1. Spirit Fanfics >
  2. Amor entre irmãos >
  3. 6 dia

História Amor entre irmãos - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oii gentee. Aqui está mais um capítulo. Espero que gostem.
Boa leitura!

Capítulo 6 - 6 dia


Narrador: Zé acorda abraçado ao seu irmão, ele tenta tirar suas mãos debaixo de João com cuidado pra não acorda-lo, mas foi em vão, logo João pro seu irmão e da um sorriso, logo Zé retribui. 

Zé felipe: Desculpas por ter te acordado tão cedo.

João Guilherme: Ma já  está na hora de acorda. Hoje eu quero aproveitar o dia inteiro, sem perder nem se quer um segundo.

Zé Felipe: O que houve com você? Eu tô sonhando ou isso é real?

João Guilherme: Você é bobo ein. É claro que é real. falei me sentando na cama.

Zé Felipe: Só achei meio estranho você dizer isso. 

João Guilherme: Mas isso não é estranho. Eu só estou me sentindo melhor, pra fazer coisa que eu queria ter feito há dois dias atrás. 

Zé Felipe: E eu posso saber do que se trata? 

João Guilherme: Você sabe muito bem do que se trata. Não se faça de desentendido agora.

Zé Felipe: Tá bom, talvez eu saiba, mas só pra ter certeza, do que se trata, exatamente? 

João Guilherme: Se trata de nós dois, senhor desentendido. 

Zé Felipe: Ata. falei me sentando na frente de João.

Narrador: Zé o encarou por alguns segundos, mas logo lhe deu um beijo quente, logo João retribui com um beijo ainda mais quente, mas logo eles se separam. 

João Guilherme: Acho melhor descermos, pra tomar café. 

Zé Felipe: Eu tenho uma ideia melhor. Você topa?

João Guilherme: Depende de qual for sua ideia.

Zé Felipe: Vamos tomar café fora hoje. Nós temos que ir compra um celular pra você. Então nós tomamos café na lanchonete e depois vamos compra um celular pra você.

João Guilherme: Tá bom, eu aceito. 

Zé Felipe: Então tá. Eu vou pro meu quarto me arrumar.  falei indo em direção a porta. 

João Guilherme: Tá bom. Eu tomar um banho e daqui a pouco eu estou pronto. falei entrando no banheiro.

 Narrdor: João  entrou no banheiro e fez suas higienes e começou a tomar banho. Zé foi pro seu quarto e fez suas higienes e foi tomar banho. João logo acabou seu banho e se enxugou e foi direto ao seu closet, logo ele escolheu sua roupa e então foi para a sala. Zé terminou seu banho e se enxugou e foi para o guarda roupa e vestiu sua roupa e logo desceu para a sala.

Zé Felipe: Você  sabe onde ficou minha carteira e o meu celular?

João Guilherme: O celular tá na aqui na mesinha da sala, já a sua carteira eu não sei.

Zé Felipe: Tá bom. Eu preciso que você me ajude a procura-la.

João Guilherme: Tá bem. Mas você já procurou no meu quarto. Talvez você deixou ela lá ontem.

Zé Felipe: Você tem razão, talvez eu deixei ela lá que eu sei.

Narrador: Zé subiu correndo as  escadas e foi direto até o quarto de João. Ele chegou lá e começou a procura-la, demorou um pouco mas ele consegui acha-la. Então ele desceu novamente correndo até  a sala.

Zé Felipe: Você tinha razão, tava debaixo da cama. Partiu lanchonete? falei pegando meu celular e a chave do carro.

João Guilherme: Partiu. falei seguindo-o.

Narrador: Eles vão direto a lanchonete, não demorou muito, pois não era muito longe. Logo eles adentraram na lanchonete e sentaram em uma mesa perto de uma janela. A garçonete veio logo atende-los.

Garçonete: Bom dia. O que vocês vão querer? disse a garçonete em frente à mesa.

Zé Felipe: Bom dia. Eu vou querer 1 café e 1 sanduíche. E você  maninho vai querer o quê?

João Guilherme: Eu quero 1 café e 2 risole, por favor.

