1. Spirit Fanfics >
  2. Amizade Para Sempre (Imagine - Shawn Mendes) >
  3. Desastres

História Amizade Para Sempre (Imagine - Shawn Mendes) - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura❤

Capítulo 12 - Desastres


Já estávamos no meio do caminho e estava tudo bem até agora, até o momento em que o ônibus parou nos deixando a questionamento do que aconteceu e o reitor foi ver e logo voltou:

- silêncio... - ele falou e ficamos em silêncio total - é o seguinte, acabou a gasolina... - ele falou sem jeito e todo mundo ficou se perguntando o que íamos fazer - mas, não se preocupem, agente tem umas barracas aqui e vamos acampar essa noite nesse local, duplas juntas, não quero nenhuma briga - ele falou.

- se aparecer um bicho, pode se agarrar em mim... - falou Shawn baixinho no meu ouvido.

- é mais fácil você se agarrar em mim... - falei no seu ouvido baixinho e rimos.

- eu tenho uma ideia, mas primeiro eu tenho que ver uma coisa... - ele falou baixinho e eu sabia que estava aprontando e que tinha alguma coisa a ver com o biquíni que ele me obrigou a vestir hoje de manhãzinha.

- medo... - falei e sorrimos.

Agora tinha menos alunos saindo e nos levantamos. Ele fez um gesto pra eu passar na frente e assim fiz saindo e com ele atrás pegando nossas malas e uma barraca:

- atenção aqui! - falou o reitor e estávamos em uma roda a frente do reitor pra escutar - cada dupla vai montar a sua barraca e vão buscar gravetos pra montarmos uma fogueira e assar alguma coisa pra agente comer - ele falou como se fosse fácil, é capaz de pegar fogo a floresta.

- vamos morrer de fome - falou Shawn e todo mundo caiu na risada.

- que perspectiva de vida... - falou o reitor brincando.

- se eu não me engano minha mãe colocou um pacote de bolacha na minha bolsa... - falou Shawn saindo da roda.

- espera por mim, eu não sei montar isso não... - falei indo atrás dele.

Andamos um pouco e ele parou colocando as malas no chão e abrindo a mochila:

- vamos montar aqui pode ser? - ele perguntou procurando algo e podia ser até o pacote de bolacha que ele disse.

- pode ser onde for, tendo um teto e um lugar confortável e quentinho, tá ótimo - falei e ele fechou a mochila.

- ela não colocou... - ele falou fingindo desapontamento.

- sabe montar isso? - perguntei.

- acho que eu sei, não deve ser difícil - ele falou.

- você me diz o que fazer que eu faço - falei e ele apenas abriu o zíper e abriu a barraca num passe de mágica - esquece.

- aprendi a montar - ele falou e rimos.

- vamos guardar as coisas logo, vai lá que comece a chover... - falei rindo.

- você vai me dando que eu vou colocando lá dentro, pode ser? - ele perguntou.

Concordei e fui entregando e ele colocando lá dentro. Logo colocamos tudo dentro e como o reitor disse íamos ter que buscar gravetos, eu não ia trazer muitos, ainda mais eu que sou sedentária. Fui atrás de Shawn que estava indo na frente, por mais que nois dois tivéssemos medo de tudo, ele tinha mais coragem que eu. Isso mesmo, por incrível que pareça ele tem mais coragem que eu, kkk. A Gaby veio com o Rodrigo escondidos com agente e só percebi no meio do caminho. Só eu mesma pra não perceber essas coisas. Andamos um pouco e chegamos num lugar com uma piscina de águas naturais:

- eu nem tinha certeza se eu ia encontrar um lugar assim, e eu achei... - falou Shawn impressionado que nem agente.

- ele insistiu pra vocês vestirem uma roupa de banho antes de vim, ou foi só comigo? - perguntou Gaby.

- não foi só com você - falei.

- vamos? - ele perguntou contente.

