História Amigos de infância - Romione - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Carlinhos Weasley, Cho Chang, Draco Malfoy, Fleur Delacour, Fred Weasley, Gina Weasley, Gui Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lilá Brown, Lílian Evans, Molly Weasley, Percy Weasley, Ronald Weasley, Tiago Potter, Viktor Krum
Tags Amor Eterno, Drama, Harry Potter, Hermione, Hermione Granger, Hinny, Melhores Amigos, Romance, Romione, Rony, Rony Weasley
Visualizações 37
Palavras 1.840
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo, espero que gostem. 💘
Esse capítulo é um flashback de quando Rony foi embora.
Aproveitem a leitura. 💗

Capítulo 7 - Lembro como se fosse ontem.


Fanfic / Fanfiction Amigos de infância - Romione - Capítulo 7 - Lembro como se fosse ontem.

Rony e Hermione jogavam xadrez no intervalo antes da aula.

- Mione, eu sou bem rápido com cálculos, sabia?

- Aham... tá bom. Me diz quanto é 56X34, então.

- É 490.

- Tá errado, nem chegou perto...

- Mas foi rápido, não foi?

- Deixa de ser idiota, Rony...

- Ah, para.

- Rony, o que tá acontecendo? - Harry chega correndo e se senta na mesa em que eles estavam. - Estão colocando seus móveis em um caminhão de mudanças!

- O que?

- É, eu saí atrasado e vi.

- Vocês vão comigo até minha casa?

- Não podemos sair agora... o zelador fica na porta e ele não vai deixar. - Mione diz aflita.

- Que se dane o zelador, Mione. A gente consegue distrair esse velho.

- Que grosseria, Ronald. Mas nós podemos tentar...

- Eu já sei o que podemos fazer. - Harry segue até o zelador.

Rony e Hermione vão atrás dele.

- Olá, senhor Filch. Como vai?

- O que quer, Potter?

- Tem uns alunos do 6° ano fazendo bagunça no corredor, achei que deveria saber. Eu acho que manter a ordem é sempre...

- Ah, esses idiotas! - ele vai pro corredor.

- Foi mais fácil do que pensei.

- Parabéns, Harry. Vamos logo pra minha casa.

Harry, Rony e Hermione vão correndo para casa do ruivo.

- Mãe! O que tá fazendo?

- Olá, querido. O que você tá fazendo aqui? Não deveria estar na escola?

- E os móveis não deveriam estar dentro de casa?

- Vamos nos mudar amanhã, e esses móveis vão para sua vó.

- Mudar? Mãe, eu não quero me mudar! - Rony eleva o tom. - Os meus amigos estão aqui, o Harry e a Mione!

- Não grite comigo, Ronald! E seus amigos não deixariam de se mudar por você.

- Por que a gente tem que se mudar? Mas que porcaria. 

- Não fale palavrões e volte pra escola.

- Não vou voltar para escola. Pra que? Eu vou me mudar amanhã.

- Então deixa o Harry e a Hermione irem, eles não vão se mudar amanhã. - Molly aponta para os dois, que estavam quietos.

- Bem... se o Ronald realmente for embora, nós gostaríamos de passar o maior tempo possível com ele. - Hermione disse chorosa.

- É verdade, Sra. Weasley.

- Isso não é comigo, é com os seus pais. Se eles deixarem vocês ficarem em casa, podem ir brincar no quintal.

- Eles vão deixar, temos certeza. - Harry diz. - Por favor...

- Tá bom, depois eu me resolvo com eles.

- Obrigado, tia.

Os três vão para o quintal dos Weasley.

- Ah... mas que saco.

- Calma, Rony. Deve ter um jeito da gente reverter isso.

- Não dá, Mione, não dá. Eles já levaram os móveis pra vovó, acham que vão voltar atrás?

- Você poderia fugir.

- Harry! Ele não pode fazer isso.

- Na verdade, eu posso sim. Essa foi uma ótima ideia, Harry.

- Já vou avisando que seria burrice. - Hermione fala com um tom de quem sabe tudo. - Você só faria com que seus pais perdessem tempo e ficassem bravos com você, o que seria bem pior. Precisamos pensar em algo melhor.

