1. Spirit Fanfics >
  2. Amor entre chamas (KakaNaru) >
  3. 09- De volta ao lar

História Amor entre chamas (KakaNaru) - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, meus amados leitores. Agradeço os comentários, favoritos e adições a lista de leitura/biblioteca, todos esses números são importantes.

Mais uma vez, há algo nas notas finais, peço que leia. Tenha uma boa leitura! ❤️

Capítulo 9 - 09- De volta ao lar


 Os dias de Kakashi passavam lentamente — no primeiro, ele estranhou a ausência de Naruto, sentiu saudades de sua companhia matinal, mas sentiu ainda mais quando precisou de ajuda para cuidar de seu corpo, seu conhecimento era pouco. No segundo, ele já sentia bem, a fratura que vinha apresentando melhoras com o tempo havia sumido por completo nesse dia, mesmo que andar ainda incomodasse um pouco, era um fio de esperança que o motivava.

No terceiro dia, ele decidiu que era a hora de retornar para a cidade, se fosse esperar seu corpo voltar para a mesma capacidade de antes iria perder tempo demais nesse lugar inóspito e ele já está cansado disso. Em meios a gemidos — vergonhosos — o homem conseguiu voltar a superfície plana, sentindo sua perna esquerda ainda doer, o tempo sentado havia custado sua resistência física.

Com uma oração silenciosa, pedindo ajuda ao seu Deus para voltar em segurança até seu lar, a caminhada do homem fora retomada. A máscara já não estava em sua face como no início, já não havia o objetivo de combater alguém, então ela jazia na bolsa surrada junto com a foice, que ele eventualmente voltaria a usar.


Algumas horas se passaram, horas que pareciam uma eternidade para o grisalho, o coração do homem acelerou como nunca, ele já reconhecia aquelas árvores mais finas, aquele barulho típico de uma fonte próxima. A cidade está há alguns minutos de distância — tudo que ele conhece, tudo que ele gosta, está próximo demais.

Ele não sabe como será a rotina, definitivamente, Madara não vai gostar de ouvir o seu fracasso nessa missão, mas o homem deve ficar feliz por saber que um de seus melhores caçadores conseguiu retornar de tamanha aventura. Sakura, a mulher de fios rosados também deve ficar feliz pelo retorno do Hatake, ele se lembra com clareza do último diálogo que eles travaram.

Seus olhos não acreditaram na mudança de cenário, a iluminação esbajonsa evidênciava a mudança de ambiente: a saída da floresta negra para a área já com atividades comum. Área onde homens e mulheres faziam coisas como lavagem de roupas ou plantação em geral.

Os passos se tornaram ainda mais rápidos, sem nada mais o preocupar, apenas o ritmo de seu coração que sabia que finalmente haveria o momento de descansar. O tempo preso na floresta fora cansativo em todos os momentos, ter de se preocupar com sua saúde tornava tudo tenso.

Outrora, ele poderá pensar em tudo que estava o preocupando, em como irá catalogar sua relação com Naruto, em como serão as caçadas após o fracasso nessa. Agora, ele somente deseja estar em um lugar em que se sinta bem, um lugar onde ele saiba que não poderá morrer se fechar os olhos por tempo demais.

[…]

Os portões da cidade estavam abertos, os sentinelas apenas assentiram permitindo a entrada do conhecido caçador — se havia alguma preocupação sobre a missão, não parecia, os homens estavam irreverentes. Kakashi ainda estava receoso, como se a ideia de finalmente estar em segurança fosse idealizada demais, demorará para seus sentidos voltarem ao normal, para a adrenalina retornar aos níveis habituais.

Ele se perguntou para onde deveria ir primeiro, ver Itachi seria amigável, porém o homem o encheria de perguntas, e a mesma situação aconteceria com Sakura, ou Sasuke. Se deveria ser questionado sobre tudo, era melhor fazer para quem realmente importava, Madara Uchiha.

Kakashi respeita o homem de imponentes fios negros de forma quase que irreal, ele foi a pessoa que cuidou dele quando seu pai morreu. Mesmo que a relação nunca tenha sido algo fraternal, o Uchiha é o responsável por ele estar vivo até aqui, o mundo é cruel com crianças órfãs.

O grisalho podia sentir os olhares pairando em sua direção, alguns esbanjavam preocupação com seu estado ainda preocupante, o corpo continuava cansado e sujo, coisa que ele só ira conseguir resolver quando for para sua casa. Outros, apenas o julgavam — um homem como ele não deveria demorar tanto para retornar, pior ainda, retornar nesse estado era humilhante para alguns.


As casas já se tornavam maiores, a região próxima da Igreja era a dos homens que viviam do comércio de especiarias, ou tinham altos cargos no clero e exército. Madara era o segundo caso, o homem era o comandante do tribunal católico, responsável por organizar as Santas Inquisições, o dever que era dos Uchihas desde sempre, os padres já afirmaram que era um papel divino, então, não há o que questionar.

