História Amor em Hollywood (Um conto SasuSaku) - Capítulo 19


Escrita por: e LuSteUchiha

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Hashirama Senju, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Karin, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, TenTen Mitsashi
Tags Fama, Naruhina, Naruto, Nejiten, Saiino, Sasusaku, Universo Alternativo
Visualizações 1.543
Palavras 7.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo!

Capítulo 19 - Havaí


Fanfic / Fanfiction Amor em Hollywood (Um conto SasuSaku) - Capítulo 19 - Havaí

 Ela estava tão linda daquele jeito, tão natural sem maquiagem nenhuma, os cabelos rosadas eram balançados pela maresia forte no início da noite, usava uma saída-de-praia branca leve transparente que mostrava seu biquíni preto, uma deusa realmente, mas sua expressão não era a mais amistosa, ela sussurrou algo que Sasuke pensou ser seu nome ou uma praga. Estava claramente surpresa por ele estar ali e Sasuke não a culpava.

 - O que tá fazendo aqui, Sasuke? – ela deu um passo na direção dele.

 - Precisava ver você. – disse ele a olhando nos olhos.

 - Ficou com medo de eu me afogar no mar? – perguntou ela, irritada – Vai embora.

 Ela começou a se virar, Sasuke sentiu o peito doer mais uma vez só de ver ela se virando e indo pra longe dele de novo.

 - Por favor, Sakura, só me escuta. – pediu ele correndo na areia pra segurar o braço dela, tocá-la era ser eletrocutado, seu coração voltou a bater e com mais força com aquele descarga elétrica que qualquer contato com Sakura lhe causava, ela o olhou e ele pôde ver todo o estrago que tinha feito, ela estava totalmente quebrada por dentro, talvez fosse tarde demais – Me deixa falar com você, se ainda quiser pode ir embora depois e eu nunca mais te importuno, mas me escuta! É tudo o que eu peço.

 Ela se distanciou do toque e cruzou os braços. Ela o estava desafiando a mudar sua vontade de ir embora, o desafiando a desfazer todo o estrago que tinha feito e Sasuke se sentia fraco sob os olhos verdes dela. Estava naquela maldita ilha há um dia e meio e ainda não tinha certeza do que queria falar pra ela.

 - Eu sinto muito, eu realmente não queria te magoar, eu nunca quis e precisa acreditar em mim, mas tudo isso é novo demais e eu fiquei com medo, na verdade ainda estou. – ele fez uma pausa tentando organizar toda a bagunça de sentimentos dentro do peito – Desde que posso me lembrar a coisa que eu achava mais ridícula era um homem apaixonado, tudo perdia o sentido pra ele e ele não era mais dono da própria razão e isso era normal aos olhos de todo mundo, a pressão sobre mim para que eu fosse normal era imensa e a última coisa que eu queria era ser comum.

 O rosto de Sakura revelava sua confusão, ela provavelmente queria entender onde Sasuke queria chegar com tudo aquilo, o Uchiha juntou as mãos pensando em como continuaria.

 - Então eu me tornei um caçador, o único sentimento que eu me permitia ter era o prazer e isso me acomodou, meu único amor era o meu trabalho e isso era o suficiente pra mim. Qualquer garota que tentasse conquistar o mínimo do meu afeto me afastava porque eu detestava a ideia de ser como qualquer outro homem suscetível ao amor, eu não era comum, eu era melhor que todos eles! – ele exclamo com a voz mais alta do que devia, normalizou o tom – Mas você apareceu e com você foi tudo tão natural, você não se esforçou pra conseguir o meu afeto só foi você mesma e isso bastou... Mas eu sou um covarde, mas um covarde consciente porque eu sabia, desde os primeiros arrepios e a primeira descarga elétrica eu sabia o que estava acontecendo e eu simplesmente não consegui parar, você é meu vicio preferido, Sakura.

 Agora ela estava entendo o rumo de tudo isso, mas o olhava com uma ansiedade quase palpável.

 - Sabe que eu já não te tratava como uma baby há tempos e isso me parecia tão normal, mas uma parte de mim achou que se eu continuasse levando as coisas daquele jeito, se eu nunca dissesse eu não seria comum e aquele sentimento que jurei não ter não seria real. – Sasuke abaixou a cabeça tomando coragem.

 - Então o jeito que estávamos estava bom pra você? – ela perguntou quase ofendida.

 - Eu realmente não sabia até ver o seu olhar magoado naquela festa, ali eu percebi que não gostava daquilo também. – disse Sasuke voltando a olhar pra ela – Você me destruiu naquele domingo, Sakura, tudo o que me disse, todos aqueles sentimento... foi rápido demais, eu tive um choque muito forte e eu não consegui te dizer nada. E eu deixei você ir. Eu passei essa semana me torturando com a imagem de você saindo, com o sentimento de culpa e a dor de não entender tudo o que estava acontecendo no meu peito. Então eu não suportei e precisei vir até aqui pra te dizer o que eu devia ter dito naquele dia.

 Ela abaixou a cabeça, estava claramente se segurando pra não chorar e Sasuke entendia, ela devia estar tão ferida quanto ele, talvez mais que ele.

 - Eu te amo, Sakura. – ele soltou. Ela levantou o rosto prendendo o olhar choroso nele, ela mordeu o lábio inferior negando com a cabeça como se lutasse contra um demônio interno próprio, Sasuke sentiu um enorme peso sair de suas costas, o alivio foi tão violento que ele sentiu os olhos arder, mas chorar já era demais – Eu não melhor do que nenhum homem que ama, você me faz melhor e eu preciso de você. Estar apaixonado por você não é mais o meu maior medo, meu maior medo é ter demorado demais e ter pedido você pra sempre, porque nunca me perdoaria por isso.

