História Amo por interesse - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Lésbica, Romance, Suspense, Trafico De Mulheres
Visualizações 228
Palavras 2.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um capítulo pronto gente espero sue gostem, cometem dizendo o que acharam e se gostarem favorite.

Capítulo 14 - Missão presente


  ***Ana Clara***

Minha avó me deixa constrangida as vezes, mas mesmo assim a amo demais, eu já estava vermelha de tanta vergonha pois ela ficava falando o tempo todo que eu era sua bebê perto da Rebeca me deixando completamente corada.
Eu nunca fiquei tão sem graça na frente da Rebeca como hoje, mas por um lado eu gostei de ter almoçando com a vovó e com a Becca. Minha querida vovózinha ficou aterrorizando a Becca que estava assustada com a maneira da minha avó...Ela ficou com tanto medo que passou a metade do caminho falando  que as 17:30 iríamos ir embora e olha que ainda são 13:30.
Chegamos no shopping fomos ao cinema e antes de decidir o filme nós duas discutimos pois ela queria ver filme de romance e eu queria vê filme de terror e acabamos tendo nossa primeira briga de casal perto da atendente.

— Ana Clara eu quero vê comédia romântica, o que custa você vê comédia uma vez na vida. — Diz Rebeca olhando pra mim e eu neguei a deixando estressada.

 — Não! Becca eu quero vê filme de terror, eu sei que morre de medo mas vamos vê filme de terror...Eu prometo que na próxima vez que saímos para ir ao cinema você escolhe o filme. — Digo olhando pra ela que bufou e eu selei nossos lábios para a convencer.

— Tudo bem, mas é só hoje. — Diz e logo em seguida pagamos o ingressos e a pipoca.
Pegamos a pipoca, os refrigerante e os chocolates que compramos e fomos para a nossa sessão, sentamos e ficamos esperando o filme começa e nos beijando muito, no começo eu estava um pouco tímida mas as pouco eu me soltei e correspondi a todos os beijos.
Tenho um pouco de medo de beijar em público, a verdade é que sou insegura com algumas coisas, mas a Rebeca me passa segurança é estranho tudo isso que estou vivendo, eu nunca havia sido beijada antes e agora estou quase namorando a garota mais popular do colégio.

— Estou com medo amo... — Sussurrou segurando meu braço e eu selei nossos lábios mas ela toma um susto quando o pessoal grita e entorna refrigerante em sua roupa. — DROGA... — Grita ao vê seu short molhado. —Agora estou toda molhada, que droga  estou ficando incomodada com essa roupa. — Diz tocando na mesma ela estava com medo agora estar com medo, nervosa e molhada.

— Quando o filme acaba você compra uma peça de roupa e tudo se resolve. — Digo e ela me olha com a cara fechada e torna a olha pro filme e eu acabei rindo dela por ela estar estressada.

— Tá rindo de que? Não tem graça Ana Clara, eu estou toda molhada. —Disse nervosa  e o pessoal manda a gente cala a boca.
Assistimos o filme até o final,e toda hora a Rebeca me abraçava saímos da sessão  fomos em uma loja de roupa e ela comprou um short novo, trocou e  ficou mais tranquila quando tornou a ficar seca.

— Estar mais calma? — Perguntei  indireitando meus óculos e ela afirmou que sim.

— Sim! Ana quer comer alguma coisa? —Perguntou e eu neguei com a cabeça enquanto ela segurava em minhas mãos. — Ok, então vamos tomar um milkesk ir à sala de jogos. — Diz fomos até a praça de alimentação, pedimos nossos milkesk de chocolate tomamos e logo em seguida fomos pra sala de jogos, compramos várias fichas e perdemos a metade tentando tirar um urso na maquina e não conseguimos pega nenhum.
Depois de ter gastado a metade das fichas,fomos gasta a outra metade com jogo de vídeo game, ficamos jogando juntas mas a Rebeca era muito ruim jogando e acabou morrendo rápido demais, mas eu continuei jogando sem ela.

—Precisamos ir embora  Ana Clara, já são 17:35. — Disse perto do meu ouvido me atrapalhando um pouco por sorte eu não perdi a vida no jogo.

— Só mais cinco minutos Becca. — Respondo concentrada no jogo e pulo do penhasco a baixa passando de nível e vibro, olho pra ela rapidamente e ela estava olhando o relógio.