Nos entreolhamos e já estávamos lá, então não adiantava mais dizer não. Começamos a tirar nossas roupas e tiramos ficando com as roupas de banho. Shawn ia pular, mas o agarrei por trás e nos derrubando na piscina. Voltei a superfície e ele passou a mão no cabelo ajeitando:

- engraçadinha... - ele falou e sorri.

- gente, eu não sei nadar... - falou Gaby.

- vem, eu te ensino... - falou Gabriel e a Gaby logo foi até ele, sem aquelas roupas que ele usa, ele é bem musculoso e ela gosta desse tipo de homem.

- eu não sei nadar fora da piscina... - falei baixinho a Shawn.

- eu te seguro se você afundar... - ele falou e sorri.

- vou confiar na sua palavra... - falei e me afastei.

Ele sorriu e foi logo atrás de mim. Passamos um tempo nadando e saímos quando achamos necessário. Íamos pegar as roupas, mas cadê as nossas roupas? Só tinha as roupas de Shawn e do Rodrigo, as minhas e a da Gaby sumiram:

- e agora? Como vamos voltar? - perguntei.

- deve estar em algum lugar, isso não pode estar acontecendo... - falou Gaby ainda procurando e me sentei numa pedra com um pouco de frio.

- tive uma ideia - falou Shawn entregando pra mim a sua camisa - veste, ficamos meio vestidos e assim da pra ir.

- obrigada - falei pegando.

- pode ficar com a minha também - falou Rodrigo entregando a dele.

- obrigada... - ela falou.

- esse negócio de botão não dá certo pra mim... - comentei pra mim mesma.

- quer que eu coloque pra você? - ele perguntou e não acredito que ele escutou, ou melhor eu não acredito que eu falei tão alto - levanta, eu coloco - ele falou por que percebeu que eu estava sem saber o que dizer.

Me levantei e ele se sentou me colocando a sua frente e puxando pra perto dele e ele foi abotoando até terminar:

- prontinho, ficou melhor em você do que em mim - ele falou.

- obrigada, eu não sei o que seria de nois duas sem os dois - falei.

- amigos servem pra isso - falou Rodrigo.

- tirou as palavras da minha boca - falou Shawn.

- vamos? Já devem estar preocupados - falei.

- vamos - falaram.

Sorri e fomos lado a lado de volta, acho que Shawn sabia o caminho, por que se dependesse de mim já estávamos perdidos.
Logo retornamos e todos pareciam já estar preocupados com agente por que até o reitor apareceu preocupado:

- aonde estavam? E por que estão vestidos assim? - ele perguntou e nos entreolhamos para ver quem ia contar - não me digam... - ele falou e estava já pensando que agente tava fazendo coisa ilícitas, como relações íntimas, no meio da floresta.

- não, pode parar! - falou Shawn explicando - a gente estava apenas nadando numa piscina de águas naturais ali.

- como quer me explicar que não ocorreu o que estou pensando, com duas mulheres vestidas com as suas camisas e provavelmente de lingerie? - perguntou o reitor.

- estamos de biquíni - falou Gaby.

- dizer que está e não mostrar, prova que vocês fizeram coisas ilícitas na selva... - falou Fernanda e que vontade de esganar ela.

- ah é? - perguntou Gaby provocando.

Ela começou a desabotoar em cima e tirou a camisa por cima mesmo e fiz o mesmo. Shawn começou a tirar o cinto e abriu o zíper da calça e coloquei a mão na lateral dos meus olhos pra não ver aquilo:

- Shawn não faça isso aqui... - falou o reitor e lembrei que ele estava por baixo da calça com um short de banho e tirei a mão.

- eu tô com cara de quem fez esse tipo de coisa? - ele perguntou mostrando que estava mesmo nadando na piscina e não parecia estar muito bem - e mais, eu tenho certeza que foi você quem pegou as roupas delas para o pessoal acreditar que agente estava fazendo o menos provável.

- como assim? - perguntei.

- estou vendo daqui na barraca dela a sua blusa - ele falou respirando pra não esganar ela também.

- senhorita Fernanda me acompanhe... - falou o reitor.