- Talvez não tenha nada que possamos fazer. - Rony suspira. - Acho que vamos ter que aceitar que vamos nos separar.

- Rony...

Harry e Hermione abraçam Rony.

- Ah, desse jeito eu choro... vocês sabem que eu amo vocês, né?

- Principalmente a Mione. - Harry ri.

- Continuando... obrigado por serem meus amigos.

- Eu não acredito que vai mesmo embora. Eu estou com tanta vontade de chorar.

- Não chora, Mione. - Rony abraça a garota, que chorava baixinho.

- Que casal mais perfeito. Mas não tô afim de segurar vela, acho que vou falar com a Gina.

- Como vocês vão namorar à distância?

- Eu acho que vamos ter que terminar... mas eu não quero que isso aconteça. Me ajuda, Rony.

- Mas eu não consigo ajudar nem a mim mesmo.

- Eu amo tanto a sua irmã, não quero ficar longe dela.

- De tantas meninas, logo a minha irmã...

- De tantas meninas, logo a minha melhor amiga...

- Mas a Mione não é sua irmã, é diferente. 

- É como se fosse.

- Calem a boca - Hermione enxuga as lágrimas -, tão enchendo o saco. Rony e eu não temos mais nada, Harry, supera isso.

- Não sabia desse seu lado, Mione... eu gostei.

- Para com isso, Rony, não tem graça.

- Não tem graça porque você gosta dele.

- Só vamos fazer alguma coisa pra esquecer o fato da mudança do Rony.

- Encher o seu saco tava dando certo.

- Harry...

- Podemos brincar no parque de diversões, mas ele só abre de noite. - Rony diz.

- Então, podemos brincar do jogo da garrafa.

- Você tem ótimas ideias, Harry. Posso chamar meus outros irmãos, se eles estiverem em casa. E depois nós vamos ao parque, só nós três.

- Rony, não deveria estar na escola?

- Percy... o que você quer? Eu não estou na escola porque a mamãe me deixou ficar em casa.

- Eu só vim saber porque achei estranho toda essa conversa.

- A Gina tá por aí?

- No quarto dela.

- Por que só eu fui pra escola?

- Porque você acordou e já foi correndo pra escola, sem falar com ninguém.

- Chama a Gina, o Fred e o Jorge.

- Pra que?

- Pra gente brincar, e você não tá convidado.

- Não estou convidado? Então você pode chamar eles sozinho. - Percy se vira e vai embora.

- Que mala. Me esperem, vou chamar eles.

Rony entra em casa pra chamar os irmãos e volta rapidamente. Fred já levava a garrafa na mão. Se sentaram no chão e começaram a jogar. Estava indo tudo bem, até que a garrafa para em Harry e Hermione.

- Harry... por favor.

- Você já escolheu verdade da última vez, então...

- Por que você me odeia?

- Eu não te odeio, pelo contrário, eu te amo.

- Vai logo, faz o desafio! - Jorge diz.

- Mione, eu te desafio a beijar o Rony.

- Isso não vai ser difícil pra Hermione. - Fred dá uma risadinha.

- Eu sabia... que prenda eu pago por não cumprir o desafio?

- Me beijar é um castigo tão grande assim? - Rony fala fazendo um biquinho.

- Não, claro que não mas... você sabe.

- É só pra cumprir o desafio, não é nada demais.

- Você quer mesmo beijar a Mione, né? - Gina pergunta.

- Quero.

- Rony!

- Pelo menos eu assumo, diferente de você, Hermione.

- Eu realmente não vou com a sua cara.

- Eu também não. - eles se olham sorrindo. - Mas e aí, vai me beijar ou não?

- Já que você vai embora e está tão necessitado, acho que posso fazer essa caridade.

- Eu agradeço, já que veio de bom grado.

Hermione se aproxima e beija Rony com tanta vontade, que todos da roda começam a gritar e fazer palhaçada.

- Mais tarde - Rony sussurra no ouvido de Mione - eu vou querer mais.

- Uma pena que você vai ficar querendo. - ela sussurra de volta.

