História Amor entre assassinos(Imagine Jungkook) - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), K.A.R.D
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Jeon Jungkook, Imagine Jungkook, Jeon Jungkook, J-hope, Jimin, Jin, Kook, Namjoon, Romance, Suga
Visualizações 133
Palavras 1.458
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oieeeeee
JHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOPE

Capítulo 22 - Capítulo 22


- Por que houve falhas na missão, S/n? ME RESPONDA - como sempre, a sua voz parecia mais assustadora ao falar comigo. Me encolhi e abaixei a cabeça me sentindo uma completa inútil por não responder a minha irmã, Clara. Um homem alto que estava o tempo todo ouvindo a discussão se pronunciou.

- Clara, ela não conseguiu. É uma criança- essa desculpa nunca foi suficiente para a minha irmã

- Ela tem 16 anos, não é mais uma criança. Deixe-a sem comer por 4 dias, mas antes, leve-na para o laboratório, da próxima vez ela saberá que a única opção é matar. 

Dias atuais...

 Todos sabiam que Namjoon não iria contar nada, pelo menos, não naquele momento. Jungkook foi para o quarto enraivecido. Apenas o segui e fiquei me perguntando se deveria ou não entrar naquele quarto. Apoiei-me naquela porta de madeira com alguns rabiscos e lembrei-me de tudo que havia acontecido nas últimas semanas. Clara, Coreia, minha faculdade e principalmente Jeon Jungkook, o dono de 99% de todos os meus pensamentos. Ele já sabe de tudo sobre o meu passado, ele sabe o que fez eu ser quem eu sou, mas eu, S/n, não sei absolutamente nada sobre o mesmo. Sinto que minha curiosidade pode me matar a qualquer instante, quando foi que passei a me preocupar tanto com alguém? Algo esta surgindo dentro de mim, não, algo surgiu dentro de mim. Por algum motivo, o que surgiu dentro de mim me obriga a entrar nessa quarto, me obriga a conforta-lo, me obriga a tê-lo para mim, apenas para mim e me obriga a tentar entende-lo e se eu o quero feliz, é minha obrigação não deixar essa família acabar, Jeon Jungkook ainda é muito novo assim com eu, é normal os seus questionamentos. Mas que droga, por que eu apenas fico pensando? Por que eu simplesmente não vou embora? Por que eu simplesmente não entro nesse maldito quarto? Do que eu tenho tanto medo? 

- Isso se chama paixão. -me assustei com uma voz grossa ao meu lado -quando eu comecei a gostar do Jin, eu vivia me fazendo varias perguntas e só encontrei a resposta quando finalmente admiti que eu gostava dele. 

- Eu não gosto do Jeon.

- Então por quê pareceu tão preocupada ao vê-lo sair todo raivoso? Por que tem tanto receio para entrar? Do que tem tanto medo?

- Eu não sei, ta legal?

- Você está com medo de admitir que gosta dele, porque se perde-lo você vai sofrer, não só ele, como todos nós.

- Você tem noção do quão louca minha irmã é? -talvez ele estivesse certo, Talvez eu tenha medo do que Carla possa fazer com todos eles. 

- Se permita viver um pouco, você não está mais sozinha. 

- Mas Namjoon...- antes mesmo de terminar minha fala, o filho do Jin apareceu pedindo ajuda a Namjoon em um exercício de matemática me deixando mais uma vez sozinha e pensativa. Respirei fundo e entrei no quarto a minha frente. Encontro Jungkook apenas de cueca secando seus cabelos. O mesmo acabara de sair de seu precioso banho.

- Lembro que da ultima vez que me viu assim você logo se virou. 

- Isso não é mais necessário.

- Tem certeza? - se aproximou me deixando nervosa. De todos os homens, Jungkook foi o único que me deixou nervosa. 

- Eu quero apenas coversar

- Ok - diz se jogando na enorme cama presente. Por que caralhos ele não coloca uma roupa?- sobre o que quer falar? 

- Pode por uma roupa?

- Não. Agora me diz o que quer. -garoto irritante. Me sentei a cama e fiquei em silêncio por um tempo a procura das palavras certas.

- Foi realmente uma surpresa saber que Jin é o cara mais importante da coreia...você deve ta bem curioso para saber quem esta por trás disso tudo.

- E eu to, mas agora eu preciso descansar...deita comigo?

- Eu ainda não tomei banho e...- o observei levantar e pegar uma blusa de manga comprida e uma cueca em uma pequena mala naquele enorme quarto. Estendeu seu braço e com a cabeça mostrou o banheiro. 

- Pode vestir isso, Vai ficar sexy. Agora vá se não quiser que eu te de um banho. 

