1. Spirit Fanfics >
  2. Amor destrutivo >
  3. O começo de uma grande confusão! (Parte 3)

História Amor destrutivo - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Bom dia meus leitores favoritos!

Estão bem? Espero que sim.

Essa é a última parte da festa genteee, mas o começo de algo bem maior!

Espero que gostem!

Não esqueçam de ler as notas finais.

Boa leitura ❤️

Capítulo 6 - O começo de uma grande confusão! (Parte 3)


Flashback on

Kentin parecia um mendigo jogado na calçada do outro lado da rua, completamente bêbado e quase inconsciente, respirei fundo ao ver ele naquele estado deplorável. Já era tarde da noite, e meus instintos impediam que eu o deixasse ali sozinho.

_ Podem ir na frente meninas, eu vou resolver umas coisas. (Eu disse pra Íris e Peggy que me acompanharam essa noite.)

Fechei a boca, e logo em seguida o táxi parou em nossa frente.

_ Tudo bem, se cuida. (Peggy disse entrando primeiro no banco de trás.)

_ Toma cuidado Alexy, até amanhã. (Íris falou entrando logo em seguida.)

Depois de ver o carro virar a esquina, me aproximei de Kentin pra analisar melhor sua situação. Ele abriu devagar os olhos ao sentir que eu estava perto, e sorriu de leve quando me reconheceu.

_ Ei, vem cá. Eu te levo pra casa! (Falei fazendo com que ele levantasse e se apoiasse em meus ombros, o cara era extremamente pesado e não estava fazendo nenhum esforço pra ficar de pé.) 

_ Alexy, o garoto porpurina. (Ele disse meio abobado.) _ Você é a última pessoa que eu imaginaria encontrar.

_ Também não imaginava encontrar o filho de um general do exército, bêbado e jogado numa calçada, mas aconteceu. Ainda mora no mesmo lugar? (Perguntei me esforçando pra recordar o endereço, só tinha ido lá uma vez.)

_ Não me leva pra casa, eu não posso ir pra lá. (Ele disse embolado, tentando se soltar de mim e quase caindo no chão.)

_ Para de se mexer! Você mal consegue falar, acha que vai conseguir ficar em pé sozinho? (Falei bravo, sua inquietação já estava me irritando.)

_ Por favor, não me leva pra casa. (Ele repetiu fechando os olhos, só então percebi que um deles estava inchado e roxo.)

_ Se meteu numa briga? (Perguntei tentando segurar seu rosto e ver melhor o hematoma.)

_ Meu pai me bateu, se eu voltar pra lá Alexy, ele me mata! (Ele disse embolando as palavras, seu hálito cheirava a puro álcool.) _ Eu não tenho a mínima noção do que vou fazer, ou pra onde vou ir. (Terminou de falar com a voz chorosa.)

_ Eu vou te levar pra minha casa, você fica lá hoje. Amanhã a gente vê o que faz, tudo bem? (Falei pegando o celular do bolso pra chamar um táxi.)

_ Tá bom. (Ele disse, logo em seguida se virando pro lado oposto ao meu, e vomitando.)

(...)

_ Eu posso dormir no chão, não quero incomodar. (Ele disse saindo do banheiro. Eu tinha emprestado uma roupa e mandado ele pro banho enquanto arrumava a cama.)

_ Não vai ser incomodo nenhum, deixa de bobagem garoto. Você está péssimo, fica com a cama, eu já improvisei um lugar pra eu dormir. (Falei apontando pro sofá do outro lado do quarto.)

_ Tem certeza? (Ele perguntou com as sobrancelhas arqueadas.)

_ Claro! (Falei sorrindo.)

_ Valeu mano. Você é bem diferente do que imaginei. (Ele disse se sentando na cama.)

_ Espera, não deita ainda. (Falei procurando um kit de primeiro socorros na gaveta da minha penteadeira, eu sempre guardava tudo lá)

_ Algum problema? (Ele perguntou confuso.)

_ Seu olho, tá mais inchado que antes. (Eu disse me jogando na cama ao seu lado, e passando uma gase molhada no lado esquerdo do seu rosto.)

_ Valeu, mais uma vez. (Ele disse rindo.) _ Suas mãos, são como mãos de fada. (Agora era minha vez de rir.)

_ Obrigada, eu acho. (Falei passando uma pomada depois de espalhar o líquido da gase, e já preparando um curativo.) _ Pelo estado do seu olho, a briga entre vocês foi grave né? (Puxei assunto pra saber o motivo de tudo aquilo.)

_ Um pouco, eu provoquei. (Ele falou desviando o olhar.)

_ Mas nada justifica um ato tão agressivo. (Defendi Kentin.)

_ Também acho, mas é meu pai, não pude fazer nada pra impedir.

_ E qual foi o motivo da briga? (Fui direto ao ponto.)

_ Contei pra ele que eu sentia atração por garotos. (Ele falou respirando o mais fundo que pôde, e apertando os olhos um contra o outro.)

_ Seu pai te bateu, por não aceitar sua sexualidade? (Perguntei indignado.)

