1. Spirit Fanfics >
  2. Amor de colegial >
  3. Único.

História Amor de colegial - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Obrigada pelo fofo e carinhoso pedido @Anmora_- !! Espero que goste pois escrevi com amor ♥️♥️

Boa leitura ♥️♥️

Capítulo 1 - Único.


Fanfic / Fanfiction Amor de colegial - Capítulo 1 - Único.

— Oi maldito! Me dá um pedaço desse onigiri! — Inosuke perturbava o amigo gritando em sua orelha.

— A-ai Inosuke! Pare de gritar! — o loiro pedia já irritado.

— O que?! Eu tô com fome!

Mas Tanjiro nem se dava o trabalho de prestar atenção na conversa dos dois, pois sua mente se voltava apenas para uma pessoa.

S/n.

Estavam no segundo ano do ensino médio mas se lembra muito bem de quando se viram pela primeira vez...


꧁> Fʟᴀsʜʙᴀᴄᴋ.


— É... Com licença... — a garota tentava perguntar para as pessoas a sua volta mas ninguém a atendia. — Com licença! Eu preciso de ajuda pra encontrar a minha sala!

A garota andava de um lado para o outro parecendo uma barata tonta e ninguém lhe dava atenção. Era uma situação frustrante.

Quando de repente, alguém a empurrou sem querer e ela com o susto tropeçou e iria cair direto no chão de concreto.

Seria uma queda feia.

— EI! CUIDADO!

Um menino da mesma idade de S/n surgiu da multidão e num movimento rápido, ele segurou sua mão e a puxou para trás, impedindo que ela caísse no chão.

Com o puxão, Tanjiro acabou meio que sem querer, abraçando a garota desconhecida. As respirações ofegantes eram visíveis pois o susto foi grande. S/n recuperou o fôlego mas não se separou do rapaz.

— D-desculpe! E-eu vi que estava caindo e não pude deixar que acontecesse! — Tanjiro se afastou da garota com o rosto corado e os olhos arregalados.

— E-eu... O-obrigado! Se não fosse por você eu estaria toda estatelada no chão... — a garota sem jeito coçou a nuca.

— É... Então... Você é nova aqui? — ele perguntou mudando de assunto.

— Sim, eu acabei de chegar mas não sei a minha sala, tentei perguntar pras pessoas mas ninguém me dá atenção...

— E qual é a sua sala?

— 1-4, mas tô perdida! A escola é meio grande sabe...

— Olha que coincidência! Essa é a minha sala e eu estava indo pra lá agora mesmo, vamos eu te levo! — ele num ato involuntário pegou a mão da garota e os dois correram até a sala de aula.

Eles iriam se atrasar se ele não tivesse feito isso. Ao chegarem na porta da sala, S/n respirou fundo e entrou na sala junto com o garoto.

— Você não me disse o seu nome... — a garota perguntou enquanto ambos se sentavam.

— Ah, é Kamado Tanjiro! E o seu?

— Ù/n S/n. — ela o encarou por alguns segundos. — Você tem brincos bonitos!

— Sé-sério? Obrigado... — Tanjiro sorriu.


꧁> Dᴇ ᴠᴏʟᴛᴀ...


— Tanjiro, acabou o intervalo... Vamos voltar pra sala! — Zenitsu chamou a atenção do amigo.

— Já acabou? — Reclamou se levantando pra jogar a embalagem do lanche no lixo.

— Tanjiro, está tudo bem com você? Você anda estranho...

— Eu? Estranho? É impressão sua! — tentou enganar o amigo inocente.

— Hm... Espero que esteja bem mesmo— AH NEZUKO-CHAN! — o garoto parou a conversa quando viu a amada sair do banheiro. — NEZUKO-CHAN ESTÁ TÃO LINDA ESTA MANHÃ!

— Ele reclama do Inosuke mas age da mesma forma... — quando Tanjiro se aproximava, notou que alguém saía do banheiro.

Era S/n.

— Eu reconheço o seu surto de longe loirinho. — sempre brincalhona, S/n bagunçou os cabelos de Zenitsu.

— Eu não tenho culpa se a Nezuko-chan está deslumbrante como sempre!

— Ah irmão! — Nezuko foi cumprimentar o irmão, eles não estavam na mesma sala.

Foi aí que S/n notou Tanjiro.

— Nezuko! — abraçou a irmã.

— Oi Tanjiro... — S/n se aproximou sorrindo com as mãos atrás das costas.

— Estávamos no banheiro conversando mas já estávamos indo para a sala! Até mais irmão! — a garota depositou um beijo na bochecha do irmão e saiu para a sala de aula.

— Oi S/n! Vamos indo para a sala?

— Sim...

O comportamento entre os dois estava meio diferente mesmo. Há dias Tanjiro havia se afastado da garota por motivos estranhos.

Na verdade não eram motivos estranhos e sim amor. Sim, Tanjiro sempre teve uma paixão platônica por S/n mas nunca teve coragem de dizer a ela, a vergonha o impedia e por isso ficou pensando por muito tempo se deveria ou não se declarar.

E já tinha sua decisão.

Há mais ou menos uma semana ele vinha praticando a sua confissão mas não conseguia falar direito com S/n, toda hora ficava pensando nisso!

