1. Spirit Fanfics >
  2. Amnésia - Rafael Lange >
  3. New friend

História Amnésia - Rafael Lange - Capítulo 4


Escrita por: e _-Myahh-_


Notas do Autor


A edit da capa ficou meio bugada, mas ok.
Me empolguei e o cap ficou mais longo do que eu esperava, k

Capítulo 4 - New friend


Fanfic / Fanfiction Amnésia - Rafael Lange - Capítulo 4 - New friend

Rafael Pov's

Chegamos rapidamente em meu prédio. Alyssa parecia um pouco nervosa, então tentei tranquiliza-la dando um sorriso calmo em sua direção, o que aparentemente funcionou, já que ela sorriu de volta. Entramos no elevador, estava tudo tranquilo até um grupo de pessoas entrar e ficarmos todos expremidos lá dentro. Sinto Alyssa me abraçar a esconder o rosto em meu peito, então logo retribuo o abraço e olho para ela, que olha de volta para mim e ficamos assim, nos encarando por um tempo até as pessoas saírem. Assim que as pessoas saem, as portas do elevador de fecham novamente e ele começa a subir para o meu andar. 

– Rafael? - Ela pergunta enquanto me encara. Não sou capaz de responder, me sinto hipnotizado por aqueles brilhantes olhos verdes, a única coisa que faço é colocar a mão delicadamente em sua bochecha e a beijar em seguida. Ela retribui o beijo e só nos separamos quando as portas do elevador de abrem novamente.

Seguro sua mão e andamos até a porta de meu apartamento, apenas solto sua mão quando pego minhas chaves e abro a porta. Eredin vem correndo até nos e eu o pego no colo, logo entrando no apartamento junto de Alyssa.

– Qual o nome dele? - A garota pergunta ao fazer carinho na cabeça de Eredin, que se alegra e logo começa a lamber a mão da loira.

– Eredin. - Respondo enquanto entrego Eredin para ela com um sorriso, que se acomoda em seus braços.

– Ele é tão fofo. Iti, meu deuso. - Ela diz com uma voz fofinha.

– Eu tenho uma live para fazer, ok? Volto daqui a uma ou duas horas. - Vou andando em direção ao quarto em que geralmente gravo, mas paro ao sentir uma mão segurar meu pulso.

– E-Espera! - Olho confuso para ela que me solta logo em seguida. – Eu só... Queria te agradecer por me ajudar. 

– Não precisa agradecer, sério. – Dou um beijo em sua testa e dou um sorriso, logo adentrando o quarto e indo em direção ao meu computador, assim iniciando uma live.


Alyssa Pov's

Me sentei no sofá e fiquei brincando com Eredin por algum tempo enquanto assistia um filme aleatório na tv. Já estava ficando com sono quando ouço alguém bater na porta e logo acordo. 

Não sabia se deveria atender ou chamar Rafael, mas como ele estava ocupado, resolvi atender. Assim que abro a porta, dou de cara com uma garota com cabelos platinados e belos olhos claros que se arregalam quando me vêem.

– Oi... Rafael está? - Ela pergunta meio confusa e surpresa por me ver ali.

– Sim, mas ele está fazendo uma live. Você... Quer entrar? 

Ela assente com a cabeça e logo adentra o apartamento. Não demora muito para Rafael sair do quarto em que estava quase o dia inteiro. Ele olha para Gabi e arregala seus olhos azuis.

– Gabi? O que está fazendo aqui? - Ele pergunta surpreso.

– Vim te visitar, Cell. Mas parece que você já está com visita. - Ela sorri meio sem jeito.

– Alyssa, essa é minha amiga Gabi. Gabi, essa é a Alyssa, ela vai morar aqui por um tempo. 

Quando Rafael termina de falar, Gabi olha surpresa para mim e depois dá um sorriso sem graça. 

– É um prazer. - Entendo a mão para ela, que me cumprimenta e depois volta toda a sua atenção para o loiro.

– Eu ia convidar você para irmos comer alguma coisa no café que abril no final da rua. 