Ele parou abruptamente, observando a reforçada porta de madeira, as vigas de ferro mostravam como segurança era uma preocupação. O archote em frente a casa já estava acesso, mesmo que o sol ainda estivesse no céu. O homem arfou, batendo logo após na porta, sabendo que em breve seria atendido, raramente o outro não estava em sua casa.

— Senhor Madara! — Kakashi falou em um tom alto, escutando o som de ferrolhos sendo abertos logos após.

O homem surgiu em sua plenitude, trajando uma roupa de tecido luxuoso, vermelho em um tom que poderia chamar a atenção de qualquer um. Os fios negros fartos desciam até a altura de seus ombros e ao juntar tudo com as orbes negras do homem, que exalavam seriedade, Kakashi via o lembrete de que aquele era o seu capitão — o seu líder — nenhum outro homem teria tamanha imponência sem dizer uma palavra sequer.

— Entre, tens minha permissão — Madara falou assim que desviou pela primeira vez do corpo do grisalho, tentando entender antes dele contar as coisas o que havia acontecido.

Sem dizer mais nada, o homem adentrou em sua casa, sabendo que Kakashi o seguiria. O cansado caçador seguiu o Uchiha, mas não pôde deixar de dentro admiração pela casa, somente na entrada já havia finas tapeçarias — que provavelmente eram oriundas de outras cidades —, castiçais altos e ergonômicos, além de pinturas com molduras que já valeriam a maior parte dos móveis da casa de Kakashi.

— Sente-se — O tom não era de cordialidade, o que era estranho se considerasse o sorriso no rosto dele. — Quer que eu peça a minhas servas algo para você?

— Não, não é necessário. Agradeço, senhor — Kakashi enfim se sentou no assento sem costas que tinha seu par ao lado do outro homem.

A lareira acessa — posta no meio da sala — crepitava enquanto a madeira seca era queimada, normalmente os homens só a usavam para aquecer durante a noite, ou iluminar as paredes escuras, mas não era esse o caso do homem ao lado do Hatake, este parecia apenas desejar ver a beleza da chama.

— Seu estado está deplorável — Madara cortou o silêncio do ambiente —, um caçador do seu porte retornando para a cidade com vestes surradas e o corpo tão sujo? É vergonhoso.

— Eu... — Kakashi olhou para as próprias mãos, observando as marcas negras da terra úmida e os sutis arranhões de afastar os matos e pela primeira vez desde muito tempo, teve vergonha da forma que estava andando —, me perdoe. Estava tão atônito em voltar para cá, quem não me preocupei em como estava me portando.

— Cuide de suas vestes, um homem importante se veste conforme as regras, lhe ensinei isso muito bem — Ele falou já não olhando mais para o grisalho, focado em um ponto qualquer do espaço em que estava. — Sua demora fora maior que o esperado, mas espero que tenha trazido algo de útil para mim. Conseguiu fazer o que lhe foi ordenado? Há informações sobre a localização do coven?

— Não, senhor — O Hatake respondeu, sentindo sua garganta ressecar, agora era o momento de justificar tudo, justificar o tempo gasto sem nenhum fruto. — Aconteceram alguns imprevistos na ida, erros no percurso e por fim, nada útil fora encontrado. O senhor sabe que a floresta negra é traiçoeira, um homem sozinho não consegue fazer muita coisa.

— Zombas de mim? — Madara perguntou voltando sua atenção ao outro homem, que de forma inconsciente encostou-se mais no assento da cadeira, como se desejasse garantir que estivesse sentado.

Uma pausa dramática fora instaurada, os dois olhos negros se encaravam de forma nada cordial. Kakashi não pôde deixar de notar que o Uchiha parecia bravo como nunca, talvez houvesse expectativas demais nessa caçada e o grisalho destruiu todas elas. Mas, seu retorno com vida tinha de ter algum peso na balança, ao menos era isso o que ele pensava.

— Pelo seu silêncio, é verdade — O homem proferiu ao se levantar, caminhando em passos que ecoavam na casa em direção ao outro. — Só havia uma coisa para você cumprir, Kakashi Hatake, explorar a floresta negra e encontrar o lugar onde as bruxas se escondem. Você demorou dias lá... dias inteiros, e não tem uma informação sequer?

— Esqueceu o seu dever sagrado? Está pensando que nosso papel é substituível? — Kakashi só se limitou a ouvir as brandas palavras, ele sequer tinha forças para encarar o homem. — Nosso papel, não. Mas, você pode ser trocado facilmente, lembre-se disso, há homens ansiosos para subirem nos cargos e você sequer tem o sangue sagrado, ninguém protestaria.

