada numa poltrona, olhou para ele com outra pergunta estampada na sua cara.


— Está perguntando isso para mim? — Itachi deu de ombros, roubando um biscoito do pote em cima da mesa.


— Que horror, vai lavar as mãos! — repreendeu o filho, ao passo que roubava um biscoito para si também. — Acho que não sei responder sua pergunta, afinal sou mulher e, por consequência, neurótica também; mas, me diga, por que está perguntando isso? — questionou, curiosa com o assunto.


Itachi sentou na ponta do sofá, perto de sua mãe, e apertou bem o rosto de sua mãe contra seus lábios, dando-lhe um caloroso beijo na bochecha.


— Com saudades de conversar comigo, mamãe? — Sorriu docemente, olhando para o rosto singelo de sua mãe. 


— E você está carente? — retrucou a mesma medida e seu filho afastou-se, aquietando-se no sofá. 


Poderia ser brincalhão às vezes, mas quase sempre tinha dificuldade de expressar como se sentia de verdade. Vez ou outra tinha surtos carinhosos como esse. Torcia para que sua mãe assim como todos seus próximos soubessem de seu amor e afeto, porque não confiava que demonstrava bem.


Mikoto deixou sua ocupação de lado e olhou para o rosto do filho.


— Eu vou sentir saudade de você todo santo dia quando você for pra faculdade, então por favor não me lembre disso para não haver choro antecipado. — Sorriu gentilmente, como sempre fazia.


Isso, por algum motivo, hoje o lembrou de Hinata e o assunto recente. Para que não tivesse que falar algo sobre a declaração repentina de afeto que sua mãe fez e acabasse falando algo comprometedor ou muito emocionado, acabou comentando:


— Hinata me perguntou se ela era a amiga feia e gorda do grupo. 


A Uchiha suspirou boquiaberta com a afirmação. 


— Não acredito!


— Pois é! — exclamou, finalmente achando alguém que compreendesse sua incredulidade. A mulher retraiu-se como se estivesse refletindo.


— Você sabe o que tem que fazer… — Itachi ergueu as sobrancelhas, interrogando-a. — Sua opinião para ela deve ser muito importante, bote na cabeça dela que isso é loucura. 


O jovem engoliu em seco. Tinha que provar para o céu que ele era azul…


— Achei que fosse claro — confessou, olhando para o chão e Mikoto reconheceu:


— Nesse caso, talvez mulheres sejam neuróticas sim.


《•❦•》


Não falou com Hinata até o outro dia. Na verdade, ela não falou com ele. Tentou não pensar nisso e aproveitar o momento ocioso para dormir e descansar os músculos. Percebeu um pouco tardiamente que algo o incomodava ainda mais que a neurose da garota. No filme, se ela fosse a principal, Itachi acabaria sendo por tabela o popularzinho, atleta e vizinho que ela odeia. Muitas partes não combinavam, mas outras sim. Naruto seria a paixonite idealizada dela que não sabe fazer sushi, porém diz que sabe. Não teria uma vilãzinha na história deles… Teria?


Qual foi o último namoro problemático de Itachi? Coçou a nuca, pensativo. Ele já teve uma namorada…? Não conseguia lembrar. No entanto, lembrava de uma coisa de que ele não se orgulhava tanto: já havia tido um rolo com quase todas suas atuais amigas. Isso era estranho, mas era fato.


A questão é que no começo sempre o acham bonitão, depois gentil, depois gente boa e no fim sempre vira amigo das meninas que ficavam com ele. Porém, com Hinata não foi assim. Conheciam-se há tanto tempo, haveria como Hinata se interessar nele? Com ela, pularam as quatro primeiras fases e estão no "amigos" desde então. Claro que, como todos amigos de longa data, tinham sua fase mais íntima e sua fase mais distante. Ultimamente, estavam na mais íntima. 


Na manhã seguinte, chegou atrasado na escola. Avistou, perto de seu armário, o trio Hinata, Ino e Sakura conversando. Foi até lá e cumprimentou todas educadamente. Não deixou de ser atencioso ao analisar se Hinata estava agindo de maneira estranha. Se poderia se achar feia por causa de um filme, poderia muito bem brigar com as amigas pelo mesmo motivo.


— Ohayo, galera! — Naruto apareceu junto com Gaara, ambos um pouco distantes. Mesmo longe, Hinata reparou e foi saudá-lo.


— Bom dia, Naru… — Corrijo-me aqui: iria saudá-lo, se ele não tivesse cortado sua fala.


— Sakura-chaan! — Correu para perto do grupo, ao passo que seus olhos brilhavam nitidamente. — Ohayo!