– Ah, claro. Quer ir também, Alyssa? - Rafael pergunta e eu fico um pouco indecisa. Não queria atrapalhar, mas por outro lado, já estava ficando com fome, e poderia conhecer a Gabi melhor. Acabo por afirmar com a cabeça.

– Vamos, então! - Gabi sai do apartamento, seguida por mim e depois Rafael.

Fomos andando até a cafeteria e chegamos logo. Assim que chegamos, sentamos em uma mesa e eu decidi sair para fazer os pedidos para deixa-los conversar em paz.

– O que deseja, senhorita? - O atendente pergunta enquanto direciona um sorriso para mim. 

– Um café, um chá e um chocolate quente. - Respondo e retribuo o sorriso. Enquanto os pedidos são feitos, fico conversando com o atendente, o que não parecia ter problema, já que a cafeteria estava quase vazia.


Rafael Pov's

Alyssa havia ido pedir nossos pedidos já se faziam alguns minutos. Eu e Gabi conversavamos calmamente sobre coisas da Twitch, até que olho para o lado e vejo Alyssa conversando e rindo com o atendente do café. Gabi nota que estou distraído e segura minha mão.

– Rafa, tá tudo bem? - Ela pergunta preocupada.

– Claro, mas a Alyssa tá demorando. - Digo voltando minha atenção para Gabi.

– Deixa a menina flertar em paz, Rafael. - Ela ri. Sinto uma pequena raiva dentro de mim que não sou capaz de compreender. Eu não poderia estar com ciúmes, poderia?

– FLERTAR?? - Pergunto meio histérico já me levantando.

– Claro, é óbvio que ele está dando em cima dela. - Levanto e vou andando até os dois, ignorando Gabi. – Rafael, espera!!

Chego no balcão e me aproximo de Alyssa, que até então ria com o atendente. 

– Oi, Rafa! - Ela me abraça e eu retribuo. – Eu já estava voltando com os nossos pedidos.

– Precisa de ajuda, senhorita? - O atendente pergunta.

– Não precisa, deixa que eu ajudo. - Pego o chá de Gabi e o meu café, andando com Alyssa de volta para a nossa mesa.

Assim que nos sentamos, Alyssa fica calada, apenas bebendo seu chocolate quente. Gabi logo decide puxar assunto com ela.

– Então, Alyssa, o que você faz da vida?

– Como assim? - Ela olha confusa para Gabi.

– Com o que você trabalha? - Gabi insiste.

– Eu... - Ela olha para mim como se pedisse ajuda. 

– Alyssa está desempregada no momento, por isso vai morar comigo por um tempo. - Me sinto um pouco mal por mentir, mas acho que Alyssa não gostaria que eu contasse para todos que ela não se lembra de nada.

– É, eu estava conversando com o atendente por causa disso, estava perguntando se precisavam de garçonetes, já que acabaram de abrir. - Alyssa explicou e eu me senti aliviado de alguma forma.

– Ah, achei que estivesse flertando com ele. - Gabi diz brincalhona e Alyssa ri, apenas eu permaneço com um semblante sério.

– Não, eu sou tímida demais pra isso. - Ela sorri, mas quando olha para mim seu sorriso desaparece. – Rafael, você está bem?

– Ele tá sim, só está com ciúmes. - Gabi me provoca.

– Ciúmes? - A loira pergunta, mas logo me abraça. – Aaaaah, que fofo. - Dou um beijo em sua bochecha.

‹🍒›

Já estava anoitecendo, então Gabi foi embora e eu e Alyssa voltamos para o apartamento.

– Alyssa, o banheiro é ali. Quando quiser tomar banho é só me avisar que eu te entrego uma roupa minha. - Aviso e ela assente com a cabeça.

– Acho que prefiro tomar banho agora. - A loira diz meio tímida e eu vou para o meu quarto pegar uma roupa e uma toalha. Enquanto isso, ela entra no banheiro e eu ouço o barulho do chuveiro. Assim que o barulho para, eu entro no banheiro de olhos fechados com uma toalha e um “pijama” meu, que na verdade, eram uma calça de moletom preta e um blusão cinza. 