— Tanjiro, você ouviu o que eu disse? — S/n perguntou o tirando do próprio transe.

— Desculpe S/n... Estou perdido em meus pensamentos... — ele virou a cabeça envergonhado.

— Você está vivendo nos seus pensamentos! Tem alguma coisa pra me contar? — ela brincou aproximando seu rosto do dele.

— N-não! Eu estou bem só... — não sabia que desculpa dar...

— "Só"...?

— Ei vocês dois! Entrem logo ou irão ficar com falta!

Salvo pelo gongo, vulgo professor de matemática.

Os dois trataram de entrar na sala rapidinho e se sentarem em seus lugares.

— Não pense que vai escapar de mim! Vai me contar o que está acontecendo com você ainda hoje! — ela sussurrou e se sentou no lugar, que era na frente da carteira de Tanjiro.

As aulas passaram tão rápido e ele se viu sem escolhas a não ser dizer o que realmente sentia pela amada. É, de hoje não passa. Ele escreveu um bilhetinho e jogou para que caísse na carteira de S/n.


"S/n, eu preciso conversar contigo depois da aula, me encontra naquela cerejeira atrás da escola."


Ela murmurou um "tá bom" e voltou a prestar atenção na aula.

O coração do jovem batia mais rápido a cada minuto e quando a professora de geografia deu fim a aula, Tanjiro tratou de arrumar rápido o seu material e sair rapidinho da sala, para não falar com mais ninguém.

Passou na sala da irmã para avisá-la que ela poderia ir pra casa sozinha e se apressou para chegar até a cerejeira.

Andava de um lado para o outro nervoso, sentia as mãos umedecidas pelo suor e as esfregava na calça para limpar. Ele tentava manter a calma mas não conseguia muito, afinal, estava prestes a se confessar para a garota da sua vida.

— Tanjiro? — a voz doce da jovem o tirou dos deus devaneios, fazendo com que ele desse um pulinho.

— ... — ele não disse nada apenas se aproximou com um pequeno sorriso.

— E então? O que tá acontecendo?

— S/n eu... B-bom... Eu não sei bem como te falar isso... — ele coçou a nuca em sinal de nervosismo e cerrou os olhos com um riso nervoso.

— Ué, só fala pra mim. — ela brincou.

— É que é complicado... — ele ficou sério.

— Tá me deixando preocupada com você... Você tá vermelho. — ela levou a mão na testa do garoto. — Tá quente! Eu tenho um remédio pra febre aqui e—

— Não! Eu não tô doente S/n... É que... — ele pegou sua mão e a segurou. — Eu venho querendo te falar isso faz um tempo mas nunca consegui.

— Tanjiro... — as bochechas da garota também ficaram um pouco vermelhas.

— Desde o nosso primeiro encontro, quando eu te salvei daquela queda, eu percebi que tinha conhecido a garota mais bela do mundo e que no mesmo instante havia tomado conta do meu coração. — ele sorriu e acariciou a mão dela. — Desde então eu venho querendo sempre estar presente na sua vida e tentar te ajudar ao máximo porque eu gosto muito de você, mas não como amigo... — ele aproximou o rosto. — Eu gosto de você S/n, mas de um jeito romântico.

Ele fechou os olhos e levou a mão livre para a bochecha de S/n, trazendo seu rosto para mais perto dele e selando seus lábios em um beijo calmo mas muito esperado.

Ficaram alguns segundos assim até que ele se afastou e abriu os olhos.

— Desculpe eu... Não pude evitar, S/n você é muito linda e atraente! — ele não soube da onde tirou a coragem pra dizer aquilo.

Voltando a realidade, S/n sorriu e o abraçou pelo pescoço e soltou uma risada. Tanjiro ficou surpreso mas retribuiu o abraço, colocando seus braços envolta da cintura da garota.

— Eu também gosto de você Tanjiro e venho pensando em algo também, mas ao contrário de você eu sei disfarçar. — eles riram e se afastaram um pouco.

— No que você está pensando?

— Já que você gosta de mim e eu gosto de você... A gente podia... Namorar. O que você acha? — ela sorriu tímida.

— Sério? — ele fez um carinho no rosto de S/n. — Tá me pedindo em namoro?

— Tô... Tem algum problema?

— Nenhum! Este é o melhor dia da minha vida! — ele beijou sua testa.

— Eu também tô muito feliz! Eu venho fantasiando sobre isso faz um tempo... — ela encostou a cabeça no peito de Tanjiro, ouvindo o seu coração bater acelerado.

Eles ficaram assim por alguns minutos, os dedos do garoto descendo e subindo pelas costas da garota enquanto ele distribuía beijos pelo seu couro cabeludo.

— Tanjiro, posso te dar um beijo?

— Po-pode...

S/n se afastou, levou as duas mãos para o rosto do amado e o aproximou, lhe dando um beijo carinhoso e apaixonado.

Um vento soprou contra a cerejeira fazendo algumas pétalas caírem e darem um tchan a mais na cena.

É, para os dois pombinhos a vida amorosa está apenas começando...


Notas Finais


Se quiser fazer um pedido, entre no link abaixo :)

https://www.spiritfanfiction.com/historia/pedidos-para-oneshots-19335613

Bye bye!
Até a próxima 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...