Itachi cruzou os braços e encostou-se contra o armário, observando a cena acontecer. Naruto não era esnobe nem arrogante, só não era atento; Hinata não era dramática nem emocionada, só estava paranoica.


— Hinata — chamou, endireitando a coluna. — Vem aqui comigo — pediu. 


— Uui — Sakura e Ino vibraram, sugestivas, e Naruto franziu o cenho, Gaara deu um mini sorriso.


Itachi simpatizava com Gaara, achava que era levemente parecido com ele. Silencioso…


— A Hinata e o Itachi? Quêêê? — Naruto perguntou, mais surpreso que confuso. — Achei que tinha o dom ‘pra achar casais facilmente, mas vocês dois… Não, eu nunca imaginei!


— A gente não é um casal — Hinata se prontificou a responder, um tanto constrangida com a situação. 


Essas insinuações não costumavam acontecer ou Itachi apenas não se importava? O sinal tocou e o impediu de concluir seu pensamento.


— Aparece no meu treino, então, okay? — o Uchiha pediu, olhando nos olhos cor de pérolas da jovem que apenas assentiu. Então, foi para o lado oposto ao qual o grupinho iria; vantagens e desvantagens de ser mais velho que seus amigos.


Quando chegaram na sala e se sentaram, Sakura retomou o assunto:


— Ninguém imaginaria eles como um casal, Naruto. O Itachi é um playboy legal e pegador, e a Hinata... é a Hinata 


A Hyuuga ponderou o que a amiga queria dizer com isso. Deixou sua bolsa sobre o colo e olhou para a rosada.


— Você acha que eu não conseguiria ter um namorado? — questionou baixinho, e as duas amigas a olharam, surpresas.


— Não, claro que não é isso, é só que… — Sakura, apesar das inocentes intenções, enrolou-se na sua justificativa e acabou tornando sua fala ainda mais duvidosa.


— É que você não parece o tipo de pessoa que se importa com isso, Hina. Acho que é isso que a Sakura quis dizer — justificou Ino, falando de forma doce enquanto virava-se para olhá-la da cadeira em que estava.


Hinata voltou a morder a boca, ao passo que se incomodava cada vez mais com a situação. Não queria ser paranóica, mas tudo parecia rir da cara dela e mostrar que o filme não era uma mera história contada. Até o Naruto sentiu o clima tornar-se pesado e se despediu do grupo, sentando-se junto com os rapazes.


— Não sou… né? — falou, ainda um tanto incerta.


De toda forma, Sakura e Ino sempre seriam mais famosas e bonitas que ela, e Hinata sempre seria a deslocada, mas amigável. Não gostava de festas, preferia ver filmes e comer no seu sofá. Por que usar roupas curtas se moletons são muito mais confortáveis? E não só Naruto, mas todo e qualquer outro garoto olharia primeiro para suas amigas antes de vê-la. Talvez ninguém olhasse de verdade para ela. A aula passava e mais e mais Hinata remoía esse assunto.


— Eu vou… tomar uma água — avisou e saiu, apenas para espairecer, deixando as duas garotas confusas para trás.


《•❦•》


Após o almoço, Itachi corria sobre o campo de uma ponta a outra enquanto sua cabeça revirava-se pensando por que as pessoas mais gentis e amáveis são as que têm a autoestima mais baixa e nunca se enxergam como merecem. De fato, seus questionamentos eram louváveis para um pensador ou poeta, mas não para seu treinador, que ralhou com ele por conta de sua desconcentração assim que esbarrou com um colega.


— Desculpa, desculpe! — pediu, levantando as mãos em sinal de inocência. 


— Não me dê desculpas, me dê troféus! — berrou em resposta e Itachi grunhiu, descontentado.


Houve uma pausa e a primeira coisa que o Uchiha fez foi pegar sua garrafa de água na arquibancada. O sol não estava com misericórdia de ninguém naquele dia. Soltou o cabelo para amarrá-lo novamente de maneira mais firme, quando avistou Hinata entrando no campo — na verdade estava perambulando, como se pensasse em entrar ou não — e aproximando-se dele.


— Oi, você tinha me chamado, né — disse, um pouco baixo demais em contraste com a euforia das pessoas naquele local.


Itachi arregalou os olhos. Tinha esquecido que marcou de falar com ela, mesmo sem ter tirado ela da cabeça. 


— É verdade — falou de uma maneira meio boba e a Hyuuga riu disso.


— No que está pensando? — perguntou lentamente, encarando-a de maneira intensa.