— Eu fiz tudo o que podia! — O homem respondeu sem se importar quem era Madara, não ia deixar ser rebaixado de tamanha forma, não depois de toda sua luta. — Conforme eu havia dito, aconteceram imprevistos. Não consegues ver o meu estado? Achas que minhas vestes surradas são causados pelo quê? Gravetos?

— É fato de que não consegui encontrar o que o senhor desejava, mas fiz tudo o que podia — Seu tom já era o comum, mas seu coração continuava batendo aceleradamente, a adrenalina estava em seu sangue, ter se exaltado fora apenas o início. — Experimente ir sozinho para a floresta negra, cair de uma altura exorbitante e ficar lutando com sua própria consciência para não desmaiar, de cansaço. Pois se você dormisse na hora errada, os animais iriam lhe atacar. Experimente ter medo até de sua sombra, ter medo de perder sua perna... medo até de respirar, e aí nos conversaremos como iguais.

— Se sou assim tão substituível — O homem decidiu concluir, sabendo que já teria problemas de qualquer forma —, pode me tirar, senhor. Sei de minhas capacidades tanto quanto o senhor.

— Não levante a voz para mim — O dedo de Madara fora em direção a face do homem, enquanto a voz dele estava em tom ainda mais alto. — Eu sou seu superior, não se esqueça disso. Não me importo o que aconteceu a você durante a caçada, era o seu dever, dever que você aceitou fazer de bom grado, se não és mais homem o bastante para fazer o que é pedido, não é problema meu.

— Desculpe, senhor — A coragem que havia surgido no corpo do homem logo esvaiu-se, o golpe de realidade havia finalmente o atingido, lembrando o quão medíocre ele é perante o poderoso homem. — Suas palavras sempre são sábias, não deveria questionar sua sabedoria. Garanto que farei o melhor em outra caçada, não vou decepcionar a ti, confie em minhas habilidades.

— Isso mesmo — O Uchiha esboçou um sorriso, como se a resposta do grisalho tivesse o agradado. — Esse é seu papel aqui, Kakashi. Servir a Igreja através das caçadas, e meu dever é guiar você em todos os momentos, somente desejo seu bem. Fui eu quem cuidei de você quando seu pai morreu, não? Deverias sempre se recordar disso antes de se impor contra mim.

— Sei o quão grato devo ao senhor — O Hatake se sentia humilhado, aquelas palavras pareciam erradas assim que saiam de seus lábios. — Me perdoe, isso fora apenas um devaneio, estou novamente em minha sanidade. Creio que tenha passado tempo demais sem outros homens lá, minha mente ainda está entorpecida, como se eu ainda estivesse lá dentro.

— Haverá outras oportunidades de você provar seu valor a mim — Ele prosseguiu em tom baixo, mas mesmo assim, não havia nada que indicasse cordialidade em sua fala. — Você irá novamente em busca do coven, mas não agora, há coisas que tenho que resolver antes, e você também deve ter outras atividades sagradas.

— Não há mais nada para reportar?

O homem fez um gesto de negativa com um movimento de sua cabeça — ele não deseja adentrar mais no assunto com Madara, sua versão resumida era o máximo que ele podia fazer para não acabar compartilhando sobre seu encontro com Naruto. A proteção do loiro também é importante para ele.

— Sugiro que repense suas atitudes, há coisas que não são dignas de um cavalheiro vindo de você — O homem caminhava sem olhar para trás, indo em direção a sua porta, gesto que sem uma palavra sequer dizia que o grisalho deveria ir. — Descanse por ora, outrora lhe chamarei para conversar.


Kakashi retomou a caminhada pela cidade, enquanto ouvia alguns animais — que ficavam nas áreas detrás de algumas casas —, e se lembrava do quão monótono poderia ser, cuidar de animais, vender comércios ou trabalhar na taberna ou na padaria. Será que ele gostaria dessa vida? De viver unicamente para ter sustento para a esposa e filhos.… isso seria digno para alguém como ele?

O grisalho era um homem simples, não se importava com tapeçarias luxuosas, especiarias importadas, e seu status dentro da sociedade também não era algo importante — tudo o que ele tinha eram os outros que julgavam, o título de Lobo fora dado a ele, não pedido por ele. Ele havia acabado de retornar para cá, terra que ele ama de forma quase irreal, mesmo com o cheiro inoportuno em algumas áreas, ou as doenças que eventualmente surgem em grande massa,, a cidade é chamativa.

Na verdade, a única coisa que motivava o homem era a sensação de proteção. As suas caçadas tiravam seres que poderiam eventualmente tirar a paz de crianças, ou matar homens como família e o Hatake não deseja que outras crianças tenham a mesma experiência que ele, uma família completa é algo que dignifica todos os homens.

