1. Spirit Fanfics >
  2. Amor Através de Cobrança - Hyunmin;Seungjin >
  3. Bônus

História Amor Através de Cobrança - Hyunmin;Seungjin - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


O extra chegou! Eu agradeço pelos favoritos e por todas as pessoas que leram e gostaram de Amor Através de Cobrança! Um bônus é o que esta história estava precisando 👀

➦ Revisado, porém algum erro pode ter passado despercebido
➦ Boa leitura! ❤️

Capítulo 2 - Bônus


Em meio a tantos goles e tantos tipos de bebidas diferentes, um ano e meio se passou, e nenhum segundo desse tempo foi descartado. Seungmin e Hyunjin continuaram trocando diversas mensagens durante o dia e se encontravam à noite para beber um pouco, aproveitando a companhia um do outro. Porém, eles não puderam continuar com os encontros noturnos. Seungmin entrou finalmente na faculdade que tanto queria e Hyunjin, além de estudar, continuou trabalhando no mercado, agora como repositor de estoque.

Seungmin acabou se distanciando dos poucos amigos que tinha, incluindo Chan. Ele conversava apenas com Hyunjin, e sinceramente, ele pouco se importava, porque o mais velho havia se tornado muito mais importante do que qualquer outra pessoa. Não sabia se estava ficando fora de si por causa da bebida, mas no dia em que beijou Hyunjin, sentiu que estava fazendo algo que queria. O contato íntimo fora em uma das inúmeras vezes em que eles estavam sentados na calçada com uma garrafa cheia em mãos.

Hyunjin não fez nada para impedi-lo, pelo contrário, ele aprofundou o toque e adorou sentir o gosto de cerveja — chegou até a dizer que preferia sentir o sabor através do Kim do que pelo bico da garrafa. Então, nas poucas noites em que conseguiam se ver, se abraçavam e se beijavam, às vezes até deixando o líquido dentro do recipiente de vidro esquentar. Seungmin poderia dizer que deitar na calçada não era muito confortável, mas com o propósito de beijar e ter Hyunjin em cima de si, ele se esquecia disso.

Não houve um pedido de namoro elaborado e bonitinho. Quem pediu fora Seungmin, quando abandonou seus estudos e decidiu fazer uma surpresa, indo aonde Hyunjin trabalhava e esperando até que ele saísse. A primeira coisa que fez foi se preocupar com o cansaço notável do mais velho, se aproximou com cautela e Hyunjin também, que nem questionou sobre o Kim estar ali, apenas o envolveu em seus braços e se aconchegou. Seu cansaço diminuiu em questão de minutos. 

"Você quer namorar comigo?", Seungmin soltou as palavras enquanto caminhavam lado a lado pelo bairro. Hyunjin parou de imediato e não acreditou de primeira, e o Kim só conseguiu fazê-lo calar a boca falando: "Eu quero te apresentar corretamente para minha mãe". No fim, o loiro aceitou e eles terminaram a noite assistindo um filme qualquer no cinema. Eles estavam se amando e aquilo parecia algo surreal para Hyunjin, porque Seungmin também havia se tornado a pessoa que ele queria ver sempre sorrindo e feliz, não importando as circunstâncias. 

Eles haviam proposto para seus pais mais um jantar entre eles, o que os mais velhos acharam muito estranho, mas aceitaram de bom grado. Seungmin não queria fazer delongas, aquilo deixava-o nervoso e ele poderia se embolar nas palavras com a mesma facilidade que tinha em piscar os olhos. Jihyeon ficou boquiaberta e deixou seus hashis caírem em cima do arroz, já Hajun, pai de Hyunjin, se engasgou com o molho da carne. Foi um pouco difícil explicar para eles, e depois de uma longa conversa, Jihyeon soltou: "Gente, o que uma dívida não faz, não é mesmo?!", enquanto ria e pegava seus hashis novamente, limpando os dedos lambuzados.

Após o jantar, Hyunjin e Seungmin comemoraram no quarto do mais novo, se abraçando e trocando carícias, conversando e rindo. "Agora eu posso vir dormir com você sem nenhum problema ou questionamento dos nossos pais!", Hyunjin dizia todo feliz, abraçando o Kim do mesmo jeito que um coala abraça as árvores. Devo dizer que a primeira vez em que Seungmin chamou o Hwang de "amor", o maior teve um treco. Ele não sabia que aquela simples palavrinha causaria um alvoroço dentro de seu peito, Seungmin riu e disse que era daquele jeito que ele se sentia quando Hyunjin o chamava de dandy boy.

Se continuavam bebendo? De vez em quando. Depois que ambos alcançaram a maioridade, bebiam sem nenhuma preocupação. Hyunjin comprava ou às vezes apenas pegava uma garrafa de cerveja do estoque de seu pai e eles já haviam bebido junto com a mãe de Seungmin. Jihyeon não era boba, sabia que Seungmin não iria beber tanto algo que ele não gostasse ou tivesse provado antes, porque no dia de seu aniversário, bebeu quatro garrafas junto com Hyunjin. Ambos foram alertados sobre o quanto era prejudicial, então, decidiram diminuir pouco a pouco o consumo, chegando a ser apenas uma garrafa por semana.

