História Amor Improvável - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias André Silva
Personagens André Silva, Personagens Originais
Tags Afonso, Afonsosilva, Amizade, Amor, Andre, Andresilva, Dança, Fcp, Fcporto, Futebol!, Romance, Silva
Visualizações 20
Palavras 1.047
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Um


Pego na minha bolsa e dirigo-me à sala para tomar o pequeno almoço. A Teresa já está lá a preparar tudo e acabo por me sentar para comer.

-Bárbara, estás ansiosa por ser o primeiro dia?-Teresa, a mulher do meu pai, pergunta.

-Estou, já tenho saudades do curso e da rotina.

Acabo de tomar o pequeno almoço, pego nas minhas coisas pronta para ir embora mas os braços do meu pai abraçam o meu corpo.-

A minha menina está a crescer tanto! Bom dia de escola filha.-volta a abraçar-me e despeço-me senão ainda perco o autocarro.

Começo a andar até à paragem enquanto ouço música e rapidamente lá chego. Quando o autocarro para à minha frente, entro e tomo lugar de um banco lá para trás.

Este sempre foi o meu sonho, a dança e a representação para mim é tudo e o secundário tem sido fenomenal.
O autocarro para, a viagem é bastante curta, e eu saio lá de dentro.

Entro na enorme escola já tão bem conhecida por mim e vou até à Sofia. Quando ela me vê corre e dá-me um grande abraço.

-Parece que já não te vejo à anos e nas férias até fomos tomar café. Pronta para o primeiro dia?-a Sofia pergunta toda sorridente.

-Claro! Só não estou pronta é para este ser o último ano do nosso secundário, foi tão bom.-ela acena afirmativamente com a cabeça concordando com o que eu digo mas rapidamente o seu sorriso se desfaz.

Olho para tras e vejo o João e quando ele nos vê a sua expressão muda e nota-se tristeza no rosto.

-O quê que aconteceu convosco Sofia?-pergunto visivelmente confusa.

-Oh Bá, eu nas férias acabei com o João. Não estava a conseguir suportar a distância e ele não podia estar comigo por causa do futebol...

Decido não falar nada porque eu não sou muito boa a confortar alguém e para fazer pior não vale a pena. A minha melhor amiga não merece isso.

Abraço-a mas o som estridente da campainha assusta-nos e vamos até à sala de representação.

Não é uma sala normal. É uma sala com uma parte em baixo toda em madeira, é o nosso palco e depois tem uma bancada enorme para cima onde nós nos sentamos quando a professora fala.

A professora Mónica já está sentada no centro do palco quando lá chegamos e rapidamente nos ordena que nos sentemos em volta dela.
Isto agora mais parece o infantário a jogar ao lencinho mas as aulas de representação são sempre boas portanto vale a pena.

-Bom dia a todos. Hoje começa o vosso último ano de secundário! Parabéns a todos por terem chegado aqui, custou muito mas cá estamos todos.
Eu mandei-vos sentar assim com um propósito, estamos na aula de representação e portanto vamos representar.
Todos vocês vão contar como foi as vossas férias mas numa personagem que vão tirar deste frasco. Alguém se oferece para primeiro?

Um a um vão fazendo o exercício e está a ser bastante engraçado. Tem personagens muito divertidas e diferentes.

-Bárbara queres ser tu agora?-a professora pergunta-me muito tranquila.

-Porque não professora.-dou um sorriso e vou até ao frasco, amarro no primeiro papel e leio.-Peixeira, vou ter de contar as minhas férias à peixeira.

Toda a turma se ri e eu sento-me no meio da roda. Meto uma mão na cintura e a outra levanto-a quanto mais falo.

-Ó meus fregueses, as minhas férias foram boas. Dormir um bocado, sair outro na base do possível foram boas. E volto agora para o último ano para que seja tudo o maior!

Todos batem palmas quando eu acabo e eu sorrio e volto para o meu lugar.

Triiiiiiim, a campainha toca. Pego na minha bolsa juntamente com a Sofia e vamos até ao bar. Pedimos o nosso lanche e sentamos-nos numa mesa a comer.

-O João não pára de olhar para aqui!-digo enquanto o encaro.

-Com quem é que ele está?

-Com o atrasado mental do André como sempre.-falo e bebo o resto do meu sumo.

-Vocês nem por morarem na mesma casa se entendem. Não sei como é que o teu pai e a Teresa vos suportam sempre a discutirem.

-Porque ele é um atrasado mental e passa a vida a implicar comigo. Acreditas que ele até na minha toalha de banho e escova de cabelo pega? Que nervos que ele me faz.

A Sofia ri-se e volta a olhar para mim. Acabamos o nosso lanche e levantamos-nos para ir embora.

-Sofia, deixa-me falar contigo!-o João pede amarrando-lhe um braço.

Despeço-me deles e começo a andar pelo corredor. Sinto o meu braço ser puxado e viro-me encontrando o André a olhar para mim.

-O quê que queres ó anormal?

-Tem calma ó parva só te vinha pedir um favor. Eu logo vou sair com uma miúda e preciso que arrumes a cozinha por mim.-saiu-me a sorte grande.

-Só te faço isso em troca de arrumares tu depois durante quatro dias seguidos.-o seu olhar mortifero intimida-me mas rapidamente passa e eu rio-me.

-Interesseira! Hás de precisar de algo.

Viro-lhe costas a rir enquanto ando até aos balneários de dança. Começo a tirar a minha roupa e troco por umas leggings pretas e uma T-shirt comprida e larga azul céu. Calço as minhas sapatilhas e ando até à academia.

A aula de hip hop começa e já estamos a fazer uma coreografia. O professor Hugo lá frente faz a marcação dos tempos enquanto ensina a coreografia e nós cá a trás imitamos.

Dançar é o meu ar, é isto o que eu respiro e não me imagino de todo a fazer algo que não seja isto. Ouvir uma música e não a poder dançar é um sufoco.
A representação também é a minha área mas tudo junto é o meu sonho!

Pouso as minhas coisas em cima da cadeira do meu quarto e atiro-me para cima da minha cama. Como eu estava a precisar de descontrair assim um bocado.

Quase adormeço mas lembro-me que tenho coisas de História e Português para fazer e portanto volto a levantar-me e preparo a minha secretária para o estudo.
Vou até à cozinha e como algumas bolachas e um iogurte e volto à tarefa.

Meto os cadernos que necessito na minha área de trabalho e começo a fazer as coisas que tenho de fazer.

Bom final de dia para quem está tão cansado.

************************************
Leiam esta fic que algo me diz que vão gostar e muito!

Votem e comentem!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...