História Amor em Guerra - Capítulo 60


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Drama, Medieval, Mistério, Morte, Romance
Visualizações 36
Palavras 2.639
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa noiteeeeee
Aqui estou eu com mais um capítulo super emocionante! Chorei escrevendo ele 😍😍
Espero que gostem! Beijos

Capítulo 60 - A Hora da Verdade - parte 2


Anteriormente em Amor em Guerra...
 

Sinto um braço envolvendo a minha cintura. No princípio ignoro, mas depois percebo que não estou sonhando.
 

Abro os olhos, e ainda é madrugada.
 

Sinto o calor da respiração dessa pessoa que está abraçada a mim no meu cabelo, assim como consigo sentir o seu perfume... Aquele perfume que sempre fica no meu travesseiro das outras vezes que ele veio me visitar, só que nunca fora descoberto... até agora.
 

Pego em sua mão sutilmente, e lentamente tento virar-me para ele, o que o faz recuar para não ser descoberto, mas seguro firme em seu braço, e me viro para ele, olhando em seus olhos verdes que me olham surpresos.
 

Dou um singelo sorriso para acalma-lo, enquanto a minha mão ainda está sobre a dele em minha cintura.

- oi Ethan. - sussurro. - Estava mesmo querendo falar com você.

Ele continua calado, ali surpreso por ter sido descoberto.

- sei das tuas visitas secretas há um tempo. - digo.

- como? - diz ele. - por causa das tulipas amarelas?

- também... mas antes disso já sabia por conta do seu perfume que sempre fica no meu travesseiro.

Estamos deitados, um de frente para o outro, com o braço dele envolvido em minha cintura, clareados pela luz de um vela sobre o criado mudo que está quase no fim.

A respiração dele está curta e rápida, ele está nervoso. Ele fica tentando tirar o braço, mas estou segurando.

Claro que se fosse depender de força, ele fugiria com facilidade... Mas ele se esqueceu de sua força de tão nervoso que está.

Não posso deixar nossos sentimentos aflorarem. Preciso acalma-lo para termos uma conversa.

- se acalme, Ethan... - digo com um sorriso. - não contarei a ninguém. - digo.

- eu só... quero voltar para o meu quarto... estou com vergonha desse acontecimento para ser franco. - diz ele de olhos fechados. Ele deve estar vermelho como um tomate.

- não... espera... vamos conversar. Tenha uma dúvida para tirar e quero que seja sincero comigo... por favor.

Ele olha em meus olhos por alguns segundos

- Tudo bem... - diz ele parando de relutar. - já que estou aqui...

- fica tranquilo.. eu até gosto das suas visitas... me sinto segura, já que fui atacada numa hora como essa. - digo afim de tranquiliza-lo.

Ele sorri. Parece estar se acalmando.

- mas sei que é inconveniente, me desculpe. - diz ele.

- Tudo bem... não tem problema.

- qual dúvida você tem? - pergunta ele.

Me aproximo mais dele, para olhar bem em seus olhos. Ele parece ficar novamente nervoso com a minha aproximação, seu olhar passeia pelo meu rosto.

- porque a Tulipa amarela? Ela possui algum significado? - pergunto já sabendo da resposta.

- não um significado exatamente... Escolhi ela por imaginar que você gostaria, já que sempre vejo você de amarelo... - diz ele me parecendo nervoso.

- sim... eu gosto de amarelo, mas você me afirma que é só por isso, e não pelo significado dela? - questiono.

Ele respira forte e desvia o olhar.

- ai Emi... é tão difícil... - diz ele suspirando.

- eu sei bem o significado da tulipa amarela... - digo. - só diga se é verdade ou não, para eu não ficar imaginando coisas.

Ele volta a olhar nos meus olhos, e fico a espera da resposta.

- mas saber da verdade mudará em que? - pergunta ele. - vamos deixar as coisas assim... - diz ele.