Simplesmente me afastei e fui pra minha barraca entrando e secando algumas lágrimas que saíram pelo meu rosto:

- tá tudo bem? - perguntou Shawn entrando e fechando enquanto eu simplesmente me virava de costas sentada - Eduarda...

- agradeço por nos defender, mas não precisava - falei.

- fui eu quem falei algo que não devia? - ele perguntou e neguei.

- eu não estou assim por sua causa, estou assim por causa dela, me dá muita raiva saber que ela é capaz de chegar a esse ponto - falei.

- não fica assim... - ele falou me abraçando por trás - ... um dia ela vai perceber o erro que está cometendo e vai pagar caro sem ser só um simples castigo, até lá vou lutar com unhas e dentes contra ela - ele falou e sorri.

- obrigada Shawn, não sei como eu passei todo esse tempo sem ter você pra me "proteger" - falei.

- amigos servem pra isso - ele falou e sorri - melhor nos vestimos com roupas secas para não ficarmos doentes - ele falou se soltando.

- tá se vira e fecha os olhos pra eu me vestir - falei.

Ele se virou e fui tirar o biquíni, tentei de todas as formas tirar, mas não conseguia tirar a parte de cima, o que eu faço?? Peço ajuda a Shawn? E se ele ver alguma coisa além?? Tá eu vou pedir ajuda a ele:

- Shawn... - falei com vergonha.

- terminou de se vestir? Posso me virar? - ele perguntou.

- eu só queria ajuda pra desamarrar aqui... - falei.

- então posso me virar? - ele perguntou.

- pode, mas quando você terminar, vira denovo - falei colocando as mãos nos seios pra quando ele desamarrar não sair do lugar e ele ver algo.

- Ok - ele falou.

Ele começou pegando no nó do meu biquíni com delicadeza e foi desamarrando e logo foi pra cima empurrando meu cabelo pro lado e desamarrando na nuca:

- agora pode se virar denovo... - falei morrendo de vergonha.

- eu sou obediente... - ele falou no meu ouvido e gelei na hora.

- como posso saber se não vai dar uma espiadinha? - perguntei.

- homens tem seus defeitos - ele falou e virei um pouquinho vendo que ele estava virado bem comportado.

Tirei rapidamente e coloquei o sutiã e a blusa em seguida, a parte de baixo era a pior eu teria que me levantar e ele estaria sentado:

- levanta que nos trocamos na mesma hora... - falei a minha ideia, que péssima ideia.

- como assim? - ele perguntou se levantando de frente a mim.

Simplesmente virei ele de costas pra mim e me virei de costas pra ele encontrando nossas costas:

- assim ninguém olha ninguém... - falei.

Que vergonha Eduarda! Eu tava morta de vergonha naquele momento e não sei, aquele momento estava estranho, não sei se era ruim ou bom. Sentir seu corpo com o meu, era uma sensação inexplicável, mas peguei a minha parte de baixo e uma saia e vesti rapidamente e sentindo que ele também estava se trocando:

- terminou? - perguntei rezando pra ele dizer: sim.

- ahã... - ele falou acho que com vergonha e nos virando.

- tô com vontade de nunca mais olhar na sua cara... - falei e rimos.

- vamos, quero perguntar ao meu tio quanto tempo vamos ficar aqui... - ele falou pegando em minha mão e abrindo a barraca.

Saímos da barraca fechando e nos demos de cara com o tio dele sem precisar procurar:

- dessa vez vocês se livraram de uma grande... - ele falou e que medo nessa hora, não sei por que.

- tio, quanto tempo vamos ficar aqui? - perguntou Shawn.

- não sei, não temos mais nenhuma gota de gasolina e estamos sem sinal pra ligar e estamos longe - falou o reitor.

- é uma pena... - falou Shawn e vi uns cavalos passando dentro da floresta, já prontos pra montar e sendo levados por um homem.

- sabe andar a cavalo? - perguntei.

- sei, por que? - perguntou Shawn.

- já sei como chegar lá e ainda cedo... - falei e ele reparou nos cavalos.

- ótima ideia - ele falou indo até lá.