_ Eu sabia que ele nunca ia aceitar, e mesmo assim eu fui falar com ele...

_ Para de agir como se fosse culpa sua! (Interrompi ele.) _ Amanhã mesmo vamos resolver isso, vou te levar em casa e a gente conversa com ele. (Falei determinado, colocando o kit de primeiro socorros no chão.)

_ Não Alexy, ele não entende, nunca vai entender. Deixa que eu resolvo isso, por favor. (Ele disse segurando minhas mãos, seus olhos imploravam para que eu concordasse com o que acabava de dizer.)

_ Tudo bem! (Me dei por vencido.) 

_ E mais uma coisa. (Ele pediu.)

_ Diga! 

_ Não conta pra ninguém sobre essas coisas que acabei de dizer, nem pra Rosa, e nem pra Emy...

_ Aí Kentin, que chato! (Reclamei.) _ Assim você me complica, elas são minhas melhores amigas. Como vou esconder algo daquelas duas? 

_ Alexy, aceitar isso é algo muito difícil, até pra mim mesmo. Eu decido quando contar, e não quero que ninguém saiba por enquanto, principalmente a Rosalya, ela é a mais fofoqueira da escola.(Ele disse sério, me obrigando concordar.)

_ Tá certo, vou manter segredo então. (Eu disse dando de ombros.)

_ Obrigada! (Ele disse se deitando ao meu lado.)

Flashback off

P.O.V. Emy on

Alexy terminou de se declarar falando milhares de coisas fofas, e num ato quase imperceptível trocou o olhar de Kentin pra Rosa.

_ Você é a melhor amiga que já tive, amo você! (Ele disse fazendo um coração com as mãos na direção dela.)

_ Que droga, fez todo esse suspense pra nada. (Castiel reclamou sacudindo a cabeça negativamente.)

_ Me passa logo a garrafa. (Armin falou estendendo a mão, ele seria o próximo a girar.)

_ Verdade. (Nath disse quando a garrafa finalmente parou nele.)

_ Tá com medinho de cumprir um desafio? (Castiel provocou.)

_ O que você disse? (O loiro perguntou arrogante.)

_ Merda, vão começar de novo? (Rosa chamou atenção deles, ela era a única de nós que conseguia controlar os dois antes de caírem na porrada.)

Eles se encararam como se fossem animais disputando território, então o jogo continuou.

_ Aproveitando o clima tenso pra pedir minha verdade: Conte sobre o dia em que ficou com a namorada do Castiel. (Armin falou de maneira simples. Olhei pra ele perplexa, esse cara tinha algum problema?)

Castiel manteve firme sua postura, era como se ele tivesse se tornado inabalável depois do que houve com Debrah. Enquanto Nathaniel respirou profundamente, estava escrito em sua testa que ele não queria falar sobre aquilo.

_ Primeiro, eu não fiquei com ela, nunca ficaria. Foi ela quem me beijou quando viu Castiel chegando, ela não queria que eu contasse pra ele toda conversa que ela tinha tido no telefone com o empresário. (O loiro disse cabisbaixo. Eu já tinha escutado aquela mesma história milhares de vezes.)

_  E que conversa era essa? (Armin perguntou botando mais lenha na fogueira.)

_ Acho que não precisamos saber, todos já ouvimos a história milhares de vezes. Cada um decidi no que acreditar. (Falei impedindo que o assunto se estendesse demais e acabassem se matando no chão da minha sala.)

Era minha vez, peguei a garrafa e girei. Tive oportunidade perfeita pra vingar a Rosa, e não pensei duas vezes pra ajudar minha amiga.

_ Verdade ou desafio? (Perguntei pro Kentin lembrando da pergunta que ele fez pra Rosa no começo do jogo.)

Eu já tinha planejado tudo, não importa o que ele escolhesse e eu estaria pronta pra acabar com ele. Não era nada pessoal, mas ele havia atacado Rosalya, e eu atacaria ele.

_ Verdade! (Ele pediu aparentando indiferença.)

_ É verdade que já ficou com a Ambre? (Perguntei o olhando nos olhos.)

Eu sabia que era verdade, e sabia que ninguém suspeitava disso, mas queria deixar as coisas ruins pro lado dele, e revelar esse segredo me parecia uma boa.

_ Já ficou com a minha irmã? (Nathaniel perguntou indignado.)

_ Quem nunca ficou com a sua irmã? (Castiel debochou.)

_ Castiel, não piora as coisas! (Rosa falou dando um beliscão em seu braço.)

_ Uau, com a Ambre. (Alexy disse num tom de decepção.)

Kentin estava ficando cada vez mais pálido, principalmente por todos olharem incrédulos pra ele. 

_ Droga Emily, qual seu problema? Era algo pra ficar só entre nós. (Ele disse extremamente bravo.)

_ Desculpa, é só uma brincadeirinha. (Falei usando suas palavras, pra que ele percebesse que aquilo não passava de uma vingança boba.)

_ Que droga de brincadeirinha é essa Emy?! (Ele reclamou mais uma vez.)