 Ela virou as costas para Sasuke que sentia o coração acelerar, ela entrelaçou os dedos nos próprios cabelos os puxando pra trás, ela começou a rir de indignação misturado a um choro forte que ela tentava a todo custo parar. Sasuke não sabia como agir agora, não sabia se andava até ela, se a tocava ou se simplesmente dizia mais alguma coisa.

 - Sakura, por favor... diz alguma coisa. – pediu Sasuke aproximando dela.

 - Você é um idiota, Sasuke! Um idiota completo! – ela o olhou chorando – Por quê, Sasuke? Por que não me disse isso quando eu me declarei pra você?

 - Sakura... – ele começou.

 - Eu fiquei todos esses dias me sentindo insuficiente pra você, sofrendo por achar que nunca me amaria, que tinha sido só mais uma pra você! Tudo por que você é um covarde? – perguntou Sakura irritada – Eu não sei o que aconteceu no seu passado pra você ser assim, mas a culpa não é minha, Sasuke.

 - Eu sinto muito, Sakura, eu sei que tô errado e tô aqui pra fazer certo dessa vez. – disse Sasuke tentando tocá-la, mas ela fugia de seu toque – Por favor, não tem como entender o quanto isso tá sendo difícil pra mim, então... Só me dá uma chance.

 - Acho que não entendeu o que eu te disse naquele dia, Sasuke. – disse ela secando as lágrimas – Não vou mais ser sua baby, então me desculpe se não tô entendendo o que espera ganhar com isso.

 - Não te quero mais como minha baby, Sakura. – Sasuke soou convicto – Quero que seja minha namorada, quero poder mostrar pro mundo que eu sou o homem mais sortudo do mundo por ter você como minha mulher.

 Sakura passou por ele e Sasuke suspirou. A praia toda iluminada já não importava pro Uchiha, ele se viro a seguindo com os olhos, era o cenário perfeito para um reconciliação, mas Sasuke tinha sido egoísta demais de achar que ela iria se jogar nos braços dele se ele se confessasse. Por um momento tinha se esquecido do quanto a magoasse.

 - Acha mesmo que é o suficiente? Acha que toda a dor vai desaparecer com as suas palavras? – ela perguntou abrindo os braços – Você não tem ideia do que tá acontecendo dentro de mim.

 - Então me deixa saber. – disse Sasuke se aproximando tomando o rosto dela nas mãos e a fazendo olhar pra ele – Me diz o que eu tenho que fazer.

 - Me prova que me ama como diz, me faz acreditar em você, Sasuke. – disse ela o olhando nos olhos – Você tem essa semana pra me convencer de que amar você não é só dor.

 - E eu vou. – ele prometeu feliz por ter pelo menos a chance de mostrar, mesmo sem ter ideia do que fazer.

 Ela suspirou saindo andando e Sasuke suspirou sabendo que seria difícil.

∞∞∞

  Naruto não conseguia escutar direito, mas se esforçava porque não podia perder a chance de contar tudo para os meninos depois, estava tão interessado em zoar Sasuke posteriormente que estava numa floresta com Hinata e estava olhando para a areia.

 - Não devia estar espiando, é um momento deles. – disse a doce voz de Hinata e Naruto esqueceu do resto do mundo e se virou para seu lindo anjo que estava uma tentação naquele maiô preto com um decote maravilhoso e uma saída de praia transparente também preta.

 - Tem razão, anjo, eu vou ser um bom amigo e me afastar. – disse Naruto sorrindo, pegou a mão de Hinata porque gostava da sensação e juntos voltaram para onde o carro estava, mas resolveram aproveitar a noite – Gostou do Havaí?

 - Gostei, é muito bonito, mas... não sou muito chegada ao sol. – disse ela sorrindo – Acho que nunca usei tanto protetor na minha vida.

 - Eu imaginei, você é bem branquinha. – disse Naruto e ela sorriu lindamente – Eu gosto de sol, dá pra ver pela minha pele.

 - É curiosa a mistura da loirisse com a pele bronzeada. – ela riu.

 - Espero que o Sasuke fique mais tempo, assim posso ficar mais tempo com você. – disse ele e ela corou ficando ainda mais bonita, Naruto tomou coragem e pigarreou tentando encontrar um jeito de adentrar o assunto – Soube que vai ter o baile na sua escola....

 - É... – ela soou doce – É o baile de formatura.

 - E... já tem um par? – perguntou temeroso por ter sido direto de mais, Hinata não apresentou desconforto.

 - Não. – ela respondeu colocando as mãos pra frente – Eu só vou porque prometemos ir pela Sakura e a Ino me mataria se eu não fosse.

 - Então vem comigo. – disse Naruto o olhando.

 - O que? – ela arregalou as maravilhosas orbes peroladas.

 - Me deixa te levar ao baile, dançar com você e te fazer rir a noite inteira. – disse Naruto – Eu fico um gato de smoking.

 Hinata riu corada.

 - Vamos! – ele insistiu – Eu compro uma limusine se quiser.

 - Não precisa de Limusine, Naruto. – ela desviou o olhar – Eu aceito ir ao baile com você, se vc não se importar em ser visto comigo...

 - É uma honra ser visto com você. – disse Naruto segurando-a pelo queixo a fazendo olhar para ele, corada como sempre – Serei o homem melhor acompanhado da noite.

 Ela fixou os olhos nele, Naruto achou que não tinha problema beijá-la já que queria muito, inclinou-se roubando os lábios dela de novo, eram doces e delicados, assim como ela, ela retribuiu o beijo colocando as mãos no peito dele, o loiro resolveu que adorava beijá-la.

 Encostou a testa na dela, acariciando seu rosto.

 - Gosto de beijar você. – disse Naruto.

 - E-Eu gosto que me beije. – sussurrou.

 - Não quero que beije mais ninguém. – confessou Naruto.

 - Eu não quero mais beijar ninguém. – confessou Hinata.