Garçonete: Ok. Daqui a pouco o seus pedidos estaram prontos. disse se virando e indo embora.

João Guilherme: Ok, obrigado.

Narrador: Zé e João ficaram conversando, até que foram interrompidos pela garçonete.

Garçonete: Aqui estão seu pedidos, querem mais alguma coisa?

João Guilherme: Por enquanto não, obrigado.

Garçonete: Por nada, precisando é só chamar. disse ela indo embora.

Narrador:  Eles começama a tomar café, logo Zé já estava em seu sanduíche e João estava comendo seus risoles. Alguns minutos depois eles acabam e então eles se levantam e vão direto ao caixa pagar a conta. É então eles saem da lanchonete e entram no carro e vão a loja comprar o celular. Demorou um pouco até chegar a loja, era mais longe um pouco, e as ruas estavam bem lotadas, trânsito de SP, isso é normal. Então logo eles entram na loja e logo já são atendidos.

Atendente: O que vocês desejam? falou a moça olhando pra nós.

João Guilherme: Eu tô querendo um celular. 

Atendente: Claro. Venham comigo. disse caminhando até um balcão.

João Guilherme: Eu quero esse aqui. Esse A 10. 

Zé Felipe: Tem certeza? 

João Guilherme: Sim.

Atendente: Ótima escolha. 

Narrador: Zé foi pagar o celular e logo voltou, João pegou o celular com a atendente e foi embora. Logo eles entraram no carro e saíram. 

Zé Felipe: E aí, vai querer almoçar aqui ou lá em casa?

João Guilherme: Pode ser lá em casa. Ainda tá meio cedo pra almoçar.

Zé Felipe: É você tem razão. Agora é 10:30 ainda. 

João Guilherme: Então. Vamos embora né.

Zé Felipe: Eu concordo.

Narrador: Logo eles voltam pra casa, demorou só um pouco, as ruas estavam um pouco mais calma que hoje mais cedo. Eles descem do carro e entram direto pra casa. 

Zé Felipe: Eu vou fazer o almoço. 

João Guilherme: Tá bom. Vou colocar o celular pra carregar e depois eu te ajudo.

Zé Felipe: Tá bom.

Narrador: Zé foi direto pra cozinha e começou a fazer o arroz. João logo colocou o celular pra carregar e foi pra cozinha ajudar seu irmão. Logo João começou a lavar as vasilhas que estavam sujas. Zé começou a fazer uma salada e logo depois passou a fritar a carne de frango. João passou alguns minutos lavando, mas acabou, então ele arrastou uma cadeira e sentou pra descansar um pouco. Zé então acabou de fazer o arroz, a salada e então passou a fazer o feijão e ainda estava fritando a carne de frango. João se levantou e foi fazer suco. Alguns minutos se passaram e João acabou de preparar o suco e Zé estava quase no final pra acabar o almoço, só faltava fritar o resto da carne. Logo João arrumou a mesa e agora estava tudo pronto, só faltava esperar mais alguns minutos e o almoço estaria pronto.

Zé Felipe: O almoço está pronto.

João Guilherme: Que bom. Eu já estou com fome. 

Zé Felipe: Então vamos almoçar logo. falei pegando meu prato.

João Guilherme: Então tá. falei pegando meu pegando o prato.

Narrador: Logo os dois se serviram e sentaram na mesa. Eles começaram a almoçar, alguns minutos eles acabam de comer, então Zé retirou a mesa e João lavou os pratos sujos. Logo eles acabaram e então eles foram pra sala e deitaram no sofá. Eles ficaram alguns minutos conversando, e então João foi pegar seu celular em cima da mesinha da sala e também pegou a sacola que estava seus pertences e pegou seu chip e colocou em seu celular novo, e logo depois voltou a sentar no sofá. Alguns minutos mexendo no celular, João conseguiu recuperar todas as suas redes sociais, e viu que tinha várias mensagens   e ligações, mas ele não olhou nenhuma e ele voltou seu olhar para seu irmão que estava deitado no sofá. E logo Zé percebeu que seu irmão estava te observado.