Hinata franziu as sobrancelhas, um tanto ressentida por Itachi não entendê-la. Mas apenas suspirou derrotada e resignada ao falar:


— Estava pensando que… — Olhou para ele. Iria dizer a conclusão que havia chegado, que ninguém realmente a via. No entanto, a maneira como Itachi a olhava agora simplesmente não a permitiu pronunciar tais palavras. — Se você estivesse no meu lugar, entenderia — justificou, com um beiço nos lábios e o olhar disperso. 


Itachi olhou ao redor, então segurou a mão dela e a puxou para trás da arquibancada, para terem mais privacidade. Soltou a mão dela e pôs suas mãos nos ombros da garota, olhando intensamente e ininterruptamente em seus olhos.


— Eu vou fazer você entender o que eu sinto, pode ser? — Hinata estava tão surpresa com a incisividade e determinação de Itachi que nem ao menos conseguiu responder. — Não importa se as outras pessoas não te acham tão bonita quanto a Ino ou qualquer outra garota, nem importa o jeito que você se veste. — Olhou para baixo, desviando o olhar para as roupas dela. — Suas roupas... são confortáveis para deitar a cabeça, e eu gosto disso. Ah, e também, não importa e provavelmente ninguém acha que você não é uma opção, Hinata, porque você é linda! — Voltou novamente a olhar para ela, concentrando-se nos traços doces e gentis que a garota possuía. — Na verdade, 'pra mim você é a garota mais bonita dessa escola e não é exagero. Sua gentileza e simpatia me deixam animado todos os dias por mais que meu humor esteja uma porcaria, e quanto mais tempo passo com você, mais quero ficar. Posso dizer tranquilamente que você é a melhor companhia que eu tenho — admitiu pela primeira vez aquilo, apenas porque queria que Hinata soubesse o quanto ela era boa, o quanto era melhor que tudo isso.


Seu rosto ficou sério e sentiu-se repentinamente inebriado pelas qualidades da Hyuuga a sua frente. Quanto mais falava, mais tornava-se real cada palavra, cada sentimento irrefreável de gratidão e afeto. Deslizou lentamente a mão sobre a lateral do rosto delicado dela.


— E se alguém me perguntasse qual a única garota que eu namoraria entre todas desse colégio inteiro — sua voz havia se tornado baixa, grave e precisa; seus olhos fixos nos trejeitos de seu rosto —, eu faria questão de gritar que é você até que me cansasse e todo mundo entendesse que você seria minha única opção. 


Parou de falar. Na verdade, falou tanto que estava ofegante. Falou tanto que nem percebeu o que falava, seguiu seus impulsos e eles lhe colocaram nessa situação, agora estava ofegante e com o coração disparado, porque obviamente estava apaixonado pela sua vizinha e os dois descobriram ao mesmo tempo, ele próprio entregou para ela de bandeja enquanto nem sabia o que carregava. 


Talvez o motivo de sua raiva fosse que ela nunca cogitou que, se seguissem aquele filme, ambos terminariam juntos, então parecer com a D.U.F.F não fosse lá tão ruim... Hinata estava impressionada, enrubescida e hesitante. Não existiam formas para responder aquilo. 


— Q-que… I-isso é sério? — Conseguiu falar, por fim. 


O peito de Itachi se apertou com a pergunta, estava com medo, e o que ela disse tornava tudo ainda mais decisivo. Não teria como escapar dessa, provavelmente a amizade dos dois nunca mais seria a mesma. Apenas lhe restava ser sincero, já que mentir ou se contradizer nunca seria uma opção. Assentiu, portanto, com a cabeça, deixando-se vulnerável e completamente à mercê de Hinata.


— Vendo assim, talvez eu esteja apaixonado por você. — Engoliu em seco e deu um riso sem graça. Como nunca havia pensado nisso antes? — Me desculpa por isso. Mas é tudo verdade, viu?! — Começou a virar o corpo para ir embora logo que viu o rosto perplexo de Hinata. Contanto que ela entendesse que nada nela era feio ou errado, então tudo bem estragar o clima da amizade deles, correto?


Sentia-se uma piada encarnada.


— Itachi — falou um tanto sussurrado, puxando-o pelo pulso e entornando o corpo dele de volta. Esticou-se na ponta dos pés e deu-lhe um selinho nos lábios que o fez instantaneamente arregalar os olhos, tão chocado quanto ela estava anteriormente, e fez seu coração saltar no peito. 


Com um gesto tão simples, que sempre lhe fora bobo, desta vez estava completamente desestruturado com um mísero toque de lábios.


— Talvez — hesitou um pouco ao falar — eu meio que goste de você também — confessou com dificuldade. O coração de Itachi pulsava descontroladamente, enquanto o de Hinata estava grogue, como se tivessem dado-lhe um analgésico para o coração; e nenhum deles sabia bem onde aquilo iria parar.


