História Amor doce Castiel - Capítulo 128


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Ambre, Armin, Castiel, Dajan, Dakota, Kentin, Leigh, Lysandre, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya
Visualizações 337
Palavras 1.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 128 - Um coelhinho


Fanfic / Fanfiction Amor doce Castiel - Capítulo 128 - Um coelhinho

VOCÊ GANHOU 10 PA'S HOJE 

Não consegui dormir muito bem esses dias, passei as noites em claro só em pensar de ter um homem desconhecido em minha casa então para tomar precauções eu passei a trancar a porta do meu quarto. 

As aulas estavam acontecendo normalmente, nada de estranho, tirando os meus amigos é claro. Na saída eu tento me encontrar com o Cast mas acabo não encontrando ele em nenhum lugar, o que era estranho já que combinamos de irmos ao cinema.

Quando entro em uma sala de literatura vejo o Lys segurando alguma coisa bem branquinha e pequena, um pedaço de nuvem talvez. Ele pareceu surpreso em me ver, fecho a porta e vou até ele olhando intensamente para a coisinha peluda. 

Lys:Cass, me promete não contar pra ninguém ok?- Afirmo com a cabeça milhares de vezes, quando seu braço descobre a coisinha branca pude ver que ela tinha longas orelhinhas, um focinho extremamente rosadinho e seus olhos era grandes. Era um coelhinho.

Passo meu dedo indicador gentilmente em sua cabecinha evitando movimentos bruscos para não o machucar, ouvimos o sinal bater e imediatamente saímos da sala. Ponho um pano em volta do coelhinho e tomamos rumo à saída, tanto eu quando o Lys crusavamos os dedos para que ninguém descobrisse. Inesperadamente o Lys me empurra contra uma parede, me prendendo entre ele e ela.

-Lys, o que você...- Ele leva o dedo indicador aos lábios me pedindo para fazer silêncio( imagem do capítulo), seus olhos vão em direção ao corredor.

Tinham dois rapazes parados discutindo, um deles era incrivelmente alto e moreno, já o outro tinha cabelos compridos e usava uma jaqueta preta. Eles começaram a falar alguma coisa mas eu não consegui ouvir muito bem daquela distância.

Mas ao que percebi o de cabelos longos havia deixado o outro irritado e surgiram dois rapazes a mais. Eles começaram a ronda-lo como se fossem partir pra cima com ele, antes que eles pudessem se mecher o Lys saiu na disparada e interferiu a briga.

Lys:Três contra um é covardia.- O Lys acabou de entrar na briga,  eu até queria ir lá mas eu sinto que se eu for vai dar muita merda.

Enquanto eles batiam boca eu percebo que o coelho não estava mais em minhas mãos, olho por todo o lugar e vejo ele bem perto da bota do Lys que se desse um passo pra trás iria o matar. O sinal toca e eles se distraem, tiro vantagem disso e rapidamente pego o coelhinho sem eles perceberem logo saio correndo para a saída.

Estava tão desesperada que acabei não esperando o Lys, chego em casa e mando uma mensagem dizendo que cuidarei do bichinho e que de tarde ele vinha aqui buscá-lo. Ponho o coelho na cama e imediatamente ele é atacado pelos os meus cachorros, atacado com lambidas e amor é claro. O bichinho estava tão confuso que nem conseguia sair do lugar pois eles não deixavam por hipótese alguma, pego os três pelas as coleiras e tiro eles de cima da cama.

De repente recebo um telefonema do gerente da aula de box dizendo que eu estava atrasada, dou um pulo da cama me arrumo, quando ia sair pela  a porta ela imediatamente se abre.  Ele estava bem meio, me olhando de cima, como se fosse superior á mim.

Padrasto:Aonde você vai?- Eu olho para ele como se não fosse da sua conta mas ele insistia, percebi que se continuasse assim ele não me deixaria or para lugar nenhum.

- Eu vou para a aula de box, agora sai da minha frente, eu tô atrasada.- Seu olhar frio e calculista continuava a me encarar friamente, eu sei muito bem que ele não é flor que se cheire.

Padrasto:Não, você não vai á lugar algum. Essa semana tem provas e sua mãe não ficará feliz em saber que você frequenta esse tipo de lugar.- Bato meu pé no chão.

- EU NÃO TÔ NEM AÍ! EU VOU!- Tento passar mas suas mãos pesadas agarram meus dois braços e me empurram tão forte para dentro de meu quarto que eu acabo caindo no chão.

Padrasto:Fiquei sabendo do que aconteceu com o seu pai biológico, é uma pena mesmo. Sua mãe ficou muito triste e traumatizada, você não quer que ela leve mais um decepção não é? Isso pode acabar muito mal.- Ele diz aquelas palavras duramente, sem nenhum pingo de remorso ou tristeza. Aquilo me trás tanta raiva que eu começo a pensar no lado de minha mãe e como ela deve se sentir por causa do meu pai.- Boa menina.

Ele bate suas mãos em minha cabeça como se eu fosse o seu bichinho de estimação, fecho meus punhos enquanto o vejo sair do quarto. Ousso a porta bater com força, ponho a mão na maçaneta e tento abrir mas desisto no meio do caminho.

Olho para trás e vejo os meus cachorros debaixo da cama assustados e tremendo, me aproximo devagar e faço carinho para tentar alcama-los.

-O que houve?- A porta se abre vagarosamente fazendo um ruído, o Téo estava com uma de suas mãos em sua bochecha limpando suas lágrimas. 

Téo:Aquele homem tentou botar a Night pra fora por ter feito xixi no carpete e o Day a protegeu, então ele mordeu sua mão mas o homem mau ficou bravo e bateu nele com o cabo da vassoura. Eu tentei impedir mas ele gritou e me mandou para o quarto.- Ele vem chorando até mim e eu o abraço forte, suas lágrimas caiam e pude ver o medo que ele sentiu naquele momento.

-E a mamãe?- Seus olhinhos cheios de lágrimas encontram os meus.

Téo:Ela foi trabalhar e deixou o homem mau para cuidar de mim, mas a única coisa que ele fez foi me trancar no quarto....Eu quero o papai de volta.- Pego ele no colo e tento abrir a porta mas ele nos trancou, ficaríamos presos até mamãe voltar e ela só volta 23:30.

-Fica aqui Téo, não sai de perto deles.- Ponho o Téo junto dos meus três cachorros e ele faz carinho neles com suas mãozinhas pequenininhas. Pego meu celular e ligo para a Priya.

Priya:Alô?

-VEM LOGO PRA CÁ!

UPS PARECE QUE SEUS PA'S ACABARAM VOLTEM AMANHÃ BJS 


Notas Finais


Gente nunca deixem que seus pais tratarem vocês assim, nunca acaba bem. Mas eu sei que os pais das minhas Do7s são maravilhosos, porque elas são maravilhosas😄❤❤❤💚💚💙💙💙💙💛💛💛💜💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...