Zé Felipe: O que foi, tá com saudade dos meus beijos é?

João Guilherme: Nao só de seus beijos. Tô com saudade de você por completo. falei com um tom de voz meio safado.

Zé Felipe: Não seja por isso. Podemos matar essa saudade agora se você quiser. 

João Guilherme: É o que eu mais quero. Estou com essa vontade desde que eu sofri o acidente. falei me aproximando de seu rosto.

Zé Felipe: Eu também estou assim. falei lhe dando um beijo.

Narrador: ze começou a beijar João, foi um beijo suave mais logo passou a ser um beijo mais selvagem, um beijo que significava que os dois estavam sedentos por aquele momento. Logo Zé começou a passar a mão em sua bunda e dava leves apertões, e logo João dava uns gemidos baixos. João tirou sua camisa e logo tirou a de seu irmão. Zé subiu beijando o seu abdômen e indo até o pescoço, onde deu leves chupões, fazendo João soltar mais uns gemidos. Logo eles trocam de posição, João desce beijando seu pescoço e deu alguns chupões, logo ele desceu beijando o seu abdômen e depois  passou dar leves mordidas em seu pau por cima de sua bermuda, que já estava bem duro, isso faz Zé gemer de tanta tesão que estava. João não perdeu tempo e abaixou a bermuda e a cueca de seu irmão de uma só vez, e logo meu pau pulou pra fora,  João não perdeu tempo e logo abocanhou o pau de seu irmão que logo começou a soltar alguns gemidos. João ficou fazendo movimentos de vai e vem com a boca, Zé estava cada vez mais com tesão, João sabia que Zé não aguentaria se quer nem mais um minuto e chegaria ao seu ápice, então ele parou com o boquete e falou:

João Guilherme: Quero você dentro de mim. 

Zé Felipe: Se é isso que você quer,então vai ser isso que você vai ter.

Narrador: Zé colocou João de quatro e tirou sua bermuda e sua cueca de uma vez só e deu dois tapas em sua bunda, fazendo João soltar um grito baixo. Logo Zé começou a  introduzir apenas a cabecinha de seu pau dentro do cuzinho de João, que logo soltou um gemido alto, Zé logo introduziu o resto de seu pau no cuzinho de João, que logo soltou um gemido mais alto ainda. Zé esperou um pouco pra João se acostumar com o seu pau dentro de seu cu. Logo depois Ze começou a fazer movimentos de vai e vem bem devagar, e João se contorcia no sofá de tanta tesão. Passou alguns minutos e Zéaumentou a velocidade de seus movimentos, fazendo João dar mais alguns gemidos. Zé passou a aumentar a velocidade dos movimentos, pois já estava quase chegando ao seu ápice, não d3morou muito e Zé gozou dentro do cu de João. Zé logo tirou seu pau de dentro do cu de João e deitou no sofá exausto. João ainda não tinha gozado, então Zé começou um boquete em seu irmão. João estava quase chegando ao seu ápice, então Zé pervebeu e parou com o boquete e esperou que a vontade de gozar passasse.

Zé Felipe: Isso é pra você sentir como eu fico quando você faz comigo. Para bem na hora em que eu estava quase gozando.

João Guilherme: Isso não vale. Eu estava quase gozando.

Zé Felipe: É só pra você aprender a lição.

Narrador: Zé volta a chupar o pau de seu irmão, logo volta tudo ao normal, João estava gemendo e estava quase chegando ao seu ápice, e então Zé aumenta velocidade de seu boquete, não demorou nem mais um minuto e João goza jatos de porra,enchendo a boca de seu irmão,  que bebe tudo. Logo os dois caem exaustos, porém satisfeitos, os dois ficam deitados no sofá, até recuperar um pouco de forças pra se levantarem. Alguns minutos se passaram e então Zé e João decidem se levantam e vão tomar um banho juntos. Demorou um pouco pra eles acabarem de tomarem banho, mas eles acabam e saem do banheiro, João vai ao seu closet e veste uma roupa leve e Zé vai direto ao seu quarto pegar uma roupa, logo ele veste uma roupa confortável e volta ao quarto de seu irmão.

