História Amizade virtual e suas coincidências - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Junshua, Meanie, Não Sei Usar Tags Direito, Texting
Visualizações 201
Palavras 1.435
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláaaaa humanos, mais um capitulozinho feito com muito amor.
Tenham uma boa leitura.

Capítulo 7 - Até o chão o Jihoon desce


Wonwoo

Demorou para eu lembrar qual era minha senha do Fastalk, mas quando conseguir entrar em minha conta logo vi que tinha mensagens de Junhui – admito que foi muito vacilo da minha parte deixar ele no vácuo por quase uma semana, mas se ele ainda está falando comigo, então tudo bem.

- Wonwoo-ssi! – Ouvi Soonyoung gritando na frente da porta do meu quarto. Jurava que ele tinha desistido – Por favor! – Sim, ele estava usando a voz manhosa de aegyo comigo. Aí vocês se perguntam, e o que tem demais nisso? Bom, talvez o simples fato dele parecer uma criancinha e se tornar muito difícil não fechar a porta com tudo na cara dele.

- Soonyoung, eu não quero ir, aceita logo. – Respondi.

Na hora, Jun se despediu falando que ia cuidar de coisas de paternidade e tudo mais, me deixando sozinho para encarar meus amigos.

- Wonnie, eu e o Jihoon realmente queremos você lá. – Juro para vocês que o tom choroso na voz dele só aumentava

- Eu não quero nada não! – Ouvi Jihoon gritando.

- Por favor, para de ficar trancado em casa. – Suspirei bem fundo, e fui até a porta.

- Te conheço a seis anos e não sei como esse seu aegyo barato ainda funciona comigo. – Reclamei

- É porque no fundo você gosta. – Falou sorrindo sacana.

- Wonnieee. – O imitei com todo o direito de voz manhosa e o tom de voz fininho de Soonyoung.

- Você vai?

- Vou né, fazer o que.

- Licença. – Jihoon falou entrando no meu quarto.

- O que você está fazendo? – perguntei

- Já vou escolher sua roupa, te conheço Jeon, sei que vai se trancar no quarto com desculpa de se trocar e não vai sair mais.

Nesse momento percebi o quanto meus amigos me conheciam, praticamente o plano estava todo bolado para evitar um não meu. Isso que eu chamo de amizade, por mais que odeie a situação.

...

- Wonwoo hyung, seja bem-vindo, finalmente te tiraram de casa! – Olhei bem para o rosto da pessoa para ter total certeza de que ele não estava falando comigo, mas fiquei surpreso ao perceber que era mesmo. O garoto estava na entrada do local recebendo todos os convidados.

- Oi, obrigado mesmo. Milagres acontecem. – Respondi tentando soar amigável e ainda rindo. Ao nos afastarmos perguntei a Soonyoung quem ele era.

- Você não lembra do Seokmin? – Ele perguntou confuso, então minha cabeça simplesmente lotou de memórias. – A festa é dele e de mais dois amigos.

Durante o lançamento do meu primeiro livro, Seokmin era um dos leitores que mais me apoiou, consequentemente ele era amigo de Soonyoung, então acabou se tornando um tipo de amigo para mim também, mas com a ansiedade e a falta de vontade de sair se tornando maior que eu, nossa amizade acabou a ficar de lado. Admito que estou me sentindo horrível agora.

Por que você é assim Wonwoo?

- Ei, vou ali cumprimentar um pessoal, logo encontro vocês certo? – Jihoon avisou e foi andando até um grupo de pessoas, aparentemente, músicos também.

- Vamos, quero beber alguma coisa. – Fui sendo arrastado por meu amigo até o aparente bar, onde haviam algumas pessoas já.

Se bem que, reparando bem, já havia bastante gente aqui. Pessoal animado dançando, conversando e havia até um canto em especifico onde alguns jogavam aqueles clássicos jogos de bebida. Como esperado de uma festa.

- Duas cervejas, por favor. – Soonyoung pediu a garota que atendia ali.

- Você vai beber? Soonyoung-ah, você sabe que não pode beber. – Reclamei.

- Vou sim, e eu sei bem disso okay? – Respondeu. Jihoon que cuide dele depois, eu me recuso a isso.

Antes que eu pudesse responder, um menino começou a falar com ele sobre algo da faculdade, não prestei muita atenção e comecei a procurar com o olhar pessoas que eu conhecia. Achei Seungkwan em uma rodinha consideravelmente grande, onde Seokmin estava também. Me assustei a encontrar Chan ali, afinal o menino ainda era menor de idade... ou não era mais? Dúvidas. De qualquer jeito, acabei reparando que no grupo onde o mais novo estava, o filho do dono da padaria também estava. Senti a vergonha tomando conta do meu ser e decidi fingir que nunca o vi na vida.

