História Amo por interesse - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Lésbica, Romance, Suspense, Trafico De Mulheres
Visualizações 224
Palavras 1.679
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um capítulo pronto espero que gostem, cometem e digam o que acharam.

Capítulo 13 - Quais são as suas intenções com minha neta?


 ***Rebeca***

Meu pai sempre disse pra mim, o quão feliz ele era com a mamãe, mas também me disse o quanto de desafio ele enfrentou pra casar com ela,meu pai contou que o vestido  da mamãe foi perfeito as cores brancas e rosa de seu vestido a deixa linda e que seus olhos castanhos brilhavam nesse dia.
Ele sempre diz pra a mim que a amava muito, mas que muitas das vezes ele foi covarde por não te enfrentado a minha avó todas as vezes que ela xingava a minha mãe de puta, ele me contou que a vovó não foi no casamentos deles porque a minha mãe era garota de programa, minha avó diz pra mim o tempo todo que meu pai cometeu um erro terrível de ter se casado com uma puta mas meu pai sempre sentou comigo e esclareceu tudo dizendo que minha mãe nunca foi prostituta mas eu não sei se ele de fato estar falando a verdade.
Sei que ele amava a mamãe de verdade mas talvez ele não conta do passando dela com medo de me machucar, assim como a vovó o machucou todas as vezes que ofendeu a minha mãe.
Esses dias eu ouvir a vovó dizer pro papai que a melhor felicidade que ele pode ter agora com a ausência da minha mãe é o dinheiro, que ele precisa se dedicar ao trabalho e consegui mante o luxo que nós  temos, fiquei triste ao vê o meu pai abatido mas quando ele disse que se dedicaria mas a mim eu fiquei feliz! Meu pai é o melhor pai do mundo, mas ultimamente ele anda ausente e eu senti muito a falta dele e te-lo novamente me fez vibra muito.
Acordei fiz minha higiene matinal e coloquei outro pijama, até que decidir sair um pouco pois eu precisava, desci as escadas gritando o e pai nada dele.

— PAPAI... PAPAI EU PRECISO DE DINHEIRO PRA SAIR. — Grito descendo as escadas hoje eu não teve aula por causa da olimpíadas de futebol. — PAPAI...PAPAI... —Grito ele se aproxima da escada e me espera desce. — Oi papai bom dia. — Digo o abraçando e ele beija meu rosto.

— Já são meio dia, meu amo. — Diz tocando na ponta do meu nariz.

 —Pai eu preciso de dinheiro, hoje eu pretendo ir ao cinema com a Ana Clara e também quero compra um presente pra ela já que estar chegando o aniversário dela. — Digo e ele sorri e da um beijo no meu rosto.

— Eu estou feliz por vocês ter voltado a se fala, sei que gosta dela de verdade o que me deixa bastante aliviado pois não precisará mas fingi ser amiga dela pra me agradar. — Diz meu pai e eu revirei os olhos enquanto ele pegava sua carteira. — Aqui, se divirta! Agora eu precisa da uma saída em breve estarei em casa...papai te ama. — Diz meu pai sorrindo dando outro beijo no meu rosto e sai em seguida.
Sento sob a mesa, tomo um copo de suco, como um pedaço de bolo e logo após te tomado meu café da manhã eu subo as escadas e ligo pra Ana Clara.

                      Ligação On

Eu:Oi Ana, como você estar?

Ana: Estou bem  e muito feliz! estou nesse momento arrumando minhas roupas no Guarda roupa, me mudei hoje com a vovó, estou morando com ela agora.

Eu: Quer ajuda?

Ana: Eu não quero tira você de sua casa só pra vim me ajuda.

Eu: Faço questão de te ajudar,  aí quando acabamos a gente vai ao cinema que tal?

Ana: Tá bom eu vou adorar sair com você, mas sem beijos ok?

Eu: Ok mandona! Só vou troca de roupa e ir na sua casa, só não esquece de me manda o endereço pelo Whats.

Ana: Até daqui a pouco.

                   Ligação Of

Finalizei a ligação, me arrumei e peguei minha mini mochila chamei o uber passando o endereço pra onde eu irei pra ele e logo o motorista do uber chegar e me leva pro local desejado, fiquei um pouco assustada em vê que a Ana mora perto de uma comunidade olhei meu celular e vi que o motorista me deixou em frente a casa dela, apertei a companhia e logo um homem de terno me atende e me leva até a sala principal.
A casa era antiga, os moveis eram de madeira e a decoração até que era bonita mas ainda prefiro a decoração da minha casa,  olho em volta de vejo alguns relógios antigos, tudo na casa era antiga até mesmo o sofá.

— Oi mocinha. — Diz uma senhora com cabelos brancos e com toda certeza era a avó da Ana Clara. —Você deve se a Rebeca... acertei? —Perguntou sorrindo pra mim e eu afirmei que sim.

— Sim sou a Rebeca amiga da sua neta. — Digo e ela me da um abraço, a avó da Ana e tão fofa e carinhosa.