Peguei a roupa em sua mão e fui para o banheiro. Droga, eu não falei. Tirei toda a minha roupa e me olhei no espelho observando todo o meu corpo. Minha barriga com cortes nas laterais, meu ombro direito com uma cicatriz causada por uma bala de uma cz75bd, meu braço esquerdo um pouco abaixo do ombro possuía cortes que deixaram marcas profundas e horrendas que eu escondo através de uma tatuagem onde são duas faixas, uma mais grossa do que a outro. Eu realmente deveria dizer? Como alguém poderia gostar de um corpo como esse? Abaixei minha cabeça, eu não deveria falar, eu não mereço falar. Senti lágrimas descerem pelo meu rosto, por que eu estou chorando? Medo de ser rejeitada? Eu nunca me importei com minhas cicatrizes, por que agora isso é tão importante? Antes mesmo de responder todas as minhas perguntas, eu sinto braços me envolverem como se quisessem me proteger.

- Eu sou horrível.

- Do que ta falando? Você é linda, S/n.

- Eu sou toda marcada, eu sou horrível.

- Nunca mais diga isso, ouviu? - me virei para ele e o encarei. Me perdi em seus olhos, me confortava, me passava segurança. Eu achei as respostas para as minhas perguntas. Namjoon estava certo, eu preciso me permitir a sentir algo.

- Jungkook, eu gosto de você- falei sem desviar o olhar. Não sabia qual seria a sua reação. Esperei ele dizer algo, mas o mesmo não falou nada apenas me beijou. Eu obviamente cedi. Um beijo apaixonante e único. Me entreguei por completo naquele beijo. Levei minhas mãos para o seu cabelo e aprofundei ainda mais o beijo. Ele apertou minha cintura com força fazendo eu soltar um gemido fraco entre o beijo, o que fez Jeon ri, mas sem parar de me beijar. Infelizmente o beijo foi parando por falta de ar e ele me abraçou. Ficamos abraçados por alguns minutos.

- Kook, já pode me soltar.

- Desculpa, eu fiquei muito feliz em ouvir essas palavras saindo de sua boca. Tome seu banho, estou te esperando no quarto.

...

Terminei meu banho e me deitei ao seu lado. Kook brincava com o meu cabelo enquanto eu apenas permanecia calada aproveitando aquele momento.

- Eu também gosto de você, princesa. Posso te fazer algumas perguntas?

- Pensei que já sabia tudo sobre mim.

- Tem coisa que eu ainda não sei. Por que da ancora na costela e as faixas no braço?

- Porque mostra quem eu sou. Uma âncora significa segurança, firmeza, convicção e ao mesmo tempo significa um fardo, um peso, um fardo a ser carregado, exatamente como eu sou. E as faixas foi uma idéia que tive para tapar uma cicatriz muito feia que tenho, mas descobri que muitos casais costumam fazer.

- Então irei fazer também. 

- Mas não somos um casal.

- Irei resolver isso rapidinho - se aproximou e me deu um selinho rápido e depois mais um e mais um, quando finalmente ia pedir passagem com a lingua ouvimos uns barulhos que parecia alguém gemendo. - e é por isso que no esconderijo os quartos eram afastados uns dos outros.

- O que?

- TAEHYUNG E HOSEOK, DA PRA FAZER MENOS BARULHO? 

- DÁ UM TEMPO, JEON. S/N, RESOLVE ESSE MAL HUMOR DESSE GAROTO.- Jeon me olhou com um sorriso malicioso e eu apenas escondi meu rosto debaixo das cobertas. 

- VAI SE FUDER, HOSEOK. 

- ACABEI DE FAZER ISSO SE VOCÊ NÃO PERCEBEU, MAS JÁ QUE VOCÊ QUER TANTO, VAMOS FAZER OUTRA RODADA. VAMOS, TAEHYUNG.

- EU QUERO DORMIR 

- TA, VAI DORMIR ENTÃO PRINCESA.

Jeon voltou sua atenção para mim que já estava totalmente envergonhada. Ele me puxou para mais perto de si e me beijou novamente. Como eu estou adorando viver e sentir tudo isso. Espero que isso dure mais do que eu imagino.

- Eu tenho mais uma pergunta, por que a Coreia?

- Porque é bem longe do Brasil e porque meu pai amava a coreia, vivia falando da coreia e que queria morar aqui. Coreano foi a primeira língua que aprendi após o inglês, por causa dele, ele me falou uma vez que queria montar um time diferente do time da minha irmã. Ele queria pessoas gentis que estavam perdidas, queria dar esperanças a essas pessoas, mas ele morreu antes mesmo de concretizar seu desejo, e claro, porque é muito longe da minha irmã, poderia fazer qualquer coisa aqui, pois é quase impossível chegar na minha irmã.


Notas Finais


o que acharam do capitulo?
ate a proximaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...