1. Spirit Fanfics >
  2. Amor Fati - Vmon >
  3. Epílogo

História Amor Fati - Vmon - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


"É isso que eles estão chamando de amor?
Você sabe, você me mantém vivo
Você é minhas razões para tudo que eu faço
A outra metade de mim"
[Take Me On - Saltnpaper]

Capítulo 20 - Epílogo


🦉


Três anos e sete meses. Mil trezentos e sete dias. Trinta e uma mil, trezentos e noventa horas.

Namjoon batia o pé nervosamente contra o asfalto enquanto encarava os portões da penitenciária como se pudesse fazê-los se abrirem logo. Por que a demora? Taehyung já devia ter saído a um minuto! Um minuto inteiro.

Checou o relógio mais uma vez, mas antes que pudesse processar a informação ouviu os portões fazerem um barulho alto enquanto se arrastavam pelos trilhos se abrindo, se desencostou do carro e sentiu o coração acelerar ao ver Taehyung.

Ele agora não usava mais o uniforme alaranjado, vestia jeans e uma camiseta verde musgo que ele tinha trago, tênis no lugar das sandálias de plástico. A pequena mochila com seus pertences pendurada em seu ombros e ele procurava Namjoon com os olhos.

O mais velho olhou para os dois lados antes de atravessar a rua correndo, Taehyung o viu e sorriu. Olhou para trás como se certificando de que ninguém o seguraria e saiu correndo em direção a Namjoon.

Riu alto ao ser alçado do chão e se abraçou a ele com força sentindo seu cheiro, seu abraço.

Pensou que demoraria muito mais para que tivessem a chance de estarem nos braços um do outro mais uma vez, mas a imprensa tinha tido papel fundamental em todo o julgamento do caso. Hoseok tinha trabalhado bem em montar uma boa matéria que mostrasse a história de Taehyung como um todo, e logo todos já sabiam da trajetória do garoto. As fotos dele e de Namjoon também vazaram, mas a resposta geral foi positiva e não teve grande impacto sobre a carreira do mais velho.

A comoção nacional juntamente com o bom comportamento de Taehyung foram essenciais no processo de redução de pena. E agora ele estava ali, nos braços do homem que ele amava, livre para recomeçar.

Afundou o rosto na curva do pescoço de Namjoon que riu alto com o ato e retribuiu aspirando o cheiro de shampoo de seus cabelos.

_ Eu senti muito a sua falta. - sussurrou no ouvido do mais velho que o abraçou mais forte.

_ Não parece. - Taehyung se afastou com os olhos arregalados.

_ Não parece?

_ Disse que sentia falta de chocolate e dos meus beijos... Mas não fui beijado por ninguém aqui. - Taehyung riu alto jogando o corpo para trás enquanto Namjoon segurava firme sua cintura.

_ Parece mesmo absurdo.

Ao ter os lábios nos dele, suspirou de alívio e sentiu os olhos se encherem de lágrimas. Todos os sábados quando Namjoon vinha visitá-lo, ele temia que ele não viesse. Que ele percebesse que eles eram trabalho demais, que ele não valia o esforço, mas Namjoon sempre vinha, com um sorriso e uma carta.

_ Eu também senti muito, muito a sua falta. - Namjoon sussurrou ainda com a testa colada a dele e limpou os olhos úmidos do mais novo que sorriu quadrado. - Vamos? Temos uma festa pra você.

_ Eu nem gosto de festa. - tentou protestar em vão.

_ Jimin e Yoongi que organizaram, não tem como discutir com aqueles dois. - disse pegando a mochila das costas do mais novo e segurando sua mão enquanto caminhavam em direção ao carro. - Eu até cozinhei pra você.

_ Você? Cozinhou? - Taehyung perguntou surpreso e riu da careta ofendida que recebeu de resposta. Entraram no carro e ataram os cintos de segurança, se virou para os muros da penitenciária mais uma vez antes de voltar a olhar para o mais velho que dava partida.