 - Humrum. – Sakura pigarreou atrás dele, Hinata praticamente saltou nos braços de Naruto – É ótimo ver vocês assim, mas eu quero ir embora, Hina.

 - Tudo bem. – disse Hinata.

 - Deu uma chance pro Sasuke? – Naruto perguntou.

 - Não sei se ele merece. – disse Sakura, claramente perturbada.

 - Tchau, Naruto. – disse Hinata pegando a mão de Sakura e a levando para o carro, Naruto acenou para o motorista e ele saiu.

 Naruto passou pela trilha encontrando o amigo na praia, se aproximou dele, Sasuke parecia mais relaxado, mas não estava feliz e isso preocupou Naruto.

 - Você tá bem? – Naruto quis saber. Sasuke respirou fundo olhando o mar.

 - Eu tô melhor, mas não tô bem. – disse Sasuke – Ela não me disse um ‘não’, mas pude ver o quanto a machuquei e isso me doeu muito.

 - Ninguém é imune a magoar alguém que não quer. – disse Naruto e Sasuke suspirou – Eu posso fazer uma pergunta?

 - Pode. – disse Sasuke, exausto.

 - Esse bloqueio com sentimentos, esse medo de sentir... – Naruto fez uma pausa tentando achar palavras que não magoassem o melhor amigo – Tem a ver com ele? Você sabe, seu pai.

 Sasuke respirou fundo e Naruto se preparou para um soco ou gritos.

 - Tudo isso acabou comigo e eu nunca tinha parado pra pensar nisso até a Sakura ir embora, então eu acho que sim. – disse Sasuke em um tom tão diferente que Naruto não conseguiu distinguir, seria arrependimento? – Mas eu não vou deixar isso acabar comigo. Vamos, preciso comprar uma casa, eu odeio hotéis.

 Naruto riu e o seguiu.

∞∞∞

 Os pensamentos de Sakura estavam terrivelmente confusos quando ela e Hinata chegaram ao hotel, Hinata parecia achar que Sakura estava com raiva, mas Sakura não estava, pelo menos não de Hinata, de Sasuke talvez, mas fora ótimo escutar aquilo, saber que ela era mais que uma garotinha desprezada, o que não significava que ela estava bem ou inclinada a voltar para Sasuke.

 Abriram a porta do quarto encontrando Ino, Sasori e Tenten claramente preocupados, a loira saltou da cama parecendo pronta para agarrar Sakura pelo pescoço e matá-la.

 - Onde diabos vocês estavam? – perguntou Ino, possessa.

 - Estamos ligando pra vocês há horas! – disse Tenten.

 - Acho bom terem uma boa explicação! – disse Sasori cruzando os braços – Onde vocês estavam.

 - Com o Sasuke. – disse Sasuke e o queixo dos três caíram. Sakura andou até sua cama se sentando, respirou fundo e começou a contar tudo o que Sasuke tinha dito, forçou-se a não derrubar lágrimas enquanto reproduzia tudo o que tinha ouvido do Uchiha e os amigos pareciam atônitos ao ouvir tudo aquilo, contou também o que tinha dito a ele – E foi isso.

 - Meu Deus, Saky. – disse Tenten – E como você tá com tudo isso?

 - Eu tô irritada. – ela foi sincera recolhendo os joelhos – Ele realmente achou que foi justo tomar esse tempo pra ele enquanto eu me corroía em dor?

 - Se é assim, por que resolveu dar essa semana pra ele? – Sasori questionou.

 - Porque ela o ama. – disse Ino e todos olharam pra ela – Acho que deve dar uma chance pra ele.

 Sakura não entendeu, achou que de todos Ino seria a mais resistente quanto a isso, estava surpresa.

 - Ele veio. – disse a Yamanaka – É verdade que ele demorou e por isso você tá muito certa em pedir essa prova, mas ele veio e você não deve se fechar pra ele. Eu sei que isso dói, mas a dúvida dói mais.

 - Parece que a loira não é só vadia, é inteligente também. – Sasori beijou o rosto de Ino que sorriu.

 Sakura se encolheu.

...

 No dia seguinte Sasuke convidou a todos para um almoço no restaurante típico muito chique, foram todos e se sentaram, não havia mais ninguém além deles. Era estranho, trocava olhares com o Uchiha e desviava o olhar como se estivesse flertando pela primeira vez, resolvera que o deixaria tentar, mas notou que Sasuke não investiu muito.

 - Eu adoro ostras. – comentou Naruto enfiando a língua em uma, todos começaram a rir.

 - Se deu bem hein, Hinatinha. – brincou Ino fazendo Hinata tomar uma cor vermelha muito forte.

 - Que foi? – perguntou Naruto sem entender.

 - Nada. – Sasuke riu. Vê-lo bem-humorado era estranho, mas Sakura estava gostando de ver o sorriso de Sasuke tantas vezes em uma conversa.

 - Olha ele, bem-humorado Uchiha? Eu quis muito quebrar todos esses dentes perfeitos. – disse Ino e Sakura a fuzilou com o olhar – Vê se não faz besteira agora.

 - Você e o Sai foram feitos um para o outro. – foi tudo o que Sasuke disse.

 Os outros se envolveram em outra conversa qualquer, algo sobre Sasuke ter abandonado o set de gravação e arrastado Naruto. De repente Sakura sentiu Sasuke tocar sua mão e o olhou.

 - Vem ficar esses dias comigo. – chamou ele – Não conseguir me conhecer só em almoços e jantares.

 - Não posso abandonar meus amigos. – disse a rosada.

 - Ah, mas não estaremos abandonados. – disse Sasori e Sakura notou que todos os olhavam – Vai na fé.

 - Por favor. – pediu Sasuke ainda segurando sua mão.

