História Amor é só amor - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Tags Amor Entre Mulheres, Amor Lésbico, Lesbianismo, Orgulho Gay
Visualizações 81
Palavras 1.266
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Orange, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi (de novo) pessoal!!!!
Voltei para postar mais um capítulo hoje, pois não sei o que será do resto dessa minha semana... Desculpem-me, mas vou tentar manter a fic atualizada até domingo, pelo menos.

Capítulo 12 - Indecência


Fanfic / Fanfiction Amor é só amor - Capítulo 12 - Indecência

  A festa ocorria em uma pequena mansão de frente para praia. Haviam carros de luxo por todos os lados e as pessoas eram todas altas, magras e bonitas. 

   Chegaram e enquanto um segurança checava os nomes na lista, Sophia viu milhões de flashes explodirem por todos os lados, capturando fotos das duas ainda dentro do carro. 

   Stella agia naturalmente, habtuada ao estilo de vida. 

   Quando finalmente entraram na casa, foram recebidas por olhares e comentários. Sophia se sentiu mal por um instante.

   - Relaxa... - Stella murmurou enquanto entrelaçava seus braços. - Estão comentando porque eu não costumo chegar acompanhada. - Sorriu divertida. - E tem uma foto sua seminua no meu apartamento, então deve estar imaginando o que estão pensando sobre nós.

   - Estão pensando que nós namoramos. - Falou séria. 

   - Deixe que pensem. - Pegou  taças de uma bandeja do garçom que passava. - É um bom marketing pra nós duas.

   Brindaram e beberam um gole.

   - Aí está minha nova favorita! - Uma voz grossa soou atrás de Sophia. 

   As duas se viraram e encontraram um homem não muito alto, porém encorpado, claramente praticava musculação. Seus cabelos ruivos estavam amarrados em um pequeno rabo de cavalo bem feito e sua barba por fazer o dava uma expressão de bravo. Seus músculos ornamentados por um terno caro o dava um ar importante.

   - Sophia, esse é Matthew. - Stella apresentou. - Meu agenciador.

   - É um prazer, Matthew! - Cumprimentou.

   O homem estendeu sua mão, pegou a da garota e depositou um beijo. 

   - O prazer é todo meu, querida. - Sorriu. - Porque não vamos conversar no meu escritório lá em cima? Quero lhe fazer uma bela proposta. - Falou e direcionou o olhar para Stella que também os seguiu escadas acima. 

   Era um amplo escritório, com sofás pretos, fotos de modelos por todos os lados, premiações e uma espaçosa mesa com um computador sobre seu tampo, de costas para uma parede envidrada do chão ao teto e que dava vista para o mar. 

   Sentaram-se nos sofás e Matthew espalhou várias fotos sobre a mesinha de centro frente as duas. Em todas haviam lindas mulheres desfilando e pousando em diferentes roupas e cenários. Todas extremamente perfeitas. Sophia reconheceu Stella em algumas.

   - Estas são minhas melhores modelos, Sophia. - Falou olhando-a nos olhos. - Vejo grande semelhança entre elas e você. Classe, corpo, beleza e claro, inteligência. 

   Sentiu o olhar de Stella pesado sobre sí. 

   - Depois do ano novo quero fazer um teste com você. - Levantou-se e serviu-lhes uma dose de Whisky. - Eu já imagino o resultado, mas ainda assim quero te ver em ação. O que acha? 

   - Eu acho perfeito. - Sentiu a mão de Stella pousar em sua perna e Matthew sorrir. 

   Brindaram e depois voltaram para a festa. Os olhares aumentaram e dessa vez, diferente do início da festa, não se sentiu mal. Sentiu-se parte daquele mundo, como se sua antiga vida no Brasil estivesse cada vez mais distante. Mas sempre era assim quando viajava para Nova York.

   Sophia tinha a impressão de que a cidade a seduzia e a levava a ser alguém diferente do que realmente era. Estava se adaptando, conhecendo pessoas, fazendo amigos e até uma possível namorada. Estava ganhando influência naquele lugar e embora não fosse os valores morais qur mais prezava, decidiu curtir enquanto permanecesse alí.

   Uma garota as encarou sorrindo largamente enquanto caminha até as duas como se estivesse caminhando sobre uma passarela. 

   Longos cabelos cor chocolate caiam por suas costas, fazendo movimento de ondas. Era extremamente magra. Sophia podia ver alguns ossos que não deveria ver. Mas seus olhos castanhos refletiam em um brilho radiante enquanto um batom muito vermelho realçava seus lábios e contrastava com dentes muito brancos. 