- não... - digo. - quero esclarecer tudo Ethan... Eu vou me casar sábado, e não posso ficar com a cabeça pensando se você gosta de mim ou não. - digo o olhando nos olhos.

Sua expressão fica triste, acho que por ouvir as palavras: "Eu vou me casar.".

Ele se levanta da cama, e eu consigo pegar em sua mão, para impedir de ir embora.

- Ethan por favor... Vamos conversar como adultos, esclarecer tudo... prometo que não contarei a ninguém... Também tenho o que ti falar, preciso que me escute. - digo.

Diante desse meu pedido fazendo uma voz meiga, ele se senta na cama.

- E... e aí não tocamos no assunto nunca mais? É esse o teu objetivo nessa conversa? Por um ponto final? - pergunta ele num tom que confesso que me partiu o coração.

- Sim. - digo. Tenho que ser firme, se não cederei para o que sinto por ele. - Um ponto final na nossa história que... que nem começou.

- não queria ter que por um ponto final pra ser sincero... - diz ele num desabafo. - eu gosto da sua companhia.

Eu me sento na cama, e fico de frente pra ele.

- eu... eu também gosto Ethan... Então, por favor vamos tornar esse momento o mais agradável possível. - digo. - Sabemos que esse momento teria que acontecer.

Ele afirma com a cabeça, concordando.

- é sinceridade que você quer? - diz ele.

- sim. - respondo. - Aproveite pra se abrir pra mim enquanto não estou casada, porque depois você pode se arrepender de não ter falado o que sente por mim.

- Então tá... É tudo verdade. - diz ele.

- o que é verdade? - questiono confusa.

- te dava tulipas amarelas pelo significado... eu... eu... eu sei que não há esperança para nós dois. - diz ele com um tom baixo, baixando a cabeça.

Caramba. Minha alma saiu do meu corpo agora.

- a verdade é que... - diz ele. - Que você me encantou no primeiro sorriso que me deu, naquele dia em que você e Daniel ficaram noivos...

Aí meu Deus.

Eu não sei explicar o que estar se passando com o meu corpo nesse momento, estou me tremendo toda...

- eu sabia que você era diferente naquele dia... - continua ele. - eu sabia que iria acabar gostando de você. Tão linda e gentil... E teimosa... Por isso eu decidi que iria ser grosso com você pra não acontecer... isso. - Caracas... eu engulo em seco. Como vou ficar depois de ouvir tudo isso? - Eu não queria me apaixonar por você Emilly, tinha planos de nunca mais me apaixonar, mas acabar que agora eu a...

Ele está sendo tão sincero que posso ver sua alma através das palavras. Sinceramente, estou com medo de gostar demais do que estou ouvindo.

- por favor não diga isso! - digo trampando a sua boca, o interrompendo. - quero acreditar que tudo é só paixão... só fogo de palha mesmo, que logo apagará. - digo meio desesperada.

Ele tira a minha mão da boca dele, e com um sorriso apagado diz:

- então é melhor eu parar de falar por aqui, se não seu pensamento vai mudar. - diz ele.

- obrigada. - digo.

- tem certeza que não quer que eu continue? - diz ele.

- sim.

- então, é a tua vez. - diz ele.

Eu respiro fundo.

O que eu penso e sinto pelo homem dono desses olhos verdes que me olham de uma forma tão profunda?

Vamos lá.

- eu odeio isso. - digo pondo a mão no coração. Sua expressão muda, tentando me entender. - eu odeio como o meu coração fica bobo e anestesiado quando está perto de você como agora, e também detesto ter você no centro dos meus pensamentos... Não gosto nada de como me sinto protegida e calma ao seu lado, e também não gosto de sorrir quando você fala algo engraçado...

Ethan está tão atento em mim que nem piscar está piscando. Seus olhos estão marejados.

Minha voz parece está entalada por conta das lágrimas que querem rolar. Droga... estou tão emotiva ultimamente...

