História Amor no Apocalipse? Talvez Um Pouco! - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Inochi Yamanaka, Itachi Uchiha, Izumi Uchiha, Jiraiya, Konohamaru, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Orochimaru, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Zabuza Momochi
Tags Naruhina, Naruto, Sasusaku
Visualizações 60
Palavras 1.613
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Um capítulo fresquinho pra vocês!
Boa Leitura!!

Capítulo 35 - Capítulo XXXV


Casa com toda a certeza não mais segura. Nove meses após o início da epidemia. O apocalipse tomou o planeta Terra. 

Enfim, neste momento ocorreu o que de certa forma era esperado, mas que ninguém estava esperando, pelo menos não antes da hora. Temari entrar em trabalho de parto e por isso aparecer um homem gritando como se o mundo estivesse acabando, o que já tinha ocorrido. 

 

—Sakura ajuda a minha mulher, a bolsa dela estourou! — Shikamaru gritou entrando desesperado no porão. 

O seu rompante ali, fez com que a rosada se distraísse, o que foi bem ruim pois o seu aperto no braço da mulher, que se encontravam presos na frente do corpo por uma corda nos pulsos, se afrouxou, permitindo que ela se soltasse de sua mão e levasse com força seu cotovelo bem no rosto da rosada atingindo seu nariz e a fazendo se curvar com as mãos no rosto. 

—Droga — sua voz saiu abafada. 

Tayuya começou a correu na direção da porta pronta para atacar o moreno, mas mal chegou perto dele antes de ser derrubada por Sakura no chão, que havia se recuperado rapidamente. 

—Pensou que seria tão fácil assim se livrar de mim? — Perguntou retoricamente se levantado e a puxando pelo cabelo ruivo. 

—Quando eu conseguir escapar, você vai ser a primeira que irei matar — falou grunhindo pela dor que sentia por se puxada pelos seus fios ruivos. 

—Vai sonhando — disse com a voz um pouco rouca pela dor que sentia do seu nariz. Seu rosto já se encontrava sujo de sangue. — Onde ela está? — Perguntou ao moreno. 

—Eu a deixei no quarto com a Ino e Gaara. 

—Eu já estou indo, só preciso prende-la para que não fuja. 

—Deixa que eu a prendo. Só os salve, por favor — ele pediu já segurando o braço da prisioneira. Ela concordou balançando a cabeça. 

Sakura andou rapidamente em direção do quarto onde o casal tinha se hospedado. Ao passar pelos corredores ela não encontrou ninguém, o que não a surpreendeu, pois a grande maioria deveria estar lá fora trabalhando na colheita e na estocagem dos mantimentos. 

Quando chegou ao quarto encontrou Ino e Mikoto sentadas uma de cada lado da cama, Temari meio deitada encostada em travesseiros e Gaara andando de um lado para o outro sem saber o que fazer cada vez que sua irmã gemia alto de dor. 

—Cheguei — anunciou a rosada ao entrar.  

—O que houve com você? — Perguntou Ino ao ver o sangue no rosto da amiga. 

—A assassina de crianças me deu uma cotovelada. Mas isso não importa agora — falou se aproximando da cama. — Vocês duas me ajudem a tirar a calça dela, Gaara traga três toalhas limpas, gelo e água morna.  

O ruivo mesmo sem saber para que ela iria usar todas aquelas coisas, saiu rapidamente do quarto para providenciar o que lhe foi pedido, pelo menos agora teria algo para fazer. 

Após tirarem a calça e a calcinha que a loira vestia, Sakura posicionou suas pernas para que ficassem abertas e com os joelhos flexionados para cima e verificou a situação. 

—Você está com sorte o bebê já está coroando — disse calma. 

—Se você diz — respondeu com a voz tremendo de dor para logo gritar de dor ao sentir a contração. 

—Quando sentir a próxima contração empurre com toda força, entendido? — Falou após ver o corpo da loira relaxar após a dor passar. 

—OK! — Respondeu alto antes de outra contração alcança-la. —Aaahhh!  

Nesse momento Shikamaru retornou para dentro do quarto e tomou o lugar de Ino segurando a mão de sua esposa. 

*** 

Após terminar o parto, limpar o bebê e tudo mais. Sakura saiu com a toalha limpa que havia sobrado e o gelo um pouco derretido dentro de uma vasilha, deixando os outros admirando o pequenino. 

Entrou em seu quarto deixando a porta encostada, e começou a limpar o sangue agora seco de seu rosto e um pouco do pescoço ao entrar no banheiro. Só quando terminou de se limpar foi quando ela parou para examina-lo e constatar o que já imaginava, seu nariz não foi quebrado. O golpe só rompeu um dos vasos sanguíneos. 

Ao terminar ela saiu de seu quarto com um dos cubos de gelo em seu nariz, para que o mesmo não inchasse tanto, e voltou para seu laboratório. Não poderia esperar mais para saber se todo seu trabalho tinha valido a pena ou não. 

Ao entrar no cômodo encontrou a ruiva presa a uma cadeira com os braços e as mãos amarradas. 