Fui atrás dele e ele parou o homem passando na frente:

- bom dia, o senhor vai usar esses cavalos? - ele perguntou.

- não sei andar neles e estou a caminho de um acampamento com eles... - falou o senhor.

- estávamos indo pra lá mas a gasolina do ônibus acabou e aqui não tem área, poderia nos emprestar os cavalos pra irmos buscar ajuda? Até ajudaria o senhor - falou Shawn.

- sabem andar? - perguntou o senhor e concordamos - então eu empresto.

- obrigado - falou Shawn pegando um dos cavalos marrons e peguei o outro.

- obrigada - falei.

Subi no meu cavalo e Shawn no dele, fazia um tempo que eu não andava num desses, mas acho que não perdi a prática:

- cuidado, voltem inteiros... - falou o reitor.

- pode deixar tio - falou Shawn rindo.

Saímos devagar no início, mas aceleramos os cavalos saindo do local e quando percebemos que estavam um pouco cansados paramos:

- eu posso falar uma coisa? - ele perguntou.

- pode, por que não poderia? - perguntei.

- eu não sei, é uma coisa minha, sabe - ele falou.

- pode falar, eu não vou rir e nem nada do tipo - falei.

- quando eu cheguei, te vi caindo de cima de algo perto da janela depois que eu terminei o meu banho e quando te vi na sala de aula... vamos dizer que eu tinha uma certa quedinha por você... - ele falou meio envergonhado e eu não ia falar nada, eu também tinha uma queda muito grande por ele - não me diga... - ele falou falou tentando deduzir por que eu fiquei calada.

- tá, eu também, não tenho culpa, é um movimento involuntário... - falei tentando inventar uma justificativa plausível.

- que bom saber disso... - ele falou e acho que é por que ele não tinha mais nada a dizer que encaixasse no contexto.

Ficou tudo silêncio num clima muito estranho e estava com medo de fazer qualquer pergunta aleatória, mas nem precisou:

- o clima ficou estranho depois dessas revelações... - ele falou e sorrimos.

- ok, vamos esquecer isso, somos amigos - falei.

- somente amigos - ele falou e confesso que ficou algo remuendo dentro de mim, será que fomos gerados um para o outro? Ou separaram agente na maternidade? Bom, tem horas que não parece que somos amigos, ele parece até um irmão que nunca tive, nunca me imaginaria beijando Shawn ou vendo ele nu na minha frente - tá tudo bem? - ele perguntou e voltei a realidade.

- tá tudo ótimo... - falei.

- certeza? - ele perguntou sabendo.

- eu estava imaginando nois dois... - falei e ele entendeu o resto.

- eu nunca mais olhava na sua cara de tanta vergonha - ele falou ficando vermelho de vergonha.

- você fica uma graça quando fica com as bochechas rosadas... - falei sorrindo.

- todo mundo diz isso - ele falou sorrindo.

- bom, vamos falar de outra coisa? - perguntei para poder essa minha imaginação fértil parar de funcionar.

- como você aprendeu a andar de cavalo? - ele perguntou.

- com o meu vó antes de falecer, depois foi com meu 3°pai até quando ficou junto com a minha mãe - falei.

- legal, é raro mulheres que sabem andar a cavalo - ele falou.

- e incrivelmente incrível você estar andando sem olhar pra frente - falei por que ele estava somente olhando pra mim.

- desculpa, eu tenho costume de falar olhando pra pessoa - ele falou se virando pra frente.

- corrida? - perguntei.

- agora? - ele perguntou.

- aposto 20 dólares se você chegar primeiro - falei.

- 20 dólares? - ele perguntou.

- sim, e você? - perguntei.

- 20 também - ele falou.

- no 3 - falei.

- já! - ele falou saindo na frente.

Fui logo atrás e alcancei ele e seguimos até a entrada do acampamento que agente achava que era e avancei entrando e ganhando a aposta:

- tá me devendo 20 dólares - falei.

- fazer o que... - ele falou aceitando a derrota.

- quem sabe da próxima - falei.