Jihyeon e Hajun eram pais solteiros, e quando a senhora Kim avisou que iria dormir fora, Seungmin deduziu que ela iria em algum encontro com um admirador qualquer. A verdade era que a mulher ainda era nova, e tinha que se divertir bastante, principalmente na cama. O rapaz de cabelos castanhos aproveitou que ficaria sozinho em casa e chamou Hyunjin, para também aproveitarem a noite a sós.

– Você não acha estranho o fato da sua mãe transar? – Questionou Hyunjin, se direcionando ao banheiro da residência.

– Quê? – Seungmin riu, sem entender do que se tratava. – Aonde você quer chegar?

– Tipo, eu não fico pensando: "Nossa, o meu pai transa", muito menos imaginando! Sabemos que é algo normal, mas quando se trata dos nossos pais, se torna algo estranho. Você não acha? – Perguntou, observando o Kim abrir o armário e pegar uma lata de spray de barbear, seguido de um pincel e uma gilete.

– Claro que sim, e só piora quando a gente ouve eles transando. É assustador! – Respondeu, se virando e sentando em cima da pia. – Mas eles têm necessidades, e depois que se acostumam, fica difícil de parar.

– Você vai virar um viciado em sexo, dandy boy? – Brincou, se aproximando do Kim com um sorriso sugestivo.

– Lava o rosto e para de palhaçada. – Repreendeu. Hyunjin parou de rir e lavou o rosto com água quente, secando-o com uma mini toalha e voltando a se encaixar entre as pernas do Kim. – Agora fica quietinho…

Os fios da barba e bigode de Hyunjin já estavam bem grandinhos, e ele pediu para Seungmin depilá-los, adorava fazer qualquer coisa na presença do mais novo, tanto que até já tinha dado a ideia de pularem no Rio Han, mas sabiam que era uma coisa quase impossível de se acontecer, porque depois que instalaram medidas de segurança para impedir os suicídios constantes, como telefones de emergência e câmeras, sabia que não deixariam de maneira alguma. 

Seungmin espalhava o creme de barbear com o pincel apropriado, segurando o queixo de Hyunjin e se concentrando tão bem que parecia estar fazendo alguma prova de habilidade. O Hwang seguia os movimentos do menor com os olhos e chegou em um momento que ele parou de admirar cada canto do rosto de Seungmin para rir um pouco.

– Hyunjin! Não me atrapalha! – Reclamou, se desconcentrando. O loiro havia se afastado devido as risadas e fora puxado pela cintura para voltar a ficar de frente para o Kim. – Você tem sorte que eu não estava com a lâmina...

– Seria capaz de me machucar?! – Exclamou indignado. Tudo falsidade. – Que belo namorado você é…

– Não. – Respondeu, terminando de espalhar o creme e pegando a gilete que estava na pia. – Mas se você continuar rindo de mim, vai ter troco!

– Você sempre cai nos meus charmes, não adianta tentar me punir. – Disse convencido. Seungmin quis pressionar e arrastar aquela lâmina pela bochecha dele.

– Sim, por isso mesmo você vai voltar para a sua casa. 

– O quê? Não vou não! – Bradou. – Nem pense em me expulsar, Kim Seungmin! Você tem que cuidar de mim porque estou dodói e também porque quero dormir agarradinho com você!

– Dor nas costas não é nada, para de drama.

– Ei! Tem gente que tem problemas sérios com isso! E minha dor nas costas é muita coisa! Não é você que carrega um monte de mercadoria pesada pra lá e pra cá todo santo dia!

– Entendi, desculpa. – Passou a lâmina pela última vez. – Vou respeitar a sua dor, não vamos fazer nada hoje.

Hyunjin fechou a cara e arregalou os olhos.

– Não começa! É bem simples! Eu fico deitado e você por cima! Vai ser lucro já que você gosta de…

– 'Tá bom! – Cortou sua fala, limpando seu rosto com a mini toalha. – Termina isso logo.

Hyunjin lavou seu rosto mais uma vez — agora na água fria — e Seungmin saiu de cima da pia, abandonando o namorado no banheiro e indo até a cozinha. Hyunjin, após secar o rosto, rapidamente correu atrás do mais novo.

– Quer beber? – Indagou o castanho, erguendo uma garrafa de cerveja para o outro conseguir enxergá-la.

– Sua mãe não tinha te proibido? 

– Sim, e a garrafa é dela, mas eu não me importo. Vamos, só por uma noite! – Insistiu e Hyunjin não teve escolha.

Em instantes eles já estavam sentados na sala-de-estar tomando goles e mais goles. Era inevitável não se lembrar do dia em que se conheceram, era até engraçado. Seungmin achava Hyunjin um metidinho do pau pequeno, e o Hwang chamava o Kim de cachaceiro irresponsável. Parecia algo extremamente duvidoso, porque eles eram claramente opostos. E do mesmo jeito que a bebida te deixa fora de si, Hyunjin se via alienado pela personalidade de Seungmin, e Seungmin achava que era efeito da bebida quando percebeu que amava o Hwang.


Notas Finais


➦ Siga-me: @lademann
➦ Até a próxima! 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...