—Ana vamos por favor, não quero perder a confiança da sua avó. —Diz mas eu finjo  não escuta eu estava quase passando de nível e quando eu passo ela novamente diz a hora. — Já são 17:40 vamos. —Diz e eu acabo morrendo perde a minha vida e as fichas tinha acabado.
Depois de ter curtido a tarde com ela, nós  voltamos pra casa e a Rebeca estava realmente preocupada com  a hora e logo em seguida da um grito chamando minha atenção.


—DROGA... —Reclamou de algo que eu não sabia o que era.

— O que foi? —Perguntei confusa.

— Nada, eu só esqueci de comprar seu presente. — Diz olhando pra mim.

— Ainda falta uma semana, pro meu aniversário e não precisa compra presente. —Digo e ela rebate colocando o sinto de segurança.

— Precisa sim. —Diz colocando a mão na minha coxa por cima do meu vestido tentando beija a minha boca mas eu viro o rosto. — O que foi? —Sussurrou perto da minha boca.

— Aqui não... O taxista não para de olha pra nós duas. — Falei em um sussurro olhando em seus olhos e ela deu  um beijo em meu rosto se afastando de mim, ela se  virou  pra frente e percebeu que realmente o motorista estava olhando pra gente através do retrovisor.
Ainda faltava cinco minutos pra chega em casa e a Rebeca  ficou aliviada quando apertou a companhia e entramos em minha casa, a minha avó olhou para seu  relógio assim que entramos na sala me olhou em seguida e sorriu e olhou pra Rebeca e logo a deu um abraço.

— Você é pontual chegou um minutos antes do combinado, espero que seja sempre assim! —Diz e logo se afasta da Rebeca e me  abraçar. — E como foi o cinema?  —Perguntou vovó curiosa.

— Foi legal vovó, mas eu queria te curtido mais. — Digo olhando para ela.

— Na próxima quem sabe eu deixo você se divertir por mais tempo. — Diz e eu senti o cheio do seu bolo de fubá.— Fiz bolo meninas vocês vão querer lancha? — Perguntou minha avó e eu afirmei que sim, o bolo da minha avó é irresistível.

— Iremos querer sim vovó, mas nós vamos pro meu quarto. — Digo e ela logo olha pra Rebeca.

— Haja com respeito com a minha neta. — Diz fazendo a Rebeca engoli seco e logo ela sai em direção a cozinha.
Segurei na mão da Rebeca e fomos para o meu quarto, mostrei pra ela como era lindo a decoração antiga do meu novo quarto, mas pela expressão facial dela, ela não gostou muito.
—Meninas aqui estar o lanche de vocês. — Diz vovó entendo no quarto e deixando a bandeja de lanche perto da mesa com meus livros e logo saiu fechando a porta.

— Gostou do meu quarto? —Perguntei e a Rebeca ficou olhando em volta ainda e logo me respondeu se aproximando de mim.

— Gostei do chão de maneira, eles estão bem conservado, gostei da cama deixou o quarto com um aspecto de filme de princesas e gostei dos relógios parece que estamos no filme Alice nos país das maravilhas. — Sussurrou perto da minha boca puxando meu corpo pra si, ela me segurou pela cintura e me beijou.
Seu beijo tinha gosto de chocolate, e aos poucos ela retribuiu os beijos em todo meu corpo parte de mim queria que ela continua-se  mas outra parte queria que ela parasse.
Aos poucos eu senti suas mãos,levantes meu vestido com delicadeza e uma mão segura meu vestido tocando em minha cintura e outra ela afastava a minha calcinha de minha intimidade e acariciava a mesma, meus olhos fecharam com seu toque delicado mas logo segurei a sua mão afastando a mesma de minha intimidade.

— Não estou pronta. — Falei ainda com os olhos fechados e quando os abrir ela estava olhando pra mim. — Não estou pronta Rebeca  desculpa... — Digo me ajeitando e me afastando dela, mas ela me puxa pelo braço.

— Não precisa se desculpa,eu quero apressei as coisas! Nós vamos fazer amo no seu tempo eu prometo que vou esperar o tempo que for preciso. — Diz olhando em meus olhos  e eu a baixei a cabeça eu estava envergonhada por não estar pronta.

— Vamos lancha? —Perguntou pra corta o clima chato e logo sentamos em minha cama e lanchamos.
Conversamos um pouco sobre algumas coisas e depois ela foi embora e eu acabei sorrindo sozinha deitada na minha cama pensando em tudo que aconteceu hoje.
                         (...)

                 DIA SEGUINTE...

Acordo com minha avó me acordando para o colégio,levanto da cama faço minha higiene matinal,me arrumo para o colégio, tomo meu café e espero minha avó pega a bolsa dela para irmos.

