História Amor Inesquecível - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias Fátima Bernardes, William Bonner
Tags Amor, Recomeço, Vida
Visualizações 342
Palavras 1.338
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cinquenta capitulos.
Gente, nunca pensei chegar tão longe com isso. E acho que estou longe de acabar essa historia e tudo depende da participação de vocês.
E como vocês estão sempre por aqui acho que ainda vamos longe heim!
Cinquenta Capitulos, quase 18 MIL visualizações e mais de 50 pessoas que acompanham assiduamente a historia. como isso me deixa feliz!!


Espero - Como sempre - que vocês gostem desse!

Grande Beijo.
Boa leitura!

Capítulo 51 - Precisamos Conversar


 

 

 

 

Depois daquela mensagem não tive mais nenhum sinal dele, mas também não tentei contato. Assisti o jornal como sempre e ele estava sério. Apesar disso brincou com Maju, isso era um bom sinal. Quando está chateado demais ele não costuma fazer brincadeiras.

O jornal acabou e me despedi dos meus filhos dizendo que ia descansar mais cedo hoje. Eles estranharam mas me desejaram boa noite. Tomei um longo banho e me deitei. O sono veio fácil e só acordei no outro dia.

 

*---------*

 

Depois do jornal peguei meu celular e olhei inúmeras vezes para o contato dela, pensando se clicava ou não para iniciar uma chamada. Não liguei. Segui rumo ao estacionamento e fui para casa. Resolvi tirar um tempo para pensar. Colocar as ideias em ordem. Não queria brigar com minha morena.

Cheguei e fiz um sanduíche simples para matar a fome, em seguida tomei um banho e dormi. Acordei e tinha passado completamente do horário. Apesar de começar a trabalhar mais tarde eu me acostumei a sempre acordar cedo. Hoje acordei já se passava das 9 da manhã.

Minha primeira ação foi pegar meu celular com a esperança de ter mensagem dela.

Não tinha. Fiquei frustrado. Levantei e me arrumei para ir trabalhar.

 

***

-Sério que ele não ligou? –perguntou Mel quando contei.

-Sim. Não tive um sinal sequer.

-E você também não ligou mais?

-Não, nem vou ligar. Eu não fiz nada de errado. E não sei o que ele está sentindo. Então hora que ele quiser que me procure.

-Entendo, sabe que pode contar comigo, independente do que aconteça né?

-Sim, Mel. Obrigada por me ouvir.

-Por nada. Ficou Lindaa! –disse ela finalizando minha Make.

-Nossa, amei. Só você para conseguir esconder minhas olheiras.

Correu tudo dentro do planejado no encontro daquele dia. Tive meu almoço de quarta com a equipe e adorava estar sempre em contato com eles. Sempre traziam ideias incríveis para o programa e a mais nova seria me colocar para dançar as vezes com os cantores que viessem participar. Adorei a ideia e já íamos colocar em prática com Claudia Leitte.

Depois do trabalho resolvi dar uma ida ao shopping. Entrei em uma loja e comprei uns vestidos fresquinhos para encarar aquele clima do Rio. Graças a Deus não avistei nenhum paparazzi. Aproveitei para entrar em uma loja de lingeries, estava precisando.

Comprei uns conjuntos lindos. Já conhecia a dona da loja a alguns anos e ela sempre me atendia discretamente.

Na dúvida entre cores e como realmente estava precisando peguei várias. Branca, vermelha, preta, tinha até mais coloridas. Me perguntei qual ele mais ia gostar, mas ai lembrei que estávamos meio distantes.

Peguei as sacolas e fui para casa. Cheguei e recebi uma mensagem dos meninos dizendo que iam voltar apensas no domingo da casa da avó, pois iam comemorar um aniversário de um amigo no sábado. Subi e deixei as sacolas em um canto.

Fiz um lanche para mim na cozinha. Enquanto esperava a cafeteira liberar meu café avistei o relógio na parede. O jornal ia começar. Não acredito que ele não me ligou, nem me mandou mensagem. Estava triste com essa ausência dele.

Resolvi mandar uma mensagem. Seria a minha última tentativa.

“Will, precisamos conversar. Me liga depois do jornal!”

Estava esperando dar a hora do jornal começar. Já estava sentado na bancada quando meu celular acendeu do meu lado. Peguei e era uma mensagem dela.

Visualizei mas quando pensei em responder ouvi que íamos entrar no ar. Não tive tempo.

Ele visualizou e não me respondeu. Olhei novamente para o relógio e ele provavelmente tinha entrado no ar. Liguei a televisão da cozinha mesmo, e quando coloquei na Globo ouvi o seu famoso Boa Noite. Ele estava lindo, usava uma gravata vermelha. Me bateu uma saudade dele.