 Sakura olhou aquelas orbes ônix se derretendo por elas, mas se manteve firme por fora, apenas assentiu pro Uchiha que ficou mais feliz do que nunca. Depois do almoço foi pro hotel com as amigas, juntou a coisas em uma mala tendo certeza de que Ino não se sentiria sozinha, a loira e os outros amigos apoiaram muito esses dias com Sasuke.

 Sasuke a pegou em um jipe da ultima linhagem, provavelmente tinha comprado só pra andar lá, entrou colocando as malas. Partiram quando a tarde já estava no final, era longe, bem longe, quase três horas depois saíram do centro comercial e entraram as trilhas.

 Quando a noite caiu chegaram a uma charmosa casa de praia que ficava de frente para um praia particular maravilhosa, era feita principalmente de madeira e tinha muitas janelas dois andares muito bem decorados, era arejada e muito bonita.

 - Não acredito que alugou essa casa só por não gostar de ficar em hotéis. – disse Sakura olhando em volta.

 - Eu comprei essa casa. – corrigiu ele entrando com as malas dela. Sakura se virou para ele que esperou para ver o que ela tinha pra falar.

 - Eu aceitei vir pra cá, mas precisa saber que eu não vou pra cama com você e nem te beijar. – ela foi firme – Resolvi deixar você tentar, mas não vamos agir como se nada tivesse mudado.

 Sasuke deu um meio sorriso.

 - Imaginei que seria assim, por isso não vamos dividir o quarto. – informou ele – Mas fique a vontade pra invadir o meu quando quiser. Vou levar suas malas.

 Sakura achou isso legal da parte dele e deu um sorriso fraco quando ele subiu as escadas de madeira. Saiu a varanda se maravilhando com a vista do mar à noite, depois de alguns minutos Sasuke desceu se juntando a ela.

 - Como você pode não gostar da praia? – Sakura perguntou suspirando – É tão lindo.

 - Eu não gosto da areia ele se encostou no balaústre de madeira – Então, o que vamos ter pro jantar?

 - O que? Eu vou cozinhar? – perguntou Sakura.

 - Abasteci a geladeira pra você. Essa semana somos só nós dois. – disse ele com um meio sorriso. Sakura riu de indignação e entrou.

...

 Passou alguns minutos pensando no que faria até optar por uma massa ao molho branco, Sasuke abriu uma garrafa de vinho servindo duas taças e se sentou no balcão olhando a Haruno cortar o que precisava enquanto o macarrão cozinha.

 - E não é que sabe mesmo o que está fazendo. – zombou ele.

 - Deu sorte de eu saber cozinhar, ou passaria fome. – disse ela estendendo a faca na direção dele.

 - A minha dúvida é o motivo de uma princesinha como você saber cozinhar. – disse ele bebendo um gole de vinho – Não é como se precisasse.

 - Me acalma e me diverte, aprendi tudo o que sei com a Chyo. – disse Sakura pegando sua taça também.

 - E o que teremos hoje, cheff? – perguntou o Uchiha.

 - Massa ao molho branco, senhor. – ela entrou na brincadeira e andou até as panelas.

 - Então iremos à Itália essa noite? – indagou ele – Já foi à Itália?

 - Algumas vezes. – disse Sakura colocando tudo no fogo e começando a mexer – Não é como se fosse meu lugar preferido no mundo.

 - E qual é? – Sasuke parecia querer saber.

 - Amsterdã. – ela nem precisou pensar.

 - Por quê? – perguntou o Uchiha.

 - Foi a última viagem que fizemos todos dias, meus pais, Kakashi e eu. – disse Sakura com uma saudade boa, virou-se sorrindo para Sasuke – O anoitecer navegando nos canais é maravilhoso assim domo o champanhe nacional, o Le Orange é o melhor restaurante do mundo.

 - Eu nunca fui à Amsterdã, mas depois de ver esse brilho nos seus olhos tô com vontade de ir. – disse o moreno e Sakura sorriu, voltou a mexer a mistura branca.

 - E o seu lugar preferido do mundo, Sasuke? – perguntou Sakura.

 - Hollywood. – disse ele e Sakura o olhou incrédulo.

 - É sério? – duvidou.

 - Eu sempre quis aquele lugar. – ele deu de os ombros, Sakura achou aquilo tão simples, nunca imaginou Sasuke como um homem simples.

∞∞∞

 Sakura realmente cozinhava bem, depois de comerem bem Sakura tirou a mesa e o obrigou a lavar a louça, Sasuke relutou, mas ela fechou a cara e ele não teve outra alternativa, era uma batalha sem tamanho, se ligasse a água de menos demorava muito e se ligasse muito espirrava para todo lugar, o molho demorava a sair e Sasuke estava detestando tudo aquilo.

 A Haruno resolveu que tomaria um banho enquanto o Uchiha lavava a louça, voltou a cozinha com os cabelos rosados molhados, vestia uma camisola perola assim como um roupão por cima, Sasuke precisou afastar a vontade de rasgar tudo e possuí-la sobre o balcão.

 - Ainda não terminou? – perguntou ela brincando – Que demora Uchiha!

 - Pronto. – ele se virou pra ela e Sakura riu dele por estar todo molhado.

 - Nossa, Sasuke, eu disse que lavar a louça não você. – disse rindo.

 - Engraçadinha. – disse Sasuke retirando a camisa preta e notando que ela estava pingando, Sakura riu pegando o pano de prado e pressionando contra o tórax dele, ela ergueu o olhar encontrando o dele e perdendo o sorriso – Você é linda.

 - Sasuke. – ela repreendeu se afastando.

 - Só disse que você é linda, Sakura. – se defendeu.

 - Banho, Uchiha. – ela saiu da cozinha.

 Sasuke subiu para seu quarto entrando no chuveiro, sua mente era tomada por lembranças com Sakura, não achou que seria tão difícil estar perto dela sem poder tocá-la, mas precisava aguentar. A maresia deixava o vento gelado então o Uchiha conseguiu colocar uma calça pra descer, continuou sem camisa, achou que não faria mal provoca-la um pouquinho.