...

Olhei o relógio, eram 01h34, porém Jihoon e Soonyoung não pareciam nem um pouco cansados. Ao contrário, depois de nos juntarmos a Seungkwan as coisas simplesmente animaram mais.

Entretanto, o verdadeiro ponto alto foi quando Seokmin – que não estava muito lá em si -, anunciou um concurso de dança improvisado na pista. Só isso foi o suficiente para Soonyoung sair correndo de onde estávamos até lá, e ele não era o único.

- Que ridículo. – Jihoon resmungou. – Vou ter que filmar isso. – E tirou o celular do bolso já se colocando pronto para filmagem.

- Serão tocadas três músicas, quem sobreviver até a última sabendo a coreografia ganhará... Uma panela de arroz elétrica! – Seok parecia até um MC de programa popular, só ele para fazer o prêmio parecer algo legal. Mas bem, ninguém estava muito em si, então.

- Grava você.

- Oi?

- Você tem noção do quanto a gente precisa de uma panela no nosso apartamento? Wonwoo, você queima arroz toda vez. – Jihoon explicou e saiu correndo para a pista, assim não perderia a primeira música.

E eu achando que meu amigo estava sóbrio, ilusão. Jihoon é realmente aquela pessoa que muda da água para o vinho do nada. Vou é gravar no meu próprio celular, já pensou se gravo no dele e ele apaga? Isso vai para o arquivo especial de homenagem de aniversário.

Ou pelo menos esse era o plano, até o filho do dono da padaria parar do meu lado.

- Seus amigos? – Ele perguntou.

- S-sim. – Que bela hora para gaguejar.

- Um dos meus está lá também, o que está se achando ali dando dab. – Ele falou e apontou para o mesmo. Ri para no mínimo parecer simpático.

- Acha que ele vai se sair bem? – Perguntei.

- Como bom amigo tenho que esperar que sim, mas ele está um pouco bêbado demais.

- Digo o mesmo dos meus. – Falei, e ele riu. Um sorriso desses, só pode ser um ser abençoado.

Então a música começou a tocar e eu fiquei indignado com a facilidade da primeira música. Touch my body? Sério? Se eu soubesse que era assim tinha ido, quando essa música estava em alta eu passei o verão todo dançando ela junto com os meninos. Aí vocês vão me perguntar, é isso que vocês fazem da vida de vocês? Pois é, é isso mesmo.

Eram umas dezesseis pessoas dançando juntas, parecia divertido até. Porém, quando a música trocou para Monster do Exo que o ponto alto começou. O número de pessoas diminuiu para sete, entre eles estavam meus amigos e o amigo do filho do dono da padaria – chamar ele assim leva muito tempo, socorro.

Bem, os sete estavam mandando bem, até chegar a parte do Suho. Claramente essa parte da coreografia foi feita para grupo, porém como era cada um por si cada um fingiu estar segurando um Suho imaginário e já era, mas temo a dizer para vocês que bêbado é uma raça que precisa de cuidados e estudo cientifico.... Pois é, o Soonyoung não estava em seus sentidos, então ao invés de pensar em segurar um Suho imaginário ele simplesmente quis ser o Suho.

Foi a única hora que me arrependi de ter parado de gravar. Foi a melhor queda que vi de Soonyoung em seis anos de amizade. Crianças, aprendam com isso que não se deve deixar ele beber, assim nunca mesmo.

- Esse foi o ponto mais baixo de toda minha existência. – Ele falou se jogando nos meus braços.

- Eu te disse que você não podia beber, idiota. – Falei dando tapinhas nas costas dele. Olhei para o lado, mas o sonho em forma de humano não estava mais ali. Bosta.

Pelo menos, as cenas seguintes compensaram o fato anterior. Quando Monster terminou, fomos surpreendidos por Wiggle Wiggle do HelloVenus. O número de pessoas desceu para três: duas meninas e meu querido amigo, Jihoon.

- REBOLA ESSA RABA, JIHOONIE! – Soonyoung gritou do meu lado.

E, pessoal, ele realmente estava rebolando aquela raba.

Sair de casa hoje valeu muito a pena.

Quando ele veio caminhando até nós com a caixa da panela elétrica de arroz, seu rosto estava totalmente vermelho, mas ele apenas entregou o negócio pra mim, e apontou para nós dois dizendo:

- Quando Lee Jihoon quer algo, ele consegue.

E a partir daí, nunca mais duvidei disso.

Adeus, arroz queimado.


Notas Finais


Não sei o que achar do que acabei de postar, então essa vai ser mais uma nota final inútil, desculpa sjbkjfbk.
Espero que tenham gostado, e até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...