_ Tô adorando esse jogo! (Castiel falou animado.)

Rosa girou a garrafa, e a vítima da vez foi Íris.

_ Desafio. (Íris falou parecendo determinada.)

_ Te desafio a beijar o Nathaniel. (Rosa disse logo em seguida, como se tivessem planejado esse momento.)

Íris olhou pra Melody, depois pro Nath. Era óbvio que tinha uma rivalidade entre elas por causa da vaga do grêmio, mas eu não acho que Íris chegaria a um ponto tão baixo.

_ Eu aceito o desafio! (Íris disse se levantando e indo até o Nathaniel.)

Melody emburrou a cara imediatamente, Castiel abriu um sorriso sacana, e o resto de nós ficamos de queixo caído alimentando expectativas enquanto nada acontecia. Acho que ninguém, nem a própria Rosa, acreditava que a ruiva realmente faria aquilo. Mas ela fez!

(...)

Depois de Alexy ter desafiado Armin a jogar fora um de seus jogos favoritos, e Nathaniel causar uma grande confusão com Castiel perguntando pra Lysandre se ele poderia fazer um teste pra entrar na banda, era a vez da Melody girar a garrafa, e por sorte, ou não, caiu em mim.

_ Desafio. (Eu disse imaginando que ela não pegaria pesado.)

Depois de olhar em volta, um sorriso maldoso se formou em seus lábios.

_ Emily. Beije o Castiel, de língua. (Ela falou olhando pro Nath com uma expressão debochada.)

Era óbvio que ela queria se vingar do loiro por ter deixado Íris o beijar, e metade de mim dizia pra não fazer parte daquilo. Mas a outra metade queria sentir os doces lábios do ruivo tocando os meus, e essa parte foi a que predominou.

Fui até Castiel e aproximei nosso rosto o suficiente, em um movimento rápido eu poderia colar nossos lábios. Mas ainda estava em um grande conflito interno, eu não podia fazer aquilo com Nathaniel, era muito egoísmo magoar ele por não querer deixar essa oportunidade passar.

Em fração de segundos, senti Castiel sendo arrancado de perto de mim bruscamente.

_ NÃO VAI TOCAR NEM UM DEDO NELA! (Escutei Nathaniel gritar com raiva.)

 Ele segurava Castiel pelo colarinho da jaqueta, enquanto o ruivo fechava o punho pra lhe dar um soco.

_ ISSO NÃO É DECISÃO SUA! (Castiel respondeu apenas o empurrando para longe.)

_ ELA NÃO É MAIS UMA DE SUAS BONEQUINHAS CASTIEL, NÃO VOU PERMITIR QUE A MACHUQUE!!! (Nath disse se reaproximando do Castiel, pronto para ataca-lo novamente.)

Castiel foi mais rápido, e socou o rosto do loiro com força. A essa altura todos estavam de pé, e os meninos tentavam separar a briga.

_ Emy sabe que eu não seria capaz de machucar ela! (Castiel falou em meio aos socos que dava no Nath.)

Vi Lysandre puxar Castiel com toda força, e quando conseguiu, estava mais vermelho do que nunca e com o olhar mais sério que eu havia visto. 

_ JÁ CHEGA!!! (Ele gritou fazendo com que eu extremecesse por inteiro.)

_ Ele quem começou...

_ E você ia continuar Castiel! (Lysandre cortou a fala de defesa do Castiel, seu tom de voz estava mais calmo e sua respiração mais controlada.)

 Eu nem precisei falar que a festa tinha acabado, antes do Lysandre terminar de falar, Melody tinha recolhido suas coisas e ido embora. Depois dela, cada um foi fazendo o mesmo e se despedindo um dos outros enquanto Castiel e Nathaniel escutavam a maior bronca.

_ Me desculpa Emy, eu não sei o que deu em mim. (Nath tentou se explicar segundos depois que a maioria já tinha saído.)

_ Relaxa, tá tudo bem. O importante é que ninguém se machucou. (Eu disse o tranquilizando.)

_ Isso sim. Mas a verdade é que a única que pode sair machucada dessa situação é você.

_ Como assim? (Perguntei imediatamente.)

_ Castiel não é homem pra você Emily, não quero que ele te machuque como machucou minha irmã. (Ele tentou me alertar, mas ninguém conhecia Castiel como eu.)

_ Nath, me desculpa. Mas sua irmã não é nenhuma santa, e Cast não é o monstro que você diz...

_ Emy, você não o conhece mais. (Ele disse me interrompendo.)

_ Olha Nathaniel, chega! Não quero ouvir mais nada, não se aproxime de mim se for pra difamar o Castiel okay! (Falei virando as costas e indo ao encontro da Rosa.)


Notas Finais


Bom, esse foi mais um capítulo. E eu espero que tenham gostado, me contem o que estão achando do desenvolvimento da história nos comentários!

Eu vou fazer o possível e impossível pra trazer o próximo capítulo quanto antes. ❤

Lembrando que: críticas construtivas são muito bem aceitas, se houver algum erro me avisem pra eu poder arrumar!

Até o próximo, bjinhos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...