 - Não tem roupa, não? – perguntou ela corada e olhando para o lado.

 - Te incomoda? – ele perguntou de forma maliciosa.

 - Se quer saber, eu nem ligo. – ela mentiu – Fiz chá.

 - Na praia? – ele perguntou e ela fechou a cara – Adorei.

 Sentaram-se na sala, Sasuke deixou seu chá sobre a mesa de centro e se deitou no sofá, a rosada ficou na poltrona e resolveram entrar no assunto e viagens, Sakura testava para ver se Sasuke tinha viajado para todos os lugares.

 - Grécia? – ela falou.

 - Duas vezes. – respondeu ele olhando pro teto.

 - Bulgária! – ela falou como se tivesse conseguido encontrar.

 - No final do ano passado, existem festas insanas em Sófia. – disse o moreno e Sakura bufou.

 - França? – sugeriu.

 - Ah oui, Mademoiselle, j'ai passé six mois là-bas à enregistrer le Maximum Danger. (Ah sim, senhorita, na verdade passei seis meses lá gravando o Perigo Máximo.) – respondeu ele com um francês perfeito.

 - Si vous pensez que je ne connais pas le français, vous vous trompez, monsieur. (Se acha que não sei francês está enganado, senhor) – disse Sakura e ele a olhou surpreso.

 - Onde aprendeu a falar francês? – perguntou.

 - Minha avó mora na França desde que posso me lembrar, passei muitas férias com ela e quanto ela morou aqui por alguns meses me ensinou muito. – explicou Sakura.

 - Não canso de me surpreender com você, pequena. – disse ele a olhando.

 - Acho que vou dormir. – disse ela se levantando – O que vamos fazer amanhã?

 - Ainda não decidi. – disse ele – Mas vou pensar em algo.

 - Boa noite, Sasuke. – disse ela.

 - Boa noite, Sakura. – Sasuke sorriu.

∞∞∞

 Quando Sakura acordou fez suas higienes matinais, colocou um vestido vermelho rodado e solto, o calor tinha se abatido sobre o Havaí de forma absurda, deixou os cabelos soltos e desceu descalça mesmo, a mesa já estava posta e com o café pronto, Sasuke sorriu abrindo os braços.

 - Você não fez o café. – ela cruzou os braços.

 - Não, mas eu fui comprar com muito carinho. – disse ele e ela riu se aproximando, Sasuke se aproximou dela escondendo algo, a entregou um buquê de flores coloridas e silvestres – Achei que gostaria.

 - Então é assim que vai fazer? – ela perguntou pegando as flores e sentindo perfume.

 - Vou deixar que me conheça, que conheça o lado que tenho medo de mostrar. – disse ele colocando uma mexa de cabelo atrás da orelha dela – Agora sente-se e coma, vamos sair.

 - E pra onde vamos? – perguntou Sakura se sentando.

 - Você vai gostar. – disse Sasuke convencido.

 Sakura sorriu.

 Depois do café entraram no jipe e se afastaram ainda mais do centro comercial, mas no caminho ainda viram alguns carros no mesmo caminho. Era uma vila de nativos, a coisa mais charmosa e menos urbana que Sakura já vira, eles tinha barracas simples pra atender os poucos turistas que estavam lá além deles, nenhum parecia ser do mesmo país que os dois.

 Sakura desceu do jipe encantada, Sasuke se vangloriou por saber que ela gostaria do lugar que descobrira quando fora comprar o café, juntos começaram a ir nas barracas, era difícil falar com os vendedores, sabiam muito pouco da língua de Sakura, mas se entendiam. Provaram frutas locais que eram deliciosas, compraram lembranças para os amigos de Sakura, os nativos eram muito bons com madeira, haviam até assessórios de madeira para mulheres, Sakura não resistiu e comprou alguns para ela e pras amigas.

 Os drinks eram maravilhosos, todos servidos em cascas de cocos, a rosada estava encantada! Tudo era muito musical, instrumentos estranhos em harmonia embalavam o lugar. Sasuke sorrindo era a melhor parte do dia, ah como ela amava aquele sorriso! Ele se afastou um pouco para ver armas locais em exposição, quando Sakura sentiu algo puxando seu vestido.

 Era um linda menininha de no máximo quatro anos, a pele morena e os olhos enormes a deixavam a personificação da palavra fofa, ela segurava uma coroa de flores vermelhas nas mãos, Sakura se agachou.

 - Oi, querida. – sorriu pra pequena.

 - Moça bonita. – ela estendeu a coroa.

 - Ah, é pra mim? – Sakura abaixou a cabeça deixando que ela colocasse a linda coroa – Obrigada, meu amor.

 Uma mulher tão bonita quanto a pequena se aproximou com outra coroa de flores, mas essa era branca, ela sorriu.

 - Por rapaz também. – ela tinha um sotaque muito forte.

 - Obrigada. – Sakura a pegou – Quando eu devo?

 - Nada, o Grande Espirito abençoa o amor de vocês. – disse ela pegando a menina e saindo andando.

 Sakura se virou olhando Sasuke olhando uma faca com o cabo de madeira, aquela tarde era comum como Sakura queria ser comum, podia ser assim sempre. Andou até ele que sorriu pra ela.

 - Eu gostei. – disse ele.

 - Tem uma pra você também. – ela colocou a coroa e Sasuke riu assim como ela.

...

 Sakura sabia que Sasuke andava sem camisa pela casa para provoca-la, mas sabia também que Sasuke era muito mais fraco pra provocações que ela, depois do jantar e do banho ela colocou uma camisola vermelha longa com uma fenda na perna esquerda, desceu para a sala.