                           ***Rebeca***

A Ficha demorou a cair, demorei bastante para admitir que amo a Ana Clara, demorei muito para confessar a mim mesma que sinto algo pela a nerd do colégio, ontem nossa tarde foi quase perfeita mas seria melhor se eu não esquecesse se compra o presente de aniversário dela.
   Acordei com o toque do meu despertador, levantei da cama fiz minha higiene matinal, me arrumei e desci as escadas para toma café e lá estava as duas pessoas que eu odeio, o Lucas e a minha avó.

— PAPAI...PAPAI... — Grito por ele ao vê que ele não estava sentado sob a mesa.

— Seu pai já saiu, e hoje quem vai te leva ao colégio vai ser seu primo. — Diz minha avó e ele olha pra mim sorrindo.

— Vou chama um uber. —Digo e minha avó me olha mas não fala nada.
Tomei meu café em silêncio, assim que terminei peguei minha mochila e sai esperei meu uber do lado de fora da casa e assim que sair meu primo veio atrás de mim e me preencionou contra parede.

— O que você quer Lucas? —Digo enquanto ela me preencionava contra parede me machucado firme.

— Eu só quero entende o motivo de você, te feito aquilo no refeitório! Eu só queria pedir desculpas pra Ana Clara. — Diz e eu rebato fazendo ele fica uma fera.

— Você só queria uma oportunidade pra abusar dela novamente e essa oportunidade você não vai ter novamente. — Digo olhando em seus olhos e ele da um tapa na minha cara mas eu revido dando outro em seu rosto.

—Eu só queria pedir perdão pra garota que eu machuquei mas você estar no meu caminho Rebeca, e se continua terei que toma medidas drásticas. — Diz me apertando com força mas eu me solto de suas mãos.

— E quais medidas seria essa? Abusaria de mim também? — Perguntei com sorriso irônico e finalmente meu uber chega.
Entrei no carro, e o motorista partiu até o colégio.
Assim que ele chegou eu sair do carro, e minhas amigas estavam parada na porta me esperando me aproximei delas as cumprimentei e enquanto caminhávamos elas derrubaram os livros de uma garota de óculos loirinha e riram a Ana Clara estava mechendo em seu armário e viu o que minhas amigas fizeram e rapidamente eu ajudei a menina a pega seus livros o que deixou minha amigas chateadas, mas eu pude vê um sorriso de felicidade que a Ana Clara estava dando me  deixou aliviada.

— O que você estava fazendo heim? A garota podia te pego seus livros sozinha não tinha necessidade de vocês ajudar ela. — Diz Anne e logo ela vê a Ana Clara e rebate. — Ah... entendi a Ana Clara estar ai através mechendo em seu armário por isso você ajudou aquela garota idiota. —Diz Anne e logo a Juliana olha pra trás.

— Aí Anne pega leve, você também já ajudou uma garota por causa da sua paixonite pelo Pedro e você ainda é paixonada por ele. — Diz Juliana lembrando a Anne que eu não sou a única que fez tudo pelo amo até lutar pra mudar o jeito agressivo de ser a gente muda.

—Aí Juliana não precisa lembra. — Diz Anne enquanto caminhávamos até a sala de aula e  eu não parava de pensar no presente que eu daria pra Ana Clara.

— Meninas preciso da ajuda de vocês pra compra um presente pra Ana. — Digo e elas me olha animadas, minhas amigas amam fazer comprar  e me ajuda a compra presente e roupa.

— Adoro te ajudar a escolher as coisas, mas você já sabe o que compra pra ela? —Perguntou Juliana mas eu não fazia idéia do que compra.

— Na  verdade eu não sei, o que dar pra ela de presente. — Digo preocupada sentando na minha carteira e o virando pro lado para olha pra Juliana.

 — Então nós  temos uma missão essa semana. — Diz Anne vibrando.

—  Nossa missão essa semana, é ajuda a Rebeca a escolher um presente pra sem graça da Ana Clara lesada heeeee. — Diz Juliana gritando a por sorte a sala ainda estava vazia. — vem cá como você se apaixonou pela lesada da Ana Clara? —Perguntou e eu revirei os olhos ela só estava me perguntando aquilo pra me provoca então preferir ignora ela.

Os alunos começam a entra, a Ana olha pra mim sorri e se senta em sua carteira a professora entra em sala de aula nos deseja bom dia e sem mais delongas passa a matéria no quadro.


Notas Finais


Obrigada por lerem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...