- eu vou ganhar e vai estar quitada a minha dívida, meus parabéns, você é muito boa no que faz - ele falou.

- obrigada - falei e nos aproximamos do pessoal das outras escolas.

Descemos dos cavalos e amarramos numas estacas deitadas, eu não sei como chama aquilo:

- oi, vocês são de onde? - perguntou uma moça de cabelos ruivos.

- somos de uma escola da cidade vizinha, é que o ônibus ficou sem gasolina e pegamos esses cavalos pra pedir ajuda - falou Shawn.

- ele perdeu a aposta e tá me devendo 20 dólares - falei.

- é sério? Você vai contar pra meio mundo agora? - ele perguntou.

- não aceitou a derrota... - falei baixo, mas nem tanto.

- você não acordou muito bem hoje... - ele falou.

- a culpa foi sua, foi você quem me acordou as 5 da manhã - falei.

- prazer, me chamo Shawn - ele falou pra moça - e essa moça é a Eduarda, minha amiga e parceira de quarto.

- muito prazer, me chamam de Nina - ela falou.

- bonito nome - ele falou.

- vamos chamar alguém pra ir buscar o pessoal lá - falei.

- verdade, eu tinha até esquecido - ele falou.

- mas Shawn... - falei brincando.

- esquece, vamos? - ele perguntou.

- quer ir mais agente? - perguntei a Nina e ela concordou.

Fomos até a área principal e Shawn entrou mais o rapaz que organiza tudo:

- você é daqui ou da outra cidade igual eu? - perguntei a Nina.

- sou dessa cidade mesmo - ela falou.

Ficou um silêncio por que não sabíamos mais o que falar e Shawn estava custando demais. Continuamos a esperar e a Nina começou a ficar estranha olhando pra lateral e olhei vendo um rapaz bem musculoso da nossa idade, eu acho, vindo com mais dois rapazes atrás e eu tava rezando pra não se aproximarem, mas não adiantou:

- olha só, a Nina agora tem uma amiguinha... - ele falou e ela começou a se afastar comigo - que foi? Tá com medinho? Vocês são fáceis demais de dominar - ele falou e vi o segurança vindo me dando coragem.

- não estou com medo - falei parando a sua frente e meu coração estava a mais de mil.

- afastem se não eu atiro - falou o segurança colocando a mão na arma e veio o segurança de Shawn.

- vamos com calma... agente só estava conversando pacificamente com as belas damas - falou o rapaz e Shawn saiu finalmente.

- Shawn... - falei com medo e ele veio até mim me abraçando.

- o que aconteceu? - ele perguntou.

- eles estavam nos assediando - falei tremendo mais que nunca.

- vocês não tem vergonha na cara não? - perguntou Shawn.

- por favor Shawn... os seguranças podem dar conta deles... - falei segurando sua camisa.

- cadê a Nina? - ele perguntou e nada dela em lugar algum.

- Shawn, ela pode fazer alguma besteira - falei por que se fosse eu já tinha feito algo.

- vamos procurar por ela e rápido - ele falou.

Concordei morrendo de medo e tremendo mais que nunca. Ele foi avisar aos responsáveis e vi que ela estava lá do outro lado da cerca entrando na floresta. Corri até os cavalos novamente e subi em um indo até Shawn. Ele subiu e fui atrás saindo do acampamento arrudiando aonde eu a vi. Andamos olhando ao redor e Shawn avistou ela indo pra uma parte bem alta como se fosse um abismo e ela ia se matar. Aproximamos e amarramos o cavalo e aos pouco chegamos até ela:

- por favor não faça isso - ele falou e ela estava cada vez mais se aproximando da queda.

- não vai adiantar de nada você se matar - falei.

- por favor, eu posso te ajudar - ele falou.

- sei como você se sente, sente uma culpa por não poder ter feito algo para mudar as coisas, já tentei uma vez me suicidar e não é uma coisa boa, sei que a sua família ama você, e se você fizer isso? Imagina o sofrimento deles, tudo tem uma solução, estou aqui para te ajudar - falei com os olhos lacrimejando.