   - Boa noite meninas! - Abraçou primeiro Stella e então se virou para Sophia. - Fiquei muito feliz por ter vindo, Sophi. Posso te chamar assim?

   Sophia estranhou a intimidade da moça, mas sorriu.

   - É claro que pode... - Stella a interrompeu.

   - Essa é a Candice, esposa do Matthew e minha fiel companheira de trabalho! - Apresentou a Sophia.

   - É um prazer conhecê-la, Candice. - Falou amigável e viu, se ainda fosse possível, o sorriso aumentar mais.

   - O prazer é todo meu! Matt me falou que quer contratá-la... Eu particularmente achei que Stella escolheu sua companheira com muito bom gosto! - Mediu a garota de cima a baixo. - Perfeita para Stella e perfeita para nós também. 

   Sophia sentiu suas bochechas queimarem.

   - Não fique envergonhada! - Riu. - Quero te apresentar a algumas pessoas. 

   Com os braços enlaçados em Sophia e Stella,  Candice a apresentou a quase todo mundo naquele lugar. Fazia brincadeira com todos, ria e bebia muito. 

   De alguma forma, todos naquele local estavam ligados ao mundo da moda. Estilistas, modelos, agenciadores, empresários e grandes socialites que gostam de seus lugares garantidos na primeira fileira sempre. 

   No fim da noite, Sophia já não lembrava o nome de metade, mas parecia que todos lembravam o dela.

   Bebeu quase tudo que podia e quando sentiu que passaria mal, pousou o copo sobre o bar e sussurrou baixinho no ouvido de Stella.

   - Acho que já está na hora de irmos embora... 

   Saíram de mãos dadas e Stella foi dirigindo até a casa de Sophia. 

   - Meus pais já foram. - Comentou olhando as horas. Já eram mais de 3hr da madrugada.

   - Que bom, todos já devem estar dormindo... - Respondeu com sua voz de embriagada, encarando um sorriso malicioso.

   Passaram pelas salas, escadas, corredor e por cuidado, resolveram trancar a porta.

   Sophia a prenssou contra a parede e levando sua mão até a nuca da garota, colou seus lábios com urgência. Stella correspondeu e passeou suas mãos por toda a pele que encontrou, dando apertos na bunda de Sophia e chegando até seus seios por baixo da blusa.

   Sophia parou com o beijo e lambeu com a pontinha da língua a extensão lateral do pescoço, dando cupões e mordiscadas logo em seguida. Arrancou suspiros e gemidos de Stella. Não demorou para que as duas estivessem apenas de calcinhas rolando pela cama.

   Sophia a colocou de quatro e puxou sua calcinha até que ela fosse parar no chão. Começou dando chupões na bunda, lambeu seu ânus e sentiu Stella enrijecer de susto.

   - Relaxa pra mim... - Sussurrou para a garota que voltou a relaxar logo em seguida. Desde o ânus e com a língua bem molhada, lambeu Stella até o clitóris onde começou a fazer movimentos circulares com os dedos. 

   A virou de frente novamente e focou aqueles olhos azuis com desejo antes de encarar sua buceta vermelha e inchada.

   Colocou o dedão na portinha e começou com leves lambidinhas no clitóris exposto. Sentiu Stella arquear levemente as costas e soltar gemidos, conforme aumentava o rítimo.

   Quando sentiu que a garota já estava relaxada o suficiente, lambeu novamente seu ânus e introduziu um dedo alí, bem devagar e já quase todo dentro, introduziu outro em sua vagina e voltou a chupá-la, fazendo um delicioso vai e vem.

   Stella gemeu, se arqueou e prendeu a cabeça de Sophia entre suas pernas. Por fim explodiu em gozo rapidamente.

   Sophia lambeu a entrada de sua vagina agora com gosto um pouco diferente e sentiu ainda mais vontade de dar-lhe prazer, enquanto sua própria feminilidade pulsava ainda presa na calcinha. 

   Stella a tomou pelos lábios novamente e as rodou, sentando sobre o quadril se Sophia que sentiu sua vagina quente contra sua própria pele. 

   Seus olhos transmitiam puro desejo e indecência. Sophia gostava da indecência da garota.


Notas Finais


Gostaria de agradecer pelos favoritos e pelas mensagens que me enchem de alegria ao ler! Amo vocês leitoras❣


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...