Desliguei a TV depois que comi meu lanche e subi para meu quarto. Apesar da insistência de todos para eu não dormir naquela casa sozinha eu não ia para a casa dos meus pais. Sempre fui bem independente e não ia deixar de ser agora. Tenho que aprender a lidar com o fato de não ter o William comigo toda noite e nem a presença dos meus filhos o tempo inteiro.

Sentei na minha cama e fiquei lendo um livro que ganhei de um convidado do programa.

Levantei depois de um tempo e fui experimentar tudo que comprei. Principalmente as peças intimas que não provei na loja. Serviram muito bem, bem até demais. Adorei o caimento de todas, valorizou meu corpo e me deixou feliz e com a autoestima elevada.

Estava sem sono, resolvi fazer algo que a muito tempo não fazia. Tomar um banho de banheira. Liguei a água e quando encheu entrei para aproveitar o máximo.

 

*--------*

 

Saí do jornal com certa pressa. Peguei a BR para tentar chegar mais rápido.

Um acidente no caminho. Por sorte conhecia um atalho e não ia ficar naquele engarrafamento esperando. Cheguei e a mansão estava toda apagada com exceção da luz que emanava da janela da suíte principal.

Ela estava acordada. Ainda era cedo. Quarta-feira o jornal acabava mais cedo por causa do jogo e hoje não perdi tempo na hora de ir embora.

Entrei na mansão usando minha antiga chave. Subi rapidamente as escadas e em segundos estava dentro da suíte. Ela não estava lá. Me aproximei da cama onde tinha uma pequena bagunça de roupas. Não era bem a cara dela deixar desarrumado assim. Chegando perto constatei que eram roupas novas. Estavam com etiquetas, provavelmente estava bagunçado porque ela estava experimentando. Algumas me chamaram a atenção, feitas de renda e lindas. Peguei uma vermelha nas mãos e só de imaginar ela vestida com ela me deu um arrepio na espinha.

Precisava vê-la. Olhei pelo quarto e a porta do banheiro estava fechada. Cheguei perto e bati na porta. 

Estava tão distraída, passava uma bucha pelas minhas pernas quando ouvi três batidas na porta. Só ele batia assim. Por um momento pensei estar sonhando, mas ai a porta começou a se abrir. Meu coração disparou. Lá estava ele me encarando dentro da banheira.

-Oi.

-Oi. –dissemos sem deixar de nos olhar.

Ele foi se aproximando e se sentou na escada da banheira. Não deixava de me olhar um segundo se quer. Eu via desejo em seus olhos.

-Você tinha razão, precisamos... nós precisamos... ele gaguejou.

-Precisamos? –o provoquei. Estava ainda com a bucha em mãos e agora passava por meu pescoço.

Ele se levantou parando de frente para mim. Começou a se despir  e cada peça que ele tirava eu sentia meu coração se acelerar, rapidamente ele estava nu. Entrou na banheira, dei espaço para ele se sentar e quando ele se acomodou eu me aproximei, me encaixando em seu corpo, prendi minhas pernas em volta dele e senti suas mãos passearem pelas minhas costas até chegarem em meu pescoço. Me puxou para um beijo cálido que me tirou o ar.

Me entreguei completamente para ele. Estávamos com saudade. Precisamos conversar mas naquele momento o desejo falou mais alto. Ele conseguia arrancar gemidos de mim com poucos movimentos, mas um saiu mais alto que o normal quando ele me puxou ainda mais para o seu colo e me preencheu. Nossos sexos se movimentando naquele vai e vem maravilhoso e ainda em contato com a água estava me deixando louca. Não resisti muito tempo. Tive um orgasmo explosivo. Mordi seu ombro e ele agarrou minha cintura indo logo em seguida.  Nossas respirações ofegantes era a única coisa que se ouvia. Ficamos abraçados um tempo, até que ele me ajudou a levantar. Vestimos um roupão e saímos do banheiro.

Não estava com coragem para falar nada para ele. Estava com receio de que qualquer coisa dita pudesse gerar uma briga.

William pensava de certa forma igual, mas não ia se abater assim tão fácil.

Enlacei ela pela cintura e sussurrei em seu ouvido.

-Estava com tanta saudade de você meu amor.

Me virei em volta dos seus braços o encarando.

–Eu também Will – respondi e em seguida lhe dei um selinho.

 

 

 


Notas Finais


** Foto meramente ilustrativa do que imaginei ser o Banheiro! kkkkkk http://1.bp.blogspot.com/-8WriwOBenFs/U6yHgGvgd_I/AAAAAAAALXU/piK33YS3ZWA/s1600/Sala-Banho-7.jpeg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...