- vamos mudar as coisas, pra melhor, estamos dispostos a te ajudar e nos ajudar também, não faça isso - ele falou.

- todos temos problemas, graves ou não, mas que nos fazem cada vez mais fortes - falei.

Ela ajoelhou no chão chorando e eu e Shawn fomos até ela a abraçando:

- tá tudo bem... - ele falou numa voz suave.

Passamos um tempo assim e quando ela se acalmou, resolveu falar:

- ele abusou de mim... - ela falou e eu e Shawn nos olhamos com um olhar de preocupação.

- quando ele fez isso? - ele perguntou.

- desde quando me mudei pra cá, ele aproveita as aulas de educação física pra abusar de mim... - ela falou voltando a chorar e que raiva naquela hora.

- porque você não falou disso a ninguém? - ele perguntou.

- ele me ameaçou dizendo que se eu contasse, ele ia me matar junto com a minha família... - ela falou e não aguentei de raiva me levantando.

- Eduarda... - falou Shawn e fui até o cavalo.

- fica com ela, eu vou dar um ponto final nisso - falei desamarrando.

- você não vai a lugar algum sozinha, Eduarda - ele falou.

- qual parte você não entendeu pra ficar aí calado? - perguntei me virando pra ele com um olhar mortal.

- por favor não faça nada - ele falou com um olhar preocupado.

- não se preocupe, o segurança vai estar por perto - falei desamarrando o cavalo.

- Eduarda... - ele falou ainda insistindo segurando ela e subi no cavalo.

- Shawn, eu sei me virar sozinha - falei.

- eu sei, mas toma cuidado - ele falou.

- vou tomar cuidado - falei e sai de perto.

Fui pelo mesmo caminho de volta e cheguei me enchendo de raiva. Como é que uma pessoa pode fazer uma coisa dessa e sair ileso? Desci e amarrei o cavalo novamente me controlando pra não matar ninguém no caminho:

- cadê Shawn? - perguntou o segurança.

- ele está perto de um abismo com a Nina, vá lá e você vem comigo - falei com o meu segurança.

Quando me virei vi o rapaz com os amigos sentados próximos a uma mesa do outro lado e fui em direção a eles, hoje seria o dia que eu dar um ponto final no sofrimento dessa menina. Logo cheguei e lhe di um tapa fazendo ele colocar a mão em cima:

- seu desgraçado, você merecia mais do que um tapa por tudo que causou a Nina... - falei.

- eu não fiz nada, a Nina que é uma mentirosa - ele falou.

- mentiroso é você! - falei quase ao grito.

- quem você pensa que é pra chegar me dando um tapa e dando uma de justiceira? - ele perguntou segurando meus braços.

- você abusou da Nina e ainda ameaçou ela, se quiser agora tocar nela, vai ter que me matar no lugar dela - falei mesmo com medo, não tava afim de morrer não.

- solta ela! - falou o segurança apontando a arma e ele me soltou vendo que estava desarmado.

- o que significa isso? - perguntou o responsável do local.

- ela me deu um tapa do nada - ele falou.

- você merece por ter abusado da Nina - falei.

- mentirosa! - ele gritou.

- me acompanhem agora pra resolvermos isso! - gritou o responsável.

Acompanhamos ele e entramos na sala com ele trancando e o segurança ficando de fora:

- em primeiro lugar não se resolve as coisas assim, se resolve conversando - falou o responsável.

- ela que não quis conversar - ele falou mentindo.

- mentiroso de carteirinha - falei.

- tá vendo? - ele perguntou.

- você quando conversou com agente foi nos assediando, pensando que nois mulheres servimos como objetos sexuais pra vocês homens - falei.

- ela tá mentindo - ele falou.

- conta pra ele que você tava abusando da Nina e que a ameaçou de morte junto com família! Você é um descarado, um homem sem escrúpulos! - falei quase ao grito com ele me levantando.

- sente agora - falou o responsável e me sentei - conheço quando alguém mente e quando alguém fala a verdade com toda certeza, e essa jovem está falando a verdade, não tem pra onde fugir... a Nina sempre veio pra esse acampamento, ela é uma pessoa que é muito doce, gentil e alegre, percebi que ela chegou bem calada como se ela tivesse com um problema sério e não imaginava que fosse isso.