—Prazer em conhecer a amiga da minha bebê. — Diz a senhora  e eu dei risada e a Ana Clara aparece toda corada.

— Vovó eu não sou mais um bebê. — Diz Ana Clara toda vermelha.

— Você é minha bebezinha Ana Clara, e Rebeca pode me chamar de vovó. — Diz e a Ana me olha toda sem graça. — O almoço estar quase pronto, assim que eu prepara a mesa eu chamo vocês. — Disse e logo saiu deixando eu e a Ana Clara sozinha.
Ela me olhou sem graça, colocou uma mecha de cabelo atrás da orelha,olhou para trás para verificar se a avó estava nos olhando e rapidamente selou nossos lábios me fazendo sorri feito uma criança que ganhou  pirulito.

— Vim pedi permissão pra sua avó para te leva ao cinema. — Digo segurando suas mãos e ela me olha sorrindo mordendo os lábios inferior.

— Acho que ela vai deixa. — Diz olhando em meus olhos e logo a avó dela nos chama para almoçar.
Nós nos assentamos a mesa  sem antes lava as mãos e a avó dela ficou uma fera e pediu para lavamos as mãos e nós fomos até a cozinha lavamos nossas mãos e enxugamos as mesmas.
Tornamos a se assenta sob mesa, e arrumamos nossas comidas e a vovó da minha garota não parava de me olha o que me deixando super sem graça e quando eu abaixei a cabeça ela perguntou qual  era as minhas intenções com a neta dela e eu acabo me engasgando.

— Sei que não estar aqui pra almoçar com a gente, quais são as suas intenções com minha neta? —Perguntou séria me assustando e eu me engasgo.
Mas rapidamente recebi ajuda da Ana Clara e volto ao normal e sem deixá eu respira ela faz a mesma pergunta. — Ainda não disse as suas intenções com a minha neta. — Diz e a Ana Clara se manifesta.

— Vovó você estar deixando ela sem graça. — Diz Ana Clara e eu a olho.

— Mas essa é a intenção! Preciso sabe o que ela pretende com você querida. — Diz a senhora e logo a respondo fazendo a mesma presta atenção em mim.

— Minhas intenções com sua neta são as melhores senhora. — Digo olhando em seus olhos sem pisca pra ela ter confiança em mim.

— Espero que seja mesmo, minha neta é uma menina de ouro. — Diz e logo a Ana Clara se manifesta.

—Vamos come pessoal? Melhor coisa a se fazer. — Diz Ana Clara toda vermelha e logo em seguida comemos em silêncio, em um absoluto silêncio até que a avó dela toca no assunto da festa de aniversário.

— Já sabe o tema da sua festa meu amo? —Perguntou e ela negou.


— Ainda não vovó, mas eu pretendo fazer do unicórnio mas eu não quero chama o colégio todo, só quero na minha festa os mais íntimos. — Diz e a avó dela a observa concordando.

— Falta apenas uma semana pro seu aniversário! Estar animada? —Pergunto e dessa vez ela afirma que sim com a cabeça.

— Estou! Dessa vez eu quero comemora, minha avó vai estar presente, minhas amigas e você então eu tenho mil motivos pra comemorar meu aniversário. — Diz endireitando os óculos em seu rosto.

— Estou feliz por querer comemora seu aniversário, vou fazer tudo perfeito pra você. — Diz a mais velha  e logo o tornamos a come, aproveitei e perguntei se eu podia levar a Ana Clara ao cinema.

— Senhora? —Chamo.

— Sim. — Responde olhando pra mim.

— Eu posso levar a Ana Clara ao cinema? Eu prometo que vou cuidar bem dela e que vou traze-la em segurança pra casa. — Digo ela não responde apenas olha pra mim e em seguida olha pra Ana clara e logo após olha pra mim.

— Tem certeza que vai ao cinema? ou é uma desculpa pra leva a minha neta ou hotel? —Diz e eu a olho boquiaberta.

— Eu...Eu  só quero levar ela pro cinema senhora eu juro. — Digo gaguejando e ela me olha nos olhos e autoriza.

—Podem ir, mas quero ela em casa ás 18h se passa disso a responsabilidade vai ser sua e eu não confiarei mais em você!  18h em casa sem nenhum  minutos a mais, se divirta mas no limite posto por mim. — Diz a senhora falando sério me deixando assustada e eu olhei da Ana Clara que me olhou rindo e eu sorri de volta.
                      (...)
Nós fomos até o banheiro, ela escovou os dentes e me deu uma escova nova pra mim escova os meus, assim que terminamos ela pegou sua bolsa se despediu da avó com um beijo no rosto e logo saímos de sua casa e fomos ao cinema juntas.
Eu estava morrendo de medo da avó da Ana Clara e não quero me atrasar nenhum minutos quando eu deixa-la em casa novamente. Quero muito ganha a confiança da avó dela, e se essa é a oportunidade quero fazer bom uso dessa minha primeira oportunidade.










Notas Finais


Obrigado por lerem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...