 Assim que Sasuke a viu ele se virou de cara para o sofá rindo de si mesmo, Sakura sorriu vitoriosa sentando-se na poltrona e cruzando a pernas deixando a coxa a mostra, Sasuke gemeu deitando a cabeça de lado pra vê-la.

 - Maldade. – murmurou ele.

 - Eu só estou com calor, Uchiha. – disse ela sorrindo. Sasuke bufou virando de barriga pra cima.

 - Me distrai, Sakura, ou vou me jogar de cara no mar. – disse ele fechando os olhos – Sobre o que será nossa conversa dessa noite.

 Sakura pensou sobre algo que sempre quis saber, algo idiota, mas que não se sentia à vontade pra perguntar à Sasuke.

 - Hmmm. – ela pareceu pensar – Com quantos anos deu seu primeiro beijo?

 Sasuke levantou a cabeça franzindo a testa, mas logo voltou a deitar.

 - Quinze. – disse como se fosse normal.

 - Com quem? – continuou a rosada.

 - Com o Naruto. – disse ele e o queixo de Sakura caiu, ela ficou em silêncio por tempo o suficiente pra Sasuke a olhar corado e constrangido.

 - O que? – ela soltou, confusa.

 - Nos odiávamos no primeiro ano, aquele babaca se inclinou na minha mesa pra gritar na minha cara, estávamos discutindo quando alguém esbarrou nele e acabamos com as bocas juntas. – disse ele, Sakura explodiu em uma gargalhada alta e Sasuke riu a contragosto – Foi a pior experiência da minha vida.

 - Eu preciso contar isso pra Hinata. – disse a rosada.

 - Tá bom, engraçadinha, e o seu primeiro beijo? – quis saber o moreno. Sakura perdeu o sorriso na hora, corou um pouco desviando o olhar – Foi comigo? Não é possível!

 - Mas foi. – admitiu ela.

 - Eu acabo de perder a fé nos homens. – Sasuke se sentou – Como ninguém te beijou em dezessete anos? Eu quis te beijar no momento em que te vi.

 Sakura riu o olhando.

 - Eu dei um selinho na Ino uma vez em um jogo de verdade ou desafio. – disse ela e Sasuke riu.

 - Fico feliz de ser o seu primeiro em tudo. – disse ele orgulhoso.

 - Obrigada por hoje, Sasuke. – ela soou sincera – Significou muito pra mim.

 - Tudo por você, Sakura. – ele deu um meio sorriso.

...

 O dia seguinte amanheceu nublado, Sakura se arrastou de forma preguiçosa pra fora da cama, ao descer encontrou a casa vazia com um bilhete sobre o balcão.

 

“Já que a senhora não acordou pra fazer nosso café, fui comprar de novo, não demoro. – Sasuke”

 

Sorriu colocando o bilhete sobre o balcão. De repente ouviu um trovão grave soar nos céus, sentiu um arrepio subir pela espinha e tremeu, correu até a varanda e se assustou ao ver uma tempestade tropical começando a se formar, parecia que seria passageira, mas mesmo assim era um chuva. Seu coração acelerou de forma absurda, voltou para dentro rezando para que Sasuke não demorasse.

∞∞∞

 Sasuke pagou tudo e pegou as sacolas, saiu da pequena padaria no mesmo momento em que um trovão cortou o céu, uma tempestade tropical comum estava se formando, mas ele sabia que para Sakura nenhuma tempestade era comum.

 Entrou no Jipe e dirigiu o mais rápido que podia, a cada trovão que escutava mais alto praguejava, não devia ter saído da casa, não devia ter deixado Sakura sozinha. Chegou e nem pegou as sacolas, saiu correndo para dentro da casa querendo encontrá-la logo.

 - Sakura! – chamou. Ela estava encolhida na sala, mas quando o viu ela correu na direção dele, que a tomou nos braços com força – Desculpa, eu não devia ter saído. Me desculpa.

 - Tá tudo bem. – ela sussurrou com voz chorosa – Você tá aqui agora.

 A chuva começou e Sakura piorou, lutava contra as lágrimas, mas tremia muito. Sasuke pegou uma manta a cobrindo e a abraçando, insistia em acariciar os cabelos dela, sabia que ela precisa de uma distração, então tentou pensar em qualquer coisa.

  - Tá com fome? – perguntou – Posso pegar alguma coisa, minha mãe sempre diz que comida ajuda. – soou nostálgico.

 - Não sai daqui, por favor. – ela pediu se aconchegando mais ao corpo dele.

 - Não vou sair. – disse ele.

 - Fala da sua mãe com saudade. – observou a rosada.

 - Sinto saudade da minha mãe como qualquer filho. – disse o maior, desconfortável.

 - Então por que nunca vai até Nova York visita-la e a chama poucas vezes pra cá? – perguntou Sakura o olhando, Sasuke respirou fundo sentindo-se mal com a conversa – O que há entre você e sua família?

 Ele não queria contar, mas não por não confiar em Sakura e sim porque não gostava daquele assunto, mas sentiu que era a única coisa que faltava para conectar-se a ela de vez.

 - Minha família é dona de uma empresa muito grande, na verdade comandamos meia Nova York, eu venho de uma linhagem de grandes CEOs, meu avô era empresário, meu pai e meus tios também, meu irmão mais velho foi pelo mesmo caminho e tudo o que meu pai esperava é que eu também fosse. – Sasuke deu um sorriso triste – Mas eu nasci com o sonho de atuar e frustrei os planos dele.

 - Brigaram muito? – perguntou a rosada dando uma pausa nos tremores.

 - Ele já não gostou quando entrei pro clube de teatro na escola, mas as brigas começaram quando disse que não faria administração, brigávamos todos os dias, eu era o filho ingrato que não dava valor para o que a família construiu. – disse Sasuke – Minha mãe ficava no meio disso tentando acalmar as coisas, mas não dava certo, nunca nos daríamos bem enquanto eu não fosse o filho que ele queria, enquanto eu não fosse como Itachi. Tudo o que ele queria de mim era que eu fosse um CEO, me casasse e desse netos pra ele, mas eu fugi disso e passei Juliard. Até hoje eu lembro do que ele gritou pra mim no dia em que fui todo feliz contar que tinha sido aceito na faculdade, ele me renegou.