- Rony garanhão, pegou a Hermione.

- Cala boca, Fred.

- Torço por vocês. - Carlinhos estava de longe, observando tudo.

- De onde você veio, criatura?

- Eu estava olhando vocês brincarem, Rony.

- Não quer brincar com a gente?

- Não, valeu. Prefiro ficar apenas olhando.

Depois que terminaram o jogo da garrafa, eles se arrumaram para ir ao parque. Harry, Rony e Hermione aproveitaram cada momento, cada segundo juntos. Enquanto Harry estava na casa do terror, Rony e Mione foram à roda gigante, onde quase compartilharam um outro beijo. Nenhum dos três conseguiam acreditar que Rony realmente estava indo embora. No outro dia, todos estavam desanimados. Hermione foi ajudar o ruivo a tirar as caixas do quarto.

- Eu nem acredito que você vai embora.

- Eu também não.

- A minha vida vai ficar sem graça sem você. Como vai ser meu natal? E o ano novo? E todo o resto do ano? Vou sentir saudades das festas das nossas famílias. 

- Eu sei, também não consigo viver sem você.

- Vamos ter que aprender.

- Vai ser difícil.

- Ronald... - Hermione se senta no chão e começa a chorar.

- Por favor, de novo não. Eu não aguento te ver chorando, é horrível.

- Mas eu não consigo, tá tudo sendo tão... difícil. Eu não posso suportar isso.

- Você vai fazer outros amigos, vai superar fácil.

- É diferente, eu gosto de você mais do que qualquer outra pessoa.

- Ah, é? Eu também.

- Duvido.

- Só pelo fato de você saber coisas sobre mim que ninguém sabe, já mostra que você significa mais que qualquer outra pessoa pra mim.

- Isso é... muito bom.

- Se levanta desse chão e vem me abraçar. - ele estende a mão pra Hermione, que se levanta e o abraça forte.

- Não me solta, fica aqui comigo. - Hermione fala com voz chorosa. - Olha, me liga todos os dias, está bem?

- Eu vou... vou te ligar todos os dias pra ouvir sua doce voz no telefone.

Hermione se aproxima do Rony pra beijar a bochecha dele mas ele vira na hora, fazendo seus lábios se encontrarem, dando-lhe um beijo bastante intenso.

- Pra você não esquecer de mim, Mione.

- Eu nunca vou esquecer de você.

- Que bom. - ele sorri e volta a abraçar Hermione. - Eu também.

Horas depois, todas as coisas estavam guardadas em malas e caixas com todos prontos para se despedirem. A última coisa que Rony conseguiu dizer a Harry e Hermione antes de ir foi: "Eu vou voltar... um dia." Mesmo falando que ligaria todos os dias, o ruivo nunca fez uma ligação para Hermione, que se sentia triste e completamente esquecida. Ela chorava bastante e seu coração se enchia de saudades a cada dia que passava. Com o tempo, a vontade de chorar foi passando... menos a saudade, isso nunca passou. Rony também se sentia triste, não acreditava que sua mãe o proibiu de ter contato com qualquer pessoa da antiga cidade. Ele odiava ser punido desse jeito, era horrível não poder ter notícias do melhor amigo e da garota que ele gostava. Alguns anos depois, Rony se apaixonou por uma garota histérica chamada Lilá Brown. Pela primeira vez, confessou estar apaixonado. Quase se casaram, mas Lilá terminou com ele, afirmando estar apaixonada por uns dos amigos mais próximos de Rony, Dino Thomas. Quando completou 16 anos, Hermione teve um rolo com Simas Finnigan e que não acabou muito bem. Mais tarde, também namorou com Viktor Krum. Rony e Hermione, duas pessoas que agora estavam totalmente distantes, o destino resolveu juntá-las novamente.


Notas Finais


Eu ando meio ocupada por estar estudando pras provas da faculdade, mas vou tentar postar o próximo capítulo na semana que vem.
Deixem seus comentários, amo ler eles. 💘
Espero que tenham gostado desse capítulo e até o próximo 🖑
Uma ótima semana pra todos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...