– Alyssa? Eu trouxe uma roupa e uma toalha pra você... Alyssa? - Ouvi passos se aproximando e logo depois um barulho como se ela tivesse escorregado e caído no chão. – Tá tudo bem?? 

– Ai, tá sim...

Procurei o vaso sanitário e deixei as roupas com a toalha em cima dele, em seguida procurando a loira ainda com os olhos fechados. 

– Eu te ajudo, só... É melhor eu não abrir os olhos. - Sinto Alyssa segurar minha mão, e em uma tentativa falha de tentar ajudar ela a levantar, acabo escorregando e caindo junto, ouvindo o riso da loira em seguida. – Droga.

– Tá tudo bem, eu te ajudo a achar a saída. - Nos levantamos e ela segura minha mão, me guiando até a saída. Quando nossas mãos se tocam, posso sentir algum tipo de eletricidade, mas decido por ignorar. Assim que saio do banheiro, finalmente abro meus olhos.

– Eu estava pensando em comprar uma pizza. - Digo enquanto espero ela trocar de roupa.

– Acho que é uma boa ideia. - Ela sai do banheiro. Seus cabelos estavam molhados e minhas roupas ficavam grandes nela, mas ela continuava linda mesmo assim.

– Okay, eu volto daqui a alguns minutos. - Dou um pequeno abraço nela e saio do quarto, e em seguida, do apartamento.


Alyssa Pov's

Rafael havia saído já se fazia uma meia hora. Eu estava novamente assistindo tv com Eredin em meu colo até ouvir batidas violentas na porta. Fiquei assustada e abracei o cachorro em meus braços, que latia com raiva para a porta que poderia se quebrar a qualquer momento. As batidas ficavam cada vez mais fortes. Porém, a pessoa para de bater e um silêncio assustador se instala, até que vejo um envelope passar pela fresta da porta. 

Quando Eredin se acalma e para de latir, eu o solto no sofá e ando lentamente até o envelope, pegando o mesmo e o encarando. O que foi tudo aquilo? Quem estava quase destruindo a porta? Que envelope é esse???

Meus pensamentos são interrompidos por um telefone tocando. Olho para o lado e vejo que é o celular de Rafael, o nome de Gabi estava na tela. Corro até o celular e o atendo.


Chamada ON

Gabi: Alô? Rafa?

Alyssa: O-O Rafa saiu...

Gabi: Alyssa,  tudo bem???

Alyssa: Não, eu tô com muito medo! Tinha alguém batendo igual a um doido na porta e depois passaram um envelope pela fresta, acho que estão tentando me assustar.

Gabi: Pode ter sido apenas o sindico do prédio passando pra pedir o pagamento, sei lá.

Alyssa: Não era, eu sei que não era. As batidas eram muito violentas, parecia que a porta poderia quebrar a qualquer momento. Me ajuda, por favor.

Gabi: Calma, ok? Eu estou indo aí agora! 

Alyssa: O-Okay...

Chamada Off

Quando eu desligo o telefone, fico encolhida no sofá fazendo carinho em Eredin tentando não chorar de puro medo, após alguns minutos, ouço mais batidas na porta, mas dessa vez ouço a voz de Gabi.

– Alyssa, abre a porta, sou eu! 

Vou correndo até a porta e a abro, dando de cara com Gabi. Quando ela me vê, ela me abraça e eu começo a chorar. Mesmo tendo a conhecido hoje, já me sentia próxima dela de alguma forma, a mesma coisa com o Rafael. É como se eu já conhecesse-os há anos.

– Tá tudo bem, eu tô aqui agora. - Ela acaricia meus cabelos e fecha a porta do apartamento. – Quer que eu faça um chá de camomila pra você? É bom pra se acalmar. 

– Não precisa, só de saber que não estou mais sozinha já me sinto mais calma. - Seco minhas lágrimas, mas elas insistem em voltar. Acho que perder minhas memórias e o acidente me deixaram mais frágil.

Dito isso, alguém volta a bater na porta, mas não violentamente. Gabi procura uma frigideira nos armários, e quando acha, vai até a porta, a abrindo e batendo na pessoa com a frigideira.

– AI!!









Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...