- Eu odeio o seu cabelo loiro e sedoso... Essa barba desalinhada que combina tão bem com você... - eu ponho a mão no rosto dele e sinto sua barba. Sinceramente, estou me controlando, porque como vocês me conhecem, eu sou uma chorona. - e esses olhos verdes lindos... que me fazem esquecer o que eu ia fazer em seguida... - sinto as lágrimas de Ethan escorrerem na mão. - detesto esse teu corpo maravilhoso que me faz perder os sentindos e a pureza da minha mente, e detesto muito mais quando ele me abraça e me faz esquecer os problemas, fazendo tudo parecer melhor. Odeio quando você me escuta e me dar atenção, e também quando me olha como se eu fosse... - minha voz está trêmula, estou prendendo mesmo o choro, mas estou falhando. - ...como se eu fosse preciosa... eu odeio como me sinto especial perto de você. Droga Ethan... - digo enfim soltando as lágrimas presas. - Eu odeio você todinho... Odeio mesmo... Porque sei que não terei você. Porque você fez isso comigo? Porque fez com que eu me apaixonasse por você? - digo num choro discreto. - você sabia que eu ia me casar... Por que você é tão mau?

Ele me olha por alguns segundos, E enfim pisca e volta a respirar.

Eu fico tentando me recompor, enquanto Ethan me olha da forma mais romanticamente triste possível. Ele abaixa a cabeça por alguns segundos, e o ouço dar várias bufadas. Ele está lutando contra si. Como será que ele está se sentindo sabendo disso?

Quando ele também se recompõe, ele se aproxima mais de mim, e põe a mecha solta do meu cabelo atrás da orelha.

- Você não pode imaginar como estou feliz e destruído ao mesmo tempo. - diz ele sério. - estou feliz por saber que a pessoa que eu 'gosto' também gosta de mim, mas triste por saber que jamais poderei ter você. - ele pega em minhas mãos. - Infelizmente, não sou mais um menino de quase 18 anos que segue o coração e joga tudo pro alto... Agora já sou um homem que sofri demais para trair meu único laço familiar que resistiu a toda minha tragédia. Era ele que estava do meu lado nas noites em que eu queria me matar, e que eu queria fugir... ficava dias sem dormir por minha causa, e nunca reclamava, e me perdoava quando eu falava besteiras a ele. Por isso que eu sei que Daniel é melhor pra você do eu, Emilly... E saber disso me machuca também, porque minha vontade é de pegar em sua mão, e gritar que tá tudo cancelado e que você vai se casar comigo... Mas... Eu não posso... E nem você. - Ethan está com as lágrimas rolando em seu rosto sem que ele faça força. - Vocês dois são as melhores pessoas que já conheci, e se eu quero o melhor pra você, quero que se case com o Daniel... Po-por mais que me doa, por mais que vai me partir o coração saber que não vai ser comigo que você vai dormir a noite, ou meu o filho que você vai estar esperando quando estiver grávida... Tudo isso o que sonhei ao seu lado não será comigo, mas vou ficar muito feliz que será com o meu irmão que amo tanto. Ele merece você.

Caramba. Estou sem palavras.

Não consigo falar nada, apenas olha-lo.

Como seria ser Gisele? A mulher que fez Ethan largar tudo por Ela? Como seria tê-lo para si?

Acabaram se as palavras, tanto minhas, quanto a dele. E ficamos apenas nos olhando.

Nesse momento olhando em seus olhos verdes, se passa em minha mente tudo o que eu poderia viver com ele... que boba.

Ele enxuga o rosto.

- acho que paramos por aqui. - diz ele.

- sim, paramos sim. - digo concordando.

- foi um prazer Emilly. Seja muito feliz. - diz ele.

- obrigada Ethan, seja feliz também. - digo.

Ele se levanta da cama devagar, e a passos lentos vai em direção da porta.

É estranho eu desejar que ele fique?

Meu peito está doendo. Meu coração está estranhamente triste, quando deveria estar aliviado por ter  finalmente resolvido a minha situação com Ethan.