- ela contou que ele abusava dela toda semana nas aulas de educação física - falei.

- bom, vamos dar uma punição a você rapaz - falou o responsável.

- você vai me pagar! - falou o rapaz partindo pra cima de mim enquanto eu defendia com os braços.

Peguei com muito medo o jarro que tinha e joguei no seu rosto fazendo ele me soltar com o rosto sangrando e fui pra detrás do responsável:

- desgraçada! - ele gritou com as mãos no rosto.

- enfermeira! - gritou o responsável destravado a porta com um controle.

Logo a enfermeira chegou indo ajudar o rapaz e fiquei bem no canto tremendo de medo, fui corajosa até o momento que ele não partiu pra cima de mim, mas nunca mais faço isso. Nunca mais mesmo. O responsável segurou ele e a enfermeira foi limpando enquanto eu mantinha distância.
Os policiais chegaram depois de uns vinte minutos e levaram ele por ser maior de idade pra o lugar dele. Sai depois com o responsável e ainda estava tremendo, mas menos agora. Quando saí, Shawn estava esperando com a Gaby, o Vitor e a Nina. Sai correndo e fui até Shawn que abriu os braços pra um abraço:

- foi horrível, eu devia ter te escutado - falei no desespero.

- calma, já passou... - ele falou apertando mais o abraço.

- você vai me pagar! - gritou o rapaz sendo levado e com o rosto todo cortado e Shawn me soltou.

- Shawn... - falei indo pra detrás dele e agarrando na sua camisa.

- aproveite seu tempo na cadeia seu desgraçado! - ele gritou.

- foi você causou aquilo no rosto dele? - perguntou Gaby.

- eu tava me defendendo e joguei um vaso nele pra me soltar, sem contar que eu provoquei ele com um tapa na cara - falei.

- eu pensaria isso vindo de qualquer outra pessoa menos de você Eduarda - falou o reitor aparecendo.

- ele abusou da Nina e a Eduarda queria fazer justiça com as próprias mãos e aconteceu isso - falou Shawn.

- certo, que não se repita mais, vão pra os seus respectivos quartos - falou o reitor.

- sim senhor - falamos baixo.

- eu não quero ir pro meu quarto... - falou Gaby.

- por que? - perguntei andando entre ela e Shawn.

- a Fernanda é insuportável - ela falou.

- pior que não podemos fazer nada por você, desculpa - falou Shawn.

- sem problemas, eu consigo aguentar ela nesses três dias - ela falou.

- acho que eu preciso de um banho e uma boa tarde de sono - falou Shawn e veio um rapaz dos cabelos pretos e baixinho em comparação a Shawn e deu um abraço na Nina.

- estava tão preocupado... - ele falou.

- bom já estou aqui, gente esse é João, um amigo meu e colega de quarto também - ela falou.

- muito prazer em conhecer vocês - ele falou.

- João, esses são Shawn, Eduarda, Gabrielly e Ricardo - ela falou em ordem de como estávamos.

- você não é a moça que pegou briga agora? - ele perguntou a mim.

- ela mesma, essa imprudente - falou Shawn.

- queria sua coragem - falou João.

- só fui corajosa por um certo tempo, sou muito medrosa, mas ele é mais medroso que eu - falei devolvendo a mesma moeda a Shawn - ele tem medo de barata - falei rindo.

- eu não acredito que você contou... - ele falou rindo de vergonha.

- bom, já vamos, eu vou trocar de roupa e ele vai tomar um bom banho, tá fedendo - falei.

- ela fala na cara, gosto disso, pessoas sinceras - ele falou e o empurrei saindo de lá se não ele não ia sair.

Ele resolveu ir por conta própria e me levou pra o nosso quarto mais um pouco a frente. Acho que de agora pra frente é só lazer... é o que eu espero.


Notas Finais


Homens tem seus defeitos... 🌚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...