—Vamos lá então — pegou sua arma que vivia presa a sua perna no coldre e começou a desamarrar os pés dela enquanto mirava a arma para cabeça. A ruiva nada fez para escapar, por intuição ela sabia que se agisse agora seria a última vez. — Levante-se e caminhe até a jaula — mandou a rosada assim que desamarrou as mãos presas atrás da cadeira e assim ela o fez. — Te darei duas opções você pode morrer agora com um tiro em sua cabeça ou pode esticar o braço para dentro da jaula e ser mordida por um deles, e quem sabe permanecer viva se minha vacina funcionar. A escolha é sua! 

Ao terminar de falar Sakura sentou na cadeira que antes a ruiva estava e manteve a arma apontada para ela demonstrando que não era um blefe. 

—Se der certo e eu continuar viva você vai me deixar ir embora, vai me soltar? — Barganhou olhando diretamente em seus olhos e esperou a resposta que veio após a rosada ponderar por um minuto. 

—Se der certo eu te dou uma provisão para duas semanas e te deixo ir. De acordo? 

—Feito — aceitou para depois passar seu braço por entre as grades da jaula em direção a boca do homem infectado. — Agh! Droga! — Gritou de dor ao ser mordida e ter um pequeno pedaço arrancado de seu braço ao puxa-lo da boca do zumbi. 

—Vou fazer um curativo e voltar a prende-la, até que passe alguns dias sem você ser transformada. 

A ruiva nada respondeu somente se colocou na frente dela e andou para o consultório improvisado esperando que a rosada pegasse os materiais para suturar e enfaixar seu braço. 

—Ande — ordenou Sakura após terminar.  

Logo depois de prende-la novamente no sótão, ela voltou para seu quarto para tomar um banho e descer para se encontrar com os outros na sala, pelo horário eles já estariam jantando. 

—Deveríamos comemorar hoje — falou Sakura se dirigindo aos demais que estavam sentados à mesa. — Não só pelo nascimento de uma nova vida como também o progresso da nossa imunidade. 

Sem esperar que alguém concordasse ela se dirigiu a dispensa que agora era mantida com as portas abertas e entrou para pegar uma das garrafas de vinho e outra de vodca, ela precisava de algo forte depois do dia cheio que teve. Pegou um copo para si e voltou para junto dos outros. 

—Quem quiser beber é só pegar um copo na cozinha ou esvaziar esses com água que estão usando — disse colocando as garrafas e seu copo na mesa. Abriu a garrafa de vodca e encheu metade de um copo comum. 

—Você não acha que está exagerando na quantidade? — Perguntou Kushina enquanto alimentava a sua neta que estava em seu colo. 

—Eu não acho — falou Ino devolvendo sua água intocada para a jarra no centro da mesa e o enchendo pelo meio com vodca. 

—Sabe o que isso me lembra? — Perguntou Sakura para a loira. 

—Nossas noites de garotas? 

—Sim, mas devo confessar que lembrei de uma em especial — confirmou após beber metade do conteúdo do copo e ver Ino piscar para ela. 

—Do que raios vocês estão falando? — Naruto questionou um pouco enciumado depois de todo aquele segredo das duas, afinal antes de sua irmã ir embora de casa ele era o melhor e único amigo dela. 

—De uma das nossas saídas. Para nos divertir, é claro — respondeu a loira se levantando da cadeira e indo com seu copo para o sofá que tinha dois lugares vagos, o terceiro sendo ocupado por Sasuke, sendo seguida por Sakura. 

—Se fosse possível repetiria aquela noite novamente — comentou a rosada com saudades dos momentos que viveu antes de descobrir sobre a criação do patógeno. 

—Se bem que é possível ainda. Tudo que precisamos nós temos — Ino olhou para Sasuke que se encontrava ao lado de Sakura, como também o irmão deste e Gaara, que agora já era seu namorado depois de ter passado tanto tempo evitando os sentimentos um pelo outro e só com pensamentos de sobreviverem dia após dia. Mas depois de tanto tempo convivendo e sobrevivendo juntos não deu em outra. 

—Não podemos esquecer das tangas — Sakura a lembrou, mas suas palavras também foram ouvidas pelos outros. As duas gargalharam após as palavras da rosada.  

Já Izumi alguns segundos depois ao entender do que elas falavam riu com a mão na boca olhando Itachi, que antes de ouvir a risada estava tentando decifrar as duas que se encontravam no sofá. 

—Do que está rindo? — Itachi a questionou. 

—Eu entendi do que elas estão falando — disse com um pequeno sorriso no rosto. 

—E o que é? — Quis saber Naruto que não via a tempos sua irmã tão descontraída, mesmo quando ele a encontrava meio bêbada, porém sua pergunta inocente fez com que a morena corasse. Contudo a vermelhidão não foi causada pela resposta e sim pelos pensamentos que teve ao juntar o seu moreno e tanga na mesma cena. 

—Naruto — chamou sua mãe. — Não seja tão curioso, e deixe sua irmã. 

—Mas... — começou, porém ao ver o olhar de Kushina decidiu ficar quieto, agora sabia de quem Sakura tinha herdado “o olhar” ao qual ninguém, menos seu pai, decidia questionar. 


Notas Finais


Já temos mais bebê na casa!
A vacina está em teste e no próximo capítulo saberemos se deu certo ou não!
Pergunta: quem de vocês gostaria de ver nossos rapazes realizando os desejos de suas mulheres???

Beijos e Até o próximo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...