Ele passou em frente à casa de Sakura, e resistiu aos impulsos de ir em sua casa, o homem não ia aguentar outro interrogatório, seus nervos estão aflorados demais. O questionamento de se deveria ir na Igreja também surgiu, mas a ideia logo morrera, ir com as vestes tão deploráveis iria causar problemas com o padre Hiruzen.


A casa do homem eventualmente surgiu, fazendo a caminhada sem rumo finalmente ser interrompida, não havia sido esse seu objetivo, mas ficou feliz por ter chegado aí. A porta estava aberta conforme havia deixado — não há nada de valor em sua casa, nada que mereceria a atenção de alguém.

Um sorriso surgiu na face do homem quando chegou no quarto privado, a água ainda estava na tina, mesmo que não estivesse fresca seria o suficiente para banhar seu corpo. Sua pele estava suada devido aos dias intensos, e ele temia que a sujeira se impregnasse se continuasse assim.

Ele despiu-se pela primeira vez em muito tempo, jogando as vestes pesadas no chão e junto com sua sob túnica — peça íntima — alguns homens preferem banhar-se usando a roupa, mas Kakashi prefere ter todo o seu corpo dentro d'água. O homem adentrou na espécie de banheira, apoiando seus braços na parede de madeira.

Um suspiro de satisfação escapara de seus lábios, mesmo a água não estando aquecida era agradável. Os fios grisalhos logo foram afundados na água, fazendo as mechas ficarem evidenciadas, enquanto o corpo relaxava com o tempo, a sensação era confortável.

Kakashi pegou os sais de banho que havia em um dos cantos e despejou na água, o aromatizante misterioso era o primor da higiene, nem todos os homens tinham acesso no momento, mas com o tempo se tornariam comum. O tempo de banhos anuais havia felizmente passado, depois dos problemas causados pela peste a Igreja passou a permitir os banhos eventuais.

Eventualmente, Naruto voltou a sua mente. O fascínio pela figura loira só aumentava, o cuidado que ele teve com Kakashi fora especial, a forma como ele tocava em seu corpo, como sussurrava palavras de conforto enquanto o Hatake tremia febril. Definitivamente, eram memórias marcantes, memórias que faziam o homem dar um sorriso de canto quando se recordava.

Ele colocou a perna onde outrora havia a ferida em seu tornozelo sob a borda da tina e passou a mão lá, sentindo a área ainda espessa pela concretização, eventualmente sua pele retornaria ao normal. O homem fechou os olhos, e a cena fora recordada com nitidez.

Naruto a sua frente, ajoelhado com o seu típico sorriso, tocando com ternura na área que era nojenta para o próprio dono do corpo e fez isso sem nenhum receio, com uma tranquilidade que era invejável. A fala preocupada, os sussurros carinhosos e os afagos tênues durante o momento fora recordado, até mesmo a sensação de segurar sua mão com firmeza enquanto abafava os gemidos de dor era nítida demais.

Quando reabriu os olhos, a promessa voltara a sua mente: ele vai reencontrar o jovem. Não sabe quando, nem em que estado, mas irá recepcionar o loiro com um sorriso como o dele e vai oferecer sua companhia. Mesmo que não valesse muito, era a coisa mais valiosa que ele tinha no momento, partilhar suas dores com o outro, falar mais de si para a presença inusitada.

Talvez ele tentasse contar uma piada só para ouvir novamente a risada engraçada dele… ou partilhar alguma das histórias de suas aventuras que chamaria a atenção de Naruto, ele parece gostar de ouvir tais coisas, ao menos durante as tediosas noites era um bom entretenimento. O homem deu uma risada para o nada, notando que estava imaginando demais, imaginando demais sobre o homem que a presença era cada mais envolvente.

Naruto era um mistério em geral, um mistério cativante. Seu conhecimento era intrigante, e assustador, na mesma proporção, suas palavras as vezes eram tão novas que o homem se sentia intrigado, o loiro não era apenas um bruxo... ao menos não nos critérios que ele era habituado, Naruto era um homem cativante e divertido.

 E foi dessa forma que o homem cansado adormeceu, com um sorriso bobo esboçado em sua face enquanto sua mente estava tentando desvendar os mistérios de Naruto, o homem que ele sequer sabe o sobrenome.


Notas Finais


Bom, eu recebia muitas propostas disso, mas sempre achei desnecessário. Mas, o Spirit atualmente está bem bagunçado e estou mais confortável em interagir com vocês, então, decidir criar um grupo no WhatsApp com vocês.

Quem tiver interesse, peço que envie a mim uma mensagem privada, ou demonstre interesse nos comentários, que mandarei o link de acesso ao grupo, junto com as regrinhas. Enfim, se não flopar, é lá que postarei os avisos relacionados as histórias, além de interagir melhor com vocês além da aba de comentários (e vocês também podem interagir entre si).

De resto, o próximo capítulo sairá na segunda. Até! ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...