Ele para quando chega na porta, e assim fica por alguns segundos. Fico atenta nele.

Ele se vira e se aproxima de mim. Meu coração dispara. O que ele quer?

Eu ainda estou sentada na cama.

- Será que... - diz ele um pouco sem graça. - que você poderia me dar um beijo de adeus? Sem que seja atuação pra matar alguém... ou que você esteja dormindo?

Ele me beijava enquanto eu estava dormindo???

Engulo em seco... nem sei o que pensar... Acho que essa é a oportunidade para encerramos nossa história com chave de ouro.

Sem pensar balanço a cabeça que sim.

Ele se senta em minha frente e nossos olhos se encontram causando uma onda de calor e nervosismo.

Damos as mãos. Ele segura firme as minhas mãos trêmulas, parece que nunca mais vai soltar.

Então começamos a aproximar o nosso rosto, e fechamos os olhos. Meus Deus, estou ouvindo o coração dele, parece bater fora do peito.

Começo a sentir sua respiração em meu rosto, até enfim os lábios quentes dele encostarem no meu, fazendo meu coração saltitar numa roda de emoções confusas.

Lentamente o beijo vai se desenvolvendo. E sinceramente, saber que jamais vou tornar a beijar esses lábios me deixa angustiada, com o coração partido. Então tenho que aproveitar.

Ponho a mão em sua face, e percebo que novamente está molhada de lágrimas. Ele está chorando. Deve está sendo muito mais difícil para ele do que pra mim.

Ele põe a mão em minha nuca, meu ponto fraco, e nosso beijo começa a ter vontade, a ficar mais intenso, meio desesperado. Eu não quero ter que parar de beija-lo...

Sinto minhas lágrimas rolarem também pela minha bochecha, meu coração está desesperado querendo que eu não deixe acabar esse momento, por isso está apelando para as lágrimas.

É um beijo com gosto de saudade, de paixão, e o gosto salgado das lágrimas deixa o beijo com sabor de adeus.

O beijo vai ficando mais lento. Está chegando ao fim.

Vamos nos afastando lentamente um do outro, olhando nos olhos também. Quanta coisa queria viver ao lado desse homem lindo a minha frente...

Em um ato sem pensar, me aproximo mais e o abraço forte, o que é correspondido imediatamente.

O cheiro no pescoço, para que eu venha guardar o seu perfume tão marcante na minha memória e no coração.

Ele me abraça firme.

- acho que nunca irei esquecer você. - diz ele em meu ouvido.

- você vai sim... vai encontrar uma boa moça e será muito feliz com ela... - nossa que difícil falar isso.

Nosso abraço chega ao fim.

Ele enxuga suas lágrimas, e também sutilmente enxuga as minhas com seus polegares.

- Adeus Emi. - diz ele num tom baixo ainda com as duas mãos em meu rosto.

- Adeus Ethan. - digo com um nó na garganta.

Ele acaricia o meu rosto uma última vez, e com muita tristeza se levanta e vai andando em direção da porta.

Minha vontade é de puxa-lo para mim, de abraça-lo e jamais soltar... só que infelizmente não posso fazer isso. Não posso me deixar levar pelas emoções.

Ele abre a porta e vai para o seu quarto, me deixando aqui olhando para a porta fechada sozinha, triste e com um buraco no peito.

Como está doendo... não imaginei que fosse doer assim... afinal... é só uma paixão que vai passar... não sei quando mais vai passar.

Só está sendo difícil assim porque é algo proibido. Acho que isso é psicológico, sempre queremos mais as coisas proibidas, temos a visão que as coisas proibidas são melhores... O que nem sempre é verdade.

Pego o travesseiro em que ele estava deitado, e sinto o seu perfume.

Deito-me na cama abraçada ao travesseiro com um enorme vazio aqui dentro, como se Ethan tivesse levado parte de mim. Como é que faz pra esquecer ele agora?
 


Notas Finais


Aí meu Goood
Quem gostou? Quem também chorou?
Até depois 😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...