 - Eu sinto muito. – disse ela. Sasuke engoliu a dor ao se lembrar da próxima parte.

 - Eu passei a morar no campos, vivia da mesada que minha mãe dava que não era baixa, minha convivência com o meu pai era mínima, minha mãe sofria muito com isso e eu não pensei duas vezes em me mudar pra Los Angeles no dia em que me formei. – disse ele suspirando – Assim que me mudei consegui um filme por causa do Hashirama, e eu arrasei nesse filme, ele me deu um Oscar e eu não podia estar mais feliz até que Fugaku, meu pai, morreu.

 Sakura apertou a mão de Sasuke, o peito do Uchiha doeu.

 - Ele teve um infarto por estresse, eu não falava com ele direito há anos, na ultima briga eu disse que não precisava dele pra nada e ele disse que eu não era mais filho dele. – contou Sasuke – Então quando ele morreu eu não me senti digno de estar junto com a minha família, e há quatro anos eu me arrependo disso.

 - Não foi ao enterro do seu pai? – perguntou Sakura, cuidadosa.

 - Você não entenderia, eu não estava junto com eles. – disse Sasuke – Porque eu sei que eles me culpam, mesmo minha mãe insistindo em um aproximação eu vejo nos olhos dela que ela me culpa e Itachi... – ele suspirou – O menino de ouro de Fugaku não teria como viver sem me desprezar. Eles acham que eu o irritei tanto que o coração dele parou.

 - Hey. – Sakura tomou o rosto de Sasuke nas mãos – Não foi culpa sua e eu tenho certeza que eles sabem disso. Eu sinto muito pelo seu pai nunca ter te entendido, mas vejo que mesmo assim você o amava, sinto muito pela sua perda, eu entendo isso, mas sei que pode superar.

 Sasuke fixou os olhos em Sakura, sentia-se tão leve em contar aquilo à ela, mesmo que aquela não fosse a história completa, mesmo deixando partes importantes de fora, sentia-se leve por finalmente ter falado, estavam próximos, alguns centímetros e ele terias os lábios que tanto queria, mas subiu o pescoço beijando a testa dela.

 - Durma um pouco, quando acordar a chuva vai ter passado. – disse ele.

 - Deita comigo, Sasuke. – ela pediu e ele não teve como negar. Deitou-se atrás dela no sofá a abraçando forte até que ela adormecesse.

∞∞∞

 Quando Sakura acordou Sasuke não estava mais deitado com ela, dormira muito, a casa estava acinzentada pelo final de tarde, afastou a manta pois a chuva tinha ido embora e o calor voltado, estava suada e desnorteada, sentou-se suspirando e passando as mãos nos cabelos.

 - Que bom que acordou. – disse Sasuke na varanda.

 Ele tinha trocado de roupa, vestia uma calça caqui bege e uma camisa branca, os cabelos bagunçados o deixavam sexy de uma maneira despojada, lindo como um Deus.

 - Por que não me acordou antes? – ela se levantou alisando o vestido florido que usava.

 - Não podia acordar antes de tudo estar pronto. – ele sorriu estendendo a mão – Vem, tenho uma surpresa pra você.

 Ela pegou a mão dele e saíram da casa, na varanda havia um caminho de velas em vidros que levava até a praia.

 - O que... ? – ela começou, mas Sasuke a interrompeu mostrando uma venda preta ela suspirou dando as costas pra ele deixando que Sasuke amarrasse a venda em seus olhos, confiou nele que a puxou em direção a areia, já estava seca, nem parecia ter chovido antes e Sakura agradecia por isso, continuou seguindo Sasuke impaciente por saber o que estava acontecendo – Não gosto de surpresas.

 - Não seja amarga. – disse Sasuke parando. Sakura o sentiu dar a volta em seu corpo e parando atrás de si, ele puxou a venda e ela pôde ver.

 Ele tinha enchido a praia com essas luminárias de vela e vidro, era visualmente uma das coisas mais lindas que Sakura tinha visto, no meio muitas pequenas luminárias contornando rosas vermelhas que escreviam: “Namora comigo?”. O coração da Haruno parou de bater por alguns segundos, até voltar a bater com força a causando dor, a emoção tomou conta e Sakura sentiu os olhos arderem cheios de lágrimas.

 Virou-se para Sasuke e ele sorria.

 - Eu também quero jantar no seu restaurante preferido, quero andar de mão dada e te levar ao baile, quero dançar desde que seja com você. – disse ele estendendo a mão para tocar seu rosto – Sakura, eu te amo e não tenho mais medo disso, tenho medo de perder você e não posso aceitar que saia da minha vida. Seja minha namorada e eu prometo tentar aprender tudo sobre esse novo mundo, eu vou te fazer feliz, só preciso que diga sim.

 - Sasuke... – ela olhou em volta de novo – Sim! Eu quero ser sua namorada.

 Ela suspirou aliviado a tomando nos braços e finalmente se beijaram, Sakura não conseguiria colocar em palavras o quando sentira falta daquele beijo, daqueles lábios, daquele gosto. Aqueles braços fortes a trazendo pra perto e a colando naquele corpo que tanto amava, envolveu o pescoço dele aprofundando ainda mais o beijo.

 - Eu te amo. – ela sussurrou entre o beijo – Eu te amo muito, Sasuke.

 - Me desculpa, me desculpa por te fazer sofrer, eu... – ele começou, mas ela o calou com outro beijo.

 - Me leva pra dentro, Uchiha. – ela sorriu – Me mostra o quanto me ama.