_ Por que parece tão surpreso? Eu sei cozinhar.

_ Claro que sabe. - Taehyung falou sorrindo levando uma mão ao rosto dele deixando um carinho na bochecha que tinha uma barba rala crescendo.

_ Fazer suco de abacaxi conta como cozinhar certo?

Taehyung riu até ter lágrimas nos olhos enquanto Namjoon tentava argumentar que fazer um suco era sim o equivalente a cozinhar.

• •

Era a festa mais caótica que Taehyung já tinha presenciado em toda a sua vida. Jimin, Jungkook e Hoseok arrastaram o amigo para a "pista de dança", que na verdade não passava de um tapete de borracha emprestado da sala de brinquedos dos filhos de Seokjin, e o fizeram aprender os passos das músicas que estavam fazendo sucesso no momento. Logo Ryujin e Beomgyu, - o filho mais novo de Seokjin e Jihyo - se juntaram a eles e os adultos passaram a balançar menos os braços depois de um acidente envolvendo o cotovelo de Jungkook e o rosto de Beomgyu.

Taehyung parava vez ou outra para olhar para o outro lado da sala onde Namjoon conversava com Seokjin e Yoongi, mas sempre mantendo os olhos atentos a ele. Ficou muito feliz ao saber que os amigos de Namjoon tinham se acertado e completavam quase dois anos de relacionamento.

Chaeyoung, Dahyun, Jihyo e Nayeon, - a namorada da ex mulher de Seokjin e jornalista que tinha sido essencial para a redução de pena de todos da Bangtan. - tiveram a brilhante ideia de competirem no karaokê, homens versus mulheres. Logo a sala de estar de Seokjin estava convertida em um palco e as crianças batiam palmas animadas e tinham os ouvidos tampados por Hoseok sempre que alguém soltava um palavrão no meio da comemoração.

Jackson se juntou ao grupo depois de algumas horas e trouxe Jaebeom, o mais novo "amigo" do delegado.

O lugar era uma confusão de gritos animados, risadas e, vez ou outra, uma ofensa que não era levada a sério.

_ Psiu. - Taehyung sorriu ao ser envolvido pelos braços de Namjoon em um abraço e sentir ele apoiar o queixo em seu ombro. - Eu quero te mostrar uma coisa.

_ Vou colocar Britney no karaokê, Jimin e Yoongi vão fazer uma guerra e ninguém vai notar nossa ausência.

_ Meu homem é um gênio. - deu uma mordida nas bochechas fartas antes de se afastar recebendo uma risada e uma piscadela.

Assim que "I'm A Slave 4 U" começou a tocar o lugar foi tomado por uma comoção geral, Namjoon riu e agarrou a mão de Taehyung saindo da casa sem serem notados.

_ Onde vamos? - Taehyung perguntou enquanto caminhavam pela calçada do bairro residencial, não tinha pegado o carro então não devia ser longe.

_ É surpresa. - Namjoon respondeu simples e atravessou a rua.

Taehyung arregalou os olhos e puxou Namjoon para voltar quando começaram a entrar no gramado de uma casa que parecia estar vazia.

_ Eu acabei de sair da cadeia, não quero ser preso por invasão. - resmungou enquanto tentava puxar Namjoon para longe.

_ Eu sou policial, vamos ficar bem. - respondeu rindo e puxou Taehyung na direção contrária. - Vamos.

_ Nem pensar. - se soltou dele e cruzou os braços.

_ Aish. - Namjoon resmungou enquanto se abaixava para passar os braços embaixo dos joelhos magros do outro alçando seu corpo no ar até o ter em seu colo.

_ Hyung! Namjoon! - o outro tentou se soltar por um tempo mas depois de quase cair apenas se largou contra o peito do outro fechando os olhos com força. - Não acredito que vou ser preso no meu primeiro dia de condicional.

Namjoon riu e ignorou o drama do outro enquanto subia a escada com ele em seu colo. Ao sentir o vento contra o seu rosto Taehyung abriu os olhos e foi colocado no chão de um terraço bonito que tinha uma bela vista para a cidade.