Eram amigos, eram vizinhos e agora… eram algo mais.


— Graças a Deus — Itachi exclamou, aliviado e sorridente, segurando o rosto fofinho e gelado da amiga entre as mãos e beijando-lhe profundamente, mesmo que isso fizesse seu estômago girar e seu coração bombear cada vez mais rápido. 


Nunca imaginou como queria tanto saber a sensação de ter aqueles lábios finos e macios sobre os seus ou ter aquelas mãos segurando sua camisa. Nem se importou se estava suado, o calor o tornava impulsivo, por mais controlado que fosse, e Hinata o tornava bobo, por mais coerente que fosse.


Ela lhe fazia se sentir um idiota apaixonado. Mas, poderiam fazer isso dar certo. Ele estava disposto a fazer dar certo, ao menos, porque Hinata era a única garota que o fez se sentir sobre as nuvens. Era a única amiga que ele não beijou, mas que ele queria beijar. 


《•❦•》


Itachi adentrou a casa pela janela, vendo Sakura, Ino, Naruto e Gaara sentados de maneira espalhada pela sala da casa da Hyuuga. 


— Deixaram o sofá só 'pra mim? Que maravilha! — falou simpático, jogando-se no sofá.


— Você é um folgado — Sakura falou divertida enquanto Naruto e Gaara cumprimentavam o Uchiha com soquinhos na mão. 


Haviam se passado dois anos desde que concluíram o ensino médio e entraram na faculdade. Para Itachi, já eram três. E, finalmente, estavam de férias! A primeira coisa que planejaram foi esse encontrinho na casa da Hinata. O que foi ótimo para Itachi que desfrutou muito bem de seus momentos com sua família. 


— Não chamou o Sasuke? — Ino perguntou com a sobrancelha franzida. 


— Ah, ele 'tá atrasado, tomando banho — explicou resumidamente, já sentindo falta da companhia de Hinata naquele sofá. Para ser mais específico, dentro de seus braços. 


— Voltei! — Ouviu a voz doce de Hinata anunciar alguns minutos depois, quando Naruto enfim deixou de vasculhar os filmes e decidiu-se por um.


O sorriso de Itachi esboçou-se imediatamente no rosto. Hinata estava mais madura, seu rosto mais firme e seu cabelo mais curto; mesmo assim, nunca perdia sua fofura e sua gentileza, e também nunca largava mão de seus moletons confortáveis. 


E Itachi amava isso nela e todas as outras coisas.


— Oi, Ita, nem avisou que chegou — reclamou Hinata, sentando-se ao lado dele e encaixando-se entre seus braços e sobre seu peitoral.


Itachi roubou algumas pipocas dela e logo em seguida lhe roubou um beijo.


— Já sou de casa — ele brincou, enquanto o filme começava a tomar rumo.


"D.U.F.F: você conhece, tem ou é", o som saiu da televisão e Hinata e Itachi se entreolharam surpresos com a coincidência. 


— Nossa, eu odeio esse filme.


— Eu amo esse filme.


Hinata e Itachi falaram respectivamente ao mesmo tempo e todo mundo olhou para eles.


— Eii, sem spoiler vocês dois que assistiram! — Sakura avisou.


Ino os encarava um tanto encantada, podia se autodeclarar a maior fã do casal, enquanto Naruto ainda não conseguia absorver o fato que eles estavam juntos mesmo com três anos de duração. 


— Por que você gosta desse filme, Itachi? Ele me deixou completamente paranóica — Hinata perguntou, incrédula. 


— Foi por causa dele que descobri que sou apaixonado por você, oras. — Deu de ombros, falando algo intenso e agindo como se fosse simples. — É o meu filme favorito agora. — Roubou mais pipoca de Hinata enquanto ela o olhava com um sorriso estampado na cara.


— Que foi? — Ele perguntou e ela mordeu os lábios, parecendo receosa. — Diz — insistiu ele, sem saber se deveria achar engraçado ou não, e tendo o déjà vu mais forte de sua vida.


— Acho que  no final das contas, eu era a D.U.F.F mesmo… — falou diretamente no ouvindo de seu namorado. — E você é meu vizinho/namorado idiota.


Itachi arrepiou-se, não somente pela voz quente batendo contra sua orelha, como pela devoção em que aquelas palavras foram pronunciadas. Virou-se para ela, vendo a mesma Hinata de alguns anos atrás, inocente, gentil, forte e linda. A mulher mais linda que ele já viu na vida. E poderia gritar isso até que se cansasse. 


— Bem, essa parte eu já sabia disso o tempo todo.


Notas Finais


É isso!!obrigada por lerem ♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...