 Entendendo tudo Sasuke a tomou nos braços a pressionando contra seu peito, voltou para a casa subindo as escadas e entrando em seu quarto. Levou Sakura até a cama atacando seus lábios de forma delicada dessa vez, Sakura abriu as pernas deixando que ele se colocasse entre suas pernas, era ótimo sentir o peso do corpo de Sasuke sobre o seu mais uma vez.

 Trocavam sorrisos cumplices entre os beijos, a rosada levou os dedos até os botões da camisa branca do Uchiha, abriu-os lentamente explorando a boca dele, ele a ajudou a retirar a camisa, usou as mãos para subir o vestido floral, o toque ele estava tão intenso e delicado que arrepiava Sakura completamente, era intimo, era perfeito. Ele cessou o beijo para retirar o vestido e jogá-lo em qualquer canto do quarto, por estar sem sutiã Sakura entrou diretamente em contato com a pele de Sasuke e sentiu a eletricidade a preencher.

 - Você é muito linda. – ela sussurrou com o sorriso mais lindo que Sakura já vira. Desceu a boca pelo pescoço dela a fazendo arfar de desejo, Sasuke tinha lábios frios que arrepiavam Sakura, os beijos delicados continuaram pelo pescoço e colo até chegar ao vale entre seus seios – Deus como senti falta do seu cheiro.

 Ele deslizou a língua pelo mamilo endurecido da rosada que gemeu baixinho acariciando seus cabelos, aquela sensação de chama só era causada por seu Sasuke, ele sabia exatamente como toca-la. Continuou lambendo e chupando os seios medianos da rosada a fazendo esquentar e gemer por ele.

 Desceu ainda mais os beijos pelo abdomens da rosada a fazendo sofrer espasmos, arqueou o corpo descendo a calcinha de renda rosa pelas coxas da mesma, sorriu pra ela ao se colocar de joelhos, separou as pernas da menor deslizando a língua pela intimidade de Sakura. O prazer era tão intenso com aquilo que Sakura fechou os olhos aproveitado as sensações de ser tocada por ele, tinha uma língua tão ágil ao chupá-la como se conhecesse cada ponto de seu corpo.

 - Sasuke! – soltou levando uma mão até os cabelos negros dele os acariciando. Ele a penetrava com a língua lentamente insistindo em movimentos circulares dentro da Haruno, assim que ele alcançou o ponto mais sensível e tomou o grelo pulsante entre os lábios Sakura gemeu alto sentindo-se próxima de alcançar seu prazer.

  Quando finalmente alcançou seu prazer trouxe Sasuke pra cima e tomou os lábios dele sentindo seu próprio gosto adocicado, ela estava desesperada para tê-lo dentro de si, mas precisava prepara-lo pra isso, inverteu as posições ficando nua sobre o corpo dele, o ajudou a abrir e retirar a calça bege junto com a cueca branca, começou a descer impaciente para sentir seu gosto, mas Sasuke segurou seu rosto.

 - Não. – ele sussurrou ofegante – Eu quero você logo.

 Ela sorriu, partilhava do desejo e sustentou-se sobre os joelhos posicionando o membro dele na entrada de sua intimidade, sentou-se lentamente sentindo cada centímetro a invadir e preencher, as mãos dele estavam firmes na cintura dele, mas era Sakura quem comandava a velocidade da primeira penetração, gemeram juntos, era tão prazeroso conectar-se assim à ele que ela esquecia-se de qualquer outra coisa.

 Sasuke se sentou colando seu peito aos seios de Sakura, seus corpos estavam tão quentes que o suor se acumulava sobre suas peles sob a forte de uma película fina, os lábios se juntaram como por necessidade e Sakura começou a se mover. Usava os joelhos pra subir e descer no membro do Uchiha, apertava os ombros do amado gemendo em seus lábios, as grandes mãos dele subiram pelas costas da Haruno se entrelaçando em seus cabelos róseos, puxou-os um pouco expondo o pescoço dela, deixou que a língua trabalhasse nele, Sakura só sabia gemer por estar sendo invadida por ele, era a melhor sensação que conhecia.

 - Minha. – ele sussurrou puxando os lábios dela mais uma vez, girou o corpo deitando Sakura na cama mais uma vez, estocou fundo arrancando um gemido mais alto da rosada, ela o sentia tocando seu útero, a pontada dolorida a inebriava tanto quanto o cheio de sexo no quarto – Só minha.

 - A-Aaahn. – ela soltou ao ouvido dele ouvindo grunhir, ele saia e voltava para dentro dela em um ritmo reservado, a intensidade era a chave de tudo, tudo com Sasuke era sempre muito intenso – Tão... fundo...

 Era fundo.

 Era lento.

 Era íntimo.

 E era deles, apenas dele.

 Sasuke levantou a cabeça a olhando nos olhos, seus lábios estavam quase colados, as respirações pesadas, mas sincronizadas.

 - Eu te amo. – ele mordeu o lábio inferior dela – Eu te amo muito, minha Sakura.

 - Eu também te amo, Sasuke. – ela o puxou para mais um beijo. Não havia nada melhor do que sexo com amor, o prazer parecia duas vezes maior naquele momento, precisavam um do outro – Mais Sasuke, e-eu... eu vou...

 - Comigo, Sakura... – disse ele acelerando minimamente as estocadas – Vem comigo, meu amor.

 Sentir Sasuke a preencher com seu liquido quente fez Sakura atingir seu prazer e tocar as nuvens, os olhos reviraram-se por alguns segundos e gemidos roucos arranharam a garganta dos dois, continuaram conectados com as testas encostadas.

 - Eu nunca mais vou deixar você ir. – ele sussurrou – Preciso de você.

 - Eu tô aqui. – ela sorriu – E nunca mais vou embora.

 Beijaram-se.


Notas Finais


FINALMENTE!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...