_ Você estava de olhos fechados o tempo todo? - Namjoon perguntou incrédulo e viu o mais novo assentir com um bico nos lábios carnudos. - Ya! Você devia ter visto a casa!

_ Por que? Você sai me arrastando pra dentro de uma casa vazia só pra me fazer ser preso de novo e quer que eu veja a decoração?

_ Como você vai responder agora? - Namjoon resmungou e puxou um papel pequeno e uma caneta do bolso. - Você é muito difícil sabia?

_ O que é isso? - Taehyung se esticou tentando ver o que o outro tinha mas Namjoon escondeu contra o seu peito.

_ Ok, eu vou falar tudo de uma vez porque se eu enrolar eu não vou conseguir.

_ Eu... Han?

_ Na madrugada mais doida da minha vida, depois de eu descobrir que o homem que eu amava era quem eu devia prender e tudo mais, eu fiquei pensando que nosso amor era a coisa mais impossível e louca do mundo. - Namjoon suspirou e sorriu mostrando as covinhas para Taehyung que o observava atento. - Mas quando eu era criança e o padre ainda me obrigava a rezar, eu só pedia para que eu pudesse te ter para sempre ao meu lado. E durante esses três anos e sete meses longe de você, mais uma vez longe de você, eu pensei que eu poderia ter isso se você dissesse sim.

_ Hyung? O que você...? - Taehyung gritou e recuou um passo quando Namjoon se ajoelhou a sua frente. - Ah meu Deus do céu! - se ajoelhou também e Namjoon riu alto negando.

_ Por que você está se ajoelhando?

_ Não sei, parecia estranho ficar de pé.

_ Ok, ok. - segurou as mãos de Taehyung e colocou dentro delas o papel e a caneta. - Você devia ter visto a casa porque ela pode ser sua, ou nossa, enfim.

_ Fala logo por favor eu vou infartar. - o mais velho riu e Taehyung deu um tapa em seu ombro enquanto fazia uma careta. - Fala pelo amor de Deus!

_ Você quer se casar comigo corujinha? E viver nessa casa aqui? - apontou o terraço com a cabeça. - Não responde em voz alta! - falou quando viu Taehyung balbuciar alguma coisa. - Eu sei que é meio louco, a gente ficou mais tempo longe que junto, - sorriu triste acariciando a mão delicada com a sua. - então tudo bem de verdade se você quiser pensar, ou simplesmente achar uma ideia ruim.

Taehyung olhou o papel que tinha em mãos enquanto Namjoon o guiava para ficar de pé junto dele.

"Essa casa é:
( ) Sua
( ) Minha
( ) Nossa"

_ Eu vou me virar de costas aí você marca ok? - viu Taehyung assentir devagar e se virou fechando os olhos.

Seu coração batia tão rápido dentro do peito que ele tinha medo do outro poder escutá-lo, respirou fundo e esperou pelo que pareceu uma eternidade. Ele não ia aceitar, era uma ideia louca mesmo. Já estava sendo tomado por desespero quando ouviu Taehyung soluçar, se virou assustado e encontrou o mais novo chorando abraçado ao papel.

_ Taehyung! - se aproximou e tomou o rosto úmido entre as mãos. - Você não precisa se sentir pressionado, me desculpa, foi uma ideia estúpida, me perdoa.

_ Você não podia... Você... Idiota! - Namjoon arregalou os olhos vendo Taehyung sorrir entre as lágrimas. - É claro que sim porra! Você me faz isso e quer que eu responda papel. - resmungou secando os olhos e fungando.

Namjoon piscou confuso, mas gargalhou quando Taehyung se jogou em seus braços o beijando entre xingamentos e lágrimas.

O papel foi ao chão, manchado de lágrimas e preenchido por um xis trêmulo.

"Essa casa é:
( ) Minha
( ) Sua
(X) Nossa."



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...