Zé Felipe: Eu sei o que você vai perguntar, então eu adianto a minha resposta. É de fato, eu estou parecendo chiclete. falei entrando em seu quarto, sem bater na porta. 

João Guilherme: Ainda bem que você sabe o que eu ia perguntar. falei sentado na cama.

Zé Felipe: E aí, tá afim de fazer alguma coisa? falei me sentando ao seu lado na cama.

João Guilherme: Tipo o quê? Dormir, jogar vídeo game ou transar? falei em um tom de voz meio safado.

Zé Felipe: A terceira até que não é uma má ideia, mas nós acabamos de transar, então não. A segunda e uma boa mas eu não estou com vontade, já a primeira parece ser uma boa ideia. falei me deitando na cama.

João Guilherme: Até que você tem razão. Parece que a primeira é a melhor, pois eu estou um pouco cansado. Mas a terceira também é boa e não precisa ser daquele jeito de hoje mais cedo. 

Zé Felipe: É, pode até ser. Mas eu não sei se eu vou me conter.

João Guilherme: Você vai sim. Não se preocupe. falei me deitando ao seu lado.

Narrador: Eles ficam deitados olhando um pro outro por alguns minutos, até que João da um beijo e Zé que logo retribui, eles ficam se beijando por alguns minutos, mas param por não terem mais fôlego. Alguns minutos após eles terem parados de se beijarem, eles volta a se olharem um pro outro, talvez eles estão admirando um ao outro. Mas logo Zé quebra o silêncio que caia sobre eles.

Zé Felipe: Até que você tinha razão, sobre eu me conter.

João Guilherme: Eu sei, mas eu também sei que quase você não aguentou.

Zé Felipe: É verdade, mas eu me segurei.

Narrador: Eles ficam olhando um pro outro por alguns minutos, mas logo João pega no sono e dorme, Zé por outro lado não estava muito cansado, mas decide ficar deitado ao lado de seu irmão, mesmo Zé não estar muito cansado ele também dorme. Passam algumas horas e João acorda escutando alguém tocar a campainha, então ele se levanta com cuidado pra não acorda seu irmão e desce até a sala e abre a porta pra ver quem é.

Lucas Santos: Olha  só, o senhor teimoso já melhorou ou é apenas a sua teimosia que quis abrir a porta. falei meio sorrindo.

João Guilherme: Bom, em primeiro lugar eu não sou teimoso e em segundo lugar é sim, eu já estou melhor. 

Lucas Santos: Que bom que você melhorou.

João Guilherme: Pois é né. Vai entrar ou prefere ficar aí fora? falei brincando.

Lucas Santos: Achei que não ia me chamar pra entrar. falei dando um sorriso e entrando na casa. E cadê o Zé?

João Guilherme: Ele tá dormindo. Mas até agora só falamos de mim. E então como você está? falei caminhando até o sofá e me sentado.

Lucas Santos: Eu tô bem. Tirando a parte em que eu estou perdendo o meu melhor amigo. falei me sentando ao seu lado no sofá.

João Guilherme: Você sabe que não é verdade. Eu só não estou saindo muito pois meu irmão está aqui. 

Lucas Santos: Talvez isso seja isso, mas ainda sim você está muito distante, não tá parecendo o João que eu conheci anos há atrás.

João Guilherme: Eu sei que eu mudei um pouco o meu jeito ultimamente.

Lucas Santos: Ainda bem que você admite. Mas especificamente nessa semana. Mas no dia do acidente, você queria falar comigo, mas aconteceu o acidente. O que você queria falar? 

João Guilherme: Aquele dia, eu briguei com meu irmão e eu estava com muita raiva dele, foi isso que aconteceu, eu estava nem conseguindo prestar atenção em nada, foi aí que eu fui atropelado. falei meio triste.

Lucas Santos: E qual foi o motivo da briga?

João Guilherme: Eu não sei se eu posso falar.

Lucas Santos: Nós somos amigos,  e você pode confiar em mim.

João Guilherme: Eu sei que posso confiar em você, mas a briga que eu tive com meu irmão já foi resolvida.

Lucas Santos: Tudo bem, eu só estava preocupado com você.

João Guilherme: Eu sei mas...

Zé Felipe: Se você quiser pode contar João. Eu não ligo, até porque ele é seu amigo. falei descendo as escadas.

João Guilherme: Desde quando você ouviu nossa conversa?

Zé Felipe: Eu não ouvi muito, mas eu entendi do que se trata. falei indo até a cozinha.

João Guilherme: Ata. Mas tem certeza que tá tudo bem pra você se eu contar pro Lucas?

Zé Felipe: Por mim tudo bem. Mas agora você tem que ver se por você está tudo bem. falei pegando água pra mim beber.

Lucas Santos: Ata, agora vocês dois vão ficar de segredinhos?

Zé Felipe: Por minha parte eu falaria, mas pela parte do João eu não sei. falei indo pra sala e sentando no sofá.

João Guilherme: Tá bom, eu vou contar pra você. Até porque você sabe sobre minha sexualidade. 

Lucas Santos: Pera aí, eu acho que eu já entendi. Não precisa de me falar mais nada.

João Guilherme: Talvez você entendeu, mas talvez você entendeu errado.

Lucas Santos: Pode até ser.

João Guilherme: Então, falando de forma resumida, eu comecei a sentir algo pelo Zé, mas ele não sentia nada por mim, então nos brigamos por isso e eu fugi de casa e foi atropelado. No hospital Zé percebeu que estava errado e falou que também me amava. 

Lucas Santos: Então vocês dois estão namorando?

Zé Felipe: Não exatamente. Nós estamos ficando.

João Guilherme: Exatamente, estamos ficando. Por enquanto né.

Zé Felipe: Por enquanto  sim.

Lucas Santos: Vocês são doidos. Mas quem sou eu pra dizer não. Só me resta desejar parabéns e boa sorte, pois vocês vão precisar  pra enfrentar esse mundo.

Zé  e João: Obrigado.

Lucas Santos: Por nada. Bom, a conversa tá boa mas eu vou ter que ir embora. Já estou um pouco atrasado.

João Guilherme: Então tá. Eu te levo até a porta. falei me levantando e indo até a porta.

Lucas Santos: Tá bom. Tchau Zé. falei me levantando e indo em direção  a porta.

Zé Felipe: Tchau Lucas.

Lucas Santos: Até mais João. falei me virando e indo embora.

João Guilherme: Até. falei fechando a porta.

Narrador: João volta até a sala e fica conversando com Zé. Algumas horas se passaram e logo começou a anoitecer. João e Zé subiram até os seus quartos, tomaram banho e vestiram suas roupas e logo desceram pra jantar. Zé esquentou a comida e João fez suco, que logo acabou e arrumou a mesa. Zé acabou de esquentar a janta e João acabou de arrumar a mesa. Logo eles se serviram e comecaram a jantar. Alguns minutos depois eles acabaram de jantar e subiram para os seus quartos, cada um no seu. Zé foi ao banheiro fazer suas higienes e João também foi ao banheiro fazer suas higienes. Logo Zé acabou e deitou em sua cama. João acabou e deitou em sua cama, ele ficou esperando Zé ir até seu quarto, mas ele não foi, então João foi até o quarto de seu irmão.

João Guilherme: Posso entrar? falei batendo na porta.

Zé Felipe: Claro que pode.

João Guilherme: Fiquei esperando você no meu quarto, mas você não foi.

Zé Felipe: Eu fiquei com preguiça. É você também podia vir até ao meu quarto né.

João Guilherme: Pois é, então agora eu estou aqui. 

Zé Felipe: Deita aí. falei apontando pra minha cama.

João Guilherme: Foi pra isso que eu vim né, e pra mais algumas coisas também. falei me deitando na cama.

Narrador:  João se aproximou de Zé e lhe dá um beijo que logo é retribuído por Zé, por um beijo ainda mais intenso. Eles ficam apenas nos beijos, mas logo param pra recuperar o fôlego, mas eles voltam a se beijar com mais intensidade. Logo eles trocam olhares e dormem de conchinha.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...